Ir para conteúdo
Growroom

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'história'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 8 registros

  1. Aguardando tradução https://hightimes.com/grow/history-hybrids-how-breeding-selection-led-modern-marijuana/
  2. Artigo muito relevante ! Compilação de eventos históricos de deixar os "mais cultos" de cara ... Vou dar 1 spoiler >>> O ser humano já amarra "as paradas " desde que descobriu que o bagulho é doido. https://hightimes.com/news/politics/a-brief-global-history-of-the-war-on-cannabis/ Se o link entrar em inglês rola traduzido direto tb . A Brief Global History of the War on Cannabis Prohibitionists around the world have long used rhetoric to associate the plant with violence and depravity. Published 1 week ago on February 12, 2020 By Ryan Stoa Shutterstock I want a Goddamn strong statement on marijuana … I mean one on marijuana that just tears the ass out of them. … By God we are going to hit the marijuana thing, and I want to hit it right square in the puss. … I want to hit it, against legalizing and all that sort of thing. —Richard Nixon, 37th president of the United States Before the war on drugs put marijuana farmers firmly in its crosshairs, cannabis was being grown openly and with commercial success on every continent on earth, much as it had been for centuries. This ancient and extensive history of cannabis farming has given rise to the idea that prohibitions put in place in the mid-20th century were the first of their kind — a whirlwind of racial, political, and economic forces that successfully used marijuana prohibition as a pretext for suppression. By contrasting prohibition with our ancient history of cannabis farming, some historians make our modern-day drug laws appear irregular and shortsighted. In his seminal (and controversial) book on cannabis, “The Emperor Wears No Clothes” (referred to by many legalization advocates as “the Hemp Bible”), Jack Herer opens with the following line: For thousands upon thousands of years, all over the world, whole families came together to harvest the hemp fields at the height of the flowering season, never dreaming that one day the U.S. government would be spearheading an international movement to wipe the cannabis plant off the face of the earth. Yet, while unprecedented in scope, the United States’ war on drugs was not the first of its kind. The reality is that marijuana has been controversial for almost as long as humans have been farming it. Many societies throughout history have banned cannabis cultivation and use. What many of these crackdowns and prohibitions have in common is social and economic inequality, or a distrust of the unknown. When members of a minority or lower class embrace marijuana use, the ruling class moves to outlaw marijuana as a form of suppression and control. Marijuana is perceived to be a threat to the order of society, and stamping it out naturally begins with a prohibition on cultivation. A Look At The Ancients As a case in point, the ancient Chinese might have been the first cannabis farmers — and, as far as we know, were the first to write about psychoactive marijuana — and yet they may also have been the first to reject it as a socially acceptable drug. The rise of Taoism around 600 BCE brought with it a cultural rejection of intoxicants. Marijuana was then viewed as antisocial, and derisively dismissed by one Taoist priest as a loony drug reserved for shamans. The sentiment persisted into the modern era — to this day, marijuana struggles to disassociate itself with the stained history of opium in China. Muslim societies have a complex relationship history with marijuana. Hashish use spread widely with the expansion of Islam in the seventh century CE, and remains popular today. Early Arabic texts referred to marijuana as the “bush of understanding” and the “morsel of thought.” Yet traditional theologians believed Mohammed prohibited marijuana use (the Koran [2: 219] prohibits “intoxicants,” but how that word should be interpreted is still up for debate). One prominent theologian associated marijuana with the dreaded Mongol empire, and many upper-class Muslims pushed for prohibition, for fear that marijuana use would disrupt the labor force. In the end, some societies tolerated marijuana use or turned a blind eye; others (such as Damascus in 1265) embraced prohibition. Sufi Muslims took these tensions to the next level. The mystical Sufis believed that spiritual enlightenment could be reached by an altered state of consciousness, and a mind-bending drug like marijuana would seem a logical vehicle to reach that state. Sufis believed hashish was a vehicle not only to personal enlightenment but to direct communication with Allah. These beliefs did not go over well with the rest of mainstream Islam, however. To make matters worse for the Sufis, they were often lower-class laborers. That marijuana use was therefore central to a religion perceived to be a heretical challenge to religious, economic, and political order made the plant an easy target for authorities. In 1253, Sufis were openly growing marijuana in Cairo, Egypt. The government, claiming that Sufism was a threat to society, raided their farms and destroyed all their crops. Undeterred, the Sufis made deals with farmers in the Nile River Valley to grow marijuana on their farmlands. This successful agricultural partnership lasted until 1324, when Egyptian troops raided the countryside and destroyed all the marijuana they could find. For Sufis and marijuana farmers, the situation only got worse. Martial law was imposed in 1378, and this time the authorities destroyed more than marijuana crops: entire farms and farming villages were burned to the ground. Farmers were imprisoned or executed, and hashish users had their teeth pulled. Despite this swift and vicious crackdown, the demand for hashish remained strong. The cycle of cultivation, consumption, and crackdown continued in Egypt for centuries. Christianity and Cannabis Islam was not the only major world religion to feel threatened by marijuana. Pope Innocent VIII issued a papal ban on cannabis in the first year of his papacy, in 1484. At the time, marijuana, along with other mind-altering plants, was being cultivated for medicinal and spiritual applications throughout Europe by pagans who were considered to be witches and sorcerers. The Christianity of Pope Innocent VIII, however, was predicated on a future fulfillment in the afterlife, and a rejection of momentary pleasures or enlightenment. The pagans growing marijuana profoundly challenged this premise by promising spiritual enrichment in the present, with a plant grown right here on earth. Pope Innocent VIII thus wasted no time in addressing this existential threat, declaring cannabis to be an unholy sacrament of the satanic Mass. The pagans who cultivated it were persecuted into imprisonment, exile, or death. Colonial empires, with their unfailing concern for a robust military and hard-working labor force, have often viewed marijuana with suspicion. Though the Spanish were one of the first colonial empires to encourage the cultivation of hemp in the Americas, they were not as enthusiastic about marijuana. The Spanish governor of Mexico issued an order in 1550 limiting cannabis farming because “the natives were beginning to use the plant for something other than rope,” write Robert Clarke and Mark Merlin in their book “Cannabis: Evolution and Ethnobotany.” White South Africans, descended from Dutch or British colonialists, passed a series of laws in the 19th century designed to crack down on the cultivation and use of marijuana by indentured Indian farm workers, who were viewed by whites as societal contaminants and a threat to civil order. The Portuguese empire also struggled to control cannabis. The Portuguese wanted to foster a strong hemp-producing workforce just like those of their colonial rivals, but they considered marijuana a pernicious vice, especially when used by slaves. The Portuguese introduced marijuana prohibitions to many of their African colonies, including Zambia and Angola. Nonetheless, explorers to the region noticed marijuana being grown “nearly everywhere” and used by “all the tribes of the interior,” according to a report published by the Transnational Institute. When the Portuguese brought slaves to Brazil in the 16th century, the slaves brought marijuana along with them, as seeds were sewn into the clothing they wore onto the slave ships and then germinated upon arrival. Whatever strains they were using must have been well adapted to the Brazilian landscape; marijuana was soon growing from the coasts to the Amazon and everywhere in between. For the most part, marijuana cultivation was permitted during Portuguese rule. But when Brazil gained its independence in the early 19th century, Rio de Janeiro’s municipal cannabis prohibition started a chain reaction of prohibitions around the country aimed at curbing marijuana use among slave populations. One reason Portugal may have been lenient on marijuana farming in Brazil is the fact that the Queen of Portugal herself was using it while stationed there during the Napoleonic wars. This wasn’t the first time Napoleon Bonaparte was involved in the history of marijuana. Several years earlier, in 1798, Napoleon had launched the French campaign into Egypt and Syria, a large-scale offensive designed to cut off British trade and liberate Egypt from Ottoman rule. After the initial conquest, Napoleon attempted to maintain local support by embracing Islamic culture and scientific exchange. An unusually large percentage of French forces in Egypt (totaling around 40,000) were scientists and scholars, and were responsible for establishing libraries, laboratories, and research centers that went on to make significant contributions in a number of disciplines. The discovery of hashish may not have been seen as a breakthrough at the time, but it had a great effect on European culture and literary thought. Prior to the French campaign in Egypt, hashish wasn’t well known in Europe and certainly wasn’t commonly used. The 40,000 French troops stationed in Egypt, however, quickly learned about it. Hashish was ubiquitous in Egypt at the time, bought and sold in cafés, markets, and smoking lounges. Lacking access to their customary French wines and liquors and encouraged by Napoleon to embrace Egyptian culture, many French troops took up hashish. Hashish Unfortunately, hashish was still associated with Sufi mystics and looked down upon by the Sunni elite. After Napoleon went back to France, the general he had left in charge of Egypt, General Jacques-François Menou, was a noble-born French revolutionary who married into an upper-class Sunni family after taking command of Egypt. For Menou, the prospect of a hashish ban killed two birds with one stone: It would appease the Sunni elite by cracking down on Sufis, and alleviate a perceived public health problem among the French troops. The ordre du jour banning the cultivation, sale, and consumption of cannabis, considered by some scholars to be the first drug prohibition law in the modern era, came down in 1800. It opens with the following: Article One: The use of strong liquor, made by certain Muslims with a certain grass [herbe] called hashish, and smoking of the seed of cannabis, are prohibited throughout Egypt. Those who are accustomed to drinking this liquor and smoking this seed lose reason and fall into a violent delirium, which often leads them to commit excesses of all kinds. Whether or not Menou’s order was the first modern penal law on drugs, it largely failed to work (a fact that should come as no surprise to us in the 21st century). Hashish continued to be produced, sold, and consumed widely throughout Egypt, and it came home with French troops when