pedrero

Ph Manifesto

Recommended Posts

Um dos maiores enganos no cultivo é que o PH da solução é a única preocupação em relação ao ph que afeta a qualidade da colheita, o que não é totalmente verdade. O que afeta de fato é o PH e a alcalinidade de 3 coisas:
 
1. Sua água
2. Sua mídia de cultivo
3. Nutrientes
 
 
Do começo
 
O Ph (potencial de hidrogênio) é uma medida para íons de hidrogênio e hidróxido, e é medido em uma escala entre 0 e 14, sendo 7 um PH considerado neutro, <7 ácido e >7 alcalino.
Quando sua água, substrato ou solução de nutrientes está ácida (<7) ela contém mais íons de hidrogênio do que de hidróxido, assim como quando está básica (>7), contém mais íons de hidróxido do que de hidrogênio. Os hidrogênios e os hidróxidos interagem entre eles até chegar em um equilíbrio que resulta nos valores de ph que estamos acostumados a lidar. E é muito importante compreender isso pois esses elementos (hidrogênio e hidróxido) fazem parte dos elementos que compões os macro e micro elementos das soluções nutritivas. E estes elementos são classificados em dois grupos diferentes; Um grupo, chamado de cátions (carregados com carga positiva), contém mais íons de hidrogênio; o outro, chamado de ânions (carregados com carga negativa), contém mais íons de hidróxidos.
Também nosso substrato é afetado por esses cátions e ânions contidos nos macro, micro e nos elementos secundários que usamos. Dentro os elementos que são cátions temos a uréia e amônia (ambos são formas de Nitrogênio), potássio, cálcio, magnésio, ferro, zinco, manganês, cobre e cobalto. Dentre os ânions, temos os Nitratos (outra forma de Nitrogênio), fosfatos (formas de fósforo), sulfatos, carbonatos e bicarbonatos.
Então, o que tudo isso tem a ver com colheitas melhores? TUDO, o balanço correto desses ciclos contém a chave para colheitas consistentemente mais pesadas e de qualidade superior.
 
 
*************
 
1. A ÁGUA
 
Como dito anteriormente, um dos maiores enganos é acreditar que o ph da solução nutritiva é o fator que vai levar suas plantas a colheitas melhores. E não é totalmente verdade, a preocupação maior deveria ser com a alcalinidade da água. Este é um dos maiores responsáveis por afetar as colheitas.
 
 
Alcalinidade
 
A água não é apenas água, ela contém vários elementos que variam em quantidade a depender da fonte. A alcalinidade da água é a concentração de todo tipo de íons (cálcio, magnésio, potássio, sódio, etc) em ambas as formas, carbonatos e bicarbonatos, sendo os bicarbonatos os maiores criminosos.
Para piorar, alcalinidade se acumula em sua mídia de cultivo em um ciclo vicioso que fará o PH de seu substrato/reservatório subir depressa e, consequentemente, causar problemas de estabilidade e colheitas menores.
 
gallery_79524_9460_76618.jpg
Quando a alcalinidade de sua água não é medida e é usada para misturar sua solução nutritiva - mesmo com o ph ajustado e apropriado da solução - suas plantas podem sofrer com um contínuo acúmulo de alcalinidade que vai sorrateiramente aumentar o PH de sua mídia, travando elementos vitais para as plantas e te subtrair do verdadeiro potencial de colheita.
 
 
 
Diferença entre alcalinidade e "dureza" da água
 
PH e "Dureza" da água são coisas diferentes. A "dureza" é a medida da concentração combinada de cálcio e magnésio insolúveis na água, e não da presença de cabonatos e bicarbonatos. Produtos que dizem reduzir a dureza da água acabam por deslocar os íons de calcio e magnesio mas deixam no processo os carbonatos e bicarbonatos, não resolvendo o problema da alcalinidade. Uma água considerada leve e segura está abaixo dos 30ppm no leitor de EC.
 
