Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'legalização'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 76 registros

  1. A cannabis é mto influente no México (tanto q o termo marijuana vem de lá). Soube q legalizaram a erva lá, mas n sei pq não vi tanto alarde nem algo que comprove como ocorreu lá. https://www.upi.com/Mexicos-Supreme-Court-legalizes-cannabis-for-recreational-use/9621541024238/ https://veja.abril.com.br/mundo/suprema-corte-do-mexico-libera-uso-recreativo-da-maconha/ A página da Wikipédia sobre maconha no México atualizou e falou que legalizaram... Mas n vi nhm maconheiro comemorando e nem a BBC publicando matéria sobre. E aí?
  2. O Canadá se prepara para tornar realidade uma das mais controversas promessas de campanha do primeiro-ministro Justin Trudeau, e legalizar em julho de 2018 o consumo recreativo de maconha, o que tornaria o Canadá o maior país industrializado onde a maconha é totalmente legal. O projeto de lei segue no Parlamento canadense, com o objeito de que em julho a legislação tenha sido aprovada e esteja sendo implementada. A Câmara canadense está estudando a proposta do governo de Trudeau e é esperado que os deputados aprovem o projeto de lei C-45, como é conhecido, sem maiores problemas, já que o Partido Liberal do primeiro-ministro tem a maioria do deputados. Porém, os planos de Trudeau podem encontrar problemas quando o projeto chegar ao Senado, no fim de 2017. Vários senadores já expressaram suas dúvidas de que o Senado sinta a mesma obrigação que a maioria dos deputados para aprovar em julho, como quer Trudeau. O senador independente André Pratte declarou na semana passada que a data de julho de 2018 é um "limite político" que os senadores estão se obrigando a cumprir. Um possível bloqueio ou um possível atraso do projeto lei C-45 pode ser fruto de outra promessa feita por Trudeau em sua campanha: que os senadores liberais seriam independentes de seu partido. Desde que Trudeau chegou ao poder no final de 2015, os senadores estavam submetidos aos partidos, Liberal ou Conservador. Mas Trudeau liberou os senadores do Partido Liberal em prol de uma democratização do Senado. No Canadá, os senadores não são eleitos por voto popular. Eles são designados pelo primeiro-ministro no poder. Sendo assim, com sua recém-adquirida liberdade de ação e voto, os senadores podem bloquear a aprovação de uma proposta controversa de lei sem que Trudeau, seu governo ou o Partido Liberal possam fazer muito para impedir. Por enquanto, senadores como Pratter não indicaram que bloqueariam o projeto de lei elaborado na Câmara, apenas que levarão o tempo que seja necessários para fazer emendas que considerem imprescindíveis. "O que devemos levar em consideração é que devemos fazer nosso trabalho de maneira séria, e isso que vamos fazer", explicou Pratte. Uso medicinal já é legal O possível atraso na legalização do consumo recreativo de maconha pode causar vários problemas. Cidades como Toronto já estão sofrendo com os paradoxos que causam a proibição de hoje e a legalização de amanhã. Há meses, apareceram pela cidade dezenas de estabelecimentos que vendem maconha, pensando no dia em que será totalmente legal o cultivo, a posse e o consumo de cannabis. Ainda que suas atividades se limitem a venda de maconha para usos medicinais, que é legal há anos no país, é certo que muitos destes estabelecimentos também vendem maconha a outros compradores. Depois de meses de falta de fiscalização, Toronto começou a fechar dezenas de estabelecimentos do tipo. Ou menos, limitar suas atividades até que o projeto de lei C-45 tenha sido aprovados pelo Parlamento canadense. Potencial econômico A pressa dos empreendedores para chegar ao mercado é compreensível, dada a magnitude econômica do negócio. Segundo a empresa Deloitte, o mercado de cannabis representará um segmento de 23 milhões de dólares canadenses (US$ 18,4 milhões) quando for legal. Além disso, as empresas canadenses podem se tornar líderes do setor em nível mundial, como por exemplo no desenvolvimento de tecnologias do cultivo legal. No Canadá, alguns meios de comunicação estão comparando a situação com a "febre do ouro", que aconteceu na América do Norte no século XIX, quando foram descobertas minas de ouro na Califórnia. Dezenas de milhares de pessoas, de todo o mundo, se apressaram em viajar para a Califórnia em busca de ouro e de fortunas rápidas e fáceis. Como na época, centenas de indivíduos e empresas no Canadá estão se apressando para estar na melhor forma possível para quando for dada a largada na venda de maconha. Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/canada-se-prepara-para-legalizar-uso-recreativo-da-maconha-em-2018.ghtml
  3. FreeZion

    Legalização pelo Mundo

    Já passou da hora, abaixo todos os contatos dos ministros e secretario de segurança publica. Escreva uma mensagem para eles em prol da legalização, pelo menos estamos fazendo algo ! Mostre a nossa força. Não vejo sentido algum ir contra a regra de outros países de 1° mundo. Esse é o mapa onde a Cannabis esta legalizada: Fonte: https://mindfray.com/debate/cannabis-laws-examining-marijuana-legalization-efforts-5-countries/ Contatos: MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI Telefone: (61) 3217-4017 Telefone: (61) 3217-4025 Telefone: (61) 3217-4269 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRO MARCO AURÉLIO Telefone: (61) 3217-4826 / 3217-4281 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRO DIAS TOFFOLI Telefone: (61) 3217- 4102 E-mail: [email protected] MINISTRO LUIZ FUX Telefone: (61) 3217- 4388 E-mail: [email protected] MINISTRO TEORI ZAVASCKI Telefone: (61) 3217- 4191 E-mail: [email protected] MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO Telefone: (61) 3217- 4323 E-mail: [email protected] MINISTRO EDSON FACHIN Telefone: (61) 3217- 4133 E-mail: [email protected] MINISTRO CELSO DE MELLO Telefone: (61) 3217-4077 E-mail: [email protected] MINISTRO GILMAR MENDES Telefone: (61) 3217-4175 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRA ROSA WEBER E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] Telefone: (61) 3217-4236 MINISTRA CÁRMEN LÚCIA Telefone: (61) 3217-4348 E-mail: [email protected] Raul Jungmann - http://www.rauljungmann.com.br/
  4. https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=132047 Pessoal é um link do senado que é aberto ao público para votar a favor da discriminação do cultivo e uso da cannabis. Porém notei que tem poucas votações e pô na moral o blog aqui tem mais de 90 mil membros. Vamos se mexer bora acessar aí é votar e ajudar a legalizar logo que é pra todo mundo para de ficar plantando feijão na escola e sim ensinar a plantar e cuidar de uma cannabis sativa ou cannabis indica, ou ruderalis. Abração nação..... Fuizzzzz
  5. Eu não sei nada dessa proposta. Que mistério é esse? Que será que vai rolar?
  6. Bom dia camaradas... Postei a alguns dias sobre uma reportagem e como poderia obter a ajuda jurídica de vc´s no caso...(acho q fiz algo errado, pois n1 obtive respostas). Bem... o caso é o seguinte, gostaria de juntar forças para ajudar esse irmão, eu moro em SP e nem o conheço, mas não posso ficar parado sem fazer nada a respeito, então uso as ferramentas q tenho(internet)... e venho por esse meio divulgar e tentar solucionar esse caso barbaro, pq sei q claramente um trabalhador como ele que aparentemente não tem uma formação(nem meios) para se defender, vai acabar preso, um pedreiro que fuma um baseadinho pra relaxar no final do dia vai cair junto com toda a merda carcerária e sofrer por causa de/a ignorância !!! Então venho a vc´s como usuário(assim como todos aqui !!!) pedir AJUDA POR ELE, e cada vez mais acabar com essa PALHAÇADA que são essas leis. AGRADEÇO A TODOS PELA UNIÃO.... E VAMOS AJUDAR A UM PEDREIRO HONESTO A FUMAR E TRABALHAR EM PAZ !!! *advogados, amigos, lutadores, ativistas, cultivadores, uni-vos **traficante eu não sou **cara de quem esta sendo injustiçado !!!
