davinci

A Verdadeira História Da Cannatonic E As Genéticas Com Alto Nível De Cbd.

Recommended Posts

O Soma anda mal acompanhado hein Carlito Marirruanero?

O Soma não anda mal acompanhado, o Soma é o problema.

Quem anda com ele é que tá mal acompanhado. rs!

  • Like 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

IRADO SAPORO!

Agora dá pra saber melhor qual genética é de quem de verdade!

Peguei no blog deles, também curti a transparência do negócio.

  • Like 1

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Soma não anda mal acompanhado, o Soma é o problema.

Quem anda com ele é que tá mal acompanhado. rs!

Si pouco sobre o Soma... E no que sei sobre ele é que na verdade as strains dele surgiram por um acidente e não através de estudos e tal. Ele foi oportunista, em um momento em que pouco se sabia sobre a cannabis. Mas me diga porque ele é o problema? Abraço.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Beleza de tópico! Se pá o hiper comercializa juanita regular bro. Porem uma reina x diesel soa bem mais bacana que a mk ultra. E isso diz tudo sobre a diferença de uma cannatonic e a juanita, não? No catalogo da reggae a que mais apresentou variação estável e alta em nivel de cbd foi a dancehall. Torcendo mais um para que o Brasil libere logo a importação dessas jóias.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 18/04/2013 at 14:19, davinci disse:

Pessoal, tudo bom ?

 

Como faz um tempo que estou buscando cultivar e estudar os assuntos relacioandos ao CBD acabei encontrando essa história que é muito interessante pra quem está interessado na genética das plantas com alto CBD. Uma das genéticas que mais está fazendo sucesso entre os usuários e que tem alto CBD é a Cannatonic do Resin Seeds, mas depois que comecei a pesquisar sobre essa genética percebi que não passava de uma farsa e que a verdadeira genética com alto CBD nasceu de uma cruza feita pelo Jimi do Reggae Seeds, chamado Juanita La Lagrimosa. Enfim, acabei encontrando a historia verdadeira em uma Soft Secrets e acabei traduzindo pro pessoal aqui do GR, espero que gostem amigos.

 

 

Cannatonic e Juanita - A verdadeira história

Após o triunfo da Cannatonic na Cannabis Cup High Times 2008 começaram a serem escutados rumores que essa genética na verdade era uma versão feminilizada de Juanita La Lagrimosa de Reggae Seeds. Soft Secrets organizou o encontro entre Jaime da Resin Seeds e Jimi da Reggae Seeds para aclarar essa história. Te contamos a história na nova edicação da "Tertulla", um espaço reservado para grandes histórias

A época Diesel de Jimi
Jimi: "Normalmente cultivo em indoor. Um amigo me trouxe um Reina Madre e me deu certeza que era uma planta incrível. Naquele momento tinha a vegetação muito cheio então a coloquei direto no quarto de floração. Quando comecei a notar o crescimento dela logo percebi que era uma grande genética. Aí comecei a ver os melhores machos que tinha no indoor.

Na primeira Spannabis em 2004 tinha acabado de conhecer o Soma que nos convidou a fumar uma Diesel. Adorei o sabor e acabei comprando umas sementes regulares dessa genética. Justo quando quis polinizar a Reina Madre, tinha várias Diesel (do Soma) florescendo, acabei separando 3 machos e selecionado um que tinha um cheiro muito especial, já se notava a característica Diesel no pé. Tirei o pólen do macho selecionado e polinizei várias plantas que tinha no outdoor, entre elas a Reina Madre.

Com isso tive uma época muito Diesel, por que adorava essa genética, era o que mais gostava de fumar. Era uma madre que tinha tirado daquele pacote de regulares do Soma, que agora é muito conhecido como tangerina Diesel.

 

gallery_40592_2882_66082.png



O macho Diesel
Jimi: "Daquela polinização de várias plantas, sairam várias coisas interessantes, o que me fez convencer da importância de um bom macho. Fiz uma seleção de Diesel x Blue Heaven que dei o nome de Kalijah. Um amigo que já trabalho junto a anos ficou responsável pela seleção de Reina Madre x Diesel. Dei pra ele cerca de 40 sementes que foram cultivadas na temporada 2005. Me ligava todo verão e comentava como andava a seleção. Selecionou dois fenos, um que puxou mais pro lado da Diesel e outro com características da Reina Madre, o último era o que mais se destacava. Ele me veio a visitar de avião desde Mallorca e me trouxe alguns clones no meio de suas meias nas malas. Também trouxe uma amostras secas para fumar e naquela época a maconha se chamava Juanita e o haxixe se chamava resina, então a gente falava "aperta um da Juanita" ou "aperta um da resina". Em um momento estávamos fumando e olhei pros camarões que estavam tão resinados que falei pro meu amigo que parecia que eles estavam chorando, aí ele deu a ideia de botarmos o nome da genética de Juanita, La Lagrimosa (Juanita, a lacrimejante) e acabou pegando.


