Bas

Phd Em Thc

Recommended Posts

PHD EM THC

Sergio-Vidal-ed.jpg

No começo desse ano, o Sergio Vidal (também fundador do Growroom e espécie de PhD em THC) botou na roda um dos livros mais importantes desse 2011 da marofa. Chama Cannabis Medicinal — Introdução ao Cultivo Indoor, e, apesar de o título ser bem autoexplicativo, vale ressaltar que se trata simplesmente do primeiro guia de técnicas em português brasileiro de como fazer da semente (do vizinho) um tremendo matagal. Ele até enviou um exemplar pra cá, mas uma ave de rapina passou pela redação, levou pro ninho e só foi desovar muito tempo depois — então ficamos sem ter como embasar uma entrevista dados os preceitos básicos do jornalismo de qualidade e informativo e opinativo. Daí que, até isso acontecer, o Vidal já tava um tanto quanto puto por não termos conversado com ele. Mas acabamos fazendo. Aí vai outra conversa elucidativa com um maconheiro.

VICE: Seu livro leva “Cannabis Medicinal” no título, mas no fundo é um manual de cultivo da planta. Por que isso? Pra se livrar de alegações de apologia?

Sergio Vidal: Primeiro, eu queria fazer uma provocação. Pouca gente sabe, mesmo especialistas relutam em discutir isso, mas a cannabis medicinal já está legalizada no Brasil. Pela lei atual, a 11.343, a Anvisa já pode dar autorização pra cultivo, venda, pesquisa etc. para fins medicinais, e os médicos já podem prescrevê-la. Mas, não só a Anvisa não dá autorização, como nenhuma instituição pediu a autorização — e nenhum médico prescreve a planta. Na Califórnia eles têm uma lei muito menos avançada que a nossa, e é uma lei estadual. No entanto, a mentalidade é outra: os ativistas saíram na frente e brigaram na justiça pra fazer toda a revolução que temos visto por lá, apenas com uma proposição aprovada que é muito menos forte que a nossa lei sobre o tema. Se eles tivessem uma lei como a nossa em nível federal, estariam exportando maconha pra o mundo todo. Então, eu queria dar uma provocada nisso aí, fazer as pessoas pensarem sobre isso e também ver se alguma instituição pede essa autorização.

O segundo ponto foi pra me salvaguardar. Porque, se a lei define tudo isso que falei, então é possível cultivar legalmente para fins medicinais. E se é possível alguém com a autorização poder cultivar para fins medicinais, eu posso publicar um livro destinado a esse público autorizado. Gosto de brincar, falando que é como um livro sobre cirurgia. Todos podem ler um livro sobre cirurgia, mas só quem pode fazer uma cirurgia dentro da lei é um médico cirurgião. Mas é claro que sei que a maior parte das pessoa que compram o livro não trabalham em instituições ligadas à medicina ou pesquisa. São usuários querendo plantar sua própria maconha.

Essa instituição pode ser uma ONG, por exemplo? Eu posso fundar uma ONG, ir atrás da autorização e começar a plantar minha própria maconha?

Sim, pode ser uma ONG, e em tese você poderia. É preciso ter uma instituição formalizada, que tenha o espaço preparado para o cultivo. Daí é preciso apresentar toda a documentação registrada, incluindo os documentos dos profissionais envolvidos, à Anvisa local e pedir que ela vá fazer uma vistoria pra verificar se o estabelecimento tem condições de realizar o que se propõe. É muito parecido com o requerimento da autorização para produzir qualquer outro medicamento fitoterápico ou não-fitoterápico. Meu sonho é ver o País pipocando de ONGs e instituições sendo formadas pra decidirem fazer esse pedido e de fato atuar no cenário da cannabis medicinal. Você não vai poder fazer isso e vender pra qualquer um, só pra quem tiver receita médica, saca? O medicinal da história estaria até mesmo no estatuto da ONG. É maconha medicinal. Na prática, a lei de drogas é a mesma que regula farmácias, por exemplo.

E por que isso não acontece, então?

Porque ainda não saímos da Matrix com relação ao tema. Porque a imprensa chama o cara que vende maconha de traficante, mas o processo judicial não fala em tráfico. Todo processo judicial sobre “traficantes” fala que ele estava fazendo comércio não-autorizado, saca a sutileza? A lei tá no papel, mas os médicos acham que não podem, os pacientes acham que não podem, os cultivadores acham que não podem. Então, não podem de fato. Se eu posso fazer algo, mas acho que não posso, então estou limitado. Mas a morfina não é proibida? Não é como maconha? Só que em hospitais as pessoas tomam morfina quando o médico receita. Tomam em casa, quando têm autorização pra comprar medicamentos pra casos específicos. É o mesmo com a maconha. Eu sempre falo isso e acham que sou louco. Ninguém publica essa minha visão vanguardista da lei porque não tem ninguém fazendo isso na prática. Se eu disser a você que a morfina medicinal já é regulamentada no Brasil, não tem como você duvidar, porque os hospitais estão fazendo isso já. A maconha é a mesma coisa. Estão na mesma lei.

