dine

Stf Deve Julgar Neste Semestre Descriminalização Do Porte De Drogas

Recommended Posts

21 horas atrás, Juniaum disse:

O que precisamos também é um pouco mais de consciência política. Olha só que maravilha!!

Tem que ter punição, senão o usuário vai consumir mais drogas', diz ministro

Osmar Terra quer endurecer política de entorpetecentes; policial pode assumir secretaria

RIO e BRASÍLIA - O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, decidiu substituir Rodrigo Delgado, representante da pasta no Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad),para tentar barrar a proposta de descriminalização do uso de entorpecentes no país. Enquanto isso, um coronel da PM foi indicado pelo ministro da Justiça, Alexandre Moraes, para assumir a Secretaria Nacional de Drogas. O presidente interino, Michel Temer, ainda não confirmou a indicação.

Especialistas no assunto protestam contra as medidas, que vão contra a política de humanizar o tratamento ao usuário de drogas, reforçando a guerra aos entorpecentes, que vem sendo criticada por organismos internacionais por provocar mais prejuizos à saúde das pessoas do que o próprio uso de drogas.

Médico e ex-secretário de Saúde, Terra considera que o Conad está impregnado de um pensamento ideológico pró-legalização. Ele diz ter levado o posicionamento contrário à flexibilização ao ministro da Justiça, a quem está atrelada a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad).

— Até onde eu entendi, ele tem uma visão muito próxima à minha — disse Terra ao GLOBO.

Moraes sinalizou que o debate sobre a descriminalização da maconha e outras drogas não deve ser um tema prioritário no governo Temer. Questionado pelo GLOBO, ele afirmou que caberá ao Supremo Tribunal Federal analisar o assunto. O STF está avaliando, desde o ano passado, uma ação que pode descriminalizar o porte de drogas para uso pessoal no país, mantendo o tráfico de entorpecentes ilegal.

— O que é importante é a tese que o Brasil já adotou há um tempo que impossibilita a pena privativa de liberdade ao usuário, porque é uma questão de saúde pública.

Moraes confirmou que indicou o coronel da Polícia Militar de São Paulo Roberto Allegretti, com quem trabalhou no governo Geraldo Alckmin em mais de uma ocasião, para chefiar a Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas (Senad), conforme antecipou a coluna de Lauro Jardim, do GLOBO. A confirmação do nome, porém, só poderá ser feita pelo presidente interino.

Para Terra, a legalização de drogas ilícitas, inclusive a maconha, levará a um consumo maior, que, por sua vez, aumentará o número de pessoas doentes, e também a pobreza no país. Ele é um crítico da ideia de que o mundo perdeu a chamada guerra às drogas.

— O Brasil nunca fez uma guerra às drogas de forma séria, com controle de fronteiras, leis mais duras para o tráfico e campanhas educativas — criticou o ministro, que avalia a descriminalização do uso como primeiro passo para a legalização geral. — Tem que ter algum tipo de punição, senão ele (o usuário) vai consumir mais. É claro que existe o usuário recreativo, mas isso é uma loteria.

Na última sexta-feira, a Plataforma Brasileira de Política de Drogas (PBPD) divulgou uma nota afirmando que “vê com preocupação os primeiros movimentos do governo interino no tocante à política de drogas.” O advogado Rafael Custódio, coordenador do programa de Justiça da Conectas Direitos Humanos, criticou as declarações de Terra:

 

— A ideologia que o ministro (Osmar Terra) traz tem no mínimo 50 anos de idade. Ele precisa se atualizar. A perspectiva do governo interino sobre a temática é muito preocupante. O nome indicado para a Senad é de um coronel da PM que vem de um contexto de repressão. A Senad tinha se tornado um interlocutor importante com a sociedade civil e vemos isso com muita preocupação.

