Ir para conteúdo
Growroom

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'guerra as drogas'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 11 registros

  1. Ainda dá tempo de mudarmos de rumo, mas o Brasil está a caminho de virar um narcoestado, com o PCC ou o CV fazendo o papel que já foi de Pablo Escobar e dos cartéis mexicanos Seis anos atrás, fui para Portugal, conhecer por dentro o famoso “sistema português” de drogas, que na época celebrava seu décimo aniversário. Lá entendi a diferença crucial que é lidar com as drogas da perspectiva da saúde, em vez da justiça. O sistema português foi todinho estruturado com o foco em tratar as pessoas que precisam de tratamento. Ninguém lá está em julgamento: as pessoas são cuidadas, e apenas quando querem. São apoiadas em suas trajetórias pessoais para se livrar das drogas ou dos males que elas causam. (Se quiser saber mais sobre como funciona, no detalhe, publiquei aqui um capítulo do meu livro “O Fim da Guerra”, de 2011, sobre o assunto.) Na época, fiquei encantado com o conceito e tive a sensação de que nossos primos lusos estavam no caminho certo. Os resultados, no entanto, ainda eram frágeis e pouco conhecidos. Havia uma sensação de melhora em vários indicadores – uso por menores de idade, busca por tratamento, sucesso no tratamento, contaminação de HIV e hepatite, uso de drogas pesadas, overdoses, poder do tráfico, capacidade da polícia e da justiça –, mas eram avanços pequenos, no máximo um punhado de pontos percentuais ao ano. Reinava ainda uma certa dúvida: com uma crise econômica adiante, será que o país afundaria de novo nas drogas? E, com a mudança de partido político no poder, será que o sistema iria dançar? As respostas a essas dúvidas saíram publicadas esta semana na coluna do jornalista Nicholas Kristof, do New York Times: claramente Portugal ganhou a guerra às drogas. Ao parar de perseguir usuários e, em vez disso, tratar deles quando eles precisam, o pequeno país europeu conseguiu resultados extraordinários e indiscutíveis, tanto na saúde como na segurança. Passados 17 anos do início da experiência, o número de usuários de heroína caiu 75%, as infecções de HIV por uso de droga diminuíram 90%, o número de mortes por overdose caiu 85%. Agora apenas 52 pessoas morrem de overdose em Portugal a cada ano. Enquanto isso, os Estados Unidos, que tentaram lidar com o mesmo problema com repressão, perderam 64 mil pessoas em overdoses – um número chocante, equivalente a todas as mortes de americanos nas guerras do Iraque, Afeganistão e Vietnã, somadas. Kristof ainda lembra que o sistema português custa apenas cerca de US$ 10 por cidadão ao ano, enquanto o americano custa milhares de dólares. Uma coisa que notei é que Kristof, em 2017, entrevistou muitas das mesmas pessoas que eu havia conhecido em 2011, e que seguem trabalhando no sistema. Houve continuidade num programa que estava dando certo, apesar de o governo ter mudado de mãos dos socialistas para os conservadores e depois para os social-democratas. Quem fazia um bom trabalho continuou. E, com isso, as pequenas melhoras incrementais que eu havia observado em 2011 viraram estrondosos sucessos acumulados em 2017. O governo português obviamente fez algo que deu certo. Achei importante contar isso neste momento, em que a política de drogas do Brasil caminha a passos largos para dar desastrosamente errado, a ponto de destruir muito deste país. Você está vendo o que está acontecendo: organizações criminosas estão em guerra aberta para disputar as principais rotas do tráfico. Essa guerra vira notícia quando gera caos no Rio de Janeiro, ou quando explode em massacres nos presídios no Norte e do Nordeste. Mas, longe daqui, tem algo ainda mais assustador acontecendo: PCC e Comando Vermelho estão se estruturando para virarem grandes cartéis internacionais. No início do ano, o governo colombiano alertou que o PCC está se entranhando nas florestas da Colômbia e oferecendo empregos a narcotraficantes que antes trabalhavam para as Farc, o exército revolucionário colombiano. Com as negociações de paz entre os guerrilheiros e o governo, as Farc estão entregando as armas. Mas isso não significa que os produtores de cocaína que trabalhavam para eles vão todos alegremente se aposentar – muitos estão adorando a ideia de virarem soldados do PCC. Com isso, a organização criada nas cadeias paulistas, que já domina bastante da produção de maconha paraguaia, está a caminho de integrar toda a cadeia de produção e distribuição de drogas na América Latina. Considerando a posição estratégica do Brasil, o único país que faz fronteira com todos os produtores mundiais de cocaína (Bolívia, Peru e Colômbia), é questão de tempo para que nossos mafiosos comecem também a tentar conquistar as rotas do Atlântico, que conectam o Brasil ao mundo desenvolvido. Sabidamente, cartéis muito poderosos e governos fracos e corruptos são a fórmula para criar um narcoestado: países comandados pelo poder do tráfico internacional de drogas. Aconteceu recentemente com a Colômbia, como você talvez tenha visto na série “Narcos”, do Netflix, e em seguida com o México e boa parte da América Central, como você vai ver nas próximas temporadas da série. Estamos embarcando pelo mesmo caminho – tenho absoluta certeza de que PCC e CV já são financiadores relevantes de políticos brasileiros (fique especialmente atento àqueles que propõem endurecer o combate às drogas, discurso típico de político financiado pelo tráfico). Se tudo der certo nos planos das organizações criminosas brasileiras, talvez a quinta ou sexta temporadas de “Narcos” se passe em São Paulo, ou no Rio. É possível escapar dessa maldição. Portugal aponta um caminho. Os Estados Unidos e o Canadá, que estão legalizando a maconha e assim descapitalizando os narcotraficantes mexicanos, apontam outro. A própria Colômbia tem acertado muito depois de aprender com seus erros do passado. Não faltam iniciativas bem-sucedidas para nos inspirar. Mas os políticos tradicionais brasileiros têm se mostrado valiosos aliados dos narcotraficantes. Em vez de fazer políticas racionais, baseadas em ciência, focadas nos cuidados, eles seguem insistindo numa estratégia de confronto, que só serve para aumentar o poder das organizações criminosas. Por exemplo: a prefeitura de São Paulo invadiu em maio uma cena de uso de crack sem nem planejar antes os cuidados à saúde. É erro típico de políticos tradicionais, que se guiam mais por marketing do que por resultados, mais por preconceitos do que por ciência. A intervenção desastrosa resultou naquilo que se esperava: no espalhamento do uso de crack e no aumento do poder do crime organizado. Algo que, depois do óbvio sucesso do sistema português, supôs-se que jamais precisaria acontecer de novo. O PCC agradece.Link para matéria: https://www.nexojornal.com.br/colunistas/2017/A-%C3%BAltima-temporada-de-%E2%80%98Narcos%E2%80%99-poder%C3%A1-ser-gravada-bem-perto-da-sua-casa esse artigo me deixou preocupado, o que dizer do Brasil.. a gnt tem Narco-senador, pastor evangélico-senador, deputado federal traficante.. como vamos ganhar no congresso desse jeito..?
