Ir para conteúdo
Growroom

novato_humild

Usuário Growroom
  • Total de itens

    68
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

4 Neutral

Contact Methods

  • Website URL
    http://www.plantandoapaz.org/index3.html

Últimos Visitantes

479 visualizações
  1. salve brother...tah nd errado nao soh cuidado com o overfert, tem mto fosforo, no final aumenta um pouco o potassio ki os buds dao uma engrossada pode cre ...tmbm uso o biofert plus e o raiz sao mto bons e eles nao sao quimicos, sao organo-minerais e pode confiar sim,ussa foliar que eles repondem mais rapido... nao curto mto o peters nao axo sei lah meio agressivo,apesar de que as plantas respondem mto bem a ele...Tudo Sobre Ferts ai esse link tem mto sobre o assunto...Ferts Organicos e Organo-minerais disponiveis no merecado e nesse tem td sebre umaseriede produtos inclusive os da Biofert...eh isso ae brow boa sorte com os cultivos abrax
  2. ai tenho 20 anos e FUMO COM MEU PAI que jah fuma a mais de 20 e flo mais o tiozim tah interao vil haaahuhauh qndo comecei a fumar ele nao aprovou mto mas ai com o tmpo ele foi cedendo ateh deixa eu fuma em casa isso eu tinha 15 anos...foi a atitude mais correta pq jah tava andando com marginalzim e viajando na fita.... em casa com certeza eh melhor, nao fika tendo mau exemplo na rua ou passando humilhaçao isso fez o homem que sou hoje :proximidade com minha familia em qlqr situaçao e eh isso familia eh amor incondicional acima de qlqr habito ou conceito...e infelizmente essa senhora "acredita em mta coisa que não vale nd" essa filosofia dela ai eh ultrapassada e de bordel.....abrax a tds
  3. Com certeza a rapidez na resposta eh o melhor dos quimicos,mas esetja sempre atento a pros e contras pra que seu objetivo seja alcançado da melhor maneira possivel tranks De nada... T+
  4. opa fla veio td mssa...vlw pelo reconhecimento tamo ai brow... Não conhecia esse site cara mas parece ser bom,possui certificado ISO 9001,sao tds ferts minerais tah broder mas pode usar que eles tem um efeito bastante rapido a planta dispara a cresce,e esses ai sao sais de qualidade que passam por um processo de sintese mais criterioso etc. mto bom os produtos mas se vc quer uma parada 100% organica ai eu jah nao recomendo fraga...abraçao brother eh nois ===~
  5. massa d+ brow ai vai um texto da org Plantando a Paz nao sei se vc conhece mas eh mto doido e parece que se encaixa no tema abrax É possível haver um relacionamento especial entre uma planta e a humanidade? Como se explica que entre os bilhões de formas de vida existentes na terra só um número infinitamente pequeno tenha um relacionamento com a humanidade? No reino animal temos uma relação especial com bois, cachorros, gatos, cavalos e mais um pequeno número de outros animais que vivem perto de nós, com quem partilhamos nossas vidas e que por sua vez nos prestam benefícios. Seria difícil imaginar a vida sem esses relacionamentos especiais e íntimos que nos acompanham desde nossas mais remotas lembranças históricas. Mas e quanto ao reino vegetal? Haverá relacionamento tão estreita e intimamente ligados ao nosso próprio reino que o desenvolvimento humano tal como o conhecemos não poderia ter acontecido sem a sua ajuda? As árvores nos fornecem madeira para construir, o algodão nos veste. O trigo, o milho e outros grãos nos alimentam. As plantas medicinais aí estão para nos dar alívio quando estamos doentes, e muitas outras plantas estão disponíveis para nos sustentar e auxiliar em nosso empreendimento humano. Contudo, existe apenas um auxiliar vegetal usado no mundo inteiro, desde a pré-história, que nos fornece alimento, roupas, material de construção, combustível, medicamentos e tem o poder de afetar nossa consciência, nossa imaginação e o modo como vemos o mundo. Essa planta é o cânhamo, Cannabis sativa. O cânhamo aparece na cena mundial na aurora da experiência humana. Encontramos suas sementes, além de cordas e roupas feitas de cânhamo nos túmulos mais antigos. O seu uso medicinal é encontrado em nossos primeiros textos médicos. Vemos o cânhamo desempenhando uma função-chave em muitos dos grandes momentos da história. Quando as prensas de Gutenberg começaram a funcionar, foi papel de cânhamo que recebeu a tinta e disseminou a palavra da Bíblia para uma Europa que despertava. Quando a ânsia de descobrir um novo mundo, uma nova maneira de viver, deu origem à idade das descobertas cerca de 500 anos atrás, foi o cânhamo que a viabilizou, dando aos exploradores as velas e o cordame necessários para cruzar os oceanos. Quando chegou a hora de definir esse novo mundo, suas metas e aspirações, foi em papel de cânhamo que os rascunhos da Constituição e da Declaração de Independência dos Estados Unidos foram escritos. À medida que a jovem nação avançava para o oeste, era cânhamo que cobria os carroções dos colonos. Mesmo depois de declarada ilegal, essa planta proscrita retornou em momentos de especial necessidade. Durante a Segunda Guerra Mundial, quando os fornecimentos de fibra crua foram interrompidos pelos japoneses, o cânhamo foi reapresentado ao agricultor americano para incrementar os esforços de guerra, enquanto o Departamento de Agricultura dos EUA proclamava o “cânhamo para a vitória” [Hemp for Victory]. Na década de 1960, um movimento de jovens inspirado por ideais de paz e amor eclodiu na cena