Ir para conteúdo
Growroom

Cristovam Leva Ao Senado Defesa Sobre Uso Medicinal Da Maconha


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

CRISTOVAM LEVA AO SENADO DEFESA SOBRE USO MEDICINAL DA MACONHA



images%7Ccms-image-000398433.jpg

Senador Cristovam Buarque (PDT-DF) reuniu mais de 20 mil assinaturas em favor de que o Congresso discuta uma proposta para regulamentar o uso medicinal e recreativo da maconha no Brasil: “Com o debate feito até aqui, eu já tenho argumentos suficientes para ver que é preciso, sim, aproveitar o poder medicinal que essa erva tem. Não dá para deixar tanta gente sofrendo por causa de um preconceito sobre o uso de uma droga”

12 DE OUTUBRO DE 2014 ÀS 11:30


http://www.brasil247.com/pt/247/brasilia247/156688/Cristovam-leva-ao-Senado-defesa-sobre-uso-medicinal-da-maconha.htm



Karine Melo - Repórter da Agência Brasil - O primeiro passo concreto na direção da regulamentação do uso medicinal da maconha no Brasil deve ser dado logo após o segundo turno das eleições. A informação foi dada à Agência Brasil pelo senador Cristovam Buarque (PDT-DF), relator da sugestão popular - que reuniu mais de 20 mil assinaturas - em favor de que o Congresso discuta uma proposta para regulamentar o uso medicinal e recreativo da maconha no Brasil.
A missão do senador é elaborar um parecer para que um projeto nesse sentido seja apresentado e discutido posteriormente na Câmara e no Senado. Depois de cinco audiências públicas com a participação ativa da sociedade civil, para Cristovam não há mais dúvidas, a discussão sobre o uso medicinal é urgente e deve avançar.
“Com o debate feito até aqui, eu já tenho argumentos suficientes para ver que é preciso, sim, aproveitar o poder medicinal que essa erva tem. Não dá para deixar tanta gente sofrendo por causa de um preconceito sobre o uso de uma droga”, disse o senador, que ainda não tem uma posição sobre a regulamentação do uso recreativo da substância.
O senador ainda deve promover, pelo menos, mais duas audiências públicas para discutir o assunto. Nesta segunda-feira (13) serão ouvidos os contrários à legalização da maconha. Entre os convidados estão Aníbal Gil Lopes, da Arquidiocese do Rio de Janeiro; o psiquiatra Marcos Zaleski e a presidente da Associação Brasileira do Estudo do Álcool e outras Drogas (Abead), Ana Cecília Marques.
Para mães de pacientes que fazem tratamento com remédios a base de canabidiol e participaram da discussão em Brasília, Cristovam Buarque seria o nome mais indicado para levar a discussão adiante, mas ele já disse que não será autor de uma proposta sobre a regulamentação do uso medicinal da maconha. O senador, no entanto, não nega o interesse em ficar com a relatoria da matéria.
Para Luciana Von Szilagyi, mãe de Vitor Bezerra, de 21 anos, que faz uso do canabidiol, o ponto mais difícil na discussão vai ser sobre a produção da matéria prima. Segunda ela, como esses remédios chegarão às famílias, se vai ser, por exemplo, por importação e se o governo vai subsidiar, são perguntas que precisarão ser esclarecidas na proposta. Outro ponto, na avaliação dela, diz respeito a participação do governo no subsídio da medicação. “Se o governo não subsidiar, vai permitir que as universidades federais e os grandes centros de pesquisas desenvolvam projetos nesse sentido? Acho complicado liberar para todo mundo produzir, não temos segurança jurídica e nem policial para isso”, disse.
Luciana faz parte de um grupo de 15 famílias da Paraíba que conseguiu importar o extrato de canabidiol (CBD) legalmente graças a uma decisão liminar concedida por meio da primeira ação coletiva movida pelo Ministério Publico Federal (MPF), que permitiu a importação do CBD a 16 pacientes com epilepsia refratária.
Os defensores da causa medicinal sabem que a discussão será longa e dura, mas estão dispostos a enfrentá-la. “A gente sabe que a luta é grande e que tem os proibicionistas radiciais e os proibicionistas que não são tão preconceituosos e enxergam nesse uso medicinal uma saída. Eu vivo na pele o resultado positivo da medicação, vendo o meu filho com melhor qualidade de vida. Não vou me aquietar enquanto essa questão não estiver resolvida”, disse Luciana.

