Ir para conteúdo
Growroom

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'sementes'.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 17 registros

  1. https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/stf-decide-que-importar-semente-de-maconha-nao-crime-23664858 Ministro Celso de Mello afirma que semente não pode ser qualificada como droga nem constitui matéria-prima para prepará-la, já que não possui o princípio ativo BRASÍLIA — Para o ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), a importação de sementes de cannabis sativa , a planta que dá origem à maconha, não é crime. Com esse entendimento, ele rejeitou denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal contra uma mulher que importou da Holanda 26 sementes da planta. Segundo o ministro, a semente não pode ser qualificada como droga, nem constitui matéria-prima destinada a seu preparo, porque não possui, em sua composição, o princípio ativo da maconha, chamado tetrahidrocanabinol (THC). A mulher tinha sido acusada do crime de importar matéria-prima, insumo ou produto químico destinado à preparação de drogas, que pode resultar em condenação de até 15 anos de prisão. O Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou a denúncia. Mas, no julgamento de um recurso do Ministério Público, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) recebeu a denúncia. Agora, no recurso apresentado pela defesa da acusada, o STF estabeleceu que a prática não configura crime. Na decisão, Celso de Mello destacou que, não contendo o THC, as sementes “não se revelam aptas a produzir dependência física e/ou psíquica, o que as torna inócuas, não constituindo, por isso mesmo, elementos caracterizadores de matéria-prima para a produção de drogas”.Segundo o relator, o Supremo tem entendido, em situações análogas ao caso, que não se justifica a instauração de investigação criminal nos casos em que envolve importação, em reduzida quantidade, de sementes de maconha, “especialmente porque tais sementes não contêm o princípio ativo inerente à substância canábica”. Porte de drogas O Supremo vai decidir no dia 5 de junho se é crime o porte de drogas para consumo pessoal. O julgamento do processo está suspenso desde setembro de 2015, quando o então ministro Teori Zavascki pediu vista do processo para analisar melhor. Teori morreu em janeiro de 2017 em um acidente aéreo. Alexandre de Moraes, que assumiu a vaga dele, "herdou" o pedido de vista e liberou o caso, em dezembro passado, para julgamento. Três dos 11 ministros do STF já votaram pela liberação do porte de maconha para uso pessoal.
  2. Eae galera, alguém fez alguma compra de sementes do exterior pela internet recentemente, ou tem ideia de como a situação geral está? Fiquei bastante interessado em sites como o seedsman, que vende uma grande variedade de strains, com qualidades específicas ideias pra quem busca a planta pra uso medicinal. Porém, buscando sobre o assunto parece algo bastante passivo de dar ruim caso apreendido pela polícia na entrada do país. A maioria desses posts que encontro é de anos atrás, e, além de ter visto matérias que narram decisões mais recentes do STJ à favor de usuários em muitos casos (pelo fato da compra de semente constituir a possibilidade de um crime, e não um crime em si), acredito que seja muito mais provável alguém postar algo porque deu ruim do que se tudo ocorreu deboas. O meu ponto é: Alguém teve experiência recente de compra em algum site do gênero, como o seedsman, e sabe se a chance de rodar numa dessas anda alta?
  3. Já viu quanta energia potencial tem uma pequena semente de cannabis? Essas sementes foram deixadas no ambiente de germinação, sem iluminação ou nutrientes, até demonstrarem atrofiamento no desenvolvimento (pararem de crescer).
  4. Do álbum 2017

    Em breve diário.
  5. Salve salve galera! Estou querendo cultivar plantas, porém as sementes do prensado que fumo nenhuma está germinando, gostaria de saber sites confiáveis que sejam no brasil, e maneiras para mim não me fuder com os policiais!!
