Ir para conteúdo
Growroom

dogoargentino

Banidos
  • Total de itens

    1343
  • Registro em

  • Última visita

  • Days Won

    1

Tudo que dogoargentino postou

  1. a perguta é só uma: CADE A PROVA DE CIRCULABILIDADE PRA ENQUADRAR COMO TRÁFICO??????? leia a lei anti drogas......
  2. Segundo Christopher Hitchens, autor do livro "Deus não é grande" (2007), a religião, a fé e a superstição, distorcem nossa noção geral do mundo, ao ponto de envenenar tudo ao seu redor. Talvez você, assim como eu, não concorde com a forma radical de Hitchens generalizar o mundo da fé, mas este jornalista e escritor é assim mesmo: direto, contundente, frontal, polêmico e irônico. Não é por acaso que ele integra o quarteto fantástico do ateísmo (ver postagem anterior). Em março do ano passado (2010) ele esteve em Portugal e deu uma entrevista para o site i. Reproduzo aqui algumas partes interessantes desta entrevista para que você perceba como as suas respostas refletem bem o seu estilo: i: De que forma é que a religião envenena tudo, como diz no seu livro? Hitchens: A religião diz-nos que não temos liberdade, que fomos feitos por um ser superior. Esse ditador divino disse-nos que não saberíamos nada e que não seríamos capazes de distinguir o bem do mal. É uma forma doente de educar as pessoas. Envenena porque te torna num escravo, mas a religião não vai acabar. i: Porquê? Hitchens: Porque tem como principais recursos a estupidez humana, a crendice e a vaidade, disfarçada de humildade. A religião não acaba porque somos egocêntricos e temos medo de morrer. Assim, acreditamos que dizemos umas coisas pela ordem certa e vamos para o céu. Até agora nunca foi provado que aquele ser onisciente e benigno existe. i: Porque escreveu "Deus não é Grande - Como a Religião Envenena Tudo"? Hitchens: O debate entre os que acreditam no sobrenatural e os que não acreditam é o mais importante. Na altura (2007) havia um confronto entre a teocracia e a democracia. Além disso, tinha a sensação de que nos EUA estavam fartos de ver o ensino da biologia substituído por religião, com a história do criacionismo. A violência da jihad também era, e é, uma preocupação real. É o reavivar de superstições medievais, com crueldade e estupidez. i: Em várias culturas sempre houve a noção de Deus, porquê? Hitchens: É inato à mente humana procurar padrões para entender o mundo. Somos primatas que precisam disso, foi assim que aprendemos a domesticar animais, entendemos o padrão, logo o seu comportamento. A desvantagem é que preferimos aceitar qualquer tipo de padrão a nenhum. Haverá uma razão para que todas as igrejas de Lisboa tenham caído em 1755*? É tão importante para nós. De certeza que é importante para o cosmos. Mas estão enganados. Não havia plano, há sim uma grande falha entre Lisboa e os Açores. (* Ele faz menção ao famoso Terremoto de Lisboa considerado pelos cristãos como um dos grandes sinais registrados na Bíblia que indicavam o início do Tempo do Fim). i: Somos demasiado egocêntricos? Hitchens: Uma das grandes piadas da religião é que defende a ideia de que somos simples criaturas, não valemos nada, mas depois acrescenta: "Já agora, nós somos a razão pela qual o Sol se levanta." Pergunto: "Sou humildes ou não?" Aliás, são muito arrogantes. Pensam: "Claro que todas as igrejas de Lisboa caíram porque comi a mulher do meu amigo." i: Mas a religião não é importante na educação, já que cria padrões morais? Hitchens: É um argumento muito comum em todas as religiões. Tenho uma pergunta para essas pessoas: se a religião é a base da moral então enumerem-me uma ação moral que só uma pessoa de fé possa fazer e que eu, como ateu, não possa? Não existe. E conseguem indicar-me uma ação cruel que um crente faça apenas por causa da sua fé? Os exemplos são muitos: do 11 de Setembro à Inquisição. i: Existem religiões mais perigosas do que outras? Hitchens: Nos anos 30 e 40 do século XX, diria que a mais perigosa era o catolicismo romano porque estava relacionado com