  7. Vocês aqui do fórum acham que a maconha vai ser legalizada em breve? Acham que vai demorar? Quais são os argumentos de suas expectativas sobre o quanto vai demorar a legalização da erva?
  8. https://www.bonde.com.br/bondenews/londrina/voce-e-a-favor-ou-contra-a-legalizacao-da-maconha-no-brasil--451851.html 29/09/2017 07:00 DEBATES BONDE Você é a favor ou contra a legalização da maconha no Brasil? Em agosto deste ano, ocorreu, em Londrina, a Marcha da Maconha. Os participantes percorreram algumas vias da cidade, defendendo não apenas o uso recreativo e medicinal, mas também a liberdade para cultivo da planta no Brasil. Nas redes sociais, no entanto, muitos leitores do Bonde se manifestaram contra a legalização, expondo diferentes motivos, dentre os quais o estímulo ao vício. leia mais Portal Bonde lança série de debates sobre assuntos polêmicos Você é a favor ou contra a legalização do aborto no Brasil? Para ajudar o leitor a formar ou a rever uma opinião própria, o Portal Bonde, nesta segunda edição da série Debates, encomendou dois textos sobre a legalização da maconha. O primeiro é favorável e é assinado pelo advogado e consultor jurídico da Growroom (site que defende os direitos dos usuários de maconha). O segundo, contrário, é de autoria do médico residente em psiquiatria na Universidade Estadual de Londrina (UEL) Erick Leonardo Naiverth Antonechen. Confira os dois textos abaixo e se permita refletir sobre o assunto. Shutterstock A favor da legalização da maconha Vejo a maconha como um patrimônio da humanidade, um vegetal cultivado há milênios, como uma tecnologia arcaica fundamental no desenvolvimento da nossa civilização. Legalizar não é apenas inovar, é também restaurar algo anterior a esse hiato histórico infame e nefasto que é a proibição da cannabis no último século. A proibição foi uma forma de perseguição e de dominação imposta por classes que dirigem o Estado sobre grupos sociais menos articulados que se relacionavam de várias formas com a planta. Além de estigmatizar pessoas, ao tentar exterminar um táxon como a cannabis da face da terra a proibição privou a humanidade de seus melhores usos e possibilidades de criação. Conhecimentos ancestrais sobre cannabis foram esquecidos, os usos como ferramenta terapêutica foram abandonados e, ainda, foram impedidas quaisquer pesquisas que descobrissem novos usos. Enquanto a proibição da maconha está em vigor, tudo gira em um círculo vicioso de violência, medo e pânico moral. Comercializar algo proibido tem uma remuneração que compensa o risco para aqueles que são deixados à margem da sociedade, pois, sem uma perspectiva de vida interessante, morrer na guerra não faz diferença para eles. O modelo de proibição baseado na guerra às pessoas que lidam com a cannabis afeta de forma negativa a saúde mental de toda a sociedade, causando vítimas indiscriminadamente. A legalização é a oportunidade para minimizar os riscos inerentes aos usos da cannabis, mas principalmente para extinguir os danos provocados pela proibição. A cannabis legalizada é o caminho para reparar os prejuízos históricos da proibição, realizando uma função social e atendendo desde o pequeno produtor rural até o jovem de periferia que pode trabalhar no varejo lícito. A legalização também é a oportunidade para educar melhor nossos jovens quanto ao uso de drogas, pois, ao proibir o debate, é embargada toda troca de ideias com informações idôneas. Sem falar das vantagens econômicas da legalização que são patentes, pois a proibição da cannabis é apenas ônus. Contudo, se tornada lícita, passa a ser bônus gerando riqueza para a todos. Autor: Emílio Figueiredo, advogado e consultor jurídico da Growroom (site que fala sobre maconha e que defende os direitos dos usuários). Contra a legalização da maconha Atualmente, estima-se que 40% de todas as consultas médicas sejam de caráter psiquiátrico. Entre estes atendimentos, temos os mais diversos diagnósticos: transtornos do humor, psicóticos, síndromes ansiosas, quadros demenciais, distúrbios da alimentação e sexualidade. Os atendimentos a pacientes com dependências químicas nos alertam sobre a gravidade deste tema. Dados do Cebrid (Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas Psicotrópicas) apontam que, no Brasil, 22,6% dos estudantes já fizeram uso de alguma substância ao longo de sua vida. Ao focar-se o tema sobre a maconha, veremos que 5,9% dos estudantes brasileiros já fizeram uso ao longo da vida, com maior prevalência na região Sul (8,5%). Nos últimos anos, diversos estudos têm nos mostrado os efeitos deletérios do uso de cannabis sobre processos cognitivos, como atenção, memória e controle de inibição de respostas. A intoxicação aguda pela maconha pode causar elevação aguda da ansiedade, o que justifica as crises de pânico estarem entre os principais efeitos indesejáveis. Do mesmo modo, o uso da cannabis é responsável por quadros psicóticos transitórios, com diversa sintomatologia (delírios, ilusões, alucinações, retraimento emocional), que se assemelham aos que ocorrem na esquizofrenia. Não é à toa que o uso da maconha é reconhecido como fator que afeta a vulnerabilidade para o desenvolvimento de esquizofrenia (risco três vezes maior) e que prejudica sua recuperação, com alterações cerebrais irreversíveis (redução no volume do hipocampo e amígdala). Acrescenta-se a isso um risco de aumento para patologias respiratórias, imunes e reprodutivas. É importante frisar que medicamentos derivados da Cannabis sativa (Mevatyl®, Epidiolex®) são altamente filtrados para utilizar-se apenas um de seus componentes com função medicinal, excluindo-se as substâncias prejudiciais. Suas indicações são precisas, como esclerose múltipla, epilepsias refratárias e algumas formas de câncer. À luz do exposto fica evidente as diversas relações entre as comorbidades clínicas e psiquiátricas com o uso de canabinoides. Pretextos para seu uso de forma recreativa são facilmente rebatíveis por ensaios clínicos evidenciando diminuição da capacidade criativa e cognitiva. Trata-se de uma patologia que correlaciona-se com diversos outros quadros nosológicos, o que piora o diagnóstico, tratamento e recuperação, representando um gasto de R$ 1,8 bilhão por ano aos cofres do SUS. Autor: Erick Leonardo N. Antonechen, médico residente em psiquiatria na Universidade Estadual de Londrina (UEL). CRM-PR: 32.382. E-mail: [email protected] Vamos comentar todos nós!
