Thomas

Historia da maconha

Recommended Posts

ÁSIA ANTIGA

Muito se falou do cânhamo e seus derivados (grifa, kif, haxixe) cuja história se poderia remontar aos 8000 A.C. E onde, segundo estudos arqueológicos, a maconha era já cultivada para elaborar tecidos. As primeiras referências históricas temos no ano 2700 A. C. Onde o imperador Shen-Nung , num livro de farmacopea escrito, Confirma: "tomando em excesso tende a mostrar monstros, se usa durante muito tempo pode comunicar com os espíritos e aliviar o corpo". Prescreve a resina para a "debilidade feminina", gota, reumastimo, prisão de ventre, malária, gripe e desmaios.

Em outro livro da literatura chinesa desta época encontramos o Nei-Ching cujo autor seria o imperador kwang-ti. As flores se utilizariam para curar as feridas abertas. A casca da semente e a resina aderida a esta se utilizava para estimular o sistema nervoso. As sementes se utilizavam para combater as inflamações da pele e eram consideradas como tónico, reconstituentes, laxantes, diuréticos e muito apropriadas para extrair os vermes dos recém nascidos e aos animais. O azeite se utilizava como tónico para os cabelos e como antídoto ao envenenamento do enxofre. O suco fresco das folhas servia para curar as picadas do escorpião e a fibra para fabricar cordas e tecidos.

Os chineses foram os primeiros em produzir papel no século I d.C. E os escritos mais antigos são textos budistas dos séculos II e III feitos com o cânhamo. Os mais antigos restos de fibra de cânhamo (4000 a. C.) encontraram-se na China , e um milênio mais tarde na Turquia; fazendo considerar a possibilidade de que seja uma planta cultivada originalmente ali. Numerosos textos antigos mencionam o cânhamo: Salomão na Bíblia canta com o nome de kalamo. Sob a denominação de que era bebido na zona de Sinaí e fumando nas sinagogas.

A Bíblia nunca recusa o consumo de cannabis e inclusive algumas passagens fazem referência direta ao bom e útil que é utilizar ervas como a cannabis, e inclusive se prediz sua proibição "Nos últimos tempos alguns renegarão da fé, dando ouvidos a espíritos sedutores e ensinos diabólicos, induzidos pela hipocrisia de impostores, cuja consciência se acha marcada ao vermelho vivo, que proíbem o casal e certos alimentos que Deus criou para que os crentes e os que conhecem a verdade os comam e dêem graças a Deus por isso (Timoteo 4:1)".

O profeta persa Zoroastro dá ao cânhamo o primeiro lugar no texto sagrado, Zend-Avesta que inclui mais de 10.000 plantas medicinais. A religião zoroástrica está baseada na planta da cannabis, que era o principal sacramento religioso para a classe sacerdotal, mas também era utilizado como medicina e como azeite, tanto pela classe sacerdotal como pelo mundo secular. Na Mesopotamia dados botânicos indicam que há já havia cânhamo em toda esta região, ainda que fará defeituosa esperar o domínio assírio (IX a. C.) para que a planta apareça mencionada, concretamente como incenso ceremonial . Além do cânhamo a medicina babilônica utilizava habitualmente ópio, mandrágora, cerveja e vinho

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

GRÉCIA

O cânhamo se usava nos ritos dionisíacos e nas liturgias de Eleulasis para revelar aos iniciados os arcanos do mito de Deméter. Os sacerdotes, que levavam o nome de eumólpidas (cantores de melodias benignas), diziam-se filhos da lua para fazer de mediadores entre a céu e a terra.

A Odisséia narra a chegada de Telémaco a Esparta e à corte de Menelao. Durante o banquete oferecido em sua honra, Telémaco evoca o destino de seu pai Ulisses e todos os comensais caíram numa profunda melancolia. Então, Helena ordena aos criados que joguem nepenthés nas copas e o sorriso volta aos lábios de todos os que estavam ali. Este nepenthés se identificou com uma bebida cannábica. Era uma mistura de cânhamo com vinho e mirra-vinho resinado para animar as reuniões privadas . Diodoro Sículo, historiador da época de Cesar, escreve que as mulheres de Tebas preparavam mediante cânhamo uma pócima que tinha o mesmo efeito que o nepente de Homero. Dioscórides, (do 20 ao 60 d. C.) médico grego residente em Roma, autor da primeira farmacopea baseada em plantas medicinais, fala do cânhamo e das visões e alucinações prazeirosas que provocavam, e diz que os índios já comiam suas folhas. Tanto como afrodisíaco como para estimular o apetite.

Nota: as pontes sobre o Helesponto Oi Isidro, ponho-te a referência do livro VII de Herodoto. Capítulo "Construção de pontes sobre o Helesponto (o que é hoje o Bósforo). Aí está o Cânhamo implicado no desastre ao cruzar as tropas de Jerjes. Um dos cabos para enfilar as barcaças para fazer de ponte era de "esparto" mas em outra tradução encontrei de Cânhamo, numa de Valerio Máximo que é um filólogo experiente em grego. Ademais creio que é o mesmo se não me equivoco.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ÍNDIA

A religião védica arcaica venerou a planta denominando-a "fonte de felicidade e de vida"; as tradições brahmánicas posteriores consideram que seu uso agiliza a mente, outrora saúde e concede valor, bem como potencial sexual.

