Cannabis Indica e Sativa: diferenças

Se você é um autêntico maconheiro, já sabe que existem três espécies de cannabis, porém duas mais famosas e que dão o famoso barato: a Cannabis Indica e Sativa. Elas têm aparência, efeitos, e até períodos de cultivo diferentes, mas o cruzamento das espécies gerou uma gigantesca quantidade de variedades, que conseguem atender a todos os gostos.

Por conta disso, hoje as principais genéticas consumidas no mundo são Cannabis Indica e Sativa, porque possuem um percentual de cada tipo na sua formação. Ou seja, elementos e características que podem propiciar um pouco do efeito de cada uma, porém com a predominância maior de uma espécie.

Origens de cada uma

As cannabis Indica e Sativa têm origens distintas. Enquanto a Indica veio do subcontinente indiano, de países como Afeganistão, Paquistão e Índia, a Sativa provém de regiões equatoriais, como México, Jamaica e Tailândia. Essa é uma das razões pelas quais o cultivo das duas espécies é diferente, até porque cada planta se adapta ao clima e ambiente em que vive.

Efeitos

Assim como suas origens, os efeitos causados pelas Cannabis Indica e Sativa nos usuários também são diferentes:

Cannabis Indica

  • Relaxante e calmante
  • Causa relaxamento no corpo
  • Como pode causar sono, é recomendado que se faça uso durante o período noturno.
Cannabis Indica em floração – Créditos Starbuds

Cannabis Sativa

  • Energizante.
  • Brisa estimulante e alucinógena.
  • Indicada para uso diurno.
  • Ótimas strains para criatividade.
Cannabis Sativa em floração – Créditos: Leafly

 

Entendendo as diferenças cientificamente

Apesar das notáveis diferenças, nenhum estudo científico feito até agora pôde confirmar o motivo delas ocorrerem e ainda existem dúvidas sobre esse assunto. De fato, a história sugere uma diferença bem mais simples entre Cannabis Indica vs. Sativa.

A classificação original da Cannabis Indica foi feita em 1785, pelo biólogo francês Jean-Baptiste Lamarck. O biólogo observou que certas plantas da Índia eram intoxicantes e podia-se fazer o haxixe a partir delas. As colheitas tradicionais de cânhamo industrial (Hemp), que eram comuns na Europa não tinham efeito psicoativo algum.

Ela recebeu o nome Cannabis Indica para que se pudesse distinguir a erva vinda da Índia do cânhamo europeu, que até então era conhecido como Cannabis Sativa. Da mesma forma a Cannabis Indica foi especificamente reconhecida pelo seu uso terapêutico na medicina ocidental durante os anos 1800, e somente mais tarde descobriu-se que havia diferença entre a Indica e a Ruderalis, usada para fins industriais

A influência da Genética na Cannabis Indica e Sativa

Cientistas que estudaram as diferenças entre a Cannabis Indica e Sativa têm várias teorias baseadas em suas genéticas. Uma das hipóteses mais aceitas no meio científico foca na produção de THC e CBD, principais cannabinoides da maconha.

Plantas que poduzem elevados níveis de THC expressam genes que codificam para a produção da enzima THCA. Essa enzima converte CBF em THCA, que quando aquecido se torna THC. Essas plantas são tipicamente consideradas indicas.

Por outro lado algumas plantas expressam genes que codificam para a produção de CBDA. Essa enzima converte CBG em CBDA, o percussor do CBD. Já esse tipo de cannabis é considerada sativa.

O problema é que hoje muitas cepas produzem diferentes quantidades de ambas enzimas. Alguns estudiosos acreditam que isso seja devido a hibridação dos conjuntos de genes, o que explica o porquê de algumas sativas serem ricas em THC e algumas indicas não.

Uma teoria alternativa baseada na origem geográfica também já foi proposta. Uma espécie comum de cannabis teria originado da Ásia Central antes de se separar em conjuntos de genes distintos entre indica e sativa.

Diferenças físicas

A principal diferença entre as cannabis está na sua morfologia. Por isso, é normal que a identificação da sativa e indica seja feita através de suas características físicas por qualquer pessoa. Normalmente, as plantas sativas são mais altas, com poucas ramificações e têm folhas finas e longas. As Indicas são pequenas, arbustosas e com folhas largas.

Cultivando Cannabis Indica e Sativa

É importante destacar que como as duas variedades de planta possuem diferenças morfológicas, é lógico que o cultivo não poderia ser igual. Por serem menores, as Indicas são mais recomendadas para ambientes indoor, podendo ser cultivadas em estufas e armários sem problemas. Já as sativas podem chegar a 4 metros de altura e por isso respondem melhor ao cultivo outdoor, dando mais trabalho aos cultivadores que optarem por plantá-la dentro de casa ou em ambiente fechado.

As sativas são mais resistentes à chuva que as indicas, mas também são mais sensíveis a luz na fase escura do fotoperíodo, ou seja, não pode entrar nenhuma frestinha de luz nas plantas, principalmente se o plantio for feito indoor. Outra “dificuldade” do indoor é que como as sativas crescem muito, é normal que se precise podar e amarrar bem as plantas, porque elas podem bater na luz, por exemplo. Se está começando a cultivar e tem a oportunidade de escolher a strain, veja 5 variedades famosas de Cannabis Indica e Sativa.

Floração

Se você deseja colher buds de maneira mais rápida, deve optar pelas variedades de cannabis que são mais indicas que sativas. O motivo é simples: durante a floração, as plantas sativas demoram mais para florescer.

Tempo de floração da indica: 45 a 60 dias

Tempo de floração da sativa: 60 a 90 dias


Desde 2010 o Growroom está lutando por leis mais justas e racionais para cultivadores, pacientes e usuários da cannabis. Essa vitoria e muitas outras é graças a vocês que nos apoiam e nos incentivam. Contribua com nosso apoia.se