Ir para conteúdo
Growroom

Cérebros, Truques E Armadilhas


sano

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Cérebros, truques e armadilhas

Estou escrevendo esse texto num avião para Nova York e, acredite, as comissárias estão distribuindo drogas grátis! Eu já pedi meu café e o sujeito ao meu lado está bebendo vinho. Cigarro não pode, dizem os sinais luminosos espalhados por toda a parte.

Já voamos sobre os EUA e, lá embaixo tenho certeza que nesse momento alguém está sendo preso por usar ou vender alguma droga proibida. Os americanos são os campeões globais disso tudo – de uso, de venda e de proibir drogas, é claro.

Também deve ter, muito provavelmente, algum mexicano tentando atravessar a fronteira com alguns quilos de drogas. E outro morrendo

para ter o direito de fazer a mesma coisa. Enquanto executivos engravatados discutem como vão aumentar suas vendas de cerveja ou cigarro em algum país da África ou da Ásia.

Hoje, mais do que nunca, drogas lícitas e proibidas são um grande negócio. São também um grande problema. E desde sempre foram uma importante fonte de inspiração religiosa, mística e artística. Uma fonte de prazer e diversão – e dor de cabeça, no dia seguinte. Até macacos ancestrais do Homo sapiens enchiam a cara com frutinhas fermentadas. Era uma preciosa e embriagante fonte de energia para a vida pré-histórica.

Você pode procurar nos livros de história sobre toda e qualquer civilização da história: todas usaram pelo menos um tipo de droga psicoativa, dessas que entram no seu cérebro e mexem com seus sentidos, sua expressão, seu comportamento.

O mais comum, porém, sempre foi a turma usar mais de uma substância desse tipo. Uma era melhor para falar com Deus, outra para falar com as mulheres, e outras para ficar na sua pensando na vida. Algumas davam energia para o sujeito trabalhar mais, outras colocavam o cara para dormir e evitar a dor, o sofrimento.

A relação com essas substâncias foi um dos primeiros exercícios do homem na tentativa de entender e controlar algo que ele então nem sabia que existia e muito menos que, na verdade, controla todas as suas ações, pensamentos e sentimentos: o cérebro.

É um dos mais assombrosos e complexos produtos da evolução. Nem todos os milênios de experiência com drogas psicoativas nem as tecnologias mais avançadas que já produzimos até hoje nos fizeram entender direito como funciona essa enorme massa cinzenta dentro do nosso crânio.

Conseguimos fazer esse avião decolar, voar e pousar, mas não sabemos explicar porque algumas pessoas tem uma fobia descontrolada e não conseguem sequer entrar num desses. Sabemos como usá-los para bombardeios atômicos, mas não conseguimos resolver o sofrimento de alguém com mal de Alzheimer – nem sequer sabemos direito porque algumas pessoas ficam doentes.

É disso que vamos falar nesse espaço: sobre cafés e neurônios.

Não apenas sobre esse café solúvel aguado que acabei de beber, mas sobre todas essas coisas que estão por aí e muitas vezes nem nos damos conta. Sobre todos esses truques que os homens usam para viajar (sem avião) e que eventualmente se tornam armadilhas difíceis de escapar.

E sobre neurônios e tudo que compõe essa maravilhosa máquina de emoções e razão que é o nosso cérebro. Sobre os truques que ele usa para inventarmos tanta maluquice e sobre as armadilhas nas quais ele cai de vez em quando, para nos levar à loucura.

Vamos falar muito de ciência, para conhecer esses truques e armadilhas. Mas vamos falar também de economia, de política, de história

– como no Almanaque das Drogas –, porque afinal essas coisas também nos ajudam a entender como e porque cafés e neurônios são tão importantes para nosso dia a dia.

Repare que escrevo “vamos falar”. Não é estilo nem retórica: é que não pretendo ficar sozinho aqui nessa coluna e nesse ecossistema

Galileu, com meus colegas de redação. Espero que você volte, participe e me ajude a construir esse espaço.

Comente, mande suas dúvidas mortais, suas sugestões de assunto. Desde já. O cafezinho vai ficar muito mais legal. E os neurônios, mais conectados.

Agora eu preciso ir, porque o comandante mandou desligar o computador. Hum… Será que rola mais um cafezinho daquele?

http://colunas.revistagalileu.globo.com/colunistas/2013/03/15/cerebros-truques-e-armadilhas/

  • Like 25
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

eu já tive um problema com café, tava tomando em excesso faz tempo e comecei a ficar irritado/irritante, mudança de comportamento. Mãos trêmulas, mais ansioso e ia muitas vezes ao banheiro urinar. Pra parar foi complicado, muita dor de cabeça e sono. Com o tempo poderia prejudicar os rins e até a calcificação de tecido ósseo.

Hoje tomo uma caneca grande por dia, mas não todos os dias. Todo o mal estar passou, mas como podem ver não consegui abandonar o hábito. Acho necessário no meu cotidiano, sempre dá um gás pra continuar fazendo as coisas além de ser gostoso.

Café é foda galera, depois da refeição se ingerido impede a absorção do cálcio. Eu troquei também o horário, só tomo às 17h.