they left Egypt in 1801. It wasn’t long before hashish was being widely used in France and the rest of western Europe. Despite efforts by authorities in Europe to paint hashish as an unstable and dangerous substance, many of the Romantic period’s most accomplished artists and writers were brought together because of cannabis. Dubbing themselves Le Club des Hachichins (Hashish-Eaters’ Club), luminaries such as Théophile Gautier, Charles Baudelaire, Gérard de Nerval, Victor Hugo, Honoré de Balzac, and Alexandre Dumas would meet in Paris to take hashish and exchange notes on their experiences. They rejected mainstream attempts to associate hashish with what was regarded as Oriental barbarism and, through their writings, normalized marijuana use and popularized the Romantic era’s bohemian creed: l’art pour l’art (art for art’s sake). Across the Channel, the British Empire wrestled with the conspicuous presence of cannabis in India. As a native plant to the Indian subcontinent, cannabis could be found growing in the wild by hunter-gatherers, and was likely cultivated by the earliest agrarian settlers. Psychoactive marijuana strains featured prominently in early texts of the Hindu, Buddhist, and Tantrist religions. As the Indian marijuana farming industry matured over time, the harvested product was divided into three gradients, all of which remain available today. Bhang is the cheapest, most prevalent, and lowest-quality marijuana; it consists of crushed leaves, seeds, and/or flowers, and produces the least potent high. On the other end of the spectrum, Charas is the highest-quality and most expensive marijuana in India. It is sold as a highly potent hashish produced from plants grown in the most desirable cannabis-producing farmlands of the Hindu Kush and Himalaya mountain ranges between 4,000 to 7,000 feet. It remains one of the most revered marijuana products in the world today. Somewhere in between Bhang and Charas is Ganga. A mid-grade crop in both price and potency, Ganga is cultivated from well-cared-for female plants, and consists of a mixture of resin and cannabis flower. One of the first Europeans to write about the Indian marijuana industry was a Portuguese doctor named Garcia da Orta. He wrote of Bhang in 1563: The Indians get no usefulness from this, unless it is in the fact that they become ravished by ecstasy, and delivered from all worries and cares, and laugh at the least little thing. After all, it is said that it was they who first found the use of it. Some 200 years later, the British mulled over the possibility of a marijuana prohibition in India. The Indian ruling class and the British governor-general of India pushed for a total ban, fearful that marijuana would create social unrest. The British Parliament, however, had other ideas. Short on cash, the government saw the marijuana industry as an opportunity to raise some revenue. They taxed cannabis in 1790, and three years later, established a regulatory framework to issue licenses to farmers and sellers. The tax-and-regulate scheme worked to some extent. But in a vast landscape where cannabis grows in the wild, many farmers and their crops escaped the tax. The British encouraged the regulatory system to decentralize, allowing cities and states to experiment with different taxation schemes. The results were mixed. The strength of the black market was frustrating enough that the British Parliament considered prohibition measures in 1838, 1871, 1877, and 1892. But ultimately the measures failed to pass, because the tax revenues that did come in couldn’t be ignored. Temperance movement advocates persisted, however, driven by the evils of opium use which they associated with cannabis. Parliament responded by commissioning the most comprehensive government study of marijuana in human history. The seven-volume 3,500-page “Report of the Indian Hemp Drugs Commission” of 1894 to 1895 called over a thousand witnesses from around the world. The findings emphatically rejected the alleged grounds for prohibition. The commission found (as its predecessors did) that marijuana cultivation is nearly impossible to eradicate, and argued that it produces no “evil results” in the first place: Prohibition Total prohibition of the cultivation of the hemp plant for narcotics, and of the manufacture, sale, or use of the drugs derived from it, is neither necessary nor expedient in consideration of their ascertained effects, of the prevalence of the habit of using them, of the social and religious feeling on the subject, and of the possibility of its driving the consumers to have recourse to other stimulants or narcotics which may be more deleterious. The commission went on to recommend a tax-and-license scheme for the marijuana farming industry: The means to be adopted for the attainment of [control and restriction] are: adequate taxation, which can be best effected by the combination of a direct duty with the auction of the privilege of vend; prohibiting cultivation, except under license, and centralizing cultivation. This may represent the first time in history a government study has recommended a centralized marijuana farming scheme. Comprehensive as it is in other respects, however, the commission’s report does not elaborate on this centralization proposal; it merely suggests that the most effective way of limiting supply is “to grant licenses for cultivation in such a way as to secure supervision and registration of the produce.” Despite the commission’s efforts, Parliament’s endorsement of its report was lukewarm. As a result, the marijuana farming trade continued unchanged, with taxation and licensing of cultivators continuing to be hit and miss. Bhang was informally grown nearly everywhere; Ganga crops were, for the most part, produced on government-licensed farms; and Charas was imported from the Hindu Kush and Himalayas. This basic structure persisted into the global prohibition era of the 20th century. The proposal to “centralize cultivation” was largely forgotten after the commission’s report was published. But a century later, government regulators trying to find their way through the post-prohibition era of the 21st century would come to recognize its advantages. *** The history of marijuana farming tells us that when prohibitions are imposed, they almost always come from the ruling class. Marijuana’s role as a spiritual, medicinal, or recreational drug of the poor working classes stokes fears among the elite that the political, religious, or economic order that has served them so well may be disrupted. There aren’t, therefore, many cases where marijuana was embraced by the ruling class and persecuted from below. But the story of the Bashilange tribe suggests that marijuana users can be targeted from any angle. In the mid-19th century, the eastern region of the Democratic Republic of the Congo in central Africa was a vast wilderness, and it was controlled by the Bashilange tribe. The Bashilange were ruthless fighters, eating the bodies of their victims and enslaving their prisoners. They enacted few laws, save a requirement that other tribes in the region pay tribute to their supremacy or face a certain death. While exploring these lands, however, the Governor of German East Africa observed a remarkable shift in the Bashilange’s culture. The tribe had discovered marijuana, and rapidly embraced the plant as a pillar of their tribe’s identity. Tribesmen of the Bashilange dubbed themselves the Sons of Cannabis, and soon passed laws to promote peace and friendship. They rejected cannibalism and were no longer permitted to carry weapons in the village. They stopped killing their rivals, and started having more sex. Marijuana was smoked regularly and at most important events, including religious ceremonies, holidays, and political alliances. Formerly known for being cold-blooded killers, the Sons of Cannabis became tranquil marijuana-growing peacemakers. Unfortunately, their rivals did not share the Sons of Cannabis’s newfound love of peace and friendship. Many tribes lost respect for their former rulers and stopped making tribute payments. With weakening support in the region, the Bashilange tribe splintered. The Sons of Cannabis, no longer the fearsome fighters of yore, were overthrown by their fellow tribesmen who yearned for a return to the tribe’s dominant past. The new regime reinstituted the tribe’s violent practices, and largely returned the Bashilange to its former warring nature. Jack Herer may have been using hyperbole when he claimed that cannabis farmers throughout history could not have conceived of the 20th century’s crackdown on marijuana. The historical record illustrates that while many regions of the world have tolerated or embraced marijuana farming in the past, plenty of others have seen authorities attempt to exterminate farmers and their crops. Targeting the first step in the supply chain is a logical starting point for prohibitionists, and marijuana’s role as an agent of religious, political, or economic change has long made it a threat to the established social order. Our marijuana-farming ancestors of the past could have told us, based on experience, that when prohibitionists come after cannabis, they will do so in predictable ways. They will use rhetoric to associate the plant with violence, depravity, and other more dangerous drugs, as the European temperance movement did in France and Great Britain. They will use a militarized show of force to eradicate crops, persecute farmers, and dissuade the next generation from growing marijuana, as the Ottomans did in Egypt. They will portray marijuana users as religious extremists or dangerous minorities, as Pope Innocent VIII did in Europe, Sunni Muslims did in the Middle East, or white South Africans did in South Africa. The best-case scenario, they might say, is that the authorities will turn a blind eye to the unstoppable forces of supply and demand, much as the Portuguese did in Brazil or the British did in India. In telling us this, our marijuana-farming ancestors might as well have been writing the playbook for the 20th-century war on drugs. The cannabis prohibition era in the United States did not invent this “greatest hits” collection of tactics that prohibitionists have been using for centuries; it simply brought them all together in one place, and injected them with more financial and military resources than any prohibition movement in history has ever seen. *** Ryan Stoa is an associate professor of law at the Concordia University School of Law and the author of “Craft Weed,” from which this article is adapted.
  3. esquisadores encontram indícios de que Shakespeare fumava maconha 10/08/2015 http://www.dm.com.br/revista/2015/08/pesquisadores-encontram-indicios-de-que-shakespeare-fumava-maconha.html Cachimbos seculares encontrados no jardim da casa onde viveu William Shakespeare (1564-1616) apresentam vestígios de maconha, segundo um estudo da Universidade de Witwatersrand, de Johannesburgo. O estudo, publicado no South African Journal of Science, analisou 24 fragmentos de cachimbos achados em escavações na cidade do escritor, Stratford-Upon-Avon, na Inglaterra, alguns deles em sua antiga residência. Foram encontradas substâncias ligadas à maconha em oito deles, sendo quatro provenientes do jardim da casa de Shakespeare. Foi usada uma técnica sofisticada chamada espectrometria de massa de cromatografia em fase gasosa, segundo o jornal britânico The Telegraph. Evidências de cocaína peruana também constavam em outros dois fragmentos, mas estes não foram achados na mesma propriedade. Os pesquisadores ressaltam que, na época em que viveu o escritor, as folhas de maconha muitas vezes eram consumidas como se fossem tabaco, por engano. Por isso, o estudo sugere que Shakespeare pode ter escrito algumas de suas obras sob o efeito da erva.
