Maconiaco

Consultores Jurídicos GR
  • Total de itens

    478
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

413 Excellent

Profile Information

  • Gender
    Male

Últimos Visitantes

1282 visualizações
  1. Primeiramente, não acredito ser ético envolver outras pessoas na nossa bronca, acho que se sujou para o amigo sem que ele tenha culpa a melhor coisa é você como o responsável da bronca assumir o ônus. Deixar que ele vá a DP para se explicar de algo que não fez ainda que seja para falar que não tem nada a ver com a história é complicado. Mas pode ser uma saída. Se ele for lá e apenas falar que não autorizou nenhuma compra e que não reconhece a encomenda nem sabe quem fez ele poderá arcar com o ônus de sustentar isso até o final das investigações. Não sei o que pode vir a ocorrer no decorrer dessas investigações, os riscos são muitos, desde nada ficar provado, até um possível indiciamento como autor da compra, sem ter sido. Então, eu acho que por uma questão de honestidade e lealdade, vc deveria ir e se apresentar como o autor da compra, mandar a real, que fez em nome do terceiro que nada tem a ver com isso, que nao sabia do conteúdo da remessa, que apenas estava de boa-fé afim de ajudar um amigo. Daí é dizer o protocolo, que as seeds seriam para tentar cultivar para consumo próprio, fins medicinais ou recreativos, não importa, mas diga a real; dizer que não tem certeza do êxito do cultivo também é bom para teses de defesas futuras. Enfim, vai muito da consciência de cada um. Na minha eu nao deixaria os amigos responder ainda que para dizer que não sabem de nada por uma bronca que é minha. Paz. Espero ter ajudado.
  2. Bud querendo mofar; coloquei no congelador. alguma dica?

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. biscoito71

      biscoito71

      h202 com antiinflamatorio eu nunca vi.

    3. naturehigh
    4. serelepe22

      serelepe22

      leia o rotulo da agua oxigenada 10 volumes.... ta lá o tal do antiinflamatorio. Ele serve pra evitar que a H²O² perca seu oxigenio e se transforme em agua

  3. Ceia dos Excluídos de Páscoa. Vamos juntar forças.

    1. Sr. James

      Sr. James

      opa, to ai, como ajudar ?

    2. Mofs
    3. Sr. James

      Sr. James

      demoro, sabado vou passar la na galeria river e levar alçguma coisa, nao deve ser mt pois essa epoca ta sinistra de grana, mais vou ajudar com alguma coisa, sabado to lá.

