Quais as principais séries sobre maconha na Netflix?

Lucas Buzatti

É evidente que a maconha tem rompido barreiras socioculturais nos últimos anos. A erva marca presença na cultura pop, principalmente na música e no cinema, desde antes dos anos 60. Mas parece que os assuntos que a circundam têm conquistado cada vez mais espaço, e em diferentes segmentos. Prova disso é a recente explosão de séries e filmes sobre maconha na Netflix, a principal plataforma de streaming do mundo.

Há opções para todos os gostos, envolvendo variados sub-temas: culinária, economia, comédia, história, medicinal, entre outros. Sem contar clássicos do cinema cannábico, tais como “Cheech & Chong Atacam Novamente” (1980), “Jovens, Loucos e Rebeldes” (1993) e “Pra Lá de Bagdá” (1998).

Outros bons títulos disponíveis na plataforma são documentários como “Maconha Medicinal: Cura ou Crime?” (2018), “Rolling Papers” (2015) e “The Legend of 420” (2017). Já quem curte um bom besteirol pode se ligar na versão animada da cultuada série de comédia “Trailer Park Boys”, que acaba de ser lançada neste ano.

Algumas séries que envolvem maconha na Netflix

Para vocês passarem bem a quarentena, deixamos aqui cinco sugestões de produções sobre Cannabis lançadas há pouco tempo na Netflix. Boa viagem!

“Receita da Boa” (série, 2020)

Quando o papo é maconha, um dos assuntos em alta na Netflix é a gastronomia – o que mostra que o Curso de Culinária Cannábica do Growroom pintou exatamente no momento certo. A mais recente série sobre o assunto é um reality show, estilo “Master Chef”, chamado “Cozinha da Boa”. Com seis episódios, o programa propõe uma competição em que apresentadores e convidados devem ser conquistados com pratos à base de muito THC e CBD.

“Baseado em Fatos Raciais” (filme, 2019)

Produzido pelo rapper norte-americano Fab5 Freddy, o documentário – que estreou no dia 20 de abril deste ano (o “4/20 day”) – traça uma importante reflexão sobre a relação entre o racismo e a história da maconha nos Estados Unidos. Por meio de recortes históricos e entrevistas, são estabelecidas motivações raciais tanto quanto à proibição quanto no que diz respeito à recente aceitação da erva no país. Para falar do assunto, são ouvidos nomes como Snoop Dogg, B-Real (Cypress Hill) e Damian Marley.

“Flagrantes de Família” (série, 2019)

A série francesa narra a história de uma família que, em apuros financeiros, resolve transformar o negócio familiar, um açougue, em um empreendimento mais lucrativo. Claro: a ideia que surge é a de um cultivo profissional de maconha, uma vez que a França está prestes a legalizar o comércio da erva e as perspectivas de ganho financeiro são altas. Mas o caminho não será tão fácil assim! Uma série leve, cômica e cheia de boas sacadas.

“Cozinhando em 4:20” (série, 2018)

Também na pegada “Master Chef”, este reality show traz 12 episódios estrelados por chefs que têm 30 minutos para criar suas receitas com maconha. O programa é apresentado pelo youtuber Josh Leyva e pelo ativista cannábico Ngaio Bealum. São 24 participantes, que batalham pelo cobiçado “Pot of Gold”, trocadilho com a palavra “pot”, que em inglês é uma gíria para maconha.

Inclusive rolou uma recente competição de culinária cannábica entre os alunos do curso de culinária da GRHS, a escola do Growroom.

“Disjointed” (2018)

Série original de comédia da Netflix, criada por David Javerbaum e Chuck Lorre (“Two and a Half Men”, “The Big Bang Theory”), é protagonizada pela atriz Kathy Bates. Conta a história da ativista Ruth Whitefeather Feldman, que após muitos anos de luta pela legalização da maconha consegue abrir sua própria loja. A personagem contrata uma equipe de “budtenders” para ajudá-la no negócio, entre eles seu filho, Travis, um jovem careta e recém-formado. A série é divertida, mas não vingou: ainda em 2018 a Netflix anunciou seu cancelamento, após uma única temporada.