Ir para conteúdo
Growroom

A Cultura Vista A Partir Da Prisão Do Estudante Vitor Arrais Tibola, Dono De 23 Pés De Maconha.


Bas

Recommended Posts

A cultura vista a partir da prisão do estudante Vitor Arrais Tibola, dono de 23 pés de maconha.

Por Rafael Zanatto – Coletivo Os 23 Pés

O que ocorreu na tarde do di 31 de maio em uma chácara nos arredores da cidade de Assis expressa à ineficiência da aplicação da nova legislação referente ao plantio de maconha para consumo próprio. As plantas foram encontradas e um dos estudantes que estava em casa na hora da batida policial foi detido em flagrante e deve responder por tráfico de drogas. O Estudante de história Vitor Arrais Tibola foi detido e encaminhado para a cadeia pública de Palmital. Ontem, o estudante foi libertado através de um Habbeas Corpus, devido a demora na análise dos pés de maconha encontrados em sua república. O estudante permaneceu boa parte do tempo algemado no tornozelo e no pulso esquerdo. Deste modo, a aplicação do artigo 28 da Lei n° 11.343/06, que equipara a posse e o cultivo de maconha para consumo próprio na categoria de usuário, emperrou na sua falta de clareza. Até o presente momento, os estudantes respondem por tráfico de drogas, sem qualquer indício de comercialização. As provas são apenas os 23 pés de maconha em sua segunda fase, em um ciclo que dura de sete a nove meses.

As plantas apreendidas estão aparecendo fugazmente nos meios de comunicação, como a Folha de São Paulo on-line, no R7 da Rede Record e no jornal O Globo. A cada aparição, o rótulo de traficantes é imposto aos estudantes, e os produtores dessas notícias fazem largo uso das técnicas de manipulação de imagem. Não são os estudantes traficantes! Esta afirmação pretende se comprovar abaixo, com base em meus conhecimentos técnicos, acerca do plantio.

A produção outdoor da maconha possui um ciclo dividido em sete fases, que pode durar de sete a nove meses, dependendo de vários fatores favoráveis para sua conclusão, como boas sementes, clima favorável, técnicas de plantio e adubagem adequada, etc. Os 23 pés, nessas condições favoráveis, teriam perdas de cerca de 60 por cento de sua produção e mesmo com esse estrondoso sucesso no cultivo, não seriam suficientes para sustentar sequer o consumo de quem os produz.

Nas reais condições em que se encontrava a produção dos acusados, em meio ao uso de sementes naturais sem qualquer manipulação genética e um rigoroso inverno que se aproxima, pode-se afirmar que certamente as perdas seriam intensas. Na segunda fase, a de crescimento vegetativo, as plantas apenas precisam de água e luz em abundância para crescer. Surge então o problema da atrofia.

A atrofia das plantas é ocasionada invariavelmente pela intensa variação climática e decorre de uma sucessão de variações intensas, que acaba por estressar a planta. Outro fator que colabora para a atrofia e fracasso é justamente o estágio em que as plantas foram encontradas pela policia. Os 23 pés de maconha encontravam-se na segunda se sete fases. Neste momento de seu ciclo, a planta demanda água e luz em abundância para que encerre a fase de crescimento vegetativo. Com o advento da irregularidade climática no inverno, a pouca incidência de luz e a temperatura gélida da água acaba por agravar as condições de cultivo, aumentando a porcentagem de atrofia vertiginosamente e o agricultor acaba por ter que plantar em quantidades semelhantes para que apenas de três a cinco pés encerrem as sete fases do processo de cultivo.

Outro fator que colabora para a morte das plantas é sua terceira fase, momento que determina o sucesso ou não da planta, não apenas pelos efeitos do clima, mas pelo aparecimento do sexo. Os machos são sacrificados e apenas as fêmeas são preservadas, pois elas são as únicas que produzem o THC. Restar-nos-ia então uma média de 10 pés. Dos 23, treze sucumbiriam pelos efeitos do inverno.

Na fase de floração, ou seja, na etapa em que nascem os pistilos produtores do THC, é recomendado um clima estável, com 12 horas de sombra e 12 horas de luminosidade. Aumenta-se desse modo a incidência de atrofia dos pistilos, componentes iniciais, que em seu conjunto, formam paulatinamente as flores. A conseqüente atrofia desses pistilos, quando não sucumbem com a planta, pode reduzir em 80 por cento a produção máxima de cada planta. Alguns pés sob essas condições chegam a produzir em média de três a cinco cigarros de maconha, para a tristeza de seu produtor. A baixa luminosidade do inverno não estimularia suficientemente a produção do THC, pois já que essa substância faz a função de proteger a planta de calores intensos, fazendo a função de protetor solar, sua produção diminui ou aumenta de acordo com as condições climáticas. Nessa época do ano, a produção de THC se faz de modo irrisório, aumentando ainda mais a fragilidade da planta. Nunca ninguém se perguntou por que é no calor intenso do Marrocos que é produzido o melhor Haxixe?