Apesar de considerar cedo para fazer qualquer análise, a pesquisadora do Instituto Igarapé Ana Paula Pellegrino defende que o governo atual garanta os avanços conquistados:

— Esse governo tem responsabilidade de não voltar a uma retórica dura em relação ao uso de drogas — diz. — Insistir no erro não vai trazer acerto. Temos que bater na tecla que o uso de drogas é questão de saúde pública e retirar o usuário da esfera criminal.

http://oglobo.globo.com/sociedade/tem-que-ter-punicao-senao-usuario-vai-consumir-mais-drogas-diz-ministro-19454345

Vinha justamente pra mostrar essa nóticia que acabei de ver... infelismente cada dia que passa perco a esperança de um dia o cultivo medicinal seja legal no Brasil, só andamos para trás...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O que havia dito há uns posts atrás ? A frente de direita conservadora empresarial tá se articulando para retrocedermos todo aquele pouco que evoluímos. Tempos de escuridão. O que nos resta é torcer para Dima voltar. O governo dela não é bom, mas pelo menos ele não traz esse conservadorismo e dá para obter mudanças ainda que tímidas. Com o Temer em qualquer hora nosso encontro de cultivadores pode ser num cárcere.

  • Like 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
13 hours ago, Venom420 said:

Pena de morte pra quem fuma um beck? Quem sabe.

pra cultivador eu n duvido viu haha

capaz de tráfico dar pena de morte igual na indonésia, e como esses porco adoram enquadrar jardineiro no 33, n sei o que vem por aí...

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Podemos pensar por um lado bom a declaração desse Osmar Terra? Digo, que o legislativo e o executivo nunca moverão uma palha para fazer algo em prol da flexibilização da lei de drogas. Sabemos que nossa liberdade só se dará através do STF, que inclusive já temos 4 votos a favor. Então penso que com esse declaração pode fazer o supremo retomar o julgamento.

E pessoal, alguém com conhecimentos jurídicos poderia explicar como está o andamento do processo no STF? Olhando no site, a ultima atualização foi no dia 03/03/2016 como expedida intimação via postal. Porque o Teori pediu vistas, o que podemos fazer para pressionar o STF retomar o julgamento?

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como disse o Julio nessa reportagem, a mundiça virá de baixo, da base, de nós! Na verdade ela já acontece. Vários eventos, encontros, associações, galera se reunindo para buscar o reconhecimento do direito ao cultivo e ao uso. Tem muita gente fazendo acontecer no Brasil, e essa é de baixo.

 

Quote

 

  • Like 9

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Com certeza, se um dia mudar, virá de nós e da nossa pressão.

Acham mesmo que algum presidente (de temer, dilma, lula, aécio) se importa em algo com essa pauta? Querendo ou não, a ideologia proibicionista ganha mais votos que a ideologia liberal.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Imagino que em lugar nenhum do mundo as mudanças vieram de cima.  Pois mais que achemos os EUA ou a Europa mais maduros,  o mundo em geral é extremamente conservador e hipócrita.  Nossa luta é global e está vindo a passos largos agora,  graças ao trabalho de formiguinha de milhões de pessoas mais esclarecidas. 

  • Like 6

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Concordo que a mudança sempre vem de baixo e assim tem que ser, vamos conscentizar mais as pessoas... 

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O cultivo da cannabis nada tem com o crime. Pois, deixem o Osmar tentar combater o tráfico.

 :)

O que não deveria acontecer é a galera queimando a causa por conta de política partidária. 

A causa da potencial legalização teria apoio da classe empresarial. Esta, por sua vez, apoia o governo Temer. Portanto, falar volta "presidenta" e legalização não cola.

O lema deveria ser "Menos impostos, por favor". E nesse caso menos não é mais.

Boa noite e tudo de bom no cultivo.

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
On 6/7/2016 at 2:34 PM, Juniaum said:

Para Terra, a legalização de drogas ilícitas, inclusive a maconha, levará a um consumo maior, que, por sua vez, aumentará o número de pessoas doentes, e também a pobreza no país. Ele é um crítico da ideia de que o mundo perdeu a chamada guerra às drogas.

