sano

Maconha Medicinal: O Que A Pesquisa Diz?

Recommended Posts

sano    11.345

Maconha Medicinal: o que a Pesquisa diz?

Em 1999, o Instituto de Medicina (IOM), da Academia Nacional de Ciências
(NAS), com financiamento do Congresso, fez a mais extensa revisão de
literatura médica sobre a maconha até aquele momento e concluiu que "os
dados compilados indicam um potencial valor terapêutico para drogas
canabinóides, particularmente para sintomas tais como o alívio da dor,
controle de náuseas e vômitos, e estimulação do apetite”. Eles também
concluíram que houve "consenso substancial entre os especialistas nas
disciplinas relevantes na evidência científica sobre potenciais usos
medicinais da maconha".1

Desde aquele tempo, vários outros estudos sobre os benefícios terapêuticos
e paliativos da maconha medicinal, bem como alguns dos riscos associados à
sua utilização, têm surgido. Abaixo estão algumas das principais
descobertas e estudos mais recentes sobre a maconha medicinal e seus
derivados; este resumo não é, no entanto, um resumo de toda a literatura
científica.

Em geral, a pesquisa apoia o relatório do Instituto de Medicina concluindo
que a maconha medicinal é segura e eficaz no controle da dor crônica,
aliviando náuseas e vômitos associados à quimioterapia, tratando a
síndrome de caquexia associada à AIDS, e controlando espasmos musculares
devido à esclerose múltipla e epilepsia.2,3

Câncer e Quimioterapia: Estudos sobre maconha e câncer têm focado tanto na
capacidade da maconha medicinal de aliviar os sintomas da quimioterapia e
o potencial dos canabinóides de reduzir o crescimento de certos tipos de
cânceres. Uma revisão de literatura de 2003 concluiu que canabinóides
exercem efeitos paliativos em pacientes com câncer ao prevenir náuseas,
vômitos e dor e ao estimular o appetite.4 Além de ajudar com os efeitos
colaterais do tratamento, vários estudos têm sugerido que os canabinóides
podem frear o crescimento e disseminação de muitos tipos de cânceres,
incluindo os de pâncreas5, pulmão6, leucemia7, melanoma8, oral9,
linfoma10, e outros tipos de câncer.11

Uma proporção significativa de oncologistas apoia a maconha medicinal como
uma opção para seus pacientes. Dados levantados de um estudo de amostra
aleatória de 1990, antes de qualquer estado ter aprovado o uso medicinal,
mostra que 44% dos oncologistas tinham recomendado cannabis para pelo
menos alguns de seus pacientes, e um número maior disse que o faria se as
leis fossem alteradas. Dos entrevistados que expressaram uma opinião, a
maioria (54%) considerou que a cannabis deveria estar disponível por
prescrição.12
Esclerose Múltipla: Vários estudos têm demonstrado a eficácia da maconha
medicinal e seus derivados na redução da espasticidade e dor em pacientes
de esclerose múltipla (EM). Por exemplo, em um estudo randomizado
controlado, Rog et al descobriram que o remédio à base de cannabis é
eficaz na redução da dor e distúrbios do sono em pacientes com esclerose
múltipla com dor neuropática central. Da mesma forma, estudos duplo-cegos
randomizados controlados demonstraram melhorias significativas na
espasticidade bem como em medidas de deficiência, cognição, humor, sono e
fadiga entre pacientes que tomam medicamentos à base de cannabis.14,15 Um
estudo de 2004 também descobriu que a cannabis ajudou a aliviar problemas
com disfunção urinária em pacientes com esclerose múltipla e melhorou a
auto-avaliação do paciente sobre dor, espasticidade e qualidade do sono.16

HIV/AIDS: A maconha medicinal tem sido eficaz no tratamento de ambos
sintomas de HIV/AIDS e os efeitos colaterais de alguns dos medicamentos
anti-retrovirais usados para tratá-lo. Por exemplo, foi descoberto que a
maconha medicinal foi eficaz especialmente no tratamento da dor
neuropática, um sintoma comum entre as pessoas que vivem com HIV/AIDS. Em
um ensaio clínico randomizado, duplo-cego, Ellis et al encontraram que a
proporção de indivíduos que atingiram pelo menos algum alívio da dor foi
significativamente maior com cannabis (46%) em comparação com placebo
(18%). Os autores notaram que a cannabis fumada foi geralmente bem
tolerada.17 Ver também Abrams et al.18

A maconha medicinal também parece ajudar com náuseas e perda de peso entre
as pessoas que vivem com HIV/AIDS. Em uma pesquisa com usuários de maconha
medicinal HIV positivos de 2005, 93 por cento disseram que a droga ajudou
a reduzir náusea e outros sintomas, 56 por cento disseram que sua náusea
estava "muito melhor", enquanto 37 por cento disseram que era estava um
"pouco melhor".19 Em um ensaio clínico duplo-cego de 2007 publicado em
JAIDS, Haney et al descobriram que os fumantes de maconha HIV positivos
aumentaram a ingestão calórica diária e o peso corporal com poucos efeitos
adversos.20

