Ir para conteúdo
Growroom

Pesquisar na Comunidade

Showing results for tags 'brazil'.



More search options

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Avisos
    • Avisos
    • Bem Vindo ao Growroom
    • Blog
  • Cultivo
    • Informações Básicas
    • Solos e Substratos
  • Outros temas relacionados
    • Notícias
    • Ativismo - Cannabis Livre
    • Segurança e Leis
    • Eventos e Competições
    • Cannabis e a Saúde
    • Cannabis Medicinal
    • Comportamento
    • Culinária
    • Artes, Filosofia, etc
  • Multimidia Cannabica
    • Galeria de Fotos
    • Galeria de Vídeos
  • Cultivo Medicinal
    • APEPI

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


AIM


MSN


Website URL


ICQ


Yahoo


Jabber


Skype


Location


Interests

Encontrado 2 registros

  1. FreeZion

    Legalização pelo Mundo

    Já passou da hora, abaixo todos os contatos dos ministros e secretario de segurança publica. Escreva uma mensagem para eles em prol da legalização, pelo menos estamos fazendo algo ! Mostre a nossa força. Não vejo sentido algum ir contra a regra de outros países de 1° mundo. Esse é o mapa onde a Cannabis esta legalizada: Fonte: https://mindfray.com/debate/cannabis-laws-examining-marijuana-legalization-efforts-5-countries/ Contatos: MINISTRO RICARDO LEWANDOWSKI Telefone: (61) 3217-4017 Telefone: (61) 3217-4025 Telefone: (61) 3217-4269 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRO MARCO AURÉLIO Telefone: (61) 3217-4826 / 3217-4281 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRO DIAS TOFFOLI Telefone: (61) 3217- 4102 E-mail: [email protected] MINISTRO LUIZ FUX Telefone: (61) 3217- 4388 E-mail: [email protected] MINISTRO TEORI ZAVASCKI Telefone: (61) 3217- 4191 E-mail: [email protected] MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO Telefone: (61) 3217- 4323 E-mail: [email protected] MINISTRO EDSON FACHIN Telefone: (61) 3217- 4133 E-mail: [email protected] MINISTRO CELSO DE MELLO Telefone: (61) 3217-4077 E-mail: [email protected] MINISTRO GILMAR MENDES Telefone: (61) 3217-4175 E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] MINISTRA ROSA WEBER E-mail: [email protected] E-mail: [email protected] Telefone: (61) 3217-4236 MINISTRA CÁRMEN LÚCIA Telefone: (61) 3217-4348 E-mail: [email protected] Raul Jungmann - http://www.rauljungmann.com.br/
  2. The Tragedy of Failed Drug Policies in Brazil The current drug policy supported by the United Nations Organizations espouses that a world without drugs is possible. In pursuit of this goal, resources are spent on financing a blatantly warlike approach reflected in the term “war on drugs.” As if it were even possible to wage war on drugs; as if it were not a war fought against people. In Brazil, and more specifically in Rio de Janeiro, this approach has translated into a “criminal policy of bloodshed,” in the words of Nilo Batista. A social tragedy that affects everybody: addicts, users, small drug dealers and the general population. We all suffer under this warlike policy adopted many years ago. The implementation of Law 11343 has been a negative development. Its apparent policy of easing repression of the drug trade has actually resulted in a significant increase in the prison population, and especially in the number of people arrested for drug dealing. In reality, law enforcement promoted many users to the status of drug dealers. At the same time, small drug dealers who conduct this illicit activity to support their own use or to earn a little extra money and who make up the bulk of the cases, as revealed in a study by Luciana Boiteux, were relegated to the status of enemy of the state. The progressive proposition to allow small dealers, if arrested and convicted, to provide community service in lieu of a short jail sentence encounters many obstacles that prevent it from being effectively applied by the criminal justice system. This situation of extreme inequality is further aggravated by the fact that 42% of the municipalities in Brazil do not provide a Public Defender’s Office, leaving many young people, most of them black and poor, deprived of their right to an adequate and efficient defense. This means that a young person who is already discriminated against by law enforcement for being considered a drug dealer will rarely find a way out of this situation without proper legal assistance. In recognition of the failure of the current drug policies, the National Association of Public Defenders (Anadep) has launched the Bank of Injustices , in partnership with the Brazilian Committee on Drugs and Democracy (CBDD) and with support from Viva Rio. The Bank’s goal is provide a human face to the injustices that are being committed by enforcing drug laws, and to provide a platform for presenting cases of users or addicts wrongfully treated as drug dealers. The war on drugs has already been lost and the negative social outcomes are hard to overlook. The question remains as to what interests serve the maintenance of a repressive policy that has only resulted in increased violence, which over the course of 40 years has been completely