Vou acompanhar essa coluna pra ver o que mais vai rolar.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Foi o que veio na mente,kkkkk é viajem!

Já tive uns carnavais pesados,café eu só curto pela manhã mesmo,ñ gosto muito do gosto,enfiava o pé na jaca com álcool,hoje em dia só nos fds,de leve,o vap arizer me mostrou 1 gosto escroto no tabaco, e a divinorum foi que me deu umas boas lapadas!rsrsrsr :335968164-hippy2:

  • Like 3
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

quando tento explicar pras pessoas o que se usava quando a medicina nao era o que é hoje.

Precisa de força amigo, de animo? Espera ai, mastiga essas folhas aqui.

Puxa, que menino desnutrido, ele nao come nao? Espera ai, faz um cha desse dirijo aqui.

Puxa vida, olha a perna dele, toda quebrada? Espera ai, fuma essa seiva aqui que voce dorme ate a gente tentar acertar isso aqui.

Ninguem me entende.

Sera que o povo acha que o mundo só existe desde os ultimos cem anos?

  • Like 2
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Tenho dependência física por café, ficar mais que 24h sem uma xícara dispara uma enxaqueca fudida... estou me policiando pra beber apenas uma xícara pro dia

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

se não to enganado chá mate tem cafeína também e causa males parecidos em excesso. A erva que os caras tomam tereré (não sei se é a mesma do chimarrão) também tem cafeína e outros princípios ativos que são muito prejudiciais em excesso.

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Não tomo café... e cortei o alcool ( as vezes quando vou para uma baladinha com a minha namorada e os amigos até tomo umas)..

Mas minha praia mesmo é a cannabis, e de vez em quando normalmente na praia ou em lugares que tem natureza gosto de um docinho só....

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

se não to enganado chá mate tem cafeína também e causa males parecidos em excesso. A erva que os caras tomam tereré (não sei se é a mesma do chimarrão) também tem cafeína e outros princípios ativos que são muito prejudiciais em excesso.

Tem mesmo, mas é pouca coisa em relacao ao cafe
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Excesso de café pode causar alucinações, sugere estudo


20090109124450coffee_bbc_203b.jpg
Consumo elevado de café leva a aumento da produção de cortisol

Uma pesquisa feita por psicólogos da Universidade de Durham, na Grã-Bretanha, sugeriu que beber grandes quantidades de café
pode fazer com que uma pessoa tenha uma tendência maior de sofrer alucinações.

Pessoas que consomem mais de sete
xícaras de café instantâneo por dia têm três vezes maior probabilidade
de ouvir vozes, ver
coisas que não existem ou até acreditar que estão
sentindo a presença de pessoas que já morreram, do que as que bebem
menos
do equivalente a uma xícara, de acordo com os
pesquisadores.


Segundo o líder do estudo, Simon
Jones, "alucinações não são necessariamente um sinal de doença mental
(...) A maioria das
pessoas tem experiências breves de ouvir vozes quando
não há ninguém presente e cerca de 3% ouvem tais vozes regularmente".
Mas o trabalho científico sugeriu que o risco de isso
acontecer aumenta com o alto consumo de café e outras fontes de cafeína.



Cortisol


Os pesquisadores atribuem os resultados de sua pesquisa, feita com 200 estudantes, ao fato de que o café pode levar a um aumento
da produção de um hormônio chamado cortisol.


A cafeína aumenta os efeitos fisiológicos do estresse e, nesse estado, o corpo libera cortisol. Uma concentração mais alta
da substância no organismo pode fazer com que uma pessoa escute vozes não existentes.


Os cientistas dizem que esperam que a descoberta contribua para um melhor entendimento do efeito da nutrição sobre alucinações.


"Este é o primeiro passo para
observar os fatores mais amplos associados a alucinações", disse Jones.
"Pesquisas anteriores
sublinharam vários fatores importantes, como trauma de
infância, que pode levar a alucinações clinicamente relevantes."


"Acredita-se que vários destes
fatores podem estar ligados a alucinações em parte por causa do seu
impacto sobre a reação
do organismo ao estresse. Dada a ligação entre comida e
humor, e especialmente entre cafeína e a resposta do organismo ao
estresse, parece sensato examinar o que uma
perspectiva nutricional pode esclarecer", concluiu Jones.

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2009/01/090114_cafe_vozes.shtml

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Felizmente eu SEMPRE odiei e continuo abominando café. O bebida ruim pra porra. E o foda que me deixa ligadão.. não gosto de nada que me deixa ligado, como guaraná (refri e o pó), coca-cola e claro, café. Quando muito um chá mate, de vez em nunca.

Agora, já maconha... miniiino.... eu tou 2 meses e meio na seca e tá osso. Por mim só ia de cannabis mesmo, nem alcool se pá.

  • Like 1
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

E por falar em Refri...