  9. **** Anvisa vai regular plantio medicinal da maconha até o fim do ano 2 h Agência Nacional de Vigilância Sanitária deve liberar plantio da erva apenas por empresas e ou associações © pixabay O Brasil deu um passo importante acerca do uso medicinal da maconha. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, enviou dois técnicos ao Canadá para estudar e colher informações sobre como é a regulação do plantio medicinal da erva no país norte-americano. De acordo com o colunista Lauro Jardim, do jornal O Globo, o objetivo da Anvisa é regular até o fim de 2017 a liberação do plantio medicinal da maconha. Entretanto, apenas empresas ou associações poderão fazer. Fonte: NAOM Link original: https://www.noticiasaominuto.com.br/brasil/364459/anvisa-vai-regular-plantio-medicinal-da-maconha-ate-o-fim-do-ano***** P.S- Fonte orginal é de um colunista do O Globo: http://blogs.oglobo.globo.com/lauro-jardim/post/anvisa-ira-regular-plantio-medicinal-de-maconha.html E me foi a melhor notícia do dia! Abrass
  10. “É a primeira vez que uma instituição como o MPF defende abertamente a descriminalização para uso pessoal”, afirma advogado October 19, 2016 Harumi Visconti Em decisão histórica, o Conselho Institucional do Ministério Público decidiu que a importação de 12 sementes de maconha da Holanda não é crime. Conversamos com Alexandre Pacheco Martins, advogado que atuou no caso, que nos explicou os possíveis desdobramentos do julgamento. PBPD: Hoje, o Conselho Institucional do Ministério Público Federal (MPF) decidiu que a importação de 12 sementes de maconha não poderia ser considerada crime. Qual o impacto dessa decisão? Alexandre Pacheco Martins: É uma decisão muito importante. Ela muda o paradigma das acusações no país. É a primeira vez que uma instituição como o MPF defende abertamente a descriminalização [para uso pessoal]. Eu nunca tinha visto o Ministério Público falar isso publicamente. Um ou outro até falava nos bastidores, mas eles vão colocar a decisão no papel. Isso é impressionante, é dar autonomia para os procuradores. O órgão falou: “vocês não são mais obrigados a ficar correndo atrás de usuários”. Evidentemente, isso não significa que daqui para frente todo mundo pode entrar no site e começar a importar – mas as chances de elas serem denunciadas e o caso ser arquivado aumentaram em 200%. Se eu entrar agora no site e importar, muito provavelmente isso vai ser apreendido, vai ser encaminhado para a Polícia Federal, que poderá instaurar um inquérito policial, mas eu nem seria acusado de nada. Seria tudo provavelmente arquivado. Mas o que acontece é que a pessoa ainda não vai poder receber a semente, não vai conseguir fazer uso dela. A gente não conseguiu ainda legalizar – e não é no MP que isso seria decidido. Esse é o próximo passo: ganhar no STF e regulamentar o uso. A partir de agora, em qualquer ação semelhante o Ministério Público Federal deverá aplicar essa decisão acordada hoje? Alexandre Pacheco Martins: Não. Essa decisão não tem caráter vinculante, ou seja, ela não obriga os procuradores da República do Brasil inteiro a aplicarem a decisão. Qual é a função do Conselho Institucional do Ministério Público Federal? Alexandre Pacheco Martins: A função dele é traçar as diretrizes para o próprio Ministério Público Federal, ou seja, apesar de não ser vinculante, é esse o órgão que formula as diretrizes do MPF. A partir do momento em que o órgão entende que não é tráfico internacional de drogas nem contrabando, ele desobriga os procuradores que até não concordavam, mas acabavam denunciando pela obrigação funcional. A partir de agora só vai denunciar o procurador que concorda, mesmo, que é caso de tráfico. Enfim, as pessoas que entendem dessa maneira podem continuar aplicando isso, mas grande parte dos procuradores já entendia que não era [tráfico], mas batia na Justiça e alguns juízes falavam “Você pode até achar que não é, mas eu acho que é. Então vou mandar isso para o seu chefe”. E quando chegava no “chefe”, em última análise acabava indo para esse Conselho Institucional – que hoje tomou essa decisão. PBPD: Nesse caso específico, a chance desse réu ser absolvido na Justiça é grande. Alexandre Pacheco Martins: Na verdade, não tem como falar em absolvição porque ele não vai ser processado. Ele nem sequer vai virar réu. Ele foi mero investigado por tráfico internacional e, depois dessa decisão, ele é uma pessoa comum como qualquer outra pessoa do mundo. PBPD: O senhor acha que essa decisão de hoje pode ter impacto no julgamento do RE 635.659, que pode descriminalizar a porte de drogas para consumo pessoal? Alexandre Pacheco Martins: Acho que pode ter um belo reflexo. Ela influencia, mas não determina o resultado. Mas a decisão dá, inclusive, amparo para os ministros que estiverem inseguros: o próprio órgão acusatório oficial do Brasil entende que casos como esse não têm grande repercussão na vida prática das pessoas. PBPD: Um dos nossos seguidores comentou em nossa página que a decisão de hoje foi pautada pela inexistência de THC na semente da maconha. Como o senhor vê esse argumento? Alexandre Pacheco Martins: O julgamento foi bem mais profundo do que isso: eles definiram que não é nem tráfico nem contrabando. Não é tráfico pela inexistência do THC, de fato. Mas cada procurador foi aprofundando em um sentido. Alguns foram no sentido de não ter THC, outros falaram da interferência do Estado na vida privada. Cada um falou em um sentido, mas a decisão final foi a de que não é tráfico porque não tem THC e que, portanto, a semente de maconha não pode ser considerada a droga em si. Num segundo ponto, entendeu-se que não era contrabando também porque o que a gente chama de semente de maconha, biologicamente é um fruto. Se todas as sementes são proibidas exceto as permitidas, os frutos seguem uma lógica diferente: eles não necessariamente são proibidos de serem importados. Eu sustentei nesse sentido e uma das procuradoras até acolheu esse argumento. Mas a maioria entendeu que como a quantidade é muito pequena e o MPF entende que, num paralelo com o cigarro, pode-se importar até 153 caixas de cigarro sem configurar contrabando, não faz sentido você criminalizar todas as sementes de maconha. É muito pouco. Não tem relevância penal essa quantidade. PBPD: Era esperada essa decisão do Conselho Institucional do MPF? Alexandre Pacheco Martins: Esse julgamento começou em agosto. Quando eu fui lá para sustentar, eu estava meio sem esperança. Mas modéstia à parte, a discussão foi tão bacana, a gente trouxe pontos tão interessantes, que eu vi alguns procuradores nos questionando e depois concordando com nossos argumentos. E aí eu vi várias pessoas indo nesse sentido, foi impossível não se empolgar. http://pbpd.org.br/wordpress/?p=4110
