qualeda

Usuário Growroom
  • Total de itens

    74
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

2 Neutral
  1. http://polls.folha.com.br/poll/1029902/ Enquete sobre a legalização na FOLHA. Bora votar, estamos perdendo!
  2. Enquete na Folha, estamos perdendo, VOTEM http://polls.folha.com.br/poll/1029902/

    1. indoor_borg

      indoor_borg

      Não era uma abrir um POST para chamar geral do GR para votar ??

    2. Picax

      Picax

      ja esta aberto!

  3. O Joe Rogan é um grande figura! Nunca escondeu de ninguém que gosta de brincar com a mente. O cara sempre apoiou o uso da cannabis, cogumelos e DMT. Não dá para brincar com um cara que tem um tanque de isolamento no porão de casa. E a galera do MMA gosta bastante, o que voce acha que nego prefere depois de tomar um monte de soco na cara? Analgésico quimico ou natural?
  4. Com certeza, até por que o War on Drugs tem grande influencia sobre nosso modelo policialesco atual.
  5. Up in smoke - prohibition of cannabis proves counter-productive 7 Oct 2010 Prohibition of cannabis in the United States may be counter-productive, with a new study showing that a period of increased law enforcement against the drug coincided with an increase in the number of young adult cannabis users smoking cheaper and more potent produce. The report, Tools for Debate: US Federal Government Data on Cannabis Prohibition, conducted by researchers from the International Centre for Science in Drug Policy in Vancouver, focused on the effects of national drug prohibition in recent decades, and in an editorial published online this week for the British Medical Journal (BMJ), Professor Robin Room from the University of Melbourne and Turning Point Alcohol and Drug Centre, outlined why this new evidence should be used to reassess approaches to America’s management of cannabis use. “The evidence from the Tools for Debate report is not only that the prohibition system is not achieving its aims, but that more efforts in the same direction only worsen results,” he said. According to the report, the US federal antidrug budget increased from about $1.5bn in 1981 to more than $18bn in 2002. Between 1990 and 2006, cannabis related arrests increased from fewer than 350,000 to more than 800,000 annually and seizures of cannabis from less than 500,000 lb to more than 2.5 million lb. In the same period, the retail price of cannabis decreased by more than half, the potency increased, and the proportion of users who were young adults went up from about 25% to more than 30%. Intensified enforcement of cannabis prohibition thus did not have the intended effects. Professor Room said the challenge for researchers and policy analysts in light of these findings was to flesh out the details of an effective regulatory system. He suggested that countries who chose to adopt a new approach to cannabis control could allow a regulated legal domestic market while keeping in place international market controls. “State control instruments - such as licensing regimens, inspectors, and sales outlets run by the government – which are still in place for alcohol in some areas could be extended to cover cannabis and would provide workable and well-controlled retail outlets for cannabis,” he said. More information: Professor Robin Room, School of Population Health, University of Melbourne; and AER Centre for Alcohol Policy Research,Turning Point Alcohol & Drug Centre. phone: +61 3 8413 8430, +61 8413 8413, [email protected] or Emma O’Neill, Media Unit, University of Melbourne on 03 83447220 or 0432758734. http://newsroom.melbourne.edu/news/n-387 ---------------------- Tradução do google: Up in Smoke - proibição da cannabis prova contra-produtivo 7 de outubro de 2010 Proibição da maconha nos Estados Unidos pode ser contra-produtivo, com um novo estudo mostrando que o período de aplicação da lei contra a droga aumentou coincidiu com um aumento no número de adultos jovens usuários de maconha fumar produzir mais barato e mais potente. O relatório, Ferramentas para Debate: Governo Federal dos EUA dados sobre Cannabis Lei Seca, conduzido por pesquisadores do Centro Internacional de Ciência na Drug Policy, em Vancouver, centrada sobre os efeitos da proibição das drogas nacionais nas últimas décadas, e em um editorial publicado online nesta semana para o British Medical Journal (BMJ), o professor Robin Room, da Universidade de Melbourne e Turning Point Álcool e Drogas