— O Brasil nunca fez uma guerra às drogas de forma séria, com controle de fronteiras, leis mais duras para o tráfico e campanhas educativas — criticou o ministro, que avalia a descriminalização do uso como primeiro passo para a legalização geral. — Tem que ter algum tipo de punição, senão ele (o usuário) vai consumir mais. É claro que existe o usuário recreativo, mas isso é uma loteria.

Nunca fez uma guerra às drogas? Quantos são mortos anualmente (até diariamente) em nome dessa guerra e a única coisa que se colheu foi mais morte, mais criminalidade... Esses caras são mentirosos nojentos, realmente é muito escroto ver eles repetindo sempre a mesma ladainha a décadas... A solução para esse caos que a segurança pública se encontra na opinião deles é continuar seguindo pelo mesmo caminho que criou essa situação! Eles querem ficar fazendo sempre a mesma coisa, esperando que em um passe de mágica o resultado seja diferente! O pior é que eu não acredito que eles sejam burros, pode ter certeza que eles não são. Eles mantém esse discurso pois é conveniente pra eles, pois tem interesses por trás, estão cagando pro povo.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Lembrar a ele que o Uruguai não aumentou o consumo após legalização completa. E lembraf que reduziu as mortes a zero http://m.zerohora.com.br/284/noticias/4779552/legalizacao-nao-aumentou-consumo-de-maconha-no-uruguai-diz-estudo

http://www.otempo.com.br/capa/política/após-regulação-mortes-por-tráfico-de-drogas-chegam-a-zero-no-uruguai-1.856721

Esse bosta deve ser um péssimo médico. 

Que tal propormos a presença no STF de algum responsável por legalizar a cannabis no Uruguai para desmistificar isso? Isso é viável? É possível?  Dá ultima vez sugeriram presença femininas. E propor tambem a presença de usuários bem sucedidos de diversas classes com depoimentos para mostrar quem são os usuários.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
9 hours ago, BeTHC said:

Eles mantém esse discurso pois é conveniente pra eles, pois tem interesses por trás, estão cagando pro povo

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
7 hours ago, Pedro93 said:

Que tal propormos a presença no STF de algum responsável por legalizar a cannabis no Uruguai

Se eu não me engano acho que isso já aconteceu na Comissão do senado..  O Trevas ainda quis escracha o cara.

Legalização da maconha: após regulação, mortes por tráfico de drogas chegam a zero no Uruguai

Durante debate da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa no Senado, nesta segunda-feira (2), o Secretário Nacional de Drogas do Uruguai, Julio Heriberto Calzada afirmou que o país conseguiu reduzir a zero as mortes ligadas ao uso e ao comércio da maconha desde que adotou regras para regulamentar o cultivo e a venda da droga.

Em resposta ao senador Cristovam Buarque (PDT-DF), Calzada disse que a legalização da maconha talvez aumente o número de usuários, mas ele acredita que a combinação com outras ferramentas de política pública, em aspectos culturais e sociais, poderão modificar padrões de consumo e levar ao êxito na redução de usuários.

Conforme relatou, o país assegura o acesso legal à maconha por meio de autocultivo, com até seis pés por cada moradia; pela participação de clubes de cultivo, com 15 a 45 membros; ou pela aquisição a partir de um sistema de registro controlado pelo governo.

No debate, o secretário afirmou que respostas efetivas para a questão das drogas dependem de clareza na delimitação do problema. Ele apresentou aos senadores perguntas que devem ser respondidas: Qual é a questão central das drogas? O foco deve estar na substancia? Nas pessoas? Na cultura? Na sociedade? Na política? Na geopolítica? Nas normas? Na fiscalização do trafico ilícito?

Os países, disse o secretário, devem ter em conta que as substancias – tabaco, maconha, heroína, cocaína – não são iguais e devem ser analisadas em suas particularidades e tratadas conforme o conjunto de aspectos referentes a cada uma. Pela grande complexidade do problema das drogas, disse, o Uruguai busca embasar suas ações em evidências científicas.

Conforme avaliou, a criminalização de usuários de drogas seria ineficiente por fazer com que cidadãos passem a ser tratados como viciados ou dependentes. Uma das consequências, disse, é o sistema de saúde ficar refratário a essas pessoas. Dados citados pelo secretário dão conta de que mais de 90% dos usuários de drogas não buscam ajuda no sistema de saúde.

