Ir para conteúdo
Growroom

SENADO FEDERAL - SUGESTÃO nº 6, de 2016 Propõe um padrão regulamentar abrangente para a maconha medicinal e o cânhamo industrial no Brasil.


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

SUGESTÃO nº 6, de 2016

 Autoria: Externo - Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (REDUC)

Ementa e explicação da ementa

Ementa:
Propõe um padrão regulamentar abrangente para a maconha medicinal e o cânhamo industrial no Brasil.

Situação AtualEm tramitação

Último local:
12/04/2016 - Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (Secretaria de Apoio à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa)
Último estado:
12/04/2016 - AGUARDANDO DESIGNAÇÃO DO RELATOR

 

 

 

 Acompanhar esta matéria  Opine sobre esta matéria  Imprimir

 Ordem cronológica Ordenado por tipo Ordenado por comissão  Reordenar
Data Tipo Comissão Ação legislativa Observação
13/04/2016 Texto inicial
 ( PDF )
 
 
http://www.senado.leg.br/atividade/rotinas/materia/getPDF.asp?t=191342&tp=1
  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom
Em 27/04/2016 at 20:43, jowwRS disse:

se ficarmos esperando STF. So ano q vem.

O STF está muito ocupado votando se pode entrar no cinema com pipoca e preocupado com o próprio aumento de salário!!!. Decepcionante!!!

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • 3 weeks later...
  • 3 weeks later...
  • Usuário Growroom

Situação AtualEm tramitação

Relator atual:
Dário Berger
Último local:
30/05/2016 - Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (Secretaria de Apoio à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa)
Último estado:
30/05/2016 - MATÉRIA COM A RELATORIA

 

30/05/2016

CDH - Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa

Situação:

MATÉRIA COM A RELATORIA

Ação:

O Presidente da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa, Senador Paulo Paim, designa o Senador Dário Berger relator do Projeto.
O processado da matéria legislativa permanecerá na Secretaria da Comissão durante o transcurso de sua tramitação, conforme art. 6º da Instrução Normativa da Secretaria Geral da Mesa nº 4 de 2015.

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Pessoal, vi no site Smokebuds uma lista de médicos que receitam THC ou CDB.

Não seria interessante, nesse momento do processo de descriminalização, muitos usuários conseguirem essas receitas e entrarem com  processos de requerimento de cultivo caseiro para a produção do medicamento? Alegando que é caro a importação, e que mesmo que o ministério da saúde pague, não faz sentido onerar um governo falido para conseguir um remédio que se pode plantar.

 

A pressão é importante para que uma jurisprudência seja criada.

Pq aí, se a porteira abre, se passa boi... passa boiada. 

Editado por Venom420
adicionar mais informações
  • Like 3
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom
5 minutes ago, Venom420 said:

Pessoal, vi no site Smokebuds uma lista de médicos que receitam THC ou CDB.

Não seria interessante, nesse momento do processo de descriminalização, muitos usuários conseguirem essas receitas e entrarem com  processos de requerimento de cultivo caseiro para a produção do medicamento? Alegando que é caro a importação, e que mesmo que o ministério da saúde pague, não faz sentido onerar um governo falido para conseguir um remédio que se pode plantar.

 

A pressão é importante para que uma jurisprudência seja criada.

Pq aí, se a porteira abre, se passa boi... passa boiada. 

Fala amigo, blz? com CNPJ é viável isso, por isso tamos, através de uma ONG de Fitoterapia em Florianópolis, correndo atras da autorização!

como pacientes, sugiro que consigam receitas médicas solicitando importação de THC ou CBD junto aos órgãos publicos, pra seus respectivos tratamentos e assim pressionar os parlamentares! eu mesmo ja entrei em contato com 2 Senadores, inclusive esse que criou a SUG 6/2016 e os 2 falaram que precisa mais entidades em prol da causa pra formalizar e ajudar nas Audiencias Publicas

  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Bá ratiei pensei que o Paim era o relator ...Agora esse Dário Berger so ouvi falar aqui por um brow que acha que ele é da bancada bbb.Se pá Sinissstro isso ai em...

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

"Argumento pela legalização da maconha venceu", decreta a revista The Economist

 
Principal publicação de direita no mundo afirma que o debate já está concluído, e que a legalização venceu. Agora vem o mais difícil: decidir como.
 

POR Denis Russo Burgierman ATUALIZADO EM 19/02/2016

 

A matéria de capa desta semana da revista britânica The Economist, considerada a mais influente publicação entre os defensores do liberalismo econômico, decretou que o debate sobre a conveniência de legalizar a maconha está terminado - e a resposta é "sim". A revista faz um abrangente balanço de todos os experimentos que estão acontecendo em vários países do mundo com novas políticas para lidar com a droga. "Uma grande mordida foi tirada do mercado da máfia, milhares de jovens foram poupados de uma ficha criminal e centenas de milhares de dólares foram legitimamente ganhos e taxados. Até o momento, não houve explosão no consumo nem na criminalidade", diz o artigo.

