Maconha é mais aceita que vários temas polêmicos nos EUA

A maconha é moralmente mais aceita pelos cidadãos estadunidenses que outros costumes sociais considerados polêmicos, como o consumo da pornografia, a poligamia e o uso de casacos de pele de animais. É o que mostrou uma pesquisa publicada pelo site “Gallup“, na última terça-feira, dia 23 de junho. Dos entrevistados, 70% afirmaram aceitar o uso da erva, contra 28% que ainda condenam a prática e 2% que não responderam ou não têm opinião sobre o assunto.

Numa escala de aceitação moral, “fumar maconha” fica na frente,  por exemplo, dos relacionamentos homoafetivos (66%), o que expõe a homofobia enraizada no país, uma vez que o casamento entre homossexuais foi aprovado nacionalmente pela Suprema Corte, em 2015.

Questões sociais extremamente delicadas também são menos aceitas que a erva, deixando escancarados paradoxos brutais: a pena de morte (64%), por exemplo, é mais aceita que o direito ao aborto (44%).

A pesquisa mostra uma escalada da aprovação social do uso da erva no país. Em 2018, o “Gallup” fez a mesma votação com seus leitores e apenas 65% consideraram fumar maconha um hábito moralmente aceito. A tendência é que cada vez mais a planta faça parte da sociedade, com cada vez mais pessoas plantando a própria maconha também.

Pesquisa mostra opinião dos cidadãos estadunidenses sobre a maconha e outros temas polêmicos como pornografia, aborto, e outros.

Fumar maconha já é costume permitido por boa parte dos conservadores

Outra parte da pesquisa aponta as respostas para cada tópico divididas por ideologia política, entre “liberais” ou “conservadores”. Em alguns pontos, a discrepância é gritante. Por exemplo, 70% dos entrevistados que aceitam o aborto são liberais, enquanto apenas 18% conservadores; no caso da poligamia, a diferença é de 34 para 9%.

Já quando o assunto é o consumo da Cannabis, a diferença está entre as mais reduzidas: 83% dos que aprovam são liberais e 51%, conservadores. No entanto, como a maioria é amplamente formada por conservadores, acredita-se que os defensores da maconha no país apoiem no próximo pleito presidencial o democrata Joe Biden, ao invés da reeleição do republicano Donald Trump.

Ex-vice-presidente dos Estados Unidos, Biden já se posicionou contrariamente à legalização nacional da erva e vem sendo pressionado a mudar de discurso pelos democratas.