  2. Da guerra ao comércio de maconha por Marcelo Pellegrini — publicado 28/07/2015 04h06 Colorado, nos EUA, é uma prova das vantagens da legalização da erva http://www.cartacapital.com.br/revista/859/da-guerra-ao-comercio-7458.html Vlademir Alexandre/ Estadão Conteúdo O Colorado arrecadou 27 milhões de dólares em sete meses O debate sobre a liberação da maconhaganhou uma nova perspectiva. O cultivo legal da erva, revelam os dados mais recentes do estado do Colorado, o primeiro a autorizar o uso recreativo nos Estados Unidos, pode tornar-se uma nova e interessante fonte de receita, empregos e impostos. Segundo a organização Drug Policy Alliance, de janeiro a julho do ano passado, a cadeia produtiva dacannabis gerou mais de 10 mil postos de trabalho e recheou os cofres públicos estaduais com 27 milhões de dólares em tributos. Estima-se que o comércio da droga em todo o país, apesar de não existir uma permissão federal para o plantio e o consumo, tenha movimentado 2,7 bilhões de dólares em 2014. Os dados levam a uma pergunta: não seria mais inteligente legalizar e controlar o comércio do que deixá-lo sob o domínio dos narcotraficantes? Ao menos 5% da população mundial, calcula a Organização das Nações Unidas, recorre ao submundo para conseguir drogas. A maconha seria a terceira substância psicoativa mais consumida do planeta, com 117 milhões de usuários. Detalhe: é a única ilegal entre as três primeiras colocadas. As outras são o álcool e o tabaco. O potencial econômico da maconha não está limitado ao seu efeito químico sobre o corpo. As aplicações são variadas, a depender da composição de cada espécie. Estudos indicam que uma variedade rica em canabinoides, uma das substâncias naturais da planta, apresenta relevantes resultados medicinais. Outros tipos, com baixos níveis consideráveis de canabinoides ou THC (a substância psicoativa), têm aplicação na indústria têxtil e de alimentos. Tênis e óleos estão entre os produtos possíveis. No outro extremo emergem os gastos com a repressão aos entorpecentes. Nos últimos 20 anos, a chamada guerra às drogas consumiu mais de 1 trilhão de dólares somente nos Estados Unidos, sem maiores efeitos sobre o consumo. Não estão contabilizados os custos do aumento da população carcerária e os efeitos da violência sobre o sistema de saúde. O fim da repressão, calcula o Instituto Cato, levaria a uma economia de 41 bilhões de dólares anuais apenas nos EUA. No Uruguai, há 2,6 mil " fazendeiros" . Créditos: Theo Stroomer/ Getty Images /AFP Os benefícios ao Brasil com a legalização ou a regulação seriam igualmente substanciais. A começar pela economia na repressão. Atualmente, 27% dos presos no País respondem pelo crime de tráfico. Sancionada em 2006, a Lei de Drogas produziu um efeito contrário ao desejado. Desde a sua entrada em vigor, o número de detentos por comércio ilegal saltou de 31 mil para 164 mil, aumento de 520%. O motivo, aponta a Secretaria Nacional de Drogas, está na distinção entre usuário e traficante. Ao contrário de outros países, o critério adotado pelo Brasil é subjetivo e leva em conta a quantidade de droga apreendida, o local, as circunstâncias sociais e pessoais do detido e seus antecedentes criminais. Isso cria situações como a condenação a quatro anos e dois meses de detenção por tráfico de drogas de um suspeito que carregava 1 grama e meio de maconha. O fato ocorreu em São Paulo neste ano. Um estudo do International Drug Policy Consortium mostra que, se o critério espanhol, para citar um caso, fosse aplicado no Brasil, 69% dos presos por tráfico de maconha estariam livres. Se a base fosse a legislação norte-americana, o porcentual cairia para 34%. Quando se cruzam as informações do Departamento Nacional Penitenciário com os investimentos em segurança pública, chega-se a um valor aproximado dos gastos anuais com esse tipo de detenção: 1,3 bilhão de reais. Em São Paulo, estado responsável por 35% da população carcerária brasileira, os custos em 2011 chegaram a 885 milhões de reais. Se a Lei de Drogas fosse corretamente aplicada, o governo paulista pouparia 270 milhões anualmente. Fonte: DEPEN “Esta não é uma guerra contra drogas, contra coisas. Como qualquer outra, é contra seres humanos”, afirma Maria Lucia Karam, juíza aposentada e presidente da Associação de Agentes da Lei contra a Proibição. Karam e diversos cientistas, políticos, policiais e representantes de movimentos sociais participaram recentemente de um seminário organizado pela Fiocruz para discutir o tema. Todos foram unânimes: a legalização só traria benefícios sociais e econômicos. “O alto lucro deve-se à ilegalidade de seu comércio e produção, que, além de não resultar em impostos, enriquece facções criminosas e corrompe agentes públicos”, afirma a economista Taciana Santos. A legalização, acredita, diminuiria a violência e aumentaria a arrecadação de impostos, mas não geraria tantos empregos. “A cadeia de comércio e distribuição existe, assuma o governo ou não.” De olho nesse mercado de potencial bilionário, 26 países descriminalizaram o uso da maconha nos últimos anos, além dos estados americanos que o legalizaram e do Uruguai que o regulou. Recentemente, o Chile autorizou o plantio em pequenas quantidades. Na contramão dessa tendência, o Brasil figura ao lado de países islâmicos e asiáticos, que resumem sua política à pura e simples repressão, alguns até com a pena de morte para traficantes. Ainda assim, pequenos avanços acontecem. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou, após forte pressão de uma parcela da sociedade, a importação de canabidiol para fins medicinais. Atualmente, 809 pacientes importam legalmente o extrato para tratamento médico. Cada frasco custa 75 dólares e auxilia no tratamento de gente como Sofia, de 6 anos. “Ela sofre de epilepsia grave, por isso toma uma dosagem relativamente alta para controlar suas crises de convulsão. Eu preciso de dez vidros por mês para tratá-la, são mais de 2,2 mil reais ”, conta a advogada Margarete de Brito, mãe de Sofia. “São preços só para a classe média e alta.” A demora em legalizar a cannabis afeta ainda as pesquisas científicas nacionais. “A maconha será uma das drogas mais importantes do mundo para o tratamento de doenças, em substituição a substâncias lícitas e medicamentos. Com a criminalização no Brasil, as pesquisas ficam comprometidas e largamos atrasado nessa revolução científica”, afirma Sidarta Ribeiro, neurocientista e professor da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Enquanto negligenciamos as possibilidades científicas, o Uruguai está atento a esse potencial. Segundo Julio Calzada, ex-secretário-geral da Junta Nacional de Drogas e um dos idealizadores da regulação do comércio, o país pretende se tornar um polo de pesquisa. “Existem condições e propostas de empresas e laboratórios químicos e farmacêuticos interessados em investir.” Atualmente existem 2,6 mil “fazendeiros” registrados no país vizinho. Até o fim do ano, 240 farmácias estarão aptas a vender maconha. Uma proposta semelhante à uruguaia tramita no Congresso Nacional. O projeto do deputado Jean Wyllys, do PSOL-RJ, cria regras para o plantio, comércio e consumo. Os lucros obtidos com a regulação, propõe o parlamentar, financiariam políticas públicas para o tratamento de dependentes químicos e bolsas de pesquisas científicas sobre aplicações medicinais do produto. “Hoje se adquirem drogas em praticamente qualquer esquina, ou seja, na prática o comércio já é liberado”, avalia Wyllys. “A diferença é que esse dinheiro, em vez de beneficiar o Estado, vai para os bolsos de máfias e corrompe funcionários públicos.” l
  3. José Mariano Beltrame: “A guerra às drogas é perdida, irracional” O secretário de Segurança do Rio diz que droga é problema de saúde, não de polícia – e que a descriminalização do uso não pode passar deste governo José Mariano Beltrame, homem forte da segurança do Estado do Rio de Janeiro há mais de oito anos, nem na Europa consegue passear. Está a trabalho, em Portugal e na França. Num momento em que a descriminalização do uso de drogas é debatida no Brasil, noSupremo Tribunal Federal (STF), ele admira a estratégia do governo português para lidar com o problema. Tossindo forte, “com uma farmácia na bagagem”, Beltrame aproveita a viagem de uma semana para ler O homem que amava os cachorros, livro do cubano Leonardo Padura sobre o assassinato do revolucionário Leon Trótski, em 1940, a mando do líder da União Soviética, Josef Stálin. Está em um hotel sem luxo, ao lado da Sorbonne, em Paris. Na pasta preta, o documento de cima o amolece. É um desenho feito pelo garoto Francisco, de 5 anos, filho de Beltrame. Mostra pai e filho de mãos dadas. “O Francisco fez para eu me lembrar dele na viagem.” Horas antes de pegar o trem para ir a Nice abrir um seminário sobre Cidades inovadoras, Beltrame falou a ÉPOCA sobre bandidos, policiais, cidadãos e drogas. >> Beltrame: “UPPs preservam vidas” ÉPOCA – O que o senhor aprendeu nesta viagem? ​José Mariano Beltrame – Fiquei encantado com a descriminalização das drogas em Portugal. De todas as drogas, inclusive heroína,cocaína. O programa começou em 2000. No Brasil, não pode passar deste governo a descriminalização do uso. A guerra à droga é perdida, irracional. Podemos começar pela maconha. Convidei os portugueses para ir ao Brasil na Semana do Policial, em novembro, e contar a experiência de seu país. Em Portugal, o assunto “drogas” não está inserido na polícia, mas no Ministério da Saúde. Com a ajuda de juízes, procuradores, psicólogos, médicos, e integrantes da sociedade civil. A polícia pega o usuário e ele é convidado a participar de encontros. São 90 clínicas em Portugal, completas com toda a assistência, voluntários e visitas. E uma comissão fiscaliza isso. Todos se juntaram para combater essa doença, porque o vício é uma enfermidade, e não um crime. Sem vaidade, sem luta de poder. "No Brasil, tiro fuzis da polícia, mas a população continua a querer se armar. Estamos em retrocesso" ÉPOCA – No Brasil, estamos longe desse consenso... Beltrame – No Rio, as UPPs (Unidades de Polícia Pacificadora) são uma forma de reconhecer o problema da droga, mas não abordar de uma forma belicista. Nunca foi nosso objetivo acabar com as drogas. É impossível. Parece que os brasileiros não acordam para o desperdício dessa guerra. Não existem vitoriosos. Descriminalizando o uso, um dos efeitos é o alívio na polícia e no Poder Judiciário, que podem se dedicar aos homicídios, aos crimes verdadeiros. Mas, olhe só: o governo federal está preparando um plano nacional de redução de homicídios sem consultar os Estados. Eu não fui consultado. Como não ouvir as secretarias estaduais para aprender com acertos