 

Economist maconhaReprodução
"Como legalizar cannabis com segurança", diz a capa.

 

Leia mais:
A verdade sobre a maconha.
5 mitos ou verdades sobre a maconha.

A revista afirma que não faz mais sentido ficar debatendo se a legalização é desejável ou não - é hora de avançar e discutir o "como". "Ativistas a favor e contra a maconha precisam se ajustar a essa nova realidade. Aqueles que prefeririam banir a droga precisam parar de chicotear o cavalo morto da proibição e iniciar campanhas a favor de versões da legalização que causem menos dano." Já os defensores da erva têm que ficar atentos às formas de regular os mercados, para evitar que eles caiam em mãos tão descomprometidos com o bem público como aquelas que atendem os consumidores de tabaco, por exemplo.

Há muitos jeitos diferentes de legalizar a maconha - e cada um deles nos levará a um lugar bem diferente. Pegue como exemplo a carga de impostos que pode ser aplicada ao produto. Os dois primeiros lugares do mundo a regulamentar o mercado - os Estados americanos de Colorado e Washington - fizeram escolhas distintas. Em Washington, o imposto é altíssimo (44%), além de haver um sistema bem mais restrito, que emite menos licenças para o comércio. Já no Colorado, os impostos são bem mais baixos (28%) e o mercado é mais aberto. Com isso, o grama de maconha legal em Washington custa em média 25 dólares, comparado a 15 dólares no Colorado - no mercado negro o preço é de 10 dólares. Consequentemente, os traficantes de Washington não perderam muitos fregueses - só 30% dos usuários trocaram pelo produto legalizado. Já os do Colorado estão numa crise econômica profunda: perderam 70% de suas vendas.

Veja também:
Como funciona a produção e a venda de maconha no Colorado.
A fantástica fábrica de chocolate de maconha.

O Uruguai, que já decidiu pela legalização mas ainda está em processo de regulamentar seu mercado, quer cobrar menos imposto ainda que o Colorado. O objetivo lá é fazer com que o preço do produto legal seja igual ao do traficante, tirando-o do mercado. Calcula-se que as receitas trazidas pela maconha representem em torno de 50% do mercado global de drogas ilícitas, estimado em cerca de 300 bilhões de dólares - ou seja, o espalhamento da legalização pelo mundo tem o potencial de ferir de morte as organizações de tráfico, que hoje são as instituições criminosas mais poderosas do mundo.

Mas é claro que, quando a maconha é muito barata, há o risco de o consumo aumentar - e a Economist acredita que é importante evitar que isso aconteça. Afinal, embora os danos à saúde causados pela maconha no geral não sejam gravíssimos, há ainda muita incerteza quanto aos efeitos de fumar grandes quantidades em frequências altas demais - essa incerteza é razão suficiente para que os governos sejam cautelosos. Ainda mais porque os dois públicos que mais correm perigo com o uso da maconha - os muito jovens e os dependentes - são justamente os mais sensíveis a preços altos.

A revista, que costuma ser ouvida com atenção por governantes e legisladores do mundo inteiro, recomenda que os países mais ricos adotem impostos altos, para não incentivar demais o aumento do consumo. Já os países da América Latina, que hoje têm problemas brutais de violência financiada pelo tráfico de drogas, precisam que a maconha legal custe mais barato, para reduzir o poder do crime organizado. Uma outra alternativa, no meio-termo, é fazer o mesmo que os EUA fizeram nos anos 1930, quando legalizaram o álcool (que havia sido proibido na década anterior): primeiro implementaram impostos baixos. Aí, depois de alguns anos, quando Al Capone e seus colegas já haviam falido e os consumidores já estavam satisfeitos com a indústria legalizada, os impostos subiram. Hoje, o álcool é bem caro nos EUA, refreando o consumo, mas ninguém recorre a traficantes de bebidas.

Leia mais:
Maconha legalizada movimentou US$5,4 bilhões nos EUA.

http://super.abril.com.br/ideias/argumento-pela-legalizacao-da-maconha-venceu-decreta-a-revista-the-economist

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Achei na Internet uma entrevista desse Dario Berger antes das eleições,  ele diz o seguinte:

 

Descriminalização da maconha
Não sou favorável à descriminalização pura e simples do uso da droga. Todavia, todo usuário deve merecer do Estado atenção especial de tratamento, inclusive de forma imposta pelo Estado. Jamais estabelecer pena privativa de liberdade a usuário da droga. Lutarei sim, para que a droga seja liberada quando comprovadamente para uso terapêutico."

 

Bom,  pelo menos ele não é um Osmar Trevas da vida. 

 

Pessoal,  vamos pressionar os senadores que fazem parte dessa discussão. 

