)Pot Head(

Usuário Growroom
  • Total de itens

    180
  • Registro em

  • Última visita

    Nunca

Reputação

3 Neutral

6 Seguidores

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. DAMPKRING: é muito bom. O pessoal é educado e tem um clima totalmente dutch. Ele não é muito grande e tem um bom cardápio de maconha. Os preços não são os melhores. Nos dias frios eu gostava de sentar no balcão próximo a janela para ver a galera passando na rua. Ele fica meio escondidinho e tem uma decoração orgânica muito legal. The Green House: (o próximo da Red Light). Ele é bem caro para comprar fumo, mas o ambiente é legal. Na vez que eu fui, o cara estava tão chapado que não entendia o meu pedido. Eu queria um café e ele me deu suco de maça . Eu recomendo olhar o menu de maconha. Eles tem ótima qualidade. The Rockery: (é assim que se escreve?). Eu gosto do que fica próximo a Leinsplain. O melhor é que ele fecha bem tarde. Tem um ambiente muito legal com atendentes muito gostosas Elas só enchem o saco se tu não comprar bebida. Me lembro de uma passagem quando a menina me falou: ----Não vai beber nada? ----Não. ----Vcs estão a mais de meia hora aqui sentados e não pediram nada. Para ficar tem que beber algo. ----Eu acabei de comprar 5g de maconha de vcs. Não quero beber agora. ----Isso é um bar. ----Estranho, só vejo nego fumando. ----Vai tomar algo? ----Uma coca, por favor. The Global Chillage: (também não sei se escrevi certo). Ele fica na Kerk Straat. Uma rua perpendicular a Leinsplain. Muito bom. Tem uns painéis lindos e boa música. O fumo tem um ótimo preço. Compreum O Purple outdoor organic deles que é barato e maravilhoso Não é um bom lugar para encontrar mulheres. Abraxas: Esse sim. O superskunk aqui tem o melhor preço. Vale conferir. É um coffe um pouco escondido mas com espaço e confortável. Ele tem 3 andares. No terceiro tem algumas plantas numa HPS florindo. Bonito de ver. Eu gosto de sentar na mesa grande e redonda que fica no primeiro andar, dá para ver a TV Pink Floyd. Eles são bons para comer um ranguinho a base de maconha. Os painéis pintados com figuras ilustrativas da banda são d+. Pegue um café e peça para ver a lista de hash que também é boa. Suba as escadas e fique na mesa do andar de cima ao lado da pintura do Whish you are here. Dá para ver a galera trablhando no bar. A trilha do coffe não podia ser melhor: Pink floyd. Galera, tem muitos outros, poderia ficar o dia inteiro escrevendo. Mas já estou entediado. Se alguém for para lá e quer umas dicas escreve um pvt. Abraço PS: Tem alguns errinho no texto, mas não tive saco para corrigir e coferir se os nomes estavam escritos corretamente.
  2. Que te falou isso de AMsterdam falou merda
  3. )Pot Head(

    #g13#

    Onde fica o Smokey? Essa WW que os coffee vendem de tabela padrão (igual em vários, 24 euros 4.5 gramas de ww) não é tão boa quanto a dos coffee maiores. Eu dei uma boa pesquisada e achei maconha muito boa e tão barata quanto. Abraço
  4. )Pot Head(

    #g13#

    O nome do autor do livro Mr.Nice, Howard Marks foi colocado na espécie G13 x Hash Plant. Daí o nome Mr.Nice G13 x Hash Plant. A Hash Plant vendida pelo sensi é 25% NL#1 e 75% Hash Plant. Que é uma espécie americana. Pelo que li é uma planta absurda, com muita resina e cheiro forte.
  5. )Pot Head(

    #g13#

    Essa Mr. Nice G13 x Hash Plant é uma das sementes mais caras do sensiseeds. Dei uma olhada no catálogo e essa planta assusta. As duas esp]ecies são pesadas. A Hash Plant por si já é uma maravilha, dizem que maconheiros holandeses experientes tem dificuldade de acabar um baseado! Acho que eles não divulgaram como foi feito esse cruzamento. Qual a % de cada strain. Mas ela ainda não ganhou nenhuma CUP, apesar de n'ao ser uma espécie tão nova. Gostaria de saber de alguém que plantou. Mr. Nice não é o revendedor das seeds. É uma homenagem. Abraço
  6. )Pot Head(

    Internet X SegurançA

    Eu prefiro não arriscar.
  7. )Pot Head(

    Internet X SegurançA

    Careca. Tô contigo e não abro. Se é para reabrir tem que fazer direito. Essa história de proxy é básica para quem planta.
  8. )Pot Head(

    Internet X SegurançA

    Continuo com problemas. Dá para entrar mas não logar. Qual a manha que vc usa verdim_?
  9. )Pot Head(

