Ir para conteúdo
Growroom

Na_Bruxa

Usuário Growroom
  • Total de itens

    329
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que Na_Bruxa postou

  1. Editorial A TARDE Dom, 14/12/2014 às 09:07 FONTE A decisão do CFM (Conselho Federal de Medicina) de permitir que os médicos receitem o Canabidiol (medicamento derivado da maconha contra casos graves de epilepsia) é acertada e mostra como discussões equivocadas, preconceituosas e dogmáticas podem atrapalhar a vida de pacientes. Há décadas cientistas de todo o mundo estudam substâncias encontradas na maconha para o tratamento de algumas doenças. Entre elas está o canabidiol, comercializado em alguns países. O canabidiol não dá "barato", não vicia e não tem nenhum efeito psicoativo parecido com o causado pelo uso da maconha tragada. Mas a confusão entre a possível liberação do uso recreativo da maconha contamina toda a discussão médica, e o remédio continua banido pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) e não pode ser vendido nas farmácias. No Brasil, pais são obrigados a importar ilegalmente a substância para melhorar a vida dos filhos doentes, muitos com dezenas de convulsões num só dia. Outra solução é pedir autorização à Anvisa para a importação. Para isso, é necessária a receita médica, que muitos médicos tinham receio de fornecer porque o CFM não reconhecia o produto. Ao misturar as três discussões (liberação do uso recreativo da maconha, liberação do uso da erva para fins medicinais e liberação do uso de substâncias específicas da planta como remédio), tudo fica num mesmo balaio e nada avança. Há argumentos pró e contra a liberação da maconha recreativa. Mas essa é uma discussão que se estenderá por anos. Há também argumentos pró e contra a liberação do consumo da droga por pacientes com câncer ou outras doenças, para aumentar o apetite ou reduzir dores. Mas esse tema ainda não está pacificado. Já no caso do uso de componentes da cannabis sativa como medicamento, é preciso colocar os preconceitos de lado. Se plantas que dão origem a drogas ilegais fossem banidas da indústria farmacêutica, o ser humano teria muito mais a perder que a ganhar. O exemplo óbvio é a morfina, extraída da mesma planta que é usada para fabricar ópio e heroína.
  2. Da Redação ([email protected]) 11/12/2014 14:34:00Atualizado em 11/12/2014 14:57:27 Fonte O Conselho Federal de Medicina autorizou os médicos do país a prescreverem o canabidiol (CBD), um dos 80 princípios ativos da maconha. A decisão, que foi detalhada em uma coletiva de imprensa na tarde desta quinta-feira (11), valerá para formas severas de epilepsia. O conselho ainda não informou, no entanto, se enfermidades como a doença de Parkinson e a esquizofrenia serão contempladas. De acordo com o conselho, a prescrição do princípio ativo apenas deverá ocorrer quando o paciente não responder a outros tipos de tratamento. Além disso, somente médicos da érea de neurologia, como neurocirurgiões e psiquiatras, poderão receitar canabidiol. Uma plataforma online será criada para o registro de todos os pacientes e médicos envolvidos no tratamento. Antes de fazer uso do princípio ativo, o paciente saberá dos riscos e potenciais benefícios e assinará um termo de consentimento. Em entrevista à Folha de S. Paulo, o presidente do Conselho Federal de Medicina, Carlos Vital, informou que a decisão responde a uma "demanda social" e foi tomada após a análise de 120 estudos sobre o tema. A resolução vale por dois anos e deverá ser revista no final desse período. Nos Estados Unidos, o canabidiol é vendido para ingestão via oral, como pomada cutânea e até xampu, mas é proibida a vinculação dos produtos a efeitos medicinais. A decisão do Conselho Federal de Medicina seguiu uma norma do Conselho Regional de São Paulo, que autorizou a prescrição para médicos do estado. Com isso, o Brasil é o primeiro país a autorizar a prescrição da substância. Anvisa O canabidiol ainda não consta na lista de substâncias permitidas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). Desde abril, quando houve a primeira autorização de importação, já ocorrem 238 liberação da substância pelo órgão. A importação é autorizada caso a caso e depende da prescrição médica. ______________________________________________ Isso é pra todos que carregam essa bandeira, desde o grower até aquele muleque que puxa fumo no gueto. Há algum progresso nesse tema e agora ficou mais claro, só falta explicar pra essa moçada conservadora do Conselho de medicina que maconha não é droga, é uma planta sagrada com propriedades medicinais. Abraço a todos os irmãos!