Cheguei a trabalhar para outros bancos de sementes feminizadas e no indoor de alguns amigos, mas percebi que aquilo não tinha muito a ver comigo. Ao mesmo tempo continuava fazendo minhas cruzas e testes para meu banco de sementes artesanal, que acabou se transformando no Reggae Seeds.

Até o momento uma das coisas mais importantes que tinha aprendido era a importância do macho nos cruzamentos.

Na seleção da Kalijah percebi um macho que se destacava entre oque não floresciam em 18 horas, era megaresinoso e tinha um cheiro muito bom. Cruzei esse macho de Kalijah com vários clones selecionados que tinha. Essas plantas foram a base do Reggae Seeds, muitos delas são as que vendo atualmente. Entre elas está a Dancehall que é um cruzamento de Juanita com um macho Kalijah e também a genética Session que é um cruza de um clone original do Soma de Diesel com um macho Kalijah.

As mentiras de Alex
Jimi: "Toda a confusão começa quando me dizem que Alex, genro do Soma, fala que quer conversar comigo.Veio a minha casa me encontrar, desde o começo percebi que eles queria comer a minha cabeça(?), estava me pedindo para fazer sementes feminilizadas para começar um projeto de um novo banco de sementes. Eu tinha acabado de trabalhar em um banco de sementes feminilizadas e não estava nada animado, então acabei falando a ele que não estava muito interessado.

Esse dia lhe dei um pouco de Juanita La Lagrimosa e ele adorou, levou uns camarões e logo me liga de volta, me diz que estava com o Soma e que queria me visitar.

Começou a me pressionar me dizendo que queria apresentar a genética na High Times Cannabis Cup, pois estava certo que ganharia algum prêmio. Também ficava me falando que o nome "Juanita La Lagrimosa" não era um bom nome, que tinhamos que trocar por outro que se entendesse melhor. Falei pra ele que eu estava seguindo meu ritmo e não estava preparado para uma High Times

O que fiz foi que acabei dando um clone de Juanita já que eu havia utilizado o clone original de Diesel do Soma no cruzamento da Session (Reggae Seeds). Lhe digo que ele pode apresentar a genética a várias pessoas pois acreditava que uma genética dessa deveria ser compartilhada. Só pedi para ele dizer de onde vinha a genética, para que as pessoas saibam que em Reggae Seeds se trabalha muito e que estamos fazendo genéticas de qualidade e que seu nome original era "Juanita, la lagrimosa". Ele me trouxe uns clones que me disse serem de sua Mazar e de seu G13 Haze x New York Diesel e logo os coloquei pra florescer e acabou que notei que a G13 Haze x New York Diesel era na verdade uma Somango x Mazar e a Mazar uma Great White Shark.

Outro dia ele ele voltou dizendo que queria sementes de Reggae Seeds para mandar para o Canadá, assim que lhe vendi 5 mil sementes que ainda não me pagou. Eram 2500 sementes de Dancehall e 2500 sementes de Session.

Logo começou a me ligar e insistir para que eu comprasse um banco de sementes por 60 mil euros, que se chamava Resin Seeds, o mesmo nome de um coffe shop que ele era dono em Amsterdam. Falei que não queria de nenhuma maneira, que já tinha lhe falado que não queria trabalhar com sementes feminilizadas e que também já estava trabalhando para Reggae Seeds. Logo depois disso ele desapareceu com o clone de "Juanita La Lagrimosa" e sem pagar o dinheiro das sementes que havia fornecido para ele, nunca mais o vi.

Já tinha esquecido de Alex e de todas suas mentiras quando começo a escutar que um banco de Alex foi premiado na Cannabis Cup, o Resin Seeds. Estava foleando a Soft Secrets um dia quando vejo uma foto da planta vencedora de Alex, no pé da foto estava escrito Cannatonic, mas desde a primeira vez que vi a foto sabia que era a "Juanita , La Lagrimosa", e acabei comentando isso pra algumas pessoas, inclusive Hugo.

 

gallery_40592_2882_51391.jpg


Jaime seleciona a Cannatonic
Jaime: "Comecei em 88 com foco e com um pacote de sementes trazidas de Amsterdam. Fui cometendo muitos erros, aprendi muito com eles, naquela época não havia livros cannabicos, growshops e muito menos Internet. Quando criamos o banco já tinha 20 anos de experiência no cultivo, fora a experiência adquirida em alguns growshops de Barcelona, mas continuava muito focado no cultivo e na etapa da floração. Já tinha fumado muitas genéticas novas e tudo começou a me entediar, precisava de uma mudança na minha vida.

Ademais disso, mantinha no meu quarto de madres genéticas do Soma Seeds e do TH Seeds entre outras genéticas selecionadas por mim. Por exemplo, aquele clone especial de Diesel que lhe deram ao Jimmy veio do meu quarto de madres. Com isso, quando o Alex, genro de Soma, apareceu com a ideia de abrirmos um banco de sementes, já que tinhamos tantos clones elites e poderíamos realizar ótimas cruzas com eles, com autorização do Soma e do pessoal do TH Seeds claro.