Calzada afirmou ainda que, como outras drogas, como álcool, por exemplo, há riscos e efeitos colaterais negativos com o consumo de maconha, o que requer regulação e controle do Estado. A audiência desta segunda-feira (2), que conta com participação popular pelos canais de interatividade do Senado, é a primeira de um ciclo de debates promovido pela CDH para ouvir autoridades, lideranças sociais e intelectuais, visando embasar o parecer da comissão sobre proposta de iniciativa popular (Sugestão 8/2014) que define regras para o uso recreativo, medicinal e industrial da maconha.

Também participam do debate a coordenadora-geral de Combate aos Ilícitos Transnacionais do Ministério das Relações Exteriores, Márcia Loureiro; o representante do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime no Brasil, Rafael Franzini Batle; o relator da Sugestão 8/2014, senador Cristovam Buarque (PDT-DF); e a presidente da CDH, senadora Ana Rita (PT-ES).

http://everaldobrizola.jusbrasil.com.br/noticias/129516211/legalizacao-da-maconha-apos-regulacao-mortes-por-trafico-de-drogas-chegam-a-zero-no-uruguai

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 ainda tem muita água pra rolar, depois desse governo tem outro, e depois outro, e depois outro, e sinceridade não vejo mudanças em nenhum deles !! como disseram há uns posts atrás, A mudança vem de baixo ! 
e com o tamanhos destas marchas que ocorreram, só vi a do DF que houve apreensões de usuários, o restante teve fumaço na cara dura !! so tenho uma coisa a dizer, que o Temer o Osmar e todos os outros, sem exceções sociais, que vão para o quinto dos infernos , sempre corri risco minha vida toda indo sustentar o tráfico na biqueira, hj me sinto quase livre com o cultivo, sem nenhum deles me ajudar, quem me ajudou foram vcs, vai casinha !! vai Growroom não podemos parar independente se é governo 1 ou 2 ou 3, como disse ainda tem muita água pra passar por de baixo da ponte, muito presidente que ainda tem por vir, e não vai ser nenhum deles que vai nos ajudar, como nunca ajudaram, a mudança somos nós 

  • Like 5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

PS: Olhem o caso do Uruguay galera cultivou la ferozmente na ilegalidade desde a contracultura, e era uma boa  parcela da população que cultivou na ilegalidade com risco de ser preso e tudo mais, mas acabou que as apreensões foram quase minimas, e tornou-se uma "ilegalidade" galera cultivava mas sem aquele medo de ser preso... Tanto é que circula uma livreto urguaio chamado "desmontando o mito tipo exportação " algo assim, vou pegar o nome com meu chegado ele ganhou de um uruguaio que disseca o Mujica e afirma que é so mais um fantoche populista que usou o discurso de algo que era feito pela população a décadas ( cultivo caseiro ) , enquanto deixou o país sangrar em outros aspectos, como no caso do rio Uruguai quem vem sendo poluindo por fabricação de adubos químicos ferozmente nos últimos anos, a população pensou que ele iria fazer algo a respeito, mas simplesmente não fez nada e ainda estatizou a produção para a monsato, bendito o dia que não vamos mais precisar  de políticos 

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
24 minutes ago, Andrerznd said:

 ainda tem muita água pra rolar, depois desse governo tem outro, e depois outro, e depois outro, e sinceridade não vejo mudanças em nenhum deles !! como disseram há uns posts atrás, A mudança vem de baixo ! 
e com o tamanhos destas marchas que ocorreram, só vi a do DF que houve apreensões de usuários, o restante teve fumaço na cara dura !! so tenho uma coisa a dizer, que o Temer o Osmar e todos os outros, sem exceções sociais, que vão para o quinto dos infernos , sempre corri risco minha vida toda indo sustentar o tráfico na biqueira, hj me sinto quase livre com o cultivo, sem nenhum deles me ajudar, quem me ajudou foram vcs, vai casinha !! vai Growroom não podemos parar independente se é governo 1 ou 2 ou 3, como disse ainda tem muita água pra passar por de baixo da ponte, muito presidente que ainda tem por vir, e não vai ser nenhum deles que vai nos ajudar, como nunca ajudaram, a mudança somos nós 

Com certeza. Nossos políticos são todos clichês, governam a tempos, temos que mudar. Espero que a cabeça da população também mude

Nada de lula, aécio, marina silva, dilma, aquela do rio grande do sul que esqueci o nome. 

