JapaFungi

Usuário Growroom
  • Total de itens

    701
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

518 Excellent

Profile Information

  • Gender
    Not Telling
  • Location
    Planeta Terra, Sistema Solar, Galáxia, N.420
  • Interests
    Coisas boas e gostosas, de primeira linha.

Últimos Visitantes

5216 visualizações
  1. Fala brow,já conseguiu montar seu grow?

  2. Fala brother blz? Deixa eu te fazer uma pergunta, vc esta aqui no Japao?

  3. Salve, salve, amigos do GR! Tô na correria dos preparativos do meu bebê, por isso estou meio sumido daqui. Vi que nesse meio tempo as coisas mudaram um pouco. Desculpem a franqueza mas... realmente não gostei desse novo GR... tô me batendo pra caramba pra me entender com esse troço! até agora não achei meus tópicos, também não vejo mais os links ou assinaturas do pessoal... aquilo facilitava o acesso ao material dos colegas, hein... Desculpem o desabafo... talvez seja apenas a aversão natural às mudanças, inerentes ao ser humano. Abraços e bom final de semana à todos. 

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. CannaCult

      CannaCult

      Inveja da sua chuva, apesar de que aí no sul (esse ''bah'' não nega a origem hehe) aqui em sampa, calor do egito, quando caem duas gotas é muito...essa vida de extremos tá difícil...Obra é obra é, vem com a dor cabeça no pacote, sempre correria hehehe! bom fds, abraços!!

    3. catnip

      catnip

      ae japa!

      eu acho que melhorou, o visual está praticamente igual mas as ferramentas muito melhores. Activity stream, modo de upar fotos.. update com fotos.. 

      só o search que aparentemente era melhor, pois a cada página do resultado que clica, o site pede para você aguardar alguns segundos como se fosse pesquisa nova.

      só falta o logotipo no topo da página pra carimbar

    4. JapaFungi

      JapaFungi

      Pode crer, CAT! Naquele dia eu estava mesmo de pá virada, hehehe. Já já me acostumo ao layout, o lance é que tenho vindo pouco aqui por falta de tempo. Mas logo que as coisas normalizarem um pouco, eu venho participar mais. Abraço, man!

       

