Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'cultura'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 3 registros

  1. Artigo muito relevante ! Compilação de eventos históricos de deixar os "mais cultos" de cara ... Vou dar 1 spoiler >>> O ser humano já amarra "as paradas " desde que descobriu que o bagulho é doido. https://hightimes.com/news/politics/a-brief-global-history-of-the-war-on-cannabis/ Se o link entrar em inglês rola traduzido direto tb . A Brief Global History of the War on Cannabis Prohibitionists around the world have long used rhetoric to associate the plant with violence and depravity. Published 1 week ago on February 12, 2020 By Ryan Stoa Shutterstock I want a Goddamn strong statement on marijuana … I mean one on marijuana that just tears the ass out of them. … By God we are going to hit the marijuana thing, and I want to hit it right square in the puss. … I want to hit it, against legalizing and all that sort of thing. —Richard Nixon, 37th president of the United States Before the war on drugs put marijuana farmers firmly in its crosshairs, cannabis was being grown openly and with commercial success on every continent on earth, much as it had been for centuries. This ancient and extensive history of cannabis farming has given rise to the idea that prohibitions put in place in the mid-20th century were the first of their kind — a whirlwind of racial, political, and economic forces that successfully used marijuana prohibition as a pretext for suppression. By contrasting prohibition with our ancient history of cannabis farming, some historians make our modern-day drug laws appear irregular and shortsighted. In his seminal (and controversial) book on cannabis, “The Emperor Wears No Clothes” (referred to by many legalization advocates as “the Hemp Bible”), Jack Herer opens with the following line: For thousands upon thousands of years, all over the world, whole families came together to harvest the hemp fields at the height of the flowering season, never dreaming that one day the U.S. government would be spearheading an international movement to wipe the cannabis plant off the face of the earth. Yet, while unprecedented in scope, the United States’ war on drugs was not the first of its kind. The reality is that marijuana has been controversial for almost as long as humans have been farming it. Many societies throughout history have banned cannabis cultivation and use. What many of these crackdowns and prohibitions have in common is social and economic inequality, or a distrust of the unknown. When members of a minority or lower class embrace marijuana use, the ruling class moves to outlaw marijuana as a form of suppression and control. Marijuana is perceived to be a threat to the order of society, and stamping it out naturally begins with a prohibition on cultivation. A Look At The Ancients As a case in point, the ancient Chinese might have been the first cannabis farmers — and, as far as we know, were the first to write about psychoactive marijuana — and yet they may also have been the first to reject it as a socially acceptable drug. The rise of Taoism around 600 BCE brought with it a cultural rejection of intoxicants. Marijuana was then viewed as antisocial, and derisively dismissed by one Taoist priest as a loony drug reserved for shamans. The sentiment persisted into the modern era — to this day, marijuana struggles to disassociate itself with the stained history of opium in China. Muslim societies have a complex relationship history with marijuana. Hashish use spread widely with the expansion of Islam in the seventh century CE, and remains popular today. Early Arabic texts referred to marijuana as the “bush of understanding” and the “morsel of thought.” Yet traditional theologians believed Mohammed prohibited marijuana use (the Koran [2: 219] prohibits “intoxicants,” but how that word should be interpreted is still up for debate). One prominent theologian associated marijuana with the dreaded Mongol empire, and many upper-class Muslims pushed for prohibition, for fear that marijuana use would disrupt the labor force. In the end, some societies tolerated marijuana use or turned a blind eye; others (such as Damascus in 1265) embraced prohibition. Sufi Muslims took these tensions to the next level. The mystical Sufis believed that spiritual enlightenment could be reached by an altered state of consciousness, and a mind-bending drug like marijuana would seem a logical vehicle to reach that state. Sufis believed hashish was a vehicle not only to personal enlightenment but to direct communication with Allah. These beliefs did not go over well with the rest of mainstream Islam, however. To make matters worse for the Sufis, they were often lower-class laborers. That marijuana use was therefore central to a religion perceived to be a heretical challenge to religious, economic, and political order made the plant an easy target for authorities. In 1253, Sufis were openly growing marijuana in Cairo, Egypt. The government, claiming that Sufism was a threat to society, raided their farms and destroyed all their crops. Undeterred, the Sufis made deals with farmers in the Nile River Valley to grow marijuana on their farmlands. This successful agricultural partnership lasted until 1324, when Egyptian troops raided the countryside and destroyed all the marijuana they could find. For Sufis and marijuana farmers, the