  3. um off topic: Alguém sabe o que deu na reunião da ONU sobre drogas? Acho que já rolou né ?? Não vi a notícia aqui no GR sobre esse comunicado da ONU falando que a descriminalização poderia ajudar. ai o link http://g1.globo.com/mundo/noticia/2014/03/onu-sugere-descriminalizacao-do-consumo-de-drogas-pela-primeira-vez.html
  4. A agora imagine os maconheiros 2014 fumando isso ahahaahhahahha deve ser pura lisergia nego vai dizer que é maconha com ácido EDIT:Tem que sair umas versões de CBD!!! Vou querer um mixto!!!!
  5. Os caras torrando ao vivo foi épico aheuaheuahuehaueh
  6. ". Eu, particularmente, tenho outras fontes para me equilibrar", disse a cantora durante passeio por Los Angeles." Sei nariz de platina....
  7. FORÇA AI GROWER!!! Realmente levantou a bandeira o que dizer ? Que seja um precedente no STF, boa sorte irmão positividade
  8. +5 anos esse tópico vai se arrastar coloquem suas apostas aqui!!! Legisladores Brasileiros = tartarugas burocráticas
  9. Sempre vem esses maconheiros 2012 encher o saco. com essa ladainha proibicionista travestida São marginais eles ou os que tornam os pequenos latifúndios inviáveis ? os que controlam as grandes fontes de água, porque ali água é ouro. Antes de abrir a boca pare pra pensar, toda a região do norte da Bahia tem uma forte influência africana se tem registros de plantação de cannabis ali desdo tempo que seu avô era espermatozóide, e muito antes..... a questão é que a lei torna atraente e muitas vezes não da nada ou você acha que 50 mil pés é muito pra o total produzido no polígono, agora imagine que a ganja é fosse legalizada amanhã esse marginais iriam continuar sendo marginais certo ? Polícia protege os interesses não o povo.
  10. FONTE Policia destrói cerca de 50 mil pés de maconha no município de Ourolândia Publicada em 22/08/2013 16:01:48 Cerca de 50 mil pés de maconha, que eram cultivados na Fazenda Vitória, foram destruídos por policiais militares da 24ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM) em Ourolândia, na terça-feira (20/8). A operação foi desencadeada com base em denúncias e informações colhidas pelo serviço de inteligência e resultou na erradicação do plantio de aproximadamente 1,5 m de altura. No local foram encontrados equipamentos para irrigação da droga como mangueira, bomba, tubulação, além de um pequeno açude que servia para irrigar a plantação. Os marginais ainda tinham um pequeno alojamento com mantimentos, que davam suporte para a permanência deles durante o cultivo. O proprietário da fazenda foi preso e apresentado na delegacia, que irá investigar o envolvimento dele no plantio.
