Ir para conteúdo
Growroom

Tudo Ou Nada Na Questão Das Drogas


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

Em visita ao Recife para lançamento de seu novo livro, o ex-secretário nacional de Segurança Pública Luiz Eduardo Soares concedeu entrevista ao Diario

20120728002836573003u.jpg

Autor e co-autor de 20 livros, incluindo sucessos como Cabeça de porco, Meu casaco de general e Elite da Tropa 1 e 2, o mestre em antropologia, doutor em ciência política e pós-doutor em filosofia política Luiz Eduardo Soares lançou recentemente no Recife Tudo ou nada. A narrativa conta a impressionante história de Lukas Mello, pseudônimo de Ronald Soares, brasileiro de classe média que fez fortuna na década de 1990, passou dez anos velejando, se tornou dependente de heroína e foi preso na Inglaterra por associação ao tráfico de duas toneladas de cocaína. Chegou a ser considerado o preso mais perigoso daquele país, mesmo sem haver pego em armas. Réu no julgamento mais longo da Europa, foi condenado a 24 anos de prisão.

Separado dos outros presos, passou quatro anos sem trocar uma palavra com alguém, à exceção dos dois guardas que faziam sua vigília. A cada 40 minutos, um deles abria uma escotilha e anotava em um livro de registros o que Ronald estava fazendo. A tortura psicológica quase o levou à insanidade - em um momento, durante o julgamento, ele chegou a sentir que sua alma havia saído do corpo.

Da Inglaterra, Ronald foi tranferido para o Brasil. Passou da solidão para uma cela com cem pessoas em Bangu, no Rio de Janeiro. Hoje, está em liberdade. Em Tudo ou nada, Luiz Eduardo Soares desnuda o personagem Lukas Mello, com seus erros, sofrimentos e punições. Uma leitura rica, que impressiona pelo enredo mirabolante e o espetacular poder de investigação inglês. Tem tudo para virar filme. E tudo indica que vai virar. Nesta entrevista, concedida a Juliana Colares, Luiz Eduardo Soares, que é ex-secretário nacional de Segurança Pública, fala sobre o livro e detalha as razões que o levam a defender a legalização não só da maconha, mas de todas as drogas.

Como você conheceu a história do Ronald Soares?

Eu vim a conhecer pelo intermédio de um primo (de Ronald), um psicanalista do Recife que eu admiro muito e com o qual eu costumava conversar quando vinha ao Recife. Em uma das nossas conversas no início de 2007, ele me falou de um primo que estava sendo transferido para cumprir o resto da pena no Brasil. Ele ficara seis anos em uma penitenciária de segurança máxima da Inglaterra. Na acusação, constava a responsabilização dele pela logística, a orientação do transporte e a parte das finanças de jogadas internacionais envolvendo o Cartel de Cáli e grupos de traficantes ingleses. Depois que ele me disse que era uma pessoa de classe média como nós, aluno brilhante de economia, tendo saído muito jovem da universidade nos anos de 1970. Fez fortuna na bolsa de valores quando o mercado financeiro emergia com muita força naqueles anos do chamado “milagre econômico” e que essa pessoa depois de fazer fortuna muito jovem, aos 20 e poucos anos, resolvera abandonar tudo para realizar seu sonho de adolescência para velejar e que tinha passado 10 anos no mar, em um veleiro, em dois ciclos de cinco anos, aproximadamente. Ao final, ele se envolvera no consumo, como dependente, de heroína e acabara por se envolver nessa trama toda.

E dentro dessa trama tão cinematográfica sobre o tráfico internacional de drogas, o que te chamou mais atenção?

Eu não conhecia quase nada. Conhecia genericamente valores, processos... Mas os bastidores, o dia a dia, como efetivamente essas aventuras se davam, nada disso eu conhecia. Eu pude conhecer pelo testemunho do biografado, que se tornou meu amigo. Quando o primo dele me contou a história, eu fiquei muito interessado em conhecer essa pessoa. Eu disse a ele (ao primo de Ronald): não tenho como escrever esse livro agora. Eu tenho uma série de compromissos, mas independente de livros e filmes e do que quer que venha a acontecer, eu gostaria de conhecer essa pessoa e acho que tenho muito a aprender com ela. Não só sobre o tráfico, mas do ponto de vista humano é uma experência existencial incrível. Nos encontramos, conversamos e desde então passamos a nos encontrar. Isso tem cinco anos e foi o tempo necessário para que, ao final, o livro pudesse ser escrito.

Algum detalhe te impressionou mais?