situation only got worse. Martial law was imposed in 1378, and this time the authorities destroyed more than marijuana crops: entire farms and farming villages were burned to the ground. Farmers were imprisoned or executed, and hashish users had their teeth pulled. Despite this swift and vicious crackdown, the demand for hashish remained strong. The cycle of cultivation, consumption, and crackdown continued in Egypt for centuries. Christianity and Cannabis Islam was not the only major world religion to feel threatened by marijuana. Pope Innocent VIII issued a papal ban on cannabis in the first year of his papacy, in 1484. At the time, marijuana, along with other mind-altering plants, was being cultivated for medicinal and spiritual applications throughout Europe by pagans who were considered to be witches and sorcerers. The Christianity of Pope Innocent VIII, however, was predicated on a future fulfillment in the afterlife, and a rejection of momentary pleasures or enlightenment. The pagans growing marijuana profoundly challenged this premise by promising spiritual enrichment in the present, with a plant grown right here on earth. Pope Innocent VIII thus wasted no time in addressing this existential threat, declaring cannabis to be an unholy sacrament of the satanic Mass. The pagans who cultivated it were persecuted into imprisonment, exile, or death. Colonial empires, with their unfailing concern for a robust military and hard-working labor force, have often viewed marijuana with suspicion. Though the Spanish were one of the first colonial empires to encourage the cultivation of hemp in the Americas, they were not as enthusiastic about marijuana. The Spanish governor of Mexico issued an order in 1550 limiting cannabis farming because “the natives were beginning to use the plant for something other than rope,” write Robert Clarke and Mark Merlin in their book “Cannabis: Evolution and Ethnobotany.” White South Africans, descended from Dutch or British colonialists, passed a series of laws in the 19th century designed to crack down on the cultivation and use of marijuana by indentured Indian farm workers, who were viewed by whites as societal contaminants and a threat to civil order. The Portuguese empire also struggled to control cannabis. The Portuguese wanted to foster a strong hemp-producing workforce just like those of their colonial rivals, but they considered marijuana a pernicious vice, especially when used by slaves. The Portuguese introduced marijuana prohibitions to many of their African colonies, including Zambia and Angola. Nonetheless, explorers to the region noticed marijuana being grown “nearly everywhere” and used by “all the tribes of the interior,” according to a report published by the Transnational Institute. When the Portuguese brought slaves to Brazil in the 16th century, the slaves brought marijuana along with them, as seeds were sewn into the clothing they wore onto the slave ships and then germinated upon arrival. Whatever strains they were using must have been well adapted to the Brazilian landscape; marijuana was soon growing from the coasts to the Amazon and everywhere in between. For the most part, marijuana cultivation was permitted during Portuguese rule. But when Brazil gained its independence in the early 19th century, Rio de Janeiro’s municipal cannabis prohibition started a chain reaction of prohibitions around the country aimed at curbing marijuana use among slave populations. One reason Portugal may have been lenient on marijuana farming in Brazil is the fact that the Queen of Portugal herself was using it while stationed there during the Napoleonic wars. This wasn’t the first time Napoleon Bonaparte was involved in the history of marijuana. Several years earlier, in 1798, Napoleon had launched the French campaign into Egypt and Syria, a large-scale offensive designed to cut off British trade and liberate Egypt from Ottoman rule. After the initial conquest, Napoleon attempted to maintain local support by embracing Islamic culture and scientific exchange. An unusually large percentage of French forces in Egypt (totaling around 40,000) were scientists and scholars, and were responsible for establishing libraries, laboratories, and research centers that went on to make significant contributions in a number of disciplines. The discovery of hashish may not have been seen as a breakthrough at the time, but it had a great effect on European culture and literary thought. Prior to the French campaign in Egypt, hashish wasn’t well known in Europe and certainly wasn’t commonly used. The 40,000 French troops stationed in Egypt, however, quickly learned about it. Hashish was ubiquitous in Egypt at the time, bought and sold in cafés, markets, and smoking lounges. Lacking access to their customary French wines and liquors and encouraged by Napoleon to embrace Egyptian culture, many French troops took up hashish. Hashish Unfortunately, hashish was still associated with Sufi mystics and looked down upon by the Sunni elite. After Napoleon went back to France, the general he had left in charge of Egypt, General Jacques-François Menou, was a noble-born French revolutionary who married into an upper-class Sunni family after taking command of Egypt. For Menou, the prospect of a hashish ban killed two birds with one stone: It would appease the Sunni elite by cracking down on Sufis, and alleviate a perceived public