Eduardo Jorge neles!

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Para mim poderia até ser qualquer um contanto que fizesse um trabalho sério e honesto.  Como foi para o Uruguai a gestão do José Alberto Mujica Cordano, conhecido popularmente como Pepe Mujica.

Porque será que esse trevas queria ser ministro disso? É grana!!??? Então....

Comércio formal de maconha movimentaria R$ 5,7 bilhões no Brasil

BRASÍLIA E RIO — A legalização da maconha no Brasil movimentaria, ao ano, R$ 5,7 bilhões, com perspectiva de gerar uma arrecadação tributária de R$ 5 bilhões, segundo estudo elaborado por profissionais da Consultoria Legislativa da Câmara dos Deputados. Com base em experiências internacionais e dados nacionais, a pesquisa estimou um público consumidor recreativo de cannabis de 2,7 milhões de pessoas no país. A projeção de receita considerou um mercado regulado, aos moldes do que fez o Uruguai, com limite máximo de compra de 40 gramas ao mês por usuário. No cenário traçado, os impostos cobrados do setor seriam os mesmos hoje aplicados à indústria do tabaco.

Com o título “Impacto Econômico da Legalização da Cannabis no Brasil”, o estudo estimou ainda que, além da arrecadação aos cofres públicos, haveria uma redução de R$ 997,3 milhões dos gastos anuais com o sistema prisional, depois que traficantes relacionados à maconha deixassem de ser encarcerados. Na segurança pública, no sistema judiciário e na rede de saúde, os consultores não encontraram evidências de que a medida diminuiria ou aumentaria despesas. Um dos autores do estudo, o consultor Pedro Garrido da Costa explica que as projeções foram traçadas com base em informações nem sempre completas:

— Há muitas lacunas em termos de estatísticas, mas reunimos a literatura e os números disponíveis para avaliar a medida do ponto de vista econômico. O estudo serve à Casa, mas também aos formuladores de políticas públicas, estudiosos do tema, ao público em geral — afirma Garrido.

A pesquisa considerou o preço de US$ 1,20 por grama de maconha, com base nos dados do Uruguai. Dessa forma, cada usuário frequente poderia gastar, segundo a cotação do dólar à época do estudo, de cerca de R$ 3,60, o total de R$ 2.073,60 por ano. Daí vem a receita movimentada apenas com a venda do produto e a estimativa de arrecadação da ordem de R$ 5 bilhões.

Num segundo cenário traçado pela pesquisa, com base no que ocorreu no Colorado (EUA), haveria um incremento de consumidores pós-liberação, que chegariam a 3,2 milhões de pessoas, responsáveis por gerar uma receita ao Estado estimada em R$ 5,9 bilhões. Para calcular a arrecadação, foram considerados cinco tributos federais e um estadual, cuja alíquota usada no levantamento foi a de São Paulo.

maconha-curvas-desk.png

As conclusões do estudo dividiram a opinião dos parlamentares. Para o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), os dados de arrecadação trazidos pela pesquisa não devem justificar uma legalização da maconha. Ele considerou “equivocada” a afirmativa de que a liberação não trará impactos na área da saúde e apontou como indiscutíveis os danos causados pela maconha no cérebro:

— Não temos essa conta porque os danos são invisíveis e nem sempre tratados. O que precisamos é intensificar as campanhas de conscientização. Não adianta aumentar arrecadação às custas da saúde das pessoas.