Naquele momento eu não era nenhum expert no cultivo. Alex me conta que um tal de Jimmy iria se ocupar com as primeiras cruzas e acabei lhe dando algumas genéticas. Logo o Alex me veio com um clone da suposta cruza de Cannatonic (MK Ultra x G13 Haze) e outra bolsa com 5 mil sementes que era uma cruza de MK Ultra x G13 Haze.

Naquele momento não tinha muita confiança nele (Alex) por isso ele acabou tentando vender o Resin Seeds pro próprio Jimmy, já que a princípio não queria comprar sua parte do banco. Exatamente por que não tinha confiança nele, não usei diretamente o clone que me deu pra produzir sementes feminilizadas, acabei germinando 100 das regulares para que florescessem junto com o clone que veio de Jimmy, foi daí que saiu a Cannatonic e outro fenótipo que mais tarde acabei perdendo.

 

Além disso, ainda dei 50 sementes pra um bom amigo meu, o Freeman, que acabou selecionando as genéticas que futuramente viriam a ser a "Picantona" e a "Dulce Cana". Ai comecei a achar que havia algo errado, pois, embora as genéticas tivessem um toque de Haze, me parecia que as características da New York Diesel do Soma estavam muito presente, Alex me negou (que tinha utilizado as genéticas do Soma pra fazer a cruza)

 

Para participar da High Times estávamos com muito pouco tempo (recebi as sementes em Maio) e tivemos que realizar um cultivo bem acelerado. Quase não tivemos tempo para secar e curar, inclusive houveram juizes que pediram para experimentar a genética mais um vez exatamente por esse motivo. No final, acabamos ganhando um prêmio. Naquele cultivo de Cannatonic, também floresci um clone da suposta Cannatonic que o Alex tinha me dado. As primeiras que ficaram prontas foram as Cannatonic com menos de 8 semanas de floração. Como estavamos com pouco tempo sequei a erva rapido e a curei apenas por 10 dias.

 

Quando voltei da Cannabis Cup, o clone de Alex já estava pronto. Era a coisa mais bonita que tinha para as fotografias das genéticas premiadas pela High Times, então ela foi a escolhida para ser divulgada nas revistas cannabicas. Mas se você consultar a revista High Times daquela copa vai perceber que os camarões que foram apresentados aos juizes são bem diferentes das fotos tiradas da planta que foi para as revistas, já que se tratava da seleção das sementes regulares e não do clone que o Alex me trouxe. Dessa seleção de sementes regulares, tirei um feno que utilizo para fazer as sementes e também a Cannatonic II , que a acabei perdendo assim como também acabei perdendo o clone que Alex me deu. Dessa forma, atualmente conservo o feno que utilizo para fazer a Cannatonic, além da Picantona e da Dulce Canna, selecionadas por Freeman.

 

Começam os problemas

Jaime: "Naquele verão de 2008 já tinhamos investido tudo que precisávamos para ter um banco de sementes, desde os aspectos legais até toda a parte de publicidade e impressão dos catalogos... Logo, Alex teve que ir pro Sul pra resolver problemas pessoais e eu acabei tendo que arcar com sua parte na manuntenção do banco de sementes, em troca todas as sementes produzidas seriam minhas até o momento.

 

Um dia Hugo vem me visitar e me diz que existem rumores que a Cannatonic é na verdade Juanita La Lagrimosa de Jimmi, do criador do Reggae Seeds e que era melhor eu ter cuidado por que me disse que confiava muito mais no Jimmi do que na palavra do Alex. Hugo me liga e me diz que o Jimmi o convidou para participar da Barbacup mas ele infelizmente não pode ir, então ele acabou passando meu telefone pro Jimmi para que me convidasse para essa copa. Acabei indo por que também estava escutando muitos rumores e tinha interesse em conhecer a verdade. Converso com Jimmi que me afirma nunca ter trabalhado com Alex e me conta a versão dele da história. Sai de lá bastante impactado com toda a informação que tinha acabado de receber. Nessa mesma época começaram a surgir problemas com os pacotes de sementes femêas, já que tinha mantido o foco nas sementes regulares. Cultivadores começaram a reclamar por que diziam que nos pacotes feminilizadas saiam as vezes plantas machos e hermas.

 

gallery_40592_2882_114393.png

 

 

A verdade é que a essa altura já tinha gastado muito dinheiro, não apenas por ter pago a parte de Alex do banco, mas também em marketing e anúncios em revistas diversas. Logo depois de fundar o banco no verão, 3 meses depois ganhamos a Cannabis Cup. Todas as revistas me ligavam e me incentivavam a fazer publicidade deles. Comecei a ficar maluco. Por exemplo, apenas a impressão dos pacotes e dos catálogos das strains saia por 15 mil euros, já que imprimia em maior quantidade para pagar menos. Tive que usar os pacotes de Cannatonic, impressos com a genética MK Ultra pois não tinha mais dinheiro. De primeira percebi quais eram as áreas do banco que não gostava trabalhar, e estava começando a ficar desanimado. Cada pacote de sementes que olhava via a cara do Alex nele.

