leosnr2012

Usuário Growroom
  • Total de itens

    9
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    1

leosnr2012 last won the day on August 27 2012

leosnr2012 had the most liked content!

Reputação

16 Good

1 Seguidor

  1. Esta é uma obra colaborativa e expressa um ponto de vista. Não somos a favor do uso de drogas. Somos a favor de uma discussão aberta e honesta sobre as drogas. Texto criado a partir das referências abaixo:
  2. O Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina – Florianópolis entrou no Comitê de Campanha de Lucas de Oliveira (Presidente THC) com MANDADO DE BUSCA E APREENSÃO após pedido do promotor de Justiça Sidney Eloy Dalabrida ter sido deferido pelo Juíz Luiz Felipe Siegert Schuch da 13ª Zona Eleitoral. Oficiais de Justiça do TRESC vasculham o quarto de Lucas de Oliveira. Os oficiais de Justiça entraram no comitê e apreenderam todo o material de campanha restante que continha o que chamaram no Mandado de “símbolo da droga vulgarmente conhecida como ‘maconha’, ou imagens ou frases que façam referência ao consumo da substância entorpecente”. Carros Oficiais da Polícia Militar e Poder Judiciário Federal estacionados na frente do Comitê. fonte :http://pontacomopresidente.wordpress.com/2012/09/06/justica-eleitoral-entra-com-mandado-de-busca-e-apreensao-dos-materiais-da-campanha-do-presidente-thc/
  3. 'Presidente THC' pede liberação da maconha em Florianópolis Um candidato a vereador em Florianópolis vem chamando a atenção ao usar uma megafone, fazer referencia ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e defender a descriminalização da maconha como principal proposta de sua campanha. Em pleno centro da cidade, Lucas de Oliveira (PSDB), encarna o personagem chamado "Presidente THC", numa dupla referência ao ex-presidente FHC, que se manifestou favoravelmente à descriminalização da erva e a uma das principais substâncias da droga, o THC. Veja o cenário eleitoral nas capitais Veja quanto ganham os prefeitos e vereadores nas capitais brasileiras Desfilando de terno, gravata e faixa presidencial, Lucas é acompanhado de um boneco gigante. Diante do Terminal Central Urbano, um amigo usa um megafone para gritar "maconha, maconha, maconha pela descriminalização, vote presidente THC", como se estivesse imitando os tradicionais carros que vendem pamonha pelo Brasil afora. "Assumimos a discussão na cannabis no âmbito municipal e por isso vamos propor a regulamentação necessária sobre o tema. É uma política de redução de danos", disse. Estudante de Economia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Lucas é presidente do Instituto da Cannabis (InCa) e um dos organizadores da Marcha da Maconha em Florianópolis, o tucano diz não estar fazendo apologia ao defender a descriminalização da cannabis e propõe a elaboração de uma legislação municipal sobre o assunto. Sem espaço no horário eleitoral, o "presidente THC" vem focando em campanhas de pela internet e ações nas ruas. "Estamos focando em trabalhos de rua e fazendo uma abordagem cultural. Gritar maconha nas ruas é uma forma de quebrar preconceitos. Maconheiro não é um vagabundo e irresponsável. Pelo contrário, o canabinista é um sujeito tranquilo e não pode sofrer preconceito por isso", defende. O candidato afirma que sua participação no horário eleitoral acabou sendo "boicotada" pela direção da coligação majoritária. "Fizemos a propaganda e houve uma ingerência. Estamos lutando para colocar nossa propaganda no ar porque defender mudanças na lei não é fazer apologia às drogas", declarou Lucas. Os panfletos do candidato trazem uma foto de Lucas com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, também do PSDB, mas sua mensagem não é bem vista por todos. "Não acho certo ficar gritando o nome de droga na rua. Crianças e idosos passam o tempo inteiro no terminal de ônibus", afirma a balconista Claudete Marli Santana, 48 anos. fonte:http://noticias.terr...C.html#tarticle
  4. Uma decisão judicial autorizou um cartório de Florianópolis a conceder registro de estatuto social à entidade criada por estudantes universitários chamada de Instituto da Cannabis, a planta conhecida como maconha. O grupo afirma atuar na pesquisa, estudo, debate e também o uso recreativo, industrial e medicinal da droga. A sentença, que saiu no mês passado, é do juiz Alexandre Morais da Rosa, da 4ª Vara Criminal. O magistrado fez uma única ressalva: que o instituto mude a sua sigla "InCa" para evitar transtornos - Inca é a sigla oficial do Instituto Nacional de Câncer, órgão ligado ao Ministério da Saúde. Na decisão, o juiz afirma que há necessidade de se manter a liberdade de manifestação. Ele cita o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, um dos defensores da descriminalização da maconha, que nem por isso foi processado por apologia. O promotor Henrique Limongi se diz inconformado com a autorização do registro ao instituto e entrou com recurso no Tribunal de Justiça (TJ/SC), ainda não julgado. Limongi diz que a autorização é absurda e a define como uma aberração, pois na sua visão a entidade estaria dedicada à disseminação e incentivo ao uso da maconha. A intenção do instituto em se oficializar gera discussão na Justiça desde o ano passado. Foi quando o grupo formalizou um pedido de registro de estatuto social no cartório Faria, no Centro, que ficou em dúvida e consultou a Justiça. Na época, o promotor determinou o envio a uma das promotorias criminais. Os integrantes do instituto negam apologia à droga e afirmam que a intenção do grupo é fazer pesquisas sobre o entorpecente e que o registro possibilitaria a busca por recursos. Fonte : http://diariocatarinense.clicrbs.com.br/sc/geral/noticia/2012/08/justica-autoriza-cartorio-a-dar-registro-a-instituto-da-cannabis-em-florianopolis-3865861.html