  11. Fonte Publicada em 05/08/2013 05:01:13 A movimentação de protesto dos presos aconteceu na manhã de sábado, no xadrez da 14ª Coordenadoria de Polícia do interior (Coorpin/Irecê). A delegada Maria José informou que por volta das 9h, um preso foi flagrado pegando uma quantidade de maconha para ser vendida dentro da unidade policial. Ao saber que a droga foi apreendida, os presos queimaram colchões e quebraram a grade de uma cela. A delegada esclareceu ainda que o preso flagrado pegando a droga será reenquadrado no crime de tráfico de drogas. A rebelião durou até o final da tarde. Por volta das 16h do sábado, após conversa com a delegada Maria José e o Juiz José Onofre os presos cessaram o movimento. A droga foi apreendida. E a cela quebrada foi desativada. Em Irecê a cadeia pública também sofre o problema da superlotação. Com capacidade para 32 presos, abriga atualmente 51, divididos em oito celas. ____________________________________________________ Já morei em Irecê e por ser uma cidade próxima do polígono da Maconha rola um preconceito enorme na cidade com a planta claro em certos setores, lembro que cheguei na acadêmia e a dona me falou pra ter cuidado ao voltar pra casa a noite pois tinha uns maconheirinhos pela rua ahhahahhaha mal sabia ela. E o contra senso daquela notícia da Suiça sobre a maconha em seus presídios e o efeito sedativo e calmante nos presos, realmente Brasil é um atraso mas não existe nem um lugar com essa pluralidade cultural na minha opinião.
  12. FONTE Postado em ago 1 2013 - 2:13pm por Jornal da Chapada Deu no site do jornal Correio que policiais militares destruíram 50.500 pés de maconha no município de Curaçá, localizado na região do vale do rio São Francisco. A descoberta foi realizada por agentes lotados na 45ª Companhia Independente de Polícia Militar (Curaçá), que também encontraram 94 kgs da droga pronta para o consumo no local. Segundo estimativas da polícia, a roça descoberta possui aproximadamente 5 hectares. No local, foi identificado que havia sido realizada a colheita em grande parte do terreno, restando apenas a droga pronta para o consumo e a quantidade erradicada, que possuía aproximadamente 30 centímetros de altura. Todo o plantio foi destruído, com execeção de uma amostra que foi apresentada juntamente com o material apreendido na delegacia de Curaçá. O conteúdo deverá ser submetido a perícia pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT).
  13. Isso que é um debate progressista e proveitoso outros argumentos realmente estamos muito atrasados aos pés dessa pequena porém gigante nação uruguaia. MUITO FORÇA PARA QUE SEJA POR FIM ESSE SONHO REALIZADO NO URUGUAI !!!! Jah Bless!!! P.S: jah to aqui do lado ..... ahhahahahhaha
  14. Mujica diz que nunca fumou maconha e "nem tem ideia" do que seja Fonte 22 de Julho de 2013• 22h16 • atualizado às 22h32 De acordo com números da Junta Nacional de Drogas, 20% dos uruguaios de idades entre 15 e 65 anos consumiu maconha alguma vez na vida O presidente do Uruguai, José Mujica, um ex-guerrilheiro de 78 anos cujo governo está envolvido em um controverso processo para legalizar a compra, a venda e o cultivo da maconha, declarou nesta segunda-feira que "jamais" em sua vida provou a droga e que não tem "ideia" do que seja. Em declarações à emissora Radio Carve, Mujica, que passou 13 anos preso em duras condições antes e durante a ditadura uruguaia (1973-1985) e que é reconhecido internacionalmente por sua austeridade e seu modesto modo de vida, disse saber que "muitos jovens" já fumaram maconha em seu país. Mujica surpreendeu o mundo em meados do ano passado quando anunciou que, como medida para combater o narcotráfico e a violência, pretendia impulsionar uma medida para legalizar e regularizar o mercado da maconha, fazendo do Estado o responsável por sua produção e distribuição. A ideia, segundo expressou em diversas ocasiões, é "roubar" o mercado dos traficantes, cujas atividades "são piores que a droga". Após um ano de debate durante o qual o presidente pediu que a população se informasse sobre as drogas e sobre os fins de seu plano, o Parlamento uruguaio votará na próxima semana um projeto de legalização que, se for aprovado, habilitará o cultivo doméstico de plantas de maconha e criará um organismo público que outorgará licenças para a venda e a produção da droga. O desconhecimento de Mujica sobre a maconha contrasta com seu hobby, já que o líder, que doa quase 90% de seu salário presidencial a fins benéficos, se dedica a cultivar flores em sua humilde casa para vendê-las nos mercados de Montevidéu. De acordo com números da Junta Nacional de Drogas, 20% dos uruguaios de idades entre 15 e 65 anos consumiu maconha alguma vez em sua vida e 8,3% a consumiu no último ano.