São tantas coisas que chamam a atenção, são tantas coisas estranhas e supreendentes… Mas o que mais me chamou a atenção foi o fato do Ronald estar vivo. Vivo mentalmente, moralmente. A pessoa passar por isso tudo e estar contando a história sem ressentimento e com coragem de me permitir que contasse a história sem dourar a pílula, sem mascarar erros cometidos... Um dos títulos do livro, que eu passei por vários, era “Duas toneladas de cocaína não contam a história de um homem”. Essa passagem por tudo isso é crucial, claro, para a vida de uma pessoa, mas é parte da vida. Se ela fosse a única parte, não haveria todo o outro lado, toda a riqueza que nos permite contar essa história.

Em Cabeça de Porco, MV Bill, um dos co-autores do livro, depois de ver o tráfico de drogas em tantos lugares do país, chega a se perguntar se o problema das drogas tem jeito. Tem jeito?

Depende do que a gente defina como jeito. Eu sempre tive uma posição em relação às drogas e à política de drogas. Desde os anos 70, quando era proibido falar disso por conta da censura, eu sempre fui favorável à legalização das drogas mesmo e sobretudo quando assumi posições de governo. No entanto, em havendo a proibição, era preciso seguir a lei e aplicá-la da melhor forma possível. Eu diria que se nós continuarmos nesse caminho, não vamos a lugar nenhum. Ao contrário, vamos ao inferno.

Alguns números são eloquentes em relação a isso. Primeiro lugar: o tráfico internacional de drogas consumiu bilhões de dólares dos governos dos países ocidentais envolvidos na chamada guerra às drogas sem que tenha havido queda no consumo, alteração na qualidade ou aumento de preço, que desestimularia, supostamente, o consumo. Portanto, todo esse dinheiro investido não produziu nenhum benefício.

Que malefícios ela produziu?

A “guerra” nas cidades, o aspiral de violência, mais e mais corrupção de autoridades governamentais e policiais, etc. Além disso, estamos plantando uma mina sob os nossos pés no Brasil porque estamos encarcerando velozmente jovens que não se envolveram com violência ou com o crime organizado e que comercializaram substâncias ilícitas e estão sendo presos cada vez com mais frequência. Os presos brasileiros eram em torno de 140 mil em meados dos anos de 1990. Hoje são 540 mil. Nós temos a terceira população carcerária do mundo e a taxa de crescimento da população carcerária é a mais veloz do mundo. Também somos vice-campeões, do ponto de vista do número absoluto, de homicídios dolosos que, entretanto, não são investigados. Sabemos que no máximo 8% dos homicídios dolosos perpetrados no Brasil são efetivamente investigados.

Então, qual a forma correta de lidar com esse problema?

Somos campeões em impunidade por um lado e, por outro lado, em velocidade de encarceramento. O que parece um paradoxo em certo sentido, é uma enorme contradição. Estamos predendo errado, com foco absolutamente equivocado. Ao invés de darmos atenção aos crimes mais graves, estamos focalizando as energias na busca, apreensão e captura em flagrante de jovens pobres, de baixa escolaridade, em geral negros que se envolvem nessa venda varejista das drogas, sem uso de arma de fogo, sem prática de violência sem vínculo com organizações criminosas. Isso tudo vai acabar na medida em que eles sejam encarcerados. Estamos destruindo o destino desses jovens e plantando uma mina explosiva para o nosso futuro.

A pergunta é “em que contexto normativo ou jurídico-político esse acesso será exercido pela sociedade?”. O atual contexto é o que criminaliza. A alternativa seria que nós buscássemos um contexto em que a questão das drogas fosse objeto de políticas de saúde, educação, de cultura.

Existe algum modelo de sucesso? Que modelo funcionaria no Brasil?

Nós vamos ter que inventar o nosso próprio modelo porque as circunstância são sempre distintas. O grande sucesso é o caso da Suíça. Todos dirão: “Bom, a Suíça é muito diferente do Brasil”. Claro. Tanto que tomou essa decisão de legalização de todas as drogas, com disciplina no consumo, alguma regularização, controle de qualidade.

É curioso que as piores drogas, as que mais matam, não são proibidas: álcool e tabaco. Felizmente, ninguém está falando em cadeia e política criminal para lidar com esse problema. Temos lidado de uma maneira mais inteligente e eficaz. A eficácia é reduzida, mas é possível. O Brasil tem avançado muito no controle do consumo do cigarro. Em relação às drogas ilícitas, a cocaína mata menos de 100 pessoas por ano no Brasil em decorrência de overdose. Segundo as pesquisas relizadas não só no Brasil, as mortes por overdose de cocaína, que são em um número pequeno, não se dão em geral por causa da ingestão ou inalação da cocaína, mas das substâncias que são combinadas à cocaína.