Finalmente, um estudo recente realizado por pesquisadores no Hospital
Monte Sinai sugere que a maconha ou seus derivados têm potencial para
inibir um tipo de vírus da imunodeficiência humana (HIV) encontrados na
fase final da AIDS. Eles descobriram que os receptores da maconha
localizados em células do sistema imunológico - chamados receptores de
canabinóides CB1 e CB2 - podem influenciar a propagação do virus.21

Dor: Numerosos estudos têm afirmado os efeitos analgésicos da maconha
medicinal. Em sua recente revisão de literatura, Kraft concluiu que,
embora as evidências não tenham suportado o uso de maconha para dor aguda,
"na dor crônica e espasticidade (dolorosa), um número crescente de estudos
randomizados controlados, dulpo-cego, com placebo têm mostrado alguma
eficácia dos canabinóides".22 Como sugerido acima, a maconha tem sido
especialmente eficaz para a dor neuropática, e um corpo crescente de
pesquisas indica que é útil para a dor crônica também.23,24,25,26

Síndrome do intestino irritável e doença de Crohn: Pesquisa recente sugere
que a cannabis pode ser útil também para pacientes com síndrome do
intestino irritável (SII) ou doença de Crohn. Um estudo de 2012 descobriu
que três meses de tratamento com cannabis inalada melhorou as medidas de
qualidade de vida, o índice de atividade da doença, e o ganho de peso dos
pacientes com SII de longa data.27 Um estudo observacional recente sugere
que a cannabis pode ajudar a aliviar a severidade dos sintomas da doença e
reduzir a necessidade de outros medicamentos e/ou cirurgia.28

Segurança da Maconha Medicinal: A maconha medicinal é geralmente segura e
bem tolerada, porém, como qualquer medicamento, possui alguns riscos. O
fumo, de qualquer coisa, pode causar inflamação nos pulmões e deve ser
evitado em pacientes com pulmões comprometidos. No entanto, um artigo
recente da JAMA baseado em um estudo longitudinal de 20 anos sobre saúde
pulmonar sugere que alguns destes riscos podem ter sido exagerados. Os
autores concluíram, "maconha pode ter efeitos benéficos no controle da
dor, apetite, humor e gestão de outros sintomas crônicos. Nossos
resultados sugerem que o uso ocasional de maconha para este ou aquele fim
não pode ser associado a conseqüências adversas sobre a função
pulmonar".29 Ver também Russo et al.30 Os pacientes também podem evitar
muitos dos riscos associados ao fumo usando vaporizados ou formas
comestíveis de cannabis.

Em comparação com outras medicações, a maconha tem baixa toxicidade e é
extremamente segura. Não há nenhum caso conhecido de uma morte por
overdose de maconha. Em contraste, uma revisão das mortes do Sistema de
Notificação Adversa da FDA entre 1997 (o ano em que o primeiro programa de
maconha medicinal começou) e 2005 mostrou 196 mortes por antieméticos
(medicamentos para prevenir náuseas e vómitos) e 118 mortes por
antiespasmódicos (medicamentos que suprimir espasmos musculares).
Analgésicos opiáceos, que são amplamente prescritos, são responsáveis por
mais mortes acidentais do que acidentes de trânsito; quase 15.000 pessoas
morreram de medicamentos prescritos para a dor só em 2008. Alguns
pesquisadores começaram a olhar para a maconha medicinal como um
analgésico mais seguro e menos viciante como alternativa para os opióides
de prescrição. Por exemplo, em um recente artigo no American Journal os
Hospice and Palliative Care, Carter et al clamam pela reclassificação da
maconha tanto para melhorar os cuidados paliativos quanto para reduzir a
morbidade relacionada com opióides.31 Em uma pesquisa com pacientes de
maconha medicinal, Reiman descobriu que 66% tinham usado maconha medicinal
como um substituto para outras drogas de prescrição, citando menos efeitos
colaterais adversos, melhor gestão dos sintomas, e síndromes de
abstinência menos graves.

Há algumas evidências que sugerem que a maconha pode exacerbar sintomas
psicóticos, especialmente entre adultos jovens e/ou com sinais
pré-existentes de psicose.33,34,35 A direção causal da relação entre o uso
de maconha e esquizofrenia não foi estabelecida, e não houve aumento da
prevalência de esquizofrenia nos últimos 50 anos, apesar do aumento das
taxas de uso de maconha na população em geral.36

Potencial Aditivo da Maconha Medicinal e seu Papel no Uso de Outras
Drogas: Embora o uso da maconha pode se tornar um problema para alguns, o
estudo da Academia Nacional de Ciências de 1999 concluiu que: "poucos
usuários de maconha tornam-se dependentes dela... e a dependência de
maconha parece ser menos grave do que a dependência de outras drogas".37
De acordo com o Instituto Nacional de Abuso de Drogas apenas cerca de 9
por cento dos que experimentam a maconha se tornam dependentes,38
comparados a 32 por cento dos usuários de tabaco e 15 por cento dos
usuários de álcool.39 Além disso, não há nenhuma evidência convincente de
que a maconha é uma "porta de entrada". O que a teoria de porta de entrada
apresenta como uma explicação causal é uma associação estatística entre as
drogas comuns e incomuns. A maconha é a droga ilegal mais popular nos
Estados Unidos. Portanto, as pessoas que usaram drogas menos populares,
como heroína , cocaína e LSD, são suscetíveis de também terem usado
maconha.