  11. Reportagem feita pelo jornalista Tarso Araújo da Superinteressante. Vale a pena conferir!
  12. SUGESTÃO nº 6, de 2016 Autoria: Externo - Rede Brasileira de Redução de Danos e Direitos Humanos (REDUC) Ementa e explicação da ementa Ementa: Propõe um padrão regulamentar abrangente para a maconha medicinal e o cânhamo industrial no Brasil. Situação AtualEm tramitação Último local: 12/04/2016 - Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (Secretaria de Apoio à Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa) Último estado: 12/04/2016 - AGUARDANDO DESIGNAÇÃO DO RELATOR Acompanhar esta matéria Opine sobre esta matéria Imprimir Documentos Ordem cronológica Ordenado por tipo Ordenado por comissão Reordenar Data Tipo Comissão Ação legislativa Observação 13/04/2016 Texto inicial ( PDF ) http://www.senado.leg.br/atividade/rotinas/materia/getPDF.asp?t=191342&tp=1 Informações complementares Matérias relacionadas Eventos e prazos importantes Tramitação
  13. 12 de setembro de 2015, 9h42 Por Rodrigo Daniel Silva Assunto na pauta de julgamentos do Supremo Tribunal Federal, o debate sobre a descriminalização das drogas deve partir do questionamento do motivo pelo qual elas foram criminalizadas. Essa é a opinião do juiz da Vara de Execuções Penais do Amazonas, Luís Carlos Valois. Defensor da regulamentação do comércio de entorpecentes, o magistrado afirma que a história da criminalização das drogas é uma história de perseguição. “Ninguém nunca perguntou por que criminalizar as drogas. Agora tem que responder por que tem que descriminalizar, como se fosse normal prender por causa de uma relação comercial”, disse o magistrado, em sua palestra no IV Seminário Nacional do Instituto Baiano de Direito Processual Penal (IBADPP), que aconteceu em Salvador. Valois conta que a criminalização das drogas começou quando os Estados Unidos trouxeram chineses para trabalhar no Oeste do país na construção de ferrovias. “Terminou a ferrovia e começou a sobrar mão de obra. Para que os chineses voltassem para China, eles proibiram o ópio a fim de prendê-los e mandá-los embora. Proibiram o ópio porque os chineses estavam incomodando os Estados Unidos”, contou Valois. De acordo com a pesquisa do magistrado, 90% dos processos de tráfico de entorpecente não tem nenhuma investigação. “A prova é a droga. Não se investiga nada”, pontuou. Para ele, o direito de defesa não existe no processo de tráfico de entorpecente. "O tráfico é uma relação comercial, acontece naquele momento. Se a polícia chega e prende a pessoa, diz que estava traficando. Não vai ter como provar que ela não estava, porque as únicas testemunhas são aqueles policiais que prenderam”, salientou. Valois ainda criticou a ampliação das hipóteses de flagrante pela doutrina. Na visão dele, há uma clara violação a Constituição. O juiz frisou que a lei só permite a invasão a domicilio em três situações: desastres, para prestar socorro e em caso de flagrante. “O flagrante tem que ser equiparado ao desastre para prestar socorro. Ou seja, aquele flagrante que entro em uma casa para evitar que um mate o outro. Esse é o flagrante constitucional que permite a invasão de domicílio”, afirmou. Um dos efeitos dessa situação, aponta, é que mulheres foram presas na maioria dos casos de de invasão de domicílio. Isso porque, segundo ele, a polícia encontra nessas invasões mães e esposas com drogas de supostos traficantes. Juiz há 22 anos, Luís Carlos Valois entende que o Judiciário brasileiro “tem matado pessoas, ignorado mortes e também o encarceramento ilegal e desumano”. “Hoje as pessoas preferem levar 10 chibatadas do que ser preso um dia”, destacou, ressaltando que o Direito Penal humanizou os juízes, mas não o réu e o preso. No Supremo Na última quinta-feira (10/9), o Plenário do Supremo Tribunal Federal retomou o julgamento da descriminalização do porte de drogas para consumo próprio. Por enquanto, o ministro Gilmar Mendes já votou pela inconstitucionalidade do artigo 28 da Lei de Drogas, que criminaliza a posse. Os ministros Luís Roberto Barroso e Luiz Edson Fachin votaram pela descriminalização apenas da posse de maconha. O julgamento foi interrompido depois de pedido de vista do ministro Teori Zavascki. va é jornalista. Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2015, 9h42 http://www.conjur.com.br/2015-set-12/juiz-preciso-debater-origem-criminalizacao-drogas
  14. Maconha na adolescência não provoca problemas de saúde, diz estudo http://climatologiageografica.com/maconha-na-adolescencia-nao-provoca-problemas-de-saude-diz-estudo/ 5 de agosto de 2015 Leonardo Ambrosio De acordo com um estudo publicado pela Associação Americana de Psicologia, uso crônico da maconha por garotos adolescentes não parece estar ligado com nenhum problema físico ou mental como depressão, sintomas psicóticos e asma. Pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Pittsburgh e da Universidade de Rutgers acompanharam 408 garotos da adolescência até os 30 anos em um estudo que foi publicado no jornal ‘Psychology of Addictive Behaviors’. De acordo com o líder da pesquisa, Jordan Bechtold, os resultados foram surpreendentes. “Não existe nenhuma diferença na saúde mental ou física por conta da frequência do uso de maconha na adolescência”, disse. Créditos: Creative Commons A pesquisa foi motivada pela popularização da droga nos Estados Unidos, que pouco a pouco vai liberando a utilização da cannabis em seus estados. E por conta de estudos anteriores, os pesquisadores estavam esperando encontrar resultados muito mais negativos. Os pesquisadores também não encontraram nenhuma ligação entre a utilização da maconha e depressão, ansiedade, alergias, dores de cabeça ou aumento na pressão sanguínea. O estudo começou a analisar os garotos no final dos anos 1980. Por 12 anos, os participantes foram entrevistados anualmente ou semianualmente, e uma nova entrevista foi feita em 2009/10, quando os participantes tinham 36 anos de idade. Não houve diferenças nos resultados com base na etnia dos participantes: 54% eram negros e 42% brancos. O restante pertencia a outras etnias. Os colaboradores da pesquisa foram divididos em quatro grupos: que não usavam ou usavam muito pouca maconha (46%); usuários crônicos desde cedo (22%); os que utilizaram a droga apenas na adolescência (11%) e os que começaram na adolescência e continuaram utilizando (21%). De acordo com os pesquisadores, fatores externos foram controlados, como a utilização de tabaco ou outras drogas ilícitas, além do acesso dos participantes a unidades de saúde. Já que o estudo abordou apenas homens, não existem resultados aplicáveis a mulheres. Um número muito pequeno de participantes desenvolveu sintomas psicóticos, diz o estudo. “Nós quereremos ajudar a informar o debate sobre a legalização da maconha, mas esse é um assunto muito complicado e um estudo não deve ser tomado de forma isolada”, disse Bechtold. A pesquisa está disponível neste link. Veja mais aqui http://climatologiageografica.com/maconha-na-adolescencia-nao-provoca-problemas-de-saude-diz-estudo/#ixzz3i7sWaF2f
