Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'legaliza'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 5 registros

  1. Vocês aqui do fórum acham que a maconha vai ser legalizada em breve? Acham que vai demorar? Quais são os argumentos de suas expectativas sobre o quanto vai demorar a legalização da erva?
  2. Uruguai outorga residência permanente a todos os nascidos nos países do Mercosul. Fonte: Jornal El País http://www.elpais.com.uy/informacion/residencia-uruguaya-automatica-nacidos-mercosur.html Residencia automática a nacidos en el Mercosur El Poder Ejecutivo envió al Parlamento un proyecto de ley que modifica la ley de Migración (N° 18.250) y le otorga la "residencia permanente" a todos aquellos ciudadanos de los países del Mercosur con la única exigencia de acreditar dicha nacionalidad. Distinto será para otros extranjeros que deberán seguir realizando trámites más engorrosos y con mayores exigencias y plazos de aprobación. "Tendrán la categoría de residentes permanentes los nacionales de los estados partes del Mercosur y estados asociados (Argentina, Brasil, Paraguay, Venezuela, Bolivia, Chile, Colombia, Ecuador y Perú). En la exposición de motivos, se explica que el proyecto "se enmarca en una política migratoria basada en una perspectiva de derechos y en línea con los compromisos nacionales asumidos". Basado en el acuerdo de residencia del Mercosur firmado en 2002, se señala que se apunta a fortalecer y profundizar el proceso de integración. El País informó el pasado domingo que en 2013 el Estado otorgó 1.645 residencias definitivas a ciudadanos argentinos, mientras esta cifra fue de 461 en 2012. Además, el número total de residencias otorgadas también presentó un pico considerable. Mientras en 2012 se habían concedido 2.426, en 2013 fueron 5.885, que se traduce también en un crecimiento incluso mayor al que se produjo tras la aplicación de la Ley de Migración de 2008. La presencia de argentinos en el país siempre fue significativa respecto al resto de los ciudadanos extranjeros. En esta oportunidad, las residencias otorgadas representan el 27,9% del total de autorizaciones. En 2012 eran solamente el 19% del total con tendencia a ubicarse en este rango. El proyecto de ley enviado al Parlamento también apunta a facilitar la residencia permanente en Uruguay a cónyuges, concubinos, padres, hermanos y nietos de uruguayos. "La finalidad de la norma propuesta se origina en la vocación integracionista de nuestro país, tanto hacia los nacionales que residen en el exterior y retornan, como hacia los nacionales de los estados del Mercosur y sus asociados", sostiene el proyecto. Se explica que existen uruguayos que residen o residieron en el exterior y hoy se encuentran retornando junto a sus familiares, algunos de origen extranjero. Por esa razón, se apunta a facilitar la integración de dichos compatriotas. "Se busca atender la situación migratoria de los familiares extranjeros de los nacionales, a fin de fortalecer su integración a la sociedad uruguaya", se indica. "Se introducen cambios en los requisitos y procedimientos administrativos que tienen como objetivo principal, tanto mejorar la gestión pública como simplificar los trámites burocráticos relacionados con la residencia de las personas referidas en este proyecto que eligen vivir en nuestro país", afirma el gobierno. Tradução Google: Residência automática nascido Mercosul O Poder Executivo apresentou ao Parlamento um projecto de lei que altera a Lei de Migração (n º 18.250) e dá a "residência permanente" a todos os cidadãos dos países do Mercosul, com a única exigência de provar que a nacionalidade. Seja diferente para outros estrangeiros devem continuar fazendo prazos mais pesados ​​e mais exigentes e procedimentos de aprovação . " Eles terão o estatuto dos nacionais residentes permanentes dos Estados Partes e Estados Associados do Mercosul (Argentina , Brasil, Paraguai , Venezuela, Bolívia , Chile, Colômbia, Equador e Peru) . No preâmbulo explica que o projeto "é parte de uma política de imigração com base em uma perspectiva de direitos e em linha com os compromissos nacionais feitos . " Com base no acordo de residência do Mercosul , assinado em 2002, afirma que tem como objetivo fortalecer e aprofundar o processo de integração. El País informou neste domingo que em 2013 o Estado concedeu 1.645 residências cidadãos argentinos definitivas , enquanto esse número era de 461 em 2012. Além disso , o número total de residências concedidas também mostrou um pico dramático . Enquanto em 2012 foram concedidos 2.426 em 2013 foram 5.885 , o que também resulta em um crescimento ainda maior do que ocorreu após a aplicação da Lei da Migração de 2008. A presença da Argentina no país sempre foi significativa em comparação com outros estrangeiros . Nesta ocasião, os ratings residências representam 27,9% de todas as autorizações . Em 2012 eram apenas 19 % de todo o que tende a encontrar nesta faixa . O projeto de lei enviado ao Parlamento também visa facilitar residência permanente no Uruguai cônjuges , parceiros domésticos , pais, irmãos e netos de uruguaios . "O propósito da regra proposta origina-se da vocação integracionista do nosso país, tanto aos nacionais residentes no exterior e voltar , como aos nacionais de estados do Mercosul e de seus parceiros ", diz o projeto. Ele explica que há uruguaios que vivem ou viveram no exterior e agora estão voltando com suas famílias , algumas de origem estrangeira. Por esse motivo, ele tem como objetivo facilitar a integração destes compatriotas. " Pretende-se abordar o status de imigração de membros da família de cidadãos estrangeiros , a fim de reforçar a sua integração na sociedade uruguaia ", diz ele . "As mudanças nos requisitos e procedimentos administrativos que visam tanto a melhoria da gestão pública e simplificar os procedimentos burocráticos relacionados com a residência das pessoas mencionadas neste projecto que escolhem viver em nosso país são introduzidos ", diz o governo. Agora sim, partiu Uruguai Growroom?
  3. Finalmente, saiu a primeira declaração do governo federal sobre a regulamentação da venda de maconha recreativa nos Estados de Colorado e Washington. Ela veio, mais especificamente, do próprio presidente Barack Obama, nesta quinta, numa entrevista que vai ao ar hoje na rede de TV ABC News. “Tenho um peixe maior para fritar”, disse à jornalista Barbara Walters. “O governo federal tem muito o que fazer quando se fala de processos criminais. Não faria sentido, em termos de prioridade, focarmos em usuários de drogas recreativos em estados que já disseram que isso é legal.” Isso não quer dizer que promotores federais e que o pessoal da DEA (Drug Enforcement Administration, polícia antidrogas americana) não possam interferir nos Estados. Mas será que eles vão contrariar o presidente? Difícil. Eric Holder, chefe da promotoria no país, disse que em breve vai soltar um comunicado sobre o assunto. E um Senador já mandou carta para o chefe da agência antidrogas sugerindo: “Uma opção seria criar uma emenda para permitir a posse de até 20 gramas de maconha, pelo menos onde isso for permitido sob a lei estadual”. Tudo pode mudar e endurecer de uma hora pra outra, mas até agora tudo indica que Colorado e Washington não terão problemas para implementar seus mercados de maconha legal. Pelo menos com a lei federal. *** Na entrevista para a rede ABC, Obama também falou sobre o fato de já ter fumado maconha. O presidente já admitiu no passado ter fumado – e tragado – regularmente quando era adolescente, no Havaí. “Tem um monte de coisas das quais me arrependo de ter feito quando era criança. Minha posição é que o abuso de drogas de modo geral não é algo bom para nossas crianças, não é bom para o nosso país”, disse à jornalista. Fonte: http://almanaquedasd...cao-da-maconha/
