Ir para conteúdo
Growroom

Policia Faz Cerco A Predio De Professor Que Cultiva Maconha


Recommended Posts

  • Usuário Growroom

O juiz usa a lei e não o dicionário... Na lei a definição de tráfico é um pouco diferente dessa... Bem mais complexa...

abs

Então o juiz é mero aplicador da letra morta? Foda-se a hermenêutica? A concepção tridimensionalista?

Na época em que estudei Penal se dizia que "Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal." ou ainda "Nullum crime, nulla poena sine praevia lege".

Peço ao amigo normativista que me atualize, que parte da lei diz que 108 pés é um cultivo que não é de pequena quantidade? Se não estiver regulamentado então não tem crime, certo?

"Aos amigos tudo! Aos inimigos, a lei" Até quando aceitaremos que nos chamem de inimigos?

:Porro:

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Respostas 1.3k
  • Created
  • Última resposta

Top Posters In This Topic

Top Posters In This Topic

Popular Posts

100 plantas 10 kilos? Fala mais merda nao zezin, tirar 100gr por planta é coisa que poucos tiram, e ainda fala que sa ser pego com 10 kilos de prensado e igual ser pego cultivando 100 plantas... es

Atenção!!! Atenção senhores JUÍZES de plantão!!! Atenção MACONHEIROS de plantão!!! Vamos todos fumar para acalmar os ânimos... reparem... vcs estão trocando ofensas à toa... Jogando adrenalina à t

eu gostaria de ter mais de 108 pés pra consumo!!!! só falta espaço... liberdade pra plantar! grande abraço!!

  • Usuário Growroom

Pessoal, vejam como atitude positiva e ação mesmo que simples pode trazer resultados práticos pra nossa causa:

Depois que mandei o meu texto pro editor do JC, Jornal da Cidade de Bauru esclarecendo EDUCADAMENTE alguns pontos sobre a causa grower, ele me respondeu super bem, pareceu bem inteligente e receptivo ao diálogo. Agora recebi um e-mail do repórter de lá, parece que vão veicular uma nova matéria sobre o assunto, talvez mostrando um ponto de vista mais favorável a nossa causa:

Boa tarde, XXXX

Sou Luiz Beltramin, repórter do JC (editoria de domingo) e, conforme explicado pelo Jabbour em email anterior,

trabalho em matéria para o final de semana sobre o tema abordado por vc, via email, semana passada;

Gostaria de uma entrevista contigo. Pode me passar um contato?

Grato,

abraço,

Luiz

Luiz Beltramin (Repórter)

Jornal da Cidade - Bauru (SP)

Rua Xingu, 4-44 - Higienópolis

Amigos, vamos contribuir, vamos usar esse espaço pra fortalecer a nossa causa, e enfraquecer o lado negro da força!! Dêem dicas do que devo tentar colocar pra eles, e etc..

VAMOS, PODE SER UM PASSO PEQUENO, MAS É UM PASSO PRA FRENTE!!! FORÇA COMU!!!

POSTEI AQUI PRA DAR FORÇA PRO PESSOAL DO RIO, APESAR DE NÃO TER CONSENSO QUANTO AO NÚMERO DE PLANTAS, PODEMOS INFORMAR AS CONDIÇÕES REAIS DE UM CULTIVO E EXIGIR RESPEITO Á LEI 11.343 NOS ENVOLVIDOS DO CASO GROSSI, A DELEGADA, PROMOTORES, POLICIA ETC ETC

O QUE ESTAMOS ESPERANDO PRA AGIR??? VAMOS LUTAR PELA NOSSA LIBERDADE!!

COMO OS COLEGAS SABIAMENTE COLOCARAM, "SE NÃO FORMOS OS PUXADORES DA MUDANÇA, QUEM SERÁ"???

BASTA DE PESSIMISMO, DESÂNIMO E PICUINHAS!!! VAMOS NOS UNIR E CONQUISTAR NOSSO DIREITO DE PLANTAR E FUMAR EM PAZ!!

Abraços!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Eu tb acho que seria uma idiotice da nossa parte partirmos de um certo numero de PES para definir usuário ou traficante.