  6. “É a primeira vez que uma instituição como o MPF defende abertamente a descriminalização para uso pessoal”, afirma advogado October 19, 2016 Harumi Visconti Em decisão histórica, o Conselho Institucional do Ministério Público decidiu que a importação de 12 sementes de maconha da Holanda não é crime. Conversamos com Alexandre Pacheco Martins, advogado que atuou no caso, que nos explicou os possíveis desdobramentos do julgamento. PBPD: Hoje, o Conselho Institucional do Ministério Público Federal (MPF) decidiu que a importação de 12 sementes de maconha não poderia ser considerada crime. Qual o impacto dessa decisão? Alexandre Pacheco Martins: É uma decisão muito importante. Ela muda o paradigma das acusações no país. É a primeira vez que uma instituição como o MPF defende abertamente a descriminalização [para uso pessoal]. Eu nunca tinha visto o Ministério Público falar isso publicamente. Um ou outro até falava nos bastidores, mas eles vão colocar a decisão no papel. Isso é impressionante, é dar autonomia para os procuradores. O órgão falou: “vocês não são mais obrigados a ficar correndo atrás de usuários”. Evidentemente, isso não significa que daqui para frente todo mundo pode entrar no site e começar a importar – mas as chances de elas serem denunciadas e o caso ser arquivado aumentaram em 200%. Se eu entrar agora no site e importar, muito provavelmente isso vai ser apreendido, vai ser encaminhado para a Polícia Federal, que poderá instaurar um inquérito policial, mas eu nem seria acusado de nada. Seria tudo provavelmente arquivado. Mas o que acontece é que a pessoa ainda não vai poder receber a semente, não vai conseguir fazer uso dela. A gente não conseguiu ainda legalizar – e não é no MP que isso seria decidido. Esse é o próximo passo: ganhar no STF e regulamentar o uso. A partir de agora, em qualquer ação semelhante o Ministério Público Federal deverá aplicar essa decisão acordada hoje? Alexandre Pacheco Martins: Não. Essa decisão não tem caráter vinculante, ou seja, ela não obriga os procuradores da República do Brasil inteiro a aplicarem a decisão. Qual é a função do Conselho Institucional do Ministério Público Federal? Alexandre Pacheco Martins: A função dele é traçar as diretrizes para o próprio Ministério Público Federal, ou seja, apesar de não ser vinculante, é esse o órgão que formula as diretrizes do MPF. A partir do momento em que o órgão entende que não é tráfico internacional de drogas nem contrabando, ele desobriga os procuradores que até não concordavam, mas acabavam denunciando pela obrigação funcional. A partir de agora só vai denunciar o procurador que concorda, mesmo, que é caso de tráfico. Enfim, as pessoas que entendem dessa maneira podem continuar aplicando isso, mas grande parte dos procuradores já entendia que não era [tráfico], mas batia na Justiça e alguns juízes falavam “Você pode até achar que não é, mas eu acho que é. Então vou mandar isso para o seu chefe”. E quando chegava no “chefe”, em última análise acabava indo para esse Conselho Institucional – que hoje tomou essa decisão. PBPD: Nesse caso específico, a chance desse réu ser absolvido na Justiça é grande. Alexandre Pacheco Martins: Na verdade, não tem como falar em absolvição porque ele não vai ser processado. Ele nem sequer vai virar réu. Ele foi mero investigado por tráfico internacional e, depois dessa decisão, ele é uma pessoa comum como qualquer outra pessoa do mundo. PBPD: O senhor acha que essa decisão de hoje pode ter impacto no julgamento do RE 635.659, que pode descriminalizar a porte de drogas para consumo pessoal? Alexandre Pacheco Martins: Acho que pode ter um belo reflexo. Ela influencia, mas não determina o resultado. Mas a decisão dá, inclusive, amparo para os ministros que estiverem inseguros: o próprio órgão acusatório oficial do Brasil entende que casos como esse não têm grande repercussão na vida prática das pessoas. PBPD: Um dos nossos seguidores comentou em nossa página que a decisão de hoje foi pautada pela inexistência de THC na semente da maconha. Como o senhor vê esse argumento? Alexandre Pacheco Martins: O julgamento foi bem mais profundo do que isso: eles definiram que não é