o fascismo. Agora é muito claro que é a versão mais radical do islamismo. Não aceito que vivamos à mercê de pessoas que às vezes nos toleram outras não. Quando armas de destruição maciça caem nas mãos de loucos, ou temos de ser muito educados para não os chatear - que para mim seria uma humilhação intolerável - ou vamos esperar pelo veredicto final - que é uma versão ainda pior do mesmo dilema. Recuso-me a viver um dia da minha vida submisso ao prazer destas pessoas. Achei muito interessante ele afirmar que a religião não irá acabar porque nunca deixaremos de ser egocêntricos. Será que "no frigir dos ovos" não seria isto mesmo? Todos nós queremos viver agora e viver para sempre, queremos encontrar a felicidade, queremos ter paz, queremos sentir-nos seguros e queremos exatamente as respostas que se alinhem com estas nossas necessidades básicas. Resumindo: As pessoas não estão em busca da verdade, mas sim em busca de segurança.
  3. claRO...TODO PM ANDA COM UM PAR DE KILO DE CRACK NA VIATURA....putz....
  4. se jesus existiu, era o maior boiola....devia dar o toba para os apostolos...
  5. vendedor de pedra merece pica com cerol no toba....
  6. putz....grande merda se aceitou o sr jesus ou se aceitou a mula sem cabeca......
  7. A cirrose hepática ocupa o sétimo lugar entre as causas de óbito em maiores de 15 anos no país. No ano passado, o Ministério da Saúde desembolsou 51 milhões de reais com o tratamento de 90.000 dependentes de álcool...isso em 1999
  8. ali fala-se em contaminacao pelas bombonas usadas, na verdade a producao de cachaca sem a minima higiene pode resultar em cachaca com metanol devido a presenca de leveduras que produzem o metanol.... Vendo essa materia fico pensando: a importacao de maconha barata do paraguai nao acabara nem com uma eventual legalizacao .Vai ser o mesmo caso dos cigarros paraguaios.alguem ja fumou carlton do paraguai???
  9. Marvada pinga Cachaça envenenada com produto químico mata treze pessoas no sertão da Bahia Karina Pastore Manoel Bispo e Maria Oscalina, duas das vítimas da contaminação, e garrafas da cachaça produzida nos alambiques clandestinos: febre, enjôo, taquicardia e morte Fotos: Fernando Vivas Serrinha é uma típica cidade do sertão da Bahia. Pobre, vive apenas da criação de bodes e cabras. A maior diversão dos 76.000 moradores é beber. Segundo estimativas da Associação dos Produtores de Cachaça da Bahia, o município consome cerca de 25.000 litros de pinga por mês. Descontando-se as crianças, que compõem um terço da população, isso significa que cada habitante de Serrinha bebe, em média, 6 litros por ano um dos mais altos índices de consumo de destilados do mundo. Na semana passada, essa vocação etílica resultou em uma tragédia. Até a última sexta-feira, treze pessoas tinham morrido em Serrinha depois de tomar cachaça contaminada com um tipo de álcool conhecido como metanol. Produzido a partir do gás natural extraído em poços de petróleo, o metanol é uma substância altamente tóxica usada em postos de gasolina na mistura de combustível. O primeiro a tomar conhecimento da tragédia da cachaça foi o agente funerário Eufrásio de Souza, de 74 anos. Dono da única funerária do município, Souza viu dobrar a venda de caixões em poucos dias. "Tudo mundo chegava aqui dizendo que os parentes tinham morrido de cachaça", ele conta.Assustado, Souza avisou o filho, que trabalha na Secretaria de Saúde da Bahia. Na investigação feita em seguida descobriu-se que os mortos tinham apresentado os mesmos sintomas: náusea, cegueira, taquicardia e muita sede. São todas reações características de intoxicação por metanol. Exames feitos pelo Departamento de Polícia Técnica da Bahia confirmaram que a bebida vendida em bares e botecos da cidade estava envenenada. A causa mais provável da contaminação é o uso de embalagens com restos de metanol por alambiques clandestinos que produzem e distribuem a cachaça. Exagero Essa foi a segunda vez em sete anos que a venda de cachaça contaminada com