 

https://signedevents.com/brazil/brasilia/audiencia-publica-maconha/

  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Conteúdo Similar

    • Por babydarling
      Eu fumava maconha desde os 16 e atualmente tenho 22, mas não era usuária, fumava de vez em quando e um pouco apenas para ficar alegre ou leve.
      Eu tinha experimentado papel uma vez, mas não me causou nada demais e tinha vontade de experimentar novamente, no começo desse ano, o momento chegou e resolvi dropar um papel, só que eu dropei uma quantidade muito grande, segundo a minha amiga. Na hora só estava eu e meu namorado no quarto e o que eu senti, nunca aconteceu antes: a famosa “bad trip”. No começo era como se tudo que eu tivesse vivido fosse uma mentira, depois eu literalmente senti que morri e tava no meu pós vida, eu não conseguia falar nada, as coisas ficavam em loop, depois em câmara lenta, teve uma hora que senti que se abrisse a porta do meu quarto seria a porta para entrar no inferno, enfim realmente eu nunca tinha sentido nada igual então me deixei levar pela bad, acho que nesse dia fui até a última camada da minha mente, foi horrível, mas por estar com meu namorado e minha amiga depois chegou para ajudar, então consegui sair da bad. Beleza, vida que segue. Falei que nunca mais iria usar papel.
      Depois de um mês, fumei um baseado, mas foi bem pouco mesmo e “pá” entrei na bad trip de novo, dessa vez foi menos intensa, apesar de eu estar em um ambiente onde eu só conhecia minha amiga, eu já tinha noção que tudo que acontecia era coisa da minha cabeça e ao invés de ficar trancada dentro da casa que me causava um pouco de pânico, a gente saia para eu espairecer o que me ajudava a ficar “sã”. Enfim, na primeira vez que aconteceu isso, eu superei, era como se nada tivesse acontecido, mas na segunda bad apesar de ter sido mais “tranquila”, eu não consigo “superar” vez ou outra fico pensando nisso, e isso foi em fevereiro, eu tento desviar meu pensamento quando acontece mas sempre vem as lembranças. Inclusive teve um dia que eu não tinha fumado, nem bebido nada, e simplesmente eu senti como se estivesse entrando na bad. Foi muito do nada, acho que durou uns 3 minutos, fiquei dizendo a mim mesma que era coisa da minha cabeça, que tava tudo normal, mas parecia muuuito um começo de bad trip. Foi muito estranho, porque realmente era um dia comum e eu não tinha usado nada, isso que vem me assustado... Talvez, por pensar demais está me causando algum tipo de transtorno/trauma...  Minha bad vem muuuito visual e sonora, então por mais que eu tente me concentrar tá tudo distorcido, voz, pessoas, olhares, etc então, por mais que eu tente manter a calma é difícil porque tudo ao meu redor tá distorcido.
      Resolvi então ler sobre os sintomas pós-bad trip, encontrei esse site e resolvi contar minha experiência para vocês. 
    • Por gio_ganja
      Fala galera! há um tempo eu comecei a tomar café de manhã p me sentir mais concentrada pros estudos, e sempre fiz o uso da maconha no final do dia. Mas as vezes acaba de eu misturar os dois, curto a brisa que dá e tal..  O que acontece é que as vezes eu sinto vontade de fazer algum exercício por causa da energia que o café dá, e uma vez eu fumei e fui correr ouvindo um som e curti a onda então fico pensando em ir dar uma corrida ou fazer qualquer exercício quando eu misturo os dois, só que bate um medo de ter um ataque cardíaco ou sei lá! Alguém aí já teve essa experiência ou sabe se pode dar ruim? 
      😘😘😘
    • Por felipkkkjk
      Eu sempre fumei maconha, mas a minha namorada nunca tinha fumado antes, conversamos sobre isso e ela decidiu experimentar, tudo lindo perfeito, a primeira vez foi na praia, só eu e ela, mas não aconteceu absolutamente nada, nenhum efeito corporal ou mental, absolutamente nada. Justamente por eu ter passado por isso na primeira vez que eu fumei, eu não estranhei nem nada, só expliquei que é perfeitamente normal e que talvez nas próximas vezes bate normal, mas ela já tentou cerca de cinco ou seis vezes e nunca aconteceu nem um traço de "tô ficando meio chapada". A gente já tentou com flor e prensado e não teve efeito nenhum, normalmente a gente fuma um cigarro inteiro, as vezes dois, mas nunca resulta em nada, e isso é extremamente decepcionante pra ela, porque ela sempre associou o efeito com uma coisa incrível.

      Alguém tem ideia do que fazer pra dar certo? A gente tava pensando em fazer um brisadeiro ou tentar de novo com uma planta melhor.
      OBS: Ela tá tragando certo.
×
×
  • Criar Novo...