Desde o século XV a.C. Celebra-se e conhece o cânhamo em diversas preparações. A base de cânhamo era a amrita, bebida da imortalidade que na mitologia hindu corresponde grosso modo à ambrosía dos olímpicos. Antigas fontes sánscritas falam das pílulas da felicidade, um composto a partir de cânhamo e açúcar.

O cânhamo, denominado charas ou bhang, tem tal importância que em algumas zonas da Índia se utiliza como meio de intercâmbio, com as mesmas funções que a moeda. A cannabis era utilizado de três formas diferentes: com água (poust), com álcool (loutki) e com ópio (mourra).

A mais completa informação sobre o cânhamo na Índia se encontra num relatório oficial efetuado entre os anos 1893-94 ("Indian Hemp Drugs Comission Report") é o Relatório da Subdivisão da Comissão de Narcóticos dedicada ao estudo do Cânhamo Indico, onde os sujeitos estudados eram consumidores de bhang.

A planta se chama vijonia (fonte de felicidade e vitória) e ananda (fonte de vida). É mencionada nos primeiros interditas e sobretudo no quarto ou Atharva Interdita. Suas preparações líquidas são a bebida favorita de Indra, o deus guerreiro que representa aos invasores arios. Seguem as tradições védicas o cânhamo brotou quando caíram do céu gotas de ambrosía (amrta). Para a tradição brahmánica ortodoxa seu uso agiliza a mente, outrora saúde e longa vida, concede deleite, valor e desejos sexuais potenciados.

Se toma para aliviar a febre, insônia, disintería, lepra, caspa, enxaquecas, tosferina, oftalmia (e outros males nos olhos). Em sânscrito se denomina sã (kana em grego) e bhang ("transformar a rotina sensorial").

O deus Shiva trouxe o cannabis do Himalaya para que os homens tivessem felicidade e conhecimento. Os sacerdotes Sardu viajavam através da Índia e do mundo inteiro compartilhando cachimbos para fumar cheias de cannabis (chilum). No Bhagavad- gita, Krishna diz "Eu sou a erva que cura" (capítulo 9:16), enquanto no Canto Quinto do Bhagarat-purana o haxixe é descrito em termos explicitamente sexuais.

Com a difusão do budismo se viu como um auxiliar para a meditação transcendental. A cannabis foi utilizado para os rituais religiosos. A cannabis se considera como a mais sagrada das plantas. Muitas tradições, escritos e crenças budistas indicam que o mesmo Siddhartha, Buda, antes de anunciar as quatro verdades nobres, esteve durante seis anos utilizando e comendo unicamente cânhamo e suas sementes . Alguns budistas tibetanos e os lamas consideram ao cannabis como a planta mais sagrada.

Nota: "Especialmente famoso foi o uso de cannabis por parte de Gobind Singh, fundador da religião Sij. Seus soldados se intoxicaram com bhang e ópio, e usaram tanto que enfrentaram os elefantes e conseguiram derrotar a um inimigo superior em número. Os aniversários da vitória se celebram com bhang".

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ROMA

Utilizava-se principalmente a fibra para confeccionar vestidos e para as gúmenas (corda robusta para atar áncoras) e as velas das embarcações, como se extrai de algumas breves anotações de Lucilio, Plinio, Columela e Celso (século II d. C.). Os cartaginenses conheciam muito bem o haxixe. Foram achadas dois ánforas cheias de haxixe localizadas num trirreme de guerra (um tipo de galeria) cartaginesa do século III a. C. Que foi levada à superfície em 1969 na Ilha Longa. Se utilizaria para manter alta a moral dos marinheiros nos momentos dificeis.

O kiphy,que é um incenso cerimonial de possível psicoatividade, entre cujos ingredientes há uma resina (provavelmente de cânhamo), já parte das reuniões dos ricos, este produto era importado do Egito e era muito caro. Na Metamorfose de Ovidio, em onde se fala de um tal Glauco que toma "erva" de estranhos efeitos. Por Galeno (129 ao 200 d. C.) médico da corte imperial, sabemos que era frequente oferecer flores de cânhamo em reuniões sociais para incitar a hilaridade e o desfrute (costume aprendido das sociedades ateniense ou dos celtas). Também menciona que se utilizava o vinho resinado (utilizando cannabis).

Ao iniciar-se o século IV, no ano 301, o edital de Diocleciano sobre preços fixa o do modius castrense de ópio -com uma capacidade para 17,5 litros- em 150 denarios, quantia que segue sendo extremamente módico se comparada com os 80 denarios que custava o quilo de haxixe . Fumar haxixe egípcio era quase uma excentricidade (valia uma fortuna), enquanto o ópio se considerava um bem básico para o lar romano. Com a chegada do cristianismo sofreu o desaparecimento por completo o mesmo que as outras drogas pagãs. Sua volta foi ao cabo de sete ou oito séculos. Desapareceram as grandes extensões de cannabis cultivadas pelos celtas, bem como as saunas do haxixe.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

ÁFRICA

Neste continente é considerado um medicamento muito versátil, utiliza-se para todo: insônia, disintería, lepra, caspa, males de olho, doenças venéreas, enxaquecas, tosferina, oftalmia e até tuberculoses. Também se considera um tónico cerebral, anti-histerísmo, antidepressivo, potenciador de desejos sexuais sinceros, fonte de coragem e longevidade.