A falta de controle e de informação acaba facilitando esse tipo de resultado drástico. O caso da Suíça é virtuoso porque não só a legalização não aumentou o consumo e resolveu os problemas da violência associada à droga, como reduziu o consumo. Há um conjunto de experiências que estão prosperando mundo afora. É como se tudo isso começasse a estalar.

Se fala muito da maconha. O senhor defende a legalização de todas as drogas, não só da maconha?

Minha posição é radical. Eu não aceito que o estado defina a dieta do indivíduo na sua esfera privada do ponto de vista da sexualidade, da relação com o seu corpo e também do que vai ser ingerido, com que propósito, etc. O que é importante é que haja informação, controle de qualidade, que cada um assuma responsabilidades. As escolhas que se fazem no âmbito privado, desde que não afetem a liberdade de terceiros, têm que ser respeitadas. Não podem ser objetos de uma política criminal.

http://www.diariodep...as-drogas.shtml

  • Like 3
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Cara sinceridade vc acha que o brasil tem como fazer centro-especializados em cada tipo de droga?

para instruir o usuario como usar e reduzir danos, claro que não só se os governantes parar de roubar!!!

o mais simples que são escolas e hospitas deixam a desejar ou melhor deixam pessoas se tornarem burras e morrer sem medicos!

  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

não existe interesse publico nisso, não rende voto, é polemico.

e como falou o Yanomãmi, falta o fundamental para o pais, a educação, saude e segurança, quem vier com esse discurso, mesmo quem ja foi eleito e não fez nada, vai levar vantagem. Vai colar a ideia de que o problema das drogas não pode ser resolvido assim, de forma racional e a longo prazo mas sim com politicas de repressão mais severas, que rendem resultados rapidos por pouco tempo, o tempo do mandato

Olha, num pais em que a casta politica ganha o que ganha pra notoriamente não trabalhar como deveria, maluf e sarneys da vida são reverenciados e os impostos são absurdos em relação a qualidade de vida um discruso racional e humanitario não cola, o povo aqui gosta de ação, drama, datena e o pau de arara em nome da familia e dos bons costumes.

Alias, falou em familia e moral ta garantido, falou em propostas e debate ta perdido.

peço desculpas ae pelas mas energias, mas nessa semana os professores entraram em greve e eu descobri que pra terminar o semestre terei que gastar parte das ferias de verão, tudo porque o governo encerrou as negociações, se eu não me engano nesse mesmo mes teve aumento de salario de deputado ou vereador...

Editado por Cerveza
  • Like 1
Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Concordo plenamente com oque o Cadjurah falou!

Só pela entrevista já fiquei fascinado pela posição ideológica, e inteligência em ver o problema e como resolver o problema

o livro deve ser muito bem narrado, um tipo de livro que te deixa preso na leitura, te fazendo voltar no tempo de mlk e ficar criando todo aquele cenário em sua cabeça!

Amanha tô comprando 19,00 só vale muito apena!

Esse autor é a prova viva de que existe solução, na verdade existe solução pra quase tudo, mas oque existe de verdade, são interesses de certas autoridades, que me da até cala-frio em pensar no assunto!

Link para o post
Compartilhar em outros sites

só nao concordo com o ponto de vista dele em querer a discriminilizaçao de todas as drogas, acredito que algumas drogas nao projetam o usuario a ter algo de positivo ou de crscimento em seu uso, pelo contrario, causa dor morte e destruiçao, é o caso do crack e cocaina

tambem nao quero andar no parque e ver alguem com uma lata na mao "pêgo", doido pra conseguir mais e te olhando te marcando pra te roubar, pq estas drogas levam os usuarios a estas consequencias

este cara é bem lucido nas suas ideias, mas como tal, precisa alguns reajustes

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

só nao concordo com o ponto de vista dele em querer a discriminilizaçao de todas as drogas, acredito que algumas drogas nao projetam o usuario a ter algo de positivo ou de crscimento em seu uso, pelo contrario, causa dor morte e destruiçao, é o caso do crack e cocaina

tambem nao quero andar no parque e ver alguem com uma lata na mao "pêgo", doido pra conseguir mais e te olhando te marcando pra te roubar, pq estas drogas levam os usuarios a estas consequencias

este cara é bem lucido nas suas ideias, mas como tal, precisa alguns reajustes

Ta mais e ai a guerra continua???

