Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'hospedagem'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 1 registro

  1. Se você é um entusiasta da cannabis e decidiu visitar o Colorado, primeiro estado americano a legalizar o uso recreativo da maconha, pode se decepcionar ao chegar lá. O uso em público é proibido e também é ilegal dentro de carros, hotéis, bares e restaurantes (ainda que alguns desafiem às regras). Na prática, só é permitido fumar em residências privadas - um grande obstáculo para os turistas curiosos. Dois empresário enxergaram aí uma oportunidade de negócio e criaram o Bud and Breakfast (maconha e café da manhã, piada com bed and breakfast, um tipo de pousada simples). É um Airbnb que une quem busca uma estadia tranquila, com direito a fumar seu baseado, com quem está disposto a alugar sua casa nessas condições. LEIA: Esta cabana no mato é a casa mais popular do mundo, segundo o Airbnb Como no Airbnb, dá para filtrar as ofertas por número de hóspedes, casa inteira, quarto privado ou quarto compartilhado. O preço é parecido com o de outros sites que prestam o serviço, ou até mais barato - um fim de semana para duas pessoas em Denver fica 132 dólares, perto da média de preços do Airbnb para as mesmas condições, US$ 140. As opções variam bastante: tem casas de luxo nas montanhas, com capacidade para 75 pessoas e estrutura para sediar casamentos, até quartinhos em apartamentos universitários. As regras também dependem do anfitrião - não é porque aceitam que o hóspede fume maconha que vale tudo. Na maioria das casas, só é permitido fumar do lado de fora. Dentro de várias propriedades, é preciso utilizar um vaporizador, que pode ou não ser disponibilizado pelo dono da casa. Além disso, tem quem proíba álcool ou cigarros, com o risco de uma multa de 250 dólares por desobediência. E tem também quem forneça o baseado no período de hospedagem. Não quer ir para o Colorado? Não tem problema. O negócio está se expandido pelos estados em que o uso medicinal e recreativo da maconha é permitido - Oregon, Washigton, Alaska, Califórnia e Illinois. Também há destinos internacionais, Espanha, Portugal, India, Rússia, Nova Zelândia, Filipinas, Jamaica e até nossos vizinhos no Uruguai, totalizando 160 propriedades disponíveis no site. O Bud and Breakfast foi o primeiro, mas não é o único. O Travel THC, também baseado no Colorado, traz o mesmo serviço, aproveitando a onda do turismo canabinoide. Parece estar dando certo: quem aluga as casa conta aos sites que os hóspedes que chegam por essas plataformas são mais pacíficos e respeitosos que os típicos turistas festeiros de 20 e poucos anos. Dependendo da casa, o hóspede pode esperar serviço completo de hotel - mas ao invés de um chocolate, vai encontrar um baseado no travesseiro. http://super.abril.com.br/ideias/quer-viajar-conheca-o-airbnb-para-maconheiros?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=twitter&utm_campaign=redesabril_super