Ir para conteúdo
Growroom

Jasco Pastorius

Usuário Growroom
  • Total de itens

    18
  • Registro em

  • Última visita

    Nunca

Reputação

0 Neutral

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. isto só prova que a descriminalização é um grande passo pra legalização... quando entrar a lei aqui, vamos fazer festa!!! vamos fumar bombas nas ruas e acabar com as caras de espanto dos alienados!!!
  2. po eu plastificava a baga e fazia um quadro
  3. já li que se vc rega muito, a planta fica "preguiçosa", e as raízes não se desenvolvem como deveriam. mas pelo que entendi do flush, vc ENXARCA a terra, aí como fica? não é prejudicial?
  4. jahphael, totalmente apoiado! faltou só a imendinha que protege os usuários de plantar, e permitir um número "x" de plantas... a legalização depende de nós, para mudar a mentalidade hipócrita de nossa sociedade
  5. gravar lombradão pra mim eh problema...eu sempre erro..eh foda operar e tocar heheheh mas qdo tah tudo pronto...mixar de lombra rox!
  6. setentera lesera total! the mahavishnu orchestra detona... e diambero concordo contigo
  7. será o fim das representações? será que um dia "veremos" a realidade?
  8. Um bom passo adiante, mas faltou reformar os artigos 12, 13 e 14 e deixar a gente plantar nossa erva. Só com o tempo poderemos mudar a cultura (falsa moralista típica..) de preconceito contra usuários.
  9. Legalizar as drogas por José Arbex Jr. Os chamados entorpecentes são um problema de saúde pública, não de polícia. A ilegalidade das drogas só serve para proteger a lavagem de dinheiro. “A diferença entre a droga ilegal e a legal é que uma é ilegal”, disse o ministro Nilmário Miranda (Secretaria Especial de Direitos Humanos), em Porto Alegre, no dia 22, ao defender a descriminalização do consumo de drogas no país. “Ninguém cogita colocar na cadeia o consumidor de álcool, mas a bebida também provoca a violência e crimes, tanto ou mais que as drogas ilegais. Como o consumo de álcool e de tabaco é tratado como caso de saúde pública, entendo que o consumo de drogas ilegais também deve ser tratado da mesma maneira, não como crime”, disse o ministro. A declaração não causou grandes repercussões, mas aponta o único caminho efetivo de combate às drogas. O senso comum, reforçado pela mídia, diz que o narcotráfico é uma “questão de polícia”. Não é. O narcotráfico movimenta por ano, no mundo, algo em torno de 500 bilhões de dólares, quantia equivalente ao produto interno bruto (PIB) brasileiro. Esse dinheiro não está na Rocinha, mas em circulação nos meios financeiros internacionais, incluindo os bancos e as bolsas de valores. As regras de sigilo bancário e a tradição de segredo que cerca os negócios financeiros são o caldo de cultura para o florescimento dos vínculos entre as máfias e os bancos. Obviamente, é muito raro que essas instituições permitam o “vazamento” de dados estabelecendo sua conexão com o crime organizado. Bancos envolvidos Uma dessas ocasiões aconteceu em abril de 1991, quando o banqueiro saudita Gaith Pharaon, à época um dos quinze homens mais ricos do mundo, declarou, em Buenos Aires, que todos os grandes bancos lavam narcodólares, incluindo instituições como o First Bank of Boston e o Crédit Suisse. Pharaon se ressentia do fato de que apenas o seu Bank of Credit and Commerce International (que seria o estopim de um grande escândalo financeiro, em 1992) fosse citado com freqüência por suas vinculações com o tráfico. Pharaon era também dono de uma cadeia de supermercados na França, acionista da rede mundial do Club Mediterranée e da rede de hotéis Hyatt. As organizações criminais se ajustaram ao processo de globalização da economia neoliberal, o qual implica um fluxo livre de capitais através de sistemas informatizados. As organizações criminosas atuais articulam vínculos internacionais com capacidade de influir