  4. E aí, gente? Pelo visto, todos os estudos ainda são inconclusivos. Então eu conto com o depoimento pessoal do pessoal da casa, tal como fez a colega acima. Alguém mais? Abraços.
  5. Eu tive muitos problemas com tabaco, viciado crônico, altamente dependente. Felizmente, com vontade e ajuda médica consegui me livrar do hábito (do vício nunca me livrarei) e não fumo há cerca de 4 anos. Só o fato de pensar em ficar sem cigarro me deixava apavorado. Quando fico sem maconha, também sinto vontade de fumar - mas nada a ponto de alterar meu humor, ou de me fazer juntar e fumar pontas (coisa que já fiz inúmeras vezes com bitucas). É impressionante como essa "fissura" é leve, quando comparada à abstinência de nicotina. Aqui quase nunca falta, e quando falta não é nenhum bicho de sete cabeças... Lembrando que aqui também, tal como o Coruja, o cigarro ainda vem em sonhos. Quando acordo, a primeira coisa que faço é cheirar as mãos. É um alívio constatar que foi só sonho... minha vida melhorou muito sem o tabaco. Abraços!
  6. Adorei. Sempre gostei da nossa língua. Convivo diariamente com estrangeiros e é unânime: acham lindo o som da língua portuguesa falada no Brasil. Mesmo os que não entendem. Gostam da musicalidade da fala. É importante saber usá-la bem. Para saber se fazer entender bem. Isso nem sempre é fácil. Tem gente aqui que ainda fuma grama, com tanta maconha boa! Eu diria para começar exercitando na padaria. Peça "- duzentos gramas de presunto fatiado, sem capa, por favor." Tenho a sorte (bem...) de conviver com vários amigos maconheiros que são escritores profissionais - romancistas, redatores, editores, tradutores - e sempre levo "puxadas de orelha". Mas isso tudo é para melhorar, para provar que maconheiro não é burro. Eu faço o que posso pra preservar a língua nesse mundo atual e cabuloso de td, pq, vc, tb, hauahuahua, kd ... Êita pêga! Tem um cacoete antigo que alcançou o país todo (de tradução mal-feita dos filmes e programas americanos, pois na língua inglesa é correto e quase sempre se coloca o adjetivo antes do substantivo), aqui, acabamos ficando com "ótimas opções", "belas garotas", "simples situações", "apurados paladares", sem saber ao certo a diferença, ou quando aplicar. É fácil ouvir o comercial do Polishop e sacar que o texto que o gordinho bobo-alegre gosta de gritar, é apenas uma tradução ipsis litteris de um roteirinho em inglês (e bem sem-vergonha). Até acho que o mais importante é conseguir se fazer entender, já que esse é o intuito da comunicação. Mas texto escrito sem cuidado nenhum, assassinato da língua... pra quem gosta de ler, é foda! É o equivalente a ouvir um disco arranhado, que faz a agulha pular. Estraga o embalo! Bem legal, CanhamoMAN! Eu tô chapadásso, escrevendo dez linhas por hora e achei beeeem legal. Buenas tardes GR, que também ajuda na cultura geral!
  7. Eu continuo pesquisando o assunto. Até agora tudo o que li de "negativo" foram textos tendenciosos, com falta de informação ou fonte, com "achismos". Em compensação encontrei este acima e outros, em outros idiomas. Pra mim e na minha casa, a erva só fez bem. Mas minha mulher está grávida, por isso quero saber mais. Não quero prejudicá-los. Em princípio, as drogas que sabemos que ela precisa reduzir são: açúcar branco, sal, gordura trans... bebemos vinho, raramente. Fazemos exercícios moderadamente. Levamos uma vida saudável. Mais ainda, quando a maconha entrou em casa. Espero que meus filhos colham os frutos do nosso esforço para melhorar a sociedade em que vivemos. Já combinamos - nada de religião em casa. Deus é uma coisa, religião é outra. Pelo menos pra nós, que não somos cristãos (mas respeitamos reciprocamente as culturas que têm esta crença e outras). Nada de fazer coisas em nome de ninguém, nada de fazer coisas porque "faz parte das convenções." Meus filhos vão aprender princípios bons dentro de casa. Aprenderão que não se deve apontar o dedo pro outro, não se deve julgar pela aparência ou preferência. Não se deve julgar, aliás. Tudo no tempo certo. Aprenderão que maconha é uma planta que serve para muitas coisas, até como remédio para adultos. Pro o corpo e pra cabeça. Aprenderão principalmente a ter discernimento e que em muitos casos, não é só porque é "lei" que é certo. Aprenderão que "pra ser feliz, pode tudo e tá tudo certo. Contanto que não prejudique o outro". Aprenderão, porque eu ensinarei. Serei pai outra vez... *** Edit: Espero que os colegas possam contribuir com mais discussão sobre o assunto, mais material, mais informação. Abraços!
  8. Amigos! Nesta semana soube que seria papai e imediatamente fomos atrás de informações, já que ela fuma também. Encontrei um texto, Mellow Moms - A look at medical marijuana use during pregnancy - traduzi aqui pro GR. Minha filha de sete meses sabe mesmo se divertir. Quando está no meio de gente, imediatamente mostra uma carinha amiga, vira uma figura. As pessoas ficam impressionadas como ela é desenvolta e como fica relaxada de maneira natural. Ela já passou por várias mostras de filmes independentes, fica numa boa com as bandas nos bastidores e até poderia ser a menina do pôster "Sossegada." Sempre me pergunto se isso não está ligado com o uso de cânabis pela minha esposa, durante a gestação. Assim que o teste de farmácia deu positivo, fomos pra livraria na hora, atrás de livros sobre maconha e gravidez. Descobrimos que existe algumas pesquisas sobre o assunto e surpreendentemente o que existe é benigno e até positivo. Um dos estudos mais positivos que encontrei foi feito por Melanie Dreher, Diretora de Enfermagem no Centro Médico Rush em Chicago, publicado em 1994 no Diário Americano de Pediatria. Dreher estudou mulheres jamaicanas e o desenvolvimento dos bebês durante toda a gravidez, um grupo que fumava, outro