FSM: Passeata une defensores da maconha

No sábado, 31, um movimento deve chamar atenção no Fórum Mundial Social (FSM). É a passeata pela legalização da maconha. A caminhada, que acontecerá no campus da Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra), faz parte dos preparativos para a ‘Marcha da Maconha’, uma versão brasileira da ‘Marijuana Global March’, que existe desde 1999 e que, no primeiro fim de semana de maio, leva os defensores da legalização da maconha para as ruas de vários países.

A programação no FSM começará às 12 horas, na Tenda Mundo Livre, dentro do Acampamento da Juventude, na Ufra. Serão três horas seguidas de debates sobre a legalização das drogas e uma oficina sobre como organizar a ‘Marcha da Maconha’ nas cidades brasileiras. A partir das 15 horas, os adeptos da causa saem em passeata pela Ufra.

‘Queremos descriminalizar a droga e propor um debate sério sobre a legalização de todo o ciclo de produção da maconha, desde o plantio, passando pela comercialização e o uso’, afirmou Renato Cinco, do Movimento Nacional pela Legalização da Maconha. Ele explica que a primeira ‘Marcha da Maconha’ no Brasil ocorreu em 2002 e que, no ano passado, foi realizada simultaneamente em onze cidades brasileiras.

A intenção, segundo ele, não é fazer apologia ao uso de drogas. ‘A proibição traz efeitos mais nocivos do que a própria droga. O comércio ilícito só incentiva a violência. Queremos a maconha seja utilizada não só para consumo, mas também para seu uso medicamentoso e ambiental’, argumentou. Ele disse também que é preciso rever a legislação de drogas no mundo.