Ao queimar pés de maconha, Brasil queima remédio

Volta e meia notícias sobre a queima de pés de maconha no Brasil aparecem na mídia. É que ao encontrar determinadas plantações “ilegais”, a polícia brasileira tem o costume antigo de incinerar todos os pés de maconha apreendidos. Ou seja, o país literalmente queima o remédio utilizado por muitos brasileiros. E que pagam muito caro para ter acesso por conta dessa proibição.

O caso mais recente até a data da publicação desta matéria aconteceu neste dia 1º de julho, em Chorrochó, na Bahia. Mais de 3 mil pés de maconha encontrados em uma fazenda foram queimados. E essa não é uma notícia que deixa triste somente maconheiros(as), mas também os pacientes que fazem uso medicinal da erva e que estão vendo seu medicamento ser queimado.

Mas isso quer dizer que os pés de maconha eram para fins medicinais? Não se sabe, pois ninguém foi preso. Porém, mesmo que a plantação fosse destinada para o tráfico, depois de apreendida ela poderia servir para diversos fins legais. E a polícia e a Justiça sabem disso, pois afinal, a produção medicinal já está até regularizada no Brasil. Resta saber porque o país segue com essa política antiga de queimar pés de maconha.

Como os pés de maconha poderiam ser utilizados

Não faltam opções de destino para os pés de maconha apreendidos e erroneamente queimados pelo Estado. Afinal de contas, a maconha é uma planta versátil e que possui diferentes genéticas, sendo umas melhores do que outras para tratar determinadas doenças. Sendo assim, essas plantas poderiam ajudar várias pessoas.

  • Os pés de maconha poderiam ser utilizados para produção de remédios à base de Cannabis para pessoas que não têm condições de importar ou que ainda não sabem cultivar.
  • Se doados para universidades ou laboratórios, as plantas poderiam servir para pesquisa científica e até mesmo produção de novos remédios nacionais e até mesmo estatais de maconha.