Centro, delineada por esta nova prova deve ser utilizada para reavaliar as abordagens à gestão da América do consumo de cannabis. "A evidência das ferramentas de relatório Debate não é apenas que o sistema de proibição não está a alcançar os seus objectivos, mas que mais esforços no mesmo sentido só piorar os resultados", disse ele. Segundo o relatório, os EUA orçamento antidrogas federal aumentou de cerca de US $ 1,5 bilhão em 1981 para mais de US $ 18 bilhões em 2002. Entre 1990 e 2006, as detenções relacionadas com a cannabis aumentou de menos de 350.000 para mais de 800.000 por ano e apreensões de cannabis, de menos de £ 500.000 para mais de £ 2.500.000 no mesmo período, o preço de venda de cannabis diminuiu mais de metade, o aumento da potência, ea proporção de usuários que eram adultos jovens subiu de cerca de 25% a mais de 30%. Intensificação da aplicação da proibição da cannabis, portanto, não ter os efeitos pretendidos. Professor do quarto disse que o desafio para os pesquisadores e analistas políticos, à luz destes resultados foi a carne para fora os detalhes de um sistema de regulação eficaz. Ele sugeriu que os países que optaram por adoptar uma nova abordagem para controlar a cannabis pode permitir a um mercado legal regulamentado nacional, mantendo em controles lugar no mercado internacional. "Instrumentos de controle do Estado - tais como os regimes de licenciamento, inspetores e pontos de venda funcionam pelo governo - que ainda estão no local para o álcool em algumas áreas pode ser alargada a cannabis e proporcionaria viável e bem-controlado pontos de venda de cannabis", disse ele. Mais informações: O professor Robin Room, Escola Superior de Saúde da População, Universidade de Melbourne; e Centro de Pesquisa de Políticas AER Álcool, Álcool Turning Point e Centro de drogas. telefone: [email protected] +61 3 8413 8430, +61 8413 8413, O'Neill e Emma, Unidade de Mídia da Universidade de Melbourne em 03 83447220 ou 0432758734. http://newsroom.melbourne.edu/news/n-387
  6. http://www.nytimes.com/2010/10/12/arts/design/12farm.html?_r=1&src=twt&twt=nytimes In California, Pot Is Now an Art Patron By RANDY KENNEDY Published: October 11, 2010 SANTA ROSA, Calif. — Nonprofit arts groups tend to spend much of their time scrounging for grants and praying for corporate largesse. But one art foundation taking shape on 120 acres in the high oak chaparral of Sonoma County has different kinds of worries these days: spider mites, bud rot and the occasional low-flying surveillance visit from the local Sheriff’s Office. This is because the foundation, called Life Is Art, recently began to reap a new kind of financing, in the form of tall, happy-looking marijuana plants. Late this month, with some help from the sale of its first small crop, grown under California’s liberal medical marijuana laws, the group plans to present an inaugural exhibition on its land, of sculpture and installation work by more than 20 visiting artists — some of whom will have helped bring in the harvest. The foundation’s hope is that income from succeeding crops will fully support such projects, in perpetuity, creating a kind of Marfa-meets-ganja art retreat north of San Francisco and a new economic engine for art philanthropy. At a going wholesale rate of $200 or more an ounce in the Bay Area for high-quality medical marijuana, it’s a lot simpler than raising money the traditional way, the project’s organizers point out. And — except for the nagging fact that selling marijuana remains a crime under federal law — it even feels more honest to the people behind Life Is Art. They see it as a way of supporting the cause with physical labor and the fruits of the land instead of the wheedling of donors, an especially appealing prospect in an economy where raising money has become more difficult than ever. “The whole game of finding support just started to seem so childish,” said Kirsha Kaechele, the foundation’s director, as she hauled a plastic tub of freshly harvested cannabis hybrid branches up a hill one morning recently on her rolling land just outside of Santa Rosa. “So I decided to grow up and became a marijuana farmer.” In California, where voters will consider a ballot initiative in November that would make theirs the first state to legalize marijuana for recreational use — and where some growers are already donating portions of their proceeds to nonprofit causes like AIDS charities — the idea of putting pot