Alternativas à Maconha Medicinal: Marinol, uma medicação oral que
atualmente está disponível sob prescrição médica, não é uma solução viável
para muitos pacientes. O Marinol contém 100 por cento de delta-9 THC
(contra os 20 por cento de THC encontrados na cannabis natural). A maioria
dos pacientes considera que o Marinol é muito sedativo e cria muitos
efeitos psicoativos indesejados.40 A pesquisa mostrou também que o Marinol
é muitas vezes mal absorvido, e os pacientes queixam-se que a dosagem é
difícil de monitorar e controlar.41 Além disso, para pacientes que sofrem
de náusea severa e vômitos ou que não conseguem engolir, medicamentos
orais muitas vezes não são viáveis. Cannabis fumada ou inalada fornece um
sistema eficaz e eficiente para a administração de THC (um dos
ingredientes ativos na maconha). Este início rápido de efeitos não só
proporciona alívio mais imediato, mas também permite que os pacientes
possam titular cuidadosamente a sua dose para aliviar seus sintomas.42

Impacto da Maconha Medicinal no Uso de Drogas em Geral: A pesquisa sugere
que o uso global de maconha não aumentaria sob o sistema rigidamente
regulado proposto no projeto de lei de Nova York. O relatório da Academia
Naciona de Ciências de 1999 constatou que: "Há uma ampla preocupação
social de que sancionar o uso medicinal da maconha pode aumentar o seu uso
entre a população geral. Neste ponto, não há dados convincentes que
justifiquem essa preocupação. Os dados existentes são consistentes com a
ideia de que isso não seria um problema se o uso medicinal da maconha
fosse regulado tanto quanto outros medicamentos com potencial de abuso...
Nenhuma evidência sugere que o uso de opiáceos ou cocaína para fins
médicos tem aumentado a percepção de que seu uso ilícito é seguro ou
aceitável".43 Desde esse relatório, várias outras análises, incluindo um
estudo de 2012 publicado na revista Annals of Epidemiology analisou se
aprovar leis de maconha medicinal impacta ou não o uso de maconha na
adolescência. Os autores concluíram que as leis da maconha medicinal não
tiveram efeitos visíveis sobre o uso da maconha: "Se nossas estimativas
sugerem algo, é o de que o relato de uso por adolescentes deve na verdade
diminuir após a aprovação de leis de maconha medicinal (p.211)".44

Fonte: http://www.compassionatecareny.org/wp-content/uploads/MMJ-Science.pdf

  • Like 8

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Quem traduziu isso, você sano? Ótimo texto, precisa ser divulgado, vou colocar no blog da foaps e tweetar lá, vamos ver se a gente espalha essa informação.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
zeca    9

É isto que eu estava dizendo: Posso esta vivo agora graças a cannabis! O texto diz "Além de ajudar com os efeitos colaterais do tratamento, vários estudos têm sugerido que os canabinóides podem frear o crescimento e disseminação de muitos tipos de cânceres,incluindo os de pâncreas5, pulmão6, leucemia7, melanoma8, oral9, linfoma10, e outros tipos de câncer.11". Que foi o diagnóstico que tive em 1975.

  • Like 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
sano    11.345

Quem traduziu isso, você sano? Ótimo texto, precisa ser divulgado, vou colocar no blog da foaps e tweetar lá, vamos ver se a gente espalha essa informação.

Foi o nosso amigo e aliado André Kiepper, que ajuda muito com essas traduções!

  • Like 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Estranho , por eu frequentar um dos melhores hospitais da America latina no tratamento de câncer que é só especializado nesse assunto , debatendo com médicos , psiquiatras toda vez na mesma porta, eles são contra, porem dizem fazer menos mal ao paciente do que tabaco e alcool... , digo isso tanto no meu caso quanto no caso de outros em geral, o chefe da oncologia também afirmou que não tem nada haver o desaparecimento, ou diminuição, freamento da doença com o uso de cannabis ou qualquer outra forma.. por um lado fico triste, mas por outro fico bem pois ele me afirmou que o meu caso a cannabis não irá interferir na evolução, mas ainda sofro por estar nessa luta a 2 anos e sete meses, sendo que em um período de quimioterapia usei a cannabis , a erva do trafico mesmo, aquele famoso 2,5 pra 1, como medicina, e eu vou fazer o que? só tenho a agradecer a Deus mesmo... eu tenho certeza que a cannabis não se tornara regular graças a medicina, e sim ao comercio , o capital que vai girar ao governo, mesmo sabendo que a um governo por trás do governo , essas mafias já estão em outra onda...

