Ir para conteúdo
Growroom

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'experiência'.

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 3 registros

  1. Primeiramente, desculpe se eu deveria ter postado direto naquele off-topic de ferver prensado.Porém, o experimento q eu fiz abriu muitas perguntas novas para serem discutidas em cima disso. O experimento foi o seguinte: Dois recipientes 2G de Ganja Água quente Balança de precisão Ventilador O objetivo é pesar e relacionar a materia flutuante(maconha), com a materia submergida("sujeira")*, além disso há também a amônia em especial,que é hidrosolúvel. Partindo do postulado que quase 100% da diferença entre a soma da maconha e da "sujeira" com o total(1g), se acha o quanto de amônia foi removido. Além desses objetivos, há também um outro mistério que eu creio que ja tenha sido resolvido, porém eu gostaria de reabrir ele. Já ia me esquecendo de explicar porque dois recipientes, eu fiz o mesmo experimento com maconha dichavada e o boldo em si em bolotas grandes. -------------- Após os passos Básicos; Boldo normal dissolvido em água. Após a lavagem; Maconha dichavada. Boldo em bolotas Comparação: Legenda: MD-Maconha Dichavada, MN-Maconha Normal(bolotas), SN-"Sujeira" Normal, SD-Sujeira Dichavada Finalizações: Talvez seja pela minha balança,mas o resultado foi o seguinte: MD-0.6G MN-0.4G SN & SD-0.0G OBS: Não acho que os detritos("sujeira") tenham pesado 0.0g, as vezes quando algo é inferior a 0.3g, a balança simplesmente não reconhece. E também duvido que tenha se perdido 0.4~0.6g de amônia em 1g. OBS2: Apenas considerei que o que submergiu foi sujeira, pois para ser mais denso que a água,não é maconha(quase certeza). Coletei a "sujeira" e montei um beck, ficou horrivel o cheiro, não traguei,será que chapa?Talvez um pouco do que submergiu tenha thc...Ai já não sei,só metendo amigo corajoso pra testar,matar não mata porque é o que tem num beck normal, só que mais concentrado. OBS3: Na MD,simplesmente o beck não acendeu, mas foi um beck gigante e grosso, óbvio que no pipe e bong queimou,mas na seda não. Talvez seja normal, eu já sabia que era mais dificil acender, mas imaginei que se fosse mais grosso viria a acender. Isso já causou altas decepções kkkk. ------ Experimento incompleto, pretendo realizar outras mais detalhadas, esse foi um corriqueiro e simples. Estou aberto à ideias, críticas, observações, qualquer ajuda é bem-vinda.
  2. Fala galera, depois de alguns anos de uso fiquei com alguns sintomas bem estranhos: Me sentia constantemente observado, sentia que as pessoas poderiam ouvir meus pensamentos. Um descontrole mental muito grande, uma desorganização de ideias e confusões. Claramente sintomas de esquizofrenia. Fui ao psiquiatra e ele me diagnosticou com transtorno de humor bipolar, me passou uma medicação. Nesse caso; ele acreditava que esses delírios eram causados pela minha predisposição genética e o abuso da cannabis sativa, segundo ele o remédio amenizava a abstinência e restauraria todas as minhas funções ao normal. Topei o tratamento e fui levando a vida. As coisas não aconteceram conforme o prometido, a vontade de fumar não diminuiu e os sintomas também não. Tive diversas recaídas e realmente nunca parei com esses esquizótipos. Mas em julho de 2016 eu resolvi voltar a fumar direto, diariamente... Enquanto isso o médico só ia reajustando a dose do Risperidona. Eu fumava todos os dias e por morar em sítio as coias eram mais fáceis, pois não importava se tinha visita, era só sumir no mato. Legal... Acontece que os sintomas de doença começaram a diminuir. Pois por incrível que pareça eu aprendi a dosar minha quantidade de maconha. Cada prensado era uma maneira diferente, mas como comprava em grandes quantidades eu tinha um tempo pra adaptar o número de tragadas. E no início de 2017 parei definitivamente, não sei até hoje o porquê perdi completamente o interesse. A conclusão desse caso é que hoje, em 2018 tirei as seguintes conclusões que podem ser dicas pra você: * A Cannabis é um remédio como qualquer outro, mas tudo depende da dose e sua predisposição. * Psiquiatras não sabem o quanto muitos de nós imaginam, a experiência deles e baseada na farmacologia, inclusive a medicina toda tem o ensino sabotado pela industria. * Qualquer transtorno psicológico tem cura e não se deve usar o termo "transtorno" e sim Sintoma de acidificação do organismo, esse transtorno que eu tenho se cura com alimentação saudável, suco detox, enemas etc * Não é de interesse público que nós mesmos achemos a nossa cura.
  3. 25/02/2014 - 13:05 'Ideia de que teremos um mundo sem drogas é ridícula', diz neuropsiquiatra http://www.olhardireto.com.br/noticias/exibir.asp?noticia=ideia_de_que_teremos_um_mundo_sem_drogas_e_ridicula_diz_neuropsiquiatra&edt=34&id=360259 Globo News Nos anos 80, os Estados Unidos viveram uma epidemia de crack que deixou marcas profundas; leis draconianas impuseram longas penas de prisão para os usuários da droga, negros em sua maioria. As penas foram atenuadas, mas ainda são rigorosas. Hoje, um em cada três jovens negros terá problema com a lei e passará algum tempo preso. Este quadro levou o neuropsiquiatria Carl Hart a propor que a cocaína, em forma de pó ou de crack, seja descriminalizada, assim como as outras drogas pesadas. “Todo dinheiro que é investido, pelo menos aqui nos Estados Unidos, no controle das drogas não está reduzindo os índices de consumo. A ideia de que teremos um mundo sem drogas é ridícula”, afirma o especialista, que ressalta que – mesmo com o uso liberado – a venda continuaria ilegal. No livro ‘High price’, Hart mostra o alto preço que a comunidade negra teve que pagar na chamada guerra às drogas. Para ele, as substâncias em si não são o problema, e sim a pobreza e a discriminação racial. “Um dos maiores desafios é a tendência a se concentrar nas drogas em si, como se elas fossem más. Isto está muito longe de ser verdade. Fatores ambientais determinam se alguém terá uma experiência boa ou ruim com as drogas. Quero que as pessoas parem de se concentrar nas drogas e passem a se preocupar com as pessoas e seu ambiente”, explica.
×
×
  • Criar Novo...