Já o deputado Paulo Texeira (PT-SP) acredita que a legalização da maconha dentro de um mercado regulado, como no Uruguai, é uma boa saída para diminuição da violência associada à clandestinidade da venda de maconha.

— Esse estudo demonstra que temos que regular e usar o dinheiro para a segurança pública e sistema prisional.

Para especialistas da área, como Maria Lucia Karam, membro da Leap (aplicação da lei contra a proibição, na sigla em inglês), organização que defende o fim da guerra às drogas, o dinheiro arrecadado poderia ser utilizado, por exemplo, para investir em educação. Maria Lucia defende também que todas as drogas sejam legalizadas e não só a maconha.

— O impacto positivo não é apenas com a legalização da maconha, mas de todas as drogas. Primeiro, geraria impostos para o estado e depois economizaria nos enormes gastos que são feitos hoje nessa guerra às drogas. No Brasil, 28% estão presos por tráfico de drogas, quase um terço. São despesas enormes no sistema carcerário — argumenta Maria Lucia. — Há estados americanos que utilizam grande parte da renda gerada com a maconha legal para investir na educação e na saúde. Seria fundamental estabelecer que esses impostos de produção e venda de drogas legalizadas fossem investidos nesses campos.

Ela destaca que essa legalização, no entanto, deve seguir os moldes das demais drogas permitidas no país:

— Só para adultos, da mesma forma que as drogas já lícitas são reguladas. Assim como é com o álcool e o cigarro.

Para o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria, Antônio Geraldo da Silva, os ganhos obtidos a partir de impostos sobre a maconha não justificam a legalização da droga:

— Trata-se do mesmo marketing aplicado com o cigarro, e hoje está provado que o gasto com o tratamento de doenças ligadas ao tabaco é de três a cinco vezes maior do que o arrecadado pelo Estado com a venda deste produto — destaca. — Não podemos levar em conta apenas o ganho direto e ignorar os danos à saúde. A maconha provoca enfermidades psiquiátricas irreversíveis, além de ser uma porta de entrada para outras drogas, como o crack.

http://oglobo.globo.com/sociedade/comercio-formal-de-maconha-movimentaria-57-bilhoes-no-brasil-19468621?utm_source=Facebook&utm_medium=Social&utm_campaign=O Globo

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como um amigo postou ai a maior doação pra campanha do Osmar foi de uma Farmacêutica, não sejamos bobo nenhum politico no Brasil se importa com a população é td um jogo de interesses e se tem alguma coisa que as Farmacêuticas são contra é a Legalização da maconha, pisam e esfregam na nossa cara msm! 

 

 

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Achei bom em termos econômicos e fraco em termos sociais...

  • Like 6

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
2 hours ago, Juniaum said:

As conclusões do estudo dividiram a opinião dos parlamentares. Para o deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), os dados de arrecadação trazidos pela pesquisa não devem justificar uma legalização da maconha. Ele considerou “equivocada” a afirmativa de que a liberação não trará impactos na área da saúde e apontou como indiscutíveis os danos causados pela maconha no cérebro:

— Não temos essa conta porque os danos são invisíveis e nem sempre tratados. O que precisamos é intensificar as campanhas de conscientização. Não adianta aumentar arrecadação às custas da saúde das pessoas.

Os danos causados são indiscutíveis? No entanto não podem ser detectados? Alguém chame o Padre Quevedo, estamos lidando com bruxaria aqui!

É cansativo ver essas opiniões contrárias sempre usando argumentos que já foram derrubados a décadas. Danos neurológicos, porta de entrada, gastos altíssimos com a saúde... Estudo após estudo mostra que essas idéias estão erradas, mas eles simplesmente ignoram toda a informação disponível por causa de ideologias e interesses.

E o último argumento a cair foi a velha história de que "não temos dados suficientes, precisamos de mais estudos". Já existem estudos mais do que suficientes, já existem vários casos de países descriminalizando/legalizando e nenhuma das previsões catastróficas dos proibicionistas se concretizou.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu quero ver um dia na TV globo a discussão de 2 caras proibicionistas com essas idéias alucinadas e 2 caras pró liberação. Quero ver eles falarem as asneiras deles e serem derrubados pelos liberais.