health problem among the French troops. The ordre du jour banning the cultivation, sale, and consumption of cannabis, considered by some scholars to be the first drug prohibition law in the modern era, came down in 1800. It opens with the following: Article One: The use of strong liquor, made by certain Muslims with a certain grass [herbe] called hashish, and smoking of the seed of cannabis, are prohibited throughout Egypt. Those who are accustomed to drinking this liquor and smoking this seed lose reason and fall into a violent delirium, which often leads them to commit excesses of all kinds. Whether or not Menou’s order was the first modern penal law on drugs, it largely failed to work (a fact that should come as no surprise to us in the 21st century). Hashish continued to be produced, sold, and consumed widely throughout Egypt, and it came home with French troops when they left Egypt in 1801. It wasn’t long before hashish was being widely used in France and the rest of western Europe. Despite efforts by authorities in Europe to paint hashish as an unstable and dangerous substance, many of the Romantic period’s most accomplished artists and writers were brought together because of cannabis. Dubbing themselves Le Club des Hachichins (Hashish-Eaters’ Club), luminaries such as Théophile Gautier, Charles Baudelaire, Gérard de Nerval, Victor Hugo, Honoré de Balzac, and Alexandre Dumas would meet in Paris to take hashish and exchange notes on their experiences. They rejected mainstream attempts to associate hashish with what was regarded as Oriental barbarism and, through their writings, normalized marijuana use and popularized the Romantic era’s bohemian creed: l’art pour l’art (art for art’s sake). Across the Channel, the British Empire wrestled with the conspicuous presence of cannabis in India. As a native plant to the Indian subcontinent, cannabis could be found growing in the wild by hunter-gatherers, and was likely cultivated by the earliest agrarian settlers. Psychoactive marijuana strains featured prominently in early texts of the Hindu, Buddhist, and Tantrist religions. As the Indian marijuana farming industry matured over time, the harvested product was divided into three gradients, all of which remain available today. Bhang is the cheapest, most prevalent, and lowest-quality marijuana; it consists of crushed leaves, seeds, and/or flowers, and produces the least potent high. On the other end of the spectrum, Charas is the highest-quality and most expensive marijuana in India. It is sold as a highly potent hashish produced from plants grown in the most desirable cannabis-producing farmlands of the Hindu Kush and Himalaya mountain ranges between 4,000 to 7,000 feet. It remains one of the most revered marijuana products in the world today. Somewhere in between Bhang and Charas is Ganga. A mid-grade crop in both price and potency, Ganga is cultivated from well-cared-for female plants, and consists of a mixture of resin and cannabis flower. One of the first Europeans to write about the Indian marijuana industry was a Portuguese doctor named Garcia da Orta. He wrote of Bhang in 1563: The Indians get no usefulness from this, unless it is in the fact that they become ravished by ecstasy, and delivered from all worries and cares, and laugh at the least little thing. After all, it is said that it was they who first found the use of it. Some 200 years later, the British mulled over the possibility of a marijuana prohibition in India. The Indian ruling class and the British governor-general of India pushed for a total ban, fearful that marijuana would create social unrest. The British Parliament, however, had other ideas. Short on cash, the government saw the marijuana industry as an opportunity to raise some revenue. They taxed cannabis in 1790, and three years later, established a regulatory framework to issue licenses to farmers and sellers. The tax-and-regulate scheme worked to some extent. But in a vast landscape where cannabis grows in the wild, many farmers and their crops escaped the tax. The British encouraged the regulatory system to decentralize, allowing cities and states to experiment with different taxation schemes. The results were mixed. The strength of the black market was frustrating enough that the British Parliament considered prohibition measures in 1838, 1871, 1877, and 1892. But ultimately the measures failed to pass, because the tax revenues that did come in couldn’t be ignored. Temperance movement advocates persisted, however, driven by the evils of opium use which they associated with cannabis. Parliament responded by commissioning the most comprehensive government study of marijuana in human history. The seven-volume 3,500-page “Report of the Indian Hemp Drugs Commission” of 1894 to 1895 called over a thousand witnesses from around the world. The findings emphatically rejected the alleged grounds for prohibition. The commission found (as its predecessors did) that marijuana cultivation is nearly impossible to eradicate, and argued that it produces no “evil results” in the first place: Prohibition Total prohibition of the cultivation of the hemp plant for narcotics, and of the manufacture, sale, or use of the drugs derived from it, is neither necessary nor expedient in consideration of their ascertained effects, of the prevalence of the habit of using them, of the social and religious feeling on the subject, and