  4. Traduzi no Google , pra quem nao entende ingles ( Site de onde foi retirada a informaçao - http://collapsereport.com/2012/10/10/spain-study-confirms-hemp-oil-cures-cancer-without-side-effects/) Óleo de cannabis e Câncer Por Mark Sircus Ac., OMD A ciência médica é fortemente a favor de óleo de cânhamo THC Laden como uma terapia primária do câncer, não apenas em um papel de apoio para controlar os efeitos colaterais da quimioterapia. O International Medical Association Verdades é colocar o óleo de cânhamo em seu protocolo de câncer. É uma lista priorizada protocolo cujo topo cinco itens são o cloreto de magnésio, iodo, selênio, ácido alfa-lipóico e bicarbonato de sódio. Faz todo o sentido deixar cair óleo de cânhamo para a direita no meio do fogo cruzado este nutricional de medicamentos anti-câncer, que são vendidos sem prescrição médica. O óleo de cânhamo tem sido reconhecida como uma das substâncias mais versáteis e benéfico conhecidas pelo homem. Derivado de sementes de cânhamo (um membro da família do achene de frutos), tem sido considerado como um superfood devido ao seu alto teor de ácido gordo essencial e a razão original de omega3 para omega6 e ácido gama-linolénico (GLA) - 02:05:01 . Óleo de cânhamo, é conhecido por conter até 5% de GLA puro, uma concentração muito mais elevada do que qualquer outra planta, ainda maior do que a Spirulina. Por milhares de anos, a planta do cânhamo tem sido usado em elixires e chás medicinais por causa de suas propriedades curativas e agora a ciência médica é zerar dentro das propriedades de suas substâncias activas. Tanto o tipo comercial legal de óleo de cânhamo e do óleo de cânhamo ilegal THC carga, são uma das fontes de proteína mais poder-embalados disponíveis no reino vegetal. Seu óleo pode ser usado em muitas aplicações alimentares e trans-dérmica. Em outros capítulos na minha Vencer a guerra no livro Câncer vamos discutir em profundidade sobre ABL e câncer e também o interessante trabalho de Dr. Johanna Budwig. Ela usa óleo de semente de linho, em vez de óleo de cânhamo para curar o câncer - por meio de mudanças na parede celular efetuam - usando estes omega3 e omega6 carregados óleos medicinais. Na verdade não há outra forma de usar maconha medicinal sem fumar a folha. Segundo o Dr. Tod Mikuriya H., "Os habituais produtos de degradação irritantes e tóxicos da queima utilizada com o tabagismo são totalmente evitados com vaporização. Extracção e inalando canabinóides óleos essenciais inferiores à temperatura de ignição dos produtos de cannabis tanto brutos e refinados proporciona atenuação significativa de irritação na cavidade bucal, e árvore traqueobrônquica de produtos de degradação pyrollytic. [iii] Mikuriya continua dizendo: "Os habituais produtos de degradação irritantes e tóxicos da queima utilizada com o tabagismo são totalmente evitados com vaporização. Extracção e inalando canabinóides óleos essenciais inferiores à temperatura de ignição dos produtos de cannabis tanto brutos e refinados proporciona atenuação significativa de irritação na cavidade bucal, e árvore traqueobrônquica de produtos de degradação pyrollytic. "[iv] Rick Simpson, o homem nos vídeos acima mencionados, tem vindo a fazer óleo de cânhamo e partilhá-lo com amigos e vizinhos, sem cobrar por isso. Em doses pequenas, diz ele, que faz você bem sem você ficar alta. "Bem, você não pode negar seus próprios olhos pode?" Simpson pede. "Aqui está alguém morrendo de câncer e não está morrendo mais. Eu não me importo se o medicamento vem de uma planta de tomate, planta batata ou uma planta do cânhamo, se o medicamento é seguro e ajuda e trabalha, por que não usá-lo? ", Pergunta ele. Quando uma pessoa tem câncer e está morrendo esta questão atinge um ponto crítico. A bravura de Rick Simpson, do Canadá para nos mostrar como fazer o óleo de cânhamo para nos oferece muitas pessoas uma esperança que deve ser cada vez mais apreciada como seca dinheiro até para tratamentos de câncer caros. Nós vamos precisar de remédios baratos no futuro e não há nada melhor do que os que podem fazer razoavelmente barata nós mesmos. Para a maioria das pessoas no mundo é ilegal para que a escolha poderia vir a quebrar a lei ou morrer. Não há nenhuma pesquisa para indicar quais as vantagens que o uso oral de óleo de cânhamo vs vaporização mas podemos supor que a vantagem seria nutricional com a ingestão oral. Dr. Budwig Abaixo trabalho iria sustentar esse ponto de vista, especialmente para pacientes com câncer. A Ciência Segundo o Dr. Robert Ramer e Burkhard Dr. Hinz, da Universidade de Rostock, na