De certa forma já tá regulamentada, então.

Sim. Para o uso medicinal e religioso ela já é legalizada. Esse seria o termo correto. Já está constando na lei. Faço essa discussão, mas, de fato – até mesmo dentro do movimento, entre os ativistas –, são muito poucos os que entendem que ela já está legalizada. Porque as pessoas estão acostumadas a contar apenas com o que já está funcionando, querem tudo mastigado. Nego só vai achar que tá legalizado quando tiver uma farmácia vendendo. Só que, pra ter isso, alguém tem que se jogar, criar, fazer acontecer. Romper o preconceito e fazer a lei, que já tá lá, sair do papel e funcionar. Mas o movimento em si luta por uma ampla regulamentação da cannabis, que envolva não só o uso medicinal e religioso, como também o industrial e recreativo.

Legalizar e regulamentar são bem parecidos. Legalizar é por nas leis as regras de como algo deve funcionar. Regulamentar pode ser feito usando-se leis, decretos, portarias etc. Por exemplo: a cannabis medicinal é legalizada. Tá na lei. Mas o ideal é que fosse melhor regulamentada, ou seja, que também fosse criado um decreto, via Anvisa, Min. da saúde etc., tornando mais explícito e detalhado o como é possível produzir, distribuir e utilizá-la para fins medicinais. Acho que os dois andam juntos. Primeiro se cria a lei que trata do tema. Depois, os decretos, portarias e tal que auxiliam no funcionamento dessa lei. Por exemplo, a Lei de Drogas atual já tem pelo menos duas ou três portarias e decretos que funcionam junto. Então o regulamentar é o termo mais correto, porque mais abrangente – e engloba o legalizar. Além disso, regulamentar não está estigmatizado como legalizar. Se você fala em legalizar, tem gente que acha que significa botar maconha na merenda escolar, o que seria uma maluquice total. Regulamentar ainda é um termo pouco usado, que estrategicamente é melhor pra ser usado por agora.

livro2.jpg

Alguma vez já te acusaram de apologia? Tanto pelo seu livro quanto pela sua posição em relação ao tema?

Então, o Mercado Livre e a Livraria Cultura se recusaram a vender o meu livro. Já a questão da apologia teve um caso, mas não foi muito pra frente e eu espero que não vá. Em fevereiro fui participar do julgamento de um cultivador, na qualidade de perito técnico sobre o tema. Não fui defendê-lo, só prestar esclarecimentos sobre o cultivo, os usuários e essa cena no Brasil. Respondi perguntas da promotoria, do juiz e da defesa. No fim do julgamento, o promotor mandou encaminhar denúncia contra o livro para o Ministério Público do Estado onde moro atualmente, Sergipe. Como não recebi intimação alguma até hoje, acho que não vai dar nada. Mas é sempre muito preocupante a minha situação.

Você se vê como um mártir do movimento?

Não, e acho isso uma furada. O movimento é feito por milhares, milhões, que dão a cara à tapa. Que trabalham muito ou pouco pela causa. Sempre tem aquele que vai querer ser o Imperador da Maconha. É algo comum no movimento, de vários países. Na Holanda tem o King of Cannabis, no Canadá o Prince of Pot, enfim. Fico puto com a postura de alguns de sentir como se o movimento fosse reflexo apenas de suas próprias ações. O movimento é maior que todos nós.

E sobre Quebrando o Tabu, o que tem a dizer?

Ainda não assisti, porque não está passando aqui em Sergipe, mas na verdade acho bom e ruim ao mesmo tempo. Tipo, é perigoso ver neoliberais como ele e o Eike Batista defendendo isso. Não quero a maconha legalizada pra virar mais um objeto de poder dos capitalistas. Além disso, ele não tá falando nada de novo – não fala tão bem sobre o tema, não tem tanto embasamento como uma porrada de outras pessoas que estão nesse debate há muito tempo. Por outro lado, é o FHC. Se minha avó ouvir ele falando, muda de opinião. Ele atinge pessoa que eu e outros especialistas não atingimos. Então, é importante. Como já dizia Jesus (segundo a Bíblia, claro): “Se não é seu inimigo, está do mesmo lado”. Ele não é proibicionista, ou melhor, não está proibicionista agora, então está do meu lado. Mas estar do meu lado não significa estar junto comigo, saca? É só pra quebrar tabus mesmo. Ele serve pra isso. É porque é o FHC, ex-presidente, e conseguiu convencer outras personalidades do mesmo peso a falar. Mas não é o debatedor mais afiado, ou mais preparado, para um segundo momento – quando precisaremos discutir o modelo de legalização.