 

O renascimento de Resin.

Jaime "Estava me sentindo muito mal e já estava começando a ficar decepcionado com minha própria empresa e sentia que estava colocando minha cara a tapa por um produto que não estava rendendo o esperado. E que definitivamente, não poderia afirmar que era uma cruza minha.

 

Com isso, decidi que era hora de começar tudo de novo, do zero. Retirei todos os packs de sementes que vendia e comecei a realizar novamente os cruzamentos por minha conta, com o intuito de refazer o banco de sementes. É esse motivo pelo qual temos atualmente algumas genéticas fora de stock, já faziam 3 anos que haviámos lançado o Resin Seeds e ainda não tinhamos lançados genéticas novas. Hoje em dia só vendo o que eu mesmo produzo. Seguindo essa nova filosofia, depois do verão irei trocarei o catalogo de seeds e obviamente mudarei as informações sobre a verdadeira genética de Cannatonic.

 

A Cannatonic tenho certeza qual é a genética dela finalmente, pois eu mesmo utilizo a planta que dá origem as sementes feminilizadas. Desde que sairam os resultados dos cannabionoides da Cannatonic, realizados pela Cannalab na Spannabis 2009, apresentando uma comparação de 1:1 entre a relação de CBD:THC. Através de uns amigos do Projeto Z pude enviar algumas amostras da Cannatonic para vários clubes medicinais do Canada, EUA e um projeto de maconha medicinal em Israel. Desde do ano passado muitas pessoas me escrevem falando que essa genética é um presente, que com ela conseguiram largar os medicamentos que antes tomavam para sua condição de saúde. Isso é o que realmente me orgulha e me dá um novo sentido a minha vida, saber que estou ajudando pessoas que realmente precisam de alguma ajuda.

 

Agora estou muito mais satisfeito com meu trabalho e com novos projetos como o CBD Crew, no qual já estou trabalhado a cerca de 2 anos com Shantibaba do Mr Nice Seeds e o colega Freeman, e agora podemos oferecer genéticas com 100% de qualidade que tenham um grande percentual de CBD. A Cannatonic por exemplo, existe 50% de chance em cada semente que você consiga pegar o feno com o rátio de 1:1 de THC:CBD. No começo, confesso que cometi muitos erros, mas no final fiquei feliz, por que o banco havia começado meio mal, mas agora isso ja está sendo invertido depois dos trabalhos com as novas genéticas.

 

Sempre fui partidário do reconhecimento das genéticas, esse é o motivo pelo qual aceitei realizar esse encontro (com Jimmi), queria esclarecer questões do passado e pedir perdão a qualquer pessoa que eu tenha prejudicado, colocar a genética correta no meu catálogo e continuar fazendo o que realmente amo. Com tudo isso aprendi que nunca mais vou criar packs de sementes que eu não saiba a origem ou que eu mesmo tenha trabalhado.

 

gallery_40592_2882_99481.png

 

 

A questão do Jimmi

Jimi "Isso confirma tudo que falei nos últimos anos, que a planta da foto era realmente a Juanita La Lagrimosa, e o que me davam pra fumar como sendo Cannatonic na verdade era outra genética. Não tenho nenhum problema que usem minhas genéticas, por isso dei o clone para o Alex, como agradecimento pela Diesel do soma que eu havia usado para criar a Kalijah. Dei o clone pra que ele pudesse ter o fumo da Juanita, mas só pedi pra ele falar qual era a genética e quem havia realizado a cruza dela. Sempre falei que essa genética é um presente, precisamos compartilhar mais dela. Agora mesmo estou trabalhando com genéticas de alto CBD e que toda a herança genética faz com que as plantas se aproximem muito da relação 1:1 de THC:CBD, tanto nas sementes regulares do Reggae Seeds como nas feminilizadas em parceria com meus amigos da Elite Seeds.

 

Respeito a ascensão da Cannatonic no mundo cannabico, é dificil saber, ao misturar as sementes que dei pra Alex quais são seus traços genéticos. Mas suspeito que por sua fartura na produção a Cannatonic tenha traços genéticos de 3 fenótipos que são a Session, o cruzamento de Diesel (soma) X Kalijah. As genéticas usadas pra fazer a Cannatonic e a Dulce Canna tenho quase certeza que são cruzamentos com a Session. A genética conhecida como Picantona poderia ser a Dancehall, mas também acabo achando que ela pode provir da Session também. Em todo caso vou dar 50 sementes para o Jaime para que ele possa tirar suas próprias conclusões e poder corrigir as informações no catálogo da Resin Seeds.