Alemanha maconha medicinal pode ser um tratamento eficaz para o cancro. [V] A pesquisa foi publicada no Jornal do acesso antecipado Instituto Nacional do Câncer em 25 de dezembro de 2007 num artigo intitulado A inibição da invasão de células de cancro por via Cannabinoids expressão aumentada de Tecido Inibidor de Metaloproteinases-1 Matrix. A maior contribuição da presente descoberta da descoberta, é a de que a expressão de TIMP-1 mostrou ser estimulada pela activação dos receptores de canabinóides e para mediar o efeito anti-invasivo de canabinóides. Antes de agora os mecanismos celulares subjacentes a este efeito não eram claras e a relevância dos resultados para o comportamento de células de tumores in vivo ainda não foi determinado. Maconha cortes de pulmão crescimento do tumor do câncer pela metade, um 2007 Harvard Medical estudo mostra Escolares. O ingrediente ativo da maconha reduz o crescimento do tumor no câncer de pulmão na metade e reduz significativamente a capacidade de o câncer se espalhar, dizem pesquisadores da Universidade de Harvard que testaram a substância química em ambos os estudos de laboratório e mouse. Este é o primeiro conjunto de experiências para demonstrar que o composto, Delta-tetra-hidrocanabinol (THC), inibe a EGF-induzida do crescimento e migração no receptor do factor de crescimento epidérmico (EGFR) expressando células não pequenas do pulmão linhas celulares de cancro. Cancros do pulmão, que sobre-expressam o EGFR são geralmente altamente agressivo e resistente à quimioterapia. THC que tem como alvo receptores de canabinóides CB1 e CB2 é semelhante em função de endocanabinóides, que são os canabinóides que são produzidos naturalmente no organismo e activar estes receptores. "A beleza deste estudo é que estamos mostrando que uma substância de abuso, se usado com prudência, pode oferecer um novo caminho para a terapia contra o câncer de pulmão", disse Anju Preet, Ph.D., pesquisador da Divisão de Medicina Experimental . Agindo através de receptores de canabinóides CB1 e CB2, endocanabinóides (bem como THC) pensa-se que desempenham um papel numa variedade de funções biológicas, incluindo a dor e o controlo da ansiedade, e da inflamação. Os pesquisadores relataram em 15 de Agosto de 2004 da revista Cancer Research, a revista da Associação Americana para Pesquisa do Câncer, constituintes que maconha inibiu a propagação de câncer no cérebro em biópsias de tumores humanos. [Vii] Em um desenvolvimento relacionado, uma equipa de investigação da Universidade do Sul da Flórida observou ainda que o THC também pode inibir seletivamente a ativação e replicação do vírus herpes gama. Os vírus, que pode permanecer latente por anos dentro de células brancas do sangue antes de se tornar ativo e se espalhando para outras células, são pensados ​​para aumentar as chances de desenvolvimento de câncer, como o sarcoma de Kaposi, linfoma de Burkitt e doença de Hodgkin. Em 1998, uma equipe de pesquisa na Universidade Complutense de Madri descobriu que o THC pode seletivamente induzir a morte celular programada em células de tumores cerebrais sem afetar negativamente as células vizinhas saudáveis. Então, em 2000, relataram na revista Nature Medicine que injeções de THC sintético erradicadas gliomas malignos (tumores cerebrais), em um terço dos ratos tratados, e vida prolongada em outro terço por seis semanas. Liderado pelo Dr. Manuel Guzman o time espanhol anunciou que tinha destruído tumores de câncer incurável cerebrais em ratos injetando-os com THC. Eles relataram na edição de Março de 2002 "Nature Medicine" que eles injetaram o cérebro de 45 ratos com células cancerosas, produzindo tumores cuja presença confirmada através de imagens de ressonância magnética (MRI). No 12 º dia eles injectados 15 dos ratos com THC e 15 com o Win-55 ,212-2, um composto sintético semelhante ao THC. Pesquisadores da Universidade de Milão, em Nápoles, Itália, publicado na Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics que os não-psicoativos da maconha compostos inibiram o crescimento de células de glioma de maneira dose-dependente, e seletivamente alvo e matou as