of the possibility of its driving the consumers to have recourse to other stimulants or narcotics which may be more deleterious. The commission went on to recommend a tax-and-license scheme for the marijuana farming industry: The means to be adopted for the attainment of [control and restriction] are: adequate taxation, which can be best effected by the combination of a direct duty with the auction of the privilege of vend; prohibiting cultivation, except under license, and centralizing cultivation. This may represent the first time in history a government study has recommended a centralized marijuana farming scheme. Comprehensive as it is in other respects, however, the commission’s report does not elaborate on this centralization proposal; it merely suggests that the most effective way of limiting supply is “to grant licenses for cultivation in such a way as to secure supervision and registration of the produce.” Despite the commission’s efforts, Parliament’s endorsement of its report was lukewarm. As a result, the marijuana farming trade continued unchanged, with taxation and licensing of cultivators continuing to be hit and miss. Bhang was informally grown nearly everywhere; Ganga crops were, for the most part, produced on government-licensed farms; and Charas was imported from the Hindu Kush and Himalayas. This basic structure persisted into the global prohibition era of the 20th century. The proposal to “centralize cultivation” was largely forgotten after the commission’s report was published. But a century later, government regulators trying to find their way through the post-prohibition era of the 21st century would come to recognize its advantages. *** The history of marijuana farming tells us that when prohibitions are imposed, they almost always come from the ruling class. Marijuana’s role as a spiritual, medicinal, or recreational drug of the poor working classes stokes fears among the elite that the political, religious, or economic order that has served them so well may be disrupted. There aren’t, therefore, many cases where marijuana was embraced by the ruling class and persecuted from below. But the story of the Bashilange tribe suggests that marijuana users can be targeted from any angle. In the mid-19th century, the eastern region of the Democratic Republic of the Congo in central Africa was a vast wilderness, and it was controlled by the Bashilange tribe. The Bashilange were ruthless fighters, eating the bodies of their victims and enslaving their prisoners. They enacted few laws, save a requirement that other tribes in the region pay tribute to their supremacy or face a certain death. While exploring these lands, however, the Governor of German East Africa observed a remarkable shift in the Bashilange’s culture. The tribe had discovered marijuana, and rapidly embraced the plant as a pillar of their tribe’s identity. Tribesmen of the Bashilange dubbed themselves the Sons of Cannabis, and soon passed laws to promote peace and friendship. They rejected cannibalism and were no longer permitted to carry weapons in the village. They stopped killing their rivals, and started having more sex. Marijuana was smoked regularly and at most important events, including religious ceremonies, holidays, and political alliances. Formerly known for being cold-blooded killers, the Sons of Cannabis became tranquil marijuana-growing peacemakers. Unfortunately, their rivals did not share the Sons of Cannabis’s newfound love of peace and friendship. Many tribes lost respect for their former rulers and stopped making tribute payments. With weakening support in the region, the Bashilange tribe splintered. The Sons of Cannabis, no longer the fearsome fighters of yore, were overthrown by their fellow tribesmen who yearned for a return to the tribe’s dominant past. The new regime reinstituted the tribe’s violent practices, and largely returned the Bashilange to its former warring nature. Jack Herer may have been using hyperbole when he claimed that cannabis farmers throughout history could not have conceived of the 20th century’s crackdown on marijuana. The historical record illustrates that while many regions of the world have tolerated or embraced marijuana farming in the past, plenty of others have seen authorities attempt to exterminate farmers and their crops. Targeting the first step in the supply chain is a logical starting point for prohibitionists, and marijuana’s role as an agent of religious, political, or economic change has long made it a threat to the established social order. Our marijuana-farming ancestors of the past could have told us, based on experience, that when prohibitionists come after cannabis, they will do so in predictable ways. They will use rhetoric to associate the plant with violence, depravity, and other more dangerous drugs, as the European temperance movement did in France and Great Britain. They will use a militarized show of force to eradicate crops, persecute farmers, and dissuade the next generation from growing marijuana, as the Ottomans did in Egypt. They will portray marijuana users as religious extremists or dangerous minorities, as Pope Innocent VIII did in Europe, Sunni Muslims did in the Middle East, or white South Africans did in South Africa. The best-case scenario, they might say, is that the authorities will turn a blind eye to the unstoppable forces of supply and demand, much as the Portuguese did in Brazil or the British did in India. In telling us this, our marijuana-farming ancestors might as well have been writing the playbook for the 20th-century war on drugs. The cannabis prohibition era in the United States did not invent this “greatest hits” collection of tactics that prohibitionists have been using for centuries; it simply brought them all together in one place, and injected them with more financial and military resources than any prohibition movement in history has ever seen. *** Ryan Stoa is an associate professor of law at the Concordia University School of Law and the author of “Craft Weed,” from which this article is adapted.