incapable of reducing the consumption of drugs in the world. We must find an alternative to this war by developing policy connected to public health and disassociated from the stigmatizing repressive-criminal structure. It is time that we give some serious and unbiased consideration to alternatives that have never been tried in Brazil before, such as decriminalization, responsible regulation and, perhaps, the legalization of selected illegal drugs. Between the extremes, the failure of criminalization to one side, and completely irresponsible “liberalization” on the other, there are various frameworks that have been successfully implemented by other countries. One such an example is the experience of Portugal , where decriminalization ten years ago has resulted in a reduction of drug use among young people. Our only response so far to the complexity of the drug problem had been an insistence in simple stances such as “we are not prepared”” or “drug use will increase.” Portugal’s successful experience contradicts this paralysis. We have to try it. And why not? TRADUÇÃO A atual política de drogas apoiada pelas organizações das Nações Unidas defende que um mundo sem drogas é possível. Em busca dessa meta, os recursos são gastos com o financiamento de uma abordagem de guerra descaradamente refletida no termo "Guerra contra as drogas". Como se fosse mesmo possível fazer a guerra contra as drogas "guerra contra as drogas.";. Como se não fosse uma guerra travada contra as pessoas. No Brasil e, mais especificamente no Rio de Janeiro, esta abordagem traduziu-se numa "política criminal de derramamento de sangue", nas palavras de Nilo Batista. A tragédia social que afeta a todos: os viciados, usuários, traficantes pequenos e população em geral. Nós todos sofremos por esta política belicosa adotada há muitos anos. A implementação da Lei 11343 tem sido uma evolução negativa. Sua política aparente de aliviar a repressão do tráfico de drogas tem realmente resultou em um aumento significativo da população carcerária, e especialmente no número de pessoas presas por tráfico de drogas. Na realidade, a lei promoveu muitos usuários ao status de traficantes de drogas. Ao mesmo tempo, traficantes de pequeno porte que realizam esta atividade ilícita para apoiar seu uso próprio ou para ganhar um pouco de dinheiro extra e que compõem a maior parte dos casos, como foi revelado por um estudo de Luciana Boiteux, foram relegados à condição de inimigo do Estado. A proposição progressiva para permitir que os pequenos traficantes, se preso e condenado, para fornecer serviços à comunidade em vez de uma pena de prisão curta encontra muitos obstáculos que impedem que ele seja efetivamente aplicado pelo sistema de justiça criminal. Esta situação de extrema desigualdade é ainda agravada pelo fato de que 42% dos municípios do Brasil não fornecerem uma Defensoria Pública, deixando muitos jovens, a maioria deles negros e pobres, privados de seu direito a uma defesa adequada e eficiente. Isto significa que um jovem que já está discriminado pela lei para ser considerado um traficante de drogas raramente vai encontrar uma maneira de sair desta situação sem assistência jurídica adequada. Em reconhecimento do fracasso das atuais políticas de drogas, a Associação Nacional de defensores da Saúde Pública (Anadep) lançou o Banco de injustiças , em parceria com o Comitê Brasileiro sobre Drogas e Democracia (CBDD) e com o apoio do Viva Rio. O objetivo do Banco é dar um rosto humano para as injustiças que são cometidas através da aplicação de leis sobre as drogas, e para fornecer uma plataforma para a apresentação de casos de usuários ou dependentes injustamente tratados como traficantes de drogas. A guerra contra as drogas já foi perdida eo social negativo são resultados difíceis de ignorar. A questão permanece como a que interesses servem a manutenção de uma política repressiva que só resultou em aumento da violência, que ao longo de 40 anos tem sido completamente incapaz de reduzir o consumo de drogas no mundo. Temos de encontrar uma alternativa a esta guerra por política de desenvolvimento ligado à saúde pública e dissociadas da estrutura repressiva penal estigmatizante. É tempo que nós damos alguma consideração séria e imparcial para as alternativas que nunca foram tentadas no Brasil antes, como a descriminalização , a regulação responsável e, talvez, a legalização de selecionadas drogas ilegais. Entre os extremos, a falha de criminalização para um lado e completamente irresponsável a "liberalização" por outro, há vários quadros que foram implementadas com sucesso por outros países.Um exemplo um tal é a experiência de Portugal , onde a descriminalização há dez anos resultou em uma redução do uso de drogas entre os jovens. Nossa única resposta até agora para a complexidade do problema da droga tinha sido uma insistência em posturas simples, como "nós não estamos preparados " ou "uso de drogas vai aumentar." a experiência bem sucedida de Portugal contradiz essa paralisia. Temos que tentar. E por que não? http://www.beckleyfo...cies-in-brazil/
×
×
  • Criar Novo...