e erros? Espero que o plano não envolva só questões policiais. Que venha com o foco de recuperar mecanismos sociais para prevenir a violência. A polícia nada mais é que a seta da ponta da flecha. >> José Mariano Beltrame: "Temo um banho de sangue se alguém der marcha à ré" ÉPOCA – O senhor é a favor do desarmamento. Como vê as pesquisas, no Brasil, que vão em sentido contrário? Beltrame – Nos Estados Unidos, o presidente Barack Obama vai à televisão se colocar pessoalmente contra a venda indiscriminada de armas, que certamente contribuiu para o massacre de negros por um jovem branco (na cidade de Charleston, em 17 de junho). Não importa se é no Alabama ou em Louisiana, o presidente não foge de tomar uma posição, e diz: “Se não foi possível regular as armas, temos como nação a obrigação de resolver o problema”. No Brasil, estamos em retrocesso. Eu tiro fuzil de policiais, levo uma surra quando tento tirar armas de bombeiros e uma grande parte da população continua querendo se armar. Fonte: http://epoca.globo.com/tempo/noticia/2015/06/jose-mariano-beltrame-guerra-drogas-e-perdida-irracional.html
  4. Guerra contra traficantes é ineficiente, avaliam Kleiman e Mejía Professores das UCLA e da Universidade dos Andes afirmam que o combate aos produtores de drogas custa mais do que os possíveis benefícios propiciados por ação 23 de maio de 2014 | 11h 32 Luciano Bottini Filho - O Estado de S. Paulo SÃO PAULO - A guerra contra as drogas custa mais do que os benefícios que pode proporcionar à sociedade. Os professores Mark Kleiman, da Escola de Política Pública da Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), e Daniel Mejía, da Universidade dos Andes, na Colômbia, tiveram a mesma conclusão com base em estudos econômicos no painel internacional nos Fóruns Estadão Brasil 2018 sobre Segurança na manhã desta sexta-feira, 23. Werther Santana/Estadão 'A ajuda internacional não compensa os custos que os países têm para controlar as drogas', diz Mejía "Políticas de redução de oferta de drogas são basicamente ineficientes em reduzir a oferta", disse Mejía, sobre a atividade de governos em atacar produtores de entorpecentes. Pior, segundo ele, a estratégia só aumenta os recursos gastos com segurança e transfere para os países produtores o ônus de resolver o problema de drogas nos países consumidores, assumindo todas as mortes e criminalidade da guerra contra o narcotráfico. "A ajuda internacional não compensa os custos que os países têm para controlar as drogas. O objetivo desses países deve ser reduzir a violência e tirar os grupos mais violentos do mercado", afirmou Mejía. Kleiman também acredita que não valha a pena gastar esforços para tentar conter todos os traficantes indiscriminadamente. É preciso reduzir os efeitos colaterais do mercado ilícito de drogas. O uso do aparelho repressivo do Estado deve, para ele, ser racional e tentar restringir o tráfico explícito, nas ruas, e sua violência associada. "O objetivo não é colocar mais traficantes na cadeia, o objetivo é forçá-los a uma forma de mercado ilícito mais discreto." Esconder o tráfico, de acordo com o norte-americano, pode até ser "indesejável socialmente", "mas isso não imporá problema de segurança nenhum". Kleiman explica que traficantes de rua e usuários nesses ambientes trazem mercadorias valiosas e somas de dinheiro em mãos e precisam proteger-se de forma armada, o que potencializa a violência. O tráfico ideal, a seu ver, ocorre por entregas ou telefone. O professor da UCLA acredita que prisões de traficantes não melhorem o sistema."A única maneira de reduzir o poder das facções nas prisões é reduzir a população carcerária e o número de pequenos traficantes presos", sugeriu Kleiman. Fonte:http://www.estadao.com.br/noticias/cidades,guerra-contra-traficantes-e-ineficiente-avaliam-kleiman-e-mejia,1170616,0.htm
  5. Em mais uma prova cabal da Hipocrisia da Guerra às drogas o prefeito de Toronto, ao invés de aproveitar e defender a famosa Canábis canadense decidiu se perder como os trites habitantes da Cracolândia : Video that appears to show Toronto Mayor Rob Ford smoking crack shopped to media outlets: report THE CANADIAN PRESS MAY 17, 2013 6:21 AM STORY PHOTOS ( 1 ) A video that allegedly shows Toronto Mayor Rob Ford smoking crack cocaine is being shopped around to various media outlets, according to the Toronto Star. A published report says a video that appears to show Toronto mayor Rob Ford smoking crack cocaine is being shopped around by a group of men allegedly involved in the drug trade. The Toronto Star said, however, it had no way to verify the video, which was the subject of a report on the U.S. online news site Gawker on Thursday and then became the subject of numerous stories. The Star said two of its reporters watched the video and said it appears to show Ford in a room, sitting in a chair, inhaling from what appears to be a glass crack pipe. A story on the Star website Friday also alleges Ford makes several disparaging and crude remarks about Liberal Leader Justin Trudeau and the high school football team he coaches. A lawyer retained by Ford, Dennis Morris, told the newspaper that Thursday's publication by the Gawker website of some details related to the video was "false and defamatory." The newspaper said it attempted to contact Ford's chief of staff, Mark Twohey, on Thursday night