Ir para conteúdo
Growroom
Embargos Infringentes

Importar Seeds A Partir Do Uruguay Ou Comprar La!

Recommended Posts

  • 30/07/2015
  • 21:11
  • Atualização: 21:25
Cultivo de cannabis cria novo potencial econômico no Uruguai

Utilização recreativa da maconha, souvenires da planta e cânhamo para uso medicinal geram mercado


Planta proibida no Brasil vira mercado econômico no país vizinho | Foto: André Ávila/CP Memória

  • comentario.png
    0
    Comentários

A loja "Tu Jardín" está abarrotada, com pedreiros correndo contra o tempo para que o local abra as portas em um dos pontos comerciais de Montevidéu, a capital uruguaia. Essa é a mais recente das dezenas de lojas de cultivo de maconha inauguradas no país nos últimos dois anos. Com a legalização da produção e da venda de cannabis em dezembro de 2013, o então presidente José Mujica plantou a semente de um mercado que cresce com força nas mãos de jovens que veem na maconha uma forma de viver.

"Tu Jardín" começou como uma página na Internet em 2012 e, depois da nova lei, abriu sua primeira loja, em uma zona turística no leste do Uruguai. "Sabemos que isso ainda está começando e que há mercado para todos", diz Marcelo Cabrera, de 34 anos, sócio da empresa.

Assim como outros proprietários de "grow shops", Cabrera evita mencionar dados sobre o crescimento do seu negócio. "Tudo foi com muito esforço e pouco a pouco, porque as margens de lucro são pequenas", explica. "O negócio cresceu. Os turistas buscam suvenires e tudo o que é necessário para cultivar e fumar", conta Enrique Tubino, de 29 anos, um dos dois irmãos fundadores da Yuyo Brothers, loja que se tornou pioneira ao estampar a folha de maconha em seu logotipo.

"A lei ajuda: vem gente da Argentina e do Brasil buscar produtos aqui", acrescentou, referindo-se a sementes, substratos, fertilizantes, entre outros. "Com a legalização, nós nos tornamos agricultores!", brincou um humorista durante a Copa Cannabis, concurso que elege a melhor maconha do ano e que, de acordo com os organizadores, reuniu 1,2 mil simpatizantes em 19 de julho.

A Urugrow foi a primeira loja dedicada ao cultivo da cannabis e, desde 2012, vende seu próprio substrato orgânico. "Foi nosso primeiro produto e é o que mais vende", conta coproprietário do negócio Manuel Varela, 26 anos. Segundo ele, as vendas do líquido passaram de 200 litros para 1,5 mil. Atualmente, seu maior investimento é em publicidade, "para consolidar a presença no mercado em um momento em que chegam muitos concorrentes".

A maior parte dos produtos continua sendo, contudo, importada. Por isso, marcas especializadas no cultivo de maconha e empresas do setor agrícola enxergam o país como um mercado a ser explorado. Um dos terrenos mais incertos é o do comércio de sementes, que não é proibido, embora ainda não seja regulamentado. Assim, a importação é feita, aproveitando-se de uma brecha jurídica.

"Poderíamos importar, se no exterior não fosse ilegal exportá-las", explica a presidente da Associação de Estudos do Cannabis (AECU), Laura Blanco. Os anúncios de bancos de sementes se multiplicam, e é fácil encontrar quem as comercialize. Outra alternativa é comprar diretamente pela internet.

De acordo com os cálculos da AECU, há no Uruguai aproximadamente 20 mil autocultivadores e cerca de 15 clubes de cultivo coletivo, que podem ter, cada um, até 99 plantas. O governo está em processo de licitação dos produtores para começar a vender nas farmácias a dose recreativa de maconha aos consumidores registrados. Qualquer outro tipo de comércio da droga é proibido no país.

Além desse tipo de comércio, os investidores mais ambiciosos pesquisam como tirar proveito do cânhamo não psicoativo, utilizado para produzir biocombustíveis, têxteis, alimentos e cosméticos. O empresário brasileiro Fábio Bastos fará sua primeira colheita para janeiro de 2016, e os 40 hectares plantados, 20 para a produção de fibra e 20 para pesquisa de usos medicinais do cânhamo, já estão vendidos.

Sua marca, Sediña, foi criada há um ano com um investimento de 150 mil dólares e agora vale mais de cinco milhões, segundo Bastos, convencido de que esse mercado se estenderá aos países vizinhos. "Meu objetivo é ampliar o negócio para o Brasil, que é muito maior e tem ainda mais potencial de venda", disse. Atualmente, sua empresa exporta para o Canadá e para a China, onde há um grupo dedicado à análise do mercado.

Outra de suas ambições é buscar remédios mais baratos para doenças como o câncer e a epilepsia. Por isso, metade de seu cultivo se destina à pesquisa do uso medicinal. Ele confidencia que se aliou a alguns dos maiores laboratórios e farmácias do Brasil, mas prefere não citar nomes.

TAGS » Uruguai, Maconha

  • Like 10

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sem dúvida comprar lá Embargos Infringentes!

Estou indo quarta feira 05/08 e vou fazer um relato para galera como foi a passagem pelo Uruguay.

