Ir para conteúdo
Growroom

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa 


Recommended Posts

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa Experimento foi realizado durante um ano e meio nas dependências da superintendência regional do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre

Por: Caetanno Freitas
19/01/2016 - 16h23min | Atualizada em 19/01/2016 - 16h23min

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa 

O aumento no número de solicitações de perícias em sementes de cannabis sativa importadas apreendidas nos últimos anos no Brasil e a dificuldade em estimar a quantidade de maconha que pode ser produzida para consumo a partir do cultivo "indoor" da planta levaram a Polícia Federal a desenvolver uma pesquisa que a corporação definiu como inédita. Nas dependências da superintendência regional do Rio Grande do Sul, durante um ano e meio, a instituição plantou 73 pés de maconha em uma estufa improvisada no laboratório do setor técnico-científico.

No nono andar do prédio da Polícia Federal, na Avenida Ipiranga, em Porto Alegre, os peritos germinaram sementes apreendidas de diferentes marcas e variedades entre o início de 2014 e setembro de 2015. As plantas foram cultivadas em uma pequena estrutura de madeira, de dois andares, com as paredes internas forradas com papel laminado, iluminação artificial e sistema de exaustão. Os peritos usaram temperatura e umidade relativa controladas e intervalos de luz e escuridão total. O ambiente tinha acesso restrito e câmeras de segurança.

As plantas foram mantidas na estufa por períodos que variaram de quatro a 12 semanas. A maioria, 19 pés de maconha, foi cultivada por 4,5 semanas. Dezesseis ficaram seis semanas e somente cinco plantas completaram todo o período de cultivo.

O perito criminal da Polícia Federal Rafael Ortiz, um dos autores da pesquisa, explica que entre os objetivos do estudo estava a busca de apoio científico para rastrear a origem de futuras apreensões no país.

Maconha: é hora de legalizar?

— O tráfico de sementes de maconha é um crime relativamente novo no Brasil. A partir de 2010, houve uma explosão de importação irregular, de contrabando. Então, começamos a pensar em como ter alguma ferramenta para saber a origem dessa maconha — diz o perito.

O que saber para se posicionar sobre a legalização da maconha

O número de laudos produzidos pela Polícia Federal teve um salto significativo: passou de 34 laudos, em 2010, para 2.192, em 2014, o que corresponde a 6.347% de aumento. Conforme Ortiz, a alta é um reflexo de uma cultura que vem ganhando força no país. Usuários compram sementes pela internet e plantam em casa para ter um "produto melhor", sem "financiar o tráfico".

— No momento em que você compra uma planta proscrita, está agindo como criminoso. Essa ideia de que não está financiando o tráfico comprando sementes é errada. Você está agindo como um criminoso. Está alimentando essa cadeia — opina Ortiz.
 

  • Like 8
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

mãe diná está comigo, eu já sabia ! só que na minha teoria da conspiração eles estariam usando a semente alheia para uma seleção secreta e, em seguida, monopolizar o mercado de maconha medicinal com tudo caindo do céu, no colo deles. Mas imaginava alguma Universidade Federal, algo assim.

garanto que ficaram irritados com a conta de luz.

boas carburadas! 

 

 

  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Que barbada para os maconheiro da PF com sementinha a vontade fico pequeno agora é pouco pra nóix, na Minha adolecencia tinha um amigo e vizinho que o pai era delegado aposentado e um dos irmãos dele era da PF e eu ja ouvia muitas historias deu até vontade de ser da PF na época. 

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom
Citar

"Usuários compram sementes pela internet e plantam em casa para ter um "produto melhor", sem "financiar o tráfico". " No momento em que você compra uma planta proscrita, está agindo como criminoso. Essa ideia de que não está financiando o tráfico comprando sementes é errada. Você está agindo como um criminoso. Está alimentando essa cadeia — opina Ortiz."