 

O que aprendi com essa história é não me preocupar e aceitar as coisas como elas aparecem. Seguir meu ritmo, sem tentar chegar onde não posso. Trabalhar as minhas genéticas, respeitar os outros e ir melhorando pouco a pouco meu banco de sementes artesanais, o Reggae Seeds e defender sempre a verdade, por que no final ela sempre acaba aparecendo.

 

Link para a matéria original em espanhol - http://pt.scribd.com/doc/64080123/Soft-Secrets-Spain-03-2011

Vale mto a pena a leitura.. incrível

👏🏻👏🏻🔥

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em 18/04/2013 at 14:19, davinci disse:

Pessoal, tudo bom ?

 

Como faz um tempo que estou buscando cultivar e estudar os assuntos relacioandos ao CBD acabei encontrando essa história que é muito interessante pra quem está interessado na genética das plantas com alto CBD. Uma das genéticas que mais está fazendo sucesso entre os usuários e que tem alto CBD é a Cannatonic do Resin Seeds, mas depois que comecei a pesquisar sobre essa genética percebi que não passava de uma farsa e que a verdadeira genética com alto CBD nasceu de uma cruza feita pelo Jimi do Reggae Seeds, chamado Juanita La Lagrimosa. Enfim, acabei encontrando a historia verdadeira em uma Soft Secrets e acabei traduzindo pro pessoal aqui do GR, espero que gostem amigos.

 

 

Cannatonic e Juanita - A verdadeira história

Após o triunfo da Cannatonic na Cannabis Cup High Times 2008 começaram a serem escutados rumores que essa genética na verdade era uma versão feminilizada de Juanita La Lagrimosa de Reggae Seeds. Soft Secrets organizou o encontro entre Jaime da Resin Seeds e Jimi da Reggae Seeds para aclarar essa história. Te contamos a história na nova edicação da "Tertulla", um espaço reservado para grandes histórias

A época Diesel de Jimi
Jimi: "Normalmente cultivo em indoor. Um amigo me trouxe um Reina Madre e me deu certeza que era uma planta incrível. Naquele momento tinha a vegetação muito cheio então a coloquei direto no quarto de floração. Quando comecei a notar o crescimento dela logo percebi que era uma grande genética. Aí comecei a ver os melhores machos que tinha no indoor.

Na primeira Spannabis em 2004 tinha acabado de conhecer o Soma que nos convidou a fumar uma Diesel. Adorei o sabor e acabei comprando umas sementes regulares dessa genética. Justo quando quis polinizar a Reina Madre, tinha várias Diesel (do Soma) florescendo, acabei separando 3 machos e selecionado um que tinha um cheiro muito especial, já se notava a característica Diesel no pé. Tirei o pólen do macho selecionado e polinizei várias plantas que tinha no outdoor, entre elas a Reina Madre.

Com isso tive uma época muito Diesel, por que adorava essa genética, era o que mais gostava de fumar. Era uma madre que tinha tirado daquele pacote de regulares do Soma, que agora é muito conhecido como tangerina Diesel.

 

gallery_40592_2882_66082.png



O macho Diesel
Jimi: "Daquela polinização de várias plantas, sairam várias coisas interessantes, o que me fez convencer da importância de um bom macho. Fiz uma seleção de Diesel x Blue Heaven que dei o nome de Kalijah. Um amigo que já trabalho junto a anos ficou responsável pela seleção de Reina Madre x Diesel. Dei pra ele cerca de 40 sementes que foram cultivadas na temporada 2005. Me ligava todo verão e comentava como andava a seleção. Selecionou dois fenos, um que puxou mais pro lado da Diesel e outro com características da Reina Madre, o último era o que mais se destacava. Ele me veio a visitar de avião desde Mallorca e me trouxe alguns clones no meio de suas meias nas malas. Também trouxe uma amostras secas para fumar e naquela época a maconha se chamava Juanita e o haxixe se chamava resina, então a gente falava "aperta um da Juanita" ou "aperta um da resina". Em um momento estávamos fumando e olhei pros camarões que estavam tão resinados que falei pro meu amigo que parecia que eles estavam chorando, aí ele deu a ideia de botarmos o nome da genética de Juanita, La Lagrimosa (Juanita, a lacrimejante) e acabou pegando.


Cheguei a trabalhar para outros bancos de sementes feminizadas e no indoor de alguns amigos, mas percebi que aquilo não tinha muito a ver comigo. Ao mesmo tempo continuava fazendo minhas cruzas e testes para meu banco de sementes artesanal, que acabou se transformando no Reggae Seeds.

Até o momento uma das coisas mais importantes que tinha aprendido era a importância do macho nos cruzamentos.

Na seleção da Kalijah percebi um macho que se destacava entre oque não floresciam em 18 horas, era megaresinoso e tinha um cheiro muito bom. Cruzei esse macho de Kalijah com vários clones selecionados que tinha. Essas plantas foram a base do Reggae Seeds, muitos delas são as que vendo atualmente. Entre elas está a Dancehall que é um cruzamento de Juanita com um macho Kalijah e também a genética Session que é um cruza de um clone original do Soma de Diesel com um macho Kalijah.

