Podas e treinamentos para plantas de maconha

Aumentar o rendimento de um cultivo de maconha pode ser fácil quando o grower sabe fazer podas e treinamentos que irão ajudar nisso. As podas e treinamentos não custam nada e são essenciais para fazer as plantas se desenvolverem mais. Existem podas que que todo cultivador faz em todas as suas plantas. E também treinamentos que são realizados em diferentes situações, especialmente por quem cultiva em espaços pequenos e quer aproveitar ao máximo ambiente.

Porém, para não danificar as plantas quando for fazer essas podas e treinamentos é importante saber quando fazer, e como fazer. Isso porque não é em todos os estágios que podem ser realizadas essas podas, com exceção da tradicional poda de limpeza que pode ser feita em qualquer período para evitar que a planta consuma energia com folha pequenas ou já mortas. Já os treinamentos também podem ser importantes em certos períodos, mas não do período vegetativo até a colheita.

Ensinar quando fazer isso, e quais são as podas e treinamentos mais comuns e que dão os melhores resultados aumentando o rendimento e gerando plantas mais saudáveis é objetivo desse texto.

O que são as podas no cultivo de Cannabis?

Muita gente entende podar como diminuir o tamanho de algo, mas no caso do cultivo de Cannabis as podas cumprem outros papéis ajudando no surgimento de novos ramos e na limpeza para que as plantas mais saudáveis sejam as que recebam mais energia. Por conta dessas funções existem diferentes tipos de podas sendo que cada uma delas pode ser benéfica em diferentes cultivos, tanto indoor quanto outdoor.

Dicas básicas para fazer as podas

  • Utilize uma tesoura própria para podas. Jamais rasgue as folhas com a mão.
  • Tenha certeza que está podando no lugar certo.
  • Regue após a poda. Isso reduz a quantidade de choque em sua planta, além de estimular o crescimento.
  • Saiba quando fazer a poda.

Poda Apical ou Poda Top

Uma das podas mais utilizadas pelos growers é a Poda Apical, também conhecida como poda top. Essa poda é muito simples e muito recomendada no início da fase vegetativa logo após os primeiros 30 dias quando a planta realmente começa a tomar forma.  Basta remover o broto apical/ haste principal.Os dois brotos imediatamente abaixo crescerão e se tornarão dois brotos superiores, e assim a planta vai crescer espalhada e sem aquele aspecto de pinheirinho de Natal reta pra cima. Além disso, a poda apical também difunde os hormônios pelos ramos, incentivando-os a crescer mais vigorosamente. Essa técnica ajuda a dar um perfil espesso.

A razão para as plantas se comportarem dessa forma está relacionada com seu centro de controle de crescimento. O sistema de transporte de auxinas, está localizado no ápice do ramo principal. Pigmentos sensoriais nas folhas informam à planta de várias coisas, inclusive quanta de luz uma folha necessita. Isso permite que ela regule o envio de energia ou hormônios em todas as suas partes.

Ao retirar o topo principal durante a poda apical, a comunicação entre o ápice e as folhas é interrompida, com isso a planta assume o próximo ramo como sendo o principal. Isso significa que os ramos secundários, do nó abaixo começam crescer mais rápido e ganhar peso. Esses ramos geralmente crescem lentamente se a poda top não é feita, e por conta disso essa é considerada uma das podas mais importantes de todas.

Na maioria das vezes essa transição é bem rápida, mas algumas plantas podem demorar a crescer logo após a poda apical. O que acontece geralmente é um travamento de uma semana no máximo até a planta voltar a se desenvolver corretamente após o estresse desta poda. Mesmo assim, é correto afirmar que essa é uma poda eficiente e que vai ajudar a aumentar o desenvolvimento da planta.

Podas e treinamentos – Poda Apical – Créditos Semillas de Marihuana
Poda Apical no cultivo de cannabis – Créditos KOTC 420

Poda FIM

Semelhante à poda apical, só que como se ela tivesse dado errado, a poda “FIM (Fuck I Missed) top” também passou a ser muito utilizada embora tenha sido descoberta justamente dessa forma, com uma poda apical que não deu certo. Mesmo assim, a poda FIM se mostrou eficiente e também é muito simples. Basta deixar uma pequena porção da parte que está crescendo no ramo principal para que a planta assuma 4 ramos, ao invés de 2. O ápice da sua planta, o caule principal, vai ficar parecido com uma “taça” com a poda FIM.

Poda FIM – Créditos Your Weed Coupons

Podas de limpeza

Muita gente ignora as podas de limpeza, mas elas são fundamentais para melhorar o rendimento. Tirar aquelas folhas que não estão saudáveis é recomendado sempre que possível. Assim, a planta não gasta energia com elas, direcionando tudo para os ramos principais e que estão mais fortes.

Quando a poda de limpeza não é feita, sempre ficam alguns buds pequenos na parte inferior que são conhecidos como pipoquinhas. Por mais que sejam flores menores, esses buds podem ser evitados com as podas de limpeza. E isso não é ruim, pois justamente os buds que estão se desenvolvendo maiores e mais saudáveis vão receber essa energia a mais. Fazer essa limpeza das folhas e depois dos brotos que não vão receber a mesma quantidade de luz é portanto uma forma de fazer com que a planta cresça mais saudável usando todos aqueles nutrientes, água e luz que está sendo fornecida.

