Ir para conteúdo
Growroom

Equador Está Vencendo A Queda De Braço Com Os Cartéis Das Drogas


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Equador está vencendo a queda de braço com os cartéis das drogas

Fonte http://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2013/11/12/interna_internacional,469839/equador-esta-vencendo-a-queda-de-braco-com-os-carteis-das-drogas.shtml

Publicação: 12/11/2013 16:22Atualização:

O Equador é um país praticamente livre de cultivos e laboratórios de drogas, apesar de fazer fronteira com os maiores produtores de cocaína do continente - Peru e Colômbia - e também se transformou em uma espécie de dor de cabeça para os cartéis mexicanos e colombianos.

Quando, em 2009, os Estados Unidos deixaram a base equatoriana de Manta, no Pacífico, pela rejeição do presidente Rafael Correa em renovar um acordo de combate às drogas vigente desde 1999, muitos temeram um enfraquecimento do governo frente ao narcotráfico.

No entanto, depois da saída dos americanos, o governo Correa ostenta êxitos importantes na apreensão de drogas e na desarticulação de bandos a serviço dos cartéis mexicanos e colombianos.

"Estamos apreendendo muitas drogas e desarticulando esses bandos que investem nas drogas", afirmou à AFP o ministro do Interior, José Serrano.

O alto funcionário esclareceu que os resultados não correspondem a uma intensificação do tráfico e sim a uma renovada estratégia de inteligência que inclui informantes, recompensas, investigação policial e uma coordenação direta com a Colômbia e o Peru, os maiores produtores mundiais de folha de coca, a matéria-prima da cocaína.

Em 2013, o Equador apreendeu 46,2 toneladas de droga, principalmente cocaína, contra 42 em 2012, 26 em 2011 e 18 em 2010. Em 2009, quando Washington ainda coordenava ações antidrogas em Manta, foram apreendidas 68 toneladas, incluindo os confiscos americanos em águas internacionais.

O trabalho do Equador é reconhecido pelas Nações Unidas, que o situam como um dos países mais eficientes em apreensão de cocaína, junto com Marrocos, Holanda e Colômbia. Mas o governo dos Estados Unidos acredita que pelo país passam cerca de 110 toneladas por ano, segundo um relatório do Departamento de Estado de 2013.

A história como aliada

Em seu mais recente estudo global, a agência da ONU contra as drogas e os crimes indica que o Equador continua sendo um país de trânsito - corredor estratégico - de entorpecentes, apesar de estar emergindo como um centro de operação para o tráfico marítimo de cocaína.

Calcula-se que no país existam cerca de 20 hectares de cultivos ilegais - segundo o ministro Serrano - contra 48.000 hectares de coca na Colômbia e 60.400 no Peru, de acordo com a ONU.

"Historicamente, no Equador o cultivo de coca nunca foi importante porque não fazia parte de costumes rituais indígenas nem servia de moeda de troca, como no Peru e na Bolívia", explica Fredy Rivera, do instituto acadêmico Rede Latino-Americana de Segurança e Crime Organizado.

"Da mesma forma, o país nunca teve problemas para exercer sua soberania, ocupar seu pequeno território (256.370 km2), e os militares mantiveram uma relação próxima com a população civil, o que impediu o crescimento de grupos clandestinos".

Talvez por isso também não existam grandes laboratórios. "A droga não é processada no Equador, e sim entra vinda da Colômbia e do Peru com destino aos portos e aeroportos que se conectam com o Pacífico, para ser exportada principalmente para a Europa", acrescentou Serrano.

Golpe bem sucedido

Cartéis como o de Sinaloa, no México, ou Los Rastrojos e Los Urabeños, da Colômbia, contratam os serviços pessoais do crime organizado equatoriano para transportar a droga das fronteiras para os pontos de saída.

"São esses intermediários que estamos desarticulando. Eles se dedicam ao microtráfico, porque os cartéis os pagam não apenas com dinheiro, mas também com droga", explicou o ministro.

"A coordenação que temos com a Colômbia e o Peru é algo chave. Antes essa troca de informações praticamente não existia, e agora temos um canal de comunicação direto", destacou Serrano.

Na opinião dos especialistas, o Equador abandonou a estratégia americana de cumprir metas de apreensão e prender as 'mulas' e os consumidores, para ocupar-se dos elos intermediários do negócio.