to comment on the story, but he abruptly hung up when he was called. The Star said the two reporters watched the 90-second video three times on May 3, adding it did not pay any money for the video and did not obtain a copy. The newspaper added that it had no way to verify the video, which its reporters viewed in the back of a car parked in an apartment complex in northwest Toronto. Morris told the newspaper that by viewing a video it is impossible to tell what a person is doing. The Star reported that the man who approached the newspaper said two associates wanted "six figures for the video." At another point he said they had originally wanted $1 million, but he had convinced them to lower the price. On the Gawker website, John Cook writes he was unable to pay the amount the video's owners were seeking, so he began trying to find a media partner to buy the tape. Cook said he contacted an acquaintance at CNN and he was soon informed that CNN called Ford's office asking about the tape. Cook said with word out around Toronto that the tape allegedly exists, he decided to publish a story online. © Copyright © The Vancouver Sun Original source article: Video that appears to show Toronto Mayor Rob Ford smoking crack shopped to media outlets: report http://www.montrealgazette.com/news/Video+that+appears+show+Toronto+Mayor+Ford+smoking+crack+shopped+media+outlets+report/8399947/story.html Fonte: Montreal Gazette Ps : Desculpa por não traduzir,mas tô na pressa! Read more:http://www.vancouversun.com/news/Video+that+appears+show+Toronto+Mayor+Ford+smoking+crack+shopped+media+outlets+report/8398045/story.html#ixzz2TY4WQwtN
  6. 26/04/2013 06h10 - ATUALIZADA EM: 26/04/2013 08h46 - por Redação Marie Claire FHC: "maconha provoca menos danos que tabaco" O sociólogo e ex-presidente do Brasil explica o porquê de defender a legalização da droga no país Fonte:http://revistamarieclaire.globo.com/Comportamento/noticia/2013/04/fhc-maconha-provoca-menos-danos-que-tabaco.html "NÃO DEFENDO O USO DE DROGAS MAS RECONHEÇO QUE A REPRESSÃO FALHOU". (Foto: Redação Marie Claire) Quando fui Presidente da República, segui o senso comum sobre o tema drogas: investi em repressão, tentei erradicar cultivos e lutei contra o narcotráfico. Não esqueci da prevenção e criei a SENAD,cujo propósito era ensinar e não reprimir. Como tempo, percebi que, apesar dos esforços políticos, recursos investidos e vidas perdidas, a oferta e o consumo de drogas continuavam estáveis ou aumentando no Brasil e no resto do mundo. Me dei conta de que a política de guerra às drogas não funcionava e havia transformando esse mercado ilegal em um fator de desequilíbrio social e político, principalmente na América Latina. Passei a estudar o assunto. A repressão às drogas, estruturada em torno da Convenção Única de Drogas da ONU, já dura mais de cinco décadas. Um tabu foi criado, alimentando a guerra, estigmatizando usuários e nos colocando na grave situação em que nos encontramos hoje. Nos últimos anos, com maior acesso à informação e acúmulo de conhecimento científico, o tabu começou a ser quebrado. Para ajudar a abrir e aprofundar o debate, lancei a Comissão Latino-Americana sobre Drogas e Democracia que deu lugar, em 2011, à Comissão Global de Política sobre Drogas. A primeira recomendação da Comissão Global é por fim à criminalização do usuário. Pessoas que usam drogas não são criminosos a ser trancafiados em prisões. Os dependentes devem ter acesso a tratamento e reintegração. A Comissão propõe também reavaliar a classificação de cada droga de acordo com seu dano. A atual classificação de risco adotada pela ONU foi elaborada há 50 anos com base em evidências científicas limitadas. Os mais modernos estudos mostram que a maconha é uma droga que provoca menos danos e dependência do que substâncias lícitas e reguladas como tabaco e álcool. As estatísticas indicam que cerca de 80% das pessoas que usam drogas ilícitas consomem maconha e também revelam que o conceito de que a maconha leva ao consumo de outras drogas é mito: quem induz o usuário a provar entorpecentes mais pesados é o traficante. Por tudo isso, a sugestão é que governos experimentem com modelos de regulação da maconha para reduzir os danos sociais de sua proibição e enfraquecer o crime organizado. Regular não é liberar, mas criar um sistema de controle efetivo sobre toda a cadeia produtiva e de distribuição da maconha, com claras restrições de idade, preço e pontos de venda e acompanhado de forte trabalho de prevenção e educação. Tem gente que diz que isso nunca funcionaria no Brasil, mas o sucesso da política de redução de danos do cigarro nos últimos anos mostra que é possível regular para reduzir o consumo. Por aqui, persiste a desinformação e certa tendência conservadora que associa a questão das drogas à pobreza e faz vista grossa para o consumo da classe média. Nunca fui usuário e não defendo o uso da maconha, nem de qualquer outra droga. Porém, sou pragmático e reconheço que a repressão falhou em seu objetivo de diminuir o mercado de drogas. Precisamos tentar novos caminhos. Países vizinhos como Uruguai, Argentina e Colômbia tem avançado na adoção de políticas mais humanas e eficazes de prevenção; até os EUA estão dando sinais claros de que apenas reprimir não resolve. Fernando Henrique Cardoso é sociólogo e foi Presidente do Brasil de 1994 a 2002.