que não fumava. Diferente de testes feitos nos Estados Unidos, estas mãe fumaram apenas maconha e não consumiram álcool, tabaco ou outras drogas. Embora Dreher esperasse ver discrepância de peso e resultados neurológicos negativos nos bebês cujas mães fumavam maconha, não houve diferenças negativas em nenhum sentido. No entanto, o que os pesquisadores perceberam é que os bebês de mães maconheiras quiseram socializar mais rapidamente, fizeram contato visual antes e se entregaram com mais facilidade. Esta tendência foi mais acentuada nos bebês das mães que fumavam mais. Na realidade, com 30 dias os bebês de mães que fumavam mais maconha se mostraram mais sociáveis e independentes que o outro grupo. Também são menos irritáveis, precisam menos de intervenção externa para se acomodarem e têm a fisiologia mais bem regulada. Sobretudo, bebês de maconheiras foram considerados mais estimulantes para quem cuida, comparados aos bebês de não-maconheiras com a mesma idade (de um mês). "Nossos testes mostraram que crianças de mulheres que usaram maconha demonstraram mais atenção, estabilidade e adaptação do que as crianças cujas mães não usaram maconha", disse Dreher numa entrevista para o Cannabis Culture. "Isso foi constatado na idade de um mês. Analisamos as crianças novamente aos quatro e cinco anos de idade e descobrimos que não há malformações visíveis nas crianças das mães maconheiras. Na verdade, de várias maneiras, se saíram melhores do que os filhos de mães não-usuárias. As mães maconheiras também pareceram estar melhores que as mães não-usuárias." A pesquisa de Dreher não é o único estudo sobre gravidez que deixará as mamães ligando os vaporizadores. Outra pesquisa mostra que bebês que testaram positivo para THC, têm quase o dobro de chance de sobreviver. Canabinoides também estão presentes naturalmente no leite materno e servem para aumentar o apetite, para fazê-los comer. E esta é apenas a ponta do vulcão... *** My 7-month-old daughter knows how to party. Get her around people, and she immediately puts on her social face, cracking up on sight. People are amazed at how interactive she is, how mellow and at ease she can be, rolling with the flow like B is for Bob Marley. She’s sat through independent film screenings, hangs out backstage with bands and could be a poster girl for “chill.” I often wonder if my wife using cannabis during her pregnancy might have something to do with it. When that big red plus sign first appeared on the stick, we immediately hit the bookstore for literature on cannabis and pregnancy. We learned that little research exists on the subject, and what does exist is surprisingly benign, and even positive. One of the most positive studies I came across was done by Melanie Dreher, Dean of Nursing at Rush Medical Center in Chicago, published in 1994 in the American Journal of Pediatrics. Dreher studied Jamaican women during their entire pregnancy and into their babies’ development, some who smoked cannabis during gestation and others who abstained. Unlike similar tests in the U.S., the mothers only smoked pot and did not use alcohol, tobacco or other drugs. Though Dreher expected to see adverse birth weights and negative neuro tests in the babies of marijuana smoking mothers, there were no negative differences found whatsoever. What researchers did notice, however, was that the babies of the toking moms tended to socialize more quickly, made eye contact sooner and engaged easier. This tendency was most prevalent in the babies of the heaviest smoking moms. In fact, babies of the heaviest cannabis using mothers tended to be even more socially responsive and autonomically stable at 30 days than their matched counterparts. They showed a higher quality of alertness and had more robust motor and autonomic systems. They were also less irritable, needed less outside facilitation to organize and had better self-regulation. Overall, babies of tokers were judged to be more rewarding for caregivers than the average bee at one month of age. “Our testing showed that the children of women who used ganja had better alertness, stability and adjustment than children of women who didn’t use ganja,” Dreher said in an interview with Cannabis Culture. “This was measured at the age of one month. We measured children again at four years and at five years of age, and found that there were no apparent deficits in the children of marijuana-using mothers. In fact, in many ways, they were better off than children of non-smoking mothers. The ganja-using mothers also seemed better off than non-users.” Dreher’s research isn’t the only pregnancy study that will leave mom tapping her bottom lip with a vape pen. Other research shows that babies who test positive for THC have nearly twice the chance of survival. Cannabinoids are also naturally present in the breast milk and work to induce babies with the munchies to get them to eat. And that’s just the tip of the Volcano… What do you think about pregnant women using marijuana? Tell us in the comments below! Learn more about marijuana use during pregnancy in Issue 11 of Cannabis Now Magazine, on stands June 2014. http://cannabisnowmagazine.com/current-events/joint-opinions/mellow-moms-a-look-at-medical-marijuana-use-during-pregnancy Editado pela moderação: Até onde se sabe, cannabis não é recomendado para crianças e gestantes. Não incentivamos o consumo de cannabis nessas situações.
  9. Duplicou-se ao passar pela autorização da moderação. Segue link do tópico: http://www.growroom.net/board/topic/58008-mamaes-tranquilas-um-exame-sobre-o-uso-de-maconha-medicinal-durante-a-gravidez/
  10. Ôpa... isso sim é uma boa ideia! Até mesmo sem que a lei vingue (preferencialmente). Tipo uma em maio, outra em novembro!
  11. Serei papai!