As mentiras de Alex
Jimi: "Toda a confusão começa quando me dizem que Alex, genro do Soma, fala que quer conversar comigo.Veio a minha casa me encontrar, desde o começo percebi que eles queria comer a minha cabeça(?), estava me pedindo para fazer sementes feminilizadas para começar um projeto de um novo banco de sementes. Eu tinha acabado de trabalhar em um banco de sementes feminilizadas e não estava nada animado, então acabei falando a ele que não estava muito interessado.

Esse dia lhe dei um pouco de Juanita La Lagrimosa e ele adorou, levou uns camarões e logo me liga de volta, me diz que estava com o Soma e que queria me visitar.

Começou a me pressionar me dizendo que queria apresentar a genética na High Times Cannabis Cup, pois estava certo que ganharia algum prêmio. Também ficava me falando que o nome "Juanita La Lagrimosa" não era um bom nome, que tinhamos que trocar por outro que se entendesse melhor. Falei pra ele que eu estava seguindo meu ritmo e não estava preparado para uma High Times

O que fiz foi que acabei dando um clone de Juanita já que eu havia utilizado o clone original de Diesel do Soma no cruzamento da Session (Reggae Seeds). Lhe digo que ele pode apresentar a genética a várias pessoas pois acreditava que uma genética dessa deveria ser compartilhada. Só pedi para ele dizer de onde vinha a genética, para que as pessoas saibam que em Reggae Seeds se trabalha muito e que estamos fazendo genéticas de qualidade e que seu nome original era "Juanita, la lagrimosa". Ele me trouxe uns clones que me disse serem de sua Mazar e de seu G13 Haze x New York Diesel e logo os coloquei pra florescer e acabou que notei que a G13 Haze x New York Diesel era na verdade uma Somango x Mazar e a Mazar uma Great White Shark.

Outro dia ele ele voltou dizendo que queria sementes de Reggae Seeds para mandar para o Canadá, assim que lhe vendi 5 mil sementes que ainda não me pagou. Eram 2500 sementes de Dancehall e 2500 sementes de Session.

Logo começou a me ligar e insistir para que eu comprasse um banco de sementes por 60 mil euros, que se chamava Resin Seeds, o mesmo nome de um coffe shop que ele era dono em Amsterdam. Falei que não queria de nenhuma maneira, que já tinha lhe falado que não queria trabalhar com sementes feminilizadas e que também já estava trabalhando para Reggae Seeds. Logo depois disso ele desapareceu com o clone de "Juanita La Lagrimosa" e sem pagar o dinheiro das sementes que havia fornecido para ele, nunca mais o vi.

Já tinha esquecido de Alex e de todas suas mentiras quando começo a escutar que um banco de Alex foi premiado na Cannabis Cup, o Resin Seeds. Estava foleando a Soft Secrets um dia quando vejo uma foto da planta vencedora de Alex, no pé da foto estava escrito Cannatonic, mas desde a primeira vez que vi a foto sabia que era a "Juanita , La Lagrimosa", e acabei comentando isso pra algumas pessoas, inclusive Hugo.

 

gallery_40592_2882_51391.jpg


Jaime seleciona a Cannatonic
Jaime: "Comecei em 88 com foco e com um pacote de sementes trazidas de Amsterdam. Fui cometendo muitos erros, aprendi muito com eles, naquela época não havia livros cannabicos, growshops e muito menos Internet. Quando criamos o banco já tinha 20 anos de experiência no cultivo, fora a experiência adquirida em alguns growshops de Barcelona, mas continuava muito focado no cultivo e na etapa da floração. Já tinha fumado muitas genéticas novas e tudo começou a me entediar, precisava de uma mudança na minha vida.

Ademais disso, mantinha no meu quarto de madres genéticas do Soma Seeds e do TH Seeds entre outras genéticas selecionadas por mim. Por exemplo, aquele clone especial de Diesel que lhe deram ao Jimmy veio do meu quarto de madres. Com isso, quando o Alex, genro de Soma, apareceu com a ideia de abrirmos um banco de sementes, já que tinhamos tantos clones elites e poderíamos realizar ótimas cruzas com eles, com autorização do Soma e do pessoal do TH Seeds claro.

Naquele momento eu não era nenhum expert no cultivo. Alex me conta que um tal de Jimmy iria se ocupar com as primeiras cruzas e acabei lhe dando algumas genéticas. Logo o Alex me veio com um clone da suposta cruza de Cannatonic (MK Ultra x G13 Haze) e outra bolsa com 5 mil sementes que era uma cruza de MK Ultra x G13 Haze.