  7. Fala pessoal, traduzi este artigo aqui que recebi pelo facebook da Oaksterdam University: Os cinco principais grupos que articulam para manter a maconha ilegal Ano passado cerca de 850.000 pessoas foram presas nos EUA por crimes relacionados à maconha. Apesar da opinião pública, da comunidade médica e de especialistas em direitos humanos se mobilizarem no sentido de relaxar as leis de proibição à maconha, pouco tem mudado em termos de política. Têm sido lançados muitos livros e artigos excelentes detalhando a história da guerra às drogas. Parte da fixação dos EUA em manter a planta verde na ilegalidade está enraizada em acontecimentos históricos e políticos do passado. Entretanto, nós do Republic Report pensamos que é válido mostrar que há grupos interessados que estão gastando grandes somas de dinheiro para manter em pé nossas atrasadas leis de drogas: 1.) Sindicatos Policiais: Departamentos de polícia por todo o país têm se tornado dependentes da verba federal da guerra as drogas para financiar seus orçamentos. Em março, nós publicamos uma história revelando que um lobista de sindicato policial da Califórnia coordenou os esforços para derrotar a Proposição 19, uma ação legal estadual de 2010 para legalizar a maconha, enquanto ajudou seus clientes do departamento de polícia a arrecadar dezenas de milhões de verbas federais destinadas à erradicação da maconha. E não é apenas na Califórnia. Revelações de lobbies federais mostraram que outros sindicatos policiais pressionaram para penalizações mais severas para crimes relacionadas à maconha em todo o país. 2.) Corporações Penitenciárias Privadas: Corporações penitenciárias privadas lucram milhões encarcerando pessoas que foram presas por crimes relacionadas à drogas, incluindo maconha. Como mostrado por Matt Stoller do Republic Report ano passado, a Corrections Corporate of America, uma das maiores corporações privadas penitenciárias americanas, revelou em documentos regulatórios que continuar a guerra as drogas é um dos carros-chefe de sua estratégia de negócios. Corporações penitenciárias têm gasto milhões financiando políticos pró-guerra as drogas e usados grupos como o Conselho Americano de Intercâmbio Legislativo para passar sentenças severas para crimes relacionados as drogas. 3.) Companhias de Álcool e Cerveja: Temendo competição pelos dólares que os americanos gastam no lazer, grupos relacionados ao álcool e tabaco têm articulado para manter a maconha fora de alcance. Por exemplo, a empresa California Beer & Beverage Distributors contribuiu com doações de campanha para um comitê montado para evitar que a maconha seja legalizada e taxada. 4.) Indústria Farmacêutica: Como as indústrias acima citadas, os interesses de grupos farmacêuticos querem manter a maconha ilegal para que o cidadão não tenha a opção de usar alternativas medicinais mais baratas à seus produtos. Howard Wooldridge, um oficial de polícia aposentado que atualmente articula junto ao governo para relaxar as leis de proibição à maconha, disse ao Republic Report que depois dos sindicatos policiais, o "segundo maior oponente [da legalização da maconha] no congresso é a grande PhRMA" porque a maconha poderia substituir "tudo desde Advil até Vicodin e outras pílulas caras". 5.) Sindicatos de Guardas Penitenciários: Sindicatos de guardas penitenciários têm interesse em manter pessoas atrás das grades assim como as empresas penitenciárias privadas. Em 2008, Associação "California Correctional Peace Officers" gastou astronômicos um milhão de dólares para derrotar uma medida que "reduziria sentenças para condenados por crimes não-violentos relacionados à drogas e enfatizaria tratamento ao invés de prisão". Por Lee Fang, postado em 20/04/2012 fonte: http://www.alternet....ijuana_illegal/
  8. FIONA ORTIZ - Reuters Países latino-americanos estão se voltando para modelos europeus na luta contra abuso de narcóticos, após décadas de uso do estilo do violento e dispendioso da guerra às drogas liderado pelos EUA. Até recentemente, a maioria dos países latino-americanos mostravam tolerância zero sobre drogas, inspirados pelos EUA. Mas agora os países do Brasil para a Guatemala estão explorando penas alternativas para uso pessoal de drogas, seguindo exemplos como Espanha e Portugal, que canalizaram recursos para prevenção em vez de prisões. A América Latina é a maior produtora mundial de cocaína e maconha, alimentando a enorme demanda nos EUA e Europa. O uso de drogas doméstico aumentou e a violência das gangues de drogas e tem causado uma carnificina por décadas na fronteira México-EUA e nas favelas brasileiras. Na quinta-feira, o Congresso uruguaio deu mais um passo no sentido de colocar o estado responsável pela distribuição de maconha legal. No mesmo dia, um parlamentar de esquerda no México apresentou um projeto de lei para legalizar a produção, venda e consumo de maconha. Embora o projeto mexicano seja improvável de acontecer, ele reflete o crescente debate sobre como combater o uso de drogas em um país onde 60 mil pessoas morreram desde 2006 em disputas territoriais entre traficantes de drogas e confrontos entre cartéis e forças de segurança. Mesmo sendo a maior produtora mundial de cocaína, a Colômbia, parceira dos EUA em campanhas de erradicação das drogas e com uma dos mais duras leis anti-drogas na América Latina, está mudando. O presidente colombiano, Juan Manuel Santos, disse na quinta-feira que valia a pena explorar o modelo português, uma das políticas anti-drogas mais liberais do mundo. "A experiência com as políticas de consumo de drogas é muito interessante para nós. Todo o mundo está à procura de novas maneiras de