Ir para conteúdo
Growroom

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Boa Tarde pessoal !

Meu nome é Gabriel, tenho 23 anos, fiz uso de cannabis dos meus 19 até 22 anos, fumava mais ou menos 3 a 4 vezes por dia ou apenas 1 vez por dia. E no final do ano passado, dezembro, eu começei a tomar uns doces varios até que tive um surto psicotico, fui internado por 3 dias, sai do hospital meio acelerado.. Não parei de fumar maconha e n tomei os remédios q haviam me prescrito, mais ou menos umas duas semanas eu começei a ficar desconfiando q minha mãe colocava remedios na minha comida, fiquei meio agressivo e logo entrei num surto psicótico agudo, delirios, alucinações visuais e auditivas... E fiquei nessa loucura toda até fevereiro, dia 14 para ser exato, fui internado e logo tive auta, dessa vez parei com a maconha e mandei os remédios pra dentro tomei haldol um anti psicótico e a carbamazepina... e depois de mais ou menos uma semana dei um unico trago e senti um panico imenso pensamento suicida, visão em camera lenta. Mandei o anti psicótico pra dentro e beleza normal denovo, então resolvi n fumar mais....a mais ou menos uns 3 meses o medico me tirou o haldol e agora to só na carba numa quantidade menor. 

Só que semana retrazada dei umas bolinhas com uma colega de trabalho e foi de boas briza tranquila pensamentos bons, sensação de felicidade, então antes de ontem indo pra academia encontrei um amigo de época da escola dando uns tragos cheguei junto e dei uns tragos erva boa, sensação agradavel briza boa vibe normal... E agora to com uma puta vontade de voltar a fumar pelo menos 1x ou 2x por semana, será q vai me fazer algum mal ?

Alguém aqui ja teve surto psicótico e voltou a fumar maconha ?

Alguma experiência parecida ?

Oh erva boua sdds !

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Eu já tive surtos psicóticos( não agudos ) Mas potencializados pelo excesso de THC. Você, assim como todos nós aqui tem consciência de que( apesar da proibição ) a maconha é um remédio. O problema é você poder plantar esse remédio e não depender da industria farmacêutica, não gerando assim lucro pra eles já que ( se você pesquisar ) A maconha é um remédio pra quase tudo... Voltando ao assunto psicose; primeiramente você precisa se conhecer ( já que não conhece o que fuma ) já que o ideal pra você, pra mim... Era uma maconha balanceada 50/50 THC e CBD; assim você iria curar suas psicoses e se divertir ao mesmo tempo, mas como você não planta ( ainda ) você depende do tráfico e desconhece os níveis. Ao se conhecer você cria uma defesa psicológica que favorece na imprevisibilidade dos efeitos, sim: Você pode fumar o quanto você quiser mas... Meu conselho? É que você conheça o que fuma, por exemplo: Você comprou 30 g, no primeiro uso; dê duas tragadas, vá ouvir musica, analise o efeito... A partir daí aumente ou diminua mas... Um detalhe: Não usufrua dos efeitos sob pressão; isso é ruim para as psicoses e almeje plantar... Não sou médico e não confio em qualquer médico mas reconheço que eu seja mais limitado em conhecimento e mais livre de influências. Boa viagem e busque conhecimento. P A Z.

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Fala Black sabath,

Tenho sua idade também, 23 anos.

Primeiramente, minha família tem diversos históricos de transtornos psiquiátricos, maioria Transtorno Bipolar ou Depressão. Como eu já sabia disso, nem dava vontade de experimentar a cannabis. Então amigo, sem nunca ter fumado maconha na vida, aos 20 anos tive um episódio misto de hipomania e depressão e fui diagnosticado com Transtorno Bipolar tipo 2.

Comecei a tomar anti-psicoticos (os que lembro são Seroquel e Olanzapina) e estabilizador de humor (Depakote).


No transtorno Bipolar tipo 2 existe mania mas não há psicose, além da depressão. Alguns meses depois de estabilizado pelos remédios, comecei a fumar maconha. Primeiro ocasionalmente, fui aumentando a frequência até que fumava todo dia. Também tive contato com outro alucinógeno, a Ayahuasca (feita com jurema-preta e arruda-da-síria), o qual consumi algumas vezes. Com o término de um namoro de 1 ano e meio, tive mais um episódio de depressão, bem forte. Voltei a tomar anti-depressivo  e me estabilizei.

 

Depois de um tempo fumando muita maconha e tomando alguns doces ocasionalmente, terminei outro namoro de 5 meses. Esse trouxe uma depressão que foi pior ainda, com ideação e ameaças suicidas, a ponto de me internarem por 10 dias.

 

Ano passado eu resolvi parar de tomar remédios. Durante o tempo sem remédios, fumei maconha regularmente e usei cogumelo (cubensis, 2g) uma vez, sem efeitos colaterais aparentes, mas o problema maior aconteceu no carnaval desse ano.

 

Tomei 1/4 de LSD no carnaval que resultou numa mania com surto psicótico. Fiz muitas e muitas doideras, mas dessa vez não precisei ser internado. Apenas com os remédios a psicose foi desaparecendo, até que estabilizei. Novamente foram usados anti-psicóticos.

 

Fiquei sem fumar maconha e depois de meses da psicose tive um episódio de depressão, do qual já saí.