Um lugar muito bonito e um povo muito educado.

  • Like 8

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O empresário brasileiro Fábio Bastos fará sua primeira colheita para janeiro de 2016, e os 40 hectares plantados, 20 para a produção de fibra e 20 para pesquisa de usos medicinais do cânhamo, já estão vendidos.

Sua marca, Sediña, foi criada há um ano com um investimento de 150 mil dólares e agora vale mais de cinco milhões, segundo Bastos

Putz!! Ô vontade que eu tenho de me largar pro Uruguai, comprar um terreninho e plantar bastante cânhamo industrial, fazer e vender mil e um produtos da planta e/ou relacionados a ela... Não deve ter vida melhor nesse mundo!

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sem dúvida comprar lá Embargos Infringentes!

Estou indo quarta feira 05/08 e vou fazer um relato para galera como foi a passagem pelo Uruguay.

Um lugar muito bonito e um povo muito educado.

O lugar e bonito msmo, mas povo educado no uruguai eu ainda quero ver.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fui para o Uruguai há umas duas semanas, mas no interior, não Montevideo, e por outras razões. Mas justamente na chegada dei de cara com uma growshop! Pior de tudo é que tive "medo" de entrar lá. Dá pra acreditar? Velha mania de perseguição adquirida aqui no Br, e não sei como eles tratariam brasileiros querendo comprar semente, se é que eles venderiam ou denunciariam... enfim, agora bate um arrependimento. Acho que perdi uma grande chance.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Os uruguaios cadastrados e autorizados podem produzir sementes e troca las ou comercializa las normalmente para pessoas físicas ,a importação é uma brecha na lei.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O lugar e bonito msmo, mas povo educado no uruguai eu ainda quero ver.

Em todos os lugares que vamos tem que saber chegar.... são outros costumes e outra cultura Tohrfrancis.

Onde eu moro recebemos MUITOS Uruguaios e Argentinos e a grande maioria é muito gente fina (muito mais do que brasileiros as vezes).

Porém o foco da discussão aqui é outro...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Fui para o Uruguai há umas duas semanas, mas no interior, não Montevideo, e por outras razões. Mas justamente na chegada dei de cara com uma growshop! Pior de tudo é que tive "medo" de entrar lá. Dá pra acreditar? Velha mania de perseguição adquirida aqui no Br, e não sei como eles tratariam brasileiros querendo comprar semente, se é que eles venderiam ou denunciariam... enfim, agora bate um arrependimento. Acho que perdi uma grande chance.

Os caras das próprias growshops são membros de clubes canábicos que facilmente te daria acesso a tudo....

Perdeu a grande chance de ouro, pois todos vendem seeds por lá!

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A américa latina vive meus amigos..

E melhor,além de dar uma passadinha pra adquirir umas seeds responsa, ainda da pra largar a mochila e conhecer as belezas naturais..

Salve Mujica!

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

E ai galera estava dando uma olhada no site desse seedsbank e é muito caro papo de novecentos dólares pra cima.

Kķkk

não é dolar es peso uruguayo.900 deve ser uns 100 reais.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

No bates motel tem uma ponta da realidade de um cultivador na américa do norte. Toda quinta as 22h na universal.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Como foi a comprá-la? Muito cRa? Vc foi de ônibus?

Estou pensando em ir fazer essa trip

Sem dúvida comprar lá Embargos Infringentes!

Estou indo quarta feira 05/08 e vou fazer um relato para galera como foi a passagem pelo Uruguay.

Um lugar muito bonito e um povo muito educado.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

No fim do ano vou dar uma passada em Porto Alegre.

Existe algum lugar na fronteira que venda seeds? A ideia é dar uma passada lá em alguma cidade da fronteira e trazer algumas. Será que dá?

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

No fim do ano vou dar uma passada em Porto Alegre.

Existe algum lugar na fronteira que venda seeds? A ideia é dar uma passada lá em alguma cidade da fronteira e trazer algumas. Será que dá?

 

 

Vai até o Chuy do lado Uruguaio que tem a Growshop Hydropoint (filial da loja em Maldonado).

Não espere muitas genéticas diferentes!

Fiz um pequeno relato da minha trip pelo Uruguay, da uma olhada parceiro.

http://www.growroom.net/board/topic/58560-viagem-para-o-uruguai-breve-relato/

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Putz!! Ô vontade que eu tenho de me largar pro Uruguai, comprar um terreninho e plantar bastante cânhamo industrial, fazer e vender mil e um produtos da planta e/ou relacionados a ela... Não deve ter vida melhor nesse mundo!

Se taca mano, a hora é essa, se tiver disposição para investir por lá vai se dar bem!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
 
 
  • 30/07/2015
  • 21:11
  • Atualização: 21:25
Cultivo de cannabis cria novo potencial econômico no Uruguai

Utilização recreativa da maconha, souvenires da planta e cânhamo para uso medicinal geram mercado

 

Planta proibida no Brasil vira mercado econômico no país vizinho | Foto: André Ávila/CP Memória

  • comentario.png
    0
    Comentários
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
 

A loja "Tu Jardín" está abarrotada, com pedreiros correndo contra o tempo para que o local abra as portas em um dos pontos comerciais de Montevidéu, a capital uruguaia. Essa é a mais recente das dezenas de lojas de cultivo de maconha inauguradas no país nos últimos dois anos. Com a legalização da produção e da venda de cannabis em dezembro de 2013, o então presidente José Mujica plantou a semente de um mercado que cresce com força nas mãos de jovens que veem na maconha uma forma de viver.