to work for the arts seems to be spreading. Artists Collective, a two-year-old medical marijuana service in Los Angeles formed with the idea of directing a large share of its income to the creative world, gave away its first chunk of money in August, to the winner of a national short-story contest it sponsored, judged by the novelist Neal Pollack. The initial prize was just $1,000, but Dann Halem, the collective’s founder and director, said the goal of the nonprofit organization was to become as effective and well known as Newman’s Own, Paul Newman’s food-based charity, which he cited as an inspiration. “Hopefully in the long run this is something that will be able to give millions and millions to the arts,” he said. Ms. Kaechele (pronounced KEH-shell-uh), 34, has spent the last decade directing public art projects in New Orleans. But after Hurricane Katrina and the recession, her operation was on the brink of collapse. That is when she started to think about the money-making possibilities of the rural land in Sonoma that she and her business partner, Jaohn Orgon, had bought six years earlier. “Everyone who knew that I had land in California just assumed I was growing pot on it,” she said, “which is kind of funny, and I’d tell them I wasn’t.” But after a conversation with the Brooklyn artist Fred Tomaselli, whose psychedelic art is sometimes made with marijuana leaves, she started to think seriously about the idea. She formed a California nonprofit called American Medicinals. (Growers in the state tend to operate as nonprofit or not-for-profit organizations.) Through Craigslist she found a veteran California growing expert whose long involvement in marijuana cultivation during the years when it was completely illegal had left him perpetually wary, prompting a strange series of initial e-mails in which he referred only to his expertise in growing goji berries. Now, six months after planting the crop from seed — a mix of two varieties, O.G. Kush and Cherry Pie, grown in two small outdoor plots and one indoor space — she and a handful of artists who will be making work for the show have been harvesting the plants and hanging them upside down on wires to dry in the barn that serves as the group’s headquarters and makeshift studio space. They sold their first dried and cured buds to medical users in the first week of October. They are loath to provide details about how much marijuana they hope to produce with the first harvest — plant limits vary from county to county, and they worry about how the Sonoma County Sheriff’s Office, which made an unannounced visit by helicopter in September, interprets the limits there. But their goal for next year’s crop is to generate $1 million after expenses to be used for art projects on the farm and to send back to support their programs in New Orleans, which they hope will ultimately be financed entirely by the farm. “We think it’s a completely realistic number,” Ms. Kaechele said. For the moment, though, the Sonoma wing of the foundation is still in its infancy and feels like a combination of Yaddo, a hip organic farm and a very laid-back commune (but with little smoking of the funds going on, at least in a reporter’s presence). Ms. Kaechele eventually wants to be able to set up artists’ residencies, to commission pieces from emerging and established artists and to pay for works that would remain permanently on the land, as Donald Judd’s do in Marfa, Tex., at the Chinati Foundation. While the debate about marijuana legalization has focused on its potential dangers, its mainstream benefits are starting to get more attention: higher tax income, struggling newspapers buoyed by marijuana ads. In California the potential for recreational legalization in November worries many medical growers like Mr. Halem of Artists Collective, who fear that the change would bring in corporate interests, cause prices to fall and push out growers with charitable aims. Ms. Kaechele and the young artists whose work will appear in the first exhibition, opening to the public on Oct. 22, seem overjoyed with the way things are working out so far, but not everyone shares the sentiment. A couple who live on a property adjacent to the farm, Steve and Catherine Matuszak, only recently learned of the growing operation nearby and said they were worried about increased traffic up the winding mountain roads and even more about the potential for thieves. “We don’t have concerns