O cânhamo esta muito difundido na zona do Congo; as folhas frescas se fumam em cachimbos rudimentarios às que se adicionam carvões a brasa. As folhas e as sementes são embaladas em cartuchos grandes e longos, cobertas com crostas de árvore.

A seita dos Bantúes tinham cultos dagga secretos, que criam que os deuses enviaram à terra a cannabis sagrada. Dagga significa "Cannabis". Estas sociedades o uso de cannabis era exclusivo dos líderes. Os pigmeos, os zulus e os hotentotes acreditam que era a medicina indispensável para tratar a epilepsia, os calafrios e a gota. Também o utilizavam como sacramento religioso.

Em Angola, os tjivokve fumam as folhas em publico, enquanto os ngangela, que pertencem ao mesmo grupo o fazem em segredo.

Em 1870, o chefe Kalamba-Moukenge, para assegurar seu poder sobre as diferentes tribos recentemente submetidas para lutar contra o invasor inglês, fez queimar publicamente os diferentes ídolos tradicionais, substituindo-os por um ritual unico baseado no consumo coletivo de riamba (cânhamo). Os seguidores do novo culto se chamarão Bena-Riamba ("filhos do cânhamo") é como uma espécie de uma grande seita ou um culto no que sua ideologia é de corte comunista agrícola. Quando viajavam não levavam consigo armas senão cachimbos. Fumavam dando grandes tragadas o que depois lhes produzia tosse espasmódica e grandes colocones*.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EUROPA ARCAICA

No ano de 1500 A. C a cannabis chega a Europa pela zona oriental propagando-se assim para a zona central e setentrional. Existem restos de cânhamo numa urna funerária de Wimerdorf (Brandenburgo) localizada na tumba do século X a.C.

A cannabis era utilizado para multiples facetas, uma entre tantas era a de produzir papel, os primeiros manuscritos que se conservam são textos budistas dos séculos II e III d.C. Conservados no British Museum; o estudo do pesquisador Wiener demonstra que o papel é uma mistura de crosta e de velhos retalhos principalmente de cânhamo. Os chineses também fabricaram papel a partir do cânhamo. Os francos, vikings, germanos...elaboraram também papel no ano 600.

O primeiro depoimento se refere à população nômade dos escitas, das estepes Siberianas entre os séculos V e III a. C. Seguem Heródoto (484 ao 425 a. C.) descreve uma espécie de sauna onde os persas se arrojavam grandes bocados de cânhamo (o mais seguro em forma de haschisch) sobre pedras esquentadas; se embriagavam aspirando a fumaça, como os gregos bebendo o vinho, não esta claro que se tratava de fins religiosos ou festivos.

Os escitas ao morrer algun parente próximo os levavam em cima de uma carroça a casa de seus amigos e estes oferecem uma comida ao séquito dando ao morto a mesma comida que aos outros, o cadáver era transportado durante quarenta dias depois era sepultado. Uma vez enterrado os escitas se purificavam da seguinte maneira; fincavam três paus no solo inclinados um para o outro, estendem-se em cima e pelos arredores cobertores de lã e acoplando-as o melhor possível, põem pedras ao vermelho vivo num recipiente localizado no centro do espaço que formam os paus, sob os cobertores... Naquela região cresce já espontaneamente uma planta de cânhamo... Os escitas depois de ter recolhido as sementes se introduzem na loja e depois atiram as sementes sobre as pedras aquecidas. As sementes atiradas produzem fumaça e emanam um vapor tal que nenhum banho de vapor grego poderia superá-lo. Os escitas, embriagados por causa da fumaça, davam gritos de alegria. Os nômades escitas introduziram este costume em outras tribos, como por exemplo nos tracios.

A cultura do cannabis chegou a Europa pelo norte e não pelo sul; nem os gregos nem os romanos cultivaram sistematicamente esta planta. OBTINHAM dos celtas desde o século VII a.C. Em Marselha se ofereciam sensatas, velas e estopas a todo o Mediterrâneo. Existem cachimbos que indicam que as utilizavam para fumar cannabis. Plantou-se em todas partes, desde Áustria até Reino Unido

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EUROPA. IDADE MÉDIA

A Idade Média é a época mais escura para a cannabis. Foi proibida e amaldiçoada. Desde esta época não voltará a ver-se igual. Será visto como uma planta maligna.

Foi introduzido pelos cruzados ao voltar de Terra Santa. Depois da queda do Império Romano e a consolidação do cristianismo, o cânhamo desapareceu da farmacopea européia.

Os cruzados o utilizavam para tratar a loucura, a histeria, a hidrofobia, o tétanos e o cólera. Enquanto o vinho era aceitado como matéria de sacramento e se era indulgente com a cerveja, licores e fumo (ao final no século XVI) a inquisição proibiu a ingestão do cannabis na Espanha no século XII e em França no XIII. Muitos outros remédios naturais foram proibidos também naquela época. Aquela pessoa que utilizasse o cânhamo para flipar ou curar era tachada de bruxa.

Joana Darc foi acusada entre 1430-1431 por ter utilizado várias ervas, incluindo o cânhamo, para "ouvir vozes".

Em 1484, o Papa Inocencio VIII separou os curandeiros que utilizavam cannabis e a outros herbolarios, declarando que o cânhamo era um sacramento impío pertencente ao segundo e terceiro tipo de missa satânica. Esta perseguição durou mais de 150 anos.