A decisão sobre a base de Manta "permitiu que fossem tomadas medidas levando em consideração a sua realidade", declarou Tatiana Dalence, consultora da ONU e da Comunidade Andina (CAN) para questões ligadas ao narcotráfico.

Uma recente lei descriminalizou a dose e o porte mínimo de drogas, apesar de Correa não ser partidário da legalização completa do consumo.

"O narcotráfico é agora um negócio muito diversificado, com uma clara divisão do trabalho, o que permitiu às autoridades atingi-lo no estômago para obrigá-lo a baixar a cabeça", ilustra Rivera.

Ao mesmo tempo, o país implementou um sistema de controle de precursores químicos para evitar seu desvio para o narcotráfico. Chile e Uruguai estão copiando esta estratégia e a Venezuela o fará em breve, segundo Dalence.

"O Equador é um dos países da região que tem êxito na luta contra o narcotráfico, aplicando medidas interessantes", acrescentou.

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Tópicos

  • Posts

    • que trampo, e que caro, mas admiro sua soluçao! boa ideia para medir o runoff sem deixar aquela sopa no fundo dos pratos, ultimamente tenho visto q nao é bom deixar um restinho de fert(ou agua .. mas sempre ta cheio de nutris) no prato ... acaba ficando bem concentrada aquela sopinha acredita q em 15 anos cultivando nunca medi pH nem EC ?  mas isso tambem acarretou em perdas e travamentos !  
    • A tempo, sobre a questão do runoff: Em cultivo inerte, o ideal é você medir o pH e EC do runoff sempre que possível, então é meio necessário até que você deixe escorrer algumas vezes e dê um jeito de coletar a água. No cultivo orgânico isso não é necessário (é até ruim, porque você vai estar disperdiçando nutrientes que não serão repostos na terra).   Depois de muito quebrar a cabeça e tentar várias formas diferentes, hoje uso uma plataformazinha dessa para regar minhas plantas. Coloco uma bacia embaixo, coleto o runoff, e deixo a planta secando ali até parar de escorrer. Depois volta pro grow.
    • Salve, rapazeada! Com base no que venho estudando e no que tenho praticado nesse meu último ciclo, acredito que a questão das regas depende muito do tipo de substrato e do método de cultivo (se é substrato inerte, semi-inerte ou orgânico). No meu caso, levo a maioria das plantas em inerte (perlita, turfa 50/50) e uma planta em solo Tropikali. No começo eu estava regando bem no mesmo esquema que tu falou, @mospri, uns 20% da capacidade do vaso (meus vasos são de 11L, então uns 2L), até pra evitar o runoff. Acontece que pelas aulas que vi do https://www.instagram.com/brunocg310/ sobre fertirrigação, no caso do substrato inerte e ferts minerais, é importante sempre regar com pelo menos uns 20% de runoff pra você ter certeza que está deixando escorrer qualquer excesso e para garantir que a planta estará com a solução que você acabou de regar.  Confesso que no meu caso, com vasos de 11L, fica difícil regar com 20% de runoff, senão é muito fert que vai pro ralo. Mas tenho regado todas as vezes com 5-6L de solução de fert, muitas vezes diluída em água com até mais volume pra fazer um flush quando mudo de solução. No caso da Tropikali, eu dou muito mais tempo entre as regas e nunca vi aquele substrato secar totalmente. Estou adorando no sentido de que me dá pouquíssimo trabalho e as flores dele estão muito lindas. Só água direto da torneira com 2 gotinhas de pH down. E no caso do Tropikali, rego com 1L, no máximo 1,5L, pra evitar mesmo o runoff.   Outra coisa que parece ser muito importante (e muito subestimada) são os períodos de dryback (o período de seca). Segundo a mesma fonte que citei antes, da 3a/4a semana de flora em diante cada dryback é importante, deixando o substrato ficar com uns 20% de umidade (bem leve, mas antes de murchar as flores/folhas) pra então regar novamente.  E mais uma curiosidade quanto a isso, parece que existe um consenso de que quando você deixa o substrato secar a ponto de a flor murchar, você perde o equivalente a 12 horas de desenvolvimento (que é o tempo que a planta demora pra voltar a funcionar normalmente após murchar).   Pra quem cultiva inerte, recomendo muito o insta que mencionei acima. O cara é agrônomo e chefia a plantação da AlienLabs, uma empresa de cannabis no Arizona, curto bastante porque ele sempre dá as aulas com bastante base científica.
×
×
  • Criar Novo...