nem tráfico nem contrabando. Não é tráfico pela inexistência do THC, de fato. Mas cada procurador foi aprofundando em um sentido. Alguns foram no sentido de não ter THC, outros falaram da interferência do Estado na vida privada. Cada um falou em um sentido, mas a decisão final foi a de que não é tráfico porque não tem THC e que, portanto, a semente de maconha não pode ser considerada a droga em si. Num segundo ponto, entendeu-se que não era contrabando também porque o que a gente chama de semente de maconha, biologicamente é um fruto. Se todas as sementes são proibidas exceto as permitidas, os frutos seguem uma lógica diferente: eles não necessariamente são proibidos de serem importados. Eu sustentei nesse sentido e uma das procuradoras até acolheu esse argumento. Mas a maioria entendeu que como a quantidade é muito pequena e o MPF entende que, num paralelo com o cigarro, pode-se importar até 153 caixas de cigarro sem configurar contrabando, não faz sentido você criminalizar todas as sementes de maconha. É muito pouco. Não tem relevância penal essa quantidade. PBPD: Era esperada essa decisão do Conselho Institucional do MPF? Alexandre Pacheco Martins: Esse julgamento começou em agosto. Quando eu fui lá para sustentar, eu estava meio sem esperança. Mas modéstia à parte, a discussão foi tão bacana, a gente trouxe pontos tão interessantes, que eu vi alguns procuradores nos questionando e depois concordando com nossos argumentos. E aí eu vi várias pessoas indo nesse sentido, foi impossível não se empolgar. http://pbpd.org.br/wordpress/?p=4110
  7. Quem acredita que nossa vitória não será por acidente sabe, muito bem, que algo importante como a descriminalização do cultivo pra uso pessoal é uma guerra onde a vitória só virá se tivermos a humildade de saber perder e também reconhecer quando vencemos as batalhas. Neste caso, VENCEMOS UMA PEQUENA MAS IMPORTANTE BATALHA! O MPF de cada estado sempre teve divergência no que diz respeito a acusar alguém de tráfico por importar sementes. Quando alguém era pego importando seeds, as vezes o MP denunciava por tráfico, as vezes não... Então a discussão foi parar no Conselho Institucional do Ministério Público Federal onde no último dia 20/out houve a sessão de julgamento e ficou decidido o seguinte: SE ALGUÉM IMPORTA SEMENTES DE MACONHA NÃO DEVE SER DENUNCIADO POR TRÁFICO. Ñ é decisão Judicial. Não garante q vc não seja autuado. Mas entendam: É apenas o que um dos órgãos mais altos dentro do Ministério Público decidiram e serve como uma "orientação" para todos os outros MP's do Brasil, para que não acusem ninguém de tráfico por conta de ter importado algumas sementes. Tentei achar material diretamente nos sites do MPF, mas não consegui. Segue o conteúdo da divulgação feita pela VICE, aqui: http://www.vice.com/pt_br/read/importacao-semente-de-maconha ###################################################### Importação de semente de maconha não é considerada tráfico no Brasil em decisão histórica Por Equipe VICE Brasil - outubro 21, 2016 Muito mais do que ter a liberdade em acender um baseado e seguir a vida numa boa, a discussão sobre a legalização da maconha para uso recreativo e outros fins, vai além. No Brasil, tivemos um avanço na área medicinal depois da liberação do canabidiol para o tratamento de certas patologias. Já a criminalização do uso pessoal da maconha ainda tem muito a ser discutida. E parece que dessa vez um pequeno passo foi dado: o Ministério Público Federal (MPF) decidiu na última quinta (20) não criminalizar a importação de sementes de maconha feita por um homem investigado pela Polícia Federal, já que, segundo a decisão, semente não pode ser considerada droga. A expectativa é que a resolução da justiça possa abrir um precedente para futuros casos que envolvam growers e usuários. A decisão foi dada por meio do Conselho Institucional do MPF, cuja função é julgar os recursos das câmaras de revisão do próprio órgão e também estabelecer as institucionais do órgão. Segundo o advogado do caso, Alexandre Pacheco Martins, o seu cliente foi enquadrado nos crimes de tráfico e drogas e, posteriormente, contrabando, após importar oito sementes de maconha