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Ae sano, vai ficar no topo do blog da foap, adicionei uns vídeos pra não ficar só um bloco de texto: http://foaps.blogspot.com

Estranho , por eu frequentar um dos melhores hospitais da America latina no tratamento de câncer que é só especializado nesse assunto , debatendo com médicos , psiquiatras toda vez na mesma porta, eles são contra, porem dizem fazer menos mal ao paciente do que tabaco e alcool... , digo isso tanto no meu caso quanto no caso de outros em geral, o chefe da oncologia também afirmou que não tem nada haver o desaparecimento, ou diminuição, freamento da doença com o uso de cannabis ou qualquer outra forma.. por um lado fico triste, mas por outro fico bem pois ele me afirmou que o meu caso a cannabis não irá interferir na evolução, mas ainda sofro por estar nessa luta a 2 anos e sete meses, sendo que em um período de quimioterapia usei a cannabis , a erva do trafico mesmo, aquele famoso 2,5 pra 1, como medicina, e eu vou fazer o que? só tenho a agradecer a Deus mesmo... eu tenho certeza que a cannabis não se tornara regular graças a medicina, e sim ao comercio , o capital que vai girar ao governo, mesmo sabendo que a um governo por trás do governo , essas mafias já estão em outra onda...

Amigão, a maconha fumada ajuda na diminuição dos efeitos colaterais da quimioterapia, mas se você quiser efeito anti-tumoral o aconselhável é produzir óleo de cannabis, descaboxilar ele (tratar com calor, 150 graus Celsius durante 15 a 30 minutos para ativação do THC) e ingerir via oral, há muitas pesquisas sugerindo que isso realmente funciona e que o câncer pode ser curado utilizando óleo de cannabis dessa forma, mas não dá pra falar nada com certeza, só testando.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Sim hst, sei e reconheço isso, quando eu falei para meu médico sobre o uso do oléo , que eu vi um médico formado na usp chamado Elisaldo carlini, ele falou, eu também so formado e fui professor da usp e não existe essa de que diminui ou deixa de evoluir a doença ... já no meu caso, passei um tratamento muito longo, quando a doença residiu novamente cheguei a fica com menos de 24 horas de vida, com certeza com o óleo eu não teria me curado, porem não sei dizer de uma forma já que nunca utilizei e tive acesso tanto a cultivo quanto ao óleo , mas só estou dizendo a informação de um médico de um nível altissimo..

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Esse médico não leu todas as pesquisas, não se aprofundou nelas, essa arrogância intelectual quando se trata de doenças perigosas como o câncer é muito repreensível, pois pode ser letal, mas a gente também não tem certeza de nada, pesquisar com maconha é ilegal então a nossa única opção é experimentar. Infelizmente é difícil conseguir maconha de qualidade no Brasil para fazer óleo, eu aconselho começar a cultivar, ou procurar o prensado de melhor qualidade possível e fazer óleo com ele.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

gasta muito $ e eu não tenho, nem local nem $ , infelizmente nao pude concluir a escola graças a todo esse tempo me tratando, porem felizmente hehe, emprego, dificil tanto em tratamento quanto pós, dificil alguém pegar alguem que passou por isso para trabalhar : D ha um certo preconceito, somos preconceituosos não podemos deixar de nos incluir sem essa de quem é mais quem é menos... mas ele é um médico de altissimo nivel, é chefe do melhor hospital do páis em seu setor, então você imagine só o quanto ele tem de informação... e quando eu fui fazer um transplante, no dia de internação logo cedo me recordo muito bem, ele entrou na sala com a psiquiatra chefe do hospital também, dois médicos de alto escalão, me dizendo que tinham acabado de vir de uma conferencia sobre sobre câncer e a respeito cannabis na alemanha ... Mas como já disse, afirmando que náusea e vomito é um ótimo remédio porem essa de se curar, ou deixar do câncer evoluir não são digamos "verdade" ..

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

O que não faltam são pessoas declarando terem utilizado o óleo e terem se curado devido a isso, e esses relatos são acompanhados de evidências científicas e estudos sugerindo exatamente a mesma coisa, há efeitos anti-tumorais que não são totalmente compreendidos, a explicação que mais fez sentido até hoje que eu li é que nossos endocanabinóides, que são canabinóides produzidos pelo próprio corpo, servem para combater células defeituosas de se multiplicarem, mas como hoje em dia somos bombardeados por substâncias tóxicas, industrializadas, hormônios em alimentos, agrotóxicos, etc, o nosso sistema endocanabinóide não é suficiente e é aí que entra o canabinóide da planta, você suplementa seu organismo com canabinóides extra que fazem o trabalho que somente os endocanabinóides não foram capazes de completar.

No blog que citei acima tem vários estudos sobre maconha curando o câncer, quem sabe dê mais credibilidade para o que estou escrevendo, olha aí: http://foaps.blogspot.com.br/2013/08/34-estudos-medicos-confirmando-que.html

Com toda essa informação, tantos relatos pela internet, acho que vale a pena pelo menos tentar, não precisa colocar todas suas fichas nesse tratamento, mas quando a questão é vida ou morte todas opções precisam ser consideradas.