lidar com o problema. Espero aprender mais e mais sobre a experiência", disse ele em visita a Lisboa. Portugal descriminalizou todas as drogas em 2001, para combater um problema sério de heroína que causou um surto de Aids entre usuários de drogas. A mudança tem sido aclamado como uma história de sucesso, como os níveis de consumo caindo abaixo da média europeia. A Espanha -onde o consumo de drogas aumentou na década de 1980 após o fim da ditadura de Franco- tentou lutar contra o uso de cocaína , enfatizando os programas de tratamento para viciados. "Enquanto em nossos países um camponês é perseguido e preso por cultivar meio hectare ... em dois estados dos EUA agora você pode simplesmente plantar quantidades industriais de maconha e vendê-los com liberdade completa. Nós não podemos fechar os olhos a este enorme desequilíbrio "o presidente mexicano, Felipe Calderón, disse à Cúpula Ibero-Americana, neste sábado. Calderón, cuja repressão militar aos cartéis de drogas desencadeou uma onda de violência no México, expressou cansaço com a demanda de Estados Unidos e Europa para reduzir o uso de drogas, dizendo que os consumidores de drogas dos EUA só alimentaram a guerra às drogas do México. O secretário-geral Ibero-Americana Enrique Iglesias disse que há consenso na América Latina que a guerra contra as drogas não estava funcionando, o que tem levado a novas abordagens para o problema. Colômbia, Peru e Bolívia produzem a maior parte da cocaína do mundo. México e Paraguai são os dois maiores produtores de maconha do mundo, com o último em grande parte fornecendo sua Argentina vizinhos, Brasil e Uruguai. A mudança de pensamento latino-América sobre as drogas remonta a um relatório de 2009 feito pelos ex-presidentes do Brasil, Colômbia e México, que disse que bilhões de dólares derramados em quatro décadas de esforços liderados pelos EUA de erradicação de culturas tinham apenas levado o consumo de drogas de uma região para outra . Há dez anos, os Estados Unidos poderiam ter reagido com alarme para a mudança na América Latina. Mas a administração Obama se absteve de criticar abertamente as mudanças nas leis de drogas, em parte porque as atitudes dos EUA também estão mudando. http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,america-latina-busca-modelos-europeus-de-combate-as-drogas,961463,0.htm (Reportagem adicional de Daniel Avarenga e Axel Bugge em Lisboa)
  9. Nos EUA, plantadores de maconha poderiam vencer guerra às drogas (Texto traduzido do Guardian - 05/10) http://www.guardian....ugs?INTCMP=SRCH Os fenômenos sinistros que acompanham a guerra às drogas ganharam destaque novamente na semana passada no México, onde gangues continuam a semear o terror entre a população com impunidade. O corpo decapitado de uma blogueira que escrevia sobre a criminalidade foi encontrado em Nuevo Laredo, no terceiro assassinato desse tipo na cidade no último mês. Um saco de cabeças humanas em decomposição deixado diante de uma escola primária em Acapulco estava acompanhado de uma carta contendo ameaças ao governador estadual, que respondeu com promessas de mais polícia e câmeras de segurança. Após quatro décadas de muito sangue e orçamentos estourados, só há uma coisa certa: por mais que você lute, o mercado sempre sai ganhando. Descrever esta guerra às drogas como fracassada já deixou de ser defensável. Como observou Winston Churchill certa vez, ela é "uma afronta a toda a história da humanidade". Embora ex-dignitários tenham vindo a público em vários momentos para criticar a proibição às drogas, os políticos e burocratas atuais que continuam a travar esta batalha simplesmente se negam a ceder diante de dados ou da razão. Nos últimos meses, novas frentes se abriram na guerra, na Rússia, África e sudeste da Ásia. Mas em nenhum lugar a incongruência entre realidade e ideologia se mostra mais aguda que no epicentro norte-americano do conflito. Em 17 de agosto, William Brownfield, o secretário-assistente do burô norte-americano de assuntos internacionais relacionados a narcóticos e polícia, compareceu a Ciudad Juarez para defender a guerra às drogas travada pelos EUA. Em entrevista coletiva à imprensa, ele afirmou: "Não podemos perder, porque, se perdermos, diremos às gerações que nos seguirão: 'Você estão condenados a viver em um mundo repulsivo e asqueroso'. E essa é uma conversa que não quero ter com meus filhos ou netos no futuro.'" Essa declaração, que demonstra tão pouca consideração pelos mexicanos que já vivem condenados ao inferno ao qual Brownfield alude, é indicativa do determinismo tecnológico que informa a lógica dos guerreiros antidrogas. A ideia é que, com o tempo, a tecnologia de espionagem se tornará suficientemente eficaz para acabar com esta guerra de atrito e impor o controle global sobre a produção e distribuição de drogas. Muitos imaginaram que esse tipo de pensamento seria limitado quando Barack Obama chegasse ao poder, mas o presidente vem revelando ser um trunfo inestimável para o complexo narco-industrial americano. Embora Obama tenha prometido em sua campanha "resolver o problema da maconha para fins médicos" e pedido o fim das blitze em farmácias em 2009, essas promessas seguiram o mesmo caminho da promessa dele relativa a Guantánamo. No governo de Obama as autoridades federais vêm perseguindo vigorosamente os fornecedores de maconha para finalidades médicas, com blitze sendo promovidas constantemente em todo o país. Nesta semana, numa virada irônica, veio à tona que a administração Obama esteve envolvida indiretamente na venda de milhares de armas automáticas a membros dos cartéis de drogas; algumas dessas armas foram usadas nos