  15. Defender a legalização das drogas é legal por Wanderley Preite Sobrinho — publicado 15/06/2015 04h44 Sequência de fatos indicam aumento da repressão a quem sugere qualquer alteração na Lei de Drogas http://www.cartacapital.com.br/sociedade/defender-a-legalizacao-das-drogas-e-legal-1102.html Adriana Lorete Cert, do Cone Crew: preso no palco e espancado pela polícia por defender a legalização das drogas. Quebrou um dedo e teve o ombro deslocado Quase 20 anos após a prisão da banda Planet Hemp em um show de Brasília, em 1996, a história se repete. Na noite do sábado 6, a Polícia Militar do Rio de Janeiro invadiu o palco da banda Cone Crew Diretoria, na cidade de Paty do Alferes (a 125 quilômetros da capital), e arrastou pelo pescoço o vocalista André Leite, o Cert. Motivo: como a banda de Marcelo D2, as canções do Cone Crew defendem a legalização da maconha. O episódio é só o mais recente de uma série de fatos a indicar um aumento da repressãocontra qualquer flexibilização da chamada Lei de Drogas. Horas antes, naquele mesmo dia, a Marcha da Maconha em Guarulhos foi interrompida por balas de borracha e bombas de efeito moral. O mesmo ocorreu com o ato em Maceió, em 31 de maio. No dia seguinte à violência em Alagoas, um menor foi parar na cadeia da paulista Salto Grande por usar uma bermuda com estampa de folhas da planta. “É abuso de autoridade”, crava o jurista Cristiano Maronna, secretário-executivo da Plataforma Brasileira de Política de Drogas e vice-presidente do Instituto Brasileiro de Ciências Criminais. “Em 2011, o Supremo Tribunal Federal julgou constitucional a Marcha da Maconha, deixando claro que condutas como vestir camiseta ou boné com desenhos da erva não é crime, é manifestação do livre pensar, próprio da democracia.” Teve mais. A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo (EMTU) vetou em maio a campanha publicitária Da Proibição Nasce o Tráfico. A intenção era repetir na capital paulista a iniciativa que, por 30 dias, exibiu na traseira de 43 ônibus do Rio charges dos cartunistas Angeli, Laerte, Arnaldo Branco, Leandro e André Dahmer com críticas à chamada guerra às drogas. “Parece aquele papo de levar sambista preso por ‘vadiagem’ no início do século passado”, compara Dahmer a CartaCapital. “É o Estado querendo mandar no nosso corpo. Drogas que agem no sistema nervoso central, como Ritalina, pode. Vodka também pode. Maconha, não. O Estado decide que droga podemos tomar. E decide mal.” A EMTU culpou a Intervias, terceirizada que opera as linhas, por não comunicá-la sobre a campanha, como estaria previsto em contrato. “Não conheço o documento, mas tudo indica censura”, avalia o defensor público Leandro Castro Gomes. “Ela impede a discussão social de uma política pública questionada no mundo todo.” Gomes é autor de um recurso extraordinário prestes a ser votado no STF contra a condenação de um jovem a dois meses de prestação de serviços comunitários por levar consigo três gramas de maconha. Caso a inconstitucionalidade do artigo 28 da lei seja confirmada, o consumo de qualquer droga estará descriminalizado. O defensor acredita que a medida reduzirá as detenções por tráfico – que representam 24% das prisões no Brasil. Para Maronna, é o começo da regulamentação. “Depois de estipular quanto se poderá portar, o Brasil deve discutir a autorização do cultivo da cannabis e a criação de cooperativas e clubes de consumo”, diz. “Sem isso, o sistema judicial vai continuar considerando ‘traficante’ o pobre e, ‘usuário’, o rico.” O julgamento pode colocar o País na trilha de outras nações. Nos Estados Unidos, cinco estados regulamentaram o consumo e outros cinco programaram plebiscito para 2016. OUruguai regulamentou a droga e até um general da reserva do Exército, o atual presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, considera ultrapassada a estratégia de repressão. A ONU marcou para o ano que vem uma Sessão Especial da Assembleia-Geral (Ungass, na sigla em inglês) só para debater se a coerção é mesmo a única alternativa. Maronna atribui o aumento da repressão no Brasil à “onda conservadora” que tomou o Brasil desde as últimas eleições. O resultado é o aumento das intimidações, como a sofrida por Cert, vocalista do Cone Crew. “Levei cacetadas, me chutaram, tomei três borrifadas de spray de pimenta e sofri tentativas de enforcamento. Me jogaram no chão diversas vezes, mas só fui comunicado da razão de tudo isso quando estava na viatura.” Resultado: quebrou o dedão da mão direita, deslocou o ombro e está com escoriações por todo o corpo. Mesmo após o incidente e tendo sido preso – e inocentado – no início do ano por plantar maconha, o vocalista mantém-se firme na defesa da legalização: “É injusto que qualquer ser humano sofra represália por usar uma substância mantida ilícita apenas por motivos econômicos”. *Uma versão alternativa do texto foi publicada na edição 854 de CartaCapital com o título "'Legalize Já!' enquadrado "
  16. "Maio Verde" debate a legalização das drogas no Brasil http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/vida-urbana/2015/05/04/interna_vidaurbana,574661/maio-verde-debate-a-legalizacao-das-drogas-no-brasil.shtml Eventos ocorrerão ao longo de todo o mês, com palestras, oficinas e sessões de cinema. A Marcha da Maconha faz parte da programação. Marcionila Teixeira - Diário de Pernambuco Publicação: 04/05/2015 11:04 Atualização: 04/05/2015 11:11 Orlando Zaconne é delegado da Polícia Civil. Ao contrário de grande parte dos colegas de corporação, defende a legalização das drogas. Ele integra a Law Enforcemente Against Prohibition (Leap), ou em português, Agentes da Lei contra a Proibição. Neste mês, Zaccone estará no Recife para debater a relação entre as políticas proibicionistas e o encarceramento no Brasil. Junto com ele, cada vez mais profissionais de áreas diversas, como médicos e professores pernambucanos, fortalecem o movimento favorável à legalização das drogas. Em comum, buscam a qualificação no debate. A fala do delegado, que atua no Rio de Janeiro, está prevista no seminário promovido pelo Coletivo Antiproibicionista do estado, dentro do Maio Verde. Além das palestras de especialistas, várias atividades estão programadas no próximo mês para discutir a legalização, entre elas oficinas de confecção de cigarros artesanais e a marcha da maconha. Zaconne deixa claro que a legalização não contempla solução para o consumo de drogas. Para reduzi-lo, são necessárias políticas públicas, a exemplo do que foi feito em relação ao tabaco, como proibição de veiculação de propagandas na TV e restrição de ambientes para fumantes. “As prisões por envolvimento com o tráfico só perdem para as prisões por roubo. Existe um inchaço no sistema prisional e o problema do tráfico não é resolvido, pois a venda de drogas continua, já que há um mercado. A criminalização não impede o crime, só torna o comércio mais violento. A violência é produto da proibição e não da droga”, defende Zaconne. Ingrid Farias, do Coletivo Antiproibicionista e diretora da Associação Brasileira de Redução de Danos, acredita que políticas de drogas pautadas pela proibição sempre serão permeadas pela classe social e raça dos indivíduos. “A principal vítima do sistema repressor hoje é o morador da periferia, o negro e o pobre. A política de drogas precisa ser pautada pela saúde pública. A segurança é coadjuvante no processo”, analisa. Médico residente no Hospital das Clínicas, Pedro Costa comemora a criação de associações em todo Brasil para trabalhar com a maconha de uso medicinal. “Determinadas patologias, como glaucoma, esclerose múltipla, dores neuropáticas, epilepsias de difícil controle, transtornos de ansiedade, por exemplo, têm indicação de uso. Também há estudos relacionados a pacientes com Alzheimer, Parkinson e câncer”, destaca. “Em Israel há um hospital com área específica para fumantes de cannabis”, diz o médico. A lei 11.343, chamada lei de drogas, diz que a universidade têm direito de cultivar a maconha para estudos desde que tenha autorização do estado. “As associações querem entrar com o pedido de forma coletiva para fazer valer esse direito. Hoje não posso fazer ensaio clínico na UFPE para uso da maconha no combate à dor