  2. 'Fumar maconha está virando um hábito privado como tomar whisky no final da noite' http://revistagalileu.globo.com/Sociedade/Comportamento/noticia/2015/05/fumar-maconha-esta-virando-um-habito-privado-como-tomar-whisky-no-final-da-noite.html Novo livro do historiador Jean Marcel Carvalho França apresenta a trajetória da Cannabis no país: conversamos com o pesquisador sobre as tendências da maconha no Brasil e no mundo 04/05/2015 - 09H05/ ATUALIZADO 09H0505 / POR ANDRÉ JORGE DE OLIVEIRA JEAN MARCEL CARVALHO FRANÇA É PROFESSOR LIVRE-DOCENTE DE HISTÓRIA DO BRASIL NA UNESP (FOTO: EDSON SILVA/FOLHAPESS/DIVULGAÇÃO) Muitos foram os adjetivos pejorativos associados à maconha ao longo da história brasileira – “erva maldita”, “veneno verde”, “ópio do pobre” e “cocaína do caboclo” são só alguns exemplos. Vários deles são reflexo direto de um processo iniciado nas primeiras décadas do século XX que conseguiu, em pouco tempo, marginalizar completamente a erva e denegrir a imagem de seus usuários. De um produto corriqueiro, encontrado em farmácias e feiras, a Cannabis passou a ser proibida por lei, e seu uso virou crime. Criou-se toda uma mitologia negativa em torno da droga, construída principalmente a partir da ideia de que seu consumo, altamente degradante, era “coisa de pobre”, e que sua cultura havia sido trazida da África pelos escravos. Foi só a partir dos anos 60, com a contracultura, que o estigma começou a se desmanchar, e hoje o mundo caminha a passos largos para uma regulamentação mais flexível da maconha, principalmente para o uso medicinal, mas também para o recreativo. (FOTO: DIVULGAÇÃO) É uma tendência irreversível, segundo o historiador Jean Marcel Carvalho França, professor livre-docente de história do Brasil na Unesp. A editora Três Estrelas publicou recentemente seu livro História da Maconha no Brasil, já à venda nas livrarias. O pesquisador afirma que seu trabalho não toma partido: “é um livro sobre a história de um hábito cotidiano, só isso”, diz. Com uma minuciosa pesquisa histórica, a obra explica como o consumo da erva se popularizou no Brasil por meio dos marinheiros portugueses, apreciadores do bangue da Índia, e dos escravos africanos, que foram introduzidos ao haxixe pelos árabes. Entre outras informações curiosas, o autor conta a história de uma plantação de maconha oficial da Coroa portuguesa no sul do Brasil – por volta de 1770, o vice-rei tentou implantar um cultivo de cânhamo para a produção de cordas e velas de navios. Apesar dos esforços, a tentativa nunca embalou. Conversamos com o historiador sobre a obra e outros assuntos relevantes para compreender a questão da maconha no Brasil e no mundo. Confira a íntegra: O que te motivou a fazer uma pesquisa tão detalhada sobre a história do cânhamo e da maconha no Brasil? Eu trabalho formas de construção do Brasil, me interessam os modos de constituição dos indivíduos. Fui descobrindo ao longo do tempo, mexendo com documentações variadas, que o cânhamo tinha um papel importante dentro da constituição da sociedade brasileira, e daí me veio o interesse de fazer um livro sobre isso, sobretudo que deslocasse um pouco a discussão. Não é sobre a legalização, nem trata de ser contra ou a favor, serve simplesmente para conhecer o papel que a planta teve na sociedade brasileira. Diria que o discurso ferrenho dos anticanabistas, que acabou consolidando o que você chama de “mitologia negativa” em torno da Cannabis, demonstrava mais preconceito social do que evidências científicas? A verdade científica sobre a maconha decorre muito de como se lida com ela socialmente. É possível exaltar suas virtudes, como se está fazendo – crianças que se recuperam de crises de epilepsia, melhora na alimentação para quem faz quimioterapia ou tratamento contra o HIV. No início do século XX, não acho que dê para falar em preconceito, a sociedade é o que ela é, e historiador não é juiz. Não fazemos julgamento moral do passado. Como diz Sérgio Buarque de Holanda, o Brasil sempre conciliou escala cromática e escala social: quanto mais escuro na escala cromática, mais pobre na escala social. No início do século, a maioria dos negros vivia na pobreza, e existia todo um interesse em controlar o canabismo. Isso levou, de certa forma, à associação. À luz do que vemos hoje, é preconceito sem dúvida nenhuma. Mas é preciso entender as teorias raciais da época, as teorias da degeneração. Aqueles homens foram o que o tempo deles permitiu que eles fossem. CULTIVO E CONSUMO DE CANNABIS FORAM COMPLETAMENTE ESTIGMATIZADOS (FOTO: WIKIMEDIA COMMONS) É curioso que, nos anos 60, os jovens brasileiros de classe média simpatizantes do movimento hippie tenham “importado” o uso da maconha, sendo que ele já era bem comum no Brasil. Na sua opinião, isso diz algo