Raiva desses caras :raiva::raiva::raiva::raiva:

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O interessante é que estou vendo isso aí como um último suspiro dessa galara, são sempre os mesmos: Osmar Terra, Magno Malta, Marisa Lobo, Laranjada e a galera da bancada BBB (bala, boi e biblia). Sempre repetindo a mesma merda, e são só mentiras que qualquer um que tenha internet ou conheça um maconheiro sabe que são absolutamente absurdas. Olhem esse site aqui, alguém já teve o desprazer de ler?

 

Pra falar que a maconha é perigosa disseram que pode ter crack nela, por isso não se deve ser legalizada. Puta que pariu!!!

 

http://br.drugfreeworld.org/drugfacts/marijuana.html

 

Mas ninguém ta aguentando engolir mentiras tão grosseiras

 

http://www.timetobreak.com/4321211/32-celebrities-who-are-mega-trump-supporters/?utm_source=revcontent&utm_medium=referral&utm_campaign=TTBTrump&utm_content_id=578268&utm_boost_id=70146&utm_targeting=ibtimes.com

http://citylimits.org/2014/06/25/questionable-claims-by-anti-drug-program/

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.

  • Tópicos

  • Posts

    • Salve gurizada, vcs sabem se posso usar brita no lugar de perlita? Em função do novo corona virus as floricultura estão todas fechadas :s
    • Salve rapazeada!!!  Tirei umas sementes de um skunk muito gostoso q peguei uma vez, resolvi germinar, deu certo e resolvi encarar o cultivo. Tenho q cultivar indoor pois moro em apartamento, então fiz um PCGROW bem grosseiro, e estou usando um abajur pequeno pra fornecer luz, colocando a cabeça do abajur dentro do gabinete por uma abertura na traseira.  Agora vão as perguntas. ME AJUDEM COM A LÂMPADA. Não tenho ideia das especificações da lâmpada q está no abajur, então queria por uma mais correta pro meu caso. Acontece q a lampada é redonda, e a planta mais afastada fica um pouco carente de luz. Gostaria de conselhos pra uma daquelas lâmpadas compridas, dessa forma resolveria o problema, mas uma q não esquente muito. Poderia até comprar um soquete e prender a lampada dentro do gabinete.  MUDANÇA DE VASO E TERRA. Em breve vou comprar um vaso q me permita fazer amarras, para controlar e guiar o crescimento da planta. Seria possível cultivar essa danada em um vaso pequeno de uns 20CM ou até mesmo um pote de 2L de sorvete? Quanto a terra... apenas um solo com humus nesse estágio inicial da planta, é o suficiente? Me deem um help nessas questões por favor. Logo estarei disponibilizando um espaço um pouco maior (uns 70x80 cm) para colocar essas duas plantas, mas elas vão ter q ficar nesse gabinete por 1 ou 2 meses.  Procurei bastante algumas dicas aqui no fórum, mas resolvi postar pra quem sabe encontrar alguém q já fez a mesma coisa, nas mesmas condições, e conseguiu colher algo no final. ME PERDOEM A IGNORÂNCIA, e pra quem for ajudar aí, NOIS SÓ AGRADECE!!!
    • Fala pessoal, na paz? Pois bem, eu tenho 27 anos e faz 10 anos que fumo um banza. Já tive épocas que fumava quase todo santo dia, porém já teve épocas que fumei menos.  Neste ano decidi fazer algo inédito: Ficar sem fumar de forma compulsória por 40 dias. Faz parte da Quaresma; eu também optei por não beber álcool no mesmo período. Foram inúmeros os benefícios e gostaria de compartilhar brevemente a minha experiência. Nesses últimos anos eu já estava querendo melhorar a qualidade da maconha que eu fumava: fui 3x para Amsterdam, lá eu fumei Skunk de qualidade, e depois que voltei comecei a minha busca de uma maconha melhor... Logicamente a realidade é outra aqui infelizmente... porém hoje em dia com alguns contatos você consegue um Bud num preço salgado ou se tiver a oportunidade você planta - o que é de longe a melhor solução; custo, benefício, qualidade e risco.  