Passados todos os reveses do plantio iniciado no outono, o agricultor se daria por satisfeito se sua produção tão castigada não entrasse em contato com as pragas, que comumente atacam o caule da planta, branqueando-o e o ressecando até extinguir todas as forças suas forças, assassinando-a por fim.

Apenas se considerarmos o plantio a partir de seus reveses técnicos, poderemos então entender o motivo pelo qual o estudante possuía tal quantidade. A imprensa tudo faz para aumentar a magnitude da apreensão. A mídia tem a notícia de que precisa e a lei não é cumprida. Notemos a manipulação fotográfica da imagem das plantas apreendidas. A primeira técnica adota o ângulo contra-picado e close, que consiste em aproximar-se do objeto ao mesmo tempo em que captação da imagem é realizada levemente de baixo para cima. Desse ângulo, sem os contornos e as dimensões do ambiente, a imagem aparece significativamente ampliada, falsificando as dimensões do objeto. A imagem que se segue é a exibida pela TV TEM, regional filiada da Rede Globo. O ângulo da imagem manipulada pela técnica cinematográfica aumenta em muito as dimensões reais das plantas.

Agora, caros leitores, observem as mesmas plantas apreendidas, mas com um referencial ótico diferente, aliada ao enquadramento do soldado militar na mesma imagem, nos demonstra as reais dimensões das pequeninas e frágeis plantas.

Em entrevista à Rede Record de televisão, o estudante Vitor Arraes Tibola, algemado no tornozelo e no pulso esquerdo, é questionado se os pés da diamba são de sua propriedade. O estudante então admite, e sem medo afirma que realizava o cultivo da maconha para consumo próprio, do mesmo modo que cultivava outros bens para seu consumo, como alface, cebolinha. Com grande clareza, o estudante afirma que cultivava a planta com carinho, para consumo próprio e que não se arrepende de plantar, porque obedece a sua consciência, ao encarar a maconha como uma planta, e não a partir da ótica preconceituosa da sociedade. O problema colocado por Vitor nos demonstra que é chegada a hora de finalmente legalizar o plantio da maconha para consumo próprio, não apenas como entreposto ao tráfico, mas como reconhecimento de uma cultura que cada vez mais cresce no mundo. No passado, largamente consumida com fins medicinais, essa substância passou a ser proibida por iniciativa dos Estados Unidos no pós II guerra. As culturas e seus cultivadores, instantaneamente viram suas culturas ancestrais serem postas na ilegalidade por interesses comerciais e sociais. Os apoiadores foram a indústria têxtil, que não via com bons olhos a produção de tecidos de cânhamo, por uma classe médica que procurava se afirmar a partir do discurso contra as drogas naturais e a favor dos medicamentos e uma elite que não via com bons olhos os hábitos culturais dos habitantes da periferia, como negros e mexicanos, no caso dos Estados Unidos. A primeira medida coercitiva contra a maconha data de 1915 e foi usada pelos estadunidenses como pretexto para controlar a população mexicana, que massivamente adentrava suas fronteiras em busca de trabalho. É chegada à hora de acabar com a perseguição. Agora a cultura cannabica deve se afirmar. Maconha não era droga para os barqueiros do rio São Francisco. Maconha não era droga para os quilombolas, e nem para os feirantes que a vendiam na Bahia sob o nome de fumo de Angola. Devemos prosseguir com a causa do plantio caseiro para consumo próprio, não apenas para degustar de um bom produto, ou de propor uma alternativa ao tráfico, mas também devemos nos apoiar na necessidade de devolver a essa planta milenar sua verdadeira história, como objeto de consumo da humanidade em vários momentos da construção de nossos caminhos. Apoiemos os estudantes, o cultivo e a cultura da maconha.