Então o dinheiro que o cara usa pra comprar sementes em um legítimo seedbank e com equipamentos em um grow shop misteriosamente estará "alimentando essa cadeia"? Quero entender qual centavo desse dinheiro irá pro crime organizado.

Mudando de assunto, na moral, cadê o tópico do STF moderação? Por que vocês mandaram aquele tópico histórico pro lixo?

  • Like 7
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa

Experimento foi realizado durante um ano e meio nas dependências da superintendência regional do Rio Grande do Sul, em Porto Alegre

http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2016/01/para-testes-policia-federal-planta-mais-de-70-pes-de-maconha-em-estufa-4952585.html

 

 
Por: Caetanno Freitas
19/01/2016 - 16h23min | Atualizada em 19/01/2016 - 16h23min
 
 

 

 

Plantas de maconha com dez semanas de cultivo na Polícia Federal
Foto: Divulgação / Polícia Feder

Para testes, Polícia Federal planta mais de 70 pés de maconha em estufa Divulgação/Polícia Federal

O aumento no número de solicitações de perícias em sementes de cannabis sativa importadas apreendidas nos últimos anos no Brasil e a dificuldade em estimar a quantidade de maconha que pode ser produzida para consumo a partir do cultivo "indoor" da planta levaram a Polícia Federal a desenvolver uma pesquisa que a corporação definiu como inédita. Nas dependências da superintendência regional do Rio Grande do Sul, durante um ano e meio, a instituição plantou 73 pés de maconha em uma estufa improvisada no laboratório do setor técnico-científico.
 
No nono andar do prédio da Polícia Federal, na Avenida Ipiranga, em Porto Alegre, os peritos germinaram sementes apreendidas de diferentes marcas e variedades entre o início de 2014 e setembro de 2015. As plantas foram cultivadas em uma pequena estrutura de madeira, de dois andares, com as paredes internas forradas com papel laminado, iluminação artificial e sistema de exaustão. Os peritos usaram temperatura e umidade relativa controladas e intervalos de luz e escuridão total. O ambiente tinha acesso restrito e câmeras de segurança.



As plantas foram mantidas na estufa por períodos que variaram de quatro a 12 semanas. A maioria, 19 pés de maconha, foi cultivada por 4,5 semanas. Dezesseis ficaram seis semanas e somente cinco plantas completaram todo o período de cultivo.

 

O perito criminal da Polícia Federal Rafael Ortiz, um dos autores da pesquisa, explica que entre os objetivos do estudo estava a busca de apoio científico para rastrear a origem de futuras apreensões no país.


 
— O tráfico de sementes de maconha é um crime relativamente novo no Brasil. A partir de 2010, houve uma explosão de importação irregular, de contrabando. Então, começamos a pensar em como ter alguma ferramenta para saber a origem dessa maconha — diz o perito.

 

O número de laudos produzidos pela Polícia Federal teve um salto significativo: passou de 34 laudos, em 2010, para 2.192, em 2014, o que corresponde a 6.347% de aumento. Conforme Ortiz, a alta é um reflexo de uma cultura que vem ganhando força no país. Usuários compram sementes pela internet e plantam em casa para ter um "produto melhor", sem "financiar o tráfico".

— No momento em que você compra uma planta proscrita, está agindo como criminoso. Essa ideia de que não está financiando o tráfico comprando sementes é errada. Você está agindo como um criminoso. Está alimentando essa cadeia — opina Ortiz.

 

A polícia, por sua vez, precisa examinar as sementes para detectar a presença de THC (tetrahidrocanabinol), princípio ativo da maconha, para confirmar o crime de tráfico. Em geral, isso só acontece duas semanas após a germinação da semente, observa o perito. Isso explica o aumento no número de laudos produzidos pela Polícia Federal e a motivação do estudo.