Naquele momento não tinha muita confiança nele (Alex) por isso ele acabou tentando vender o Resin Seeds pro próprio Jimmy, já que a princípio não queria comprar sua parte do banco. Exatamente por que não tinha confiança nele, não usei diretamente o clone que me deu pra produzir sementes feminilizadas, acabei germinando 100 das regulares para que florescessem junto com o clone que veio de Jimmy, foi daí que saiu a Cannatonic e outro fenótipo que mais tarde acabei perdendo.

 

Além disso, ainda dei 50 sementes pra um bom amigo meu, o Freeman, que acabou selecionando as genéticas que futuramente viriam a ser a "Picantona" e a "Dulce Cana". Ai comecei a achar que havia algo errado, pois, embora as genéticas tivessem um toque de Haze, me parecia que as características da New York Diesel do Soma estavam muito presente, Alex me negou (que tinha utilizado as genéticas do Soma pra fazer a cruza)

 

Para participar da High Times estávamos com muito pouco tempo (recebi as sementes em Maio) e tivemos que realizar um cultivo bem acelerado. Quase não tivemos tempo para secar e curar, inclusive houveram juizes que pediram para experimentar a genética mais um vez exatamente por esse motivo. No final, acabamos ganhando um prêmio. Naquele cultivo de Cannatonic, também floresci um clone da suposta Cannatonic que o Alex tinha me dado. As primeiras que ficaram prontas foram as Cannatonic com menos de 8 semanas de floração. Como estavamos com pouco tempo sequei a erva rapido e a curei apenas por 10 dias.

 

Quando voltei da Cannabis Cup, o clone de Alex já estava pronto. Era a coisa mais bonita que tinha para as fotografias das genéticas premiadas pela High Times, então ela foi a escolhida para ser divulgada nas revistas cannabicas. Mas se você consultar a revista High Times daquela copa vai perceber que os camarões que foram apresentados aos juizes são bem diferentes das fotos tiradas da planta que foi para as revistas, já que se tratava da seleção das sementes regulares e não do clone que o Alex me trouxe. Dessa seleção de sementes regulares, tirei um feno que utilizo para fazer as sementes e também a Cannatonic II , que a acabei perdendo assim como também acabei perdendo o clone que Alex me deu. Dessa forma, atualmente conservo o feno que utilizo para fazer a Cannatonic, além da Picantona e da Dulce Canna, selecionadas por Freeman.

 

Começam os problemas

Jaime: "Naquele verão de 2008 já tinhamos investido tudo que precisávamos para ter um banco de sementes, desde os aspectos legais até toda a parte de publicidade e impressão dos catalogos... Logo, Alex teve que ir pro Sul pra resolver problemas pessoais e eu acabei tendo que arcar com sua parte na manuntenção do banco de sementes, em troca todas as sementes produzidas seriam minhas até o momento.

 

Um dia Hugo vem me visitar e me diz que existem rumores que a Cannatonic é na verdade Juanita La Lagrimosa de Jimmi, do criador do Reggae Seeds e que era melhor eu ter cuidado por que me disse que confiava muito mais no Jimmi do que na palavra do Alex. Hugo me liga e me diz que o Jimmi o convidou para participar da Barbacup mas ele infelizmente não pode ir, então ele acabou passando meu telefone pro Jimmi para que me convidasse para essa copa. Acabei indo por que também estava escutando muitos rumores e tinha interesse em conhecer a verdade. Converso com Jimmi que me afirma nunca ter trabalhado com Alex e me conta a versão dele da história. Sai de lá bastante impactado com toda a informação que tinha acabado de receber. Nessa mesma época começaram a surgir problemas com os pacotes de sementes femêas, já que tinha mantido o foco nas sementes regulares. Cultivadores começaram a reclamar por que diziam que nos pacotes feminilizadas saiam as vezes plantas machos e hermas.

 

gallery_40592_2882_114393.png

 

 

A verdade é que a essa altura já tinha gastado muito dinheiro, não apenas por ter pago a parte de Alex do banco, mas também em marketing e anúncios em revistas diversas. Logo depois de fundar o banco no verão, 3 meses depois ganhamos a Cannabis Cup. Todas as revistas me ligavam e me incentivavam a fazer publicidade deles. Comecei a ficar maluco. Por exemplo, apenas a impressão dos pacotes e dos catálogos das strains saia por 15 mil euros, já que imprimia em maior quantidade para pagar menos. Tive que usar os pacotes de Cannatonic, impressos com a genética MK Ultra pois não tinha mais dinheiro. De primeira percebi quais eram as áreas do banco que não gostava trabalhar, e estava começando a ficar desanimado. Cada pacote de sementes que olhava via a cara do Alex nele.

 

O renascimento de Resin.

Jaime "Estava me sentindo muito mal e já estava começando a ficar decepcionado com minha própria empresa e sentia que estava colocando minha cara a tapa por um produto que não estava rendendo o esperado. E que definitivamente, não poderia afirmar que era uma cruza minha.