nos rumos da política financeira de um país. Nos locais em que atuam, formam “Estados dentro de Estados”, como na Colômbia e na Rússia, e agora, evidentemente, no Brasil. Criam grupos que reconhecem apenas suas próprias leis, fortemente municiados com armas de tecnologia avançada e dinheiro suficiente para corromper juízes, políticos (eventualmente, até presidentes), além de comprar jornais, emissoras de rádio e televisão. A evidência mais dramática do alcance das “novas máfias”, até agora, foi dada nos anos 80, pela Operação Mãos Limpas, na Itália, durante a qual a investigação levada a cabo pelo Poder Judiciário prendeu ou indiciou altas personalidades, incluindo magistrados, ministros de Estado, senadores e boa parte da cúpula política, em particular honrados senhores da Democracia Cristã. Coube ao principal expoente da operação, o juiz Giovanni Falcone, propor a realização de reuniões internacionais contra o crime organizado, no quadro da ONU. A idéia, proposta por Falcone pouco antes de seu assassinato, em maio de 1992, decorreu da percepção de que nenhum país poderia, isoladamente, combater o poder avassalador do crime organizado. No Brasil, é impossível calcular com exatidão o impacto financeiro e político do dinheiro “sujo”. Uma das razões para isso foi explicitada, no início dos anos 90, durante o escândalo Collor-PC Farias: as autoridades não tinham, à época, o menor controle sobre a movimentação bancária. Essa situação foi agravada pelas leis aprovadas no início de 1992 pelo presidente Collor, permitindo que capitais estrangeiros – incluindo, obviamente, os narcodólares – comprassem títulos e ações nas bolsas de valores do país. Depois disso, houve um início de processo de “moralização” do sistema, principalmente no setor do Fisco, mas que não conseguiu impedir a prática de megafraudes, como a do Banestado, responsável pela exportação ilegal de bilhões de dólares. E mais: as comissões parlamentares de inquérito (CPIs) sobre narcotráfico e sistema financeiro nunca chegaram às últimas conseqüências. Foram convenientemente interrompidas, quando os seus caminhos implicaram até a patente de coronel da Polícia Militar. Descriminalização Dado esse quadro geral, um dos caminhos mais óbvios para o controle do narcotráfico é aquele apontado por Nilmário Miranda: a descriminalização das drogas, ponto de vista defendido até por intelectuais conservadores, como o economista Milton Friedman, da Escola de Chicago. A sua eventual legalização, numa etapa mais avançada, implicaria a sua taxação pelo governo, com uma arrecadação extra que poderia construir hospitais, escolas e centros de reabilitação; permitiria o controle dos laboratórios, que teriam de garantir a pureza de seu produto; e possibilitaria a sindicalização de camponeses que, muitas vezes, são obrigados a trabalhar em condições de escravidão. Mais ainda: a legalização cortaria uma das fontes de renda da rede de policiais e políticos que vivem de propinas e extorsão. Mas a legalização, ou mesmo a descriminalização, não interessa à Casa Branca. Da boca para fora, Washington é o “inimigo número 1” das drogas; no mundo real, a CIA (serviço secreto) patrocina e promove o narcotráfico, além de usar os narcodólares para armar, treinar e financiar grupos terroristas. Esse esquema permitiu à CIA, nos anos 80, organizar a Al Qaeda de Osama bin Laden, quando interessava que fundamentalistas muçulmanos combatessem o Exército Vermelho no Afeganistão. Esse mesmo esquema armou o Exército de Libertação do Kosovo (ELK), nos anos 90, quando Bill Clinton atacou a Sérvia, tradicional aliada da Rússia na Europa Central. Em seu recente livro Guerra e Globalização – antes e depois de 11 de Setembro de 2001 (editora Expressão Popular), o professor canadense Michel Chossudovsky produz abundância de evidências sobre isso tudo. A “guerra ao