Falando sobre isso, não sei descrever o nojo e a raiva que sinto de um país que impede pacientes de se tratarem com maconha, nem como alternativa, uma planta que cura, que salva vidas, proibida.

Enfim, espero que dê tudo certo aí frontflip, se você quiser utilizar esse medicamento proibido vai ter de ser na clandestinidade, você vai ter de fazer acontecer, quem sabe se encontrar alguém que more na sua região disposto a doar parte da colheita seria um passo, sorte e força!

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

então man, difissilimo pra mim isso viu cara, é muito tempo afastado de tudo, amigos etc, to bem sozinho nessa, quem me estende a mão mesmo é somente a minha mãe, mas na questão minha familia não vale a pena comentar.. também acho, eu tomava vonal e plasil o dia inteiro, e remedio na veia quando tava internado, fazia quimio de 13 horas por dia 5 dias por semana, eu ficava internado a cada 21 dias, então imagina só, o remedio não fazia diferença , mesmo assim vomitava passava mal, ja até cheguei a comenta aqui isso quando estava la fazendo tratamento, um dia cheguei em casa e acendi uma pontinha de uma paranga de 3 pra 1 que meu irmao compra já fazem mais de 10 anos, do trafico! essa paranga me mudou completamente, eu sai da cama acabado sem vontade de levantar passando mal zonzo etc.. fui la dei 2 tragada naquilo, voltei a deitar, parece que dentro de mim gritou ihuul de tanta alegria, mas um grito bem alto de alegria eu senti por dentro, queria que o mundo tivesse visto essa explosão de energia , e ai é isso, to aqui!, depois de tudo eu to aqui ! brother voltando ali, não ha algum site de publicação de nome grande, cientifico comprovando, sabe? se eu achasse um topp eu imprimiria e levaria para o cara quando for passar de novo la, agora é dificil de achar ele de novo pois terminei o transplante vai fazer quase 100 dias entao vou demorar alguns meses pra voltar la..e é dificil de mais cair o mesmo medico duas vezes, ainda mais esse chefe... porem posso procura-lo e mostrá-lo tranquilamente,, só que também eu moro a 5 horas de lá... mas se alguém souber .. me avise!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Em português é difícil achar, acabei de ver que os links no blog estão quase todos quebrados, mas aqui dá pra achar vários estudos ainda: http://www.collective-evolution.com/2013/08/23/20-medical-studies-that-prove-cannabis-can-cure-cancer/

São estudos publicados em grandes jornais científicos e nas maiores universidades do mundo, não é coisa de doidão.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

sim por mim se for um site grande de nome que a um publico alvo grande pode ser qualquer lingua, terei como prova da onde veio a fonte da questão, volto a dizer só uma coisa como nausea e vomito e psicologicamente é otimo maravilhoso, mas digo sobre não evoluir estagio, não crescer regenerar, ou diminuir tumores, essa é q questão, também brother, quando vem um e aparece dizendo que se curou de câncer com a cannabis, não ha como dizer que foi a cannabis pois o estudo dela em pacientes houve nada comprovando, já que, o estudo para afirmar que realmente se comprova, tem que ser em quantidade, grupos grandes, de pessoas com a doença que se habilitam a fazer o tratamento somente com a cannabis oil ou seja la o jeito que for, o câncer é uma doença que quando se descobri a lagrima escorre, pois qualquer um sente o peso da palavra , ainda mais quem ja viveu por perto, então a primeira forma é buscar se tratar diretamente com a cura que pode acontecer se for rapido ou de um estagio que a cura ou salvação, ninguém se propõe a estudo justamente por medo de não ver a vida em algumas horas... hehe

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

falei tudo torto mas resumindo novamente pra não confundir, não há dados em sites com um publico alvo grande, algum relatório divulgado que a cannabis oil ou seja la o que for, faz com que o tumor desapareça ou pare de crescer ou ajude nisso, pois não ha pesquisa em grupos de pacientes que ultilizam do mesmo somente a cannabis.! para haver comprovação precisa de um grupo para o estudo, não ha, ! a doença vem, se não operar e fizer quimioterapia morre, pronto..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Você falou em amostragem, como eu disse, é ilegal o consumo da maconha em boa parte do mundo, e pesquisas com ela também são difíceis de serem feitas devido a proibição, mas já foram feitas com grande amostragem em ratos, não humanos, e os resultados foram mais do que satisfatórios. Outra, dá para manter tumores vivos in vitro, e estudar os efeitos dos canabinóides nesses tumores, novamente a conclusão é que a maconha tem efeito anti-tumoral sim, causando morte programada das células cancerígenas enquanto células comuns não eram afetadas.

https://www.youtube.com/watch?v=CHleWpB7t_s

E sobre conclusões científicas, não estava "provado" que o tabaco causava câncer em 1970, ou isso não era aceito pela maioria da comunidade científica, o que não significa que tabaco não causava câncer, da mesma forma que não está provado que a maconha cura o câncer, ou já está provado mas a maior parte da comunidade médica e científica não reconhece esses estudos, isso não significa que a maconha não cura o câncer. Eu não vou ficar aqui proselitizando o uso medicinal da maconha, não vou falar para você usar, estou só querendo te informar, se você vai correr atrás disso ou não é uma escolha pessoa, só posso desejar sorte.