 

Com isso, decidi que era hora de começar tudo de novo, do zero. Retirei todos os packs de sementes que vendia e comecei a realizar novamente os cruzamentos por minha conta, com o intuito de refazer o banco de sementes. É esse motivo pelo qual temos atualmente algumas genéticas fora de stock, já faziam 3 anos que haviámos lançado o Resin Seeds e ainda não tinhamos lançados genéticas novas. Hoje em dia só vendo o que eu mesmo produzo. Seguindo essa nova filosofia, depois do verão irei trocarei o catalogo de seeds e obviamente mudarei as informações sobre a verdadeira genética de Cannatonic.

 

A Cannatonic tenho certeza qual é a genética dela finalmente, pois eu mesmo utilizo a planta que dá origem as sementes feminilizadas. Desde que sairam os resultados dos cannabionoides da Cannatonic, realizados pela Cannalab na Spannabis 2009, apresentando uma comparação de 1:1 entre a relação de CBD:THC. Através de uns amigos do Projeto Z pude enviar algumas amostras da Cannatonic para vários clubes medicinais do Canada, EUA e um projeto de maconha medicinal em Israel. Desde do ano passado muitas pessoas me escrevem falando que essa genética é um presente, que com ela conseguiram largar os medicamentos que antes tomavam para sua condição de saúde. Isso é o que realmente me orgulha e me dá um novo sentido a minha vida, saber que estou ajudando pessoas que realmente precisam de alguma ajuda.

 

Agora estou muito mais satisfeito com meu trabalho e com novos projetos como o CBD Crew, no qual já estou trabalhado a cerca de 2 anos com Shantibaba do Mr Nice Seeds e o colega Freeman, e agora podemos oferecer genéticas com 100% de qualidade que tenham um grande percentual de CBD. A Cannatonic por exemplo, existe 50% de chance em cada semente que você consiga pegar o feno com o rátio de 1:1 de THC:CBD. No começo, confesso que cometi muitos erros, mas no final fiquei feliz, por que o banco havia começado meio mal, mas agora isso ja está sendo invertido depois dos trabalhos com as novas genéticas.

 

Sempre fui partidário do reconhecimento das genéticas, esse é o motivo pelo qual aceitei realizar esse encontro (com Jimmi), queria esclarecer questões do passado e pedir perdão a qualquer pessoa que eu tenha prejudicado, colocar a genética correta no meu catálogo e continuar fazendo o que realmente amo. Com tudo isso aprendi que nunca mais vou criar packs de sementes que eu não saiba a origem ou que eu mesmo tenha trabalhado.

 

gallery_40592_2882_99481.png

 

 

A questão do Jimmi

Jimi "Isso confirma tudo que falei nos últimos anos, que a planta da foto era realmente a Juanita La Lagrimosa, e o que me davam pra fumar como sendo Cannatonic na verdade era outra genética. Não tenho nenhum problema que usem minhas genéticas, por isso dei o clone para o Alex, como agradecimento pela Diesel do soma que eu havia usado para criar a Kalijah. Dei o clone pra que ele pudesse ter o fumo da Juanita, mas só pedi pra ele falar qual era a genética e quem havia realizado a cruza dela. Sempre falei que essa genética é um presente, precisamos compartilhar mais dela. Agora mesmo estou trabalhando com genéticas de alto CBD e que toda a herança genética faz com que as plantas se aproximem muito da relação 1:1 de THC:CBD, tanto nas sementes regulares do Reggae Seeds como nas feminilizadas em parceria com meus amigos da Elite Seeds.

 

Respeito a ascensão da Cannatonic no mundo cannabico, é dificil saber, ao misturar as sementes que dei pra Alex quais são seus traços genéticos. Mas suspeito que por sua fartura na produção a Cannatonic tenha traços genéticos de 3 fenótipos que são a Session, o cruzamento de Diesel (soma) X Kalijah. As genéticas usadas pra fazer a Cannatonic e a Dulce Canna tenho quase certeza que são cruzamentos com a Session. A genética conhecida como Picantona poderia ser a Dancehall, mas também acabo achando que ela pode provir da Session também. Em todo caso vou dar 50 sementes para o Jaime para que ele possa tirar suas próprias conclusões e poder corrigir as informações no catálogo da Resin Seeds.

 

O que aprendi com essa história é não me preocupar e aceitar as coisas como elas aparecem. Seguir meu ritmo, sem tentar chegar onde não posso. Trabalhar as minhas genéticas, respeitar os outros e ir melhorando pouco a pouco meu banco de sementes artesanais, o Reggae Seeds e defender sempre a verdade, por que no final ela sempre acaba aparecendo.

 

Link para a matéria original em espanhol - http://pt.scribd.com/doc/64080123/Soft-Secrets-Spain-03-2011

lendo esse topico agora meu mano davinci

nem sei se vc ta lembrado das historias que trocamos do daime, vc q me apresentou o ceudomar por esse fórum, mtos passos até aqui, estamos nozes

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...