******************
 
2. SUA MÍDIA DE CULTIVO
 
Uma curiosidade sobre o sistema de raízes das plantas é que ele é uma máquina de controle de PH; ele manufatura e solta no substrato íons de hidrogênio ([H+] - Ph down) e de Hidróxidos ([OH-] - Ph up). Esse sistema modifica o PH do substrato pra se adequar à composição elementar dos nutrientes. É perceptível como a compreensão disso pode te dar mais controle das suas plantas e, consequentemente, maiores colheitas. Lembrando que outros fatores também contribuem para a oscilação do PH, como a ação microbiana, temperatura do meio e a água/nutrientes das regas. Vale ressaltar que existem oscilações de PH entre os períodos diurnos e noturnos; quando no período escuro tanto a planta quanto as bactérias "dormem" o que reduz a quantidade de reações na mídia de cultivo. Isso faz com que haja uma tendência a subir o PH nesse período. Essa dica é muito importante pra quem cultiva em hidro, as variações de PH podem ser benéficas se bem utilizadas dentro do range ideal.
 
Como sabemos, a cannabis prefere o solo ligeiramente ácido. O PH é variável e na maior parte dos casos o PH tende a subir e o maior desafio é evitar isso.
 
Cátions:
Uréia e Amônia (formas de N)
Potássio
Cálcio
Magnésio
Ferro
Zinco
Cobre
Manganês
Cobalto
 
Ânions:
Nitratos (N)
Fosfatos (P)
Sulfatos
Carbonatos
Bicarbonatos
 
O equilíbrio na formação do solo é a peça chave pra um PH balanceado. Qualquer elemento em excesso pode facilmente desbalancear esse equilíbrio.
 
Tipos de mídia e sua dependência do PH
 
Alguns tipos de mídia tem uma certa habilidade em "bufferizar" (é uma maneira de dizer que tem habilidade de evitar as variações drásticas do PH) o PH, outras não. Essa habilidade é chamada de Capacidade de Troca Catiônica (Cation Exchange Capacity ou CEC). Em outras palavras, CEC é a habilidade da mídia em absorver ou liberar cátions (+).
 
Substratos que são dependentes do PH não resistem às suas variações. Então, mídias independentes tem alta CEC e pode resistir a essas variações por longos períodos, o que é bom! Normalmente solos orgânicos tem húmus e alguma argila em sua composição, são materiais que tem alto CEC e ajudam a segurar mudanças radicais do PH.
 
Com hidroponia é diferente. Muitas das mídias tem baixa CEC e precisam e precisam da monitoria e ajuste constante do PH. Algumas mídias utilizadas, como lã de rocha, argila expandida ou perlita tem baixo CEC e se encaixam nesse nível de controle e você terá de controlar com mais frequência o PH. Algumas mídias tem alta CEC como o coco e a turfa, que ajudam a controlar o índice e podem ser considerados independentes.
 
gallery_79524_9460_192.jpg
 
Sobre o Sunshine Mix
 
É um substrato muito perto do ideal. Normalmente (depende um pouco de onde foi retirado) ele tem um PH entre 3.5 e 4, o que é baixo. Porém com um pouco de calcário dolomítico o ph vai para 5.8~6.3 por um período de aproximadamente 6 semanas.
 
Sobre a fibra de coco
 
Normalmente vem com um ph próximo de 5.5. O problema maior é que o Cálcio e o Magnésio se prendem ao coco e não são facilmente liberados, o que não é bom. Sua planta precisa ter acesso a esses nutrientes. Agora, se você adicionar calcáreo dolomítico, seu PH tende a subir e também não é o que queremos. Então o que fazer? Esse problema pode ser resolvido acrescentando Ca e Mg quelados nas suas soluções nutritivas. Fertilizantes próprios para cultivo em coco já vem com essas questões ajustadas, o que é um fator ao se considerar ao trabalhar com essa mídia de cultivo.
A fibra de coco também tem muito Potássio então normalmente utilizar fertilizantes com esse elemento em menor escala é importante pra evitar toxicidade. Outro detalhe é sobre fibras de qualidade inferior; são trabalhadas na água salgada como parte do processo de quebra das cascas e nem sempre bem lavadas após isso. Garanta que esses sais sejam "flushados" antes de começar seu cultivo.
 