reumática, por exemplo, porque será reprovado no conselho de ética da universidade”, explica. O debate sobre a legalização deve seguir ainda mais aprofundado dentro dos eventos previstos no Maio Verde. O que querem as pessoas a favor da legalização - Regulamentação da planta maconha pautada na construção de políticas públicas de cuidado, prevenção, pesquisa, assim como liberdades individuais - Revisão dos tratados internacionais sobre drogas e construção coletiva, entre governos e a sociedade civil, alternativa central para o fim da guerra às drogas - Posição favorável do governo brasileiro no fórum da ONU sobre política de drogas - O fim da criminalização e patologização de usuários/as de drogas como doentes e/ou delinquentes - Campanhas que esclareçam de forma responsável, ética e acessível toda sociedade sobre o uso de qualquer droga, seja de forma medicinal , industrial, ambiental, científica, espiritual e recreativa - Gerar formas de aquisição segura de maconha através do auto-cultivo, hortas comunitárias e cultura associada, clubes, dispensários - Promover, apoiar e gerar pesquisas sobre maconha, seus derivados e os impactos de usos aos/as usuários/as - Reconhecimento e incentivos de apoio e articulações com os conselhos estaduais, municipais e nacional, coletivos, grupos, associações e ações para os direitos dos usuários e cultivadores de maconha - Liberdade aos/as presos/as por pequeno porte de maconha - Fim do genocídio da juventude negra - Desmilitarização da polícia Fonte: Coletivo Antiproibicionista O que querem as pessoas contra a legalização - Os cidadãos, em especial as crianças, têm o direito de viver num ambiente seguro e livre de drogas - A melhor forma de reduzir os danos causados pelas drogas é reduzir o consumo. Sem diminuir sua circulação nas ruas, os problemas são agravados - O Brasil é o único país do mundo que faz fronteira com todos os produtores de coca. Temos que ser muito mais rigorosos no controle que outros países - O uso e o tráfico devem continuar sendo considerados crimes e devem ser punidos. O primeiro com penas alternativas e o segundo com prisão prolongada - A dependência química é uma doença crônica do cérebro, que deve ser tratada e prevenida. A Saúde Pública e a Segurança Pública estabelecem ações complementares - Os profissionais da saúde e da educação devem estar plenamente capacitados para exercer atividades de prevenção e detecção precoce do uso - O SUS deve financiar clínicas de desintoxicação e as Comunidades Terapêuticas. - As famílias devem ter acesso a programas de orientação específicos, que proporcionem o conhecimento dos meios de prevenção ao uso de substâncias. - O sistema de recuperação social precisa abranger a reabilitação profissional das pessoas em recuperação com suporte estatal e social - A rede de pequenos e médios traficantes ampliou-se nos últimos anos. Faz-se urgente definir estratégias para desorganizá-la Fonte: Manifesto contra a legalização das drogas no Brasil Programação Maio Verde 07.05.2015 – THCine - 19hrs Edf. Texas, Pátio de Santa Cruz, Boa Vista Exibições: 19h20 – Documentário Usuários (25m) 19h40 – Além da Dependência (20m) 20hrs – Dirijo (25m) 20h50 – Cortina de Fumaça (1h) 14.05.2015 – THCine - 19hrs Trailer Campo Grande, Novo Point de Áudio Visual Campo Grande Exibições: 19hrs – Cracolândia e o estado higienista 20hrs – The Cultere High 17.05.2015 – Marcha da Maconha Recife 2015 - 14hrs Praça do Derby 17.05.2015 – II Festival de Cultura Cannábica - 18hrs Rua da Aurora – Skate Parque 21.05.2015 – THCine - 19hrs Edifício Texas, Pátio de Santa Cruz Exibições: 19h20 – Noticias de uma guerra particular 21hrs – Grass 27.05.2015 – THCine - 19hrs Alto Jose do Pinho Exibições: 19h20 – Rap do Pequeno Príncipe 29.05.2015 – II Seminário Antiproibicionista de Pernambuco - 13hrs Unicap, Rua do Príncipe, Santo Amaro PROGRAMAÇÃO 13hrs – Credenciamento 14hrs – Mesa abertura 15hrs – Grupos de Trabalho por Eixo 17hrs – Encerramento GTs 19hrs – Mesa de Encerramento 31.05.2015 – Feira Verde - 11hrs Rua da Aurora
  17. Acompanhando os projetos de leis no link, teve um que me chamou a atenção, pois tem a intenção de Alterar o art. 2º da Lei nº 11.343, de 23 de agosto de 2006, para viabilizar a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta Cannabis sativa em sua formulação. fonte Vale a pena acompanhar!!!
  18. Publicada em 09/04/2015 - 23h35min / Autor: Forbes Brasil/ Mariana Saa Ligada a Bob Marley, empresa focada em maconha recebe aporte de US$ 75 mi nos EUA O apoio para a legalização da maconha continua crescendo nos Estados Unidos. Por este motivo, os investidores estão procurando empresas que possam literalmente colocar dinheiro na causa. O apoio para a legalização da maconha continua crescendo nos Estados Unidos. Por este motivo, os investidores estão procurando empresas que possam literalmente colocar dinheiro na cauda. No momento, a maior quantidade de dinheiro tem ido para a Privateer Holdings, uma empresa de capital privado em Seattle focada no mercado de cannabis. O sucesso não é a toa: a companhia fez um acordo de trinta anos com a família Marley para usar o nome a imagem do cantor de reggae para vender a erva. É a primeira companhia de todos os EUA a direcionar seus serviços completamente para o setor. A Marley's Natural, marca de Bob Marley, foi lançada no ano passado e deve começar a vender seus produtos até o final de 2015. Em uma rodada recente, a Privateer arrecadou US$ 75 milhões, totalizando US$ 82 milhões em investimentos, e se tornando assim a mais bem subsidiada empresa de capital do mercado. De fato, o sucesso pode ser atribuído ao grande nome que Bob Marley tem, e não só pela associação dele com a maconha, mas também por sua imagem icônica no universo do reggae. Hoje em dia, a erva é legal em 23 estados norte-americanos, sendo que o uso recreativo é permitido em quatro deles. www.msn.com/pt-br/dinheiro/economiaenegocios/ligada-a-bob-marley-empresa-focada-em-maconha-recebe-aporte-de-usdollar-75-mi-nos-eua/ar-AAaEe1q
  19. O Senador Cristovam Buarque foi designado pela Comissão de Direitos Humanos (CDH) para atender a sugestão numero 8 / 2014 que consiste na regulamentação da Cannabis. Serão realizadas 8 audiências publicas para escutar a população e debater sobre o tema com convidados. Video A primeira foi 2 de junho e passou batida, muito mais gente falando contra do que a favor. Link para Ata A segunda 11 Agosto. botar link notas taqui aqui A terceira do dia 25 de Agosto foi uma vitoria. botar link notas taqui aqui 8 setembro ocorreu a quarta 22 setembro - quinta 13 Outubro - 6ª Audiencia Publica porque as mais importantes? Basicamente o senado vai decidir o assunto baseado na opinião do Cristovam (relator) e o Cristovam provavelmente vai presidir a mesa da comissão nas 7 audiências restantes, teremos sete e apenas sete oportunidades de comparecer em peso ao vivo e virtualmente (portal e-cidadania). Marquem nos seus calendários! deixem no minimo uma frase na audiência interativa, se 1% dos inscritos no site mandarem ao menos uma frase de apoio superaremos muito em numero do pessoal que quer manter a guerra. que infelizmente estavam em maior numero e marcaram mais presença na primeira audiência. Temos sete pra recuperar! Quem apoia? Vamos fazer um display de contagem regressiva na pagina principal pras audiências virtuais? fica a ideia e o apelo a deixar ao menos um registro nas audiências virtuais, que apesar de virtuais, não aceitam mensagens a qualquer data e horários, apenas durante a ocorrência da audiência presencial no senado, ou seja apenas nos dias e hora corretos pode-se enviar comentários online.