  4. The Secret History of Cannabis in Japan By Jon Mitchell Global Research, December 10, 2014 The Asia-Pacific Journal, Vol. 12, Issue 48 Region: Asia Theme: Culture, Society & History http://www.globalresearch.ca/the-secret-history-of-cannabis-in-japan/5418989 Today Japan has some of the strictest anti-cannabis laws in the world. Punishment for possession is a maximum 5 years behind bars and illicit growers face 7-year sentences. Annually around 2000 people fall foul of these laws – their names splashed on the nightly news and their careers ruined forever. The same prohibition that dishes out these punishments also bans research into medical marijuana, forcing Japanese scientists overseas to conduct their studies. For decades, these laws have stood unchallenged. But now increasing numbers of Japanese people are speaking out against prohibition – and at the heart of their campaign is an attempt to teach the public about Japan’s long-forgotten history of cannabis.1 “Most Japanese people see cannabis as a subculture of Japan but they’re wrong. For thousands of years cannabis has been at the very heart of Japanese culture,” explains Takayasu Junichi, one of the country’s leading experts. According to Takayasu, the earliest traces of cannabis in Japan are seeds and woven fibers discovered in the west of the country dating back to the Jomon Period (10,000 BC – 300 BC). Archaeologists suggest that cannabis fibers were used for clothes – as well as for bow strings and fishing lines. These plants were likely cannabis sativa – prized for its strong fibers – a thesis supported by a Japanese prehistoric cave painting which appears to show a tall spindly plant with cannabis’s tell-tale leaves. “Cannabis was the most important substance for prehistoric people in Japan. But today many Japanese people have a very negative image of the plant,” says Takayasu. In order to put Japanese people back in touch with their cannabis roots, in 2001 Takayasu foundedTaima Hakubutsukan (The Cannabis Museum) – the only museum in Japan dedicated to the much-maligned weed.2 The museum is located in a log cabin 100 miles from Tokyo in Tochigi Prefecture – an area long-associated with Japanese cannabis farming. The prefecture borders the Tohoku region which was devastated by the March 11, 2011 earthquake – but being inland from the tsunami and shielded by mountains from radioactive fall-out, it largely escaped the effects of the disaster. The museum is packed with testimony to Japan’s proud cannabis heritage. There are 17th century woodblock prints of women spinning fibers and photos of farmers cutting plants. In one corner sits a working loom where Takayasu demonstrates the art of weaving. He points to a bail of cannabis cloth – warm in winter, cool in summer, it’s perfectly suited to Japan’s extreme climate. Playing such a key role in agriculture, cannabis often appeared in popular culture. It is mentioned in the 8th century Manyoshu - Japan’s oldest collection of poems and features in many haiku and tanka poems. Ninjas purportedly used cannabis in their training – leaping daily over the fast-growing plants to hone their acrobatic skills. “Until the middle of the twentieth century, Japanese cannabis farming used to be a year-round cycle,” explains Takayasu. “The seeds were planted in spring then harvested in the summer. Following this, the stalks were dried then soaked and turned into fiber. Throughout the winter, these were then woven into cloth and made into clothes ready to wear for the next planting season.” According to Takayasu, cannabis was so renowned for growing tall and strong that there was a Japanese proverb related to positive peer pressure which stated that even gnarly weeds would straighten if grown among cannabis plants. In a similar way, school songs in cannabis-growing communities often exhorted pupils to grow as straight and tall as cannabis plants. Due to these perceived qualities, a fabric design called Asa-no-ha based upon interlocking cannabis leaves became popular in the 18th century. The design was a favorite choice for children’s clothes and also became fashionable among merchants hoping for a boom in their economic fortunes. Accompanying these material uses, cannabis also bore spiritual significance in Shintoism, Japan’s indigenous religion, which venerates natural harmony and notions of purity. Cannabis was revered for its cleansing abilities so Shinto priests used to wave bundles of leaves to exorcise evil spirits. Likewise, to signify their purity, brides wore veils made from cannabis on their wedding days. Today, the nation’s most sacred shrine - Ise Jingu in Mie Prefecture – continues to have five annual ceremonies called taima dedicated to the nation’s sun goddess. However many modern visitors fail to connect the names of these rituals with the drug so demonized by their politicians and police.3 Early 20th century American historian George Foot Moore also recorded how Japanese travelers used to present small offerings of cannabis leaves at roadside shrines to ensure safe journeys. Families, too, burned bunches of cannabis in their doorways to welcome back the spirits of the dead during the summer obon festival. Given this plethora of evidence that cannabis was essential in so many aspects of Japanese life, one question remains in doubt: Was it smoked? Takayasu isn’t sure – and nor are many other experts. Historical archives make no mention of cannabis smoking in Japan but these records tends to focus primarily on the lifestyles of the elite and ignore the habits of the majority of the population. For hundreds of years, Japanese society used to be stratified into a strict class system. Within this hierarchy, rice – and the sake wine brewed from it – was controlled by the rich, so cannabis may well have been the drug of choice for the masses. Equally as important as whether cannabis was smoked is the question of could it have been? The answer to that is a clear yes. According to a 1973 survey published by the United Nations Office on Drugs and Crime, THC levels of indigenous Japanese cannabis plants from Tochigi measured almost 4%. In comparison, one study conducted by the University of Mississippi’s Marijuana Potency Monitoring Project found average THC levels in marijuana seized by U.S. authorities in the 1970s at a much lower 1.5%.4 Until the early 20th century, cannabis-based cures were available from Japanese drug stores. Long an ingredient in traditional Chinese medicine, they were taken to relieve muscle aches, pain and insomnia. Meanwhile the Tohoku region was renowned for wild wariai kinoko (laughing mushrooms). In a country in love with its fungi – think shiitake, maitake and thousand-dollar matsutake - the sale of a range of psychedelic mushrooms was legal until 2002 when they were prohibited to improve the country’s international image prior to the Japan-South Korea World Cup.5 The prohibition against the Japanese cannabis industry also has a foreign origin. According to Takayasu, the 1940s started well for cannabis farmers as the nation’s military leaders – like those in the U.S. – urged farmers to plant cannabis to help win the Asia-Pacific War. “The Imperial navy needed it for ropes and the air force for parachute cords. The military categorized cannabis as a war material and they created patriotic war slogans about it. There was even a saying that without cannabis, the war couldn’t be waged,” says Takayasu. However after Japan’s surrender in 1945, U.S. authorities occupied the country and they introduced American attitudes towards cannabis. Having effectively prohibited its cultivation in the States in 1937, Washington now sought to ban it in Japan. With the nation still under U.S. control, it passed the 1948 Cannabis Control Act. The law criminalized possession and unlicensed cultivation – and more than 60 years later, it remains at the core of Japan’s current anti-cannabis policy. At the time, the U.S. authorities appear to have passed off the Act as an altruistic desire to protect Japanese people from the evils of drugs. But critics point out that occupation authorities allowed the sale of over-the-counter amphetamines to continue until 1951. Instead, several Japanese experts contend that the ban was instigated by U.S. petrochemical lobbyists who wanted to overturn the Japanese cannabis fiber industry and open the market to American-made artificial materials, including nylon. Takayasu sees the ban in a different light, situating it within the wider context of U.S. attempts to reduce the power of Japanese militarists who had dragged Asia into war. “In the same way the U.S. authorities discouraged martial arts such as kendo and judo, the 1948 Cannabis Control Act was a way to undermine militarism in Japan. The wartime cannabis industry had been so dominated by the military that the new law was designed to strip away its power.” Regardless of the true reasons, the impact of the 1948 Cannabis Control Act was devastating. From a peak of more than 25,000 cannabis farms in 1948, the numbers quickly plummeted – forcing farmers out of business and driving the knowledge of cannabis cultivation to the brink of extinction. Today there are fewer than 60 licensed cannabis farms in Japan – all required to grow strains of cannabis containing minimal levels of THC – and only one survivor versed in the full cannabis cycle of seed-to-loom – an 84 year-old woman. Simultaneously, a sustained propaganda campaign has cleaved the Japanese public from their cannabis cultural roots – brainwashing them into perceiving marijuana as a poison on a par with heroin or crack cocaine. These campaigns might have stamped out all traces of Japan’s millennia-long history were it not for one factor – the resilience of the cannabis plants themselves. Every summer millions of these bushes – the feral offspring of cannabis legally cultivated before 1948 – pop up in the hills and plains of rural Japan. In 2006, 300 plants even sprouted in the grounds of Abashiri Prison in Hokkaido – much to the embarrassment of the powers-that-be.6 Every year, the Japanese police wage well-publicized eradication campaigns against these plants. On average, they discover and destroy between one and two million of them. But like so many other aspects of the drug war, theirs is a losing battle and the next year, the plants grow back in larger numbers than ever. Due to the taboos surrounding discussions of cannabis, many people had been reluctant to condemn these police campaigns. But now critics are beginning to attack both the waste of public resources and the needless destruction of such versatile plants. Nagayoshi Hideo, author of the 2009 book, Taima Nyuumon - An Introduction to Cannabis – argues for the wild cannabis plants to be systematically harvested and put to use as medicines, biomass energy and in the construction industries. Funai Yukio – another advocate and author of Akuhou! Taima Torishimarihou no Shinjitsu - Bad Law! The Truth Behind the Cannabis Control Act (2012) – calls cannabis a golden egg for Japan. In a detailed breakdown of the potential economic benefits of legalization, he factors in savings from reduced policing and incarceration – concluding the country could reap as much as 300 billion dollars in the long term. In a nation facing unprecedented economic problems, and at a time when marijuana legalization is advancing in the United States and other countries, it appears these arguments are striking a chord. Recently Japan slipped behind China as the world’s third economic power and the country owes more than ten trillion dollars in debt – double its GDP. These problems contribute to the human toll of an estimated 6.5 million alcoholics and a suicide rate that hovers at around 30,000 a year. The legalization of cannabis could solve some of these problems. By luring young entrepreneurs back to the land, it could counter agricultural decline – particularly in post-earthquake Tohoku. It might improve the quality of care for thousands of cancer patients and halt the brain drain of scientists forced overseas to research medical cannabis. Legalization would also prevent the annual arrests of 2000 Japanese people – many in their 20s and 30s – whose lives are destroyed by their nation’s illogical and ahistorical laws. In years to come, Taima Hakubutsukan might be seen as a true beachhead in this struggle. “People need to learn the truth about the history of cannabis in Japan,” says Takayasu. “The more we learn about the past, the more hints we might be able to get about how to live better in the future. Cannabis can offer Japan a beacon of hope.” Cannabis: What’s in a name? Botanists usually divide the cannabis family into three broad categories – tall cannabis sativa, bushy cannabis indica and small cannabis ruderalis.However this simple taxonomy is often frustrated in practice by the interfertility of these three types, which allows them to be crossbred into limitless new varieties. The desired properties of these hybrids tend to determine the name by which they are commonly known. Marijuana, for example, usually refers to cannabis plants that are grown for ingestion for medical or recreational uses. Cannabis sativa is said to give users a feeling of energetic euphoria and can be prescribed for depression, whereas cannabis indica is apparently more sedating so can be used as a muscle relaxant or to treat chronic pain. Hemp, is the name often applied to tall plants from the cannabis sativa category which are primarily grown for their strong fibres – but may also contain significant levels of THC. Most recently, the term industrial hemp has been coined in the U.S. to refer to cannabis plants which have been specially-bred to contain very low levels of THC (less than 1%) in order to conform to current drug laws. Today, many of Japan’s licensed cannabis farms grow a low-THC strain calledTochigi shiro which was first developed in the post-War period. Jon Mitchell is a Welsh journalist based in Japan and an Asia-Pacific Journal Contributing Editor. He writes about human rights issues – particularly on Okinawa – and more of his work can be found at www.jonmitchellinjapan.com Notes 1 Two of the best Japanese texts on the nation’s cannabis history are Nagayoshi Hideo, Taima Nyuumon (An Introduction to Cannabis), Gentosha, 2009 and Funai Yukio, Akuhou! Taima Torishimarihou no Shinjitsu (Bad Law! The Truth Behind the Cannabis Control Act), Business Sha, 2012. Although not updated since 2010, the most detailed English website about cannabis in Japan is at taima.org accessible here. 2 For more information on the museum, see here. For a Japanese interview with Takayasu about the origins of the museum, see here. 3 For more details about the religious role of cannabis in Japan, see here. 4 For the text of the UN report, see here; for the THC levels in the 1970s, see for example here. 5. CBC News, “Japan stuffs magic mushroom loophole”, May 14 2002. Available here. 6 Sydney Morning Herald, “Japanese jail bugged by marijuana plants”, August 29 2007. Available here. GOOGLE TRADUTOR A História Secreta da Cannabis no Japão Por Jon Mitchell Global Research, 10 dez 2014 O Jornal da Ásia-Pacífico, Vol. 12, Issue 48 Região: Ásia Tema: Cultura, Sociedade e História Hoje Japão tem algumas das mais rigorosas leis anti-cannabis no mundo. A punição para a posse é de no máximo cinco anos atrás das grades e cultivadores ilícitos enfrentar penas de 7 anos.Anualmente cerca de 2000 pessoas caem falta dessas leis - seus nomes salpicados no noticiário noturno e suas carreiras arruinadas para sempre. A mesma proibição que os pratos com essas punições também proíbe a investigação sobre a maconha medicinal, forçando cientistas japoneses no exterior para realizar seus estudos. Durante décadas, essas leis têm resistido incontestado. Mas os números crescentes de agora os japoneses estão se manifestando contra a proibição - e no coração de sua campanha é uma tentativa de ensinar o público sobre a história há muito esquecida do Japão de cannabis 1. "A maioria das pessoas japonesas ver cannabis como uma subcultura do Japão, mas eles estão errados. Por milhares de anos cannabis tem sido o cerne da cultura japonesa ", explica Takayasu Junichi, um dos maiores especialistas do país. De acordo com Takayasu, os primeiros vestígios de cannabis no Japão são as sementes e fibras tecidas descobertos no oeste do país, que remonta ao Período Jomon (10.000 aC - 300 aC). Os arqueólogos sugerem que as fibras de maconha foram usados ​​para roupas - bem como para cordas de arco e linhas de pesca. Estas plantas eram susceptíveis cannabis sativa - apreciada pelas suas fibras fortes - uma tese apoiada por uma pintura rupestre pré-histórica japonesa que parece mostrar uma planta espigado alto com diga-conto folhas de cannabis. "Cannabis foi a substância mais importante para as pessoas pré-históricas no Japão. Mas hoje muitos japoneses têm uma imagem muito negativa da planta ", diz Takayasu. A fim de colocar o povo japonês novamente em contato com suas raízes de maconha, em 2001 Takayasu fundada Taima Hakubutsukan (The Museum Cannabis.) - O único museu no Japão dedicada à erva daninha muito criticado 2 O museu está localizado em uma cabana 100 milhas de Tóquio, em Tochigi - uma área de longa está associada à lavoura cannabis japonês. A prefeitura faz fronteira com a região de Tohoku, que foi devastada pelo mar 11, 2011 terremoto - mas sendo o interior da tsunami e protegida por montanhas de precipitações radioactivas, em grande parte escapou dos efeitos do desastre. O museu está repleto de testemunho ao património cannabis orgulhoso do Japão. Há xilogravuras do século 17 as mulheres que giram fibras e fotos de agricultores de desmancha. Em um canto está um tear de trabalho onde Takayasu demonstra a arte da tecelagem. Ele aponta para uma fiança de pano cannabis - quente no inverno e fresco no verão, é perfeitamente adequado ao clima extremo do Japão. Desempenhando um papel tão importante na agricultura, cannabis, muitas vezes apareceu na cultura popular. É mencionado no século 8 Manyoshu - coleção mais antiga do Japão de poemas e características em muitos haiku e tanka poemas. Ninjas supostamente usado cannabis na sua formação - pulando diária sobre as plantas de crescimento rápido para aprimorar suas habilidades acrobáticas. "Até meados do século XX, a agricultura cannabis japonês usado para ser um ciclo longo de um ano", explica Takayasu. "As sementes foram plantadas em mola então colhidas no verão. Após isso, os caules foram secos, em seguida, encharcado e se transformou em fibra. Durante todo o inverno, estes foram, em seguida, tecida em pano e transformado em roupas prontas para vestir para a próxima temporada de plantio ". De acordo com Takayasu, a cannabis era tão conhecido pela crescente alto e forte que havia um provérbio japonês relacionada com pressão positiva, que afirmou que mesmo as ervas daninhas retorcidas iria endireitar se cultivada entre plantas de cannabis. De forma semelhante, as canções escolares em comunidades de maconha crescendo muitas vezes exortou os alunos a crescer como reto e alto como plantas de cannabis. Devido a estas qualidades percebidas, um projeto tecido chamado Asa-no-ha com base em folhas de cannabis de bloqueio se tornou popular no século 18. O projeto foi uma escolha favorita para roupas infantis e também se tornou moda entre os comerciantes que esperam para um boom no seu sucesso econômico. Acompanhando esses usos de materiais, a cannabis também tinha significado espiritual no xintoísmo, religião indígena do Japão, que venera harmonia natural e noções de pureza. Cannabis era reverenciado por suas habilidades de limpeza sacerdotes xintoístas tão usados ​​para acenar maços de folhas de exorcizar os maus espíritos. Da mesma forma, para significar a sua pureza, as noivas usavam véus feitos de cannabis em seus dias de casamento. Hoje, santuário mais sagrado da nação - Ise Jingu em Mie Prefecture - continua a ter cinco cerimônias anuais chamados taimadedicado à deusa do sol da nação. No entanto, muitos visitantes modernos não conseguem ligar os nomes desses rituais com a droga tão demonizado por seus políticos e policiais. 3 No início do século 20 historiador americano George Foot Moore também registrou como viajantes japoneses usados ​​para apresentar pequenas oferendas de folhas de cannabis em santuários de beira de estrada para garantir viagens seguras. Famílias, também, cachos de cannabis queimado em suas portas para receber de volta os espíritos dos mortos durante o festival de verão Obon. Dada esta pletora de evidências de que a cannabis foi essencial em tantos aspectos da vida japonesa, uma questão permanece em dúvida: Foi fumado? Takayasu não é certo - e nem são muitos outros especialistas. Arquivos históricos não fazem menção de fumar maconha no Japão, mas esses registros tende a concentrar-se principalmente sobre os estilos de vida da elite e ignorar os hábitos da maioria da população. Por centenas de anos, a sociedade japonesa usada para ser estratificada em um sistema de classe rigoroso. Dentro dessa hierarquia, arroz - eo vinho bem fabricado a partir dele - foi controlada pelos ricos, por isso cannabis pode muito bem ter sido a droga de escolha para as massas. Tão importante quanto se cannabis era fumado é a questão de poderia ter sido? A resposta é um claro sim. Segundo uma pesquisa de 1973 publicada pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime, os níveis de THC de plantas de cannabis japoneses indígenas de Tochigi medido quase 4%. Em comparação, um estudo realizado pela Universidade de Potência da Maconha do Mississippi Projeto de Monitoramento encontrados níveis médios de THC na maconha apreendidas por autoridades norte-americanas na década de 1970 em um muito menor de 1,5% 4. Até o início do século 20, as curas à base de maconha estavam disponíveis a partir de lojas de droga japoneses. Longo um ingrediente na medicina tradicional chinesa, eles foram levados para aliviar dores musculares, dor e insônia. Entretanto, a região Tohoku era famoso por selvagem wariai kinoko (cogumelos risos). Em um país apaixonado por sua fungos - pense shiitake, maitake e mil dólares matsutake - a venda de uma variedade de cogumelos psicodélicos foi legal até 2002, quando foram proibidas para melhorar a imagem internacional do país antes da Copa do Mundo Coréia-Japão do Sul . 