Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'marcha'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 9 registros

  1. “Jardineiros” plantam maconha para fugir do tráfico no País http://noticias.terra.com.br/brasil/jardineiros-cultivam-maconha-para-cortar-vinculo-com-trafico-no-brasil,7954b45f7728e128fa14436b75be459ct9ypRCRD.html Fórum sobre cultivo para uso próprio tem 65 mil inscritos no Brasil; São Paulo recebe Marcha da Maconha no sábado Débora Melo Direto de São Paulo 22 MAI2015 “Comecei a plantar para deixar de ter vínculo com o tráfico. Minha mãe me apoiou, não queria que eu tivesse que passar por várias situações para conseguir comprar maconha.” O relato é do agrônomo L., hoje com 26 anos. Ele, que sempre plantou a erva para consumo próprio, foi preso em 2012 após uma denúncia anônima que levou a polícia à sua casa, na zona sul de São Paulo. Com um filho pequeno e a mulher grávida de nove meses, passou 11 dias preso, acusado de tráfico de drogas. Além de cortar vínculo com o tráfico, cultivadores apostam na qualidade do produto Foto: AP O administrador de empresas R., 38 anos, começou a plantar maconha por curiosidade, mas logo percebeu no cultivo uma oportunidade para fugir do tráfico e, de quebra, consumir um produto de qualidade. “Queria ficar fora das mãos dos traficantes e de todo esse sistema. Plantando eu também consigo ter algo razoavelmente bom sem precisar gastar uma fortuna”, diz R., que é morador da zona oeste. Ele nunca foi preso, mas tem vários amigos "jardineiros" que já tiveram problemas com a lei. “Isso me deixa indignado.” Siga o Terra Notícias no Twitter Com a defesa da legalização da produção, da circulação e do uso de cannabis no Brasil como bandeira, a Marcha da Maconha ocupará mais uma vez as ruas da capital paulista, neste sábado. Nesta edição, o tema será “Pela liberdade dos nossos presos, em memória aos nossos mortos”. Se não fosse um habeas corpus e a posterior extinção do processo, o agrônomo L. poderia ter engrossado os números da população carcerária brasileira, que vem aumentando significativamente por conta da “guerra às drogas”. De acordo com dados divulgados em abril pelo Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça (Depen/MJ), o País triplicou o número de pessoas presas por tráfico de drogas entre 2005 e 2013, passando de 50 mil para 150 mil. Com mais de 715 mil presos, o Brasil tem a terceira maior população carcerária do mundo. A Lei de Drogas (11.343/2006) tentou descriminalizar o consumo, mas a falta de critérios objetivos para diferenciar o usuário do traficante tem causado impacto nas penitenciárias. De acordo com o artigo 28 da lei, o porte e o cultivo para consumo pessoal não devem ser punidos com prisão, mas com “advertência sobre os efeitos das drogas; prestação de serviços à comunidade; ou comparecimento a programa ou curso educativo”. Para Emílio Figueiredo, consultor jurídico do Growroom – fórum sobre cultivo e ativismo canábico com mais de 65 mil inscritos no Brasil –, enquadrar o cultivador como traficante é “uma grande injustiça”. "Acusar de tráfico uma pessoa que não quer fazer parte desse mercado, que rejeita o mercado violento das drogas é injustiça, não tem outro nome." O líder rastafári Ras Geraldinho, que plantava maconha, cumpre pena de 14 anos de prisão por tráfico de drogas Foto: Facebook / Reprodução O artigo 28 da lei diz ainda que, para determinar se a droga é destinada a consumo pessoal, “o juiz atenderá à natureza e à quantidade da substância apreendida, ao local e às condições em que se desenvolveu a ação, às circunstâncias sociais e pessoais, bem como à conduta e aos antecedentes do agente”. O tráfico de drogas, por sua vez, é tratado no artigo 33. Segundo Figueiredo, o pobre que planta entra no artigo 33; o rico, no 28. “Ao dizer que é preciso considerar as condições do local onde foi encontrado o cultivo, a lei brasileira favorece a discriminação contra quem mora na periferia e não tem emprego formal, por exemplo.” Um caso emblemático no Brasil é o de Geraldo Antonio Batista, conhecido como Ras Geraldinho, que cultivava maconha e em 2013 foi condenado a 14 