Ir para conteúdo
Growroom

Análise De Insetos Aponta Origem Da Droga Consumida No Df


needsubstance

Recommended Posts

  • Usuário Growroom

fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/cidades/2011/05/14/interna_cidadesdf,252182/analise-de-insetos-aponta-origem-da-droga-consumida-no-df.shtml

Análise de insetos aponta origem da droga consumida no DF

Antonio Temóteo

Publicação: 14/05/2011 08:00 Atualização: 14/05/2011 00:32

Estudo realizado na UnB pelo agente civil Marcos Patrício Macedo faz parte de dissertação de mestrado (Fotos: Rafael Ohana/CB/D.A Press)

Estudo realizado na UnB pelo agente civil Marcos Patrício Macedo faz parte de dissertação de mestrado

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) começou a investir em novas metodologias para identificar a origem e as rotas usadas por traficantes de drogas no Brasil. Pesquisa desenvolvida por um agente da corporação revelou que é possível identificar a origem dos entorpecentes com base na classificação das espécies de insetos encontradas nos produtos apreendidos. O estudo faz parte da dissertação de mestrado do biólogo e policial civil Marcos Patrício Macedo, 31 anos, desenvolvido na Universidade de Brasília (UnB) em parceria com a PCDF. Ele descobriu, por exemplo, que 7,5 quilos de maconha recolhidos no DF chegaram ao país provavelmente pelo Paraguai, além de passar por Mato Grosso do Sul e Mato Grosso.

Macedo explicou que a ideia inicial do projeto era estabelecer um novo procedimento padrão para subsidiar investigações de combate ao narcotráfico e revelar os caminhos que a droga percorre até chegar às cidades brasileiras. Segundo ele, o levantamento teve como base a entomologia forense, ciência que estuda insetos com aplicação em investigações criminais. “Para se trabalhar com o combate ao tráfico de drogas, descobrir as rotas de distribuição e a origem do produto é essencial para se conseguir bons resultados”, destacou.

Durante a primeira fase de estudos, o biólogo recolheu manualmente 78 amostras de insetos encontrados em tijolos de maconha, apreendidos no DF em duas operações da polícia (veja arte). “Em algumas tijolos, encontrei 10 pedaços de asas e de patas e, em outras, não encontrei nada. Essa é a grande dificuldade do trabalho”, explicou.

Em seguida, Macedo analisou em laboratório os fragmentos encontrados e identificou quatro tipos de insetos: uma formiga, dois percevejos e um besouro. Após a identificação, o agente conseguiu constatar a espécie de três deles. A formiga é da família Cephalotes pusillus. Os dois percevejos, da Pentatomídeos. Não foi possível identificar a espécie do besouro.

“Para se ter uma lucratividade com a venda de maconha, é necessário o plantio em esquema de monocultura, em locais abertos e amplos. Dessa forma, os insetos acabam chegando até a droga. Quando a planta é cortada, triturada e embalada, o próprio animal vai embalado”, detalhou.

Cruzamento

Com os resultados em mãos, apenas as espécies classificadas foram utilizadas no passo seguinte do levantamento. Assim, foram mapeadas três regiões — interior de Pernambuco e Maranhão; sul da Colômbia, norte da Bolívia e Paraguai; sul do Mato Grosso e Mato Grosso do Sul — , com base em relatórios da Organização das Nações Unidas (ONU), que apontam os locais onde ocorreram as maiores apreensões de drogas na América do Sul.

Identificados os três centros de distribuição conhecidos no Hemisfério Sul, Macedo cruzou os dados levantados para constatar o lugar em que todas as espécies poderiam ser encontradas juntas. Das três, uma não ocorria no Nordeste, e outra não ocorria na Colômbia e na Bolívia. “Assim, identificamos que a droga veio do Paraguai, do sul do Mato Grosso e do Mato Grosso do Sul. Mas existem algumas ressalvas. O fato de uma espécie não ser encontrada em uma determinada localidade não significa que ela não exista nesse espaço. Ainda precisamos avançar na pesquisa”, ponderou.

Amostra da droga analisada: procedimento pode virar padrão

Amostra da droga analisada: procedimento pode virar padrão

Estudo genético

Com a possível identificação da origem e das rotas usadas para a maconha chegar ao país, o biólogo Marcos Patrício Macedo pretende ampliar a pesquisa desenvolvida durante o mestrado e realizar um estudo dos genes dos insetos encontrados.