5 A proibição contra a indústria japonesa cannabis também tem uma origem estrangeira. De acordo com Takayasu, a década de 1940 começou bem para os agricultores de maconha como líderes militares do país - como aqueles em os EUA - exortou os agricultores a plantar cannabis para ajudar a vencer a Guerra da Ásia-Pacífico. "A Marinha Imperial precisava para cordas e da força aérea para cabos de pára-quedas. Os militares categorizados cannabis como um material de guerra e eles criaram slogans Guerra Patriótica sobre ele. Houve até um ditado que diz que sem cannabis, a guerra não poderia ser travada ", diz Takayasu. No entanto, após a rendição do Japão em 1945, as autoridades americanas ocuparam o país e eles introduziram atitudes americanas em relação cannabis. Tendo efetivamente proibido o seu cultivo nos Estados Unidos em 1937, Washington agora procurado para proibi-lo no Japão. Com o país ainda sob o controle dos Estados Unidos, que aprovou a Lei de Controle de Cannabis 1948. A lei criminaliza a posse e cultivo sem licença - e mais de 60 anos depois, continua a ser o cerne da política anti-cannabis atual do Japão. Na época, as autoridades norte-americanas parecem ter aproveitado a Lei como um desejo altruísta de proteger os japoneses dos males das drogas. Mas os críticos apontam que autoridades de ocupação permitida a venda de over-the-counter anfetaminas para continuar até 1951. Em vez disso, vários especialistas japoneses alegam que a proibição foi instigada por US lobistas petroquímicas que queriam derrubar a indústria de fibra cannabis japonês e abrir o mercado de fabricação norte-americana materiais artificiais, incluindo nylon. Takayasu vê a proibição em uma luz diferente, situando-o no contexto mais amplo de tentativas dos EUA de reduzir o poder dos militaristas japoneses que haviam arrastado Ásia para a guerra. "Da mesma forma, as autoridades norte-americanas desanimado artes marciais, como kendo e judo, a Lei de Controle de Cannabis 1948 foi uma maneira de minar o militarismo no Japão. A indústria de cannabis durante a guerra tinha sido tão dominado pelos militares que a nova lei foi concebido para despir o seu poder ". Independentemente das razões verdadeiras, o impacto da Lei de Controle de Cannabis 1948 foi devastador. De um pico de mais de 25.000 fazendas de maconha em 1948, os números rapidamente despencaram - forçando os agricultores fora do negócio e dirigir o conhecimento do cultivo de cannabis para a beira da extinção. Hoje, há menos de 60 fazendas licenciadas de maconha no Japão - todos os necessários para crescer cepas de cannabis que contenham níveis mínimos de THC - e apenas um sobrevivente versado no ciclo completo de sementes de cannabis-to tear - uma mulher de 84 anos de idade. Simultaneamente, uma campanha de propaganda sustentada tem cortado o público japonês a partir de suas raízes culturais de maconha - lavagem cerebral-los em perceber a maconha como um veneno em pé de igualdade com a heroína ou o crack. Estas campanhas poderia ter erradicado todos os vestígios da história milenar do Japão, se não fosse um fator - a resistência da cannabis próprias plantas. Todos os anos milhões de verão desses arbustos - a prole feral de cannabis cultivada legalmente antes de 1948 - Pop up nas colinas e planícies de Japão rural. Em 2006, 300 plantas mesmo brotou nas terras de Abashiri prisão em Hokkaido - para o constrangimento dos poderes-que-ser 6. Todos os anos, a polícia japonesa empreender campanhas de erradicação bem divulgadas contra essas plantas. Em média, eles descobrem e destruir entre um e dois milhões deles. Mas como tantos outros aspectos da guerra contra as drogas, a deles é uma batalha perdida e no ano seguinte, as plantas crescem de volta em números maiores do que nunca. Devido aos tabus que cercam discussões de cannabis, muitas pessoas tinham sido relutantes em condenar essas campanhas policiais. Mas agora os críticos estão começando a atacar tanto o desperdício de recursos públicos ea destruição desnecessária de tais plantas versáteis. Nagayoshi Hideo, autor do livro de 2009, Taima Nyuumon - Uma Introdução à Cannabis - defende as plantas de cannabis selvagem a ser sistematicamente recolhidos e colocados em uso como medicamentos, energia de biomassa e nas indústrias de construção. Funai Yukio - outro defensor e autor de Akuhou! Taima Torishimarihou não Shinjitsu - Bad Lei! A verdade por trás da Lei Cannabis Control (2012) - Chamadas cannabis um ovo de ouro para o Japão. Em uma análise detalhada dos potenciais benefícios econômicos da legalização, ele fatores na economia com a redução de policiamento e encarceramento - concluindo o país poderia colher até 300 bilhões de dólares a longo prazo. Em uma nação enfrentando problemas econômicos sem precedentes, e num momento em que a legalização da maconha está avançando nos Estados Unidos e em outros países, verifica-se estes argumentos são impressionantes um acorde. Recentemente Japão caiu atrás da China como terceira potência econômica do mundo e do país deve mais de dez trilhões de dólares em dívida - duplicar o seu PIB. Estes problemas contribuem para o custo humano de um número estimado de 6,5 milhões de alcoólicos e uma taxa de suicídio que paira em torno de 30.000 por ano. A legalização da cannabis poderia resolver alguns destes problemas. Atraindo jovens empresários de volta à terra, poderia contrariar o declínio da agricultura - principalmente na pós-terremoto de Tohoku. Pode melhorar a qualidade do atendimento para milhares de pacientes com câncer e travar a fuga de cérebros de cientistas forçados no exterior para pesquisar cannabis medicinal.Legalização também impediria as detenções anuais de 2000 os japoneses - muitos em seus 20s e 30s - cujas vidas são destruídas por leis ilógicas e a-históricas de sua nação. Nos próximos anos, Taima Hakubutsukan pode ser visto como um verdadeiro cabeça de ponte nesta luta. "As pessoas precisam saber a verdade sobre a história da cannabis no Japão", diz Takayasu. "Quanto mais aprendemos sobre o passado, os mais dicas que podem ser capazes de obter sobre como viver melhor no futuro. Cannabis pode oferecer Japão um farol de esperança. " Cannabis: O que há em um nome? Os botânicos costumam dividir a família cannabis em três grandes categorias -. Cannabis sativaalto, indica cannabis espessa e pequeno ruderalis cannabis No entanto, esta taxonomia simples é muitas vezes frustrada pela prática da interfertilidade destes três tipos, o que permite que eles sejam mestiços em novas variedades ilimitadas . As propriedades desejadas destes híbridos tendem a determinar o nome pelo qual são vulgarmente conhecidos. A maconha, por exemplo, geralmente se refere a plantas de cannabis que são cultivados para a ingestão para uso médico ou recreativas. Cannabis sativa é dito para dar aos usuários uma sensação de euforia energético e podem ser prescritos para a depressão, enquanto cannabis indicaé aparentemente mais sedativo, portanto pode ser usado como um relaxante muscular ou para tratar a dor crónica. Cânhamo, é o nome frequentemente aplicada às plantas altas da categoria de cannabis sativa que são cultivadas principalmente para as suas fibras fortes - mas também pode conter níveis significativos de THC. Mais recentemente, o cânhamo industrial termo foi cunhado em os EUA para se referir às plantas de maconha que foram especialmente de raça para conter níveis muito baixos de THC (menos de 1%), a fim de estar em conformidade com as leis de drogas atuais. Hoje, muitas das fazendas de maconha licenciados do Japão crescer uma cepa de baixa THC chamado Tochigi shiro que foi desenvolvido pela primeira vez no período pós-guerra. Jon Mitchell é um jornalista Welsh com sede no Japão e um editor de contribuição Journal Asia-Pacific. Ele escreve sobre questões de direitos humanos - particularmente em Okinawa - e mais de seu trabalho podem ser encontradas em www.jonmitchellinjapan.com Notas 1 Dois dos melhores textos japoneses na história cannabis da nação são Nagayoshi Hideo, Taima Nyuumon(An Introduction to Cannabis), Gentosha de 2009 e Funai Yukio, Akuhou! Taima Torishimarihou não Shinjitsu(Lei Bad! A verdade por trás da Lei de Controle de Cannabis), Negócios Sha de 2012. Apesar de não ser atualizado desde 2010, o site mais detalhado Inglês sobre cannabis no Japão está em taima.org acessível aqui. 2 Para mais informações sobre o museu, veja aqui . Para uma entrevista japonesa com Takayasu sobre as origens do museu, veja aqui . 3 Para mais detalhes sobre o papel religioso de cannabis no Japão, veja aqui . 4 Para o texto do relatório da ONU, ver aqui ; para os níveis de THC na década de 1970, ver, por exemplo, aqui. 5. CBC News ", o Japão enche cogumelo mágico brecha", 14 de maio de 2002. Disponível aqui . 6 Sydney Morning Herald ", a cadeia japonesa escutas por plantas de maconha", 29 de agosto de 2007.