Porém temos que pensar que quem irá julgar e aprovar qquer proposta, são os caretas e completamente analfabetos no que diz respeito a cultivo da nossa planta.

Sei lá, é um tiro no pé limitar o numero de plantas, mas sempre digo....num acordo as coisa devem ser boa para ambas as partes envolvidas e nesse caso um pouco de sensatez e humildade nos objetivos a se alcançar não seria ruim, ou seria ?

Qual o numero de plantas ? Isso é outros quinhentos...mas se pegarmos de modelo a legalização de outros paises, são poucos os que não colocaram qquer limite, não é verdade.

Porque não apresentar um limite ? Alguns precisariam de muita planta para tirar um rash. Pois é, agradar gregos e troianos não é facil, temos que pensar na massa e não em alguns casos a partes que podem até conseguir uma autorização para n.º extra de plantas caso necessite, e tb como alguns já disseram, SE LIBERASSEM APENAS UMA JÁ FICARIA FELIZ, e duvido que a maioria aqui não iria ficar.

Não estou falando pra limitar o numero de plantas, nem o contrário, mas temos que pensar com muito cuidado como os legisladores irão raciocinar, pois quem muito quer nada tem.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Consultores Jurídicos GR

Então o juiz é mero aplicador da letra morta? Foda-se a hermenêutica? A concepção tridimensionalista?

Na época em que estudei Penal se dizia que "Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal." ou ainda "Nullum crime, nulla poena sine praevia lege".

Peço ao amigo normativista que me atualize, que parte da lei diz que 108 pés é um cultivo que não é de pequena quantidade? Se não estiver regulamentado então não tem crime, certo?

"Aos amigos tudo! Aos inimigos, a lei" Até quando aceitaremos que nos chamem de inimigos?

:Porro:

Nós estamos discutindo o que é tráfico e não quantidade de plantas. A definição legal de tráfico se encontra na lei e não no dicionário. São mais de 17 tipos penais e não apenas "vender". Esse post era sobre isso.

Mas se vc quiser discutir hermenêutica... Para mim SIM! FODA-SE a hermenêutica!!!! Hermenêutica é um privilégio dado à classe dos juristas para que eles digam o que a lei quer dizer! Eu sou Kelseniano colega e para mim lei é comando, ou seja, algo objetivo e não subjetivo. Se vc precisar interpretar um comando, corre risco de fazer algo que lhe foi comandado. Por isso, as "leis para pobres" são claras (Matar alguém, 121 CP por exemplo), mas a lei para ajudar o pobre não é (inversão do ônus da prova no Código de Defesa do Consumidor, com vários conceitos jurídicos que só são compreendidos numa faculdade de Direito), Para mim a lei tem que ser clara como um copo dágua, e exteriorizada na linguagem mais simples possível, que alcance o maior número de pessoas. Se uma lei é interpretada de maneira diferente por ministros do STF que têm mais de 20 anos de experiência, é porque ela foi mal redigida e não serve para nada... Lei, como diria Kelsen, é para regular condutas e não para punir ilícitos. E se a lei não é clara e ninguém conhece, ela acaba não regulando nada... E isso gera mais privilégios e desigualdades...

abs

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Nós estamos discutindo o que é tráfico e não quantidade de plantas. A definição legal de tráfico se encontra na lei e não no dicionário. São mais de 17 tipos penais e não apenas "vender". Esse post era sobre isso.

A lei é um lixo. Faz uso dos mesmos verbos para definir usuário e traficante, sem ao menos se dar ao trabalho de especificar quantidades. Outra questão é a ignorância (má-fé) sobre os modos de utilização de cada tipo de droga. Maconha é uma droga social, muitas vezes envolvendo grupos. O verbo 'oferecer' no artigo 33º leva a interpretação de que quem passa um baseado numa roda é um traficante.

Concordo com você quando diz que as leis tem que ser claras, principalmente no âmbito penal, que lida com um bem tão precioso como a liberdade do indivíduo.

Ao deixar que a lei seja interpretada pela autoridade policial ou judicial o que criamos é uma desigualdade em sua aplicação, baseada em preconceitos dos indivíduos que a estão aplicando.