Vai continuar morrendo criança com bala perdida em incursão do bope nas favelas??

Tbm acho que nao leva a nada, mais do jeito que esta eh foda neh brow....

Link para o post
Compartilhar em outros sites

só nao concordo com o ponto de vista dele em querer a discriminilizaçao de todas as drogas, acredito que algumas drogas nao projetam o usuario a ter algo de positivo ou de crscimento em seu uso, pelo contrario, causa dor morte e destruiçao, é o caso do crack e cocaina

tambem nao quero andar no parque e ver alguem com uma lata na mao "pêgo", doido pra conseguir mais e te olhando te marcando pra te roubar, pq estas drogas levam os usuarios a estas consequencias

este cara é bem lucido nas suas ideias, mas como tal, precisa alguns reajustes

Minha posição é radical. Eu não aceito que o estado defina a dieta do indivíduo na sua esfera privada do ponto de vista da sexualidade, da relação com o seu corpo e também do que vai ser ingerido, com que propósito, etc. O que é importante é que haja informação, controle de qualidade, que cada um assuma responsabilidades. As escolhas que se fazem no âmbito privado, desde que não afetem a liberdade de terceiros, têm que ser respeitadas. Não podem ser objetos de uma política criminal.

já ta respondido né.... cada um manda no seu corpo

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Proibição so leva a uma coisa, trafico, isso é fato! O crack é fruto da proibição, não vamos conseguir evoluir nunca com proibicionismo, temos de trabalhar a consciência das pessoas e o uso de drogas regulamentadas e limpas de qualquer podridão vinda da proibição. Não se iludam com a proibição galera, ela nunca ira funciona, fato!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

E não estamos? A luta é pelo fim da guerra às drogas, mudar o foco do plano penal para o plano da saúde no que tange às drogas.

A proibição faz mais mal que qualquer droga existente ou ainda a ser inventada.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Muito boa a posição dele. Já havia lido algumas entrevistas com ele e sempre gostei dele.

Li também Elite da Tropa 2 que ele ajudou a escrever e curti bastante. Vou comprar esse livro também, gosto desse livros estilo "Meu nome não é Johnny".

Obs: Isso serve para mostrar que o filme Tropa de Elite não é proibicionista...

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Será q com a legalização da cocaína, o craack não se extinguiria naturalmente??? fica a dúvida...

Isso é certo de acontecer! O crack é filho da proibição!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Extinguir eu acho dificil, sempre irá rolar um pouco ainda...

Porém irá diminuir muito. É nítido, a proibição deu/dá totais condições para a criação, difusão e distribuição do crack.

Se o comércio da cocaína fosse legal, nunca existiria o crack, que veio com as sobras. Num mercado legal, as sobras seriam jogadas fora (se ainda tivessem sobras) e pronto.

Depois a proibição criou mais mercado para o crack pois as bocas concentram-se nas áreas pobres onde pessoas pobres buscam no crack um alternativa para sua vida miserável. Além disso há a figura do traficante, que empurra o produto para usuários de outras drogas.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Moro em uma cidade de +- 23 mil habitantes, só da maconheiro e cherador aqui, tem muito mesmo, e mesmo assim vejo pessoas com vergonha de tocar no assunto, e candidatinhos a vereador, gente nova, ja pegando o jeito de ganhar votos falando mal de drogas e de maconheiros, teve um até que disse que é só gastar uma bala de 38 com um maconheiro que todos desaparecem, discussão essa sobre violencia e onda de assaltos na cidade., minha esperança é o STF, senão ternho certeza que a coisa vai ficar como esta, piorando, povo hipocrita e interesseiro, puxa saquismo imprera. Tenho orgulho de viver aquem da sociedade estupida que temos neste Brasil, quem me dera poder ir morar na europa.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Eu tenho ficado cada vez mais assutado com as ondas de ódio contra maconheiros.

Eu sei que isso já existia, mas conforme o assunto começa a ser discutido, muitas pessoas acabam tomando "lados" da história.

E vejo que muitas pessoas estão criando um ódio/preconceito sem nem querer entender o problema....

Elas pegam o problema que é repassada pelos Datenas da vida e logo concluem que é tudo culpa de maconheiro.....absurdo!

Mas você quer o que? Ligue a televisão e passe de canal em canal a noite. É só notícia da "guerra" as drogas e dos drogados que matam pessoas......tsc tsc tsc :cadeirada:

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
×
×
  • Criar Novo...