  5. CCJF apresenta filmes e debates sobre a história da cannabis Redação em 18 de julho de 2014 às 20:33 O Centro Cultural da Justiça Federal apresenta de 22 a 27 de julho filmes e debates sobre a história da Cannabis, com ingressos a R$ 10. Divulgação <img class="wp-image-476115 size-medium" src="https://catracalivre.com.br/wp-content/uploads/2013/08/zzrs310713cannabis-24-5583069-450x299.jpg" alt="Divulgação" width="450" height="299"/> Filmes e debates tratarão sobre a questão O projeto, idealizado pelo centro e pelo Coletivo João do Rio, terá sessões de terça a domingo, e contará com a presença de alguns nomes conhecidos como: o deputado federal Jean Wyllis, o deputado estadual Carlos Minc e o vereador Renato Cinco, além de outros especialistas no assunto. Confira a programação completa abaixo. Dia 22 Sessão única: 18:30 hs : “Reefer Madness”, doc,USA, 1936, 68min. de Louis Gasnier. “Hemp for victory”, doc, USA, 1942, 16min de Raymond Evans “Ilegal”, doc., BR, 2013, 22 min. de Raphael Erichsen e Tarso Araujo - Classificação indicativa: 14 anos Debate: 20:20 hs Tema: Política de Drogas no Brasil Convidados: Jean Wyllis – Dep. Federal Carlos Minc – Dep. Estadual Renato Cinco – Vereador Mediador: Emilio Figueiredo, advogado. Dia 23 1ª sessão: 16:00 hs : “Wood & Stock: Sexo, orégano e Rock’n Roll, animação/comédia, Brasil, 2006, 81min de Otto Guerra – Classificação indicativa: 16anos 2°sessão: 18:30 hs : “Quebrando Tabu”, doc. Brasil, 2011, 120min. de Fernando Grostein Andrade. -Classificação indicativa: 18anos Debate: 20:40 hs Tema: Guerra as drogas: A quem interessa esse negócio. Convidados: Orlando Zaccone – delegado de policia RJ, membro da Law Enforcement Against Prohition Thiago Rodrigues – professor pesquisador, autor: ‘Narcotráfico uma Guerra na Guerra’, e ‘Política e Drogas nas Américas’. Mediador: Emilio Figueiredo, advogado. Dia 24 1ª sessão: 16:00 hs: “Quart4B”, ficção, BR, 2005/2008, 92min. de Marcelo Galvão. -Classificação indicativa: 14anos 2ª sessão: 18:30 hs : “A História da Maconha Grass”, doc. USA , 1999, 80min”, de Ron Mann. – Classificação indicativa: 18anos Debate: 20:00 hs Tema: A Descriminalização e Legalização da Maconha no Mundo. E o Brasil ? Convidados: Eurico Junior – Deputado Federal. Jorge da Silva – ex-coronel PM, professor doutor, membro da Law Enforcement Against Prohition e da Comissão Brasileira sobre Drogas e Democracia. Mediador: André Barros, advogado. Dia 25 1º sessão: 16:00 hs: “Cortina de Fumaça”, doc. Brasil, 2009, 94 min. de Rodrigo Mac Niven. -Classificação indicativa: 12anos 2° sessão: 18:30 hs: “A União – O Comércio Por Trás do Ficar Chapado”, doc. Canadá , 2007, 104min.de Brett Haveym -Classificação indicativa: 18 anos Debate: 20:25 Tema: Proibicionismo x Livre Arbítrio Convidados: Rogério Rocco, advogado, ambientalista, Autor do Livro “O que é Legalização das Drogas” William Lanteleme Filho, criador do site Growroom. Mediador: André Barros, advogado. Dia 26 1ª sessão: 15:00 hs : “ Cheech Chong Queimando Tudo”, comédia ,USA, 1978, 86min, de Lou Adler – Classificação indicativa: 18 anos 2° sessão: 17:15 hs: “Cortina de Fumaça”, doc. Brasil, 2009, 94 min. de Rodrigo Mac Niven – Classificação indicativa: 12 anos Debate: 19:00 hs Tema: Maconha: Droga e Remédio. Convidados: João Menezes, professor (ICB/UFRJ) Pós-Doutoramento no Massachusetts General Hospital e Harvard Medical School. Luiz Paulo Guanabara, psicólogo, fundador da ONG Psicotropicus – Centro Brasileiro de Política de Drogas. Mediador: Emilio Figueiredo, advogado. Dia 27 1ª sessão: 15:00 hs: “Quart4B”, ficção, BR, 2005/2008, 92min. de Marcelo Galvão- Classificação indicativa: 14 anos 2° sessão: 17:15 hs: Longa: “Bicho de Sete Cabeças”, ficção, Brasil, 2000, 80min. de Laís Bodanzky. Curta: “Ilegal”, doc., BR, 2013, 22 min. de Raphael Erichsen e Tarso Araujo -Classificação indicativa: 16anos Debate: 19:00 hs. Tema: A Maconha no Cinema. Convidados: Tarso Araujo, cineasta. Rafael Morato Zanato, critico, pesquisador de cinema e associado do Maconhabras-CEBRID/UNIFESP Mediador: Ronald Almenteiro, coordenador da mostra.   Dia 22 Sessão única: 18:30 hs : “Reefer Madness”, doc,USA, 1936, 68min. de Louis Gasnier. “Hemp for victory”, doc, USA, 1942, 16min de Raymond Evans “Ilegal”, doc., BR, 2013, 22 min. de Raphael Erichsen e Tarso Araujo - Classificação indicativa: 14 anos Debate: 20:20 hs Tema: Política de Drogas no Brasil Convidados: Jean Wyllis – Dep. Federal Carlos Minc – Dep. Estadual Renato Cinco – Vereador Mediador: Emilio Figueiredo, advogado. Serviço O que AS HISTÓRIAS DA CANNABIS - EM FILMES E DEBATES Quando: de 22 a 27/07 Terças, Quartas, Quintas, Sextas, Sábados e Domingos das 15:00 às 21:00 Quanto Meia entrada paga R$ 5 Onde Centro Cultural Justiça Federalhttp://www.ccjf.trf2.gov.br Av. Rio Branco, 241 Centro - Centro Rio de Janeiro (21) 3261-2550Estação do Metrô da Carioca Ver no mapa
  6. Exposição em São Paulo conta a história da maconha Peças de museu holandês são exibidas pela primeira vez fora da Europa 09/05/2014 - 17H05/ atualizado 17H0505 / por Ana Freitas http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2014/05/exposicao-em-sao-paulo-conta-historia-da-maconha.html (Foto: divulgação) A partir de terça-feira, 13, os paulistanos vão poder conhecer um pedaço do Hash & Marijuana Museum, museu da história da maconha com unidades em Amsterdã e em Barcelona. A exposição "A História da Cannabis: Uma Planta Proibida" traz a São Paulo peças que ajudam a contar a história do uso da cannabis como produto industrial, planta medicinal e da sua recente proibição, no início do século 20. "Queremos contribuir para um debate fundamental sobre as leis sobre maconha no seu país, como fizemos décadas atrás na Holanda", disse à GALILEU Ben Dronkers, fundador do Hash & Marijuana Musem e dono de outras duas empresas que têm a maconha como matéria prima - a Sensi Seeds e a Hemp Flex. É a primeira vez que o Hash & Hemp Museum expõe fora da Europa, e os itens variam entre cordas e velas de barcos antigos feitos com fibra de cânhamo, vidros de maconha medicinal do fim do século 19 e peças modernas, feitas de plástico de fibra de maconha, por exemplo. Por causa da legislação brasileira, nenhuma peça exposta pode conter THC, o princípio ativo da planta (que dá o "barato"). Também serão exibidos filmes como Quebrando o Tabu e Cortina de Fumaça. A mostra é exclusiva para maiores de 18 anos. Além das peças expostas, a mostra terá debates sobre as políticas brasileiras sobre maconha, além de exibir documentários que esclarecem fatos científicos sobre a planta. Leia a entrevista completa com o Dronkers: Por que o Brasil foi escolhido como o primeiro país a receber essa exposição fora da Europa? Na Holanda, estivemos diretamente envolvidos com a política de tolerância, desafiando os legisladores continuamente e ilustrando, através do empreendedorismo criativo, o absurdo de uma proibição de drogas leves na prática. O museu acompanha os acontecimentos internacionais com muito interesse, claro. 'Queremos contribuir para um debate fundamental sobre as leis sobre maconha no seu país, como fizemos décadas atrás na Holanda' Opiniões e políticas estão mudando no seu continente, claro que mais notavelmente no Uruguai. O Brasil parece estar mais devagar, mas tem problemas maiores em segurança e violência que, para mim, estão diretamente relacionados a políticas falidas de combate às drogas. Apresentando essa exibição em São Paulo, nós queremos contribuir para um debate fundamental sobre as leis sobre maconha no seu país, como fizemos décadas atrás na Holanda. Quais são suas peças favoritas? Uma coleção importante de garrafas de cannabis medicinal da segunda metade do século 19 e das primeiras décadas do século 20. Mandamos alguns exemplares para o Brasil, objetos de uma época em que o uso de cannabis como ingrediente na medicina era muito normal. Além disso, eu gosto do descaramento do design das capas de livros raros como "Aint it Hay", de 1949, ou "Marijuana", de 1941, embora sejam produtos de uma época de propaganda anti-marijuana histérica financiada pelo governo dos EUA e pela mídia. As histórias desses livros são responsáveis por muitas das ideias erradas sobre o uso recreativo da cannabis. Segundo esses livros, a maconha te transforma em um estuprador e um assassino de sangue frio. Como a exposição esclarece a importância da cannabis na história da humanidade? Mostrando como o cânhamo e a cannabis em si têm sido especiais e ao mesmo tempo normais, parte da vida cotidiana, ao longo da história. As pessoas precisam de produtos têxteis para se manter quentes, e o cânhamo servia de matéria prima. As pessoas exploravam o mundo em barcos gigantes, e as velas e cordas que moviam esses navios eram feitos de fibra de cânhamo. A cannabis tem sido descrita como uma erva de cura por centenas de anos, em diferentes culturas, tanto que agora que cientistas estão fazendo pesquisas sobre as propriedades medicinais da planta, isso alinha perfeitamente com uma longa história da medicina, e com as pessoas usando recursos naturais para prolongar sua existência. 'Foi uma surpresa o nível de burocracia envolvido em mandar coisas simples' ABen Dronkers, fundador do Hash & Marijuana Museum Quais foram os grandes desafios de fazer uma exposição sobre a cannabis aqui no Brasil, onde a erva é proibida? Nós, é claro, não mandamos maconha, sementes ou produtos com THC. Para mim, de uma perspectiva holandesa, foi uma surpresa o nível de burocracia envolvido em mandar coisas simples como livros, um tear, um pedaço de corda ou um foto. Parece que o assunto é tão delicado que mesmo coisas que não são feitas com o princípio ativo da cannabis e portanto não são droga, mas um produto industrializado, são tratadas como se fossem. Na sua opinião, o que de mais empolgante se descobriu sobre a maconha medicinal nos últimos tempos? Pesquisas em curso sobre o efeito de diferentes canabinóides em tumores cancerígenos é uma delas. Apesar de muita evidência de relatos de pessoas pelo mundo, os pesquisadores estão tentando estabelecer evidências empíricas no assunto. A última pesquisa científica sobre o CBD parece muito promissora, especialmente porque aprendemos sobre os caminhos que fazem com que esse canabinóide destrua apenas células não-saudáveis. Quais são os usos mais promissores da cannabis industrial? Para ser honesto, há possibilidades muito variadas: de construção civil a indústria automobilística, indústria têxtil a nutrição, além de indústria energética. Por isso, é difícil escolher uma. Um dos aspectos mais interessantes dessas aplicações é o potencial de diminuir nossa dependência do petróleo, permitindo a substituição por uma fonte de energia renovável e sustentável: o cânhamo. Você acha que a legalização no ocidente em geral já é um caminho sem volta, considerando as mudanças de legislação nos EUA e no Uruguai nesse sentido? Legalizar a venda de maconha em coffeeshops foi muito esperto por parte do governo holandês nos anos 1970. Tirou a venda de um contexto obscuro, do submundo, e levou para um ambiente controlado, benéfico para consumidores - que podem controlar a qualidade do produto e não precisam lidar com a violência do tráfico, por exemplo - e para as forças policiais, que podiam focar em crimes reais e violentos, não em pessoas fumando uma planta. Eu acho que abordar ou abuso de drogas de um ponto de vista de saúde pública, em vez de criminalizar usuários, é o único caminho. Não tenho ideia quanto tempo vai levar, mas tenho certeza que cada vez mais países vão legalizar, já que não há outra alternativa razoável. Serviço "A História da Cannabis: Uma Planta Proibida" - a partir de 13 de maio na Matilha Cultural.