**************
 
3. NUTRIENTES
 
Como sabemos, as plantas se alimentam de macro, micro e nutrientes secundários. Todos esses nutrientes carregam uma carga positiva (cátions) ou negativa (ânions) e afetam o PH conforme as plantas os utilizam. Diferentes formas dos elementos (ex: Nitrato ou Amônia que são formas de N) carregam diferentes quantidades dessas cargas. Agora vem a parte curiosa. As raízes das plantas consomem ambas as formas através de uma troca: Quando ela usa cátions, ela libera íons de hidrogênio (H+), que tornam sua mídia mais ácida e fazem o PH cair; Quando ela consome ânions, as raízes liberam hidróxidos (OH-), que fazem o papel contrário! Conforme há equilíbrio, cátions e ânions trabalham em parceria. O truque é o equilíbrio entre esses cátions e ânions para manter o PH ideal em sua mídia, o que leva tempo e muita pesquisa e observação. Mas pode ser feito.
Quando suas fontes de N utilizam muitos cátions de Amônia, por exemplo, moléculas ácidas ajudam a manter o ph ideal em sua mídia. Mas quando suas fontes são basicamente nitratos, você está trabalhando com moléculas alcalinas, o que significa que você constantemente terá de ajustar com ph down. Nesse cenário a planta terá seu N mas os pecíolos ficarão menores, as folhas ficarão menores e os galhos mais finos, não fornecendo estrutura para segurar os buds.
A indústria de fertilizantes, de forma global, se preocupa em fornecer os nutrientes corretos para as plantas, mas aparentemente e segundo esses estudos, a forma como esses nutrientes serão disponibilizados faz toda a diferença na dinâmica do PH. Em um cultivo de solo a dinâmica que rege o PH é bastante variável; em hidro esse problema fica bastante sério. Por isso é importante pesquisar as fontes dos nutrientes dos fertilizantes, principalmente do N que é usado em abundância. Outra coisa a se levar em consideração é a utilização de [cálcio, magnésio, potássio] carbonatos e bicarbonatos em suas fórmulas, como um "ph buffer" - isso pode gerar um efeito indesejado de alcalinizar sua mídia de cultivo.
 
**************
 
Medição do Runoff
 
Muitos cultivadores defendem a medição do runoff como forma de medir o PH da mídia enquanto outros alegam ser desnecessário. Independente disso, é um parâmetro a mais. Porém visto a dinâmica do PH apresentada, tomar uma atitude perante um teste no runoff pode ser precipitado. Em solos orgânicos não vejo praticidade na questão; Em solos inertes e semi-hidro esse parâmetro pode ajudar mais. Em hidro aguardo os especialistas falarem a respeito.
O fato é, para fazer uma medição de runoff, me parece sensato usar água destilada ou de PH neutro (7) sem adição de nutrientes. Para uma medição mais segura do PH no solo, recomenda-se também recolher um pouco do solo próximo do fundo do vaso, colocar na água PH neutro, filtrar a água e medir novamente; porém me parece impraticável para vasos (pode funcionar para solos outdoor). Outra possibilidade é utilizar um medidor de PH de solo (aquele com a espiga de metal) que tanto é condenado pelos growers como medidor. Essa é a maneira mais prática de fazer isso. Ouso dizer que esse tipo de medidor não é bem visto por falta de conhecimento da dinâmica do PH no solo, já que há variações nas regiões e de acordo com a temperatura, momento do dia (ou noite) da medição, etc. O melhor parâmetro nesse medidor é próximo à massa de raízes. Esse tipo de medidor é muito útil em cultivos orgânicos, até o meu quebrar eu usei muito pra entender o processo de compostagem e saber exatamente quando meu solo estava pronto (quanto tempo de descanso) para o plantio, que é justamente quando há estabilização do ph.
 
Conclusão
 
São várias as formas ajustar o ph de seu reservatório/água/solução nutritiva usar ph up/down ou Hidróxido de Potássio (up) e Ácido Nítrico ou Fosfórico (down). Outras formas são utilizadas e discutidas pelos growers incansavelmente aqui no GR então se sobraram dúvidas não se acanhe e utilize a busca!
Para cultivadores de solo, estudar com detalhe o papel de cada matéria prima utilizada e seu potencial CEC,utilizar fertilizantes de boa procedência; Aos orgânicos, entender a dinâmica do ph no solo, e perceber que as vezes alterar o ph da solução pode prejudicar mais que ajudar; Aos hidros, controle de ph e bons ferts é uma prioridade; em comum a todas as modalidades, água leve e muita observação!
 
gallery_79524_9460_16665.jpg
 
Apunhado de materiais, como sempre o tópico está aberto à correções e sugestões de melhoria.
Grande abraço a todos!
 