 

Atualmente tomo lítio (estabilizador de humor) e Brintellix (antidepressivo)

 

Na prática, eu senti que o uso muito frequente (diário) da maconha realmente desregula o humor e me acelerou um processo de depressão. Certamente que pode causar um episódio de psicose também.

 

Finalmente, sobre a maconha, meu psiquiatra recomenda que não se use, ou que se use somente ocasionalmente, pra quem tem propensão a ter o humor instável. Atualmente, optei por não usar.

 

Se você for usar, recomendo que não use todo dia e não deixe de tomar os remédios que nem o colega acima falou. A chance de ter uma nova crise é alta! Outra coisa, converse com seu(sua) psiquiatra sobre a possibilidade de deixar de tomar anti-psicótico e passar a tomar somente estabilizador do humor, porque anti-psicóticos têm muito efeito colateral a longo prazo.

 

Não sei se o seu caso é de transtorno bipolar, mas ta aí minha contribuição. Abraço!

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Conteúdo Similar

    • Por ch4nd0rr4
      Legalizar? Mas como assim? Por que legalizar?
      Vêm os liberalistas e falam um milhão de motivos. Cura de doenças como: câncer, crises convulsivas, enxaqueca, fortes dores de cabeça, glaucoma, esclerose múltipla, Tourette e TOC, doenças crônicas, Mal de Alzheimer, a tensão pré-menstrual (TPM), entre várias outras doenças. Asseguram melhorar sintomas de quem tem asma, bronquite. Alguns estudos agora mostraram que a maconha não causa câncer de pulmão.
      Aí vêm outros falando que a maconha não causa nenhuma morte por ano, ou mesmo nenhuma morte em toda a história, que é uma droga menos prejudicial do que o álcool, cigarro, café, aspirina e remédios prescritos. Que é impossível ter overdose de maconha. Aí começam as comparações diretas contra o tabaco e o álcool, os números e os argumentos são inúmeros, sempre enfatizando a comparação de número de mortos. Começam a comparar com os obesos, e brigam contra o bacon.
      Ainda, alguns acham que é uma conspiração, e que os nossos governantes lucram com isso. Sem falar das milícias. Assuntos polêmicos, melhor nem comentar.
      Alegam que outros países de primeiro mundo já descriminalizaram, portanto aqui temos que legalizar, hã? Outros comparam com as guerras, as armas, a corrupção, enfim, não acaba nunca. E a cada ano que passa os liberalistas se munem de informações nem sempre confiáveis para argumentar.
      É claro que quem está nos defendendo está se munindo de informações, e grande parte delas é as que a gente vê por aí. Mas cadê as referências, cadê os estudos. Acho que é por isso que não conseguimos a, ao menos, descriminalização.
      Espera aí, a maconha não é a solução dos problemas do mundo, ela é uma droga como qualquer outra, temos que entender isto.
      Para assegurarmos que ela é um remédio de fato, temos que testar dezenas de milhares de pacientes por décadas. O que vai dizer se é remédio ou veneno é a dose, como o dito popular. Pode até ser que a maconha não cause nenhuma morte direta, mas com certeza ela causa indiretamente. “N” casos de pessoas com câncer que fumam maconha e que morreram. De outra maneira a AIDS não causaria mortes, pois as pessoas morrem por outros motivos, e não pelo vírus em si. A maconha tem que ser vista também no quesito psicológico: ela afeta sim o modo como interagimos com a realidade. Como todas as outras drogas, algumas pessoas conseguem administrar o uso, outras não.
      Temos que parar de usar outros problemas para justificar o uso da maconha. Está certo que temos que rever nossas opiniões sobre as outras drogas e o nosso hábito de vida, mas este é outro assunto. Vamos direto ao foco. Não é porque o álcool mata que a maconha tem que ser descriminalizada.
      Temos que brigar primeiro pelo direito de estudar a maconha.
      Pelo que vejo, o caminho mais sensato para conseguirmos estudar a maconha é provar que o sistema está errado. Isto é fácil provar com alguns documentos públicos.
      Primeiro analisamos o número de casos de polícia que são tratados em relação ao uso e tráfico de drogas. Com isso é possível traçar uma porcentagem do efetivo policial que está focado em prender usuários e traficantes.
      Outro passo é, com esses números, comparar a porcentagem de presos por conta de uso ou tráfico de drogas.
      Sabemos também através do sistema de saúde quantos casos de mortos e feridos são atendidos por conta da guerra contra as drogas.
      Assim sabemos por alto o quanto a sociedade gasta para reprimir o uso e o tráfico. Já é uma cifra bem grande.
      Agora a sociedade tenta, por passos, descriminalizar o uso das drogas e regulamentar o uso. Acionam-se os impostos. Agora a cifra é muito maior. Muito maior mesmo.
      Subtraia do total o valor que será gasto em subsídios para estudos das drogas e clínicas de reabilitação. Este resultado é o quanto o governo e a sociedade ganha com a descriminalização.
      Agora pense que todo o contingente policial só se preocupará com furtos, roubos e assassinatos, além de outros casos que não necessitam de muita demanda. Um sonho, não é?
      Mas sem querer desanimar, penso que será como os impostos. Temos uma das maiores taxas e impostos do mundo, e em paralelo, a grande maioria das empresas e pessoas no Brasil sonegam estes impostos. Se todos pagassem os impostos devidamente, com toda certeza reduziríamos nossos tributos a valores nunca vistos no Brasil. Mas quem será o primeiro a ser honesto?
×
×
  • Criar Novo...