células malignas através de apoptose. "Non-psicoactiva CBD produzir a actividade anti-tumoral significativa in vitro e in vivo, sugerindo uma possível aplicação de CDB como um agente antineoplásico." O primeiro experimento documentar Pot efeitos anti-tumorais ocorreu em 1974 na Faculdade de Medicina da Virgínia a mando do governo dos EUA. Os resultados desse estudo, apresentados de 18 de agosto de 1974, Washington característica jornal Post, que foram componente psicoativo da maconha, THC ", retardou o crescimento de cancros do pulmão, cancros da mama e uma leucemia induzida por vírus em ratos de laboratório, e prolongada suas vidas por tanto quanto 36 por cento ". Financiado pelo Instituto Nacional de Saúde para encontrar provas de que a maconha danifica o sistema imunológico, encontrado em vez que o THC retardou o crescimento de três tipos de câncer em ratos - de pulmão e câncer de mama, e uma leucemia induzida por vírus. O DEA rapidamente desligado do estudo e todas as pesquisas Virginia cannabis / tumor adicional, embora os investigadores descobriram que "THC retardou o crescimento de cancros do pulmão, cancros da mama e uma leucemia induzida por vírus em ratos de laboratório, e as suas vidas prolongadas por tanto quanto 36 por cento. " "Atividade Antineoplásica de canabinóides", um artigo em um jornal de 1975 do National Cancer Institute relatórios ", Lewis adenocarcinoma pulmonar crescimento foi retardado pela administração oral de tetrahidrocanabinol (THC) e canabinol (CBN)" - dois tipos de canabinóides, uma família de componentes ativos da maconha. "Os ratos tratados durante 20 dias consecutivos com THC e CBN reduziu o tamanho do tumor primário." Maconha alivia a dor que os narcóticos como a morfina e OxyContin tem pouco efeito sobre qualquer, e pode ajudar a aliviar o sofrimento de doenças como a esclerose múltipla, diabetes e câncer. De acordo com Devra Davis em seu livro História Secreta da Guerra sobre o Câncer, 1,5 milhões de vidas foram perdidas porque os americanos falharam em agir no conhecimento existente sobre as causas ambientais do câncer. É impossível calcular as mortes agregado de 'cura de câncer "reprimida, mas nós sabemos da terrível sofrimento de centenas de milhares de pessoas que foram presos por uso de maconha. Óleo de cânhamo com THC tem incluído a realização de um tratamento de câncer primário, que mesmo sozinho parece ter uma grande chance de virar a maré contra os tumores de câncer. Tem a vantagem adicional de segurança, facilidade de utilização, a falta de efeitos colaterais e de baixo custo quando se torna a si mesmo. Cercado por outros medicamentos anti-câncer substâncias em um protocolo completo, é difícil imaginar alguém a falhar e cair em sua guerra contra o câncer. THC deve ser incluído em cada protocolo de cancro. O bicarbonato de sódio é uma outra substância anti tumor excelente que reduz os tumores, mas é muito mais difícil de administrar do que o óleo de cânhamo THC. Os canabinóides são capazes de passar através de todas as barreiras no corpo como ácido alfa-lipóico para ingestão oral simples é suficiente. Com bicarbonato precisamos de aplicações intravenosas e muitas vezes até mesmo isso não é suficiente, muitas vezes temos que usar cateteres e poucos médicos do mundo estão dispostos a administrar este caminho. No final, todos os tratamentos de câncer que não são promovidos por oncologia mainstream são ilegais. Nenhum médico licenciado vai dizer que são a cura do câncer com bicarbonato de sódio que eles vão tratar as pessoas com câncer de explicar que eles estão equilibrando o pH ou algum outro perfil metabólico com este medicamento comum sala de emergência encontrada também a maioria das cozinhas do mundo. Mais do que vários estados já aprovaram leis que fazem a maconha medicinal legal, mas o governo federal não vai relaxar e deixar as pessoas a liberdade de escolher os seus tratamentos, mesmo que suas vidas dependem disso. Notas Davis que a covardia de cientistas, que publicam relatórios cuidadosamente referenciados mas puxar seus golpes no final, alegando que mais estudos precisam ser feitos antes que a ação