metanol provocou mortes em série no interior da Bahia. Na vez anterior, em 1990, vinte pessoas morreram em Santo Amaro. Outras duas ficaram cegas porque um dos primeiros efeitos do metanol é a paralisia do nervo ótico. Em Serrinha, a contaminação foi agravada pelo exagero no consumo da bebida. Um levantamento da Secretaria Municipal de Saúde revelou que todas as vítimas eram alcoólatras. Uma delas, o agricultor Manoel Bispo de Almeida, de 68 anos, tinha bebido 6 litros de cachaça em apenas três dias, segundo depoimento de familiares. Sua mulher, Maria Oscalina, também morreu intoxicada. "O metanol é o principal responsável pela morte dessas pessoas, mas o consumo excessivo acelerou o processo", afirma Luis Renato Carazai, médico psiquiatra e presidente nacional dos Alcoólicos Anônimos, AA. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, o álcool é a terceira causa de morte no mundo. No Brasil, 17. 000 pessoas morreram por alcoolismo entre 1990 e 1994, segundo os últimos registros disponíveis no Sistema Único de Saúde. A cirrose hepática ocupa o sétimo lugar entre as causas de óbito em maiores de 15 anos no país. No ano passado, o Ministério da Saúde desembolsou 51 milhões de reais com o tratamento de 90.000 dependentes de álcool. A indústria nacional de bebidas fatura 2,5 bilhões de reais por ano. Grande parte da cachaça consumida no interior do país é produzida em alambiques clandestinos, que funcionam sem nenhuma fiscalização ou controle das autoridades. Só na Bahia existem cerca de 2.500 desses alambiques artesanais. A última vez que eles passaram por algum tipo de inspeção foi na década de 70. Os alambiques baianos produzem bebida sem nenhum cuidado com a higiene e a distribuem em embalagens improvisadas chamadas "bombonas". São grandes recipientes de plástico originalmente fabricados para armazenar produtos químicos no Pólo Petroquímico de Camaçari, entre eles o metanol. Depois de usadas, essas bombonas são vendidas livremente na Bahia. Na feira de São Joaquim, a mais tradicional de Salvador, pode-se comprar uma bombona de 50 litros por 20 reais ainda com o selo do produto químico que ela armazenou. O distribuidor Martins da Silva: vinte anos de ilegalidade Foto: Fernando Vivas Veneno O maior distribuidor de Serrinha, Martins Oliveira da Silva, o "Louro", vende cachaça ilegal há vinte anos. Ele compra a aguardente concentrada de alambiques de Feira de Santana e Amélia Rodrigues, cidades próximas. Depois mistura água e essência na bebida para transformá-la em uma cachaça com menor teor alcoólico. Pelo mesmo processo também produz vinagre e um vinho conhecido na região como jurubeba. Nessa operação, cada litro da aguardente original acaba multiplicando-se por 4 de bebida sem rótulo. Nos bares da cidade, o litro dessa pinga caseira custa 80 centavos apenas um quarto do preço da bebida industrializada. O único sobrevivente conhecido até agora da tragédia de Serrinha é Antônio João da Silva, 41 anos, separado, pai de quatro crianças e também alcoólatra. Ele passou muito mal depois de beber cachaça. Sentiu náusea e muita sede, mas não chegou a apresentar todos os sintomas da intoxicação. Os médicos acreditam que ele conseguiu neutralizar em parte os efeitos do metanol porque, além de beber a cachaça produzida pelos alambiques clandestinos, também consumiu aguardente industrializada. A cachaça de melhor procedência teria ajudado a amenizar os efeitos do veneno. "Foi muita sorte, mas não sei se consigo sobreviver ao meu vício", diz ele. Depois das mortes da semana passada, como sempre acontece nesses casos, as autoridades começaram a agir. Em Serrinha, o juiz proibiu a comercialização da bebida suspeita e mandou apreender 20.000 litros já distribuídos pelos alambiques. A polícia fechou várias distribuidoras, como a de Antônio José Santiago, que vendia 400 litros de cachaça ilegal por semana há três anos. Lá foram encontradas as bombonas que haviam sido usadas com produtos químicos. "Não tenho culpa nenhuma", afirma Santiago. "Faz três anos que vendo cachaça desse jeito e nunca aconteceu nada." Ele acredita que até o final do mês voltará a vender cachaça ilegal normalmente.