with them as individuals, really,” Ms. Matuszak, a dental hygienist, said of the new art-farm neighbors. “It’s just the situation that’s developing that worries us.” Ms. Kaechele said she wanted to work hard to win her neighbors over, and she even has an idea for dealing with the drug-crime concerns (another completely new kind of worry for a public-art organizer): She will ask artists to come up with proposals for alarms and security devices that will double as art installations on the land. “We see it as a set of curatorial problems for us to respond to,” she said. A version of this article appeared in print on October 12, 2010, on page C5 of the National edition. ----------------------------------------------- Tradução do google: Na Califórnia, o pote é um patrono das artes Por RANDY KENNEDY Publicado em: 11 de outubro de 2010 Santa Rosa, Califórnia - os grupos de artes sem fins lucrativos tendem a gastar muito de seu tempo para arrecadar doações e orando por liberalidade da empresa. Mas uma fundação de arte a tomar forma em 120 hectares no chaparral carvalho alta de Sonoma County tem diferentes tipos de preocupações nestes dias: ácaros, podridão gemas ea visita ocasional de vigilância a baixa altitude do escritório do xerife local. Isto porque a fundação, chamada "Vida é Arte, recentemente começou a ganhar um novo tipo de financiamento, sob a forma de altura, as plantas de maconha feliz para o futuro. No final deste mês, com alguma ajuda da venda de sua primeira safra pequena, cultivadas sob liberal Califórnia leis de maconha medicinal, o grupo pretende apresentar uma exposição inaugural em sua terra, da escultura e instalação de mais de 20 artistas convidados - alguns dos quem terá ajudou na colheita. A esperança da fundação é que o rendimento das culturas subsequentes irá apoiar plenamente tais projetos, em perpetuidade, criando uma espécie de Marfa cumpre-ganja norte retiro arte de San Francisco e um novo motor econômico para a filantropia art. Com uma taxa de ir por atacado de $ 200 ou mais uma onça na Bay Area de alta qualidade da maconha medicinal, é muito mais simples do que levantar o dinheiro da forma tradicional, os organizadores do projeto apontar. E - exceto pelo fato persistente de que vender a maconha continua a ser um crime sob a lei federal - até parece mais honesto com as pessoas por trás da vida é a arte. Eles vêem isso como uma forma de apoiar a causa com o trabalho físico e os frutos da terra em vez de iludir dos doadores, uma perspectiva atraente, especialmente em uma economia onde o dinheiro levantando tornou-se mais difícil do que nunca. "O jogo inteiro de encontrar apoio só começou a parecer tão infantil", disse Kirsha Kaechele, diretor da fundação, como ela transportou um tubo plástico de maconha recém-colhida ramos híbrido de uma colina numa manhã recente na sua terra de rolamento apenas fora de Santa Rosa . "Então eu decidi crescer e se tornou um fazendeiro de maconha." Na Califórnia, os eleitores vão considerar uma iniciativa de cédula em novembro, que faria dele o primeiro estado a legalizar a maconha para uso recreativo - e onde alguns produtores já estão doando parte de suas receitas a causas beneficentes sem fins lucrativos como a SIDA - a idéia de colocar a panela trabalho para as artes parece estar se espalhando. Artists Collective, um serviço de maconha de dois anos, médico formado em Los Angeles com a idéia de dirigir uma grande parte de sua renda para o mundo criativo, deu o seu primeiro pedaço de dinheiro em agosto, para o vencedor de um nacional de curta Concurso história que ele patrocinou, julgados pelo romancista Neal Pollack. O prêmio inicial era de apenas US $ 1.000, mas Dann Halem, o coletivo é fundador e diretor, disse que o objetivo da organização sem fins lucrativos, viria a se tornar mais eficaz e conhecido como a Newman's Own, a caridade de Paul Newman baseada em alimentos, que citou como fonte de inspiração. "Esperamos que a longo prazo isso é algo que será capaz de lhe dar milhões e milhões para as artes", disse ele. Ms. Kaechele (pronuncia-se KEH-shell-uh), 34, passou a última década, dirigindo projetos de arte pública em Nova Orleans. Mas após o furacão Katrina e da recessão, o seu funcionamento estava à beira do colapso. Ou seja, quando ela começou a pensar sobre as possibilidades de fazer dinheiro das terras rurais em Sonoma que ela e seu parceiro de negócios, Jaohn Orgon, havia comprado seis anos antes. "Todos