Mudanças já... (Pena que o 5 não entrou na câmara)

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Então, eu acho que pra essa lei mudar, teria que ser numa mudança constitucional, pois a nossa ultima constituição, se nao me engano eh de 87, e na parte de drogas faz-se lei pétrea (imutável, a não ser por meio de mudanças como foi a do 12 e 16 para esses novos, que para mim confundiram e não se aplicaram pois a nossa policia e os legisladores foram ineficazes...

Juristas de plantão, isso procede???

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

E essa lei 11.343 é outra mal feita!

Como um magistrado vai saber se 108 pés é pequena quantidade ou nao?

Eu tenho pra mim que a interpretação da lei deve ser no sentido de pequena quantidade ser a quantidade suficiente para o consumo indivudual da pessoa, independentemente do quanto essa pessoa consome.

Se é de fato o cultivo de autosuficiêncida dessa pessoa, pouco importa que quantidade é, desde que fique bem claro que é apenas para o consumo do cultivador.

Isso fora do contexto de cultivos cooperados ou coletivos, que é algo que o judiciário ainda não enfrentou.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Não sei se esse é o melhor tópico pra discutir isso, mas....

A lei impõe essa de "pequenas quantidades" e aqui mesmo não vai existir consenso quanto a isso.

Eu só fumo hash, fumo mole 50g por mês quando tem pouco, se tiver avonts, vou fumar muito mais. Quanto de plantas posso ter pra ficar com 100g de hash por mês? ou 1.2 kg por ano?

E o cara que precisa usar como remédio, talvez use mais ainda do que isso?

Então irmão, nossa idéia é justamente essa achar um consenso pra essas questões. É difícil pra cacete, ainda mais digitando em fórum, mas temos que tentar.

O que eu quero dizer com isso é, se NÓS vamos propor uma mudança na regulamentação da lei, porque diabos que NÓS vamos criar limitações pra NóS MESMOS?

Pra mim, limitar quantidade de pés, de fumo, de lâmpadas, m² é uma bobagem, perda de tempo, desculpem. Estamos dando corda pra NOS enforcarem.

Limitados nós já somos 100%. A corda ta sempre no nosso pescoço e hora ou outra chutam o banquinho de alguém. A idéia de estabelecer um numero de plantas é somente facilitar a vida das pessoas que vão legislar sobre o tema. Qualquer grower com um pouco de experiência sabe que os fatores efetivos pra produção são LUZ e ESPAÇO, número de plantas é detalhe.

O que tem que ser determinado por lei é a FINALIDADE, o PERFIL, a CONDUTA do usuário e do grower, e não variáveis subjetivas, como quantidade de pés ou de fumo.

Irmão, vc ta equivocado. A lei atual se firma na conduta e na finalidade

do cultivo pra determinar se é tráfico ou uso pessoal, essas são as variáveis subjetivas. Determinar um numero de plantas a ser respeitado será objetivo. Como o cabelo disse, o delegado ta pouco se fudendo pros outros, por isso não chama a responsa pra ele nesses casos, se na lei disser que quem planta 8 vasos não pode ser preso ele só vai perguntar isso:

Quantos vasos esse puto desse maconheiro tinha?? 6 árvores??? Manda embora, manda embora.

Entendo que hoje o "pequenas quantidades" do art. 28 é subjetivo também, mas a lei pode ser mudada sem usar limites que apenas podem nos prejudicar.

Mentor, você mesmo já falou em algum tópico sobre a lei de Portugal ser boa e tal , e ela determina uma quantidade específica pra portar de cada droga.

Essa limitação de quantidade de pés, de fumo, mata por completo uma variação de lei que não podemos ignorar como bastante interessante utilizada na Espanha, ou no Canadá, os clubes de cannabis, cultivos coletivos. Será que cada um vai ter o seu growzinho em casa, não podemos pensar em grupos de cultivo coletivo?

Essa limitação de quantidades de pés mata essa possibilidade antes mesmo de avaliar a lei.

Podemos, cedo ou tarde vai existir. Depois que a gente puder plantar, no dia seguinte vai ter alguém reinvindicando isso, pode ter certeza, mas tem q ser uma coisa de cada vez. Acabeid e ler em outro tópico o Ppverso falando que o judciário nunca enfrentou isso, mas é lógico né, aqui não pode nem fumar, que dirá plantar em sociedade pra distribuir pra quem precisa. Acho essa idéia muito viável mas temos q ir devagar.