 
Fontes e Material complementar
 
thctalk, icmag, general hidroponics forum, advanced nutrients forum e megalog
 
artigos acadêmicos:
 
livros:
Effect of Water pH on Yield and Nutritional Status of Greenhouse Cucumber Grown in Recirculating Hydroponics
Hydroponics: A Practical Guide for the Soilless Grower
 
todos os growers, espalhados pela casa, que se propõe a debater o assunto
  • Like 73
  • Thanks 5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Belo artigo! Só uma coisa: água leve não seria abaixo de 300, e não 30, ppm? 30 ppm é tipo 0,015EC, que é uma água praticamente destilada.

http://www.fao.org/docrep/003/T0234E/T0234E01.htm

Aqui, por exemplo, ele diz que água boa pra agricultura é abaixo de 0,7EC, ou 450 ppm (daí entra uma treta que cada medidor de EC faz uma conversão diferente pra ppm).

  • Like 4

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

0,30 deve ser medida de EC. muito difícil conseguir com água da torneira. Aqui em Minas temos muitos sais minerais dissolvidos na água, que tem pH controlado em torno de 8,2 e apresenta EC 0,86. Com 24 horas de aeração com bombinha de aquário atinjo, no máximo, 0,60. Não sei mais o que fazer, não dá pra acrescentar quase nenhum nutriente que a EC bomba. Citam na internet os filtros de osmose reversa mas são caros pra caramba.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Otimo topico mano pedreiro!! Toda ajuda sempre bem vinda!!

Isso reforça sempre aquela regra basica do growroom" MENOS É MAIS" usando menos fertilizantes vc diminui bastante a probabilidade dessas oscilaçõe ,q prejudicam tudo!! um vaso pequeno tb.. regulado para o tamanho definitivo da sua planta pode ajudar muito a fazr um flush ou regar Corretamente !

0,30 deve ser medida de EC. muito difícil conseguir com água da torneira. Aqui em Minas temos muitos sais minerais dissolvidos na água, que tem pH controlado em torno de 8,2 e apresenta EC 0,86. Com 24 horas de aeração com bombinha de aquário atinjo, no máximo, 0,60. Não sei mais o que fazer, não dá pra acrescentar quase nenhum nutriente que a EC bomba. Citam na internet os filtros de osmose reversa mas são caros pra caramba.

pqp 0,86 de ec na agua de torneira man?? tem ceretza q essa agua nao esta contaminada? pqp eh muita coisa...

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Brother, na verdade filtros deionizadores tem maior eficiência no quesito redução da "dureza" da água, i.e., a EC. Já o filtro de OR possui uma ampla gama de atuação, eliminando impurezas, contaminantes, microorganismos, e inclusive os sais e metais que elevam a condutividade da água, porém não o faz tão bem quanto o deionizador (cuja função específica é reduzir a EC). Existem métodos relativamente baratos de faça-você-mesmo para elaboração de tais filtros. É só procurar no youtube...

Gordos buds.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

0,30 deve ser medida de EC. muito difícil conseguir com água da torneira. Aqui em Minas temos muitos sais minerais dissolvidos na água, que tem pH controlado em torno de 8,2 e apresenta EC 0,86. Com 24 horas de aeração com bombinha de aquário atinjo, no máximo, 0,60. Não sei mais o que fazer, não dá pra acrescentar quase nenhum nutriente que a EC bomba. Citam na internet os filtros de osmose reversa mas são caros pra caramba.

Putz, pesadíssima! Aqui em casa sai 0,3... Na casa dos meus pais 0,15.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Águas minerais de Minas Gerais são cheias de minério. Já estudei geologia da região e constata-se altas concentrações de diversos minerais como ferro, calcio e vários outros, e até cianeto, acreditam? Cianeto. Veneno.

