Estudo encontra metais pesados e pesticidas em sedas e blunts

Um estudo recente feito pelo laboratório norte-americano SC Labs mostrou que algumas poucas marcas de sedas populares estão contaminadas com pesticidas e, principalmente, com metais pesados. De acordo com reportagem publicada pela revista “Forbes”, a pesquisa examinou 118 tipos de papeis de enrolar baseados populares entre usuários de Cannabis nos Estados Unidos. A maioria está dentro dos padrões aceitáveis para venda, apesar de algumas marcas terem derrapado nos testes.

Localizado em Santa Cruz, na Califórnia, o laboratório decidiu examinar as sedas depois que algumas amostras de baseados pré-enrolados falharam em inspeções, mesmo com amostras de Cannabis previamente aprovadas em testes. No estado norte-americano, os produtos à base de maconha precisam ter potência e limpeza comprovadamente testadas antes de entrar no mercado.

Diante da suspeita de que a contaminação poderia ter vindo dos papeis, a SC Labs decidiu coletar 118 diferentes sedas, blunts e cones de diferentes marcas, à venda na Amazon e também em headshops.

Créditos High Times

Metais pesados são mais comuns que pesticidas

Dos 101 produtos que passaram pelo teste de contaminação por metais pesados, 90% acusaram pelo menos um metal, enquanto 8% registraram tanta contaminação que não poderiam nem mesmo estar à venda no estado, em função dos rigorosos padrões californianos.

A exposição aos metais pesados – que incluem mercúrio, arsênio, cádmio e chumbo – podem causar câncer, neuro-intoxicação e problemas nos rins. De acordo com a pesquisa, o chumbo foi o metal pesado mais encontrado nas sedas.

No teste de pesticidas, 16% dos produtos dos produtos testados encontraram algum nível de contaminação, sendo que apenas 5% continham mais pesticidas que o permitido pelos padrões da Califórnia. O laboratório afirmou que, apesar das derrapadas, nenhum papel violou drasticamente os limites de pesticidas.

Baseados bolados nas Blunts – Créditos Merry Jane

Blunts, hemp wraps e celulose na mira

De acordo a “Forbes’, apesar de não citar muitos nomes, a SC Labs afirma que sedas de celulose e papeis de goma, vendidos como super limpos, continham índices mais elevados de contaminação.

O limite de chumbo na Califórnia é de 0.5 microgramas de chumbo por grama. Dois papeis de celulose, produzidos pela aLeda e pela Smokeclear, tinham 60.3 e 55.1 microgramas de chumbo por grama, segundo a pesquisa.

Comercializados como papeis mais naturais, alguns blunts e hemp-based wraps também falharam em testes para cádmio, arsênio e chumbo. Os cones saborizados de blueberry e abacaxi da Zig-Zag e os hemp wraps da Twsisted Hemp e da HydroLemonade foram reprovados nos metais pesados, enquanto os wraps produzidos pela King Palm e pela Elements falharam para pesticidas.

Foto Media Philly Voice

Resultados não justificam alarde, diz SC Labs

De acordo com a SC Labs, mesmo com o estudo apontando falhas, não há motivo para alarde. “Os resultados desse estudo certamente não justificam que liguemos um alarme. ‘Batam os sinos agora, nós temos que parar e testar todos os papeis'”, disse o diretor da SC Labs, Josh Wurzer, à “Forbes”.

Para Wurzer, os blunts, wraps e hemp papers parecem ter falhado mais por existirem em maior variedade. “Eles também são mais grossos, e isso parece ser um problema”, afirmou. Para o diretor, combinados a uma Cannabis limpa e de boa procedência, mesmo os papeis reprovados no teste, que observa os padrões da Califórnia, não apresentam grandes prejuízos para o consumo humano.

Wurzer, no entanto, ressaltou que é importante que os usuários de Cannabis repensem seu consumo de forma consciente diante da realidade da pesquisa. “Eu vou parar completamente de fumar blunts? Não, mas vou considerar um novo limite para usá-los. Se eu fumava três a quatro baseados por dia e sempre usava blunts, vou reconsiderar isso”, afirma. “Percebemos que os papeis regulares, mais antigos, são bastante limpos. Talvez eu prefira usá-los na maior parte do tempo”.