Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'viagem'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 8 registros

  1. Fala galera. É o seguinte, em breve me mudarei para o Japão e estava pensando em levar sementes pra cultivar lá. Isso pq la é bem rígido o controle de drogas e não quero me arriscar e ser deportado de lá(vou cultivar em casa e fumar no vaporizador). Sendo assim, vocês sabem me dizer se é arriscado levar algumas(poucas) sementes? Se não, como eu levo? Estava pensando em comprar somente algumas unidades e espalha-las nas malas, tipo, só jogar umas duas sementes nas malas que vou despachar e mais umas duas na bagagem de mão. Obs: primeira vez que vou em um voo internacional, não faço ideia de como é a fiscalização...
  2. Salve galera. Vou viajar para maceió em lua de mel com minha mina, e a gente quer levar umas gramas pra curtir a semana. Pensei em levar no fundo de um pringles, mas como nunca andamos de avião não sabemos como é a revista. Também pensei em levar no saco, mas fiz uma cirurgia recentemente e tive que colocar pino, to com medo do detector de metal apitar e me revistarem. Alguém pra salvar a gente?? Valeu ✌️
  3. oaaway

    Viajando por dias

    O relato é grande, galera... Então paciência pra ajudar o amiguinho aqui. Chapei pela primeira vez há mais ou menos um ano... Foi de um brisadeiro que comi na ocupação da Universidade. Comi sem saber. Vi um docinho verde em cima da mesa e comi, sabe? Curti pakas mas fiquei um bom tempo sem fumar. E nessa primeira vez eu tinha comido de noite, fiquei acordado algumas horas curtindo a lombra e fui dormir. Dormi umas dez horas e quando acordei ainda tava meio chapado. Fiquei o dia todo chapado na ocupação, quando foi umas 17 fui pra casa, tomei banho e dormi mais umas 14 horas. Depois disso passei meeeeeeses sem chapar nenhuma vez. Só voltei a fumar na viagem que fiz pra Chapada mês passado. Eu e dois amigos conseguimos 10g de um verdão natural por cinquenta conto. Chapamos demais. No primeira noite que chapamos, fiquei curtindo lombra um tempo depois fui dormir e quando acordei tava normal de novo. Da segunda vez tbm. Na terceira vez eu fumei um beck inteiro sozinho, e depois fumei metade de outro. Aí que as coisas ficaram estranhas. Fiquei chapado uns três dias direto... Não importa o quanto eu dormisse, ou o que eu fizesse... A lombra diminuía mas sempre tava lá. Ninguém percebia mais eu sabia. Aí voltei da lombra e tals, bem deboas. Uma semana depois, dei duas ou três bolas em um beck antes de ir pro almoço da minha família no domingo e só voltei completamente da lombra na quarta-feira! Fiquei duas semanas sem fumar e tals, e quando foi no sábado de noite eu estava num rolê na universidade e tinha um brisadeiro lá. Comi. E dei UMA bola num beck que tava rodando. E tô loco até agora. Dormi umas cinco na manhã de domingo, acordei deboas e tals, só mais relaxado mesmo, lentão... Quando foi de noite e lombra bateu pesadão de novo de um jeito! E eu nem tinha fumado de novo. Ainda era a lombra daquele brisadeiro que comi no sábado de noite. Segunda fui pra aula, mto lerdo. Ninguém percebe, mas eu sei que tô na lombra. Me sinto mto diferente. Cheguei da aula e fui dormir cedão, umas 21:00. Acordei dez horas da manhã, achando que tava deboas. Agora de tarde fui correr e percebi que ainda tava na lombra. E ainda estou!!! Por que diabos minha lombra dura tanto tempo??? Por que fica mais forte de novo??? Voltando da minha caminhada passei por uns mlks fumando um beck e senti mta vontade de pedir uma bola pra eles. Não pedi. Por escolha, decidi que posso chapar só uma vez por mês, mas vivo desejando extrapolar essa cota. O que eu faço? Brigado, gente!
  4. Eae pessoal, Bom primeiramente gostaria de dar informações basicas para que consigam analisar melhor meu caso, 18 anos primeira vez que fumei com 15 no ultimo mes venho fumando frequentemente, muita ansiedade, esquizofrenia entre outros. Normalmente quando fumo na maioria das vezes eu pulo para a etapa final que é apenas ficar relaxado e calmo porém as vezes como por exemplo ontem fui em uma festa e resolvi fumar mas sozinho então ok, só que de repente percebi que algo não estava normal me senti muito diferente admito que a sensação é boa e ao mesmo tempo não, digamos que não para uma festa... Eu simplesmente comecei a agir no modo automatico como por exemplo eu só andava e falava coisas como "OK, BLZ" confirmando tanto é que me peguei em um baile as 3 da manha sem nem querer ir, então na minha mente estava tudo demais porém para os outros eu estava mal, eu parava e viajava literalmente na minha mente, mas a parte ruim era que eu me sentia muito mal e não conseguia me controlar, eu tinha que pensar que estava me controlando para me controlar como se eu e meu cerebro fossemos pessoas diferentes, mas não vou entrar mais em tantos detalhes essa viagem aconteceu já outras vezes e é nisso que tenho duvida. Além disso eu penso muito sobre tudo e também sou fissurado em teoria de conspiração, programador e gosto de entender tudo normalmente sofro muito de crise existencial e penso sobre a sociedade bastante e quando fumo esses sentidos ficam mais sensíveis. Fumei 1 chá de 10 no narguilé, tragando praticamente toda fumaça e anteriormente um chá de 5 em 5 ~ 7 horas. O que acham que pode ser e o que devo fazer? Normalmente as viagens são normais mas as vezes não são mais fortes ETAPAS que sinto: - viagem profunda - percebo que estou chapado e fico observando meu ponto de vista sentado de um sofá olhando pelos meus olhos na minha mente. - + sensibilidade ( Ex: comer algo e sentir descendo por 5 ~ 10 minutos, forçar o maxilar etc...) - relaxamento total ( o melhor e mais comum) obs: sinto como se estivesse dormindo em um sonho, tenho isso as vezes quando não estou chapado.
