Mais 5 estados americanos legalizaram a maconha

A Cannabis é a grande vencedora das eleições americanas. É que pelo menos 5 estados americanos legalizaram a maconha enquanto o mundo espera a contagem de votos e o resultado da disputa entre Joe Biden e Donaldo Trump. Assim, um terço da população agora vive em jurisdições de estados que legalizaram a maconha para uso adulto e 70% de todos em locais que já regulamentaram o uso medicinal da erva.

Nos EUA, a votação de medidas populares ou apoiadas por entidades, como é o caso dessas relacionadas à maconha são comuns em eleições gerais em que os eleitores já vão às urnas para decidir outras questões, como nesse caso o próximo presidente do país. Até esta terça-feira, dia 3 de novembro, eram 11 estados com a Cannabis recreativa, mais Washington.

Mas desta vez, além de legalização em mais 5 estados, os eleitores também foram convocados para debater a regulamentação do uso médico de cogumelos em alguns lugares, a descriminalização de todas as drogas, aborto, e outros temas em cada estado.

Entenda como os 5 estados americanos legalizaram a maconha

Como cada estado pode definir suas próprias leis, o mesmo vale para como cada estado vai regulamentar a sua maconha e por isso é bem interessante entender como esses 5 estados legalizaram a planta e como esse mercado vai funcionar.

Nova Jersey

  • Os eleitores de Nova Jersey aprovaram a legalização da maconha recreativa para adultos a partir do dia 1º de janeiro de 2021.
  • Agora, a legislatura de Nova Jersey vai estabelecer regras e regulamentar  o mercado de consumo.

Montana

  • Os eleitores em Montana aprovaram uma medida e emenda constitucional para legalizar o uso maconha e definiram a idade de uso adulto para 21 anos.
  • Os residentes de Montana podem possuir, usar e cultivar maconha a parti do dia 1º de janeiro de 2021.
  • As vendas recreativas regulamentadas devem começar depois.

Dakota do Sul

  • Dakota do Sul aprovou a a legalização da maconha medicinal e recreativa ao mesmo tempo através de emenda constitucional.
  • Mesmo assim, a Cannabis permanece “ilegal” até até 1º de julho de 2021, quando os residentes de Dakota do Sul podem começar a possuir, consumir e cultivar até três plantas.
  • O uso médico também só começará a ser comercializado em 1º de julho de 2021, como se doença pudesse esperar.
  • Já a venda da maconha recreativa em dispensários pode demorar mais ainda, já que o Estad de Montana tem até 1º de abril de 2022 para desenvolver regras e regulamentar o mercado.

Arizona

  • Depois de não conseguir aprovar um projeto de lei de legalização em 2016, os eleitores do Arizona aprovaram uma proposta que legaliza a Cannabis recreativa no estado.
  • Pela proposta, adultos vão poder portar até 30g de erva e cultivar até 6 plantas.
  • Já as vendas ainda não tem data para começar no estado.
  • Pessoas que foram presas por portar 60 gramas ou menos de maconha ou pelo cultivo de até seis plantas de maconha podem fazer uma petição para que o registro seja eliminado.
  • Não há data para as novas leis entrarem em vigor no Arizona.

Mississippi

  • Os eleitores no Mississippi aprovaram a maconha medicinal por meio de uma iniciativa eleitoral. O estado é conhecido pelo conservadorismo e por isso é um dos últimos a legalizar o uso médico da planta.
  • O estado tem até 1º de julho de 2021 para estabelecer regras e regulamentos.
Mapa atualizado da maconha nos Estados Unidos – Business Insider

Cogumelos regulamentados e outras drogas descriminalizadas

E não foi só 5 estados americanos que legalizaram a maconha. Teve ainda aqueles que regulamentaram ou descriminalizaram os cogumelos mágicos, que é o caso de Oregon e do distrito de Washington D.C. Oregon se tornou o primeiro estado a legalizar o uso médico regulamentado da Psilocibina e os eleitores do estado também aprovaram uma medida que descriminaliza pequenas quantidades de todos os outros tipos de drogas que agora serão julgadas com o mesmo rigor que infrações de trânsito, por exemplo. Já a capital Washington apenas descriminalizou os cogumelos.

Coguemelos também foram descriminalizados ou regulamentados – Créditos Forbes