Os policiais afirmam que ali poderia ser um centro de distribuição de maconha, mas ignoram os cuidados minuciosos que envolvem seu cultivo. Por esse motivo, não conseguem enxergar que até a planta formar uma raiz suficientemente forte para progredir diretamente no solo, ela deve prosperar sob os cuidados de uma embalagem separada, individual, para que no processo de replante as raízes das plantas estejam obrigatoriamente intactas. Francamente, pólo de distribuição de plantas. Ë fácil sair por ai distribuindo plantas. Sabiam que se entrega pelo correio? Era só o que faltava. Enfim, sobre as dificuldades do cultivo, o professor de Medicina Pública da Faculdade de Direito da Bahia, Rodrigues Dória, apresentou em 1915 no II Congresso Científico Pan-Americano, em Washington D.C. seu testemunho sobre a fragilidade da planta. Os cultivadores da Bahia, na fase de da plana definição de sexo, segundo Dória, impediam até as mulheres de se aproximarem dos pés de maconha. Acreditavam que o contato com substâncias femininas propagadas a partir do corpo da mulher, como as exaladas pela menstruação, poderiam estimular as plantas em vias de definir o sexo a se transformarem em machos, inúteis para o consumo. As informações sobre os cuidados com o cultivo presentes nessa cultura milenar não estão disponíveis em grande escala social. Os conhecimentos dessa cultura resistem em pequenos guetos de cultivadores, que a partir de livros, conversas e estudos prosseguem preservando o que restou em meio a tanta perseguição, preconceito e desinformação. Não é de se assustar que as pessoas pensem que 23 pés são muitas plantas. São, mas não são, se é que vocês me entendem, pelo que pude demonstrar ao longo do texto. Tais quantidades de maconha não abasteceriam sequer uma noite de reunião no tradicional “clube dos diambistas” do Maranhão, que desapareceram do mesmo modo que a última casa de ópio, localizada em um apartamento do segundo andar de um cortiço a Broome Street, 295, leste de Chinatown, em 28 de junho de 1957. Culturas tragadas por imposições culturais de outros lugares. “American Way of Life”. Devemos escovar a história à contra - pêlo para que em meio aos escombros ressaltar a existência desde sempre de nossa cultura.

Thiago Arrais Tibola encontra-se em liberdade, e até agora irá responder por tráfico de drogas. Em apoio ao estudante, funda-se o coletivo Os 23 Pés, que começa suas atividades com a criação de uma rede de informações para monitorar o caso e participar do processo de legalização do plantio para consumo próprio. No momento, a batalha se empreende a favor do enquadramento do estudante no artigo 28, o que impediria sua prisão. Uma rede de solidariedade se estende pela internet e pela comunidade acadêmica. Em frente e avante, rumo à embriaguês, à fumaça, mas não à ignorância.

Referências:

O Barato da História, de Elizabeth Remini

Diamba Sarabamba, de Anthony Henman e Osvaldo Pessoa Jr.

Cultivo Cannabis, de Alicia Castilla. Arg.

A Última Cada de Ópio, de Nick Tosches

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Sorte para o coletivo! Espero que seja possivel reverter a acusacao de trafico...

Mas um toque galera...agente tecnicamente soh pode falar em "manipulacao fotografica" para imagens que tiverem alteracao posterior em laboratorio ou sistema digital em suas linhas estruturais...obviamente existem varios recursos tecnicos (como os citados) para criar imagens "enganosas" mas isso nao quer dizer que elas sejam manipuladas...eh como fotografar alguem narigudo de frente...o angulo nao vai mostrar que o nariz eh tao proeminente mas isso nao significa que seja uma imagem manipulada...

Seria algo fundamental que a policia possuisse algum tipo de conhecimento tecnico de plantio...todos nos sabemos que contar por unidade de planta para calcular a quantidade de fumo (e portanto se existe a possibilidade de trafico ou nao) eh uma bobagem...2 plantas grandes e gordas podem render mais do que 20 plantas mirradas...eh muito complicado calcular produtividade de uma maneira em que todo o cultivo possa se enquadrar...porisso eh tao importante que a policia tenha um tecnico agronomo com conhecimento em cultivo de canabis para estabelecer caso a caso o tipo de cultivo (sonho meu....)

abraços e força nessa batalha.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Bas e amigos,

Para ser, inclusive, utilizado em peças processuais em favor daqueles que enfrentam a ignorância, entendida em seu sentido amplo, dos operadores do direito e também das polícias judiciária e militar.

Muito bom, parabéns.

Abraço e boa sorte.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

os policiais acreditam q era um centro de distribuiçao de droga??

sem armas ??? como q nego vai vender algo ilegal no brasil ou qlqr outro lugar do mundo e nao vai se defender???

essa é nova!!!!!

nao é nem so questao de lei, é questao de educaçao policial, os chefes sao coniventes com esse tipo de apreensao/pensamento ...

oq eu acho mais engraçado, é q uma vez uma amiga minha foi fazer o B.O. q roubaram o carro dela, chegando na delegacia, tava mo murmurinho la, pq a policia interceptou uma ligaçao de traficantes dizendo q iam invadir as delegacias...

minha amiga questionou, "e voces nao vao la averiguar essa interceptaçao???"

resposta do delegado: "a ligaçao veio do meio da fazendinha (uma favela do complexo do alemao no rio, pra quem nao conhece) ninguem vai la"

ah ta.... vcs sabem q rola trafico la, e ninguem vai la, enquanto isso vcs ficam indo na casa de usuarios tentando prende-los por trafico????

vcs sao deprimentes, seus policia de shit

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

Olá personas!