da Holanda por causa de uma aposta entre os amigos. De brinde, mais quatro sementes foram enviadas. A acusação foi feita após a Polícia Federal rastrear o pacote. O caso quase chegou a ser arquivado pela PF e foi julgado contra o acusado duas vezes até o advogado recorrer ao Conselho, instância máxima do MPF formada por 21 subprocuradores-gerais da República. Assim, o caso das sementes foi reavaliado e votado pelos subprocuradores-gerais. O resultando foi 11x8 a favor do acusado, como conta o advogado. "Para o País, eu realmente acho que é uma decisão histórica. Um baita precedente, uma luz na luta pela descriminalização," afirma Martins celebrando a vitória histórica, um exemplo atual que poderá ser referência para casos mais específicos que envolvem cultivadores de plantas de maconha. Assim como a liberação do canabidiol para uso medicinal autorizado pela Anvisa ainda esse ano e a conclusão do julgamento do RE 635.659 que discute a inconstitucionalidade da criminalização do porte de drogas no país.
  8. Galera, alguém aí já comprou sementes pelo http://www.ilovegrowingmarijuana.com/ ? O site é bom. Tem boletins informativos diários de alguma utilidade. Ele tem uma Marijuana Grow Bible muito boa tb, que ele disponibiliza de graça depois que vc faz o cadastro. Não encontrei nada sobre compras nesse site. Pelo menos não no Brasil. Alguém já ouviu algo a respeito? Valeu. Abraços.
  9. Fala galera tranquilo. bom, eu estou aqui no canada, e na proxima semana estarei voltando para o brasil. Queria comecar a plantar no brasil e aqui tem varias lojas que vendem sementes de canabis, o que é mt bom pq voce pode escolher a especie,etc. Ai me surgiu a duvida, é muito arriscado levar 5 sementes na minha bagagem voltando para o brasil?Alguem ja fez isso e poderia falar como foi ou me dar alguma dica? o que mais me preocupou foi que eu vi que o raio x coloca os rodutos organicos em uma cor diferente. é isso galera espero que possam me ajudar, obrigado!
  10. Alguém que seja do ES já teve seeds apreendidas e foi intimado pela PF? Se sim, como é o procedimento dos caras? Obrigado, e perdão, procurei na busca mas não encontrei nada relacionado a essa situação específica.
  11. Do álbum Diário - Meu Primeiro Grow

    Fiz a colheita das sementes, no total foram 9 sementes.
  12. 22/7/2015 às 15h44 Festival de culinária italiana em Londres oferece espaguete de cannabis http://entretenimento.r7.com/pop/festival-de-culinaria-italiana-em-londres-oferece-espaguete-de-cannabis-22072015 Por Pamela Barbaglia LONDRES (Reuters) - Qualquer italiano dirá que massa é boa para a saúde e causa bem estar. Mas e espaguete feito de cannabis? Agricultores do sul da Itália que exibiram suas criações em um festival de culinária italiana em Londres nesta semana dizem que sua massa de cânhamo, óleo e pão não deixa ninguém alucinado, mas realmente é uma alternativa saudável e saborosa à variedade tradicional feita de trigo. "A comida de cânhamo é verdadeiramente orgânica", afirmou Marzio Ilario Fiore, de 30 anos, cuja fazenda na região de Molise produz óleo e farinha de cânhamo. "O cânhamo não exige pesticidas, fertilizantes e só uma quantidade moderada de água." A cannabis é associada principalmente aos efeitos psicoativos da maconha, mas algumas cepas da planta também podem ser cultivadas para produzir alimentos. O cânhamo, uma variedade de crescimento rápido e que contém níveis insignificantes da substância tetrahidrocanabinol (THC), vem sendo usado há tempos em alimentos e outros produtos. A Itália suspendeu uma proibição ao cultivo da planta em 1998. "Minha colheita é verificada regularmente por inspetores da polícia italiana para ter certeza de que o THC está dentro do limite legal", explicou Fiore, um de cerca de 200 chefs italianos presentes à capital inglesa para a Expo Bellavita. Além do espaguete feito com farinha de cânhamo, ele levou amostras de taralli --biscoitos saborosos do sul da Itália-- de cânhamo e óleo da mesma substância, que tem um sabor único semelhante ao da noz. As sementes de cânhamo são uma das fontes mais ricas de proteína vegetal, com altas concentrações de ácidos graxos de ômega, dizem seus cultivadores.