E qual o maior entrave, na sua opinião, no que diz respeito a toda essa discussão no Brasil?

Acho que o maior entrave mesmo é estrutural. Não é a lei, não é a cabeça do Congresso. É a cabeça da sociedade, tanto dos usuários quanto dos não-usuários. Os não usuários têm enorme aversão a discutir o tema. E os usuários têm medo, de sair do armário, de se envolver com a militância. Pô, na Argentina, Espanha, Califórnia, etc – até mesmo na Holanda – não há legalização. Lá o que existe é um avanço na jurisprudência, que foi consequência direta da militância dos usuários e dos envolvidos com o tema. No Brasil nego tem medo até de ir à Marcha pra não tomar bala de borracha. Já na Espanha os cultivadores fundaram uma ONG, ainda no começo da década de 90, começaram a plantar pra distribuir sem fins lucrativos entre os associados, e chamaram a imprensa e a policia, pra criar um fato político e levar a discussão sobre a legalidade dos Clubes Sociais Canábicos (as Cooperativas, como chama o Paulo Teixeira), na Justiça! Ficaram presos, lutaram e ganharam! Imagina se os usuários brasileiros iam fazer isso? Preferem ficar torcendo pelo Paulo Teixeira e fumando maconha podre escondido em casa do que ir pra o enfrentamento. Então o principal entrave somos nós mesmos, na minha opinião. Costumo dizer que a legalização começa em casa. A legalização da própria mente, depois a legalização da mente dos pais, dos amigos, dos parentes, depois legalizar seu bairro, sua faculdade, os espaços que frequenta… Mas, principalmente, a legalização começa dentro da própria cabeça.

Com isso você quer dizer que as pessoas têm que plantar?

Cara, isso é o básico. Um usuário que não faz nada pra mudar a realidade da sua relação com a maconha, na minha opinião, não tem o direito de fumar. Pra mim, toda pessoa adulta que fuma maconha atualmente tem obrigação moral, ética, política e existencial, de tentar ficar auto-suficiente. Pode até não conseguir, mas tem que tentar.

E é fácil cultivar?

É tão complicado quanto cuidar de um cão, gato ou aquário. Qualquer um com predisposição aprende.

Tá, mas é mais fácil que cultivar azaleia?

Acho que sim. Não sei cultivar azaléia [risos].

Pra comprar o livro, clique aqui.

ENTREVISTA POR BRUNO B. SORAGGI

IMAGENS: CORTESIA

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Boa Vice, sempre dando uma força...

Pro Sergio nnao vou dar nem parabens pq aplaudir o cara é chover no molhado :emoticon-0156-rain:

Grande Alma Rastafari!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu faço uso medicinal e muitas pessoas que conheço poderiam faser o uso medicinal da cannabis,seria bom isso tudo se desembaraçar e sair do papel,com a agencia nacional da cannabis medicinal e tudo mais;aonde é que eu assino.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
"Mas é claro que sei que a maior parte das pessoa que compram o livro (..) são usuários querendo plantar sua própria maconha."

hauhauahu muito bom!

E qual o maior entrave, na sua opinião, no que diz respeito a toda essa discussão no Brasil?

Achei sensacional a resposta dada. Também acho bom atacar em todas as frentes, seja no cultivo caseiro de boa e aprofundamento da discussão com os demais próximos, participando das marchas e considerando até mesmo o martírio (SEM MORTE)

particularemente, todo meu apoio aos kamikazes da legalização ! !

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

kamikazes da regulamentação ! hehe

então.,, já tá LEGALIZADA!

demais demais

E sobre Quebrando o Tabu, o que tem a dizer?

Nunca se vence uma guerra lutando sozinho

Cê sabe que a gente precisa entrar em contato

Com toda essa força contida e que vive guardada

O eco de suas palavras não repercutem em nada

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro

Evita o aperto de mão de um possível aliado, é...

Convence as paredes do quarto, e dorme tranqüilo

Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo

Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz

Coragem, coragem, eu sei que você pode mais

É sempre mais fácil achar que a culpa é do outro

Evita o aperto de mão de um possível aliado

Convence as paredes do quarto, e dorme tranqüilo

Sabendo no fundo do peito que não era nada daquilo

Coragem, coragem, se o que você quer é aquilo que pensa e faz

Coragem, coragem, eu sei que você pode mais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Se Orkut ainda bombasse eu ia fazer a comú: "Eu pago pau pro Vidal!"

A mobilização pró legalização existe, porém os usuários em sua maior parte ainda estão "no armário".

Só os 40000 do growroom, sese organizassem teriam força pra começar um movimento incomensurável,

imagine se cada membro convencesse mais 3 pessoas do seu convivio a ter alguma militância?