anos de prisão por tráfico de drogas. Líder de uma igreja rastafári em Americana (SP) – Primeira Igreja Niubingui Coptic de Sião do Brasil –, Geraldinho alegou que usava maconha para fins religiosos, mas o argumento não foi aceito pelas autoridades. Agora ele cumpre pena na Penitenciária de Iperó (SP) enquanto aguarda o julgamento de um recurso pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ). De acordo com o advogado Alexandre Khuri Miguel, que defende Geraldinho, o uso religioso da maconha deve ser permitido da mesma forma como a ayahuasca, consumida por seguidores do Santo Daime, por exemplo. "A Constituição garante a liberdade religiosa", diz Miguel. Além do uso religioso, existe a discussão a respeito do uso medicinal da cannabis. Em fevereiro deste ano, uma operação da polícia do Rio de Janeiro prendeu em Petrópolis (RJ) o ativista Flavio Dilan, conhecido como Cabelo. Mesmo alegando cultivo para consumo próprio como parte de um tratamento contra epilepsia – algo já reconhecido pela comunidade médica –, Cabelo continua preso. Foto tirada na plantação caseira do administrador de empresas R., 38 anos, na zona oeste de São Paulo Foto: Arquivo pessoal / Divulgação Futuro O projeto de lei (PL) 7270/2014, de autoria do deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ), propõe a regulação da produção e da comercialização da maconha e uma série de outras mudanças na política de drogas no Brasil. Em contrapartida, há também o PLC 37/2013, do ex-deputado Osmar Terra e hoje resgatado pelo senador Lasier Martins (PDT-RS), que prevê aumento da pena para o tráfico e internação involuntária de usuários. Também há uma sugestão de iniciativa popular (SUG 8/2014) que propõe a regulação do uso medicinal, recreativo e industrial da maconha e está sendo discutida no Senado. O relatório do senador Cristovam Buarque (PDT-DF) para a sugestão, que pode virar projeto de lei, será votado na Comissão de Direitos Humanos da Casa, na sessão da próxima quarta-feira. A mudança mais rápida pode se dar, contudo, via Supremo Tribunal Federal (STF), que em breve julgará o Recurso Extraordinário (RE) 635.359, que trata justamente do artigo 28 da Lei de Drogas. Se julgar o recurso procedente, o STF estará dizendo que o Estado não pode criminalizar o usuário e, assim, deverá criar parâmetros mais objetivos para definir o que é traficante e o que é usuário. Em entrevistas à imprensa, os ministros do Supremo têm manifestado preocupação com o encarceramento em massa no País.
  2. O Senador Cristovam Buarque foi designado pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) para atender a sugestão numero 8 / 2014 que consiste na regulamentação da Cannabis. Serão realizadas 8 audiências publicas para escutar a população e debater sobre o tema com convidados. Video A primeira foi 2 de junho e passou batida, muito mais gente falando contra do que a favor. Link para Ata A segunda 11 Agosto. botar link notas taqui aqui A terceira do dia 25 de Agosto foi uma vitoria. botar link notas taqui aqui 8 setembro ocorreu a quarta 22 setembro - quinta 13 Outubro - 6ª Audiencia Publica porque as mais importantes? Basicamente o senado vai decidir o assunto baseado na opinião do Cristovam (relator) e o Cristovam provavelmente vai presidir a mesa da comissão nas 7 audiências restantes, teremos sete e apenas sete oportunidades de comparecer em peso ao vivo e virtualmente (portal e-cidadania). Marquem nos seus calendários! deixem no minimo uma frase na audiência interativa, se 1% dos inscritos no site mandarem ao menos uma frase de apoio superaremos muito em numero do pessoal que quer manter a guerra. que infelizmente estavam em maior numero e marcaram mais presença na primeira audiência. Temos sete pra recuperar! Quem apoia? Vamos fazer um display de contagem regressiva na pagina principal pras audiências virtuais? fica a ideia e o apelo a deixar ao menos um registro nas audiências virtuais, que apesar de virtuais, não aceitam mensagens a qualquer data e horários, apenas durante a ocorrência da audiência presencial no senado, ou seja apenas nos dias e hora corretos pode-se enviar comentários online.
