Skunk: Super maconha ou maconha de laboratório?

Se você está aqui você provavelmente já ouviu falar em Skunk. Mas isso não quer dizer que ouviu a verdade sobre essa espécia de maconha. Isso porque embora muita gente conheça o nome Skunk, muitos não sabem exatamente o que é a maconha Skunk e como ela é de fato. É comum ver gente falando que pegou um Skunk quando na verdade só pegou um prensado melhor. Outros usuários chamam de Skunk qualquer tipo de bud ou soltinho. Já consumidores mais inexperientes e autoridades confundem skunk com uma maconha sintética ou até mesmo uma super maconha.

Muitos consideram inclusive a maconha Skunk uma utra droga, o que não tem pé nem cabeça. Mas afinal, o que é verdade sobre Skunk? O que diferencia a maconha Skunk de outras genéticas comuns? O objetivo é esclarecer tudo isso pra não passar vergonha na roda e ter mais um pouco de conhecimento sobre uma Cannabis que realmente merece toda essa fama.

A história e o que define a maconha Skunk

Bom, a verdade é que a origem da maconha Skunk não é muito diferente das demais strains que existem hoje em dia. Isso porque ela é apenas uma planta genética híbrida, o que significa que é fruto do cruzamento entre uma Cannabis Indica e uma Sativa.  Acontece que esse cruzamento foi lá na década de 70 e deu muito certo. Tanto que até hoje a strain Skunk é conhecida no mundo todo a ponto de muitos chamarem qualquer Cannabis mais forte de Skunk.

Mas não é assim. Skunk é uma genética específica, que inclusive venceu a Cannabis Cup de 1988.  A Skunk#1 que foi a primeira, é resultado do cruzamento das genéticas Afhgani, Mexican Acapulco Gold, e Colombian Gold. Essa é a versão de maconha Skunk original, e é possível encontrar sementes dela em alguns bancos conhecidos.

O que é Cannabis Híbrida

A Skunk é considerada uma maconha híbrida. Uma das primeiras deste tipo a ficar tão famosa como já deu pra ver. Como explicamos acima, a Cannabis híbrida é resultado do cruzamento entre uma ou mais das espécies Indica ou Sativa. Hoje em dia é muito comum encontrar strains híbridas, e inclusive elas são as preferidas do público justamente pela oportunidade de experimentar os efeitos de ambos os tipos em uma só maconha.

Essa possibilidade também se deve aos cultivadores e geneticistas que foram fazendo cruzamentos, compreendendo melhor o funcionamento da Cannabis, e produzindo diferentes genéticas. Isso permite saber também a porcentagem de cada espécie presente em uma determinada semente e flor. Existem genéticas com predominância Indica, e outras com predominância Sativa, sendo as vezes 60% de uma e 40% de outra, ou 80% de uma e 20% de outra, e outras várias variáveis.

Skunk é uma genética de maconha como as outras. Mas é muito conhecida por ter sido cruzada nos anos 70 e já ter vencido uma Cannabis Cup – Créditos Seedsman

A origem do nome

Agora que você vai entender o motivo da Skunk levar esse nome você vai dar razão por muitos chamarem algumas genéticas ou até prensados de “Skunk”. É que a origem do nome vem da palavra Gambá, que inglês significa Skunk. E não é preciso lembrar o forte cheiro característico do Gambá para entender o motivo dessa strain ter esse nome. O forte odor é o que deu essa fama pra ela. O cheiro aliado à sua potência fez com que a Skunk ficasse eternizada para sempre, mesmo que muitas vezes citada de forma errônea.

Skunk é mais potente?

Depende os parâmetros que vão ser utilizados para medir isso. Se Skunk é mais potente que um prensado? Com certeza. Assim como qualquer outra strain bem cultivada e já proveniente de uma genética boa tende a ser. Isso quer dizer que ela não é muito mais potente do que outras genéticas consumidas no mundo todo. O que acontece é que as plantas híbridas, quando cultivadas nas condições ideias podem atingir níveis um pouco mais elevados de THC.

Enquanto as genéticas normais em lugares legalizados costumam variar de 14% a 24% de THC, as híbridas podem atingir cerca de 30% de THC, e esse é o caso da strain Skunk.  Mas vale lembrar que haxixes podem atingir níveis bem mais elevados e concentrados de THC, o que faz com que a Skunk seja uma erva fraca perto da potência das extrações por exemplo.

Flor de maconha Skunk em floração – Créditos Cannabis Break

Confusões sobre Skunk, a “super maconha”

Como falamos no início do texto, existe muita confusão por trás do nome Skunk. Inclusive muitas autoridades tratam esse tipo de maconha como se fosse uma “super maconha” cultivada em laboratório. Isso sem falar nos usuários que muitas vezes acham que Skunk é maconha sintética, ou até mesmo qualquer flor mais potente e com cheiro forte. E essas distorções são possíveis de encontrar em noticiários brasileiros com frequência.

Quer ver? A gente separou alguns vídeos de reportagens inusitadas que falam sobre apreensão com Skunk. Em muitos casos, cultivos de maconha comuns são tratados como laboratórios de uma maconha super potente. Já em outras reportagens, tem policial que mostra desconhecer até mesmo o que está apreendendo, chamando uma Cannabis aparentemente comum, como Skunk, que seria uma “droga nova” o que não corresponde em nada com a história.

Policial mostra desconhecimento em abordagem ao dizer que Skunk é uma nova droga.

Acabe com os mitos sobre Skunk

  • Skunk não é uma “droga nova”.
  • Skunk não é uma “super maconha” ou “super potente” sempre.
  • Skunk não é maconha sintética.
  • Skunk não é qualquer flor/bud com cheiro mais forte.
  • Skunk não é necessariamente qualquer maconha cultivada em estufas. Nada a ver!
  • Skunk é uma genética de maconha híbrida antiga, resultante do cruzamento de uma Indica e uma Sativa.

As strains com maconha Skunk que surgiram

Como deu pra ver, a fama da Skunk se espalhou rapidamente e ainda é possível encontrar sementes da Skunk #1 original. Mas também dá pra sentir um pouco dela em outras genéticas que são resultado do cruzamento dela com outras strains. É o caso da OG Skunk, da Super Skunk, da Northern Skunk, Lemon Skunk, e tantas outras que foram cultivadas a partir dessa espécie.

Bud de Skunk – Créditos Dazed

Dicas para cultivar Skunk

Se você quer experimentar um gostinho dessa famosa genética, então é melhor adquirir ela de um banco de sementes confiável, que realmente comercialize a Skunk #1 original, ou alguma outra strain proveniente desse cruzamento. Costuma ser uma planta fácil de cultivar, com em média 8 semanas de floração.

Pode ter bons rendimentos e atingir uma altura média, além de ser conhecida como uma das primeiras genéticas a ser cultivada indoor no mundo, o que a torna muito especial para growers que cultivam em ambientes internos. Trata-se de uma verdadeira conquista plantar e colher a sua própria Skunk.

Skunk cultivada indoor – Créditos Grow Diaries