Nos tratados do século XVI estavam em todas as fórmulas mágicas das bruxas nos untos e nas receitas dos médicos famosos. O cannabis era uma substância muito utilizada pelas bruxas.

O escritor Francois Rabelais explica em Gargantua et pantagruel as virtudes das erva denominada Pantagruelión.

Os barcos conduzidos por Colómbo que chegaram a América em 1492 levavam 80 toneladas de cânhamo entre cordas, redes, velas e restantes estilos navais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EUROPA SÉCULO XIX - parte 1

Este século começa para o cânhamo em 8 de outubro de 1800, o general Napoleão Bonaparte dita a seguinte ordem:

Artigo I. Fica proibido em todo Egito o consumo do brebaje elaborado por certos muçulmanos com cânhamo (haxixe), bem como fumar o mesmo. Os bebedores e fumantes habituais desta planta perdem a razão e serão presa se desmostrarem violentos delírios que lhes fazem entregar-se a todos tipos de excessos.

Artigo II. A elaboração da bebida de haxixe está proibida em todo Egito. As portas de todos os cafés e albergues onde se sirva serão fechadas e seus proprietários encarcerados em uma prisão durante três meses.

Artigo III. Todos os fardos de haxixe que cheguem à alfândega serão confiscados e publicamente queimados.

Com a assinatura do Tratado de Tilset (1807) Napoleão e o qzar Alejandro da Rússia, proibia em todo o comércio de canhamo entre Rússia e Inglaterra. O que tentava Napoleão era conseguir que Rússia deixe de fornecer cânhamo a Inglaterra, assim se destruiria ou deterioraria a armada naval britânica.

De 1808 a 1810: Os mercadores dos EEUU se convertiam em traficantes de cânhamo russo (ilegal) para Grã-Bretanha a necessidade deste cânhamo era imperiosa já que era vital para sua sobrevivência como potência. Napoleão diz ao Zar que detenha o comércio ilegal com os comerciantes independentes dos EEUU já que estão sendo obrigados a levar-lhe cânhamo de forma ilegal a Grã-Bretanha. O QZar lava suas mãos e faz vista gorda quanto aos traficantes norte-americanos já que sairia rentável para ele e seus nobres.

De 1810 a 1812: Napoleão já furioso com o Qzar por permitir o tráfico ilegal de cânhamo com Grã-Bretanha, organiza seu exercito e invade Rússia, a invasão planejada como castigo ao qzar e para seguir evitando que o cânhamo siga chegando à Armada Britânica. Napoleão é derrotado na Rússia devido ao duro inverno.

Os primeiros estudos químicos se efetuam nos anos 1838-1839 por obra de Raleigh, Esdale e Ou'Birest; dois dos pioneiros deste terreno, Easterfield e Spirey, morrem por causa de explosões ocorridas em seu laboratório (não por causa de cânhamo). W. B. Ou'Shaunessey, cirurgião e professor de química, descobre em 1839 as qualidades analgésicas e anticonvulsivas da tintura de cânhamo e morre pouco tempo depois, enquanto se encontrava trabalhando numa nova fase de investigação sobre a resina.

Os poetas parisinos se interessam por esta substância. Para 1835 Baudelaire e outros artistas boêmios (como Henri Michaux, Boissard de Boisdeenier, Delacroix, Meissonier, Nerval, Rimbaud, Hugo Balzac, etc...) fundam o Clube dos "Hashichines". Graças a Jackes-Joseph Moreau de Tours, que desde 1840 usa o fármaco no hospital psiquiátrico de Biecètre (em 1845 documentava os benefícios físicos e mentais da cannabis), chega a França o dawamesk , uma preparação feita a partir de haxixe, uma massa elaborada com as pontas das plantas de cânhamo, açúcar, suco de laranja, canela prego, cardamomo, noz moscada, almizcle, pistachos e pinhões, o Clube com estas pepitas verdes e aromáticas realizou "viagens estranhas". Baudelaire, como membro deste Clube (que acostumava a reunir-se no hotel Pimodan, um imóvel situado sobre a parisina Ilha de San Luis, no bairro latino de Paris, onde vivem Baudelauire e o pintor Boissard de Boisdenier, sublinha que as alucinações produzidas pelo haxixe:"... mais do que criar um mundo irreal interno, transforma o mundo real. A alucinação é progressiva, quase voluntária, e só pode chegar a sua maturidade por meio da imaginação. Pode parecer que os sons dizem coisas estranhas, mas sempre terá ali primigeniamente um estímulo. Podem ver-se formas estranhas; mas antes de fazer-se estranhas, as formas eram naturais".

Baudelaire falava dos paraísos artificiais prefere o uso de ópio (tomava láudano) e em sua obra as flores do mal arremete contra o cânhamo: "O vinho exalta a vontade, o haxixe a aniquila: O vinho é um suporte físico, o haxixe é um arma para o suicídio. O vinho converte em bom e sociável. O haxixe é isolador. Um, por assim dizê-lo, é laborioso, o outro é essencialmente preguiçoso. Efetivamente, Para que trabalhar, imaginar, escrever, fabricar o que seja, quando um pode conseguir o paraíso inesperadamente? Em fim, o vinho é para o povo trabalhador, que se merece bebê-lo. O haxixe pertence a essa classe de gozadores solitários que estão fatos para ociosos miseráveis. O vinho é útil, pois produz resultados frutíferos. O haxixe é inútil e perigoso". Baudelaire indica a condenação do haxixe que funcionaria como um foco magnético de atração, intrigando a todos os disconformes com a idéia do paraíso proibido. Promocionóesa droga como ninguém o tinha feito.