sobre a nossa juventude ou classe média? Esse foi um fenômeno que ocorreu um pouco por toda parte. Entre o final dos anos 50, quando a grande campanha contra o canabismo se consolida pelo mundo, você tem 10 anos em que a maconha de fato desaparece do cotidiano e da cultura do brasileiro. Os jovens não fumavam mais nas esquinas. A luta anti-canabista foi vitoriosa. Além de proibir, ela cria um estereótipo para a maconha e para o maconheiro, associando-os à marginalidade. A maconha volta com um outro polo de divulgação: os cantores de rock e artistas de cinema, que quebram essa associação. Ela só vai ser recuperada nos anos 80, que resgatam o vínculo com a tradição negra e com as classes pobres. O novo retorno diz que a maconha foi proibida e marginalizada por causa dessa associação, e que é preciso resgatar tanto a identidade desses povos quanto a maconha. Mas ela já estava consolidada pelos hippies. A apropriação da maconha pelos hippies e artistas teve um cunho mais social ou foi plenamente um discurso libertário de “abrir a percepção”? Os ativistas hippies de São Francisco das décadas de 60 e 70 diziam: “basta fumar um baseado e você já está contra o sistema”. Eles associaram essa contestação ao gosto pelo orientalismo, que abria novas formas de percepção contrárias às formas de percepção burguesa, e associaram tudo isso à maconha. É curioso que você tem dois lados da moeda: o mesmo argumento que serve aos hippies para exaltar a maconha serve aos que são contra a maconha para proibi-la. Ambos partem do princípio de que ela tem poderes inomináveis, incríveis. Uns acham que esses poderes são ruins para a sociedade, então a droga deve ser combatida com vigor; outros acham que esses poderes enormes são libertários, vão criar uma sociedade nova, e que por isso é preciso incentivar a maconha. Mas ambos partem do mesmo equívoco – é uma visão glamourosa e excessiva da droga. O discurso com relação à maconha no Brasil já mudou diversas vezes. Você diz que hoje ele tem um tom mais pragmático e até mais cientificista. Estamos no caminho de uma legislação mais tolerante com relação à maconha? Acho que o mundo está, e o Brasil a reboque. A tendência mundial não é à legalização, mas a criar formas de regulação que transformem a maconha em um hábito pessoal e privado, como tomar whisky no final da noite. A sociedade brasileira é um pouco refratária à mudança e não somos muito bons em fazer discussões calorosas – somos extremados e pouco racionais. Mas já vemos posições claras: Dráuzio Varela defende flexibilizar a legislação para o uso medicinal; Fernando Henrique não fala em legalização, mas em criar mecanismos que regularizem o uso privado em pequena quantidade. Acredito que essa tendência tenha a ver com os custos, fica muito caro combater todas as drogas ao mesmo tempo. É mais barato regular do que proibir. E também com o impacto da maconha na saúde pública, muito menor que o do álcool e do tabaco. Avanços científicos são possíveis com a droga descriminalizada e com pelo menos os usos farmacêuticos e científicos regulados. LEGALIZE JÁ? PESQUISADOR MANIPULA TUBOS COM COMPOSTOS DE MACONHA. NOS EUA, LIBERAÇÃO FEZ CAIR CONSUMO ENTRE JOVENS (FOTO: MAURO FERMARIELLO/SPL/LATINSTOCK) A posição favorável à regulação de figuras como FHC têm um peso enorme na opinião pública, mas advogar posições como essa fora do poder é mais fácil. Como você avalia esse tipo de “militância”? Existe uma coisa que é a posição do sociólogo Fernando Henrique, e outra que era a posição do presidente de uma sociedade que ainda não é muito simpática a isso. Houve um boom pelo mundo afora de estadistas, ex-estadistas e intelectuais que se vincularam a essa campanha. No Uruguai teve um outro mecanismo interessante: pessoas com vida social integrada fizeram campanhas na televisão declarando que eram consumidoras de Cannabis. Isso para que a população uruguaia, que é muito dividida, entendesse que não é necessário associar o uso da droga ao estropiado social. Dá-se uma outra configuração ao usuário, como na sociedade holandesa: a maconha é um produto comum, comprado por arquitetos e intelectuais. Hoje, em uma pesquisa de opinião no Brasil, certamente a proibição iria ganhar. Não há nem de longe maioria para aprovar o uso recreativo da maconha, as discussões ainda são embrionárias. A legalização não é um clamor da sociedade, mas é uma tendência. Se não fizermos essa discussão, o mundo vai fazer, e quando se tem 60 países com a droga legalizada, a possibilidade de um país mantê-la proibida é quase ridícula. No início do ano, a Anvisa retirou o canabidiol da lista de substâncias proibidas. Como você enxerga o futuro da Cannabis medicinal no Brasil? Acho que ela é mais promissora, essa discussão vai avançar com mais velocidade. Na medida em que formos tornando a importação de produtos mais fácil, os resultados vão aparecer. Isso vai criar uma espécie de círculo virtuoso de importação e resultados que vai flexibilizar bastante o uso farmacêutico e medicinal. Já o uso recreativo, não é uma coisa tão simples. Tem partes das forças de segurança que aceitam a legalização, acham que de fato funcionaria melhor, mas outras partes dessas corporações não aceitam, acham que aumentaria a criminalidade. Ainda tem uma discussão longa, o importante é fazer. Mas no Brasil não se faz discussão nenhuma. O Brasil não discute direitos individuais. Eutanásia, aborto, legalização de droga – não discutimos nada dessas coisas. Nós não somos liberais né, temos um pouco de horror ao liberalismo. NA FARMÁCIA: FUNCIONÁRIO REGA PLANTAÇÃO DE MACONHA, QUE SERÁ USADA ATÉ NO COMBATE AO CÂNCER (FOTO: DARRYL DICK/ THE CANADIAN PRESS/ ZUMAPRESS/ GLOW IMAGES)