Na boa? Não sei se eu quero ter o meu grow, ou se seria mais interessante fazer parte de um clube de cultivo.

Ta explicado porque o seu discurso é tão bom, mas não se aproveita muito na prática, vc não ta com grow, logo tb não ta com a corda no pescoço. Conheço muita gente que tb não vai querer plantar, mas te garanto que o acesso a cannabis de boa qualidade vai ficar muito mais fácil com uma lei regulamentando qualquer coisa.

Se vai partir de nós qualquer sugestão de avanço, que não parta de nós limitações a nós mesmos.

Tem que partir de nós o avanço, o que não tem acontecido, fora pequenas vitórias não mudou muito desde quando entrei aqui. Toda nossa discussão tem que ser visando como trazer as idéias pra prática se não for assim não faz muito sentido gastar esse tempo q gastamos aqui.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Pegamos o maior cabeça dinossauro do GR e calculamos pelas necessidades dele. E quem quiser cultivar um numero menor de plantas que o faça.

1 - Plantas Madres - Qual seria o numero mais indicado de madres?????

Esse detalhe podemos resolver cultivando em ''sociedade'' junto a outros growers. Pra não aumentar muito o numero de plantas cada grower poderia ter de 2 a 4 madres. Numa sociedade de 5 ou 6 agricultores, os próprios teriam de 10 a 24 strains, o que pra mim é mais do que suficiente pra optar entre as melhores e realizar permutas entre si.

2 - Clones - Como funcionaria um perpetual?????

Aqui me parece um grande problema, porem tb ira depender da forma como cada grower mantem o seu consumo.

Comigo atualmente tenho 20 plantas na flora ficaria com 40 plantas ao total. Porem penso em aumentar esse numero pra 30 plantas e ai sim ficaria tranquilo em relação ao meu consumo. Porem seria 60 plantas nas ultimas duas ou tres semanas de flora, mais 4 madres = 64 plantas.

Eu acho que vai por ai.

Boris essa idéia sua é excelente. Não adianta só falar que a cannabis não faz mau, que tem uso medicinal e blá blá blá.

Temos que ter um argumento forte na intenção de que quando a lei mude, não permita somente duas ou tres plantas por cabeça. Na teoria daria quase na mesma como o Brocolis ja tinha comentado põe duas plantas debaixo de 2000 W e com podas e amarras tira -se mais que 1 kg em cada uma.

Mas eu ainda prefiro ter mais opções de planatas = maior numero..

Desculpem o post gigante ainda mais sendo off topic, mas acho que devemos pensar em algo nesse sentido tb

(Detalhe não estou fazendo apologia as permutas pois sei que quebra uma das regras do forum. Apenas estou sugeirndo uma ideia)

Abraços

É isso irmão, alguma limitação nós teremos não tem como fugir, já tem um pessoal se ligando nisso. É apenas um primeiro passo pra mudar nossa realidade.

Ano passado (ou 2010) esse tema foi levantado em alguns eventos, o próprio Bas foi inquirido num deles sobre o que era um número razoável pros grower, tem vídeo que não me deixa mentir. A gente tinha que se antecipar e tentar debater.

O que é muito ou pouco sempre será subjetivo, em 2006 o legislador cometeu o erro de inserir um teor subjetivo justamente na parte mais importante da Lei, diferenciar usuário de traficante. Acredito que na próxima redação ele não vá insistir no mesmo erro, inclusive porque a demanda pra mudar a Lei é justamente essa. Temos que pensar também na dificuldade do legislador, bem ou mal não foi ele quem proibiu, agora ele tem essa pica de resolver esse problema na mão, diversos interesses conflitantes, uma guerra civil explodindo na rua e um clamor popular conservador.

Você entendeu irmão que a discussão não é se vai limitar ou não, é em quanto vai limitar. Eu também prefiro ter um número maior de plantas pra ter mais opções de cultivo, do que ter que virar pra plantar com 3. Um adendo polêmico, se liberarem 3 eu vo ficar felizão e vo colher o mundo com 3 plantas.