    Internet X SegurançA

    Tenho tentado entrar com proxy no grow e não consigo. Uso o link: http://www.anonymization.net/http://www.gr...board/index.php O foda é que depois de entrar na página não consigo logar. Ando meio nóia e se não conseguir proxy vai ser foda de continuar postando aqui. Abraço
  10. Spam: 260603 Por: RICARDO KELMER Eu tinha 20 anos quando decidi conhecer pessoalmente a maconha. Olhando agora de onde estou, 18 anos depois, vejo que esse encontro seria mesmo inevitável em minha vida pois desde pequeno nutri um inquieto interesse por tudo que se relacionasse à psique humana, seu funcionamento, suas leis, seu poder, psicologia, mitologia, estados especiais de consciência e o que mais fosse. Por isso seria absolutamente natural que, assim como um dia experimentei o álcool, eu também experimentasse a maconha. Se hoje em dia, século XXI, o assunto "drogas" ainda costuma vir numa forma confusa, desencontrada e impregnada de preconceitos e ouvi-dizeres, nos anos 1970 era ainda pior. Naqueles dias a questão das drogas ainda não integrava, como hoje, o contexto dos grandes problemas sociais e a maconha, particularmente, era quase sempre associada não à marginalidade mas à subversão política: quem fumava maconha eram os hippies, os artistas e a juventude metida com ideais revolucionários. A maioria das informações vinha envolta numa certa névoa de mistério. O assunto só fazia parte da mídia quando na página policial. Na escola não se tocava no assunto. Na família, ainda que se falasse, tudo era dito em voz baixa, meios termos, sem explicações consistentes. Meus pais, dentro daquele natural pavor de ver seus filhos envolvidos com drogas, nos aconselhavam a não aceitar refrigerante de estranhos pois podiam conter bolinhas. Tempos ingênuos em que o traficante era o pipoqueiro do colégio. Coitados dos pipoqueiros. Jamais conheci um que passasse fumo. No entanto eu lia bastante e algo me dizia que aquela história não estava muito bem contada. Lentamente comecei a desconfiar que a verdade de meus pais talvez fosse apenas um único aspecto da verdade maior. Talvez houvesse outros. Tudo isso ajudou a produzir em mim um bocado de curiosidade, o que terminou me levando a buscar mais informações em conversas, revistas, livros e filmes. A maconha era uma coisa muito estranha: era proibida, marginal, misteriosa. Era ilegal no Brasil e permitida em outros países. Era algo meio mágico. Era apreciada por artistas. Era coisa do demônio. Era inimiga do regime militar. Era fascinante. Eu simplesmente precisava descobrir por mim mesmo. Meus pais, que casaram pobres, enriqueceram com o trabalho e me proporcionaram uma adolescência de classe média alta: bons colégios, cursos de inglês e esportes. Durante dois anos participei de grupos de jovens católicos, chegando a ser coordenador. Aos 18 entrei para o curso de Comunicação Social. Personalidade calma mas bastante curioso e criativo, eu agora via o mundo se abrir à minha frente em novas cores, novas idéias, pessoas diferentes, possibilidades sem fim. Na faculdade muita gente fumava e logo eu percebi que o que se falava da maconha não condizia com a realidade: ali estavam pessoas que fumavam e que, não obstante, eram inteligentes, talentosas, produtivas, sociais, honestas, companheiras, saudáveis... Percebi logo que ser usuário não significava necessariamente ser doente ou dependente, assim como quem bebe não é necessariamente alcoólatra. Foi essa constatação que me ajudou a relaxar e admitir para mim mesmo que sim, eu estava curioso e gostaria de saber como era. Eu me considerava crescido o suficiente para enfrentar o tal perigo. 1984. Dois anos após ingressado na faculdade fumei meu primeiro baseado. E nada aconteceu. Já haviam me explicado que isso é comum, mas ainda assim fiquei meio decepcionado. Meses depois fumei novamente, durante um festival de música na cidade do Rio de Janeiro (*). Dessa vez foi diferente. Fumei mais do que devia, misturei com muita cachaça e o resultado foi um verdadeiro motim em minha mente, alterando percepções, confundindo idéias e me fazendo passar por um terrível mal-estar psicológico que durou duas horas mas que pareceu uma eternidade. Cheguei a pensar seriamente que morreria ali mesmo, longe de casa e no meio da multidão. Eu poderia ter adquirido aí uma profunda aversão à erva. Isso ocorre com algumas pessoas após uma iniciação traumática. Mas a curiosidade foi maior. Algo me dizia que não devia desistir, que havia coisas a serem descobertas. Ainda um pouco tenso por conta do trauma inicial, tentei outras aproximações, agora mais atento e cuidadoso. Aos poucos consegui relaxar e finalmente conheci os vários aspectos da maconha e seu grande poder. Mergulhei até onde senti que devia ir em minha busca por saber o que afinal era a maconha e o que de fato ela poderia ter de útil a me oferecer. Vi que existe o uso saudável e o doentio. Vi que ela pode mesmo confundir e iludir. Vi que ela é realmente poderosa e pode fazer uma pessoa escravizar a si própria e assim desequilibrar-se em seu caminho de realização