  3. CANNABIS SATIVA - Cultura e História Cannabis spirituality by Alex Grey (http://www.alexgrey.com/) A mais antiga prova da associação do Homo sapiens sapiens com a Cannabis sativa que se tem notícia são as fezes fossilizadas de um membro de nossa espécie que contêm claramente vestígios do pólen de Cannabis. Este cropólito foi achado às margens do lago Baiakal, na Ásia Central datado em 10 mil anos. É provável que a Cannabis tenha sido uma das primeiras plantas a serem domesticadas pelo homem há 20 mil anos - vários e fortes indícios levam a esta conclusão. Há 15 mil anos, acredita-se, a planta já era usada para a confecção de tecidos, cordas, fios, etc.. no entanto não se sabe se era já inalada ou ingerida deliberadamente com a intenção de alterar a consciência. Em todo caso há provas definitivas do uso cultural da Cannabis há 6.500 anos naquela que é considerada a mais antiga cultura neolítica da China chamada Yang Chao. Nessa cultura, as fibras da planta eram usadas na confecção de roupas, redes de pesca e caça, cordas, etc., sendo que as sementes eram usadas na alimentação na forma de farinha, bolos, pudins e outras preparações. O livro de medicina mais antigo que se conhece, o Pên-Ts'ao Ching, remonta há 4 mil anos e fala do uso mágico das inflorescências femininas da planta: "Se tomada em excesso produzirá a visão de demônios. Se tomada durante muito tempo ilumina seu corpo e faz ver espíritos." Há 3.500 anos, o Atharva Veda, livro sagrado dos hindus, também se referia a Cannabis na forma de Bhang, preparação esta que incluía a resina da planta misturada com manteiga e açúcar. O Bhang era usado para "libertar da aflição" e para "alívio da ansiedade". Ainda hoje o Bhang é consumido livremente em algumas partes da Índia pelos recém-casados na noite de sua lua-de mel, como afrodisíaco. A religião hinduísta acredita que a Cannabis é um presente dos Deuses. De fato, diz-se que a planta teve origem quando Shiva (uma das personalidades de Deus na tríade dessa religião), chegando a um banquete preparado por sua esposa Parvati, começa a salivar ao ver tantas delícias e das gotas de sua saliva que caem ao chão surge a planta abençoada. Os Shivaístas, devotos de Shiva, fumam continuamente a ganja (a planta feminina) com o charas (a resina das flores) para meditarem e se elevarem espiritualmente. Eles consideram que o chillum - o cachimbo onde a planta é fumada - é o corpo de Shiva, o charas é a mente de Shiva, a fumaça resultante da combustão da planta é a divina influência do Deus e o efeito desta, sua misericórdia. Os citas também faziam uso mágico-religioso da cannabis. Esta era privilégio dos nobres que se reuníam para consumi-la em tendas especialmente construídas para este fim. Estas tendas eram montadas sobre as areias do deserto e um grande buraco era aberto onde queimavamtoras de madeiras arométicas. Quando estas estavam em brasa, três ou quatro pés da planta eram jogado inteiros no buraco que era então coberto com uma tampa feita de pele de carneiro, exceto por uma abertura em torno da qual os participantes se reuniam para gozarem dos vapores que se elevavam. Isso há 2.800 anos. Os Assírios conheciam a planta a qual chamavam Kunubu ou Kunnapu, que veio dar no latin Cannabis. A planta era cultivada pelo rei, que a distribuía diariamente, junto com um litro e meio de cerveja, para todos os cidadãos, num claro exemplo de uso hedonístico, não anônimo. As qualidades medicinais da planta estão descritas em escrita cuneiforme num dos livros mais antigos da humanidade e que fazia parte da Biblioteca de Assurbanipal há 2.700 anos. Este livro pode ser visto hoje no British Museum em Londres. Entre os Gregos, a Cannabis na forma de haxixe era ingerida junto com o ópio na célebre preparação (descrita por Homero) chamada nepenthes, que aliviava as dores, angústias e preocupações. Dvido a proibição do Corão ao uso do álcool, desde sempre o haxixe e a Cannabis têm sido o embriagante preferido dos povos islâmicos. A célebre seita dos haxixin, liderada pelo afamado Al-Hassan Ibn Sabbah, o Velho da Montanha, fazia uso da planta. Seu líder levava os membros a um recinto onde estes fumavam haxixe em meio a um lauto banquete servido por jovens e belas mulheres que lhes atendiam em todos os seus desejos. Após isto, o Velho da Montanha lhes dizia que assim gozariam do paraíso de Allah caso cometessem assassinatos políticos que favorecessem a seita. A palavra assassino tem origem a partir desse episódio, já que os membos da seita eram chamados haxixin. É certo que os cruzados que os combateram aprenderam destes o uso do haxixe levando-o consigo de volta à Europa. Com a islamização do norte da África, a planta se espalha rapidamente por este continente e breve não só os povos islamizados dela fazem uso entusiástico como também as tribos animistas do resto da África. Um rei africano apresentado à erva, converte-se a seu culto e a tribo passa a se chamar Bena Riamba - "os irmãos da Cannabis". Todo dia ao pôr-do-sol, os membros desta tribo se reúnem em roda no pátio central da aldeia para fumar a planta. antes de passar o cachimbo, olham-se nos olhos dizendo: "Paz irmão da Cannabis". Representantes desta tribo