Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'wax'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 5 registros

  1. Caros growers e entusiastas, Trago a vocês uma situação recentemente experienciada por mim e por muitos (senão todos) que experimentam concentrados pelas primeiras vezes. Acredito que o relato e as informações a seguir se aplicam somente ao dabbing, termo aqui utilizado como o método de ingestão de concentrados (qualquer que seja) - que consiste em fumar o oil/wax/dab/shatter/hash por meio de sua vaporização via bong (com algum material aquecido, seja titânio ou vidro). Afinal, essa forma de ingestão da efeitos mais potentes e mais imediatos do que quando diluído no meio de outros materiais (seja tabaco, seja maconha). Enfim, vamos à questão: há alguns dias experimentei uma bongada de concentrado pela primeira vez. O bong é próprio pra concentrados, e o substrato usado foi um óleo extraído com álcool de cereais. A maconha usada foi dessas prensadas, um pouco melhor que a comercial. Ainda assim, a pancada foi assustadora. Logo na primeira bongada, que encheu meus pulmões, senti minha cabeça ficar leve. Fiquei tonto e tive que sentar. Quase perdi parte da consciência. Comecei a suar frio, principalmente na cabeça/testa/nuca. Uma certa dose de paranóia foi sentida também, mas nada que não pudesse ser conscientemente controlado por conta própria. Após uns 15 minutos, a sensação melhorou e pude aproveitar a onda com mais tranquilidade. Na hora, acreditei que a coisa fosse forte demais pra mim. No entanto, esse tipo de sensação não parece ser rara. Vejam, a baixo, algumas experiências reais, capturadas em vídeo, de pessoas expeirmentando concentrado pela primeira vez. - - - https://www.youtube.com/watch?v=JHgy5EApzdA - Alguém aí sabe o motivo desses efeitos? Alguns relatos similares? Cheers!
  2. To estudando no Canadá e comprei um pen vape, só que eu tava procurando o juice de maconha pra comprar aí no Brasil e não achei, então to pensando em levar o oléo aqui do Canadá na minha mala despachada. O que vocês acham? Já que ele vem dentro de uma cápsula q não tem cheiro?
  3. Traficante internacional preso em Ipanema vendia 'super maconha'http://www.tribunahoje.com/noticia/157225/brasil/2015/10/09/traficante-internacional-preso-em-ipanema-vendia-super-maconha.html Patrick Rúbio, de 27 anos, vendia droga com efeito igual a 20 cigarros comuns de maconhar7.com 09 Outubro de 2015 - 08:43 Preso em Ipanema, integrante de quadrilha internacional de tráfico vendia drogas para a alta sociedade Reprodução/ Balanço Geral RJ O integrante de uma quadrilha de tráfico internacional de drogas preso nesta quinta-feira (8) em Ipanema, na zona sul do Rio, vendia wax, uma "super maconha" que poderia deixar o usuário sob efeito da droga por até 24 horas. Segundo a Polícia Civil,Patrick Rubio Calmon de Aguiar, de 27 anos, vendia a wax e outras drogas para os jovens da alta sociedade carioca. A wax tem origem em Amsterdam, na Holanda, e é conhecida como maconha destilada. Mais potente que a droga encontrada no Brasil, um cigarro de wax equivale a 20 cigarros comuns de maconha. A Polícia Civil informou que o suspeito também queria abrir negócio de drogas no Complexo do Alemão, zona norte do Rio. Patrick viajava para Europa e Ásia várias vezes durante o ano para comprar as drogas, segundo a polícia. Ele morava com os pais na rua Barão da Torre, no bairro de classe média alta da capital fluminense, mas afirmou que eles não sabiam dos crimes. No quarto de Patrick foram encontradas drogas de alto valor econômico. Haxixe marroquino, que custa R$ 200 a grama; haxixe paquistanês, que custa R$ 120 a grama e ecstasy, que era vendido a R$ 80. No total, havia cerca de R$ 50 mil em drogas. Policiais também encontraram sementes para o plantio da droga. Euros, dólares e cerca de R$ 20 mil também foram encontrados com Patrick. Em 2010, o suspeito já havia sido preso após ser flagrado com 1,5 kg de maconha prensada dentro de uma mochila. Segundo o delegado Fábio Asty, da Delegacia do Complexo do Alemão (45ª DP), Patrick foi preso mas liberado pela Justiça. Nesta quinta, agentes constataram que ele não estava empregado e não tinha comprovação da origem da alta quantia de dinheiro encontrada no quarto.
  4. Whats up, galera? Estive procurando alternativas baratas para queimar concentrados, eis que encontro alguns vídeos ensinando uma técnica simples e, aparentemente, eficiente. Consiste basicamente em enrolar um clip de papel na forma de "coil", colocar no bong, esquentar e encostar o concentrado no material quente. Simples, né? Vejam: https://www.youtube.com/watch?v=eRHh93JWjjs No entanto, muitos questionaram os riscos do clip de papel soltar alguns poluentes cancerígenos. Afirmam que existem materiais mais saudáveis. O que vocês teriam a dizer sobre isso? Alguém tem uma outra alternativa barata pra fumar wax e outros concentrados 100% puro (sem botar no baseado ou lambrecar a erva)? Valeu, povo! Abraço a todos.
  5. http://youtu.be/H2BHwxvwlos http://youtu.be/gTDAPutA3e8 http://youtu.be/qDmsqAQlL_o Extra: DAB cam http://youtu.be/WQzP8-Zrbuc http://youtu.be/0OPXt2Ytqfw