Vou pesquisar sistemas alternativos de dessalinização, uma vez que o filtro de osmose reversa mais barato que eu achei custa R$1400,00. um modelo residencial.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

salve rapaziada, valeu o apoio!

sobre os PPM de água leve, o trecho do texto que comenta isso é uma tradução literal de um artigo da AN.

livros que tratam de living soil consideram aceitáveis níveis de TDS de 60, tendo como teto os 100ppm. Porém nesse caso deve-se tomar cuidado com acréscimo de CaMg nas soluções.

minha água é um pouco pesada pros meus propósitos, então fiz exatamente o filtro que foi citado acima. Até cheguei a abrir um tópico pra mostrar os resultados:

http://www.growroom.net/board/topic/53442-diy-filtro-deionizador/?p=1112076

só uso água desse filtro no meu cultivo e não me arrependo. Acabei até instalando um filtro parecido no cavalete, então tenho 2 filtragens dessa. É totalmente possível encaixar um módulo de RO nesse filtro mas fica bem mais caro e sinceramente não acho que precisa. Talvez no caso do evandron, mas mesmo assim a resina mista faz um excelente trabalho já.

Vale lembrar que esses textos gringos tratam da água que eles tem por lá.

Cientist, esse artigo que vc postou é bem interessante cara, obrigado por postar. No entanto vale ressaltar também que a retórica foca na agricultura em solo, onde há lixiviação dos sais com muito mais facilidade do que em um cultivo indoor. A não ser que se faça flush toda hora, os sais de uma água 450ppm podem se tornar um problema.

  • Like 6

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Um pouco mais sobre a CEC (Cation exchange Capacity) ou CTC (Capacidade de troca de Cátions)

Pontos importantes:

  • CEC é a capacidade total da mídia de cultivo em reter ou liberar cátions "trocáveis"
  • CEC é uma característica inerente do solo e é difícil de se alterar significantemente
  • Ela influencia a habilidade do solo em reter nutrientes essenciais e fornece um "buffer" contra acidificação do solo
  • Solos com frações maiores de argila tendem a ter maior CEC
  • Matéria orgânica tem alto CEC
  • Solos arenosos dependem fortemente da alta CEC da matéria orgânica para retenção de nutrientes

Disponibilidade de nutrientes e a CEC

Solos com pouca CEC costumam desenvolver com mais facilidade deficiencias de potássio (K+), magnésio (Mg+) e outros cations enquanto mídias com alta CEC são menos sucetíveis à lixiviação desses cátions. Alguns fatores podem restringir a liberação desses nutrientes para as plantas. Alguns pesquisadores promovem a idéia controversa de manusear as porcentagens de cátions, reivindicando proporções ideais para Ca:Mg ou Ca:K. Para a nutrição da planta, um fator mais crucial é se a quantidade de Ca e K no solo é adequada para o crescimento da planta. A adição de matéria orgânica vai aumentar a CEC do solo mas requer muito tempo pra ter efeito.

De forma ilustrativa, a figura abaixo mostra a quantidade de nutrientes disponíveis conforme a profundidade do solo, assumindo que o topo do solo tem bastante matéria orgânica, após há uma camada arenosa e mais a fundo uma camada argilosa.

Chem_-_CEC_Fig1.JPG?1390446306

  • Like 7

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

muito bom o texto, manerasso. valeu mesmo!

uso muita medida de ph de runoff, nao sei se ajuda mesmo muito, quando esta abaixo de 6 dou um calcareo 'proporcional', dificil estar vir alcalino, tenho usado sunhine e uns ferts inorganicos. o que me ajudou bem acho que foi começar a descansar o solo mesmo. vou tentar fazer umas medidas de amostras do substrato antes do uso, e corrigir com mais descanso, faz sentido isso?

fiquei bolado com essa parada da agua alcalina que se usa pra base, mesmo apos correção com ferts.

0,30 deve ser medida de EC. muito difícil conseguir com água da torneira. Aqui em Minas temos muitos sais minerais dissolvidos na água, que tem pH controlado em torno de 8,2 e apresenta EC 0,86. Com 24 horas de aeração com bombinha de aquário atinjo, no máximo, 0,60. Não sei mais o que fazer, não dá pra acrescentar quase nenhum nutriente que a EC bomba. Citam na internet os filtros de osmose reversa mas são caros pra caramba.

nao rola um destilador caseiro? a agua fica 'zeroppm'.

filtro de barro diminui ppm?

abração!