narcotráfico” também permite aos Estados Unidos enviarem as suas tropas à Amazônia, em vasta operação militar de reconhecimento e ocupação da maior área de reserva biológica e mineral do planeta. A “guerra suja” armada pela Casa Branca na Colômbia e no Equador, conhecida como Plano Colômbia (agora, Iniciativa Andina), promove o deslocamento de nações indígenas de áreas que são de interesse das transnacionais; na Colômbia, causa uma imensa tragédia social: cerca de 2 milhões de camponeses expulsos de seus lares pela violência abarrotam as periferias das cidades. No Brasil, a “guerra ao tráfico” possibilita ao FBI e à DEA (agência de combate às drogas) a criação de mecanismos de controle da Polícia Federal e dos serviços de informação brasileiros, como demonstra, exaustivamente, o jornalista Bob Fernandes, na série de denúncias feitas na Carta Capital. Direito de opção Descartada a via da legalização das drogas, só resta a do controle policial e repressão. Mas cada nova medida repressiva tomada pelo Estado apenas gera novas respostas do lado das máfias, ou através de atos violentos, ou com novos “investimentos” em subornos e corrupção, ou ainda mediante a adoção de novas tecnologias (os grupos mafiosos são tão sofisticados, que já criaram a maconha transgênica, capaz de exalar um odor que engana os cães rastreadores da polícia). No meio disso tudo, perplexo e angustiado, está o cidadão comum. A Rocinha é um resultado desse processo. A alternativa é dar aos cidadãos o direito de decidir livremente sobre o uso ou não das drogas. O Estado tem obrigação de oferecer todos os meios ao seu alcance para esclarecer os cidadãos sobre as eventuais conseqüências do consumo de narcóticos, bem como oferecer meios médicos, sociais e psicológicos, se necessário, para recuperar pacientes vitimados por qualquer espécie de droga – incluindo o tabaco e o álcool. A defesa do direito individual de opção, combinada com a exigência de que o Estado cumpra com suas obrigações democráticas, remete à questão maior colocada pelo exercício da cidadania. José Arbex Jr. é jornalista. http://carosamigos.terra.com.br/
  10. tbem acho uma hipocrisia sem tamanho proibir seu filho de fumar, ainda mais se vc fuma. eu jah fumei com meu pai, que me alertou dos males da erva, e me deu uma boa educação sim senhor, com certeza muito melhor do que alguns pais "caretas" que eu vejo por aí. a vida é cheia de vícios, e vale mais um filho também usuário e esclarecido do que um que não usa e sem instrução, escondido atrás da hipocrisia dos pais.
  11. Aih growlera...gostaria q vcs comentassem a respeito dessas strains que o johnny tah oferecendo em relação a tamanho, qual é mais indicada para iniciantes, qual se adapta melhor ao nosso clima no caso de outdoor, etc... valew! keep growin'!
  12. tem amoniaco sim ,quando eu peguei 50g ele tava cheiroso com cheiro de skunk, mas eu conservei mal e saiu akele chero de a´moníaco....arghhh bo m memo eh o in-natura
  13. esse manga-rosa desde pivete eu ouço falar... esse negócio de 2x1, 3x1 os cara tão inflacionando memo o mercado... o 2x1 eh mto forte, qq eh, um fumo normal bem conservado...qq cs acham? aki na baixada atracou um fumo q lembra mto o cheiro de skunk, eu paguei 2x1 memo, e um brother me falo que era "o clone" (só umna denominação, clone num keh dize nada) eu apresentei pruma mina em sampa e ela falou q lah esse eh o "3x1", hidroponico...tb num dah pra dizeh c eh hidro... pra mim eh um cruzamento de uma seed gringa com nacional q os maluco plantaram em larga escala, outdoor memo pra vender... qq cs acham??
  14. Tem como dizer a espécie desses prensados que vêm do paraguai e do nordeste??? variedade nacional? dá pra notar uma diferença de "nuances" de gosto/cheiro entre os fumos, não sei se é conservação, aditivos do tráfico (fuckers!)...alguém sabe ae?//
×
×
  • Criar Novo...