  7. CANNABIS SATIVA - Cultura e História Cannabis spirituality by Alex Grey (http://www.alexgrey.com/) A mais antiga prova da associação do Homo sapiens sapiens com a Cannabis sativa que se tem notícia são as fezes fossilizadas de um membro de nossa espécie que contêm claramente vestígios do pólen de Cannabis. Este cropólito foi achado às margens do lago Baiakal, na Ásia Central datado em 10 mil anos. É provável que a Cannabis tenha sido uma das primeiras plantas a serem domesticadas pelo homem há 20 mil anos - vários e fortes indícios levam a esta conclusão. Há 15 mil anos, acredita-se, a planta já era usada para a confecção de tecidos, cordas, fios, etc.. no entanto não se sabe se era já inalada ou ingerida deliberadamente com a intenção de alterar a consciência. Em todo caso há provas definitivas do uso cultural da Cannabis há 6.500 anos naquela que é considerada a mais antiga cultura neolítica da China chamada Yang Chao. Nessa cultura, as fibras da planta eram usadas na confecção de roupas, redes de pesca e caça, cordas, etc., sendo que as sementes eram usadas na alimentação na forma de farinha, bolos, pudins e outras preparações. O livro de medicina mais antigo que se conhece, o Pên-Ts'ao Ching, remonta há 4 mil anos e fala do uso mágico das inflorescências femininas da planta: "Se tomada em excesso produzirá a visão de demônios. Se tomada durante muito tempo ilumina seu corpo e faz ver espíritos." Há 3.500 anos, o Atharva Veda, livro sagrado dos hindus, também se referia a Cannabis na forma de Bhang, preparação esta que incluía a resina da planta misturada com manteiga e açúcar. O Bhang era usado para "libertar da aflição" e para "alívio da ansiedade". Ainda hoje o Bhang é consumido livremente em algumas partes da Índia pelos recém-casados na noite de sua lua-de mel, como afrodisíaco. A religião hinduísta acredita que a Cannabis é um presente dos Deuses. De fato, diz-se que a planta teve origem quando Shiva (uma das personalidades de Deus na tríade dessa religião), chegando a um banquete preparado por sua esposa Parvati, começa a salivar ao ver tantas delícias e das gotas de sua saliva que caem ao chão surge a planta abençoada. Os Shivaístas, devotos de Shiva, fumam continuamente a ganja (a planta feminina) com o charas (a resina das flores) para meditarem e se elevarem espiritualmente. Eles consideram que o chillum - o cachimbo onde a planta é fumada - é o corpo de Shiva, o charas é a mente de Shiva, a fumaça resultante da combustão da planta é a divina influência do Deus e o efeito desta, sua misericórdia. Os citas também faziam uso mágico-religioso da cannabis. Esta era privilégio dos nobres que se reuníam para consumi-la em tendas especialmente construídas para este fim. Estas tendas eram montadas sobre as areias do deserto e um grande buraco era aberto onde queimavamtoras de madeiras arométicas. Quando estas estavam em brasa, três ou quatro pés da planta eram jogado inteiros no buraco que era então coberto com uma tampa feita de pele de carneiro, exceto por uma abertura em torno da qual os participantes se reuniam para gozarem dos vapores que se elevavam. Isso há 2.800 anos. Os Assírios conheciam a planta a qual chamavam Kunubu ou Kunnapu, que veio dar no latin Cannabis. A planta era cultivada pelo rei, que a distribuía diariamente, junto com um litro e meio de cerveja, para todos os cidadãos, num claro exemplo de uso hedonístico, não anônimo. As qualidades medicinais da planta estão descritas em escrita cuneiforme num dos livros mais antigos da humanidade e que fazia parte da Biblioteca de Assurbanipal há 2.700 anos. Este livro pode ser visto hoje no British Museum em Londres. Entre os Gregos, a Cannabis na forma de haxixe era ingerida junto com o ópio na célebre preparação (descrita por Homero) chamada nepenthes, que aliviava as dores, angústias e preocupações. Dvido a proibição do Corão ao uso do álcool, desde sempre o haxixe e a Cannabis têm sido o embriagante preferido dos povos islâmicos. A célebre seita dos haxixin, liderada pelo afamado Al-Hassan Ibn Sabbah, o Velho da Montanha, fazia uso da planta. Seu líder levava os membros a um recinto onde estes fumavam haxixe em meio a um lauto banquete servido por jovens e belas mulheres que lhes atendiam em todos os seus desejos. Após isto, o Velho da Montanha lhes dizia que assim gozariam do paraíso de Allah caso cometessem assassinatos políticos que favorecessem a seita. A palavra assassino tem origem a partir desse episódio, já que os membos da seita eram chamados haxixin. É certo que os cruzados que os combateram aprenderam destes o uso do haxixe levando-o consigo de volta à Europa. Com a islamização do norte da África, a planta se espalha rapidamente por este continente e breve não só os povos islamizados dela fazem uso entusiástico como também as tribos animistas do resto da África. Um rei africano apresentado à erva, converte-se a seu culto e a tribo passa a se chamar Bena Riamba - "os irmãos da Cannabis". Todo dia ao pôr-do-sol, os membros desta tribo se reúnem em roda no pátio central da aldeia para fumar a planta. antes de passar o cachimbo, olham-se nos olhos dizendo: "Paz irmão da Cannabis". Representantes desta tribo são até hoje encontrados na costa sul de Moçambique. Assim como os Bena Riambe, muitas outras tribos se convertem ao uso da planta, incorporando-a em destaque no seu panteão. A palavra maconha, nome pelo qual é conhecida entre nós, vem de Ma Konia, mãe divina num dialeto da costa ocidental africana. Apesar de se saber que as caravelas portuguesas tinham seu velame e cordame feitos da fibra do cânhamo (Cannabis sativa), acredita-se que a Cannabis tenha sido introduzida no Brasil pelos negros escravos que pra cá foram trazidos. Os nomes pelos quais a planta é conhecida no Brasil indicam tal fato, já que são todos nomes de origem africana: fumo d'angola, Gongo, Cagonha, Maconha, Marigonga, Maruamba, Dirijo, Diamba, Liamba, Riamba e Pango. Este último vem do sânscrito Bhang, através do árabe Pang, até o africanismo Pango. De toda forma a planta esteve desde o início associada à população de origem africana sendo que a ampliação de seu uso, atingindo também aqueles de origem européia, era considerada por autores como Rodrigues Dória como "uma vingança da raça dominada contra o dominador". Os cultos afro-brasileiros sempre utilizaram a Cannabis. Já no século XVIII, os relatos sobre os calundus - reuniões de negros ao som de tambores - indicavam a presença da planta, que era inalada pelos participantes, deixando-os "absortos e fora de si". Até a década de 30 do século XX, quando são legalizados os Candomblés e Xangôs, a Cannabis era constantemente apreendida nos terreiros junto com os objetos de culto. A cannabis é considerada planta de Exu, sendo consagrada a esta divindade. Em 1830, a legislação do município do Rio de Janeiro punia o uso do "pito de pango", como era conhecida a Cannabis com pena de multa de 5 mil réis ou dois dias de detenção, esta foi nossa primeira lei a respeito da planta. Nas décadas de 20 e 30 deste século, são produzidos os primeiros trabalhos científicos brasileiros a cerca do hábito de fumar Cannabis. apesar de seus autores serem em sua quase totalidade médicos preocupados em justificar a proibição da planta, estes tinham um olhar etnográfico sensível, descrevendo com minúcias os rituais do "clube de diambistas", nome dado à associação de indivíduos com o intuito de fumar Diamba. Os diambistas eram, preferencialmente, membros dos estratos mais baixos da população brasileira, em especial pescadores que se reuniam para fumar a erva cantando loas a esta. São dessa época os famosos versos: "Diamba, sarabamba, quando fumo Diamba, fico com as pernas bambas. Fica sinhô? Dizô, dizô". Termos utilizados pelos diambistas, como "fino", "morra" e "marica" entre outros, são até hoje parte da gíria própria dos usuários de Cannabis. A distribuição geográfica do consumo de Cannabis na época incuía Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Maranhão e Bahia. Daí, pouco a pouco o hábito se espalha e, a partir da década de 60, com a contra-cultura, passa a atingir outros estratos sociais. Atualmente seu uso é amplamente disseminado entre as camadas médias urbanas. Também os povos do novo mundo não ficaram imunes à Cannabis. Hoje em dia no Brasil, os Mura, os Sateré-Mawé e os Guajajaras fazem uso tradicional da erva. Os Guajajaras tem a planta em alta estima e sua presença na mitologia do grupo atesta a antiguidade de seu uso, que remontaria à segunda metade do século XVII. A planta é consumida no contexto xamânico, junto com o tabaco para proporcionar o transporte místico do Pajé e na sua divinação. No contexto profano, a erva é inalada em grupo antes de trabalhos pesados nos mutirões para dar disposição, indicando que a chamada "síndrome amotivacional" - associada a Cannabis - possa ser um fenômeno antes cultural que uma decorrência dos seus princípios ativos, Os dados jamaicanos parecem confirmar essa tese, uma vez que nesse país a Cannabis é amplamente fumada por trabalhadores rurais como estimulante antes de trabalhos pesados e extenuantes. Outros nativos da América também usam a Cannabis, entre os quais estão os índios Cuna do Panamá, que já possuíam escrita antes da chegada dos europeus, os índios Cora do México, e outros. Hoje em dia existem religiões organizadas onde observa-se o uso da Cannabis. Para os Rastafari da Jamaica, a planta é Kaya, energia feminina de Deus. Seu uso diário naquilo que é chamado "Irie meditation", a meditação na energia positiva, é justificado pelas seguintes passagens da Bíblia no Gênesis: "Eu sou Jeová teu Deus, eis que te dou toda planta que há sobre a terra, e que da semente nela mesma, para que fazeis bom uso dela" e no livro das revelações, o Apocalipse, quando descreve o paraíso: "Vi também a árvore da vida, cujas folhas são a cura das nações" Para a doutrina do Santo Daime, a planta é sagrada e identificada com Santa Maria, a mãe de Jesus. Para consagrá-la, é nescessário aderir a um uso diferenciado, sendo a planta consumida exclusivamente durante os rittuais, em silêncio, com o pito, a designação nativa para baseado, passando sempre no sentido anti-horário, isto é, da direita para a esquerda. Devida à longa história de associação entre nossa espécie e a Cannabis, esta apresenta um grande polimorfismo decorrente das inúmeras hibridizações levadas a cabo com a intenção de desenvolver plantas com qualidades desejadas. Sendo uma planta dióica, ou seja, possuindo os sexos separados em duas plantas: uma macho e outra fêmea, o gênero Cannabis compreende três espécies distintas: sativa, indica e ruderalis.