De novembro de 1845 Teófilo Gautier escrever sobre o assunto. Em 1851 escreve do vinho e o haschisch. O relato de Gautier publicado na Presse (1842), e reproduzido por Moreau em sua monografia sobre o haschisch (1845).

Em 1839 o doutor Ou'Shaugnessy, professor britânico na Escola Médica de Calcutá já publico em primeiro artigo (de umas quarenta páginas) sobre propriedades analgésicas, antiespasmódicas e relaxantes musculares do cannabis (incluído para o tétano). Simultaneamente um doutor francês chamado Aubert-Roche estava fazendo o mesmo redescobrindo as aplicações do cannabis no âmbito médico do Oriente Médio, fez teste no hospital de Alexandria as capacidades terapêuticas do haxixe e, desde 1834, curando vários casos de peste. No Cairo o doutor Moreau de Tours, uns dos pais da moderna psiquiatria, autor de um clássico tratado sobre o haxixe aparecido em 1840, que usa o fármaco no hospital psiquiátrico de Bictre . Durante os 60 anos seguintes se editaram mais de uma centena de estudos científicos sobre esta planta e suas propriedades.

Em 845 o doutor Giovanni Polli recebe a direção dos Annali dei Chimica Applicata alla Medicina (ACAM), é uma revista especializada de Milão, onde ao longo de 30 anos irão aparecendo informações sobre trabalhos dedicados ao cânhamo; inclui artigos de médicos franceses, ingleses, alemães, egípcios e índios, bem como ensaios biologicos de Polli e outros colegas.

Em meados deste século se fizeram estudos sobre o cânhamo tentando descobrir qual era a dose mortal, os doutores Spivey, Wood e Easterfield comentam que a um cachorro que pesava 12 quilos se injetavam 57 gramas exatas de líquido de cânhamo na jugular e para a surpresa dos pesquisadores o animal se recuperou depois de estar inconsciente um dia e meio. Eles nunca descobriram a dose mortal. Parece ser que a dose mortal está em média libra (medida de unidade de peso inglesa).

Em meados desse século o doutor E. Whineray descreve o critério dominante da medicina ocidental ao dizer que o haxixe é "uma droga impura e tosca, cujo uso está obviamente excluído da terapia civilizada" O que mais surpreende aos médicos da época são as grandes diferenças entre as qualidades da planta, que não se diferenciam muito umas das outras. As tentativas por isolar os princípios ativos resultam frustrados. Também chama a curiosidade aos pesquisadores sua baixa toxicidade, em relação com sua potência psicoactiva.

De 1850 a 1937 a cannabis era o medicamento mais receitado da farmacopea americana para centos de doenças diferentes.

Em 1857 os irmãos Smith de Edimburgo começam a comercializar uma tintura realizada baseado em extrato de cannabis.

Em 1860 Fitz Hugh Ludlow, um jovem norte-americano que publicou em forma anônima o livro Hasheesh Eater(1857), conta que tomou 25 gramas de uma só vez e que os efeitos duraram vários dias. Ludlow engrandeceu o consumo de haxixe como forma de fazer aventuras mentais, ainda que também advertia que seu consumo nunca deveria ser excessivo.

Esse mesmo ano Baudelaire publica "Os paraísos artificiais" inspirados em parte pela obra de Thomas Quincey "As confissões de um refeitório de ópio inglês" que teve um forte impacto na sociedade da época e foi um revulsivo para desacreditar o haxixe.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

EUROPA SECULO XIX parte 2

Em 1860 a companhia "Ganjah Wallah Hasheesh Candy" elaborou um caramelo de haxixe de açucar de arce que seria uma das guloseimas mais populares dos EEUU. Podia-se comprar sem receita médica e aparecia anunciado nos jornais por Sears-Roebuck, fazendo parte de seu catálogo durante 40 anos como um caramelo inofensivo (ninguém morreu por culpa de comer-se um caramelo; se talvez causariam uma cárie).

Segundo as Ordens de Farmácia (1860) os profissionais autorizados para vender haschisch (que era catalogado como "substância venenosa") no Estado Espanhol -tanto por atacado como a varejo- eram os drogueros e os boticarios , que unicamente deviam observar um requisito mínimo para vende-lo: "exigir uma nota datada e assinada por pessoa conhecida e responsável, que expresse com todas suas letras a quantidade da substância pedida e o uso a que se destina". O consumo já gozava de certa fama nos ambientes literários.

A primeira contribuição americana sobre o uso terapêutico da maconha data também deste ano(1860) trata-se de um escrito da sociedade médica de Ohio sobre a ação da planta em caso de espasmos e convulsões, bem como seus efeitos sobre transtornos intestinais. Durante a guerra civil norte-americana, a maconha era o primeiro analgésico das tropas ianques até a introdução da morfina injetável, no final de 1863

De 1860 a 1900 nas exposições internacionais e as Feiras e amostras com freqüência contavam com um salão turco para fumar (eram muito populares naquele tempo). Por exemplo existiu na Exposição do Centenário de 1876 em Filadélfia um pavilhão do haxixe turco.