  13. 18/06/2015 10h39 Redação http://conexaoto.com.br/2015/06/18/mpf-denuncia-empresario-do-tocantins-por-importacao-de-sementes-de-maconha MPF denuncia empresário do Tocantins por importação de sementes de maconha O Ministério Público Federal denunciou um empresário tocantinense por ter importado e solicitado a remessa para Palmas de dez sementes de Cannabis Sativa Linneu, vulgarmente conhecida como maconha, por meio de do sítio eletrônico de empresa holandesa. O ato ilícito foi constatado em fiscalização de rotina por funcionários da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos e servidores da Receita Federal, que apreenderam a encomenda oriunda do Reino da Holanda preenchida com matéria-prima para produção de entorpecentes. Laudo pericial confirmou que as características das sementes são compatíveis com as de Cannabis Sativa Linneu, e embora não apresentem o princípio ativo tetrahidrocannabinol (THC), censurado pela portaria nº 334 de 12 de maio de 1998, têm a propriedade de originar substâncias entorpecentes. O MPF/TO aponta que se tornou comum a remessa ao Brasil de sementes de maconha por empresas inglesas e holandesas após negócios em sítios virtuais. Apreendidas as encomendas, surge discussão sobre a potencialidade lesiva da conduta, uma vez que os brasileiros que importam essa mercadoria geralmente o fazem em pequenas quantidades, fato esse que poderia caracterizar a compra para o consumo. Sobre esse aspecto, a conduta perpetrada seria tipificada como contravenção penal, especificada no artigo 28 da Lei Antidrogas. Contudo, a singela importação de sementes de maconha já se reveste de potencialidade lesiva e tipicidade formal, pois se amolda ao delito previsto no art. 33, § 1°, I, da Lei n°11.343/06, que criminaliza a importação de matéria-prima. Ademais, considera o MPF, dez sementes de maconha podem gerar uma quantidade ilimitada de plantas. Também é considerado que o fato do destinatário não haver recebido a correspondência não impede a penalização, tendo em vista que o tipo penal previsto no art. 33 da Lei antitóxicos é de ação múltipla ou conteúdo variado, sendo suficiente, para a consumação do crime a prática de uma das condutas ali previstas. O que diz a Lei n.º 11.343/06 Artigo 33, §§ 1º, I, e 4.º, combinado com artigo 40: Art. 33. Importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar: Pena – reclusão de cinco a 15 anos e pagamento de 500 a 1.500 dias-multa. § 1o Nas mesmas penas incorre quem: I – importa, exporta, remete, produz, fabrica, adquire, vende, expõe à venda, oferece, fornece, tem em depósito, transporta, traz consigo ou guarda, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar, matéria-prima, insumo ou produto químico destinado à preparação de drogas; (...) § 4.º Nos delitos definidos no caput e no § 1o deste artigo, as penas poderão ser reduzidas de um sexto a dois terços, vedada a conversão em penas restritivas de direitos, desde que o agente seja primário, de bons antecedentes, não se dedique às atividades criminosas nem integre organização criminosa. (…) Art. 40. As penas previstas nos arts. 33 a 37 desta lei são aumentadas de um sexto a dois terços, se: I - a natureza, a procedência da substância ou do produto apreendido e as circunstâncias do fato evidenciarem a transnacionalidade do delito;
  14. passo-a-passo. assim se desconstitui a ignorância da justiça. se liga. ################################################## http://www.conjur.com.br/2015-jun-26/importar-algumas-sementes-maconha-contrabando-nao-trafico Tipo de crime foi alterado devido à pequena quantidade e à aparente destinação para uso próprio.Importar pequenas quantidades de semente de maconha não pode ser considerado tráfico, mas sim contrabando. Essa interpretação resulta do entendimento de que o produto que dá origem à planta não é droga, pois não possui tetraidrocanabinol, o THC — substância psicotrópica da maconha. Também influencia esse análise o fato de que qualquer produto vegetal importado deve ter autorização do Ministério da Agricultura, porque sementes ou mudas só podem entrar no Brasil se estiveram inscritas no Registro Nacional de Cultivares (RNC). A decisão é da 11ª Turma do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, que