Desfoliação

A desfoliação é o termo que descreve a remoção de folhas das plantas, principalmente aquelas que estão impedindo que buds mais abaixo recebam luz. Ao usar a desfoliação, o cultivador procura manipular o crescimento da planta para aumentar o fluxo de ar e a penetração da luz.

O que são os treinamentos no cultivo de Cannabis?

É possível treinar as plantas de Cannabis e ajudá-las a direcionar seu crescimento. Semelhantes às podas, esses treinamentos ajudam a fortalecer os ramos e também à buscarem a melhor posição para pegar a luz que necessitam para se desenvolver. Existem diferentes tipos de treinamentos no cultivo de Cannabis. SCROG, LST, e outras técnicas que os growers têm utilizado tanto para aumentar os rendimentos, quanto para aproveitar ao máximo o espaço de cultivo, principalmente hoje em dia que tem cada vez mais pessoas cultivando indoor no Brasil e no mundo.

SCROG

Até quem nunca cultivou provavelmente já viu um SCROG sendo feito e já procurou saber o motivo daquelas redes por cima de um cultivo de Cannabis. E apesar de parecer algo simples, o Scrog, ou “Screen of Green” (Tela de Verde), que é exatamente isso: uma rede acima das plantas, cumpre um papel fundamental especialmente em cultivos indoor. É possível adquirir uma rede própria para fazer o SCROG ou também improvisar uma caseira mesmo.

Pode parecer apenas uma rede em cima de várias plantas, mas ela juda a separar os ramos para que eles cubram toda a área do grow, além de ajudarem a forçar o caule principal a subir ao topo entre as redes buscando a melhor luminosidade. A rede serve ainda de suporte para os buds, quando eles começam a ficar pesados por conta da floração. Pra quem cultiva indoor, o SCROG é um treinamento que vai ajudar a fazer aquela floresta com as plantas ocupando todo o espaço.

É comum que cultivadores façam o SCROG desde o período vegetativo até as semanas finais da floração. Já outros preferem fazer o uso da técnica somente na flora mesmo.

Scrog – Créditos Leafly

LST, o treinamento de baixo estresse

Outro treinamento que é muito utilizado pelos cultivadores, mas que exige mais cuidados é o LST. A sigla vem de low stress training, ou treinamento de baixo estresse e a técnica é utilizada para aumentar a produtividade deixando as ramificações mais fortes, e também permitindo que todos esses ramos recebam o máximo de luz já que isso tira a dominância do ápice principal. Embora pareça simples assim como o SCROG ou as podas, o LST exige pode ter consequências maiores se não for feito corretamente e nenhum grower quer isso.

Resumidamente, o LST consiste em dobrar e amarrar suavemente os galhos e caules das plantas de cannabis para o lado de fora. O objetivo é deixar todos na mesma altura para que cresçam uniformemente. Dobrando e protegendo as plantas de uma maneira que rompe o domínio apical, todas as áreas da planta ficam expostas a uma maior distribuição de luz. O que é preciso ter em mente é que o LST exige uma manutenção consistente, pois as plantas continuam crescendo.

Planta de Cannabis com treinamento LST – Créditos 420 BigBud

É importante salientar também que o treinamento LST pode ser colocado em prática assim que a planta estiver confortavelmente em seu estágio vegetativo. Ou seja, quando os ramos já se mostram minimamente resistente para receber a técnica. O treinamento de baixo estresse pode ser mantido até a floração. Depois disso, não é recomendado o treinamento, pois a planta vai deixar de gastar a sua energia nas flores para se concentrar no fortalecimento dos seus ramos que estão em treinamento.

LST com SCROG – Créditos Grow Weed Eazy

Tente consertar se o ramo se quebrar com o LST

Como falamos anteriormente, o único problema ao se fazer o LST é a possibilidade do ramo se quebrar. Porém, esse problema pode ser solucionado com fitas adesivas para que ele volte a sua posição original. Nem sempre vai dar certo, mas na maioria dos casos esse é um problema possível de ser solucionado justamente pela Cannabis ser uma planta extremamente forte quando está com a luminosidade e nutrientes corretos para seu crescimento. Então, se algo se quebrar com o LST tente consertar.

Supercrop

O Supercrop ou Supercroping é um treinamento recomendado para quando a planta está na fase vegetativa. O Supercrop consiste em uma dobra ainda maior do caule para o lado da fora semelhante ao LST. Só que desta vez você não vai precisar amarrar a planta. Tem growers que até fazem isso, mas o ideal é essa dobra ficar nessa posição naturalmente, cuidando sempre para não quebrar o caule, e sim somente dobrar não rompendo seu tecido exterior.

Para fazer o treinamento do Supercrop basta escolher um caule que deseja interromper o crescimento vertical. Após a aplicação da técnica esse ramo tende a ocupar um espaço mais horizontal, com crescimento direcionado.

Supercrop no cultivo de maconha – Créditos UK420 (1)