  3. Com certeza a galera de Curitiba tem muito mais a dizer sobre o preconceito existente a partir da proibição da maconha. Mais do que falar sobre causas urgentes para nós "maconheiros" (como a descriminalização, legalização), pensamos na desmistificação tanto da planta quanto do comportamento dos apreciadores da Cannabis. Quem tiver disposto, unite =) vamos evoluir essa causa.
  4. Milhares marcham no Chile por descriminalização da maconha Milhares de pessoas participaram este sábado na marcha pela maconha realizada na capital chilena e em outras 14 cidades do país, que busca a descriminalização do autocultivo da planta. Na manifestação foi distribuído aos presentes um folheto com conselhos para os usuários da maconha, no qual vinha uma semente. Segundo seus organizadores, para a iniciativa em Santiago, que culminou com um ato artístico na Praça Almagro, chegaram cerca de 50 mil pessoas, em sua maioria jovens. Os jovens marcharam da Praça dos Heróis, a cerca de 350 metros de seu destino final, com cartazes e dançando ao ritmo de várias bandas que participaram do ato. A manifestação quer colocar em debate presidencial a modificação do artigo 50 da Lei 20.000 sobre tráfico ilícito de entorpecentes, que sanciona o consumo de drogas ilícitas em lugares públicos, em particulares próprios para este fim ou levem algum tipo de substância ilegal. A ideia busca também que seja permitido o autocultivo da maconha, como ocorre em outros países, se esta for feita com fins terapêuticos e não com fins comerciais ou de tráfico. http://noticias.terra.com.br/mundo/america-latina/milhares-marcham-no-chile-por-descriminalizacao-da-maconha,0621781acf2be310VgnCLD2000000dc6eb0aRCRD.html ************************************************************ Esses dias ví uma discussão interessante, de como o Brasil perde por falar português. E vendo essas coisas, concordo ainda mais. Em questões mais delicadas como casamento gay, aborto, drogas, seria libertador termos uma comunicação uníssona em toda américa latina. É bom ver que nossos irmãos estão unidos e fazendo barulho, ainda mais que o cultivo caseiro já foi liberado no chile. E o chile ainda não virou um maconhal.
  5. sábado, 23 de março de 2013 7:00 Marcha da maconha causa protesto Cadu Proieti do Diário do Grande ABC O vereador de São Caetano Fabio Palacio (PR) irá iniciar movimento contra a realização da marcha da maconha na cidade. A intenção do parlamentar é reunir a sociedade civil organizada para impedir que o ato aconteça no município. O evento está marcado para o dia 9 de junho. Na semana passada, durante sessão na Câmara, ele manifestou repúdio à manifestação que visa abrir diálogo sobre a descriminalização da droga. "Em defesa da família e tudo aquilo que entendemos por bem, como o trabalho antidrogas feito pela Prefeitura, acreditamos que o consumo da maconha, considerada pelos órgãos de Saúde de efeito mais leve, é a porta de entrada para outras drogas. Então, temos a intenção de tentar barrar a realização do evento aqui na cidade", disse o parlamentar. Palacio afirmou que, por enquanto, não há previsão de realizar passeata contra o movimento pela liberação da erva. "Inicialmente, não temos essa intenção. Vamos reunir toda sociedade civil organizada, entidades prestadoras de serviço e poder público, para que haja ampla discussão sobre o tema e, dessa forma, a marcha não aconteça." O grupo que está organizando o evento na cidade não se intimidou com as declarações do vereador. "Vivemos numa democracia na qual a livre expressão impera. Outros políticos tentaram barrar o movimento, mas não conseguiram. Se o vereador é contra a legalização, que faça uma marcha contra isso. Se organizar para sufocar o movimento na marra só demonstra o autoritarismo de alguns setores da sociedade", informou a organização do ato. A garantia que os ativistas possuem para realizar o evento em São Caetano é que, em junho de 2011, o STF (Supremo Tribunal Federal) assegurou o direito de cidadãos realizarem manifestações pela