desconsiderou punir um estudante universitário que importou 11 sementes de maconha. O produto, proveniente da Holanda, foi apreendido durante uma fiscalização da Receita Federal em São Paulo. A mercadoria estava nos Correios, junto ao serviço internacional de remessas postais da alfândega de São Paulo. O processo foi movido pelo Ministério Público Federal, que solicitava a condenação como crime previsto no artigo 33, parágrafo 1º, inciso I, combinado com o artigo 40, inciso I, ambos da Lei 11.343/06. A norma trata sobre o tráfico internacional de drogas. O artigo 33 da lei delimita pena entre cinco e 15 anos para quem importar, exportar, remeter, preparar, produzir, fabricar, adquirir, vender, expor à venda, oferecer, ter em depósito, transportar, trazer consigo, guardar, prescrever, ministrar, entregar a consumo ou fornecer drogas, ainda que gratuitamente, sem autorização ou em desacordo com determinação legal ou regulamentar. Já o dispositivo número 40 aumenta a pena estabelecida entre um sexto e dois terços, se a natureza, a procedência da substância ou do produto apreendido e as circunstâncias do fato evidenciarem a transnacionalidade do delito. Ao analisar o caso, o TRF-3 classificou o ato como crime de contrabando. A alteração de tipificação ocorreu devido à pequena quantidade de sementes importadas e à aparente destinação para uso próprio. Segundo a corte, tais características não lesionam a saúde pública, ou seja, não configuradora de delito. Para a corte regional federal, por mais que as sementes sejam aptas a gerar ‘pés de maconha’, elas não podem ser consideradas, ao menos juridicamente, matérias-primas. O entendimento se deu porque “não se extrai a maconha da semente, mas sim da planta germinada”. A relatora da ação, desembargadora federal Cecilia Mello, entendeu que a conduta narrada no caso se enquadra como posse de droga para uso pessoal (artigo 28 da Lei nº 11.343/06), pois o produto importado se destinava à semeadura, cultivo e colheita de planta destinada à preparação de pequena quantidade de droga. Contrabando Embora as sementes não tenham sido semeadas e nem possam ser consideradas drogas ou matérias-primas destinadas a sua produção, a decisão concluiu que elas são de importação proibida. Desse modo, o crime que originou a ação foi classificado como contrabando. Contudo, o tribunal decidiu que não há necessidade de uma ação penal por contrabando neste caso. Segundo a corte, “a lei penal não deve ser invocada para atuar em hipóteses desprovidas de significação social, ou quando a lesão ao bem jurídico protegido for irrelevante”. Os desembargadores consideraram que onze sementes de maconha não seriam capazes de colocar minimamente em risco a saúde pública. Além disso, levaram em conta que o acusado não reiterou a conduta e nem demonstrou intenção de comercializar as sementes ou seu possível produto. Assim, as circunstâncias do caso, como a pequena quantidade e ausência de propósito comercial, levaram os magistrados a aplicar o princípio da insignificância para rejeitar a denúncia. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-3. Clique aqui para ler o acórdão. Processo 2014.61.81.007841-7/SP
  15. Estava vendo AGORA o jornal nacional, quando de repente aparece uma reportagem(bem rápida) sobre compra de sementes de maconha online. Não diz que o crime é por comprar "matéria prima de fabricação de drogas", mas sim por contrabando. De toda forma, estou completamente desesperada pois tenho uma compra que já está em Curitiba acho também que tenho motivos a mais para me preocupar em excesso: 1- não dá para cancelar a compra ou mudar o nome, pois esta já está em Curitiba. 2- utilizei MEU NOME na compra; 3- não é minha primeira compra (já comprei outras vezes no seedsman, mas nunca tive problemas); 4- (e pior de todas) sou menor de idade e minha mãe não sabe da compra. Faço 18 em agosto do ano que vem, mas estou disposta a contar essa semana ainda sobre a compra (ela viu a reportagem comigo). Vacilei, vacilei MUITO, eu sei, mas estou disposta a tentar contornar a situação, e começar a ter um relacionamento mais aberto com minha mãe. Independente se aparecer OU NÃO polícia na minha casa, quero ter essa conversa com ela e tentar ao menos amenizar tudo isso.