  • Like 2

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

sim brow, relaxa, só estou dizendo sobre o que os médicos me falaram entende? é dificil eu englobar na palavras deles, mas é isso ai, eu adoraria ter flor, adoraria ter oleo, adoraria fazer meu oleo, eu corro atrás disso todo dia, todo dia vejo isso, amo isso, essa planta, recorro ao trafico, agora que voltei a usar e estou sem dinheiro, acho que vou acabar comprando um poco da pior que tem que na verdade, aqui é a melhor que tem... algo 3x1 , vou fazer o que? é dificil de mais sozinho, mas voltando a dizer, é exatamente isso que queria lhe falar, não ha estudos manja? proibicionismo tal.. cancer sempre existiu, mas não tanto quanto é hoje, envolve muito fatores essa doença acontecer.. poderia falar um livro de coisas para você , mas não ha estudo evidentimente, não ha dados concretos, em ratos não quer dizer nada, tem que dizer em seres humanos!!!!, mas é foda man..=/ vlw pelo sorte !

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Power Guido    86

Colaborando com o debate, existe sim estudos que atestaram redução de tumores, e até mesmo a prevenção dos mesmos.

É simples encontrar estudos, o centro deles é Israel, basta pesquisar termos como Israel cannabis cancer

Sanja Gupta, um proibicionista convertido a medical cannabis supporter também divulga muitos desses estudos.

http://www.globalpost.com/dispatch/news/regions/middle-east/israel-and-palestine/130820/israel-cannabis-scientist-Raphael-Mechoulam-medical-marijuana

Se o doutorzinho não sabe disso, é porque não quer saber, ou não lê uma revista internacional de medicina.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

muito bom ver isso! então, a materia foi quase na mesma data, um pouco antes, de eu ter ido para o transplante e ter falado com ele e a psiquiatra, que me disseram que foram a um congresso na alemanha ... mas já repito, o cara ta no melhor hospital de câncer do país é o chefe do seu departamento, doutorzinho ele não é... com calma brow, hehe !

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Power Guido    86

Mas o problema é que ele está no Brasil... Não adianta ser o melhor do pior... Vai ser um dos piores hehe. Israel faz essas pesquisas a 30/40 anos, ja desenvolveram cepas sem THC que não chapam, para crianças ou pessoas que querem só tratamento e sem a onda que a planta da.

E não seria só tratamento, tem a questão da qualidade de vida. Sei como é essa tua caminhada, apesar de acompanhar de longe os tratamentos dos meus conhecidos que passaram por isso. Mas é triste ver que um cidadão não consegue comer, tu ter algo pra aliviar a dor dele, natural, que seria de simples acesso e meterem uma morfina na veia dele. Ou o cara passar comendo patê sendo que em uma semana podia ta num churrasquinho. Tudo por preconceito, falei pra um brother cujo o pai dele estava com câncer, olha tem isso e tal. Ele pesquisou, ia plantar, se animou com as pesquisas que fez. Chegou pro pai dele e quase apanhou quando explicou sobre o assunto! Prefiro morrer do que virar vagabundo fumando maconha ele escutou do pai dele, é o que colocaram na cabeça de muita gente durando décadas, é demorado mudar isso em um pais preconceituoso, religioso e sem instrução.

E agora o seguinte, erva prensada de medicinal não tem nada, ali tem de tudo, menos medicina. Tem um filme que fala sobre um brasileiro com câncer que o médico "prescreveu" na informalidade a cannabis, o cara plantou no sítio dele, pra fazer o próprio tratamento, hoje ta curado, mas com um processo nas costas. Ao menos não foi flagrante e está em liberdade. Veja curtina de fumaça, com o FHC e Drausio varela. A maconha tem propriedades anti-cancerígenas, tem pesquisas que indicam que quem fuma tabaco e cannabis tem menos chance de ter câncer que quem fuma apenas tabaco...

Boa sorte na tua caminhada!