  • Like 4
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Paz a todos,quero ser bem prático e objetivo,queria que algum consultor jurídico aqui da casa analise o que eu vou dizer e se possível,faça chegar até o nosso senador através de um de nossos parceiros que tem o microfone pra argumentar diante do nosso senador que por sinal é um cidadão acima de tudo muito coerente e sensato.

Regulamentar a cannabis,realmente não vai acabar com o trafico de drogas,não vai mesmo,mais, regulamentar,vai acabar com o fluxo de pessoas como eu,que,é pai de familia,trabalha hosnestamente num emprego digno,vai eliminar a chance,tanto de eu ter contato com o traficante,quanto o meu receio de ser pego plantando pra não sustentar o crime.

Bem,diminuindo signficativamente o fluxo de pessoas que não se associam ao trafico,enquanto o proibicionismo,meleva direto, na mao do traficante,porque eu fumo,e não posso plantar,perde,enquanto plantar te tira da boca de fumo, proibir automaticamente te leva de bandeija ao traficante,ai,voce,é pego com 30 graminhas de prensadinho, a policia vem,te prende e o jul, te da 8 anos de cadeia,mas voce não é bandido,nem tampouco traficante,apenas um usuário cuja a lei fez questão de caprichar e me separar da minha familia e filhaser taxado e pagar como um cara que é chefe de morro.

Outro aspecto e que se a policia me pega plantando,resistindo a ela lei arcaica e nao querendo financiar o trafico, ai eu planto e sou pego com 4 pezinhos,vão acabar com meus sonhos,vida e planos com familia e individual,serei condenado como um "Marcola "da vida,enquanto o cidadão que bebe álcool,tem seu direito respeitado e eu,que as vezes sou mais cheio de caráter do que o cara que enche o rabo de cachaça,mata,estrupa,mata no volante,faz mil besteira mas tem seu direito liberado, e eu?Porque nao posso ter meu direito de nao depender do trafico.

Se for possível,alimente esta ideia,aperfeiçoem e façam que nosso senador pense sobre este tópico,realmente nao vai acabar com o trafico,mas tira o usuário do poder e das maos do traficante e leva a que possa ajudar

falei,sem contar que meus 8anos de crack foi curada,primeiramente por Deus,com meu uso crônico de maconha.

Pqz

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Conteúdo Similar

    • Por highbythebeach
      Olá, estou buscando tirar dúvidas e encontrar experiências de outras pessoas. Abri essa enquete, pois estou sofrendo males no intestino e vou fazer uma colonoscopia para descobrir o que me afeta. O fato é que sinto muito desconforto (algumas dores) e constipação (intestino preso), tomei muitos remédios e eles não ajudaram em nada a não ser em intoxicar meu fígado. Gostaria de saber quais efeitos você sentiram com o uso da cannabis no intestino/estômago usando a planta como tratamento, também gostaria de saber se alguém com síndrome do intestino irritável/doença de crohn como se sentem com o uso da cannabis.
    • Por Careca Dos Dreads
      Salve rapaziada,tudo certo?
      Bom, a um tempo atrás tive uma crise de ansiedade devido a um coma alcoólico q despertou isso em mim.Eu já fumava antes disso acontecer, mas só as vezes, e depois do acontecimento a erva me ajudou bastante,tava fumando um Beck por dia depois de uma pedalada na praia olhando o pôr do sol e me fazia muito bem. Acontece q criei um pensamento q não queria depender de nenhuma coisa externa pra me sentir bem comigo e fiquei preocupado e com medo de estar viciado na erva. 
      Comecei a fumar só final de semana, mas nao deu muito certo pq chegava segunda feira e me dava um pouco de abstinência, eu conseguia não fumar durante a semana, mas às segundas e terças eram difíceis por causa disso. 
      Enfim, vi uma informação na internet q as pessoas mais propícias a se viciarem na erva são jovens com ansiedade, e isso me deixou em dúvida se deveria voltar a fumar, pois sinto falta do bem q a maconha me fazia, mas também tenho medo de ficar viciado.
      Queria saber a opinião dos senhores a respeito.
      Valeu rapaziada.
       