Em 1868 o médico E. J. Waring, em seu livro sobre farmacopea índia cita a opinião do doutor Christison, que emprega o cânhamo em forma de láudano ou tintura alcoólica: "Por sua energia, segurança e conveniência, depois do ópio o cânhamo índio é o melhor analgésico, hipnótico e antiespasmódico, e as vezes chega a igualá-lo".

Em 1868 no Egito (ocupada pelos turcos) converte-se no primeiro país que proibiu o consumo de cannabis, os turcos se queixavam de que o uso da cannabis faziam que os egípcios se comportassem de forma irrespetuosa com o Sultão e sua corte. Mas em 1874 se autorizou sua entrada mediante o pagamento de um imposto anual, mas as autoridades de Constantinopla (Egito fazia parte de Turquia) em 1877 ordenam a destruição de todo o haxixe e em 1879 a importação foi proibida. Em 1884 se descobriu que o haxixe não tinha sido destruído e que era vendido ao estrangeiro em proveito dos servidores públicos de alfândegas.

Até 1883 do 75% ao 90% do total do papel era feito a base de cânhamo.

Em 1870 a cannabis aparece na farmacopea americana como medicina para várias doenças. A 1ª vez que se fumaram um cigarro na América do hemisfério norte foi nesta mesma década nas Antilhas (jamaica, Bahamas, Barbados, etc...) e este hábito chegou aos EEUU com a imigração de milhares de hindus, importados como mão de obra barata. Ao redor de 1886 marinheiros mexicanos e negros, que comerciavam com as ilhas Antilhas tiveram um primeiro contato com a cannabis e propagaram seu uso por todas a Antilhas e México. Nestas ilhas se fumava cannabis para aliviar o pesado trabalho dos campos de cana-de-açucar, suportar o calor, e para relaxar-se pelas tardes sem que depois tivessem a ressaca de álcool de manha.

Em 1883 se abriram legalmente salões para fumar haxixe em Nova York, Boston, Filadélfia, Chicago, San Luis, nova Orleans, etc... Nesta década o Boletim Oficial da polícia calculou que tinha 500 salões para fumar haxixe na cidade de Nova York.

Em 1884 o haxixe provocou a Nietzsche visões. Era enquanto escrevia Zaratustra.

Em 1885 James F. Johnston publica "Química da vida comum", livro que terá um enorme sucesso, venderam-se doze edições. No segundo volume da obra fala por extenso dos narcóticos que consentimos e o capítulo XVI trata sobre "nossa debilidade humana": Somos, em verdade, criaturas débeis...quando um grão de haschisch pode nos vencer, ou umas poucas gotas de láudano ingerimos; mas Quanto mais débeis de espírito, quando –ao saber os males a que nos conduzem somos incapazes de resistir as tentações fascinantes dessas insidiosas drogas!"

Em 1890 o médico pessoal da rainha Victoria de Inglaterra, Sir Russel Reynolds, receita-lhe cannabis para seus problemas menstrual; ele reconhece no primeiro número da revista "The Lancet" que a cannabis quando está puro e administrado cuidadosamente," é uma das mais valiosas medicinas que possuímos". Ele também escreveu em seu diário o 22 de maio de 1890: "Parece ser que há muitos casos de epilepsia na população adulta, creio que se trata de males de origem nervosa e que o cânhamo índio cura de maneira muito remarcável". Um dos primeiros trabalhos sérios foi o realizado em 1894 por uma comissão anglo-índia, a comissão British Raj, em sete volumes e com 3.281 paginas, com o nome de "Report of the Indian Hemp Drugs Commission", com o depoimento de milhares de consumidores, bem como a opinião de doutores, autoridades civis e religiosas e outras personalidades. Entre uma de suas conclusões é que seu uso moderado não produzia lesões na mente e inclusive pode ser benéfico; com respeito aos efeitos físicos seu uso moderado não produz praticamente nenhum resultado nocivo; o uso excessivo sim causa dano pois tende a pôr ao consumidor numa situação mais vulnerável à doença; pode causar bronquite devido à fumaça inalada; mas em sujeitos com debilidade ou predisposição hereditária podem induzir demência; com o depoimento de milhares de consumidores, bem como a opinião de doutores, autoridades civis e religiosas e outras personalidades.

Em 1895 pela primeira vez se utiliza a palavra "marijuana" pelos seguidores de Pancho Vila. No final deste século na Espanha a companhia farmacêutica Grimault e Cía, "farmacêuticos em Paris de S.A.I. ao príncipe Napoleão", anunciavam Charutos Índios de Cananbis Indica, elaborados com "extratos de cânhamo índico de Bengala", que possuíam propriedades para combater não só o "asma", "a opressão" e a "sofocacão", senão também outras doenças como "a tosse nervosa, a insônia, a tisis laríngea, a ronquidão, a extinção da voz e as neuralgias faciais".

Notas: "Em 1870 a cannabis aparece na farmacopea americana como medicina para várias doenças. A primeira vez que se fumaram um "pito" na América do hemisfério norte foi nesta mesma década nas Antilhas (Jamaica, Bahamas, Barbados...) e este hábito chegou aos EEUU com a imigração de milhares de hindu é importados como mão de obra barata".

Mas recordação que Escohotado, na "História geral das drogas", menciona que Ben Franklin (agora não estou muito seguro de se era ele ou outro dos "pais") cultivava maconha sinsemilla. Inclusive reproduz uma citação de seu diário na fala de separar já os machos das fêmeas, pois se tinha atrasado um pouco e temia que resultassem polinizadas.