Atitudes concretas. É o que faltaq da maioria do pessoal. Quem dera se todos os users deste fórum tivessem 10%

da coragem do Vidal. Já tava legalizada.

Bom começo com marketing de guerrilha: http://www.growroom.net/board/topic/42313-intervencao-em-semaforo-aquece-o-ativismo-em-fortaleza/page__fromsearch__1

BORA COMEÇAR COM O ATIVISMO KAMIKAZE!!!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

P...Q...P...!!!

Fantástica essa interpretação da legislação atual! Isso pode murdar o rumo das coisas galera. Não sei se vou falar M**** agora mas, se politicos aliados pudessem iniciar um "lobby" junto a ANVISA para um decreto ou portaria sobre estas Ongs de cultivadores (junto com os Growers e Médicos ativistas, claro), seria um passo muito grande na direção que buscamos. É uma solução MUITO inteligente, de repente não precisamos mudar a lei, "somente" condutas.

Certeza que precisamos replicar este modo de ver a legislação atual.

Parabéns ao Sérgio Vidal.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O Sergio é um cara único!

Quem já leu a monografia e o livro dele sabe de sua capacidade!

Ele tem uma expertise canábica sem igual!

Praiano, essa brecha legal existe! Uma pessoa jurídica que tenha como objeto social a pesquisa cientifica ou medicinal PODE pedir a Autorização Especial para cultivar Cannabis! As exigências documentais e de vistoria são grandes, mas é possível cultivar cannabis legalmente no Brasil!

O Sergio já questionou a ANVISA sobre as Autorizações Especiais, mas respostas foram negativas ou evasivas!

Eles nem dizem se já deferiram a Autorização Especial para alguma pesquisa...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Parabéns negão !!!!

:)

com certeza o porta voz da liberdade canabica ....

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu me sinto muito motivado cada vez que entro no fórum e me deparo com preciosidades como essas!

Hoje mesmo vou em reunir com alguns colegas e divulgar um material que venho acumulando aqui do site, documentários e livros. Eu ainda estou na esfera do convencimento dos amigos e colegas da universidade, mas tamo junto!

"Cannabis Medicinal - Introdução ao Cultivo Indoor" por Sérgio Vidal - EU TENHO!!! hehe

Fui buscar lá em SSA, e foi muito MASSA!!! Literalmente!

Li o livro todo na volta pra casa, no ônibus ainda. Agora estou divulgando entre os meus amigos, qualquer coisa acontece de ir lá de novo aí já faço o "avião" pra galera.

Grande Sérgio e galera do Growroom, Positive Vibrations!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Praiano, essa brecha legal existe! Uma pessoa jurídica que tenha como objeto social a pesquisa cientifica ou medicinal PODE pedir a Autorização Especial para cultivar Cannabis! As exigências documentais e de vistoria são grandes, mas é possível cultivar cannabis legalmente no Brasil!

O Sergio já questionou a ANVISA sobre as Autorizações Especiais, mas respostas foram negativas ou evasivas!

Eles nem dizem se já deferiram a Autorização Especial para alguma pesquisa...

Fala Sano!

Me diz uma coisa, a Abracanna não poderia ter entre suas propostas, a criação de um pólo de estudos médicos para solicitar essa autorização junto à Anvisa e consequentemente criar uma cooperativa de usuários dispostos ao tratamento com cannabis? Sei que o caminho é árduo, mas não seria uma forma de usar essa brecha da lei para darmos um bom passo na nossa caminhada?

Positividade!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Muito bom! Mas me preocupo com o seguinte:

PEDIR a autorização à Anvisa é uma coisa. RECEBER a autorização da Anvisa é outra.

Pelo menos pelo que eu entendi até hoje, a Anvisa simplesmente NÃO cede autorização pra nada, e pra ninguém sobre Cannabis, e que isso faz a ilegalidade absoluta ser a realidade prática da maconha e seus derivados.

E que eu saiba, desde sempre foi assim, nenhuma novidade nessa questão.

Néisso?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Só pesquisa que necessite efetivamente da planta!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vidal é o cara! alguma ONG tem que meter a cara e se jogar na batalha pra conseguir a autorização! pô temos mais definido na lei do que em outros países! caramba, o medicinal já é legalizado só não é permitido porque nunca ninguém pediu(até onde se sabe) como assim?? falta coragem.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Vidal um exército em um homem. Esse cara representa, parabéns ae por mais uma vez estar contribuindo nervosamente com o movimento.

Congratz Vidal, entrevista fera bem legal.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Valeu a força galera! Só falei o que penso :D. Grande abraço a todos os cultivadores de fé! Sigamos na batalha...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A anvisa é extremamente parcial em suas decisoes....., e bastante obvio que rola uma sujeirada grossa la..., são muitos interesses poderosos.

Pra conseguirmos isso vai ser preciso muita potencia $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$, e sorte.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...