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

salve rapaziada, valeu o apoio!

sobre os PPM de água leve, o trecho do texto que comenta isso é uma tradução literal de um artigo da AN.

livros que tratam de living soil consideram aceitáveis níveis de TDS de 60, tendo como teto os 100ppm. Porém nesse caso deve-se tomar cuidado com acréscimo de CaMg nas soluções.

minha água é um pouco pesada pros meus propósitos, então fiz exatamente o filtro que foi citado acima. Até cheguei a abrir um tópico pra mostrar os resultados:

http://www.growroom.net/board/topic/53442-diy-filtro-deionizador/?p=1112076

só uso água desse filtro no meu cultivo e não me arrependo. Acabei até instalando um filtro parecido no cavalete, então tenho 2 filtragens dessa. É totalmente possível encaixar um módulo de RO nesse filtro mas fica bem mais caro e sinceramente não acho que precisa. Talvez no caso do evandron, mas mesmo assim a resina mista faz um excelente trabalho já.

Vale lembrar que esses textos gringos tratam da água que eles tem por lá.

Cientist, esse artigo que vc postou é bem interessante cara, obrigado por postar. No entanto vale ressaltar também que a retórica foca na agricultura em solo, onde há lixiviação dos sais com muito mais facilidade do que em um cultivo indoor. A não ser que se faça flush toda hora, os sais de uma água 450ppm podem se tornar um problema.

Camarada!

Eu tinha perdido esse tópico e só agora li sua resposta. Poxa! Muito legal.

Vou tentar fazer um ou dois para ver se consigo melhorar isso.

muito bom o texto, manerasso. valeu mesmo!

uso muita medida de ph de runoff, nao sei se ajuda mesmo muito, quando esta abaixo de 6 dou um calcareo 'proporcional', dificil estar vir alcalino, tenho usado sunhine e uns ferts inorganicos. o que me ajudou bem acho que foi começar a descansar o solo mesmo. vou tentar fazer umas medidas de amostras do substrato antes do uso, e corrigir com mais descanso, faz sentido isso?

fiquei bolado com essa parada da agua alcalina que se usa pra base, mesmo apos correção com ferts.

nao rola um destilador caseiro? a agua fica 'zeroppm'.

filtro de barro diminui ppm?

abração!

Destilador, caseiro ou não, tem custo operacional alto. Esse filtro que o Pedrero indicou parece mais possível de ser construído e operado. Além disso, não acho que é o caso de conseguir uma água tão pura quanto uma destilada pois as plantas absorvem muitos outros microcomponentes dissolvidos na água.

Obrigado pelos toques amigos!.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

muito bom o texto, manerasso. valeu mesmo!

uso muita medida de ph de runoff, nao sei se ajuda mesmo muito, quando esta abaixo de 6 dou um calcareo 'proporcional', dificil estar vir alcalino, tenho usado sunhine e uns ferts inorganicos. o que me ajudou bem acho que foi começar a descansar o solo mesmo. vou tentar fazer umas medidas de amostras do substrato antes do uso, e corrigir com mais descanso, faz sentido isso?

fiquei bolado com essa parada da agua alcalina que se usa pra base, mesmo apos correção com ferts.

nao rola um destilador caseiro? a agua fica 'zeroppm'.

filtro de barro diminui ppm?

abração!

Salve mutante,

acho que mais descanso nesse mix com sunshine não deve mudar muita coisa. O calcáreo tem a liberação lenta, mas acredito que em 1~2 semanas já estabilizou. O que pode acontecer de repente é que a quantidade não foi suficiente pra equilibrar os íons, mas é um hipótese distante porque não precisa de muito pra isso acontecer. Calcáreo é na manha porque muito pode criar um tampão alcalino que num sunshine+perlita pode ser bem problemático. É mais fácil corrigir acidez do que alcalinidade. Acho que no orgânico é mais fácil de lidar com isso por conta dos buffers e ação dos micróbios.

Já medi incansavelmente água de filtro de cerâmica, mineral, torneiral, e acho que posso dizer que o ppm não muda significantemente, pra não dizer nada. Mas ele ajuda a tirar o cloro.

cara, nunca ouvi falar de destilador caseiro, se achar uma maneira prática e barata de fazer põe pra comunidade!

abraço aê parceiro!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve salve Pedrero

Ótimo texto muito bem explicado . Muita informação foi absorvida aqui .