E não se utilizava o cânhamo só para fibra e camarões, em 1765 no diário de Washinton escreve "comecei a separar as plantas macho das fêmeas na estufa, mas demasiado tarde" Andrews e Vinkenoog (1977). Pág 52. De Antonio Escohotado (1999). Pág 399. Todos os cultivadores de maconha sabem que aquelas plantas com maior princípio ativo são as fêmeas que não foram germinadas pelos machos (por isso se separam os machos das fêmeas e se eliminam os machos).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

COMEÇOS DE SÉCULO XX

1903: A primeira vez que se utilizou a maconha nos EEUU foram por parte dos mexicanos de Brownsville, Texas .

1909: No porto de Nova Orleans, na zona de "Storeyville" freqüentado por marinheiros negros, fumava-se muita maconha. O comissário da zona escreveu que "a maconha era a droga mais viciosa e aterrorizadora que chegou a Nova Orleans " (vemos do que era contra a cultura dos negros já que os salões de Haxixe para alvos estava bem visto). A maconha era a causadora da depravação de negros e mexicanos; sem ela não se atreveriam a ser tão "insolentes".

Centos de milhares de negros e chicanos tiveram que cumprir condenações que iam desde 10 dias até 10 anos encarcerados por crimes como estes (incríveis mas verdadeiros):

A) Olhar a uma mulher branca duas vezes.

B) Pisar a sombra de um homem branco

C) Não ir na pare traseira de uma carruagem

D) Olhar diretamente aos olhos de um alvo durante mais de três segundos

Esse mesmo ano na Itália se publica um Vademecum no que a cannabis se recomenda para a chiadeira de peito, asma brônquica e urémica, atonias gastroenteríticas, blenorragia, catarro brônquica senil e catarro crônico, cólera, glaucoma, corea, delirium tremens, insônia, disentería, hemicránea, metrorragia, epilepsia, histeria, impotência, hipercloridia, meningitis, protatitis, rinitis escrofulosa, tétanos traumático, tisis, tosse obstinada, úlcera gástrica e até hidrofobia. Para não depender de provedores egípcios, turcos e iranianos a Itália cultivou cannabis, especialmente em Nápoles .

ANOS 10.

Em 1910 o magnata da imprensa Randolph Hearst , utilizando a fortuna de seu pai, magnata das minas, Hearst comprará 1895 o Morning Journal de Nova York, a partir do qual edificará a maior empresa de imprensa do mundo, que tem mais de 800.000 acres de terreno no México são arrebatadas pelos homens de Pancho Vila. Seus jornais começam a publicar artigos desenvolvendo a teoria de que os negros e mexicanos se convertem em bestas desesperadas sob os efeitos da maconha. Hearst tenta acabar com o comércio mexicano da maconha. Hearst utilizava "marijuana" e não cânhamo ou cannabis para que seus leitores não se dessem conta que o que queria proibir este personagem era uma das mais valiosas plantas de nosso mundo.

Suas campanhas sensacionalistas influíram para a proibição do cânhamo. Os jornais de Hearst (de 1910 a 1920) afirmava-se que a maioria dos violadores negros de brancas estavam sob os efeitos da cocaína; isto seguiu assim até que na década dos 20 os negros enlouqueciam com a maconha . Também entre 1916 e 1937, um acidente de carro onde se tivesse encontrado algum cigarro de cannabis ocupava todos os manchetes durante semanas.

Na Espanha, Valle-Inclán tratava em suas conferências sobre as alucinações que lhe produziam o cânhamo índico.

Em 1911 na África do Sul era proibido o cânhamo; era uma forma de deter aos "insolentes" negros; os sul-africanos "brancos" castigavam e obrigavam aos "negros" a deixar de praticar seus cultos e religiões baseados na dagga .

A embriages produzida pelo cânhamo e seus derivados não acordava alarme social alguma, e o próprio conhecimento popular que existia sobre a planta confirmava a ausência de experiências negativas neste sentido. Em 1911, a prestigiosa enciclopédia Espasa-Calpe, ao glosar o termo, "cânhamo", mencionava "a embriaguez especial do haxixe", cuja seqüela final não vai além de "um sonho calmo sem conseqüências secundárias desagradáveis" . De fato, até bem entrado no século. XX, em qualquer farmácia espanhola podia comprar-se extrato de cannabis, a razão de 1 peseta a grama. Que tempos aqueles em que custava o mesmo uma dúzia de ovos que três gramas e meio de haxixe ou pelo preço de uma garrafa de champanhe se podiam adquirir até 30 gramas de chocolate!.

Em 1912 A. Marie, Bectherew e Magnan davam como seguras as psicoses devidas ao uso do haxixe, à que, segundo eles, os turcos e os muçulmanos egípcios eram especialmente sensíveis. Este ano nasce a atual política internacional de drogas, que teve sua primeira expressão na "Convenção do Ópio" assinada em Haia (Holanda). Os países de Europa Ocidental e EEUU lembraram limitar a produção e exportação do ópio, heroína e cocaína, só para fins médicos.

Em 1915 California e Utah declaram ilegal o cannabis. À que lhe segue Texas. Em outros países começa a cundir o pânico.