  • Like 5

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Então brow, Eu moro com meus avôs, eu fiz 4 ciclo de quimioterapia de 6 horas 5 dias por semana a cada 21 dias, nessee ai eu não ultilizei cannabis, ai depois de um ano a doença voltou.. agressivamente, eu tomava morfina a cada 30 minutos na veia, tive que ir pra barretos a onde me trato correndo, ai que a médica falou o que me encomoda até hoje, que talvez eu não aguentasse mais do que 24 horas... mas por sei la, acho que existe uma força divina que me ajudou, eu fui pra internação e tomei quimioterapia, só que dessa vez foram 6 ciclos, na segunda feira de 24 horas, e os outros 4 dias, 13 horas por dia! , é muita coisa man... ficava la 5 dias, mas a doença recuo novamente, e dessa vez ai,eu ultilizei a cannabis do prensado um dia quando cheguei em casa, foi magico, nausea, vomito, sensação ruim no estomago, deu aquela empolgação sabe? vontade de viver... aquela risada que agente da sozinho quando fuma um... foi incrivel, porem era sempre o coco de vaca... a quase termino do 6 ciclo que fiz , eu consegui a ajuda de uns brow aqui, porem não deu quase nada e tals.. mas foi bom, pois até eu ir para o transplante que eu fiz de medula ossea, autologo , porem agora ta dificil eu ter que recorrer ao trafico, eu adoraria ir morar no sitio e poder fazer meu cultivo, morar com avós é dificil de mais! não adianta , eles não mudam a cabeça deles, não tem o que eu fazer sabe man? eu não quero ficar sem fumar agora que estou podendo novamente... é muito bom, pelo menos pra mim é mais do que para as outras pessoas talvez...me da animo pra levantar daqui cara... depois de 2 anos e 7 meses vc não sente muita vontade de sair , até sente, mas não tem opções ... é foda de mais viu.. e sobre esses artigos da cannabis, se houvesse um artigo de um site famoso que o publico alvo é grande, eu levaria para ele ver, o cara é chefe da oncologia do melhor hospital do pais e é contra o uso da cannabis, agora vcs entendem porque não legaliza né... mas eu gostei daquele site do globalpost... esse eu ja vou levar sim como prova do que eu to falando lá...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
sem-terra    204

A situação segue igual... Enquanto o Brasil discute amiúde questões redundantes acerca da cannabis, outros estao a pesquisar seu potencial terapêutico e patenteando. Em poucos anos estaremos pagando royalties para eles. Portanto, provar que tem potencial terapêutico acaba por atrasar sua regulamentação nos países que não detêm as rédeas dessas pesquisas, já que os outros países (EUA, Alemanha, Inglaterra...) farão de tudo para pesquisa-la ao máximo antes de apoiar a regulamentacao a nível internacional.

E o que mais tem é medico (oncologista então nem se fala) recebendo $$$ e viagens da indústria farmacêutica para usarem seus produtos. Em algum tempo estarão defendendo a cannabis medicinal, desde que lhe paguem por isso também. Em resumo: não é uma questão de desconhecimento ou ignorância dos médicos, mas de interesses.

PaZ

  • Like 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
HST    1.612

Se seus avós nem depois da sua experiência com maconha fazendo quimio mudam a cabeça, sinceramente, são uns verdadeiros filhos de uma puta. Eles querem que você morra? Não tão nem aí? Tá doido...empatia humana é pra quem tem.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Conteúdo Similar

    • Por bogart
      Pessoal,
      Alguém já teve experiência com extração de óleos ou similares para um paciente que precisa abrir o apetite?
      Particularmente, gostaria de saber da experiência com o extrato de CBD e o estímulo do apetite. O que eu encontrei até agora na internet me pareceu um pouco inconclusivo. O canabidiol tem a propriedade de causar a boa e velha larica?
    • Por growerout
      Parece que aos poucos estamos avançando na luta contra o tráfico e pelo direito de fumar algo que seja efetivamente natural ... ótima notícia pros entusiastas de plantão!!
      FONTE 1: https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/cannabis-sativa-reconhecida-como-planta-medicinal-pela-anvisa-21346243#ixzz4hFRTufHG
      Segunda fonte: http://exame.abril.com.br/brasil/maconha-e-reconhecida-como-planta-medicinal-pela-anvisa/
    • Por Drizzak
      ****  Anvisa vai regular plantio medicinal da maconha até o fim do ano
      2 h Agência Nacional de Vigilância Sanitária deve liberar plantio da erva apenas por empresas e ou associações
      © pixabay O Brasil deu um passo importante acerca do uso medicinal da maconha. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, enviou dois técnicos ao Canadá para estudar e colher informações sobre como é a regulação do plantio medicinal da erva no país norte-americano.   De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o objetivo da Anvisa é regular até o fim de 2017 a liberação do plantio medicinal da maconha. Entretanto, apenas empresas ou associações poderão fazer.     Fonte: NAOM Link original: https://www.noticiasaominuto.com.br/brasil/364459/anvisa-vai-regular-plantio-medicinal-da-maconha-ate-o-fim-do-ano*****   P.S- Fonte orginal é de um colunista do O Globo: http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/anvisa-ira-regular-plantio-medicinal-de-maconha.html E me foi a melhor notícia do dia!  Abrass 
    • Por Smoke Cannabis
      Pacientes vão à Justiça para exigir que SUS pague tratamento com canabidiol
      Dois anos após a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) retirar da lista de substâncias proibidas o canabidiol, composto à base de maconha indicado para o tratamento de várias doenças, 2.232 brasileiros conseguiram autorização do órgão para importar o produto.