  15. Publicada em 19/07/2013 12:47:07 FONTE A polícia também encontrou 1,5 tonelada de maconha pronta para o consumo O 7º Batalhão de Polícia Militar/Irecê apreendeu na quinta-feira (19/7), em uma fazenda no povoado de Sanharol, situado entre os municípios de Jussara e Sento Sé, cerca de uma tonelada e meia de maconha que estava pronta para o consumo, erradicando também uma plantação da erva. Também foram apreendidos na fazenda "Nova Esperança" um gerador de energia de grande porte, uma motocicleta cor preta CG titan 150, além de tubulações e outros equipamentos de irrigação. A droga foi encontrada pelos policiais militares em uma cova medindo cerca de 3x2x1m, com aproximadamente 6m³, com 1,5 tonelada da maconha que estava envolta em lona plástica e em sacos. Ninguém foi encontrado no local, que segundo informações é de propriedade de um homem chamado “Marcos”, que não foi localizado. A PM prossegue na busca pelos responsáveis pela droga. Denúncias anônimas ajudaram na localização da fazenda. Todo material apreendido, as drogas e o veículo foram encaminhados para a delegacia de Irecê.
  16. Fumar Maconha nas escadarias do capitólio Americano pode se tornar em breve apenas uma pequena infração, o conselho da Capital Americana anunciou que pode descriminalizar pequenas quantidades de Maconha. O Conselheiro Tommy Wells na quarta-feira revelou que a legislação atual que criminaliza a posse pode ser removida para qualquer um em privilégio de cerca de vinte oito gramas de erva, caso a lei passe aqueles em usufruto apenas receberão uma multa de cem dólares, e não terão suas vidas drasticamente alteradas. “Retenção de menos de vinte oito gramas não será um entrave permanente para indivíduos a procura de emprego; aqueles com menos de uma onça não mais terão suas carteiras de motoristas cassadas, não perderam o direito a “¹Casa Pública”, e não perderam o direito a pleitearem assistência pública,” Wells disse em uma coletiva.” Não haverão mais batidas em suas propriedades apenas por portarem uma pequena quantidade de Marijuana.” A Atual legislação pune o usuário com uma multa de mil dólares e seis meses de regime fechado. Em seu site pessoal o conselheiro publicou que a policia do estado havia prendido, oitocentos e quarenta e seis pessoas por posse de maconha por cem mil habitantes em 2010.A média nacional é de cerca de duzentos e cinquenta e seis. Além disso, Afros descendentes eram oito vezes mais propícios à prisão por posse em Washington do que caucasianos, de acordo com a União americana de liberdades civis(ACLU). Residentes no distrito de Washington proclamavam por uma descriminalização do entorpecente, argumentando que as prisões resultantes de posse apenas enfraqueciam a comunidade e arruinavam a vida daqueles envolvidos. Uma pesquisa conduzida por uma agência de politicas públicas em Abril resultou que sessenta e sete por cento dos eleitores da capital acreditavam que o trabalho policial deveria ser direcionado a outros crimes, e sessenta e três por cento disseram que gostariam de um Plebiscito semelhante ao que ocorreu em Seattle (Washington) e Colorado. Cinquenta e quatro por cento afirmaram que ao invés de aprisionar usuários o problema deveria ser abordado como uma condição de saúde pública. “Os Eleitores de Washington D.C claramente não veem razão em continuar a guerra às drogas”, Bill Piper, Diretora nacional da aliança por politicas de drogas disse em Abril. “Descriminalizar a Maconha é uma decisão óbvia.” A Emenda “de possessão simples de pequenas quantidades de Maconha” tem um grande suporte no conselho da cidade, que tem treze lugares. Membros do conselho como Marion Barry ajudou a formatar a lei, e outros seis coproduziram. A ACLU e Associação nacional para o avanço de pessoas de cor (NAACP) já endossaram a emenda. “O esforço em torno da descriminalização da maconha é uma tentativa de remover barreiras às liberdades individuais o impacto em sua educação e nas oportunidades de mercado,” disse Wells. “As praticas atuais do distrito impõe uma ficha criminal para o resto de suas vidas, ao passarem a pagar apenas multas cívicas, não respondem a processo.” Se Washington escolher por descriminalizar a posse irá seguir os passos de outros dezessete estados que já adotaram medidas similares.