  5. Se você é um entusiasta da cannabis e decidiu visitar o Colorado, primeiro estado americano a legalizar o uso recreativo da maconha, pode se decepcionar ao chegar lá. O uso em público é proibido e também é ilegal dentro de carros, hotéis, bares e restaurantes (ainda que alguns desafiem às regras). Na prática, só é permitido fumar em residências privadas - um grande obstáculo para os turistas curiosos. Dois empresário enxergaram aí uma oportunidade de negócio e criaram o Bud and Breakfast (maconha e café da manhã, piada com bed and breakfast, um tipo de pousada simples). É um Airbnb que une quem busca uma estadia tranquila, com direito a fumar seu baseado, com quem está disposto a alugar sua casa nessas condições. LEIA: Esta cabana no mato é a casa mais popular do mundo, segundo o Airbnb Como no Airbnb, dá para filtrar as ofertas por número de hóspedes, casa inteira, quarto privado ou quarto compartilhado. O preço é parecido com o de outros sites que prestam o serviço, ou até mais barato - um fim de semana para duas pessoas em Denver fica 132 dólares, perto da média de preços do Airbnb para as mesmas condições, US$ 140. As opções variam bastante: tem casas de luxo nas montanhas, com capacidade para 75 pessoas e estrutura para sediar casamentos, até quartinhos em apartamentos universitários. As regras também dependem do anfitrião - não é porque aceitam que o hóspede fume maconha que vale tudo. Na maioria das casas, só é permitido fumar do lado de fora. Dentro de várias propriedades, é preciso utilizar um vaporizador, que pode ou não ser disponibilizado pelo dono da casa. Além disso, tem quem proíba álcool ou cigarros, com o risco de uma multa de 250 dólares por desobediência. E tem também quem forneça o baseado no período de hospedagem. Não quer ir para o Colorado? Não tem problema. O negócio está se expandido pelos estados em que o uso medicinal e recreativo da maconha é permitido - Oregon, Washigton, Alaska, Califórnia e Illinois. Também há destinos internacionais, Espanha, Portugal, India, Rússia, Nova Zelândia, Filipinas, Jamaica e até nossos vizinhos no Uruguai, totalizando 160 propriedades disponíveis no site. O Bud and Breakfast foi o primeiro, mas não é o único. O Travel THC, também baseado no Colorado, traz o mesmo serviço, aproveitando a onda do turismo canabinoide. Parece estar dando certo: quem aluga as casa conta aos sites que os hóspedes que chegam por essas plataformas são mais pacíficos e respeitosos que os típicos turistas festeiros de 20 e poucos anos. Dependendo da casa, o hóspede pode esperar serviço completo de hotel - mas ao invés de um chocolate, vai encontrar um baseado no travesseiro. http://super.abril.com.br/ideias/quer-viajar-conheca-o-airbnb-para-maconheiros?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super
  6. Bevar Christiania! Olá! Este tópico tem o intuito de condensar os relatos de Christiania que até agora estavam espalhados pelo forum. Creio que isto facilitará a vida de quem ainda planeja visitar este paraíso anarquista do Hash que fica localizado na Dinamarca. Da seu dab dae que lá vem a história. Breve panorama de Christiania : A história começa em 1971, quando um terreno do exército cheio de alojamentos abandonados foi invadido por grupos de hippies, libertários, socialistas, punks e fugitivos (da lei, dos pais, da sociedade convencional), entre tantos outros. A Cidade Livre de Christiania é uma comunidade independente e autogestionada localizada na cidade de Copenhaga, Dinamarca. Christiania, também conhecida como "Freetown Christiania" (em dinamarquês: Fristaden Christiania) é um bairro auto-proclamado autonomo e sustentável. Com cerca de 850 habitantes, cobrindo uma área de 34 hectares, no bairro de Christianshavn na capital dinamarquesa Copenhague. As Autoridades publicas consideram Christiania como uma grande comuna, uma área de um status único na medida em que é regulada por uma lei especial, a Lei de Christiania, a lei de 1989, que transfere partes da supervisão da área do município de Copenhague para o estado . Christiania é organizada em vários conselhos, onde todos os moradores têm direito a opinar e discutir os problemas comunitários. As decisões não são feitas por votação, mas sim através do consenso. Isso significa que não é a maioria que decide e sim que todos tem que estar de acordo com as decisões tomadas nas reuniões. Às vezes, contam-se os votos somente para se ter