pessoal. Vi que maconha, assim como qualquer droga, é coisa para adultos - e ainda assim nem todo adulto pode com ela. Mas vi também outras coisas. Vi que ela não é a vilã que tanto falam. Vi que nesse filme a maconha, na verdade, não é nem bandido nem herói: ela é como a água que tanto pode afogar quanto aliviar a sede. Vi que o que conta mesmo é o tipo de relação que se desenvolve com ela. Vi que a maconha também oferece coisas boas e foram elas que tratei de usufruir nessa amizade que se iniciava: momentos de tranquilidade e descanso, momentos de intensa atividade criativa, autodescobertas importantes, experiências de sadia comunhão com a Natureza além de inesquecíveis momentos de lazer e alegria. cannabis sagrada Como ocorre com o álcool, há quem fume mais e quem fume menos. Eu sempre fumei bem menos que a média dos usuários que conhecia. No início era uma espécie de autovigilância temerosa: eu não queria de jeito algum me viciar. Fumava esporadicamente quando achava que o momento era propício e seguro. Reprovava as atitudes de alguns amigos que fumavam demais e aprendia com o exemplo deles. Mas havia outra razão para eu fumar pouco: desde o início meus contatos com a erva sempre se constituíram de momentos especiais e, intuitivamente, logo percebi que não deveria banalizar esses momentos. Fumar maconha era como encontrar alguém muito sábio que sempre tem algo a ensinar, alguém poderoso que pode ajudar a descobrir e realizar coisas e até mudar uma vida, alguém tão misterioso que jamais se pode prever bem o que trará. Como eu poderia fazer disso um acontecimento comum e corriqueiro? Com o tempo minha relação com a cannabis foi se tornando cada vez mais transparente para mim. Perdi o medo de me tornar dependente no dia em que entendi que nossa amizade só teria sentido enquanto nossos encontros fossem especiais - mas para isso eles não podiam se tornar corriqueiros e banais. Aos 35 anos vivi uma incrível experiência xamânica com a jurema (outra planta de poder) e, entre as várias coisas que ocorreram nesse impressionante mergulho interior, entendi finalmente o que era a maconha e a natureza de nossa relação. Entendi que ela, do mesmo modo que a jurema e a ayahuasca, por exemplo, possui uma espécie de inteligência própria e pode, ao seu modo, se comunicar com a espécie humana. Porém, diferente das outras duas plantas em que o mergulho interior é bastante profundo, intenso e revelador, a maconha geralmente atua em níveis mais superficiais, presta-se ao lazer e pode ser usada em diversas circunstâncias. Foi exatamente durante essa experiência que entendi finalmente que a maconha é uma planta sagrada e deve ser devidamente reverenciada por quem a utiliza. Entendi que a Natureza se comunica com os seres humanos de diversas maneiras mas que eles, infelizmente, esqueceram que essa comunicação existe e, principalmente, que ela é imprescindível à saúde e à sobrevivência da espécie. Entendi que a maconha, como outras plantas de poder, tem a capacidade de fazer com que as pessoas se voltem para dentro de si mesmas e, uma vez lá, reencontrem as verdades mais básicas de suas vidas e sejam por elas guiadas. E que isso deve ser feito sempre com respeito e reverência, numa relação saudável e sem dependência, caso contrário a experiência se destitui de seu profundo significado e corre-se o risco de se perder num mundo de ilusões e auto-enganos. Depois daquele dia em que pensei que ia morrer, demorei 15 anos para compreender a natureza sagrada da maconha. Sei que a maioria dos usuários não alcança essa dimensão da planta e por isso sua relação com ela tende a ser banal, quando não destrutiva. É uma pena. A Natureza, através de suas plantas de poder, tem muito a nos ensinar. Infelizmente nossa sociedade adquiriu um vício terrível: o de banalizar tudo, até mesmo o que é sagrado, fazendo com que o significado essencial das coisas se perca. E, como todo viciado, ela reluta e reluta em admitir o erro. Sim, maconha serve para se divertir com os amigos, assistir um show, jogar futebol. Não tem nada de errado nisso. Tudo depende da consciência que se tem. No entanto se os usuários soubessem que as plantas de poder, como a maconha, são seres vivos que habitam este planeta há milhões de anos, que têm um tipo de sabedoria própria, que sempre se comunicaram com os seres humanos e os guiaram, que essas plantas podem ensinar, ajudar e até curar, então entenderiam essa simbiose como algo muito sagrado e teriam, consequentemente, uma relação mais respeitosa, responsável e muito mais saudável com elas. Passe esse texto para seus amigos e ajude a transmitir essa sabedoria adiante.
  11. Cara, as folhas novinhas nascem enquanto as velhas secam certo? Se a coisa tá assim a mais de 2 semanas.... Bom, tenta novamente. Foi oq eu fiz. Leia e veja se não parece com o teu problema: http://www.growroom.net/phpBB2/viewtopic.php?t=4232
  12. Cara, eu só reguei minha planta depois de 20 dias. Prá mim pode ter sido esse o teu problema. Se ela estagnou fudeu! Pode jogar fora.
  13. Cara, eu só reguei minha planta depois de 20 dias.