México encabeza las muertes por consumo de bebidas azucaradas
Un estudio asegura que en 2010 se produjeron más de 180.000 fallecimientos a nivel mundial por consumir estos productos

Un estudio elaborado por la Universidad de Harvard y hecho público esta semana en el Congreso de la Asociación Nacional del Corazón de Estados Unidos concluye que México es el país en el que más personas mueren por consumir bebidas azucaradas. “Al año, de cada millón de personas que fallecen en el país, más de 300 lo hacen por este motivo”, según explican los investigadores en un comunicado.

“En México, además, una de cada tres personas padece diabetes y son los menores de 45 años los que tienen más riesgo de morir por esta circunstancia. Exactamente, 24.000 personas fallecieron en 2010 por enfermedades relacionadas con el consumo de estas bebidas en el país”, explica la doctora Gitanjali Singh, coautora del estudio. En contraste, en Japón, que cuenta con uno de los consumos más bajos del mundo, tan solo 10 personas de cada millón murieron por esta causa en el mismo año.

Según la investigación, los refrescos con azúcar son los responsables de 184.000 muertes en el mundo. Exactamente, en 2010, 132.000 personas fallecieron de diabetes, 44.000 por algún tipo de enfermedad cardiovascular y unas 6.000 por cánceres relacionados con el aumento de peso. “Los fallecimientos se pueden atribuir al consumo bebidas azucaradas, zumo de frutas y bebidas deportivas”, explica el documento.

“El estudio que hemos realizado nos ha mostrado que el consumo de bebidas azucaradas está vinculado con el aumento del índice de masa corporal que a su vez está relacionado con las muertes por diabetes, enfermedades cardíacas y cáncer”, continúa el texto. El 78% de las muertes se produjeron en países con bajos y medios ingresos, continúa el comunicado. 


“Ha sido un descubrimiento que un número tan grande de muertes se deban al consumo de refrescos con azúcar. Un tercio de estos se produjeron por diabetes, por lo que parar el consumo de estos productos puede ser una gran arma para evitarlos”, ha apuntado la médico a Reuters.

Los investigadores obtuvieron los resultados del análisis de estudios del número de fallecimientos y de los hábitos nutricionales de 114 países, “lo que representa el 60% de la población mundial”, ha agregado la doctora. Además, se usaron datos del Estudio Global de Enfermedades de 2010 de la Organización Mundial de la Salud, gracias a los cuales se determinó cual era el índice de masa corporal promedio de tres sectores de población: de 20 a 44 años, de 45 a 64 años, y de más de 65.

Según los resultados, el consumo de los participantes varió de un refresco (250 mililitros) por día de una mujer anciana en China a más de cinco en un joven cubano (1,2 litros). Por regiones, los datos muestran que en 2010, 38.000 personas murieron en Latinoamérica y Caribe, 11.000 en Europa y Asia y 25.000 en EE UU.

Aunque se trata de un estudio epidemiológico - análisis de enfermedades que afectan transitoriamente a muchas personas en un sitio determinado-, en el que no se demuestra la causa y el efecto, “esta investigación es una asociación biológica plausible y se debe tomar en serio”, según ha comentado la doctora Rachel Johnson, presente en el Congreso, a AP. “Lo fundamental es asesorar a los pacientes para que disminuyan el consumo de estos productos”.

Según la Asociación Nacional del Corazón de EE UU, no se debe superar las 450 calorías por semana procedentes de este tipo de productos [Cifras basadas en una dieta diaria de consumo de 2.000 calorías]. Por ejemplo, una lata de Coca Cola de 350 mililitros tiene 137 calorías, por lo que se pueden consumir poco más de tres latas y media por semana.

Además, esta organización aseguró recientemente que la mejor manera de mantener un peso óptimo y por consiguiente reducir el riesgo de enfermedades de corazón era limitar “el consumo de azúcar a no más de 100 calorías al día para las mujeres y de 150 para los hombres”.

http://sociedad.elpais.com/sociedad/2013/03/20/actualidad/1363800319_518404.html

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

E por falar em Refri...

Descobriram a pólvora. Ta aí uma droga que eu baninira da terra se eu não fosse tolerante com tipos de drogas: esse maldito açúcar. eu postei um tópico que relaciona obesidade infantil, demência precoce com o açúcar se não me engano.

  • Like 3
Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • 2 weeks later...
  • Usuário Growroom

Estou passando por uma fase complicada nessa minha mudança de rotina com relação a maconha (plantar para não comprar e claro viajar melhor ), consumo ela a muitos anos, após meu trabalho, sou casado , tenho 2 filhos lindos uma empresa com mais de 30 funcionários e estou com alguns pés de Maconha na MINHA CASA e é obvio que é para somente meu consumo, ontem rolou uma bad com minha esposa por causa disso, ela tem medo !!! não pelo USO do uso da droga, as vezes ela até da um tapinha junto e sim por PLANTAR MINHA ERVA, medo da sociedade preconceituosa, medo de prejudicar nossos filhos etc..etc, estou numa balança entre o certo perante a sociedade e minha mente, SOU UM CARA DO BEM E MUITO JUSTO PARA TODOS AO MEU REDOR, minha preocupação nessa luta nem é minha e sim de minha família, mais essa merda de prensado mofado cheio de porcaria não quero mais

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
×
×
  • Criar Novo...