pode ser tomada. Declarações como essas são explorados pela indústria que compra tempo para fazer muito mais dinheiro. É uma tentativa deliberada que cria dúvida pública atacado a partir de pequenas lacunas de dados e demais incertezas científicas. Eles têm feito isso com tudo certo até e inclusive a luz solar. Tudo é considerada perigosa, excepto os fármacos que são as substâncias mais perigosas de todos. Quimioterapia estômago violenta eo princípio morte de radiação são legais, mas seguro óleo de cânhamo THC Laden não é. É legal para os médicos para atacar as pessoas com seus venenos, mas você pode ir para a cadeia por tentar salvar a si mesmo ou um ente querido de câncer com o óleo de uma erva daninha jardim simples. Nossa civilização colocar-se com esta loucura, mas há um grande preço a ser pago. Em um mundo louco médica pessoas morrem de que não precisa e esta é uma terrível tristeza que destruiu a integridade e ética da medicina moderna. A ciência para o uso de óleo de cânhamo é credível, específica baseada em fatos, e está documentado em detalhes. Não há absolutamente nenhuma razão para não legalizar a maconha medicinal e criar uma produção imediata e distribuição de óleo de cânhamo THC para pacientes com câncer. Infelizmente vivemos em um mundo povoado com os governos e capangas médicos que preferem ver pessoas morrem mortes cruéis então ter acesso a um medicamento contra o câncer seguro e efeito. Enquanto isso, a Food and Drug Administration aprovou medicamento mais vendido da Genentech, o Avastin, como um tratamento para o câncer de mama, em uma decisão, de acordo com o New York Times ", que apareceu para baixar o limiar um pouco para a aprovação de certos medicamentos contra o câncer. A grande questão era saber se era o suficiente para uma droga temporariamente para parar o câncer de agravamento - como Avastin havia feito em um ensaio clínico - ou seria necessário para uma droga para permitir que os pacientes a viver mais tempo, que o Avastin não tinha conseguido fazer. Oncologistas e defensores de pacientes foram divididos, em parte por causa dos efeitos colaterais da droga, por vezes graves. " As diferenças entre Avastin e óleo de cânhamo são enormes. Primeiro Avastin vai ganhar centenas de milhões Genentech onde THC óleo de cânhamo não obterão nada um. Segundo que não existem efeitos colaterais graves ou até mesmo leve a tomar óleo de cânhamo e, por último, não é uma resposta temporária, mas uma solução real. Certamente óleo de cânhamo irá garantir uma vida mais longa. http://youtu.be/0psJhQHk_GI
  5. JardineiroBR

    Delegado É Pra Soltar

    http://revistapiaui....do-e-pra-soltar Delegado é pra soltar As ideias incendiárias de um policial pacifista por Bernardo Esteves No Sábado de Aleluia, um funcionário das Lojas Americanas chegou à 32ª Delegacia de Polícia do Rio, em Jacarepaguá, trazendo uma mulher pelo braço. Ela fora presa em flagrante, tentando roubar um ovo de Páscoa dos grandes, o de número 17. Ambos foram levados à presença de Orlando Zaccone, o delegado de plantão. Ao ouvir o relato do caso, o policial não hesitou: perguntou ao funcionário o valor do ovo, sacou a carteira e ressarciu ali mesmo o prejuízo, dispensando o troco. A mulher passou a Páscoa em liberdade, comendo ovo. O episódio ilustra os princípios de Zaccone, agora titular da 18ª DP, na Praça da Bandeira. “A função do delegado não é prender”, ele costuma dizer nas aulas que dá num curso de formação de policiais civis. “Dar voz de prisão em caso de flagrante qualquer um pode, como diz o artigo 301 do Código de Processo Penal. A verdadeira função do delegado é soltar”, conclui o raciocínio, para pasmo da audiência. Para soltar a mulher que roubara o ovo de Páscoa, Zaccone aplicou o princípio da insignificância. “O patrimônio da loja foi ofendido de forma insignificante, então o direito penal não tem que atuar”, explicou o delegado, um moreno sorridente de 47 anos. Ele é um defensor do chamado direito penal minimalista, que procura evitar, sempre nos limites da lei, a repressão e a punição. Zaccone chamou a atenção da imprensa logo que entrou para a polícia, em 1999. De