Você já citou algo aí q nem tinha pensado, sobre as madres. Se o cultivo vai ser legalizado e o porte de pequenas quantidades também, será muito fácil eu ter 1 madre, vc outra, o sano outra, o mentor mais uma. Só aqui já temos 4 genéticas diferentes, se isso já rola hoje em dia, imagina com o cultivo LEGALIZADO, ainda que num primeiro momento não seja permitido trocar plantas sei la.

Você concorda mas acha que um número ideal seria em torno de 60, show de bola assim a gente começa a pensar nisso.

Então meu camarada boris!

A lei fala apenas em pequena quantidade! E isso complica muito!

Temos um topicco sobre o q é pequena quantidade, e chegar a uma conclusão é muito pessoal!

No meu cultivo a população é flutuante! No inverno mais, no verão menos plantas! Eu acho que se é pra chutar um numero fico com fico com 36! 6 madres! 30 clones!

Mas so aceito isso numa fase de transição! Num modelo definitivo, não deve haver qualquer limite!

Pois então Sano, eu acho que num primeiro momento entraremos numa fase de transição cara. Fechar os olhos pra isso é um idealismo contraprodutivo. Na california essa fase tá rolando, mesmo com todos os avanços eles ainda estão longe do modelo definitivo. A gente ta querendo dar um passo maior que as pernas e insistindo numa estratégia que não tem dado certo, vc pode dizer que o ativismo ta evoluindo mas estamos diperdiçando nossas capacidades com um discurso surreal.

Não é só chutar um número irmão, é pensarmos num número que permita que a gente se adapte a ele e ao mesmo tempo seja razoável pros conservadores que vão avaliar o projeto. Você concorda que 36 é um número próximo de 25, 20 (o nº q seja)? Com uma nova realidade cannabica no Brasil será fácil adaptar o cultivo. O trasntorno de ter q se adaptar a regras impostas pelo governo é menor do que o de ser preso. Qualquer grower com um pouco de experiência sabe que o número de plantas não é determinante pra produção, as variáveis efetivas são LUZ e ESPAÇO.

O mentor falou em algum lugar que o Ethan acredita que o Brasil tem condições de liderar o avanço antiproibicionista na América Latina, isso eu não concordo nem a pau. A visão que ele tem do Brasil é de dentro pra fora, nós que vivemos aqui sabemos como as coisas acontecem na realidade. Nossa diplomacia é fraca cara, não fique chateado. (rs)

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

a discussão não é se vai limitar ou não, é em quanto vai limitar.

Se o cultivo vai ser legalizado e o porte de pequenas quantidades também, será muito fácil eu ter 1 madre, vc outra, o sano outra, o mentor mais uma. Só aqui já temos 4 genéticas diferentes, se isso já rola hoje em dia, imagina com o cultivo LEGALIZADO, ainda que num primeiro momento não seja permitido trocar plantas sei la.

Não é só chutar um número irmão, é pensarmos num número que permita que a gente se adapte a ele e ao mesmo tempo seja razoável pros conservadores que vão avaliar o projeto. Você concorda que 36 é um número próximo de 25, 20 (o nº q seja)? Com uma nova realidade cannabica no Brasil será fácil adaptar o cultivo. O trasntorno de ter q se adaptar a regras impostas pelo governo é menor do que o de ser preso. Qualquer grower com um pouco de experiência sabe que o número de plantas não é determinante pra produção, as variáveis efetivas são LUZ e ESPAÇO.

O mentor falou em algum lugar que o Ethan acredita que o Brasil tem condições de liderar o avanço antiproibicionista na América Latina, isso eu não concordo nem a pau. A visão que ele tem do Brasil é de dentro pra fora, nós que vivemos aqui sabemos como as coisas acontecem na realidade. Nossa diplomacia é fraca cara, não fique chateado. (rs)

Concordo em tudo que o Boris vem falando.

Aliás temos conversado muito sobre esse assunto, e os growers tem que entender de uma vez, que infelizmente, num primeiro momento teremos que lidar com um nº limite de plantas.