  16. http://www.alagoas24horas.com.br/conteudo/?vCod=205946 Saúde10h01, 21 de Julho de 2014 Dieta: benefícios das sementes de maconha Thinkstock Dieta: benefícios das sementes de maconha Enquanto a lenda diz que consumir maconha dá uma fome daquelas, as sementes de cânhamo, porém, vão na contramão e seriam boas aliadas na dieta, inclusive para a perda de peso. Recentemente, a modelo Yasmin Brunet declarou que é adepta do alimento e costuma consumi-las como se fosse chia ou linhaça. Para conhecer os benefícios das sementes, segue a entrevista com o endocrinologista Pedro Assed, do Rio de Janeiro. Dá uma olhada: Como as sementes agem no organismo? Elas contêm grandes quantidades de fibras, aminoácidos e ácidos graxos essenciais, como o ácido linoléico, o ácido esteárico, além de ômega 3 e 6. Esses ácidos graxos protegem as membranas celulares e mantêm o fluido celular, importante para manter a pele saudável e ajudar na cicatrização de feridas. Também são fundamentais para o cérebro, já que a falta desses ácidos já foi associada a dificuldades de aprendizado e problemas de comportamento em crianças. E ainda ajuda a diminuir a incidência de doenças cardiovasculares e os níveis de colesterol. Para quem são indicadas? O consumo do óleo e das sementes de cânhamo é ideal para pessoas com baixo nível de ácidos gordos essenciais, e também para atletas e crianças. É ainda particularmente valioso à população vegetariana e vegana, que encontra no cânhamo uma fonte completa de proteínas. Quais as suas desvantagens? O cânhamo não tem registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para ser vendido (na forma industrializada) no Brasil, pois contém percentuais variáveis do composto psicoativo THC – Tetrahidrocanabinol, mesmo principio ativo encontrado nas plantas da família Cannabis, da maconha. Na parte nutricional, o ponto negativo é o alto valor calórico. Como devem ser consumidas e qual a quantidade ideal? Uma das maneiras mais simples de consumir semente de cânhamo é na forma de shakes. Basta bater no liquidificador as sementes de cânhamo orgânicas (inteiras ou descascadas) com frutas, sucos, ou leite (de vaca ou de soja). Não há uma quantidade ideal a ser consumida especificamente dessa fibra. Mas em geral cerca de 30g (1 colher de sopa) de fibras por dia é considerado satisfatório. Funcionam para quem quer emagrecer? Servem para substituir algum outro alimento? Qualquer alimento que contenha fibra em boa quantidade tem o potencial de ajudar no emagrecimento uma vez que prolonga a sensação de saciedade, diminui o esvaziamento do estômago e com isso regula melhor a fome e o apetite. Elas podem substituir outras fibras como a linhaça e a chia. Quantas calorias têm, em média? Em media, 100 gramas têm cerca de 510 kcal. Fonte: Revista Marie Claire