Então eu consegui pegar mais buds e fui lentamente me afastando do pren. Hoje em dia eu quase não fumo mais prensado - acho um lixo - só fumo quando tem disponível, lógico hehe.  Já sei que terão aqueles que dirão que não dá pra largar do pren por inúmeras questões... Eu tenho amigos que fumam pren todo santo dia! Porém eu posso afirmar que os benefícios são avassaladores quando você substitui o bud pelo pren: - A brisa vai ser mais forte: Mas isso não significa que a brisa vai ser a brisa do pren x 10. A brisa é outra, a verdadeira, legítima! Você sente de verdade os efeitos da Cannabis. Se tiver sorte vai experimentar strains diferentes e vai diferenciar o efeito de uma sativa para uma indica, gosto e intensidade. Quando eu fumava pren eu ficava na maior parte lesado e depois sentia uma dor de cabeça, (não sei porque, porém era uma dor insuportável algumas vezes que fumava) além de você ter que fumar aquele baseado gigantesco e sentir a "brisa" por pouquíssimo tempo. - Quando você fuma bud você fuma menos: Isso é fato. Não tem como você fumar no mesmo ritmo. Até os que fumam todos os dias vão acabar fumando menos; por 2 motivos: 1 - A brisa dura mais e é mais intensa - você vai precisar de 2 a 3 finos pra ficar  chapado o dia inteiro. 2 - o custo será bem maior, então você vai ter que fumar menos por causa da grana. E aí muitos usam a desculpa de ser caro e vou fumar pren por causa do preço. Acredite: Se você gosta mesmo de fumar maconha, não vai querer voltar para o pren depois de fumar bud. - A qualidade é de outro nível: Nos argumentos acima eu já mencionei, porém tenho que reforçar para aqueles que não experimentaram ainda: O nível é outro!! Não tem comparação. No meu caso em particular eu comecei a apreciar muito mais quando fumava um bud em todos os sentidos, e isso fez eu moderar o consumo. Bem, agora que eu falei dos benefícios de fumar um Bud e que você acaba fumando menos voltamos a minha experiência: (paciência, agora tudo vai fazer sentido) Eu já estava fumando mais de 80% bud e 20% pren das mais variadas qualidades. Eu senti que deveria resetar o meu cérebro de todas substâncias que entorpecem o meu corpo (lícitas e ilícitas) Daí veio o desafio. E por causa que eu já estava fumando na maioria das vezes bud, e eu já fumava muito menos, (cerca de 1 a 2 x por semana) eu senti que foi mais fácil parar de fumar. Não senti qualquer efeito negativo (estresse, ansiedade, abstinência) tanto da maconha quanto do álcool (vou focar no caso da maconha apenas - porém a combinação dos 2 foi fantástica). Também me senti mais focado durante o dia em atividades, e agora já sinto uma relação distinta quanto a querer fumar. Percebi que fumar algumas vezes atrapalhava os meus planos e meu foco (isso  varia de pessoa para pessoa). Vejo que como tudo na vida, não podemos exagerar o seu consumo e além disso, devemos buscar a melhor qualidade para ter o seu melhor proveito. Ainda não quebrei a minha quaresma, vou relatar como vai ser a brisa da volta ( já deixei separado um bud de qualidade aqui), mas sinto que o meu vício irá diminuir: A moral deste relato é que a maconha tem poucos (quase nenhum) efeitos negativos quando consumida de maneiro regular e de boa qualidade. Se você fuma todos os dias pren, a história já é outra... Cabe a você priorizar o quão importante é fumar e a brisa que vai ter.  Sei que a realidade não permite, mas se tiverem a oportunidade  recomendo a todos fumar o bud mais vezes. E logicamente recomendo fazer essa pausa. Já foi comprovado que desintoxicar o corpo nos ajuda de inúmeras formas. Além disso, você vai provar para si mesmo que você está no controle, o que eu acho que é o mais importante!