sabiam que eu tinha terras na Califórnia, apenas achava que eu era o cultivo da maconha sobre ele", disse ela, "que é engraçado, e eu lhes digo que eu não era." Mas após uma conversa com o artista Brooklyn Fred Tomaselli, cuja arte psicodélica vezes é feita com folhas de maconha, ela começou a pensar seriamente sobre a ideia. Ela formou uma organização sem fins lucrativos da Califórnia chamada medicinals americano. (Os produtores do estado tendem a operar como sem fins lucrativos ou não, para as organizações sem fins lucrativos.) Através Craigslist ela encontrou um especialista veterano da Califórnia, cujo crescimento a longo envolvimento com o cultivo de maconha durante o ano, quando foi completamente ilegal havia deixado perpetuamente cauteloso, alertando um primeira série de estranhos e-mails em que ele se referia apenas à sua experiência no cultivo de frutos do goji. Agora, seis meses após o plantio, a colheita de sementes - uma mistura de duas variedades, OG Kush e Cherry Pie, cultivadas em duas pequenas parcelas ao ar livre e um espaço interior - ela e um punhado de artistas que estarão fazendo o trabalho para a mostra foram colhendo as plantas e pendurá-las de cabeça para baixo sobre os fios secos no celeiro que serve como sede do grupo e espaço do estúdio improvisado. Eles venderam os primeiros botões secos e curados para os usuários médico na primeira semana de outubro. Eles estão relutantes em fornecer detalhes sobre o quanto a maconha que eles esperam produzir com a primeira colheita - limites para as plantas variam de concelho para concelho, e se preocupam sobre como o Office da Sonoma County Sheriff's, que fez uma visita surpresa de helicóptero em setembro, interpreta o há limites. Mas sua meta para a safra do ano que vem é gerar US $ 1 milhão após as despesas a serem utilizados para projetos de arte na fazenda e para enviar de volta para apoiar seus programas, em Nova Orleans, que esperam vir a ser financiado integralmente pela Fazenda. "Nós pensamos que é um número completamente realista", diz Kaechele disse. Para o momento, porém, o ala Sonoma da fundação ainda está em sua infância e se sente como uma combinação de Yaddo, uma fazenda orgânica quadril e uma comuna muito descontraído (mas com pouco fumo dos fundos acontecendo, pelo menos em presença de um repórter). Ms. Kaechele eventualmente quer ser capaz de criar residências de artistas, aos pedaços comissão de artistas emergentes e consagrados e pagar por obras que se manteria permanentemente à terra, como Donald Judd fazer em Marfa, Texas, na Fundação Chinati . Enquanto o debate sobre a legalização da maconha tem incidido sobre seus perigos potenciais, os seus benefícios mainstream estão começando a receber mais atenção: a renda de imposto mais elevadas, lutando jornais sustentados por anúncios de maconha. Na Califórnia, o potencial para a legalização de recreio em novembro preocupa muitos produtores médico como o Sr. Halem Coletivo de Artistas, que temem que a mudança traria os interesses corporativos, causar a queda dos preços e expulsar os produtores com fins beneficentes. Ms. Kaechele e os jovens artistas cuja obra será exibida na primeira exposição, a abertura ao público em 22 de outubro, parecem satisfeitos com o modo como as coisas estão dando certo até agora, mas não todos compartilha o sentimento. Um casal que vive em uma propriedade vizinha à fazenda, Steve e Catherine Matuszak, só recentemente tomou conhecimento da operação de cultivo próximos e disse que eles estavam preocupados sobre o aumento de tráfego as estradas de montanha sinuosas e ainda mais sobre o potencial para os ladrões. "Nós não temos problemas com eles como indivíduos, realmente, a" Senhora Matuszak, um dentista, disse que os novos vizinhos da fazenda art. "É só a situação que está em desenvolvimento que nos preocupa." Ms. Kaechele disse que queria trabalhar duro para vencer seus vizinhos mais, e ela ainda tem uma idéia de como lidar com os problemas de criminalidade da droga (um outro tipo completamente novo de preocupação para um organizador de arte pública): Ela vai pedir que os artistas vêm elaborar propostas para alarmes e dispositivos de segurança que irá duplicar como instalações de arte sobre a terra. "Vemos isso como um conjunto de problemas curatorial para nos responder," ela disse. Uma versão deste artigo apareceu na imprensa em 12 de outubro de 2010, na página C5 da Edição Nacional.
  7. da green is in da haus!