Notícia assim ferve o meu estômago.Mas,sinto que está acontecendo algo que vai de encontro a isso...

Anos atrás vi um texto sobre Clube da Diamba baianos...Agora Maranhão...A Coca na Bolívia... :rolleyes: Ilegalidade estúpida :excl:

Vida longa ao Growroom!!!!

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

ei galera, valeu a boa receptividade do texto, eu sei que ainda não é suficiente, vou melhorar e amanha ta no blog da marcha. mano, aqui temos uma cultura propria de cultivo, por isso pude escrever minuciosamente sobre o ciclo da planta outdoor. Os muleke sao irmaos nossos, membros da nossa cultura. tamo ai saindo do armario, precisamos conseguir assinaturas on line, de liberDADE pros muleke e pro plantio. abaixo assinado. sou meio analfabeto em net. peço ajuda para inflamar o movimento

liberdade pra maconha. cultivo com o mesmo carinho que os meninos presos, quem planta sabe. liberdade nao é sonho

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

  • Usuário Growroom

os policiais acreditam q era um centro de distribuiçao de droga??

sem armas ??? como q nego vai vender algo ilegal no brasil ou qlqr outro lugar do mundo e nao vai se defender???

essa é nova!!!!!

nao é nem so questao de lei, é questao de educaçao policial, os chefes sao coniventes com esse tipo de apreensao/pensamento ...

oq eu acho mais engraçado, é q uma vez uma amiga minha foi fazer o B.O. q roubaram o carro dela, chegando na delegacia, tava mo murmurinho la, pq a policia interceptou uma ligaçao de traficantes dizendo q iam invadir as delegacias...

minha amiga questionou, "e voces nao vao la averiguar essa interceptaçao???"

resposta do delegado: "a ligaçao veio do meio da fazendinha (uma favela do complexo do alemao no rio, pra quem nao conhece) ninguem vai la"

ah ta.... vcs sabem q rola trafico la, e ninguem vai la, enquanto isso vcs ficam indo na casa de usuarios tentando prende-los por trafico????

vcs sao deprimentes, seus policia de shit

Concordo em genero numero e grau Steampipe

Bas ótimo texto irmão ... a midia sempre fode tudo, mas na minha opnião deve ser nossa aliada nessa causa. Como por exemplo a materia q saiu no globo sobre os growers, axo que tinha que sair uma materia dessa por semana pra ai sim começar a abrir os olhos da população.

Imaginem. Em uma semana a entrevista se passa na casa de um advogado, casado pai de dois filhos,trabalha 40 horas semana e tcham tcham tcham tcham no quarto de empregada uma plantação de maconha para cultivo proprio. Ao realizar uma entrevista, deve-se questionar sobre o dia a dia da pessoa, trabalho, vida pessoal, rotina, etc... não somente frisando o auto cultivo mas sim querendo mostrar que a vida daquele cara é uma vida normal como qualquer outra

Na outra semana visitam um grower empresario, solteiro vive com mae e surpresa....no quarto uma estufa com plantas de maconha.... Novamente o mesmo tipo de entrevista

e depois disso entrevistas com growers que trabalhem em outras profissoes, pais de familia ou não, universitários, aposentados etc...

Infelizmente sem ajuda politica, da midia, e/ou da massa ficamos praticamente de mãos atadas, esperando a boa vontade de politicos estupidos que muitas vezes não sabem nada do que estão falando (quem assite controle de qualidade do CQC sabe disso)

O sistema hipnotiza as pessoas a quererem viver da mesma forma ou seja, é praticamente uma AUTO ESCRAVIDÃO

É muito mais facil continuar investindo na mentira do que assumir um ERRO e modificar a lei. Mas a mentira não vai durar pra sempre e o GR está contribuindo demais pra que isso ocorra.

Muito Obrigado GR sem mais comentários

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

O estudante permaneceu boa parte do tempo algemado no tornozelo e no pulso esquerdo.