  17. Olá Growers, Sou novo aqui, nunca cultivei e e morro de vontade de cultivar e experimentar a White Widow e ouyras gringas. Cansei de prensado e incrivel não consigo achar uma semente -.-. Quando eu acho, ela quebra. po =/ Gostaria muito experimentar a essencia natural. Mas eu tenho muito medo de ser pego pela autoridades, ser preso, ser intimado. De uma sementinha pode mudar a sua vida do céu ao inferno por causa dessas leis injustas. Li o caso do Greencerrado, Lowrider e realmente vi um amigo nosso, ter que vender a casa, separar da esposa porque foi preso e o advogado custava 40mil. Claro, depois de 1 mês no xalindró, o pessoal se mobilizou para libertar o cara. Loucura... Bom, criei esse tópico para dar algumas dicas para quem ta comprando semente ou cultivando. Estou baseando essas dicas, conforme fui lendo os relatos aqui no forum. Vamos ajudar o proximo. Quando for comprar alguma semente, tenha em mente que você está correndo o risco de ser enquadrado por trafico internacional de drogas ou Artigo 33. Se você está disposto arriscar, mantenha seu anonimato mais que possivel. Ao comprar semente, veja essas 10 dicas, que poderao ajudar no seu sucesso. 1 - Pesquise aqui no forum seedsbank de sucesso (aqueles que receberam a semente com sucesso) 2 - Jamais use seu nome, use um nome Falso (Ex. Bob Oneil... de preferencia nomes gringos) 3 - Peça encomenda não registrada. Pois registrada a chance de ser Intimado é maior. 4 - Não coloque o endereço de cultivo, coloque endereço de uma casa vazia, ou apartamento do seu amigo que não tem porteiro. 5 - Compre poucas sementes, no max 5. 6 - Para sua segurança, compre sementes com camiseta, case de iphone, cofrinho algo discreto. 7 - Evite falar para amigos, parentes, familiares sobre a seu grow. (já vi um caso que o proprio cunhado denunciou) 8 - Não publique fotos do seu Grow no facebook nem whatssap. 9 - Enquanto estiver cultivando, não fume em casa. Seja discreto. Zé povinho virou uma arma . 10 - Caso seja intimado, não desespere. Procure um advogado e disperse tudo que você tem na sua casa. Obs: Se você pedir registrada, a seeds irão passar pelos correios, vai ser verificado, passado pela alfandega e caso conste as sementes. A policia Federal poderá "armar" para você. Aconteçe muito, no caso de rgistrada, você recebe, o carteiro te entrega e a PF só esperando você receber. Pegou envolope, pronto, assinou ...fudeu. Vi outro caso, que os canas foram junto com o carteiro no prédio. E os canas pediram para o porteiro ligar e esperar o grower descer. Eles estavam disfraçados e sentados, quando ele deçeu, assinou, os canas levantaram e chamaram duas testemunhas e fizeram o grower abrir a cartinha. E flagra...fudeu Então galera a Dica é... Compre pouca semente, converse com alguem do seedbank peça uma embalagem discreta, coloque um nome gringo e peça carta Não Registrada! Coloque endereço em uma casa vazia ou prédio que não tenha porteiro. Pois o carteiro só vai chegar e entregar na caixa. E é só você ir lá da uma olhadinha, chegou, aliviou, cultivou, emocionou e fumou. Caso peça registrada, você tem que assinar pra receber. Agr, só me resta a legalização, gostaria muito de pegar uma semente gringa, uma "Auto" (sonho em cultivar) mas meu medo é a intimação. Não quero nunca sonhar, com essa carta na minha casa. Já rodei, já apanhei, já fui humilhado... então esse trauma ficou na mha cabeça. Quem é das antiga, sabe como maconheiro sofria muito no passado. Só me resta é prevenir. Fiquem na Paz! Um abraço a todos.
×
×
  • Criar Novo...