Então temos que facilitar o trabalho do legislador e colocar um nº que seja bom para os growers e ao mesmo tempo não pareça algo surreal para os conservadores.

Não adianta agora ficarmos com esse discursso ideológico de que a cannabis é apenas uma planta e que temos o direito de cultivar livremente porque infelizmente não vai dar certo.

É como o Boris já falou. É muito mais fácil se adaptar a uma nova realidade do que correr o risco de ser preso.

Até porque com a legalização a cultura cannábica no Brasil vai crescer e teremos growshops e headshops (assim espero) em cada esquina tornando assim muito mais fácil a transição para uma nova lei.

Galera, parem para pensar racionalmente e se coloquem no lugar de quem vai avaliar esse projeto.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Fico chateado não, meu nobre Boris!

Sei o que você quer dizer, mas acho que o ativismo cannabico deve ser como o ativismos ecológico. Deve ter o greenpeace, aqueles moderados, que buscam passo a passo a mudança. Mas tb deve ter o Sea Shepherd, mais radical, com atitudes mais diretas e contundentes contra o proibicionismo e com uma demosntração clara do que queremos.

E cada um adote o ativismo que lhe convir! Quer brigar só pela descriminalização do consumo e regulamentação do cultivo, beleza! Outro quer ir até regulamentação total da cannabis, ótimo.

Mas o importante é estarmos todos brigando pela mundança.

É certo que teremos estágios transitórios, e que certamente já irão satisfazer nossos anceios imediatos de consumir e cultivar sem problemas com a lei. Mas e aqueles que não podem cultivar? E os pacientes?

Vamos deixar eles na mão, ou vamos brigar para haver uma regulamentação total?

Sinceramente, pra mim, já tá ótimo como tá, basta eu ficar na minha, recluso em casa, cuidado das plantas e fumando... mas e os milhares que precisam comprar na boca, e os pacientes que não tem direito ao seu remédio, e os shivaistas ou Rastas que não tem seu sacramento contenplado pela lei dos homens, e o pior, as gerações futuras que serão cada vez mais atingidas por conta de um proibição ilegitima, ineficaz e acima de tudo INJUSTA?

Se não formos nós a mudança, quem será?

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Por favor galera, não me julguem mal quando eu disse que os caras estavam plantando pra traficar...

Mas não dá pra comparar um "armário" que um cara usa pra plantar seu fumo com o "grow op" profissa

dos caras...o foda é que os caras escancararam tudo...E isso é que prejudica e muito a nossa causa!

Eu sou a favor da legalização total (claro! hehehe) e não só da descriminilização de usuários e growers...

Na minha opinião (na base do bom senso, não estudei direito) o jeito mais fácil é determinar um número de pés sim....seja 10, 20, ou 25...

Pensa no caso do condado de Mendocino na Califa, em que pode plantar até 25 pés para uso medicinal ou recreacional...

Mesmo lá os caras teriam mais de 4 vezes o permitido, imagina aqui no Brasil!

Keep growin'

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Por favor galera, não me julguem mal quando eu disse que os caras estavam plantando pra traficar...

Mas não dá pra comparar um "armário" que um cara usa pra plantar seu fumo com o "grow op" profissa

dos caras

Mano, como você pode pedir para os outros não te julgarem se vc mesmo já está julgando os Grossi!?!?!?

Isso soa no mínimo contraditário!!!!! <_<

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

precisamos FERVER, ESCANCARAR, o ATIVISMO CANNABIS LIVRE, todos os DIAS, Toda HORA, só relaxar quando LEGALIZAR

depositar nossa força pra isso

com toda a força do corpo alma e espirito...

NÃO AGUENTO MAIS... ficar de ativismo "conta gotas".... vamos ESCALDAR TUDO até fazer quem sabe um vt de 30 segundos e veicular na Globo(é caro mais é o impactante, na hora do JN),Band,Record,TVE... youtube/orkut/tuiter/emails/facebook...TODAS AS MIDIAS IMAGINAVEIS...

ou fazemos uma MANOBRA LEGALIZA BRASIL , ou vamos marchar com 500 pessoas , e vao nos chamar de ridiculos,,, pq eles tem noção que somos 1.000.000 de maconheiros em cada estado , e quando tem uma marcha aparece 500/1500

9 mil e tantos votos teve o Cinco 5055, cadê os 9 mil eleitores na marcha do rio??????