Em 1916 o boletim 404 do Departamento de Agricultura dos EEUU prognosticou o desenvolvimento de uma máquina descortezadora e recoledora e assegurou que a indústria do cânhamo seria de novo a principal indústria agrícola de EEUU.

Em 1917 George Schlichten inventou a máquina descorticadora, que ia servir para coletar de maneira muito mais eficaz o cânhamo, evitando assim os dias em enjoo e as moléstias seguintes. A invenção da descorticadora supunha uma forte ameaça para a indústria do algodão, que estava fortemente paquerada os setores políticos mais influentes, estes junto com os meios de comunicação unidos à indústria madereira potenciaram a idéia do cânhamo maldito potenciaram as idéias de proibir o uso do cânhamo.

O legislativo de Colorado cre que a única maneira de prevenir um banho de sangue racial era proibir o cânhamo. Os legisladores mencionaram os excessos cometidos pelo exército rebelde de Pancho Vila, fumantes todos eles de maconha .

1919 o cânhamo foi o que exaltou a imaginação de Valle Inclán, inspirando-lhe um belo poemario, titulado precisamente O Cachimbo de Kif . Ou "a loja do herbolario":

"¡Verdes venenos! ¡Yerbas letais

De paraísos artificiais!

A todos vence a maconha

Que dá a ciência do Ramayana

¡Oh maconha, verde neumónica,

Cannabis índica et babilônica!

Abres o gergelim da alegria,

Cânhamo verde, kif de Turquia

Yerba do velho da Montanha,

O Santo Oficio te achou em Espanha.

Yerba que inicias aos fakires,

Cheias de gozes e Dies Ires.

Verde esmeralda – louva o poeta

persa – teu verde vestiu o profeta!

(Kif – yerba verde do persa – é

o achisino bhang bengalés.

Charas que fuma sobre o divã,

Entre odaliscas, o Grande Sultão)"

Esse ano F. García Sanchiz , um charlista, confessava ter fumado "kiff" em Marrocos, evocando os "dolorosos e divinos desmaios" e a "embriaguez ditosa que acende o ideal" e distinguindo entre quem o fumam "como excitante, para ir vivendo" e quem o usam "como narcótico para adormecer-se "

De 1916 a 1937, na imprensa sensacionalista (dirigidas por Hearst) um acidente de tráfico onde se encontrasse um pito ocupava os manchetes durante semanas, enquanto os acidentes de tráfico produzidos pela embriaguez de seus motoristas só era mencionada nas últimas páginas dos jornais. O tema dos acidentes relacionados com a maconha se explodiu até a saciedade (de 1936 a 1938).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
De 1850 a 1937 a cannabis era o medicamento mais receitado da farmacopea americana para centos de doenças diferentes.

Como as coisas mudaram, neh?

Em 1857 os irmãos Smith de Edimburgo começam a comercializar uma tintura realizada baseado em extrato de cannabis.

Tinta de baseado? haueeahueah

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

pow...doidera!

eh a versão comprida daquela historia em quadrinhos tah ligado!!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Tinta de baseado? haueeahueah

Ae TiagoBraw:

Tinturas à Base de Ervas

Encha folgadamente uma garrafa de vidro ou uma jarra com flores de cannabis. Se usar matéria vegetal fresca, corte-a com uma tesoura; se seca, esfarele-a. Use álcool de bebida (etanol), nada de álcool para massagens (isopropílico) ou álcool desnaturado (de cozinha). Uma bebida alcoólica com vodka, uísque ou cachaça. Cada bebida acrescentará um sabor particular à tintura. Vede o recipiente com as flores e o álcool. Sacuda e mantenha em local aquecido (20 a 25ºC)durante duas semanas, agitando o recipiente

Todas essas receitas foram retiradas do livro:

Conrad, Chris - Hemp, o uso medicinal e nutricional da maconha. Rio de Janeiro. Ed. Record, 2001

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Po não é muito grande não, alem do mais é uma otima informação para saber a historia sobre a cannabis.

Abrazos hashishados

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A embriages produzida pelo cânhamo e seus derivados não acordava alarme social alguma, e o próprio conhecimento popular que existia sobre a planta confirmava a ausência de experiências negativas neste sentido. Em 1911, a prestigiosa enciclopédia Espasa-Calpe, ao glosar o termo, "cânhamo", mencionava "a embriaguez especial do haxixe", cuja seqüela final não vai além de "um sonho calmo sem conseqüências secundárias desagradáveis" .

dahora! perdih uns 40 min lend0 mas curti...

a historia prova q o "sistema" dos brancos ocidentais sempre impos o q eh certo para eles, não levando em conta a cultura, a sabedoria e o bem estar dos outros povos do globo....

[]sss

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

opaa desenterrou esse topico que por sinal é muito maneiro, quem ainda nao conheçe ta aí boa dica pra leitura...

falow

paz!

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

maneiro o topico....

fiquei impressionado com a parte de napoleao que invadiu a russia... ja sabia q foi pq nao tava obedecendo o bloqueio, mas nunca imaginei que a maconha fazia parte dessa historia =p

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Join the conversation

You can post now and register later. If you have an account, sign in now to post with your account.

Visitante
Responder

×   Pasted as rich text.   Paste as plain text instead

  Only 75 emoji are allowed.

×   Your link has been automatically embedded.   Display as a link instead

×   Your previous content has been restored.   Clear editor

×   You cannot paste images directly. Upload or insert images from URL.

Processando...