uma idéia mais clara das opiniões, mas essas votações não tem nenhum significado deliberativo, não contam como uma solução para os problemas da comunidade. Christiania é dividida em 15 áreas, cada uma administrada pelos seus moradores, para facilitar o funcionamento dos serviços básicos. Christiania não tem leis, mas foram criados alguns consensos para o bom convívio da sociedade: Não às drogas pesadas Não às armas Não à violência Não se negociam prédios ou áreas residenciais Minha jornada por la começou no verão de 2012. Fiquei cerca de trinta dias por lá e, na moral, é o paraíso na terra. Pedalando, do centro de Copenhagen, dava 5 min no max. até o bairro Christiania. Tem feira de hashish ao ar livre, show de jazz em pracinhas, sol o dia inteiro no verão, mulheres lindas, ciclovias por toda cidade e comida incrível. É um lugar super relax, mas não tire fotos perto da barraca de hash, tenha bom senso e divirta-se q tudo sairá bem. Enfim, no bairro de Christiania tem mtu hash e maconha sendo fumados, shows de musica e barzinhos. Além de muitas barracas de parafernálias com pipes e até uns Roors. Tbm achei super legal a normalidade com que os locais encaram tudo isto. A barraca de frutas e verduras fica a 15 passos de distancia de barracas de hashs e maconha. No bairro tem muita arte urbana, cafés, restaurantes, bares e lugar para shows. Além da natureza, trilhas de bike e um visual incrível. É verdade que em algumas partes do bairro tem o aspecto descuidado mas no geral o bairro é muito fera. Rola uns picos perto do lago pra curtir uma brisa, mulher fazendo topless tomando sol, umas casas simpaticas. outras menos, muita turistada, mas muita galera local tbm. Os locais são bastante hospitaleiros e bem mais sorridentes e acolhedores qdo comparando com outros países escandinavos. Só a lingua dinamarquesa que é foda demais! Aprendi apenas que 'hai' é 'oi' e 'tak' é 'obrigado'. Mas mesmo assim é bem tranquilo pois todos falam inglês fluentemente. Além disso, vale muito conhecer Copenhagen toda. Tem restaurantes sensacionais, museu da Carslberg [ com edições exclusivas nos supermercados] , parque do Lego, Tivoli, etc. Pois é rapaziada, um viva p/ cidade livre de Christiania! Viva a terra da carlsberg e do frikadeller...com um pouquito de hash! Olha o solzinho das 19:30, tava começando escurecer as 22h . Não sei como é o inverno mas no verão é o paraíso na terra: muita cerveja, mulher bonita,sol,festivais de musica pela cidade e paisagens iradas. A feira de hashish não fecha nem domingo, com muitas barracas diferentes espalhadas pelo green light district. E na real, é igual comprar verdura. Tem hash de tudo quanto é tipo e tudo quanto é preço. Escuros, claros, macios, duros, kiff, ice, wax, etc. E com buds iguais de amsterdam [ nada demais ] . Maioria midgrades e tlvz um ou outro quase highgrade. Uns que vi foram Super Skunk, Jack Herer, Super Silver Haze Minha primeira experiência na feira foi na barraca que tinha uma certa fila. O cara que tava atendendo era um hiponga das antigas de cabelo comprido e barbona branca. Creio que isto é uma raridade lá hoje em dia, pois a maioria dos hippies não vendem mais hash devido a certos casos de repressão do governo dinamarquês no inicio do século 21. Acho que era o unico lá desse naipe se bobear. Perguntei do hash mais saboroso e ele foi super simpatico e sugeriu o Marroc, com gostinho floral, frutado e apimentado. Pala suave, bom para um fim de tarde tranquilo. O segundo que acabei pegando um tal de malana sweet cream q tinha la e que tava com a cara boa..bem melento. Malana Sweet Cream Alem desse peguei um pouco de Durban Poison, SSilver Haze e Zero Zero Preço? Varia dependendo da qualidade e quantidade como qualquer lugar do mundo. Para efeito de comparação, a grama do Charas nesta foto abaixo estava 80 Krones [ aprox. 33 reais ]
  7. Salve, salve. Esta é a minha primeira contribuição para o fórum. Gostaria de indicar a leitura da resolução nº. 207 da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), de 22 de novembro de 2011. O documento é dispõe sobre os procedimentos de inspeção de segurança em aeroportos, mas nos interessa especialmente a questão da revista pessoal. Final de ano... Todo mundo viajando... Sempre rola levar um consigo... É bom ficar esperto e saber dos seus direitos. O documento pode ser lido aqui: http://www2.anac.gov.br/biblioteca/resolucao/2011/RA2011-0207.pdf Um abraço!