descriminalização e legalização de drogas em todo o País. Apesar desse fator a favor dos manifestantes, Palacio disse que vai procurar o grupo para evitar que a manifestação seja feita no município. "Ainda não consegui falar com essas pessoas, mas, caso haja a possibilidade, queremos dialogar com eles também", garantiu. O prefeito Paulo Pinheiro (PMDB) declarou que aceita liberdade de expressão, mas não libera apologia ao vício na cidade. Ato em Diadema reuniu cerca de 80 pessoas no ano passado A marcha da maconha realizada em maio do ano passado em Diadema reuniu somente cerca de 80 pessoas. A baixa adesão ao movimento frustrou os organizadores da manifestação, que aguardavam ao menos 1.000 ativistas no evento a favor da descriminalização da droga. Na ocasião, os manifestantes culparam a tentativa da Prefeitura de proibir a marcha como o principal motivo para o baixo número de adeptos. Utilizando cartazes, faixas, bandeiras e um megafone, o grupo percorreu as avenidas Alda, Santa Maria e São José, além das ruas São Judas Tadeu e Izaurino Lopes da Silva, na região central da cidade. O ato durou aproximadamente uma hora, com a volta dos participantes ao ponto de partida. Cerca de 100 policiais militares e 44 GCMs (guardas-civis municipais) escoltaram o ato. A realização da marcha em Diadema gerou muita polêmica. Em fevereiro, a diretoria de eventos da Prefeitura assinou documento que atendia a solicitação do grupo em utilizar a Praça da Moça como palco da mobilização. No entanto, após pedido da Polícia Militar, em março, a administração municipal comunicou os organizadores que não iria autorizar o uso de solo do município. O caso foi parar na Justiça e o juiz André Mattos Soares cassou a proibição do Executivo à realização do evento. fonte:http://www.dgabc.com.br/News/6016185/marcha-da-maconha-causa-protestos.aspx
  6. Salve galera! To aqui pra convidar todos pra participarem do "Bloco do Cultivo" da Marcha da Maconha São Paulo. A Marcha foi subdividida em blocos, e já conta com o Medicinal, Religioso, Feminista, Psicodélico e o do Cultivo Caseiro. Há um grupo no Facebook criado pra ajudar a agilizar o processo. Já temos uma frase, o layout da camiseta e a força de vontade!rs Estamos indo, bem devagar, mas esse próximo mês vai ser um agito maior com certeza. Ainda precisamos de ideias e descobrir como nos organizar da melhor forma até lá. Quem tiver interesse entre no grupo, ou vamos organizando por aqui também. Acho que o GR é o grande ninho dos cultivadores, e tem uma galera forte em SP. Precisamos nos fortalecer na Marcha, ser o bloco mais bonito e expressivo. Vamos nos organizarmos legal e representar os todos jardineiros da Ganja na Marcha SP. Grupo: www.facebook.com/groups/blocodocultivosp Contamos com vocês growers de SP!! Abraços
  7. Fala galera! Estava meio bolado hoje em não poder participar da marcha no Rio esse ano por que estou viajando, quando passeando aqui por Berlim dei de cara com a marchas dos locais. Apesar de bem menor que a do Rio era bem animada e com muita mas muita policia. Os policiais ficam em cima da galera pra ninguém acender nada muita pressão em cima mas o direito de manifestação está garantido. Seguem algumas fotos que tirei do evento.
  8. Fala galera! Estava meio bolado hoje em não poder participar da marcha no Rio esse ano por que estou viajando, quando passeando aqui por Berlim dei de cara com a marchas dos locais. Apesar de bem menor que a do Rio era bem animada e com muita mas muita policia. Os policiais ficam em cima da galera pra ninguém acender nada muita pressão em cima mas o direito de manifestação está garantido. Seguem algumas fotos que tirei do evento.
  9. O presidente da Guatemala está propondo um debate no dia 4 de abril sobre a legalização das drogas, então bora apoiar aí que mesmo longe a luta também é nossa. A votação é buscando apoio, caso alguém já tenha postado, peço desculpas, eu dei uma pesquisada aqui e não achei nada. O link vai logo abaixo: http://signon.org/sign/support-guatemalan-president