  20. Legalização da maconha entra em vigor no Alasca Droga só pode ser consumida em ambientes privados. Repórter que se demitiu ao vivo foi uma das entusiastas de campanha. O Alasca se tornou nesta terça-feira (24) o terceiro estado norte-americano a legalizar o uso recreativo da maconha, mas os defensores da legalização não esperam a realização de grandes celebrações, visto que permanece ilegal o consumo público da droga. Na maior cidade do estado, Anchorage, policiais estão prontos para começar a distribuir as multas de US$ 100 previstas, para garantir que o consumo permaneça sendo feito entre portas fechadas. O Alasca se juntou aos estados de Washington e Colorado a ter o consumo de maconha legalizado. Uma das envolvidas na campanha pela legalização foi a repórter Charlo Greene. Ela trabalhava em um canal de TV do Alasca e pediu demissão ao vivo em setembro. Na época, ela soltou um palavrão no ar, e disse que fez isso com objetivo de trazer luz ao debate em favor da legalização da maconha no estado. Greene, que trabalhava na emissora "KTVA", um canal filiado à "CBS", tinha terminado de apresentar uma notícia sobre o uso de maconha medicinal em Anchorage (Alasca), quando revelou que ela mesma era a proprietária do local. "Dedicarei todas minhas forças em lutar pela liberdade e justiça, que começa por legalizar a maconha no Alasca. Para isso, não tenho mais alternativas do que deixar o programa. Estou indo embora", disse ao vivo a jornalista. Em novembro, os eleitores aprovaram a legalização com 53% dos votos a favor. A medida entrou em vigor, entretanto, apenas nesta terça. A partir de agora, os adultos que vivem no estado podem não apenas consumir e ter maconha em sua posse, mas também podem transportá-la, cultivá-la e dá-la a outras pessoas. Uma segunda fase do processo, que criará um mercado regulado e taxado, não começará antes de 2016. Enquanto a posse de maconha não é mais um crime no estado, consumir a droga em público renderá mula de US$ 100. Fonte: G1
  21. O grande consumidor de cocaína e maconha não está na periferia, padre defende a descriminalização das drogas http://www.dm.com.br/cidades/2015/02/o-grande-consumidor-de-cocaina-e-maconha-nao-esta-na-periferia-padre-defende-descriminalizacao-das-drogas.html Foto: Ilustrativa/Agência Brasil 03/02/2015 Andréia Pereira Em entrevista ao jornal El País, o padre Valdir João Silveira, Coordenador Nacional da Pastoral Carcerária, afirma que a população pobre, no Brasil, está mais vulnerável e acaba sendo a maior vítima do tráfico. Ele enfatiza que defende a descriminalização das drogas e aponta alguns motivos para esse posicionamento. O coordenador da pastoral ressalta uma série de problemas sociais e associa também aos problemas ligados à criminalidade. Existe uma ênfase muito grande do poder Executivo de investir na lógica da repressão, principalmente nos bairros onde falta a presença do Estado, falta escola, saneamento, saúde e condições dignas de vida. E se responde a isso com a repressão da polícia, pontua. Padre Valdir Foto: Reprodução/Carceraria.org / Padre Valdir O padre ainda diz acreditar que há um preconceito em relação aos moradores da periferia. A pena existe para o traficante, mas quem define quem é usuário e quem é traficante é a polícia, que acaba tomando essa decisão com base no perfil do suspeito: se foi preso na favela, é traficante, argumenta. Valdir explica que a criminalidade não aumenta pela falta de vagas nos presídios do País. Há uma propaganda enganosa de que existe um déficit de vagas nas cadeias, e que esse é o problema. Na verdade são os presídios, quase todos comandados por facções criminosas que também atuam nas periferias, que alimentam o ciclo de violência, ressalta. O padre também pontua que existe um esteriótipo do criminoso. Ele declara que nos locais onde se concentram as pessoas de maior poder aquisitivo a polícia não costuma desenvolver o mesmo tipo de ação que desenvolve nos bairros onde moram as de baixa renda. A maioria deles foi presa por crimes relacionados à venda de drogas. Mas o grande consumidor de cocaína e maconha não está na periferia. Está no condomínio. Só que lá não existe a repressão policial que existe nos bairros pobres, considera. O padre afirma que o combate ao uso de drogas deve ser feito por meio de tratamento. Ele explica defende a mudança na forma como é tratado o usuário de drogas e não a liberação do uso dos entorpecentes. A questão do usuário se resolve com tratamento. É assim em Portugal, na Holanda. O presídio é a garantia do uso da droga, porque entra muita cocaína, crack e maconha lá dentro. Lutamos pela descriminalização, não pela legalização, ressalta. Com informações do El País
  22. Censura inadmissível A legalização da maconha só trará à sociedade mais respeito ao usuário, e transferirá a questão do âmbito criminal para o da saúde pública Vivemos em 2014 e, nesta contemporaneidade, ainda é proibido usar Cannabis sativa no Brasil. Embora atualmente a questão seja discutida no Senado, a Constituição é bastante clara quanto às condenações impostas àqueles que plantam, consomem e vendem maconha. Mas, se uma pessoa comprar uma passagem para os EUA ou mesmo para o nosso vizinho Uruguai, por exemplo, poderá consumir a erva de forma legal. Fora as questões antropológicas, qual a diferença do ser humano daqui para o de lá? É óbvio que nenhuma. O que nos difere é o conceito de cidadania. Embora todas as perguntas sobre maconha já tenham sido respondidas pela ciência, sendo que todas as respostas nos levam à legalização, existe ainda uma vontade da nossa sociedade de proibir o seu uso, principalmente por causa do universo de terror criado pelos proibicionistas, que conseguiram tornar pejorativa qualquer coisa ligada à Cannabis. Mas nenhum dos motivos proibicionistas é embasado nas atuais pesquisas científicas. Algumas verdades já divulgadas pela ciência, como “maconha faz menos mal à saúde do que o álcool e tabaco”, “maconha nunca matou ninguém”, “maconha pode ser usada como medicamento para diversas doenças” e a “guerra às drogas fracassou” ainda não foram assimiladas pela sociedade brasileira como dados científicos. E o preço para ocultar estes dados tem sido bastante alto, com centenas de mortes em confrontos entre traficantes, ou mesmo superlotando celas com pessoas presas com poucos gramas de erva. Teoricamente, o usuário de Cannabis no Brasil vive uma censura que pode ser considerada inadmissível. Isso porque existe um excesso de dados científicos a seu favor. Todas as perguntas feitas pelos proibicionistas já foram respondidas, mas estes insistem em levantar sempre as mesmas questões, o que empobrece o debate. Um dos argumentos mais usados é o de que fumar maconha causa surtos psicóticos. Não, a maconha não causa qualquer surto, mas, sim, pode desencadear em pessoas com “predisposição” a esta patologia. Bem como é verdade que álcool e antidepressivos também podem desencadear o mesmo surto. Então, esta não é uma hipótese pertinente para mantermos a proibição da erva. Outro argumento proibicionista: “Maconha pode provocar câncer de pulmão.” Também é verdade, mas só quando é fumada, por isso é indicado “vaporizar” (o que é possível por meio de aparelhos já disponíveis no mercado, com preços acessíveis), ou mesmo “ingerir” a erva, o que, inclusive, é mais benéfico à saúde. “Cannabis leva a outras drogas.” Essa é uma questão polêmica, mas, com certeza, se induz a consumir outras drogas, não é por causa do seu efeito. Um argumento pertinente é que a Cannabis pode “dar acesso” a outras drogas por ser vendida no mesmo lugar onde se trafica crack, cocaína etc. Mas, com a legalização, esta questão seria solucionada. Num último suspiro, um proibicionista que ouve este debate diz: “Mas as pesquisas dizem que a maioria dos brasileiros não quer a legalização.” Infelizmente, não podemos contar com a intelectualidade de um país que ocupa sempre os últimos lugares nos índices mundiais de educação, e que elege e reelege Tiririca e Romário como seus representantes. Mas nós somos muito mais do que circo e futebol. A legalização da maconha não é uma questão de plebiscitos, e sim de um governo com pulso firme na verdade, na veracidade dos fatos e que dê crivo às atuais pesquisas científicas. Defender a maconha não pode nunca ser considerado um ato de defesa a um vício, ou mesmo a imposição de uma obrigatoriedade de consumir a planta. A legalização só trará à sociedade mais respeito ao usuário, e transferirá a questão do âmbito criminal para o da saúde pública. É esta responsabilidade que pousa agora nas mãos do senador Cristovam Buarque, relator da SUG 08/2014, que trata da legalização. Na verdade, é esta responsabilidade que pousa sobre as mãos de todos nós, brasileiros. Pois agora é o momento de se dar mais ouvido à ciência do que ao folclore repetitivo do proibicionismo. Emílio Figueiredo é advogado e coordenador do site Growroom, que discute a legalização da maconha Leia a reportagem original aqui: http://oglobo.globo.com/opiniao/censura-inadmissivel-14285291