  8. A deusa egípcia Seshat A deusa egípcia Seshat representada com uma folha de marijüana sobre a cabeça. Seshat foi uma divindade protetora das bibliotecas, do conhecimento e da geomancia entre outras coisas. DIR.: Bast, a Artemis grega, deusa da sabedoria. Entre os egípcios, zoomorfa meio-gato, meio-mulher, acreditava-se que dominava variados aspectos da vida civilizada: do Sol Nacente, como filha de Rá; e também deusa da iluminação [intelectual], do lar, do sexo, da fertilidade e do parto, dos prazeres físicos e, curiosamente, deusa das lésbicas que, no país do faraó, eram associadas à verdade, honestidade. In CANNABIS PR-NTR-KTM As origens do uso erótico/sexual da marijüana remonta ao surgimento dos ritos de fertilidade associados às primeiras práticas da agricultura - em uma época em que a ligação do homem com a terra, com os campos, era compreendida como uma relação religiosa. Entre comunidades primitivas de caçadores, os shamans usaram a magia "imitativa" ou magia simpática [de reprodução, representação da realidade] para obter sucesso na expedições de caça. Vestiam peles de animais, envergavam cabeças de grandes mamíferos em suas danças mágicas. Quando as comunidades fizeram sua transição da economia de caça-coleta para a economia agrária, a mesma lógica foi aplicada aos campos cultivados. Os ciclos das colheitas eram acompanhados de simbolismos e festas rituais. Para estimular o bom desenvolvimento dos campos, os primeiros agricultores acreditavam na necessidade de renovar, periodicamente, o "matrimônio" entre a divindade da Terra e a divindade dos Céus. [Como na mitologia grega, Urano, o Céu, fecunda a Terra, Gaia]. O tema principal desses rituais, portanto, era o sexo, posto que era/é meio de fecundação. Orgias coletivas eram praticadas nos campos; orgias que, mais tarde, foram ritualizadas em cerimônias fechadas entre o rei e sua consorte ou entre sacerdotes e sacerdotisas. A cannabis é considerada uma das culturas mais antigas da humanidade e a planta tem poderosas qualidades afrodisíacas. As práticas orgiásticas começaram precocemente justamente entre aquelas comunidades pioneiras no cultivo e uso da planta e uma das primeiras práticas religiosas da humanidade foi o coito ritual praticado nos campos. Experiência Religiosa O pesquisador da marijüana, Sula Benetowa, diz que a origem deste antigo culto, da cannabis, pode ser encontrada no Oriente Médio. No artigo Tracing Onde World Through Different Languages, ele escreve: "Tendo em conta o elemento matriarcal da cultura semita é possível afirmar que a Ásia Menor foi o centro de onde se propagou ambos os caracteres socioculturais: o matriarcalismo e o uso massivo do hashish [essência oleaginosa da maconha]. Um desses "elementos matriarcais" refere-se ao culto da deusa semita Asherah [em algumas tradições, dita consorte de Jehová], para quem era queimada a cannabis como incenso sagrado. Os corpos também eram "ungidos" com um o óleo da cannabis, o Santo Óleo, semelhante ao usado por Moisés e outros profetas e reis judeus da Antiguidade. [ver CC#5, Kaneh Bosm: the hidden story of cannabis in the old testament]. Objetos relacionados ao uso de cannabis foram encontrados em tumbas congeladas dos antigos Citas [scythians] nas montanhas Altai, na fronteira entre a Rússia e a Mongólia. No sítio arqueológico também foram achadas sementes e restos dos "frutos" [berlotas] da planta. O Citas usavam a maconha reunindo-se em cabanas onde a erva era queimada e todos aspiravam seus vapores "mágicos" - um "efeito sauna". Essa prática de "repirar cannabis" foi mencionada por Herótodo e data de 500 a.C.. In Hallucinogenic Plants | EROWID.ORG William Cole, em Sex and Love in The Bible, fala do culto a Asherah, enquanto cônjuge ou "aspecto feminino" do "deus" israelita Jehovah: "Era foi uma divindade da Natureza, simbolizando sexualidade e fertilidade. Em muitas passagens do Antigo Testamento existem referências a Asherah, representada [o] como um pilar de madeira, um objeto de devoção. Claramente, é um símbolo fálico, ocupando lugar similar ao Lingam hindu. Cole também explica que muitos deuses e deusas antigos aparecem em pares de macho/fêmea, [uma referência aos Hermafroditas de Raças Antigas]. Tais deuses também são retratados criando o mundo/Universo através de uma cópula [ato sexual]. "Os devotos destas divindades, aparentemente acreditavam no dever religioso da magia imitativa na qual, homem e mulher copulavam no solo, misturando suas "sementes" e seus desejos com a terra que, assim, tornar-se-ia ou continuaria fértil, pela partilha do ato sexual praticado pelos humanos. As orgias envolviam o uso de psicotrópicos, substâncias alucinógenas ou relaxantes/excitantes além de atividade sexual intensa e heterodoxa como importante fator de eficiência "mágica". Canção Erótica de Salomão Uma passagem clássica de "erotismo bíblico", o Cântico dos Cânticos, atribuído ao rei Salomão, atualmente é amplamente aceita como um texto litúrgico-amoroso integrante dos culto ao deus/deusa da fertilidade na região do Oriente Médio. É fato histórico conhecido que o rei israelita Salomão foi iniciado em cultos estrangeiros diversos em virtude do íntimo contato com a cultura de suas numerosas esposas, provenientes de diferentes nações, como o culto a Astarte e a queima ritual do incenso de cannabis [1 Reis 11:3-5]. Não é surpresa, portanto, encontrar umas tantas referências bíblicas diretas à cannabis nos Cânticos de Salomão: "O quanto é intenso o seu amor, minha irmã, minha noiva! Mais delicioso que o vinho é o teu amor e a fragrância de seu óleo [ungënto], mais deliciosa é que o aroma das especiarias. Seu corpo é um pomar de frutos abundantes, de romãs, de henna e nardos, nardos e açafrões, cannabis [Kaneh Bosm] e canela e todas as árvores de incenso" ... [Cântico dos Cânticos 4:8-14]. Outra passagem demonstra explicitamente a a simbologia sexual dentro da liturgia [cerimônia religiosa]: Meu amor tocou-me a caverna e meu ser fervia por ele Eu me ergui e me abri para o meu amor a minhas mãos gotejavam a mirra A mirra escorrendo entre os dedos sobre as mãos... E eu abri minhas cadeias para o meu amor Cântico dos Cânticos 5:4-6 Astarte foi adorada como filha e contraparte [aspecto] de Asherah e, tal como sua "mãe", seu culto era associado às práticas sexuais e ao uso da cannabis. Tanto o Cântico dos Cânticos quanto o Hino a Ishtar [outra divindade mesopotâmica] são narrativas de união conjugal. Cerimônias muito parecidas, que incluem o culto ao sexo e uso ritual da cannabis, são encontradas na Índia [ainda nos dias atuais]. O Festival das Carruagens, que data de época pré-Védica, ainda é realizado pelo culto Jagahath, em Puri. Nesta antiga festividade, carruagens com decoração elaborada, representando o "mundo em ação", saem em cortejo levando a figura velada do "Senhor do Universo" e sua noiva. Acredita-se que uma das figuras veladas é um lingam [pênis] gigante. Durante o Festival de Jagganath, as "prostitutas do templo" desempenham o papel de "esposas do rei-deus" e mantêm relações sexuais com o "rei" ou sacerdotes a fim de obter abundantes chuvas de estação. O uso da cannabis faz parte dos rituais. O pesquisador do psicodelismo, Jonathan Ott, em seu livro Pharmacotheon, conta que os ingleses suprimiram, proibindo, esse ritual em toda a Índia e a atuação das devadasis, as prostitutas sagradas. A tradição desapareceu lentamente exceto em Puri. Shiva & Kali O uso da marijüana é parte do culto Tântrico Hindu de Shiva e Kali, duas das mais antigas divindades do mundo. O uso erótico ritual da cannabis também está inserido em no contexto da obtenção de fertilidade. A forte associação de Shiva com a cannabis está claramente demonstrada na antiga mitologia que envolve a planta bem como as minuciosos procedimentos dos devotos em relação aos campos sagrados. Praticantes de tantra, seguidores de Shiva e Kali ainda usam marijüana como estimulante do sistema nervoso central capaz de ativar a energia chamada de kundalini, intimamente conectada com a energia sexual. É um costume milenar. Em The Woman's Encyclopedia of Myths and Secrets, a pesquisadora Barbara Walker explica: Os principais fundamentos das práticas tântricas podem ser encontrados em tempos pré-históricos. Basicamente, é uma teosofia [pensamento religioso] que inclui o culto à Deusa-Mãe, às forças sexuais, à fertilidade, aos fenômenos naturais, tal como nos cultos animistas. Muitos dos símbolos usados no tantrismo contemporâneo, como os órgãos sexuais feminino e masculino, são semelhantes àqueles encontrados em cavernas paleolíticas, datando de 20 mil anos, em lugares tão diferentes quanto Europa Ocidental e China. Sexo, Maconha & Energia Os cultos à fertilidade, repletos de práticas sexuais, evoluíram ao longo das Eras e desenvolveram-se entre os estudiosos Gnósticos e os praticantes de Tantra. Tornou-se um "casamento sagrado" que acontece no plano mental dos praticantes. O ritual não se dedica mais à fecundidade da terra ou dos homens; antes, pretende proporcionar o encontro do indivíduo consigo mesmo e sua identificação com o Universo. Ritos que usam o sexo e a cannabis buscam o despertar da kundalini e sua ascensão, ou seja, a ativação da energia sexual de modo tal que ela possa percorrer a coluna, alcançar a glândula pineal e atuar no cérebro como força criadora e re-generadora; e não mais e somente como força de geração física. A glândula pineal é considerada a sede da alma, do espírito. É um órgão misterioso de funções praticamente desconhecidas mas para os praticantes do esoterismo, o uso da cannabis combinados com outras práticas, como relaxamento e meditação, produz uma ativação incomum da energia sexual. Nas palavras do místico Aleister Crowley, extremamente experiente quando o assunto é droga e sexo: "Quando você entende que Deus é meramente um nome para o instinto sexual não me parece tão difícil admitir que Deus está no sexo". FONTE Marijüana: the ultimate sex drug CANNABIS CULTURE publicado em novembro | 1999 por Chris Bennett | tradução & adaptação: Ligia Cabús
×
×
  • Criar Novo...