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Voltei aqui depois de alguns dias longe pensando que iria encontrar algo concreto que eu pudesse fazer para ajudar... mas nada. E aí galera, vamos ficar discutindo infinitamente mesmo? Será que nãom tem ninguem mesmo disposto a liderar um movimento planejado e organizado?

Isso já tá sendo feito, mas não nesse tópico aqui.

Abs.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Eu tenho pra mim que a interpretação da lei deve ser no sentido de pequena quantidade ser a quantidade suficiente para o consumo indivudual da pessoa, independentemente do quanto essa pessoa consome.

Se é de fato o cultivo de autosuficiêncida dessa pessoa, pouco importa que quantidade é, desde que fique bem claro que é apenas para o consumo do cultivador.

Isso fora do contexto de cultivos cooperados ou coletivos, que é algo que o judiciário ainda não enfrentou.

É isso irmão, alguma limitação nós teremos não tem como fugir, já tem um pessoal se ligando nisso. É apenas um primeiro passo pra mudar nossa realidade.

(...)

O que é muito ou pouco sempre será subjetivo, em 2006 o legislador cometeu o erro de inserir um teor subjetivo justamente na parte mais importante da Lei, diferenciar usuário de traficante. Acredito que na próxima redação ele não vá insistir no mesmo erro, inclusive porque a demanda pra mudar a Lei é justamente essa. Temos que pensar também na dificuldade do legislador, bem ou mal não foi ele quem proibiu, agora ele tem essa pica de resolver esse problema na mão, diversos interesses conflitantes, uma guerra civil explodindo na rua e um clamor popular conservador.

(...)

Concordo em tudo que o Boris vem falando.

Aliás temos conversado muito sobre esse assunto, e os growers tem que entender de uma vez, que infelizmente, num primeiro momento teremos que lidar com um nº limite de plantas.

Então temos que facilitar o trabalho do legislador e colocar um nº que seja bom para os growers e ao mesmo tempo não pareça algo surreal para os conservadores.

Não adianta agora ficarmos com esse discursso ideológico de que a cannabis é apenas uma planta e que temos o direito de cultivar livremente porque infelizmente não vai dar certo.

É como o Boris já falou. É muito mais fácil se adaptar a uma nova realidade do que correr o risco de ser preso.

Até porque com a legalização a cultura cannábica no Brasil vai crescer e teremos growshops e headshops (assim espero) em cada esquina tornando assim muito mais fácil a transição para uma nova lei.

Galera, parem para pensar racionalmente e se coloquem no lugar de quem vai avaliar esse projeto.

Me alongando mais no raciocínio, não é o número de plantas que vai dizer se a quantidade é "pequena" ou não, mas sim o quanto o indivíduo está produzindo. Se ele produziu 3 Kilos em um cultivo outdoor num sítio, manicurou 1, fez icehash com outro 1, e com o terceiro ele fez óleo, e ele vai consumir tudo, porque isso seria outra coisa senão um perfeito e normal AUTOCULTIVO?

Não podemos nos sujeitar a um limite, que vai ser imposto por pseudo-suposição do que seja um plantio de autosustento.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

vou dar minha opiniao!

planto ganja a um tempo e todo o aprendizado que tenho devo ao growroom e ao mst que me abrigou por alguns anos!

junto com este louvado movimento(nem tudo e tao perfeito) aprendi muitas coisas.

nao vendiamos o que plantavamos, mesmo porque nao sobrava nada!!heheh

mais acredito que nem se for traficante nao o devemos julgar, sendo que estamos em uma sociedade que lutamos uns contra os outrao, seja no transito, numa faixa de pedestre, comprando um dvd pirata, ou parando em frente uma mineradora com uma bicicleta feita de ferro e meter o pau na mineradora que extrai o ferro para sua bike! nao podemos ser hipocritas e julgar a atitude dos outros. Antes vamos ver nossas atitudes. Alem do mais, se ele traficava, ele levava uma erva que de uma forma ou de outra esta iluminado o local! acredito muito no poder da ganja, poder transformador!! se nao tivessemos os traficantes, (EU pelomenos) nao conheceria a ganja!