assassinatos de funcionários governamentais mexicanos. Se pensarmos que hoje "a maior fronteira não defendida do mundo", entre o Canadá e os Estados Unidos, é monitorada por aviões espiões não tripulados em busca de contrabandistas de maconha, parece inevitável que a força militar acabe por triunfar, algum dia. Mas o mesmo determinismo tecnológico que enxergou esses aviões espiões como sendo uma necessidade também opera em favor do narcotráfico. No Canadá, o governo conservador está tentando fazer aprovar às pressas uma lei impopular pela qual os plantadores de maconha receberão sentenças mais duras que os condenados pelo estupro de crianças. Este plano para reprimir os plantadores é pura e simples palhaçada política. Com um mínimo de 30 mil "grow-ops" (plantações de maconha em espaços fechados, como casas aparentemente residenciais) apenas na Colúmbia Britânica, o Canadá, na prática, já tem muita maconha própria: o nível de produção de maconha é tão alto que o efeito do sistema de justiça sobre o setor é imperceptível. Da minoria de plantadores que é descoberta pela polícia, apenas cerca de 30% são detidos; ou seja, no máximo 0,5% das pessoas que atuam no cultivo da maconha chegam a passar tempo na prisão. O elemento isolado mais crucial na sustentabilidade da guerra às drogas é o déficit comercial americano. Diferentemente do Canadá, os EUA produz menos drogas do que consome. O tráfico internacional resultante fornece a justificativa para os EUA imporem suas políticas sobre qualquer país que forneça as drogas que o consumidor americano demanda. Mas o estado atual da economia americana pode modificar essa situação. Hoje o índice de desemprego nos EUA se aproxima do índice que havia na Colúmbia Britânica no final dos anos 1980, um clima que precipitou o boom de produção de maconha que continua até hoje. Se os laboriosos americanos saturassem sua paisagem de operações clandestinas de cultivo de maconha em nível doméstico, isso prejudicaria substancialmente a lucratividade dos cartéis, que auferem entre 25% e 60% de seus lucros com a maconha. Isso eliminaria boa parte da motivação do governo americano para interferir nas políticas antidrogas de países estrangeiros; ao mesmo tempo, forçaria a discussão nos EUA da questão da legalização. Aqueles que prefeririam um futuro com menos aviões de espionagem podem consolar-se com o fato de que a tendência atual do mercado é favorável a essa possibilidade: os americanos vêm cultivando mais maconha do que nunca. Se isso continuar, a batalha decisiva na guerra contra as drogas será travada nos quintais, porões e parques nacionais da América. Será um embate entre agricultura sigilosa e vigilância sigilosa, e seu resultado vai depender de a inteligência e criatividade dos americanos conseguirem ou não derrotar a supremacia militar de seu próprio governo. Foi mal, é este aqui http://www.guardian.co.uk/commentisfree/cifamerica/2011/oct/05/american-marijuana-growers-war-drugs?INTCMP=SRCH Vou editar o primeiro e colocar lá também. Interessante a matéria.
  10. 28/09/2011 08h36 - Atualizado em 28/09/2011 10h01 Jornalista é morta por traficantes mexicanos após comentários em rede social Aline Carvalhal A polícia americana encontrou o corpo decapitado de Marisol Macias Castaneda, jornalista do jornal Primera Hora, da cidade de Nuevo Laredo, México. O corpo acompanhava um bilhete escrito à mão dizendo que ela havia sido morta em retaliação a suas postagens em redes sociais. Esse é o terceiro crime semelhante somente neste mês na cidade de Nuevo Laredo, localizada no estado de Tamaulipas. Soldados guardam cena do crime em Nuevo Laredo Segundo a polícia, as postagens na rede social local, Nuevo Laredo ao Vivo, resultaram na morte da jornalista. O site compartilha notícias e informações sobre o exército mexicano, marinha e polícia, e inclui uma sessão para reportar a localização dos esconderijos de traficantes e pontos de venda de drogas – possivelmente a informação que enfureceu o cartel mexicanoZetas, gangue de traficantes fundada por desertores militares que se tornou conhecida por assassinatos em massa. A mensagem encontrada próxima ao corpo fazia referência ao apelido que a vítima usava no website: “La Nena de Laredo”, ou “A Menina de Laredo”. “Nuevo Laredo ao Vivo e redes sociais, eu sou a Menina de Laredo e estou aqui por causa de minhas denúncias e das suas.” – dizia a mensagem – “Para todos que não querem acreditar, isso aconteceu comigo devido a minhas ações, por acreditar no exército e na marinha. Obrigada por sua atenção, respeitosamente, Menina de Laredo… ZZZZ.” As letras ‘Z’ simbolizam o nome Zetas. O grupo tem base na cidade de Laredo, Texas e ainda não foi esclarecido como os assassinos descobriram a verdadeira identidade da jornalista. No início do mês, um homem e uma mulher foram encontrados mortos em Nuevo Laredo com uma mensagem similar direcionada aos usuários da rede. Ainda sim, não foi encontrada qualquer prova de que os dois haviam de fato postado alguma mensagem, ou em quais sites tinham feito isso. Residentes de cidades mexicanas que fazem fronteira com os EUA frequentemente postam em redes informações para denunciar a violência do tráfico, já que acreditam estar anônimos. Mídias sociais como salas de bate-papo locais e blogs, Twitter e Facebook, geralmente são a única opção para moradores de cidades violentas evitarem áreas sujeitas a investidas e ataques do tráfico já que veículos maiores se sentem intimidados em reportar a violência. Segundo a Comissão de Direitos Humanos do México, oito jornalistas foram mortos no país este ano, somando 74 mortes desde o ano 2000.
×
×
  • Criar Novo...