Ir para conteúdo
Growroom

Agentes Da Lei Se Unem Para Defender Legalização Do Comércio E Do Uso De Drogas No País


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Vamos comentar la galera, o odio dos evangelicos e a hipocrisia ta rolando solta la!

Agentes da lei se unem para defender legalização do comércio e do uso de drogas no país

Legalizar a produção, o comércio e o consumo das drogas no país. Esse é o objetivo da filial brasileira da Leap ("Agentes da Lei Contra a Proibição", em português), que reúne juízes, policiais civis, militares, entre outros profissionais de segurança pública. Na visão do grupo, a atual política de combate às drogas "viola a liberdade individual", segundo a presidente da Leap Brasil, Maria Lúcia Karam, e se mostra incapaz de proporcionar "a regulação e o controle" da venda e uso de entorpecentes.

Karam, juíza que atuou na área criminal durante oito anos, afirma ter sido sempre favorável à "inconstitucionalidade das leis que criminalizam a posse de drogas para uso pessoal", pois elas se referem, na versão de Karam, a uma "conduta privada que não atinge concretamente os direitos de terceiros". Na tentativa de promover o debate, juntou-se a homens como o delegado da Polícia Civil do Rio Orlando Zaccone e o ex-chefe do Estado Maior da PM coronel Jorge da Silva.

"A minha experiência na Justiça criminal ajudou a compreender os danos provocados pela política de guerra às drogas. São inúmeras violações aos direitos fundamentais que estão presentes nas convenções internacionais e nas legislações nacionais, como a legislação brasileira, a começar da violação a liberdade individual ao se pretender criminalizar a posse de drogas para uso pessoal", disse.

"Em toda a minha carreira, eu sempre declarei a inconstitucionalidade das leis que criminalizam a posse de drogas para uso pessoal (...) o Estado não pode intervir nessas condutas. Mas compreendi também que não basta declarar a inconstitucionalidade, que não basta afirmar o direito de cada um colocar em seu corpo o que bem entender. É preciso avançar para repudiar essa política de proibição, produção e comércio dessas substâncias proibidas, pois é exatamente na proibição da produção e do comércio onde os maiores danos dessa política estão presentes", completou.

Criada nos Estados Unidos, a Leap tem atualmente cerca de 15 mil membros espalhados por mais de 70 países. A luta pela legalização irrestrita das drogas, segundo a juíza, diz respeito a um objetivo maior: criar uma metodologia "racional e respeitosa" de controle e regulação da produção, comércio e consumo de entorpecentes.

"Quando se joga determinadas atividades econômicas no mercado clandestino, é impossível qualquer controle. Essa é uma das grandes falácias da proibição", diz. "O controle só é possível com a legalização. A legalização virá possibilitar a regulação dessas atividades de produção, comércio e consumo dessas substâncias que não são diferentes de outras substâncias igualmente psicoativas como álcool e tabaco", afirma.

A juíza também aborda a questão da superlotação dos presídios brasileiros e dos homicídios praticados por policiais nas favelas da capital fluminense. Segundo ela, em 1995, o Brasil tinha uma média de cerca de 100 pessoas encarceradas por cem mil habitantes; quase 17 anos depois, esse índice teria sido elevado para 300 pessoas por cem mil habitantes.

"Uma das grandes causas é a criminalização da produção e do comércio dessas substâncias ilícitas", disse.

"No Rio de Janeiro, 20% dos homicídios são praticados por policiais nas favelas do Rio de Janeiro, atacando supostos traficantes ou pessoas que se assemelham a eles. (...) São praticamente meninos que vivem nesses guetos, que não têm oportunidades. (...) Usam metralhadoras e rifles como os brinquedos que nunca tiveram. A eles é reservado esse papel do inimigo. Quando eventualmente sobrevivem, estão superlotando as prisões", completou.

Letalidade

De acordo com o delegado Orlando Zaccone, titular do distrito policial da Praça da Bandeira (18ª DP), na zona norte do Rio, a atual política de combate às drogas é "resultado de uma guerra que tem potencial letal muito mais potencializada do que uma guerra entre Estados", citando como exemplo a guerra das Malvinas, entre Argentina e Inglaterra.

Em sua apresentação na 5ª Conferência Internacional de Direitos Humanos, em Vitória (ES), realizada em agosto de 2012, Zaccone afirmou que, enquanto o confronto entre argentinos e ingleses deixou cerca de 600 mortos, a violência no Rio de Janeiro provocou, em média, pelo menos 8.000 óbitos no período entre 2005 e 2010. Com o início da política de pacificação, por outro lado, esse índice vem caindo nos últimos anos.

"Se não tivéssemos a mudança de política, em algum momento teríamos a polícia matando mais do que prendendo. Estamos diante da exceção que virou regra. E se a exceção vira regra, nós temos um problema. Esses são os resultados reais do que se chama de combate às drogas. Uma letalidade imensa desse sistema penal", disse.

Fonte: UOL - http://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2013/02/01/agentes-da-lei-se-unem-para-defender-a-legalizacao-do-comercio-e-do-uso-de-drogas-no-pais.htm

  • Like 12
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Interessante, é bom saber que temos autoridades vendo o caminho certo da coisa. Só não acho legal falarem das drogas como um todo. Sou a favor da legalização de todas as drogas, mas algumas delas são perigosas e iriam precisar de um controle rígido no comércio, conscientização dos usuários, etc, e não é legal colocar a maconha no mesmo patamar que elas. Nossa sociedade é muito preconceituosa, e enquanto generalizarem as drogas, a imensa maioria da população será contra. Cada caso é cada caso... eu penso que seria melhor se tratassem a maconha de forma independente.