  8. Moloko é demais, a Róisín Murphy é muito foda. Sou bem fã de trip-hop, mas também curto um jazz experimental. Tipo, Jaga Jazzist, da noruega. 9 malucos no palco! Imagina uma session desses caras, viagem pura. E dos nacionais, tenho visto isso http://diahum.com/ . Um projeto muito louco, música sólida - DISCO | uma nova música todo dia 1. Só entrar no site, pode ouvir ou baixar.
  9. Então o juiz é mero aplicador da letra morta? Foda-se a hermenêutica? A concepção tridimensionalista? Na época em que estudei Penal se dizia que "Não há crime sem lei anterior que o defina. Não há pena sem prévia cominação legal." ou ainda "Nullum crime, nulla poena sine praevia lege". Peço ao amigo normativista que me atualize, que parte da lei diz que 108 pés é um cultivo que não é de pequena quantidade? Se não estiver regulamentado então não tem crime, certo? "Aos amigos tudo! Aos inimigos, a lei" Até quando aceitaremos que nos chamem de inimigos?
  10. Atrasado e quis sentar na janela.... Leary se envergonharia de estar no seu avatar...
  11. Olá amigo infeliz, vou lhe explicar uma coisa simples segundo qualquer dicionário da língua portuguesa, TRÁFICO, significa COMÉRCIO ILEGAL. Em momento algum tráfico significa cultivo além do consumo. Tráfico, por questão de semântica, significa comércio de mercadoria ilegal. O professor Pasquale explicaria melhor do que eu, mas, sem comércio não há tráfiico. Além disso, já que você gosta tanto de Lei, por que não ler o "livrinho", no seu artigo 5º LVII: "ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória". Quem é você para falar que o cara, que rala como condenado na IBM (quem trampa lá sabe) é traficante? Ou que tal lembrar do inciso LIV: "ninguém será privado da liberdade ou de seus bens sem o devido processo legal" ? Amigo se tem uma lei que tem que valer nesse país, é a nossa constituição federal! Pela dignidade humana e todos os melhores princípios do direito, que não se trate um trabalhador e pai de família como traficante. Força Grosssis, liberdade para os homens de bem!
  12. Ai dogo, meu post foi pra quem saiu taxando o cara de trafica.
  13. Porra negada... Quanto vocês fumam? Quanto preconceito imbecil! Condenam com base na notícia. Esqueça-se o judiciário, foda-se o devido processo legal. Presunção de inocência? Hunf! Pra quê? Vamos mesmo é escurraçar com o princípio da dignidade humana, exibir investigados como prêmios. Vamos é rasgar todos os incisos do artigo 5º, da nossa Constituição. Vamos deixar as notícias e a polícia nos guiar. Não precisamos saber de nada. Se a polícia falou, a imprensa repercutiu, está condenado. Alguém quer saber se moravam mais pessoas? Não precisa, 108 pés bastam! Alguém quer saber se algum deles é paciente medicinal e precisa extrair óleo? Será que eles plantavam como muitos daqui, boa produção, poucas vezes ao ano? Ah, mas são 108 pés! Acorda negada, vocês estão condenando o cara antes mesmo do juiz. Ao menos leiam o tópico todo antes de postar uma merda dessas! GROWER não vende, então não é traficante! Tomara que as coisas se esclareçam ai no rj... good vibes!
  14. Vai ser restrito a festivais? Até pq distribuição de docs no brasil já é ruim, sobre maconha então, posso até imaginar. A finalidade é comercial (restringindo a distribuição) ou informação (creative commons ou outras licenças mais abrangentes)?