“Vamos confrontar a familiaridade genética das amostras encontradas nos tijolos de maconha com a população do campo. Dessa forma, poderemos identificar um padrão específico e fazer uma ligação mais estreita entre o fragmento do animal recolhido no Brasil e o bicho que vive nos espaços naturais”, explicou.

Caso a segunda fase do levantamento seja positiva, a descoberta poderá alterar o planejamento de novas políticas públicas no combate ao tráfico de drogas. Segundo Macedo, em teoria, é possível que se faça uma pesquisa de identificação em até dois meses. “Nesse tempo, eu possivelmente conseguiria responder se a classificação dos insetos e a comparação deu certo. Mas isso também dependeria da qualidade das amostras e das condições de trabalho”, ressaltou.

O pesquisador avaliou que, caso o estudo se transforme em um procedimento padrão que trate exatamente da investigação por insetos, não necessariamente será a única ferramenta para esse tipo de análise. “Se a pesquisa entomológica for confirmada por outros métodos, ela ganha corpo. Mas, mesmo assim, é como um remédio, exige diversos testes para se tornar metodologia padrão. Caso isso não ocorra, pode gerar um embate muito grande nos tribunais, pois a metodologia poderia ser contestada.”

Sem noção esse puliça viu!

Precisa gastar tanto tempo e dedicação pra descobrir que o prensado daqui vem do Paraguai?

Fala sério!

O pior é que o jornal quer dizer que a Polícia Civil do DF está investindo nisso. Porra, eles só tem autonomia no DF, não podem investigar em nenhum outro lugar! Vê se a PF faz esse tipo de estudo. VTNC!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Com certeza oque não vai faltar é inseto para ele analisar nesses prensados da vida.

Mas pqp, precisa do sujeito fazer a análise biologica dos insetos contidos na maconha para saber que esse prensado vem do Paraguai??? Vai fazer outra coisa da vida meu filho, vai pesquisar as milhares de utilidade da nossa santa erva que com certeza vai ser mais gratificante do que ficar procurando pata de barata no meio do prensado.

Cada uma que aparece....

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

esse dai daqui a 2 anos vai ter que fazer outro mestrado... pq esse vai ter sido totalmente inutil.

Ou melhor, não vai conseguir defender sua tese de tão obvia que é (até uma criança sabe que tanto a maconha como o inseto que tá na maconha prensada vem do Paraguai)

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Como biólogo achei o estudo e a metodologia bem interessante, apesar do resultado óbvio, e como usuário acho que após a legalização a relevância do estudo só vai aumentar, como parte de um sistema de controle de qualidade. A gente quer a regulamentação da erva, né? Um controle de qualidade é indispensável.

EDIT:

Além disso, pode ser bem óbvio que a quase totalidade da maconha vendida no sudeste é paraguaia, acho que o mesmo pode não ser óbvio em relação aos grandes centros urbanos do nordeste. Se um dos nossos argumentos mais fortes a favor da legalização e regulamentação é a arrecadação de impostos gerada em função da erva, vai ser importante coibir a produção e comercialização ilegal, e saber de onde está vindo o produto ilegal será importante nesse sentido

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Como biólogo achei o estudo e a metodologia bem interessante, apesar do resultado óbvio, e como usuário acho que após a legalização a relevância do estudo só vai aumentar, como parte de um sistema de controle de qualidade. A gente quer a regulamentação da erva, né? Um controle de qualidade é indispensável.

EDIT:

Além disso, pode ser bem óbvio que a quase totalidade da maconha vendida no sudeste é paraguaia, acho que o mesmo pode não ser óbvio em relação aos grandes centros urbanos do nordeste. Se um dos nossos argumentos mais fortes a favor da legalização e regulamentação é a arrecadação de impostos gerada em função da erva, vai ser importante coibir a produção e comercialização ilegal, e saber de onde está vindo o produto ilegal será importante nesse sentido

2x

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Eu não disse que o estudo visava um controle de qualidade. De qualquer forma, o detalhe é que o objetivo do estudo não conta muito em relação à relevância das informações levantadas, e sim o método, que no caso não tenho críticas.

Eu não disse que esse seria o sistema de controle de qualidade, mas parte dele. É importante saber a proveniência de um produto que não atinge o padrão exigido pelo mercado de modo a impedir que este entre no mesmo. Igual produto pirata.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
×
×
  • Criar Novo...