      O canabidiol, composto à base de maconha, é indicado para o tratamento de várias doenças
      o mesmo tempo, vem crescendo no Brasil o número de pacientes que estão recorrendo à Justiça para fazer o SUS (Sistema Público de Saúde) arcar com os altos custos da substância, usada no tratamento de doenças degenerativas, epilepsia e até para ajudar a suportar o tratamento de câncer.
      Entrar na Justiça foi a alternativa encontrada pelo publicitário Leonardo (nome fictício), 38, para seguir usando o canabidiol sem gastar R$ 1 mil por mês só com a importação do item. "Movi um processo contra a Secretaria Estadual da Saúde de São Paulo e consegui ter garantido o medicamento por um ano", conta ele, que utiliza o composto para amenizar os sintomas do tratamento quimioterápico que faz contra um tumor no cérebro.
      Diagnosticado em 2014, ele já passou por cirurgia, radioterapia e quimioterapia e diz que o canabinoide tem lhe ajudado a suportar os fortes efeitos colaterais das terapias.
      "Comecei a usar o canabidiol e o THC (outro canabinoide) em 2016 porque me ajuda a suportar enjoos e náuseas e me deixa mais relaxado para dormir durante o processo de quimioterapia, que é bem pesado", diz. "Mas, além disso, acredito que o composto pode ajudar com alguma ação antitumoral também."
      A hipótese de Leonardo faz sentido. Estudos com animais mostraram atividade antitumoral com a combinação de canabidiol e THC. "Ainda não sabemos como é essa resposta em humanos, mas deveremos iniciar um estudo no Brasil ainda neste ano", diz Paula Dall'Stella, diretora científica da Ama+Me (Associação Brasileira de Pacientes de Cannabis Medicinal).
      Judicialização
      Entre 2015 e 2016, o número de pessoas que entraram com ação contra o Ministério da Saúde solicitando o fornecimento do composto quase triplicou, passando de 17 no primeiro ano para 46 no seguinte, segundo a pasta. Esse volume não inclui pacientes que movem ação contra as secretarias estaduais, o que indica que o número de brasileiros que vão à Justiça possa ser muito maior.
      "Hoje, para entrar com o pedido de autorização de importação, o paciente precisa apresentar prescrição médica acompanhada de justificativa detalhada dos motivos do uso e preencher um formulário. O prazo de liberação não é tão longo, mas o maior empecilho atualmente é o preço. Um paciente não gasta menos de U$ 300 por mês", descreve Paula, também da Associação Internacional de Pesquisa com Canabinoides.
      Quem também pretende entrar na Justiça contra o SUS para pedir o canabidiol é a advogada Larissa (nome fictício), de 39 anos, que gasta cerca de R$ 1,2 mil mensais com a importação do produto para o filho de 6 anos. O menino sofre da síndrome de Dravet, doença que causa graves episódios de convulsão.
      "Começamos a importar em 2015, depois de já termos tentado todos os anticonvulsivantes nacionais e importados. A grande diferença do uso do canabidiol é que as crises não são mais de longa duração. Antes, as convulsões duravam duas horas. Tínhamos de correr ao hospital. Meu filho chegou a ser entubado três vezes. Agora, as crises não duram mais do que um ou dois minutos."
      Mercado
      E não é só o número de pacientes de cannabis medicinal que vem crescendo no País. Empresas americanas que produzem o composto já contam com representantes comerciais no Brasil para auxiliar pacientes no processo de importação. São os casos da HempMeds e da CBD Rx. Juntas, elas já atenderam mais de 500 brasileiros.
      Neste ano deve chegar ao mercado o primeiro medicamento a base de cannabis. Com o nome comercial de Mevatyl, o produto, conhecido fora do País como Sativex, recebeu o registro da Anvisa em janeiro e aguarda o processo de precificação para chegar às farmácias.
      O medicamento, com canabidiol e THC, é indicado para quadros de espasticidade - alteração no tônus muscular - associados à esclerose múltipla. Ele será fabricado pela empresa britânica GW Pharma Limited e distribuído no Brasil pela empresa Beaufour Ipsen Farmacêutica.
      As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".
       
       
      Fonte: https://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/agencia-estado/2017/03/12/pacientes-vao-a-justica-para-exigir-que-sus-pague-tratamento-com-canabidiol.htm
    • Por crseed
      Novamente na globo acabou de passar uma reportagem sobre o uso medicinal do canabidiol. E milhares de crianças se beneficiando e tendo uma vida mais normal e descente graças a maconha. Isso foi no programa "Encontro com Fatima Bernardes". Nunca gostei da globo, sempre achei muito sensacionalismo e não me agrada, mas, dessa vez estão dando as caras e mostrando que a planta tem mais benefícios do que malefícios. Não é uma planta que traz tristezas para a família brasileira, nem faz com que ninguém cometa crimes ou qualquer ato duvidoso com seu efeito como muitos dizem por aí! 
      Rumo a legalização da medicina do século!!!!! 

      #liberdadethcproce #legalizabrasil #acordabrasil #maisconhamenoscunha #tráficonao

      Vou buscar a parte do programa e compartilho aqui! Quem conseguir achar coloca para rapaziada também!