Estudo mensurou quantidade de maconha produzida "em casa"

Ainda entre os objetivos da pesquisa, segundo Ortiz, estava a necessidade em mensurar a quantidade de maconha que pode ser produzida a partir do cultivo "indoor" — em pequenas estufas, geralmente em residências — de cannabis, prática que vem ganhando força no país, destaca. Para esse questionamento, as amostras cultivadas em estufa pela Polícia Federal renderam aproximadamente 21% de matéria vegetal fresca, usada para a produção de maconha.


 
— Num período de duas semanas conseguimos responder algo que não seria possível com exame químico na semente. Nessa planta, conseguimos fazer testes para detectar o THC, comprovando que aquela semente, o fruto, era realmente da espécie cannabis sativa — sustenta Ortiz.
 
Segundo ele, o experimento precisou de uma análise prévia sobre cultivo de maconha.
 
— A gente procurou seguir trabalhos científicos publicados em outros países, só que com uma adaptação, porque aqui não tínhamos um ambiente para isso. Fomos moldando, montando a estufa, com solo controlado, luz controlada, colocando adubo. Mas foi na tentativa e erro. Algumas plantas não nasceram. Não é uma coisa simples de ser feita — afirma o perito.
 
Ortiz ressalta que a pesquisa, com fins científicos, teve autorização dos órgãos competentes. As plantas, depois, foram colocadas como contraprova.


 
— Não queremos ensinar o pessoal a plantar maconha. E isso também não pode ser visto como se nós estivéssemos plantando maconha na Polícia Federal. Estamos resolvendo alguns casos que até então eram insolúveis. O material que não foi gasto na execução dos exames foi colocado como contraprova. Caso seja questionado, existe a contraprova, que é um outro requisito legal das perícias de natureza química — explica.
 
O delegado regional de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal gaúcha, Mauro Lima Silveira, respalda o trabalho do perito. Segundo ele, o estudo também serve para esclarecer que a importação de sementes é crime de tráfico internacional: 
 
— Independente da quantidade que é trazida de outros países, o ato de importar sementes sem autorização dos órgãos competentes é clandestino e ilícito. Sob a ótica da Polícia Federal, a pessoa comete um crime de tráfico internacional de entorpecente.

*Zero Hora

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

— A gente procurou seguir trabalhos científicos publicados em outros países, só que com uma adaptação, porque aqui não tínhamos um ambiente para isso. Fomos moldando, montando a estufa, com solo controlado, luz controlada, colocando adubo. Mas foi na tentativa e erro. Algumas plantas não nasceram. Não é uma coisa simples de ser feita — afirma o perito.

A PF plantou 73 pés e só 5 completaram o ciclo. Aí pegam o cara com dez plantas e dizem que é produção para tráfico, é uma piada mesmo.

  • Like 6
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk, enquanto isso outros paises Lucram bastante, já o brasil faz ''testes'' para ajudar nas apreensões. Isso e Brasil!! pais sem ordem e sem progresso.

  • Like 6
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Sou criminoso aqui no brasil por causa da ignorância das autoridades que regem o Pais,Vai ver se não tem diferença do comercio do trafico comprar seeds e plantar no Uruguay ,Estados Unidos e mais quase meio mundo.

No momento em que você compra uma planta proscrita, está agindo como criminoso. Essa ideia de que não está financiando o tráfico comprando sementes é errada. Você está agindo como um criminoso. Está alimentando essa cadeia — opina Ortiz

  • Like 3
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Que merda é  essa, gastar recurso pra caçar cultivador, o  cara já faz isso pra não deixar dinheiro na mão do tráfico e a PF querendo ser salvadora da pátria prendendo jardineiro. Ooooooo brasisim atrasado. Pelo menos agora eles tem a certeza que n se pode ser traficante cultivando em armários.  

  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Testes....isso é uma vergonha para todos nós, pq eles estão fazendo isto ao invés de prender os ladroes verdadeiros de Brasilia?

E bota incompetência nisso hem, cinco pés e ainda vem dizer nas apreensões que o MELIANTE tinha 3 quilos de maconha pesando até o vaso com terra e tudo...

Muita tristeza, mas espero que um dia nós não sejamos mais confundidos com traficantes.