       
    • Por CanhamoMAN
      Nova Jersey amplia uso de maconha medicinal para dor de cabeça e ansiedade
      http://agenciabrasil.ebc.com.br/internacional/noticia/2018-03/nova-jersey-amplia-uso-de-maconha-medicinal-para-dor-de-cabeca-e   27/03/2018 22h20 Nova York, EUA Da EFE* O estado de Nova Jersey ampliou nesta terça-feira (27) seu programa de maconha medicinal para incluir pacientes que sofram de dor de cabeça, ansiedade, diversas formas de dor crônica e do transtorno neurológico da síndrome de Tourette. As informações são da Agência EFE.
      O governador de Nova Jersey, Phil Murphy, que assumiu o cargo no último dia 6 de janeiro e é favorável à legalização da maconha para fins recreativos, ampliou a iniciativa também para que os pacientes que estão sob tratamento paguem menos para registrar-se no programa, tenham mais lugares onde comprar a droga e diminuir a burocracia.
      Nova Jersey aprovou em janeiro de 2010, durante a administração do democrata Jon Corzine, o uso da maconha para fins medicinais – uma das leis mais restritas dos 29 estados com esta modalidade – para pacientes com câncer, Aids, epilepsia, doença de Crohn, glaucoma e esclerose múltipla.
      Em dezembro de 2012 foi aberto o primeiro centro privado para o tratamento, depois de obter o sinal verde do Departamento de Saúde de Nova Jersey.
      Já em 2013 foi aprovado seu uso para crianças com certas condições graves e, três anos mais tarde, a legislação foi ampliada para incluir também sua utilização para o transtorno de estresse pós-traumático, apesar do então governador republicano, Chris Christie, não apoiar o programa.
      "Os pacientes devem ser tratados como pacientes, não como criminosos. Seremos guiados pela ciência", disse Murphy em entrevista coletiva de hoje, na qual também assegurou que não falhará com os pacientes que não receberam o cuidado compassivo que lhes foi prometido há uma década.
      Segundo o atual governador, Chris Christie estigmatizou o programa ao dificultar que os pacientes se registrassem e que os cultivadores da erva pudessem operar no estado.
       
    • Por Suzette
      Amigos, boa tarde!
      Sou biólogo, tenho 32 anos, sou pai. Tenho ansiedade crônica ou também chamada de ansiedade generalizada. Sofro com essa doença desde a juventude, e desde então essa doença me cobra caro, acredite, já tomei toda tarja preta possível e impossível. Sobrevivi a desejos insanos de suicídio e instabilidade psicológica através do pensamento acelerado e ansiedade.
       
      Tenho uma família de cabeça fechada, pai advogado e mãe terapeuta, então a Cannabis nunca foi uma opção, aliás, nem existia os estudos que dispõem o tratamento de ansiedade e depressão (causada por ansiedade) que existem hoje.
       
      Me testei e resolvi usar a Cannabis, busquei em artigos, fóruns e grupos de discussões nacionais e internacionais para chegar a um consenso. Uso Cannabis todos os dias a cada doze horas, geralmente as 7:00 (quando levanto) e outra as 19:00 quando chego em casa. Nunca tive uma bad trip. A “dose” é a mesma todo dia, meio beck pra cada momento. A um ano e oito meses não tenho crises de ansiedade e até hoje a depressão não me encontrou novamente.
       
      Meu maior dilema e problema atual é conseguir novas sementes, estou na procura, mas sem sucesso. Hoje temo que com a chegada do fim do meu cultivo, pela falta do mesmo eu fique sem meu remédio, ontem mesmo contei, tenho 6 doses.
       
      Fica o meu relato, se curem, se cuidem e principalmente não desistam de vocês.
       
      Abraços.
    • Por bogart
      Pessoal,
      Alguém já teve experiência com extração de óleos ou similares para um paciente que precisa abrir o apetite?
      Particularmente, gostaria de saber da experiência com o extrato de CBD e o estímulo do apetite. O que eu encontrei até agora na internet me pareceu um pouco inconclusivo. O canabidiol tem a propriedade de causar a boa e velha larica?
×
×
  • Criar Novo...