  17. Realmente parece que o DEA tem vida própria e mesmo que o presidente se posicione a favor das leituras de cada estado eles insistem em dar bote em growers do bem. Recomendo a galera o documentário How To Make. Money Selling Drugs tem entrevista com vários agentes do DEA.
  18. Que injustiça como essas sirvam de bandeira para nosso movimento ficar enjaulado por cultivar uma planta é de uma irracionalidade extraterrestre Graças a jah que está tudo bem agora temos o Ras pra soltar, liberdade aos adoradores dessa erva.
  19. Traficante de 54 anos é flagrado cultivando fazenda de maconha Publicada em 17/06/2013 15:42:55 Fonte Foto: Depin/9ª Coorpin Fazenda de maconha é localizada em Ipiaú Investigadores da Delegacia Territorial de Ipiaú (DT) e policiais da 55ª CIPM (Companhia Independente de Polícia Militar) localizaram, no fim de semana, uma área para cultivo de maconha dentro da Fazenda Coqueiro Verde, na zona rural do município, explorada pelo traficante Jasson Ribeiro da Silva, 54 anos. Durante a operação foram apreendidas no local sementes e pés de maconha, balanças de precisão, além de um revólver calibre 38 e uma pequena quantidade de cocaína. Segundo apurou o titular da DT/Ipiaú, delegado Cristiano Mangueira, que comandou a operação ao lado do capitão Lima Júnior, da 55ª CIPM, a maconha cultivada por Jasson abastecia outros traficantes da região. Os mandados de prisão preventiva e de busca e apreensão foram cumpridos no início da manhã de sexta-feira (14/6), quando Jasson tentou furar o cerco policial, atirando. Ele havia se escondido em uma estufa para secagem de cacau, sendo alvejado por uma guarnição da PM, e morreu no Hospital Geral de Ipiaú. Considerado um dos maiores traficantes da região, Jasson Ribeiro da Silva é acusado de um homicídio, ocorrido em (12/3), de 2012. Ele assassinou a tiros Carlos Anderson Santos da Cruz, 27 anos. A droga, a arma e o restante do material apreendido na Fazenda Coqueiro Verde, situada na localidade do Burí, foram encaminhados para perícia.
  20. FONTE 08/06/2013 - 18h12 Daniel Mello Repórter da Agência Brasil São Paulo – Intervenções artísticas e palestras abriram a Marcha da Maconha, que reuniu na tarde de hoje (8) manifestantes favoráveis à legalização da droga no vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp), na região central da cidade. Carregando um cigarro de maconha gigante, o grupo fechou três faixas da Avenida Paulista e apenas uma ficou livre para deixar passar os ônibus. Aos gritos de “Ei polícia, maconha é uma delícia”, o protesto seguiu em direção à Praça da República, onde está prevista uma extensa programação musical durante a noite. A organização da marcha calcula que até 5 mil pessoas devem ter participado nos momentos de maior concentração, enquanto o major Élcio Góes, responsável pelos 150 homens da Polícia Militar que acompanharam a manifestação, disse que só faria uma estimativa de público ao final do protesto. Ao fechar ruas e avenidas importantes, como a Augusta e a Consolação, a marcha consegue, na opinião de Marcos Magri, atingir um de seus objetivos. “A manifestação de rua tem como objetivo principal causar impacto na sociedade”, disse. As discussões levantadas pelo protesto foram representadas por diversos blocos de organização autônoma, como o antimanicomial, o religioso, o medicinal, o psicodélico e o contra a internação compulsória. O panfleto distribuído pela organização do ato coloca entre os problemas causados pela ilegalidade da droga o encarceramento em massa, a violência do Estado e a corrupção. O modelo segue a ideia de que a política de drogas no Brasil passa por diversos