 

 

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Quanta ignorância por parte da PF.

Quanta coisa mais importante para esses caras se o preocuparem. como já não bastasse eles apreender as nossas seeds, agora deram para fazer um cultivo das melhores espécies de canabis do mundo.

de 70 pés somente 5 plantas eles conseguiram terminar o ciclo.

Eles são muitos ruins no que fazem mesmo.

  • Like 4
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

muito advogado pode instruir a defesa do seu acusado de tráfico por causa de cultivo pessoal usando a documentação desse cultivo da PF.

sério q vcs acham isso tão ruim assim? ou vcs ainda acreditam cegamente q um dia vao acordar e vai ta tudo legalizado?

e outra... a msma documentação pode ser juntada nos processos q visam descriminalizar.

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Que desperdício. Se é para fazer pesquisa, deixa quem entende fazer isso. Pesquisa é coisa séria. Depois ficam inventando dados

Tem o prof. Carlini e outros profissionais, inclusive da casa,  com know-how para fazer qualquer pesquisa nessa área.

E é claro, com o resultado da colheita poderiam muito bem ajudar um monte de gente que precisa do remédio. Além de muita hipocrisia, é um grande desperdício.

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Como alguém pode afirmar isso:

Citar

— No momento em que você compra uma planta proscrita, está agindo como criminoso. Essa ideia de que não está financiando o tráfico comprando sementes é errada. Você está agindo como um criminoso. Está alimentando essa cadeia — opina Ortiz.

o rapaz ou não tem noção, ou não faz questão de mudar a realidade.

e o pior de tudo, são pessoas que tem a porra da mente fudida que regem nossa vida.

 

SÓ VOCÊ PODE SE REPRESENTAR!

foda-se o Estado,

paz..

  • Like 7
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Conteúdo Similar

    • Por ZecaBaleiroo
      Primeiramente, quero pedir perdão se criei o tópico no lugar errado.
      Apesar de estar há muitos anos na internet e há muitos anos fumando, eu nunca tinha me interessado pelo cultivo, justamente por conta da "difilculdade" que exisitia dadas as minhas condições.3.jfif4.jfif1.jfif2.jfif
       
      Em janeiro eu estava no fundo do poço, afastado devido a uma fobia social e depressão, estava sem um puto no bolso para literalmente nada, repito NADA.
      Foi daí que eu achei um saquinho com algumas sementes de alguns fumos "bons" que eu guardei em 2017 e havia esquecido.
      Minha idéia era tentar "cultivar" colher e fumar algo feito com as minhas próprias mãos com um porém: Não investindo nada.
      Daí então eu plantei umas 10 sementes direto na terra sem germinar no dia 24/01. Das que nasceram e brotaram nessa terra sem nutrientes e contra todas as condições eu separei essas duas das fotos.
      To fazendo isso mais como uma experiência para testar se é possível cultivar com 0 investimento.
       
      O vazo estava vazio, a terra veio de um vaso de aloe vera/boldo que meu pai tinha plantado.

      Hoje elas estão com exatos 51 dias de vida, vou atualizando conforme for evoluindo.

      Fiquem na paz do senhor Jesus! 
    • Por SanfeliceVini
      Eai gurizada, tranquilo? Sou novo no fórum e estou aprendendo sobre o cultivo doméstico da maconha. Eu sou estudante de jornalismo e resolvi fazer uma reportagem sobre o uso da maconha na pandemia, para isso vou conversar com especialistas na área, mas também quero conversar com quem utiliza ela frequentemente e principalmente como a maconha pode ajudar ou não durante o período de isolamento social. Acredito que a matéria tem o objetivo importante de desmistificar e aprofundar o assunto do uso da planta. Então gostaria de saber se alguém pode me ajudar no assunto, nem que seja para trocar uma ideia rápida sobre o dia a dia na pandemia e sua relação com a maconha. Valeu!!!
×
×
  • Criar Novo...