  • Like 2
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pelo amor de Deus porque não está tendo uma mobilização massiva de todos essas iniciativas e cobertura na TV?

A medicina, a justiça e agora até a lei.

Acabou gente, esse palhaçada de tratar todo mundo que usa maconha como bandido já era.

A ignorância da massa que enche a cara de cigarro e álcool pra horrorizar o baseado é irrelevante.

Com o passar do tempo eles vão ver que várias pessoas de seu círculo social usam e nem por isso eles deixaram de ser normais.

Eu sonho no dia de chegar pra uma 1/2 dúzia de caretas da minha família e dizer que várias vezes eu estava na presença deles fumado.

Como naquele exato momento. Aí o careta fala "mas você está normal"

Caso encerrado.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Cara vcs deviam ver os comentário la do uol vou dar uns exemplos

"Primeiro liberam as drogas depois a pedofilia e por ai vai. "ferem o direito individual". Isso é a queda da moralidade."

"Manaja, no Brasil é assim tudo que não conseguem combater por incapacidade querem legalizar, drogas, prostituição, desmanches, logo logo vão falar em legalizar o assalto, o sequestro, o assassinato, a violência contra mulheres, crianças e idosos, vergonhoso."

Estas pessoas são completamente alienadas sem noção

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

É de dar calafrios os comentários dessa notícia no UOL. Mas acho que com o tempo a ocorrência da evolução vai se dá por meio da seleção natural. Esses indivíduos vão deixar de existir. Talvez em 2 gerações esses ignorantes serão exterminados.

UM VIVA PARA o LEAP!!!

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Cara vcs deviam ver os comentário la do uol vou dar uns exemplos

"Primeiro liberam as drogas depois a pedofilia e por ai vai. "ferem o direito individual". Isso é a queda da moralidade."

"Manaja, no Brasil é assim tudo que não conseguem combater por incapacidade querem legalizar, drogas, prostituição, desmanches, logo logo vão falar em legalizar o assalto, o sequestro, o assassinato, a violência contra mulheres, crianças e idosos, vergonhoso."

Estas pessoas são completamente alienadas sem noção

Tem um tal de Adrnit lá que merecia levar uma sova

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

O povo é muito ignorante mesmo. Mas isso é culpa da própria política e também do comodismo em buscar informações ou até mesmo pensar.

As pessoas confundem liberdade individual (liberdade sobre o próprio corpo) com assassinatos e outros crimes que ferem o direito de terceiros.

Nem perco muito o tempo mais lendo esses coments..da enjoo no estômago rsrs

Espero que a seleção natural extingua esses seres pensantes(?) como o colega disse ai em cima.

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olha esse comentário

Um debate que envolve um tabu sobre o maior problema da atualidade, drogas.

Sério mesmo?! Pior do que a destruição do eco-sistema, poluição, aquecimento global, wall street, 16 trilhões de dívida dos Americanos?

Pior do que o caldeirão chamado Oriente Médio? Ou a ganância dos 1%?

Bitch please.

Sim, o uso de drogas pode não ser algo bom em muitos casos, principalmente se envolver drogas sintéticas ou cheias de química

E o maior problema que elas geram é justamente combatendo o tráfico. A galera não vai parar de fazer a cabeça.

Do mesmo jeito que não pararam de beber, fumar, fornicar, jogar e muitos outros males, legais ou não, que acontecem por aí.

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites

Olha esse comentário

Sério mesmo?! Pior do que a destruição do eco-sistema, poluição, aquecimento global, wall street, 16 trilhões de dívida dos Americanos?

Pior do que o caldeirão chamado Oriente Médio? Ou a ganância dos 1%?

Bitch please.

Sim, o uso de drogas pode não ser algo bom em muitos casos, principalmente se envolver drogas sintéticas ou cheias de química

E o maior problema que elas geram é justamente combatendo o tráfico. A galera não vai parar de fazer a cabeça.

Do mesmo jeito que não pararam de beber, fumar, fornicar, jogar e muitos outros males, legais ou não, que acontecem por aí.

n precisa nem ir tão longe, pra ver q aqui msm em terras tupiniquins temos problemas muito mais sérios, como violência, educação precária, falta de emprego, e pasmem, tem neguinho q morre d FOME aqui mesmo no Brasil.... se pudessem plantar cannabis ao em vez de cebola no sertão, tenho certeza q essas pessoas q morrem de fome, teriam $$ suficiente pra levar uma vida digna!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Muito respeito ao Jack Cole, Juíza Karam, Orlando Zaccone e todos os outros membros e ativistas da Leap.

Se até quem fiscaliza a lei vê que a situação está errada, imagina que sofre com a lei!

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
  • Conteúdo Similar

    • Por raggamuffin
      Vídeo produzido pela Leap Brasil. Tema discutido no seminário divulgado neste tópico.

      http://www.youtube.com/watch?v=uOxgabAIkZE

      Depoimento do fotógrafo Bira Carvalho, cadeirante, morador da Maré, que teve casa invadida e destruída durante uma operação policial. Em seu depoimento ele falou sobre as violações de direitos que são cometidas sob a cortina da "guerra às drogas".
×
×
  • Criar Novo...