temas, explica uma das representantes do bloco feminista, Gabriela Moncau. “A gente acredita que o Estado faz uma ingerência indevida sobre o corpo dos cidadãos”, diz ao fazer um paralelo entre o direito ao uso de entorpecentes e o direito ao aborto, uma das bandeiras do feminismo. Gabriela destaca ainda que o tráfico é a maior causa da prisão de mulheres, que encarceradas, muitas vezes, enfrentam situações piores do que os homens. “Muitas estão em presídios que eram masculinos e não foram adaptados, tem mictórios no banheiro”, exemplifica. A dona de casa Ellen Yamada levou o filho Caio, de apenas 2 meses, para participar da manifestação. “Estou aqui para demonstrar minha revolta pela ilegalidade da maconha e a legalidade de coisas que fazem muito mais mal e são vendidas normalmente, como o cigarro e a bebida”, disse ao destacar que acha esse tipo de contradição uma hipocrisia da sociedade. As estudantes de história Lívia Filoso e Rhana Nunes foram ao protesto principalmente para ver a palestra do professor Henrique Carneiro, que leciona para ambas e falou no início no evento. Apesar da motivação comum, as duas têm opiniões diferentes sobre o ideal da marcha, que neste ano teve o lema A proibição mata: legalize a vida. Rhana não acredita que a venda legal de drogas vá reduzir o tráfico. “Se as pessoas pudessem plantar, eu era a favor. Mas dá muito trabalho, elas vão continuar indo ao morro, porque vai ser mais barato”, disse ao comparar a venda de drogas com a de produtos falsificados. Edição: Andréa Quintiere
  21. Gabuuu Cabrobó fica em Pernambuco fica do outro lado do Rio São Francisco assim como Juazeiro(Bahia) e Petrolina (Pernambuco), hoje em dia que a policia está mais ligada no plantio lá na região ribeirinha do SF ta difícil achar maconha não era como antigamente, em Juá você encontrava maconha de todo o lugar de Pernambuco, Bahia e podia escolher a qualidade. mas depois que o cerco arrochou ficou muito arriscado, antes qualquer um que tinha uma fazenda e necessitava fazer um dinheiro extra fazia uma roça de maconha. A maconha de lá é boa Belém do São Francisco produz excelente qualidade nas ilhas, pelo difícil acesso ainda há plantações essas que já se fazem na região a séculos, mas pra mim as melhores sempre foram as pernambucanas, coco de cabra e cabeça de nego vishhhiii hoje em dia é difícil quase impossível a achar boa ganja como antes se encontrava a manga rosa hoje se tu quiser uma maconha de qualidade tem que ir nos Parques nacionais dá pra arranja umas seeds também...... Paz!
  22. Fonte 31 de Maio de 2013 08h30 A ingestão acidental de maconha por crianças pode estar em ascensão, segundo novo relatório escrito por médicos de Denver. Dois especialistas de um hospital da cidade relacionaram as exposições acidentais ao aumento do número de estados que mudaram as leis sobre a maconha. Colorado está entre os 18 estados, junto com o Distrito de Columbia, que já legalizaram a erva medicinal. As informações são do New York Times. O novo relatório avaliou os casos de ingestão acidental no Hospital Infantil Colorado antes e depois do relaxamento da política federal de combate às drogas sobre a maconha medicinal, no final de 2009. Nos quatro anos antes, nenhuma das 790 intoxicações em crianças menores de 12 anos aconteceu por maconha. Já nos dois anos seguintes, 14 dos cerca de 600 casos de intoxicação por ingestão acidental envolviam a erva. A ingestão costuma resultar em sintomas leves, como sonolência e vertigens. "As consequências da exposição de maconha em crianças deve ser parte do debate em curso sobre a legalização da erva", segundo relatório.
×
×
  • Criar Novo...