Obrigado pelas Aulas que nos tem proporcionado .

Peço licença para formular uma duvida sobre outro tema .

Li no diário do Planet uma msg sua : " ... tenho testado vários tipos de mulch, e te digo que vale muito a pena por várias razões. Em algumas plantas tou fazendo mulch com alfafa e serragem, ficou 10. Com uma camadinha de humus antes do mulch vc enche a superfície de vida e elas vão roendo esse mulch lentamente, como nossa planta adora ... "

Nos seus testes o Mulch de alfafa com serragem está se saindo o melhor de todos ?

Como seria esse Mulch de alfafa com serragem ?

vc mistura tudo . picota a alfafa e mistura com pó de serragem de marcenaria mesmo ?

Qual a proporção ?

Oque seria " encher a superficie de vida " ?

Desculpa por tantas duvidas . Vlw pela atenção .

Fique na PAZ .

Namastê

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve namastê,

cara, sobre o mulch é um pouco off topic, mas bora!

Desde que comecei a usar não parei mais. O mulch é um termo para cobertura morta, ela pode ser de vários materiais e está presente na natureza o tempo todo. Quando as folhas caem formam essa cobertura no solo e é uma maneira das plantas devolverem os nutrientes pro solo, que gera mais um dos belos ciclos da natureza.

o mulch dificulta a evaporação da água, protege o topo de moscas e pragas daninhas. Mas meu interesse maior está em abrigar colônias de microorganismos. Bactérias do solo e outros seres não curtem luz, e, falando genericamente, os primeiros centímetros do topo do solo é o mais rico em microvida pelo simples fatos de ter bastante oxigênio. Porém a luz afasta essa atividade microbiana do topo e o mulch resolve isso de maneira explêndida porque além dos benefícios que já citei, abriga as colônias enquanto fornece alimento gradual pro solo.

eu usei serragem em lascas (sem verniz e coisas do genero!!) pra fazer o mulch mas normalmente uso o que tenho à mão. A alfafa tem muito N e tanto as minhocas quanto bactérias e outros micros devoram ela rapidamente. Mas a serragem não foi o melhor mulch que fiz, os melhores que fiz e que funcionaram bem foi com capim e alfafa, picoto antes de colocar no vaso e deixo uma camada de uns 5 cm. Antes do mulch sempre coloco uma camada de humus com perlita pra ativar a variedade de microorganismos que vão atuar nessa área.

Não curto muito falar em proporções porque a variável invalida a resposta, mas leve em consideração o seguinte:

Mulch marrom (cascas de árvores, galhos e folhas secas) = mulch da floresta. Florestas e esse tipo de vegetação costuma abrigar uma variedade e predominância de fungos, o que torna o solo mais ácido. Não é o ideal pra cannabis, mas tenho percebido que na floração investir um pouco mais nos fungos pode ser uma boa idéia pelo papel que eles desempenham com o P.

Mulch verde (capim, alfafa, grama, etc) = mulch de vegetação arbustiva, plantas de ciclos anuais, etc. Esse tipo de mulch abriga predominantemente colônias de bactérias, e esta mantém o ph próximo do neutro além de serem excelentes fontes de N e Ca principalmente.

Tem tmb mulchs inertes como pedras, argila expandida e coisas assim. Funciona como abrigo mas não decompõe e dependendo do material pode afetar o PH.

Uma proporção de 70% verde 30 % marrom é mais ou menos o que eu tenho como alvo hoje em dia, mas como já falei isso pode mudar.

espero que ajude em algo, obrigado pelas considerações e tou na torcida pro seu cultivo rolar! abraço!

  • Like 10

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Salve Pedrero

Muito obrigado pela sua consideração em responder a pergunta .

Degustei cada palavra desse texto de uma forma que me desceu redondo . Uma Aula incrivel de conhecimento e sabedoria . Parabéns .

Isso sem contar a simplicidade do processo, porém com uma carga cientifica enorme . É isso . Simples , prático e natural . Como a mãe natureza gosta .

Fique na PAZ . Muita Luz na sua vida irmão .

Ajudou demais .