  4. A Sétima Turma do Tribunal Superior do Trabalho reconheceu a dispensa por justa causa de um fresador demitido após ser flagrado por câmeras de segurança fumando maconha nas dependências da E & M Indústria Mecânica, em Betim (MG), durante o intervalo para repouso e alimentação. A decisão, que seguiu o voto do relator, ministro Ives Gandra Martins Filho (foto), reformou entendimento do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG) que havia afastado a justa causa. Abordagem policial O empregado, que afirma ter sido demitido sem justa causa, narra em sua inicial que, em abril de 2009, ele e um amigo estavam almoçando fora das dependências da empresa quando foram abordados por três homens com distintivo da Polícia Civil que, aos gritos, diziam "a casa caiu, levanta que você está preso" e perguntavam "onde está a droga?". O autor da ação teria afirmado aos policiais que não fazia uso e nem tinha posse de nenhum tipo de droga. Sempre de acordo com seu relato, após a abordagem ele e o colega foram conduzidos ao escritório da empresa, onde os policiais relataram que, a pedido da empresa, teriam instalado câmeras camufladas para observar a movimentação em um lote ao lado da mecânica. O procedimento de vigilância se dera após denúncia anônima de que alguns funcionários estariam fazendo uso de drogas nas dependências da empresa. Foram então encaminhados para outra sala onde assistiram a um DVD que mostrava apenas a imagem dele e de outro funcionário conversando, "sem consumo de drogas". O DVD, segundo o empregado, era de data anterior à da abordagem. O fresador afirma ainda que teve todos os seus pertences e seu armário pessoal revistados, sem que fosse encontrado nada que o comprometesse. Após a chegada da Polícia Militar, teria sido conduzido para delegacia para averiguações e, ao voltar para a empresa, demitido. Para o empregado, o motivo de sua demissão seria sua condição de membro da Cipa e empregado sindicalizado. Contestação Para a empresa, todo o procedimento de dispensa teria ocorrido dentro da legalidade. Na contestação, afirma que, após a denúncia anônima, comunicou o fato à polícia, que teria feito a instalação dos equipamentos de monitoramento dos funcionários. As imagens captadas comprovariam a conduta que deu causa à demissão do fresador. A empresa afirma ainda que o funcionário teria sido conduzido à delegacia por ter sido encontrado, durante a revista em seu armário, cápsulas deflagradas de balas calibre 38. Segundo a empresa, as imagens teriam sido captadas em um lote vizinho, que servia de estacionamento dos veículos funcionais. Decisão O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Betim (MG) manteve a justa causa aplicada ao trabalhador. Segundo o juiz, diante da análise da prova pericial das imagens do DVD e da leitura do laudo, houve o convencimento de que os empregados realmente fumavam maconha nas dependências da empresa na hora do almoço, "quando deveriam estar recuperando suas forças para dar sequencia à atividade produtiva". Na sentença, o juiz ressalta o fato de que o perito, ao ser perguntado sobre o tipo de cigarro que constava nas imagens, disse não haver "nenhuma sombra de dúvida de que o cigarro não era convencional, mas de maconha". Para o perito, "a forma com que os fumantes tragavam e aspergiam a fumaça" não deixavam dúvidas, "do ponto de vista técnico", de que estavam fumando um cigarro de maconha. A decisão foi reformada, porém, pelo Regional, ao analisar recurso ordinário do empregado. Para o TRT-MG, apesar da atitude suspeita do empregado, seria necessário, diante da gravidade da acusação, uma "prova mais robusta do que o parecer de um perito" que se baseou apenas no exame de imagens. "O que se tem é uma suspeita, que é séria, da prática de ilícito, mas não a certeza deste fato." O Regional considerou razoável atribuir tanto à empresa quanto ao empregado a responsabilidade pela rescisão do contrato de trabalho – à empresa porque optou pela dispensa imotivada diante da suspeita quanto ao procedimento do empregado, e ao empregado por ter agido de forma a levantar suspeitas de que estivesse praticando ato condenável durante seu intervalo para descanso e refeição. Dessa forma, foi revertida a justa causa, com a consequente condenação ao pagamento das verbas rescisórias decorrentes da extinção do contrato de trabalho. TST O ministro Ives Gandra Martins Filho, relator do recurso ao TST, ressaltou em seu voto que, sobre o uso de entorpecentes no ambiente de trabalho, há duas possíveis visões críticas a serem observadas. A primeira, sob a ótica do Direito Penal, leva em conta que delitos como esse deixam vestígios e, ainda que se fizesse uma perícia técnica, seria necessária a análise da substância contida no cigarro mostrado nas imagens a fim a comprovar "que se tratava de Cannabis sativa". Porém, do ponto de vista trabalhista, o ministro assinalou que se deve observar o poder disciplinar do empregador, baseado na "relação interpessoal e na confiança" que deve existir entre o empregado e o empregador. Daí a CLTenumerar, em seu artigo 482, "além do mau comportamento, outras causas até menos graves que a tratada aqui nos autos", salienta. Para o relator, o laudo pericial concluiu, de forma segura, que realmente teria havido o uso de entorpecente no ambiente de trabalho, através de imagens que são "absolutamente autênticas e que não sofreram alterações (montagem)". Assim, entendeu que o Regional, ao afastar a justa causa, violou o artigo 482, alínea "b", da CLT, "porque, sem sombra de dúvidas, a conduta do empregado configurou mau comportamento". O processo foi remetido ao Regional após certificado que não houve interposição de recurso. (Dirceu Arcoverde/CF - Foto: Aldo Dias) Processo: RR 93500-64.2009.5.03.0142 http://www.tst.jus.br/noticias/-/asset_publisher/89Dk/content/tst-reconhece-justa-causa-de-empregado-que-fumou-maconha-no-intervalo-do-trabalho
  5. Dissociar o THC do CBD é msm uma incoerência; nós sabemos bem que são complementares e moduladores cerebrais que se conjugam e completam. A grande questão é saber levar essas informações de forma sistematica e pedagógica; é tudo muito novo para a nossa sociedade; e o THC sempre foi um grande inimigo; o CBD está vindo como uma novidade redentora para nossa planta; aos poucos vamos demostrar que o país não sabe nada da planta. Acredito que precisamos traçar uma estratégia de ativismo nas trincheiras da ciência. Agora com esse precedente acredito que seja a hora certa para pressionar a ANVISA para que autorize as pesquisas com cannabis em nosso pais. Não podemos ficar reféns dos laboratórios Americanos; precisamos produzir aqui; e essas crianças podem nos ajudar a conquistar essa etapa de nossa história.
  6. Foto da primeira reunião de organização da marcha 2014. Sigam no face, aqueles que tiverem. https://www.facebook.com/marchadamaconhani?ref=stream
  7. Vapor, um conselho para você. Aqui no fórum sua dúvida já foi devidamente esclarecida uma centena de milhares de vezes; de todo modo, a resposta que vc precisa se encontra na lei 11343/06, precisamente no artigo 28, § 1º.... É importante que nós nos preocupemos em manter o fórum "limpo" sem que a plataforma fique carregada de informações e perguntas redundantes; como você é novo tem todo direito de perguntar e ser respondido e temos enorme prazer nisso; porém, é essencial que busque a informação antes de postar as perguntas; isso vale para dicas de cultivos e tudo o mais que temos de disponível para você..... Nossa arma é o estudo, estude e você logo logo vai estar dando aula....abçs
  8. Maconiaco

    Verão 2013

    Chease in door do Maconiaco; 250 hqi na veg; 400 hps flora...
  9. O que vai acontecer é que será lhe oferecido uma transação penal, uma obrigação a ser oferecida pelo MP para que deixe de promover a denúncia e se inicie uma processo crime contra você; as medidas que vc elencou fazem parte da pena que pode ser imposta pelo juiz em caso de condenação, que vai desde a admoestação verbal até a prestação de serviços e multa.... Enfim, você escolhe aceitar a transação e evita o processo ou segue em frente e tentar se defender; mas o melhor conselho no seu caso, como se trata de direção de veículo sob influência de subst. psicoativa o melhor é realizar a transação e evitar a lide processual.... Enfim, é basicamente isso...
  10. Galera, já temos mais de 150 inscritos.....Vai ser do caralho! Vamos marcar presença lá; seria legal fechar o bonde dos growers!
  11. Com problemas para upar as fotos no diário...

    1. Mostrar comentários anteriores  %s mais
    2. Maconiaco

      Maconiaco

      vlw...mas era exatamente o que eu estava fazendo....chegando em casa eu tento novamente....abçs

    3. xismaeroa

      xismaeroa

      Rola também abrir a foto, clicar ao lado direito em 'share', e copiar o BBCode e colar no texto do diário. Assim a imagem nao aparece na hora que vc tá escrevendo.

    4. xismaeroa

      xismaeroa

      Agora que fui abrir seu diário e ver que tá de boa com as fotos, e isso que vc perguntou é de 6 de janeiro... hahah Abs