"Tu Jardín" começou como uma página na Internet em 2012 e, depois da nova lei, abriu sua primeira loja, em uma zona turística no leste do Uruguai. "Sabemos que isso ainda está começando e que há mercado para todos", diz Marcelo Cabrera, de 34 anos, sócio da empresa.

Assim como outros proprietários de "grow shops", Cabrera evita mencionar dados sobre o crescimento do seu negócio. "Tudo foi com muito esforço e pouco a pouco, porque as margens de lucro são pequenas", explica. "O negócio cresceu. Os turistas buscam suvenires e tudo o que é necessário para cultivar e fumar", conta Enrique Tubino, de 29 anos, um dos dois irmãos fundadores da Yuyo Brothers, loja que se tornou pioneira ao estampar a folha de maconha em seu logotipo.

"A lei ajuda: vem gente da Argentina e do Brasil buscar produtos aqui", acrescentou, referindo-se a sementes, substratos, fertilizantes, entre outros. "Com a legalização, nós nos tornamos agricultores!", brincou um humorista durante a Copa Cannabis, concurso que elege a melhor maconha do ano e que, de acordo com os organizadores, reuniu 1,2 mil simpatizantes em 19 de julho.

A Urugrow foi a primeira loja dedicada ao cultivo da cannabis e, desde 2012, vende seu próprio substrato orgânico. "Foi nosso primeiro produto e é o que mais vende", conta coproprietário do negócio Manuel Varela, 26 anos. Segundo ele, as vendas do líquido passaram de 200 litros para 1,5 mil. Atualmente, seu maior investimento é em publicidade, "para consolidar a presença no mercado em um momento em que chegam muitos concorrentes".

A maior parte dos produtos continua sendo, contudo, importada. Por isso, marcas especializadas no cultivo de maconha e empresas do setor agrícola enxergam o país como um mercado a ser explorado. Um dos terrenos mais incertos é o do comércio de sementes, que não é proibido, embora ainda não seja regulamentado. Assim, a importação é feita, aproveitando-se de uma brecha jurídica.

"Poderíamos importar, se no exterior não fosse ilegal exportá-las", explica a presidente da Associação de Estudos do Cannabis (AECU), Laura Blanco. Os anúncios de bancos de sementes se multiplicam, e é fácil encontrar quem as comercialize. Outra alternativa é comprar diretamente pela internet.

De acordo com os cálculos da AECU, há no Uruguai aproximadamente 20 mil autocultivadores e cerca de 15 clubes de cultivo coletivo, que podem ter, cada um, até 99 plantas. O governo está em processo de licitação dos produtores para começar a vender nas farmácias a dose recreativa de maconha aos consumidores registrados. Qualquer outro tipo de comércio da droga é proibido no país.

Além desse tipo de comércio, os investidores mais ambiciosos pesquisam como tirar proveito do cânhamo não psicoativo, utilizado para produzir biocombustíveis, têxteis, alimentos e cosméticos. O empresário brasileiro Fábio Bastos fará sua primeira colheita para janeiro de 2016, e os 40 hectares plantados, 20 para a produção de fibra e 20 para pesquisa de usos medicinais do cânhamo, já estão vendidos.

Sua marca, Sediña, foi criada há um ano com um investimento de 150 mil dólares e agora vale mais de cinco milhões, segundo Bastos, convencido de que esse mercado se estenderá aos países vizinhos. "Meu objetivo é ampliar o negócio para o Brasil, que é muito maior e tem ainda mais potencial de venda", disse. Atualmente, sua empresa exporta para o Canadá e para a China, onde há um grupo dedicado à análise do mercado.

Outra de suas ambições é buscar remédios mais baratos para doenças como o câncer e a epilepsia. Por isso, metade de seu cultivo se destina à pesquisa do uso medicinal. Ele confidencia que se aliou a alguns dos maiores laboratórios e farmácias do Brasil, mas prefere não citar nomes.

TAGS » Uruguai, Maconha
 
 

 

Reportagem está equivocada, a loja Tu jardim não existe mais em endereço físico... vendem agora apenas pela internet.

Os impostos estão cada vez mais caros para lojistas no Uruguay infelizmente.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Reportagem está equivocada, a loja Tu jardim não existe mais em endereço físico... vendem agora apenas pela internet.

Os impostos estão cada vez mais caros para lojistas no Uruguay infelizmente.

Sout mas importar seeds é de boa?Não é?La é paraizo Fiscal.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sout mas importar seeds é de boa?Não é?La é paraizo Fiscal.

Sim, para os uruguaios ou estrangeiros residentes a algum tempo (comprovado) é legal importar seeds de qualquer parte do mundo e entregar no conforto de sua casa.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...

×
×
  • Criar Novo...