afogadilho, foi rotulado como o delegado hare krishna, por ser adepto dessa corrente do hinduísmo. Na juventude, chegou a viver numa comunidade de jovens que se vestiam a caráter e seguiam à risca os preceitos da religião, que incluem o vegetarianismo estrito e a proibição de qualquer droga – da cafeína para baixo, nada é permitido. O delegado continua ligado à religião. Faz parte do conselho administrativo do Movimento Hare Krishna do Rio e frequenta o templo de Itanhangá, na Barra da Tijuca. Mas tente falar de espiritualidade e ele logo trará a conversa de volta para a segurança pública. As convicções religiosas, garante Zaccone, não se misturam com sua atuação profissional, ainda que ele enxergue uma interseção possível. “O anseio de justiça é o que aproxima os dois campos”, filosofou, enquanto piscava para um subalterno que o aguardava à porta do gabinete, pedindo que esperasse um pouco mais. Zaccone abespinhou-se com a imagem deixada naquelas primeiras reportagens. “Fui desqualificado como delegado por ser hare krishna e, dentro do movimento, fui condenado pelas minhas ideias.” O que o indispôs com os correligionários foi sua posição liberal em relação às drogas. O delegado é integrante do braço brasileiro do Leap, sigla para Law Enforcement Against Prohibition, movimento que reúne policiais, juízes, desembargadores e agentes penais que denunciam, como afirmam, “a falência das atuais políticas de drogas”. O Leap defende a legalização ampla – ou seja, não só do consumo das drogas, como também da sua produção e comércio. O delegado faz questão de demarcar a diferença entre a sua posição e a defesa da descriminalização do consumo. “Esse é o campo de atuação do Fernando Henrique e daquela turma toda”, desdenhou. “Mas é uma ingratidão dos usuários quererem ter a liberdade de consumir as drogas enquanto aqueles que as fornecem estão encarcerados ou mortos.” O gabinete de Zaccone é uma sala apertada no 2º andar da delegacia. Sobre sua mesa, jazem objetos de escritório, dossiês de investigação, dois livros, os jornais do dia e a lista de aniversariantes da 18ª DP no mês de maio. De tempos em tempos, um funcionário entra para pedir sua rubrica num ofício. O delegado trajava terno preto e gravata grená, com nó já frouxo ao fim da tarde. Apesar das ideias de Zaccone, a DP sob seu comando não foge ao padrão das delegacias do Rio. Ele costuma criticar a polícia por selecionar os crimes passíveis de punição pelo sistema penal. “A maioria dos mais de 500 mil presos no Brasil está detida por não mais de quinze crimes, embora o Código Penal preveja uns 300”, compara. Na 18ª DP não é diferente: as detenções registradas são por roubo, estupro, homicídio e tráfico de drogas. Não há prisões, por exemplo, por prática do aborto, sonegação de impostos ou lavagem de dinheiro. Da mesma forma, o princípio de insignificância tem pouco impacto nas estatísticas da delegacia. No mês de abril, foram registradas ali dezessete prisões, doze das quais feitas por policiais da própria delegacia. O número é mais que o dobro da meta estipulada pela Secretaria de Estado de Segurança Pública – cinco presos pela equipe de cada delegacia. Zaccone sabe que não vai conseguir mudar o mundo sentado em sua cadeira de delegado. “Não é o policial que decide prender só negros e favelados”, ponderou, sem medo de repetir clichês. A atuação da polícia, para ele, apenas reflete a estrutura da sociedade. “Sou só uma engrenagem no sistema, que envolve o Poder Judiciário, o aparato prisional, o discurso midiático punitivo. É todo um modelo de controle social.” A contaminação do vocabulário de Zaccone pelo jargão sociológico não é fortuita. O delegado é um acadêmico. Tem mestrado em ciências penais e está cursando o doutorado em ciência política na Universidade Federal Fluminense. Espera defender sua tese no final de 2012. Ele enxerga a universidade como válvula de escape, assim como seu envolvimento com o Leap e com a ONG que criou com Marcelo Yuka para promover projetos sociais e culturais junto à população carcerária do Rio. “Se eu ficar somente aqui na delegacia botando a máquina para funcionar, piro”, disse.