Sehores, a historia é de toda absurda! pra começar pela atuação da policia que discricionariamente decide quem é traficante ou não e divulga a ação policial como sendo de grande valia à sociedade, quando na realidade esta somente prejudicando a vida de pessoas de bem, que escolheram ser responsaveis pelo seu consumo, não contribuindo com o crime organizado. Estes jovens deveriam ser louvados e nã incriminados.

Agora não pode passar desapercebido a situação caotica da da prisão ilegal e da utilização de algemas como meio de força, que por si só extrapola os limites do razoavel e atingide substancialmente a dignidade da pessoa humana.

Desde logo cabe recordar que o uso de força física está excepcionalmente autorizado em alguns dispositivos legais:

A) CPP, art. 284 - "Não será permitido o emprego de força, salvo a indispensável no caso de resistência ou de tentativa de fuga do preso";

O Código de Processo Penal Militar, por seu turno, em seu art. 234 também regulamenta o uso da força, deixando patente que só pode ser empregada em casos extremos.

In verbis:

Art. 234. O emprego da força só é permitido quando indispensável, no caso de desobediência, resistência ou tentativa de fuga... (omissis).

Quanto ao emprego específico das algemas, o § 1º do mesmo artigo é categórico:

§ 1º. O emprego de algemas deve ser evitado, desde que não haja perigo de fuga ou de agressão da parte do preso, e de modo algum será permitido, nos presos a que se refere o art. 242.

O art. 242, por sua vez, refere-se às seguintes pessoas: ministros de estado, governantes ou interventores, o prefeito do Distrito Federal, seus respectivos secretários e chefes de polícia, membros do Congresso Nacional, dos Conselhos da União e das Assembléias Legislativas dos Estados, os cidadãos inscritos no Livro de Mérito das ordens militares ou civis reconhecidas em lei, os magistrados, os oficiais das Forças Armadas, das Polícias e do Corpo de Bombeiros, Militares, inclusive da reserva, remunerada ou não, e os reformados, os oficiais da Marinha Mercante Nacional, os diplomados por faculdade ou instituto de ensino nacional, os ministros do Tribunal de Contas, os ministros de confissão religiosa.

Observe-se, de qualquer modo, que o dispositivo do Código de Processo Penal Militar citado abrange civis. Dele se extrai, ademais, que o emprego das algemas constitui medida profundamente vexatória, tanto que a lei restringe ao máximo o seu emprego.

Algemar por algemar é medida odiosa, pura demonstração de arrogância ou ato de exibicionismo que deve dar ensejo ao delito de abuso de autoridade.

Se um cidadão, como no presente caso, tiver que ser conduzido a uma delegacia de polícia ou ao fórum ou a um tribunal, que seja sem atingir-lhe inutilmente o decoro, evitando-se a todo custo aumentar ainda mais a sua aflição. O uso de algemas, por expressa determinação legal, deve ficar restrito aos casos extremos de resistência e oferecimento de real perigo por parte do preso.

Assim, todas as vezes que houver excesso, poderemos estar diante de um "abuso de autoridade", nos termos dos arts. 3º, "i" (atentado contra a incolumidade do indivíduo) e 4º, "b" (submeter pessoa sob sua guarda ou custódia a vexame ou a constrangimento não autorizado em lei) da Lei 4.898/65 (lei de abuso de autoridade).

Assim, esta preocupação com o abuso no uso de algemas decorre em primeiro lugar porque esse abuso constitui crime, em segundo lugar porque tudo isso decorre de uma das regras do princípio constitucional da presunção de inocência (regra de tratamento), contemplada no art. 5º, inc. LVII, da CF (ninguém pode ser tratado como culpado, senão depois do trânsito em julgado da sentença condenatória); e em terceiro lugar, mas não por ultimo, porque a dignidade humana é princípio cardeal do nosso Estado constitucional, democrático e garantista de Direito.

Coletivo, parabens pelo texto! estamos alertas, espero que isso não reste assim sem maiores repercuções, somente quando o Estado passar a sentir uma reprimenda material (indenização) por ações intempestivas como esta é que este acordará para realidade que mais vale um Estudante plantar sua propria Cannabis em sua residencia, asilo inviolavel, do que este continuar contribuindo com o crime organizado.

Força e paz ao irmão e sua familia, QUE DEUS ILUMINE SEU CAMINHO!

no que puder ser util estou sempre a disposição, casos como este me deixam profudamente triste e com muita vontade de chorar, mas tenho fé de que todos estes que sofrem sem necessidade serão lembrados como martires do nosso movimento.

NOS NÃO QUEREMOS APENAS FUMAR MACONHA, NOSSA LUTA É POR LIBERDADE!

AQUA.

Link para o comentário
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...
×
×
  • Criar Novo...