Namastê

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uso mulch inerte, só perlita. Tenho curiosidade de experimentar um mulch orgânico, ainda mais porque moro quase que do lado de uma floresta e poderia aproveitar parte do 'topsoil' dela, aquele humus de floresta mesmo. O problema é que morro de medo de acabar trazendo patógenos juntos.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

òtimo tópico!!!! Valew Pedrero por compartilhar seu conhecimento! Cara e a agua da chuva?? Eu tenho recolhido e guardado bastante agua. Será q com o tempo guardado o ph dela muda??

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Uso mulch inerte, só perlita. Tenho curiosidade de experimentar um mulch orgânico, ainda mais porque moro quase que do lado de uma floresta e poderia aproveitar parte do 'topsoil' dela, aquele humus de floresta mesmo. O problema é que morro de medo de acabar trazendo patógenos juntos.

Eu tbem moro do lado de uma A P R ( area de preservação permanente ) . vou recolher o MULCH de lá e vou colocar nas plantas . Vamos ver oque vai dar .

Tbem pensei nesse ponto . de vir juntos substancias indesejadas ou insetos ( escorpião , aranha , ... )

Mas vou arriscar .

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu to pensando em fazer da seguinte forma :

Vou recolher a parte de cima do Mulch as folhas mais novas em decomposição .

Com uma pazinha vou retirar a parte de cima da terra que deve ser a area com maior concentração dos nutrientes que foram decomposto . Uns 6 cm da superficie ) .

Depois vou colocar tudo dentro de um saco e vou amassar e misturar tudo .

Nos vasos vou colocar em baixo uma camada de Húmus e em cima esse Mulch preparado e amassado .

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...

  • Tópicos

  • Posts

    • Tah confundindo traficante com vigarista, tu sabe oq vai buscar com o traficante, bem ou mal tu sabe o que tu vai comprar e o quanto presta ou não... Não vejo desonestidade em um adulto vender algo que outro adulto queira comprar, uma vez que o produto vendido seja o ofertado à princípio, ser crime é uma questão subjetiva pra mim, escravidão já foi algo amparado pela lei... Quando alguém te enrola cobrando um absurdo por um produto que não condiz com os resultados, nós temos um falcatrua, um "espertinho". essa gente não se cria nem no tráfico, mas no mercado de seeds, que recém virou mainstream por essas bandas, eles têm público, e justificar ser enganado e defender o direito de terceiros de te enganarem por suposta falta de opção me parece um estado de negação, como se o pessoal não quisesse entender que não tem jeito fácil ou menos difícil. importação, ir atrás, ou receber de outro grower, essas são às opções, até aparecer um coyote de respeito q de fato traga produtos condizentes com a propaganda, e daí sem dúvida, será recomendado, só nunca em tópico aberto... Planejando o cara faz tudo. se alguém tem como manter um grow pra auto-sustento eu suponho q em 1 ou 2 anos de economia se possa fazer uma viagem, o problema maior é ansiedade ou talvez até prioridades confusas... Mas essa é só minha visão do assunto, baseado no q eu aprendi aqui... Cada um sabe quanto vale sua grana, e se quer comprar, compre... Só sei q se eu fosse fazer negócio cego pagando por semente surpresa, eu ia tentar cruzar com alguma prenseed que tenha saído boa, pra ter minhas próprias seeds por mais alguns ciclos... 
    • Isso aconteceu nos EUA
    • Acho que a discussão está míope. Claro que é péssimo ficar na mão de um comerciante desonesto, mas acreditar que ele ser preso e/ou processado é a solução é apostar na mesma lógica da repressão que regula a cannabis no Brasil hoje. Mesma coisa pro raciocínio de "se ngm comprar, o cara do desonesto saí do jogo". Essa é a mesma falácia que sustenta a guerra as drogas no Brasil hoje, de que dá pra erradicar o tráfico suprimindo a oferta ou demanda. Enquanto for proibido, vai ter espaço pra esses coiotes. Entendo que é importante apontar que não são genéticas boas e que muito dessas figuras que vendem seeds são desonestas. Entretanto, não creio que seja uma solução apontar como alternativa comprar fora do país. Se rolar para você, ótimo e parabéns. Mas o Brasil tem hoje 13 milhões de desempregados e outros muitos milhões em subemprego. Enfim, acredito que tem gradações na qualidade dos seeds "brasileiros" e gringos, e o tópico melhoria se caminhasse em apontar esse quadro.