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. Kiutiano

      Kiutiano

      Parabéns, filhos são presentes para aprendermos que sempre existe algo novo a aprender e amar pelo simples fato de amar

    3. JapaFungi

      JapaFungi

      Valeu, gente! Vocês são demais!

    4. BomConheiroX

      BomConheiroX

      + 1 criança bem educada no mundo,oh yeahh!

  12. Parece complicado... mas tem que lembrar que nessa idade o lance de fumar também tem muito a ver com afirmação em grupo. Beber também, tabaco também. As primeiras baladas, noitadas, porres e orgias... sou pai e também estou me preparando para isso. Como cada lar é um caso e cada família tem seu modo de viver, desejo a você boa sorte e serenidade para transmitir bem ao seu filho, de forma que você continue sendo um aliado pra ele, um porto seguro pra onde voltar. Pai tem muito peso! Mas é fato que o grupo de amigos vai influenciá-lo (com todo mundo é assim), faz parte da vida em sociedade, é uma etapa que o adolescente vai passar. No meu caso, felizmente meu pai é meu melhor amigo. Abri o jogo com ele quando comecei a fumar tabaco, aos quase 13. Mas eu trabalhava e pagava meu cigarro (também eram outros tempos). Com 28 abri o jogo que usava cânabis, em minha casa, na minha privacidade. Boa sorte.
  13. Tomara que não fique por isso mesmo e que essa campanha possa seguir ativa.
  14. Caríssimos! Alguém por acaso saberia recomendar alguma growshop na ESPANHA? Irmão passeando por lá até julho, topou trazer uns fertilizantes. Quero pedir os GHE! Abraços, gente!

    1. Kiutiano

      Kiutiano

      depende de qual parte da Espanha esteja, mas, bom preço Servovendi,http://kaya.es/es/portada, mas na Espanha não vai ser difícil encontrar não.

    2. OveRal

      OveRal

      Em Barcelona tem a La Huerta, em frente ao Camp Nou

    3. JapaFungi

      JapaFungi

      Obrigado, meus bons! Vou recomendar! Abraços.