  23. Segundo médico e deputado federal, usar drogas nunca foi nem será utilizada para tratar qualquer doença por Osmar Terra* 25/10/2014 | 17h01 Existe um movimento bem articulado para conquistar a legalização das drogas, hoje ilícitas, no Brasil. Ele se constitui num verdadeiro Partido Pró-Drogas, que se manifesta de maneira planejada e utiliza uma tática progressiva. O primeiro passo seria a descriminalização do uso, depois a liberação da maconha, e, logo após, a legalização de todas as drogas, deixando que o mercado regule seu uso. É uma cruzada que interessa a uma pequena, mas influente, parcela da sociedade, e que conta com parte da grande imprensa nacional. Essa parcela aglutina usuários que não querem correr riscos, filósofos da liberdade individual acima de tudo e poderosos interesses comerciais. Na última edição do caderno PrOA, foi publicada uma entrevista com o diretor do filme Ilegal, Raphael Erichsen, na qual, a título de preocupação com o tratamento para doenças raras em crianças, o cineasta tenta justificar a liberação da maconha. Argumenta no filme que essas crianças deveriam ter o acesso ao “canabidiol”, molécula presente na composição da planta da maconha, para seu tratamento. Exibe o desespero de mães que buscam tratamento para seus filhos para, de forma sub-reptícia, passar a ideia de que então é importante legalizar a maconha (não só o canabidiol), para uso medicinal. Logo depois, por que não?, liberar seu uso recreativo. O argumento central, mas dissimulado, é o de que existe uma molécula na droga, com efeito medicinal, e que por isso a droga é remédio e deveria ser liberada. Nada mais falso. No cigarro de maconha, existem mais de 400 substâncias que causam danos à saúde. Uma delas, o THC, causa transtornos mentais agudos e crônicos, desencadeia a esquizofrenia, incurável, e transtornos de humor como a depressão, com risco maior de suicídio. É causa importante de interdição de adultos jovens. Reduz reflexos, a memória, a inteligência e a capacidade de trabalho. Seus usuários têm mais dificuldade de conseguir emprego e de chegar ao curso superior. Quando conseguem, ficam entre os mais baixos salários (conferir os estudos de Ferguson, D.M., 2013, e Ferguson D.M. & Broden, J.M., 2008). Pesquisa do Hospital de Clínicas de Porto Alegre mostrou que a maconha é a droga mais envolvida em acidentes de trânsito com vítimas fatais, o álcool ficou em segundo lugar. (Pechansky e colaboradores, 2010). Além disso, a maconha causa dependência química, e quanto mais jovem o usuário, maior o risco. A dependência química também é uma doença incurável, e no caso da maconha, atinge 50% entre os que usam diariamente na adolescência (NIDA, 2010). Sem falar que a maconha usada hoje é uma variedade 10 a 20 vezes mais potente que a maconha de 15 anos atrás. Segundo a UNDOC, órgão da ONU, 83% dos dependentes de crack e heroína começaram nas drogas ilícitas com a maconha. Estudos da Fundação Britânica de Pneumologia (2012) mostram que o cigarro da maconha causa mais câncer de pulmão nos seus usuários que o de tabaco. Um dos maiores psiquiatras brasileiros, Valentim Gentil Filho, professor titular de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da USP escreveu em artigo para a edição número 148 da Scientific American (de setembro de 2014): “Um dos possíveis facilitadores dessa atitude liberalizante em relação à cannabis é que seus efeitos agudos e transitórios sempre chamaram mais a atenção que as ações permanentes e irreversíveis. Talvez por isso se afirme que a maconha é menos prejudicial que o álcool e o tabaco. Na realidade, a discussão sobre drogas ilícitas tenta transmitir uma mensagem de segurança que as evidências absolutamente não justificam.” Assim, afirmar que fumar maconha pode ser tratamento é uma manipulação absurda. Isso não impede, porém, que uma molécula da planta, como o canabidiol, não possa ter efeito benéfico em alguma doença rara. Se comprovado, ela deverá ser retirada da planta, isolada e utilizada para aquela finalidade específica, como um comprimido ou líquido. É muito diferente de fumar maconha “para se tratar”. Só para lembrar, a morfina é uma substância derivada da papoula, a planta que produz a heroína. No entanto, é utilizada em casos específicos de dor intensa. A bradicinina é uma substância com excelentes resultados em hipertensão arterial e vem do veneno da jararaca. Mas ninguém receita injeção de heroína para tratar dor, nem picada de jararaca para “pressão alta”! Uma coisa é usar determinada molécula de uma planta para fins medicinais, outra coisa é usar isso como desculpa para se drogar. Usar drogas nunca foi nem será tratamento para qualquer doença, muito pelo contrário. Quanto à exploração emocional do sofrimento alheio, para empurrar de contrabando a legalização das drogas, mostra que o Partido Pró-Drogas não tem nem terá limites éticos ou morais para conseguir seu intento. Cabe ao restante da sociedade ficar alerta e contra-argumentar, quem sabe também com um filme, mostrando a relação verdadeira e direta da maconha e outras drogas com a destruição física e mental de milhões de brasileiros, história que bem poderia ser contada por suas famílias devastadas pelo sofrimento. * Médico. Ex-secretário estadual da Saúde e deputado federal (PMDB-RS) Fonte: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/proa/noticia/2014/10/osmar-terra-afirmar-que-fumar-maconha-pode-ser-tratamento-e-uma-manipulacao-absurda-4628158.htm l
  24. CanhamoMAN

    Mcdonald’S Da Maconha

    McDonald’s da maconha Com variedade de produtos e marketing ativo, empresas brigam pela liderança de mercado nas regiões dos Estados Unidos que legalizaram o consumo da erva 21/10/2014 - 18H10/ atualizado 18H1010 / por Fabiano Rampazzo http://revistagalileu.globo.com/Revista/noticia/2014/10/mcdonalds-da-maconha.html Em 22 dos 50 estados norte-americanos, o uso medicinal da cannabis já é permitido, sendo que nos estados do Colorado e de Washington o consumo é legal inclusive para fins recreativos (e o Alasca pode se tornar, ainda este ano, o terceiro estado a liberar o uso da erva com esse propósito). Hoje, a legalização conta com o apoio da maioria da população, e especialistas acreditam que a maconha deve se transformar em um mercado com lucro na casa dos bilhões de dólares em menos de cinco anos. É que a lei nos estados que permitem o consumo recreativo prevê a abertura de coffee shops em que qualquer pessoa poderá comprar até 28 gramas da erva para consumo próprio. Peter Norris, presidente da Diego Pellicer, empresa especializada na locação de imóveis para negócios nessa área (sim, na área da maconha), está otimista. “Este é apenas o começo. Acreditamos que mais estados seguirão o exemplo de Washington e do Colorado nos próximos dois anos", ele diz. E algumas marcas começam a ganhar destaque nesse mercado prometendo a melhor experiência possível com seus produtos — que vão desde a erva pura até protetores labiais, refrigerantes e chocolates. MERCADO EMERGENTE Conheça algumas marcas que já começam a lucrar com a legalização A Cannariginals (1), da Califórnia (estado que só legalizou o uso medicinal), tem vários analgésicos em forma de óleos e pomadas na sua cartela de produtos. Já a Mary Janes (2) revende seus protetores labiais e loções corporais em dispensários da Califórnia e do Colorado. E a Dixie Elixirs (3), com sede em Denver, comercializa subprodutos como cigarrilhas, chocolates, balas e refrigerantes. Joe Hodas, diretor da empresa, está otimista: “Acho seguro dizer que veremos a legalização total no país nos próximos cinco anos”.