  10. E a mesma merda da lei seca americana , os traficantes vendiam alcool , corrompiam autoridades e matavam os que nao se corrompiam ou os rivais.E o que estamos vendo em nossa atualidade, com a excecao de que o produto proibido agora e muito menos nocivo e tem ate fins medicinais.Proibam a cerveja e no dia seguinte teremos traficantes de cerveja,feita em fundo de quintal, sem vistoria da vigilancia sanitaria, sem pagar impostos e fazendo a roda da corrupcao girar. So nao entendo o porque de um grande numero de pessoas aqui insiitir que o cara nao vendia....E obvio que ele vendia.
  11. Concordo....a maconha deveria ser como o milho por exemplo:Vc planta, vende, troca paga imposto.
  12. VENDER MACONHA DEVERIA SER ATIVIDADE LEGAL....SIMPLES..... MAS O MALUCO AI E TRAFI....SIMPLES....A PROPOSITO JAH DE CU E ROLA kkkkk
  13. Quero tre apresentar uma amiga minha,o nome dela e concordancia uhahuauhauhaha
  14. http://www.jusbrasil.com.br/topicos/2814426/apreensao-de-sementes-de-cannabis-sativa olhem nesse site...ficar achando que eles e que tem que provar que vc vendia e um delirio.... Neguinho ficar andando com um punhado de sementes e pedir pra se foder...
  15. na duvida ja leva vaselina tambem....
  16. porra, vc nao viu os peritos mostrando o baseado???????vc ao menos, se deu ao trabalho de ver o video??????
  17. e uma injustica...mas por que diabos esse vacilao me anda com um monte de sementes????? 12.fev.2004 - O procurador-geral da República, Claudio Fonteles, decidiu arquivar o inquérito criminal em que o deputado federal Fernando Gabeira (sem partido) foi acusado de tráfico internacional de drogas porque importou da Hungria, em 1996, 5 kg de sementes de maconha. Gabeira argumentou que o objetivo da importação era a pesquisa. O material seria entregue ao CNPA (Centro Nacional de Pesquisa de Algodão), da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), órgão do Ministério da Agricultura. se ele fosse o gabeira ai nao dava nada ....
  18. George Michael Crashes Car; Charged with Marijuana Possession Posted by Eric Lander on August 12, 2010 8:30 AM George Michael, British police say, has been charged with drugs and driving offenses after his car crashed into a building in an upscale residential area. London's Metropolitan Police department said Michael, 47, was charged on Thursday with possession of cannabis and with driving while unfit through drink or drugs.In a statement, police say Michael will appear at London's Highbury Corner Magistrates Court on Aug. 24.Michael was arrested last month after his car crashed into a building in the Hampstead district of north London.Last year, Michael was questioned by police after his car hit a tractor-trailer, but was released. He was banned from driving for two years in 2007 after pleading guilty to driving while on drugs segundo ele a maconha o mantem sao..... para quem nao conhece a episodio, ele assumiu ter fumado.... mas espere ai, sera que ele nao havia bebido e so jogou a culpa na erva????sera que nao foi a brasa que caiu no meio das pernas? Ou ele foi bater a cinza e o vento jogou a cinza direto em seus olhos????Porque uma coisa e certa: nao foi a maconha!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! auhahuahua so rindo mesmo...
  19. ah claro...o carro e o cemiterio dele....E incrivel essa tonica do GR, o maconheiro e certo ate quando esta errado.... Imagine , o maconheiro nao fumava quando ia dirigir pois tinha nocao que dirigir e atividade civica... aqui maconha nao traz maleficios, ajuda a dirigir mais devagar e atento ahuauhahauh e ainda ilumina ....
  20. http://g1.globo.com/...-sul-de-sp.html FOI ENCONTADO UM BASEADO NA PICK UP.... e a imprensa nao fez alarde sobre esse fato.... a unica coisa que dizem e que um casal morreu por cauda se um otario....
×
×
  • Criar Novo...