são até hoje encontrados na costa sul de Moçambique. Assim como os Bena Riambe, muitas outras tribos se convertem ao uso da planta, incorporando-a em destaque no seu panteão. A palavra maconha, nome pelo qual é conhecida entre nós, vem de Ma Konia, mãe divina num dialeto da costa ocidental africana. Apesar de se saber que as caravelas portuguesas tinham seu velame e cordame feitos da fibra do cânhamo (Cannabis sativa), acredita-se que a Cannabis tenha sido introduzida no Brasil pelos negros escravos que pra cá foram trazidos. Os nomes pelos quais a planta é conhecida no Brasil indicam tal fato, já que são todos nomes de origem africana: fumo d'angola, Gongo, Cagonha, Maconha, Marigonga, Maruamba, Dirijo, Diamba, Liamba, Riamba e Pango. Este último vem do sânscrito Bhang, através do árabe Pang, até o africanismo Pango. De toda forma a planta esteve desde o início associada à população de origem africana sendo que a ampliação de seu uso, atingindo também aqueles de origem européia, era considerada por autores como Rodrigues Dória como "uma vingança da raça dominada contra o dominador". Os cultos afro-brasileiros sempre utilizaram a Cannabis. Já no século XVIII, os relatos sobre os calundus - reuniões de negros ao som de tambores - indicavam a presença da planta, que era inalada pelos participantes, deixando-os "absortos e fora de si". Até a década de 30 do século XX, quando são legalizados os Candomblés e Xangôs, a Cannabis era constantemente apreendida nos terreiros junto com os objetos de culto. A cannabis é considerada planta de Exu, sendo consagrada a esta divindade. Em 1830, a legislação do município do Rio de Janeiro punia o uso do "pito de pango", como era conhecida a Cannabis com pena de multa de 5 mil réis ou dois dias de detenção, esta foi nossa primeira lei a respeito da planta. Nas décadas de 20 e 30 deste século, são produzidos os primeiros trabalhos científicos brasileiros a cerca do hábito de fumar Cannabis. apesar de seus autores serem em sua quase totalidade médicos preocupados em justificar a proibição da planta, estes tinham um olhar etnográfico sensível, descrevendo com minúcias os rituais do "clube de diambistas", nome dado à associação de indivíduos com o intuito de fumar Diamba. Os diambistas eram, preferencialmente, membros dos estratos mais baixos da população brasileira, em especial pescadores que se reuniam para fumar a erva cantando loas a esta. São dessa época os famosos versos: "Diamba, sarabamba, quando fumo Diamba, fico com as pernas bambas. Fica sinhô? Dizô, dizô". Termos utilizados pelos diambistas, como "fino", "morra" e "marica" entre outros, são até hoje parte da gíria própria dos usuários de Cannabis. A distribuição geográfica do consumo de Cannabis na época incuía Alagoas, Sergipe, Pernambuco, Maranhão e Bahia. Daí, pouco a pouco o hábito se espalha e, a partir da década de 60, com a contra-cultura, passa a atingir outros estratos sociais. Atualmente seu uso é amplamente disseminado entre as camadas médias urbanas. Também os povos do novo mundo não ficaram imunes à Cannabis. Hoje em dia no Brasil, os Mura, os Sateré-Mawé e os Guajajaras fazem uso tradicional da erva. Os Guajajaras tem a planta em alta estima e sua presença na mitologia do grupo atesta a antiguidade de seu uso, que remontaria à segunda metade do século XVII. A planta é consumida no contexto xamânico, junto com o tabaco para proporcionar o transporte místico do Pajé e na sua divinação. No contexto profano, a erva é inalada em grupo antes de trabalhos pesados nos mutirões para dar disposição, indicando que a chamada "síndrome amotivacional" - associada a Cannabis - possa ser um fenômeno antes cultural que uma decorrência dos seus princípios ativos, Os dados jamaicanos parecem confirmar essa tese, uma vez que nesse país a Cannabis é amplamente fumada por trabalhadores rurais como estimulante antes de trabalhos pesados e extenuantes. Outros nativos da América também usam a Cannabis, entre os quais estão os índios Cuna do Panamá, que já possuíam escrita antes da chegada dos europeus, os índios Cora do México, e outros. Hoje em dia existem religiões organizadas onde observa-se o uso da Cannabis. Para os Rastafari da Jamaica, a planta é Kaya, energia feminina de Deus. Seu uso diário naquilo que é chamado "Irie meditation", a meditação na energia positiva, é justificado pelas seguintes passagens da Bíblia no Gênesis: "Eu sou Jeová teu Deus, eis que te dou toda planta que há sobre a terra, e que da semente nela mesma, para que fazeis bom uso dela" e no livro das revelações, o Apocalipse, quando descreve o paraíso: "Vi também a árvore da vida, cujas folhas são a cura das nações" Para a doutrina do Santo Daime, a planta é sagrada e identificada com Santa Maria, a mãe de Jesus. Para consagrá-la, é nescessário aderir a um uso diferenciado, sendo a planta consumida exclusivamente durante os rittuais, em silêncio, com o pito, a designação nativa para baseado, passando sempre no sentido anti-horário, isto é, da direita para a esquerda. Devida à longa história de associação entre nossa espécie e a Cannabis, esta apresenta um grande polimorfismo decorrente das inúmeras hibridizações levadas a cabo com a intenção de desenvolver plantas com qualidades desejadas. Sendo uma planta dióica, ou seja, possuindo os sexos separados em duas plantas: uma macho e outra fêmea, o gênero Cannabis compreende três espécies distintas: sativa, indica e ruderalis.