e outra, esses caras de fato nao precisavam traficar, e mesmo se precisam(Hj escutamos alguns que ganham este tanto e ainda falam que estao sem dinheiro em algumas epocas- é como se dizem, quanto mais temos mais queremos gastar) tudo isso se deve a nossa culpa, nosso preconceito e nossa futilidade!

o mercado informal, como o do trafico, da pirataria, camelos, shopping populares, aparece pq nos colocamos como nosso deus um mercado que na verdade é muito excludente, que nao aceita, gays, negros, loucos, velhos....esta tal de mao invisivel, do liberalismo-ou hj neo liberalismo- so funciona quando vai tirar coisas nossa...mao invisivel, bem visivel!!hehe

traficante é comerciante! (vejo como a caretice pegou os maconheiros, e cada vez mais vejo que o sonho de um careta e a realidade de um maluco)

rebele-se! lute! resiste! plante!

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

Me alongando mais no raciocínio, não é o número de plantas que vai dizer se a quantidade é "pequena" ou não, mas sim o quanto o indivíduo está produzindo. Se ele produziu 3 Kilos em um cultivo outdoor num sítio, manicurou 1, fez icehash com outro 1, e com o terceiro ele fez óleo, e ele vai consumir tudo, porque isso seria outra coisa senão um perfeito e normal AUTOCULTIVO?

Não podemos nos sujeitar a um limite, que vai ser imposto por pseudo-suposição do que seja um plantio de autosustento.

PPerverso, eu sei disso, vc sabe, e todos aqui do GR tb sabem disso.

Mas quem vai avaliar o projeto sabe!?!?

Digo e repito.

Achar que vão deixar cultivarmos livremente sem restrição é um sonho.

Até onde sei, nenhum país do mundo fez isso, pq acham que no Brasil, um país na sua grande maioria conservador e cheio de hipócritas, seria diferente!?

Como já foi dito, a discussão não é para decidir se vai haver restrição ou não.

A discussão é para saber de QUANTO será essa restrição.

GALERA, acordem para realidade e parem de viver em Wonderland.

Eu tb gostaria mt de poder cultivar sem restrições, mas tenho total consciência de que isso será impossível num primeiro momento.

Link para o post
Compartilhar em outros sites
  • Usuário Growroom

PPerverso, eu sei disso, vc sabe, e todos aqui do GR tb sabem disso.

Mas quem vai avaliar o projeto sabe!?!?

Digo e repito.

Achar que vão deixar cultivarmos livremente sem restrição é um sonho.

Até onde sei, nenhum país do mundo fez isso, pq acham que no Brasil, um país na sua grande maioria conservador e cheio de hipócritas, seria diferente!?

Como já foi dito, a discussão não é para decidir se vai haver restrição ou não.

A discussão é para saber de QUANTO será essa restrição.

GALERA, acordem para realidade e parem de viver em Wonderland.

Eu tb gostaria mt de poder cultivar sem restrições, mas tenho total consciência de que isso será impossível num primeiro momento.

Mano, a restrição é e tem que ser entendida como a destinação do cultivo, a lei é clara!!! Se o grower produz uma quantia tal, que é a suficiente para ele e só ele, a conduta dele tem que ser embarcada pela hermenêutica que melhor se estrai da legislação.

Eu considero o número de plantas um critério pouco objetivo e sujeito a manipulações, como árvores de 3 metros, que produzam kilos de cannabis, ou falhas técnicas, já que é difícil você adequar um cultivo perpétuo, com madres variadas e seus clones enraizando, vegetando, sexando/florindo.

E se as outras legislações dos outros países que limitam, impõe restrições inaplicáveis na realidade do grower, por que a gente não pode sonhar com uma legislação que sirva como inspiração para as próximas legislações que seguirão a nossa, do tipo, ser a legislação mais bem redigida e que melhor compreenda toda a questão que envolve o consumo de cannabis, desde a produção (seja individual, coletiva ou comercial), comercialização (como medicamento ou substância psicoativa), etc.

Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...

×
×
  • Criar Novo...