mundial, contestando a ordem social, econômica e religiosa da época. Esse movimento de milhões e milhões não teve líderes, nem ideologia, nem estratégia para a mudança, apenas uma percepção profundamente enraizada da hipocrisia da “visão de mundo materialista do Sistema” e uma relação especial com uma planta – uma planta que tem no cérebro humano receptores à espera para receber suas mensagens bioquímicas. Fez-se ouvir uma mensagem de respeito pela terra, suas plantas e animais, por nossos corpos e pelos alimentos que comemos, pelas culturas e povos diferentes dos nossos, e a onda de mudança que ela provocou ainda persiste na atualidade. É extraordinário que o cânhamo ressurja novamente, e desta vez como protetor do meio ambiente e matéria-prima de medicamentos. Hoje, o cânhamo nos oferece uma solução bastante real e imediata para o desmatamento, os desmandos da indústria petroquímica e a destruição de nossos solos, bem como para o tratamento de problemas de saúde tão diversos quanto o glaucoma e a AIDS. Só a arrogância da mentalidade atual, que rende culto perante o altar da igreja do progresso, poderia rejeitar e negar a história e as virtudes do cânhamo. É necessário temer e proscrever essa planta? Ou estamos na verdade tentando proscrever uma mudança na consciência? Por mais que tentemos, uma mudança na cultura e na consciência já está em curso – uma mudança que dignifica a Terra e abarca as qualidades curativas, ambientais e espirituais desse relacionamento especial entre cânhamo e a humanidade. Ehud C. Sperling Prefácio – O Grande Livro da Cannabis, de Rowan Robinson – Jorge Zahar Editor.
  6. Melhorando o conceito... Ferts organominerais: sao ferts cuja materia prima de origem organica passa por um processo de fermentaçao,hidrólise ou desidrataçao feito por microrganismos e está associada a materia prima de origem mineral/inorganica (sais/ions).
  7. Tmbm nao axo que deva ser excluido eh um fato que ocorreu no forum e serve pra refletir bastante nao sobre parar e talz mas sobre nos...pq estamos aqui....eh algo mais profundo realmente que soh plantar sei lah axo ki eh espiritual...a cannabis mudou minha vida me trouxe de volta pra minha familia pra minhas coisas depois de umas epocas sinistras ai...me fez rever conceitos e a ser mais tolerante...alem do mais olha oqnto ela nos une, a gente reunido aki se ouvindo, aprendendoa atraves dela crescendo msm como pessoa, eh a propria essencia reagindo com a nossa e tds sintonizados...Não sow um grande grower mas sei lah isso td me chokou,o stupa era gente fina,qndo conheci o mndo cannabico o GR tava fora do ar entao ounicoforum disponivel era o CC ,lah eu conheci a causa comecei a me identificar com certos users, mas nunca tenteimtocontato sei lah axo que poderiamos tds estar frente a frente em um mndo melhor nao atras de telas e nicks ....e sei lah nao sei viver sem o forum entrar dah uma olhada msm que nao for postar ow tiver precisando, sei lah ver os posts eh fantastico pra mim eh a GALERA que eu queria andar trocar ideia gente mais parecida comigo sei lah, mts vezes eu me sinto um estranho em certos lugares,o efeito bitolagem rola msm, principalmente com os novatos, mas depois passa...Mano Stupa se tomou pelo ego em certos momentos,se envaideceu,e menosprezou certos companheiros como se esses nd adicionassem ao forum,acho ki nenhum de nos estah aki a toa...pensei em qntos no nosso pais tem o msm privilegio que o nosso,temos nossas vidas tao bem resolvidas que podemos nos dedicar a varios outros seres,e leva-los a sua expressao,sua beleza maxima isso eh o melhor de plantar pra mim, o fumo mais forte e cheiroso eh apenas a consequencia de uma serie de aprendizados e reflexoes nao soh sobre a planta mas sobre vc msm eh um presente dos deuses como dizem os hindus...qndo eu vi opost da admn. do GR banindo o stupa parecia ateh que alguem morreu fraga tipo e ai...a troco de que.... claro que existem N argumentos pra ambos os lados da historia e tds encontrarao suas verdades ... aki somos mts, diversos, em poucos lugares se ve uma diversidade tao grande, somos pais de familia,universitarios,empresarios,profissionais liberais,porra-lokas,bicho-grilos,alguns mais serios,outros mais extrovertidos tds unidos por uma so PAIXAO..e eh isso soh isso eh o que nos une e nos desagrega ao msm tmpo,apenas PAIXAO,paixaodo stupa por suas diversoes o q eh perfeitamente normal,paixao dos manos por cultivar,defender a causa e acreditar "que essa porra um dia vai mudar"....poderia ter deixadoo cara flar td mnd sabe ki isso eh fase,a gente nem sabe o que tava passando na vida pessoal do cara a gente tem eh ki se une e nao kria varios grupinhos igual eu vejo rolar aki no GR o CC parecia mais unido os posts eram avaliados com mais criterio por serem poucos sei lah eh soh uma opiniao,axo particularmente que omovimento tah discanbando msm qndo deveria se ter mais força a mulekada de hoje eh mto louca eles nao taonemai pra nd nao intendema informaçao que eles recebem mas eh compreensivel nao atiramos pedras a ninguem pois somos tds irmaos...vamos respeitar mais um ao outro e a esse lugar tao massa que eh GR abraço atds paz na alma
  8. Opa, td trankuilo copyleft.... primeiramente vc nao eh xato nd cara, vc tem o espírito questionador que todo grower deveria ter, não engolir qualquer coisa eh fundamental pra fortalecer nosso senso crítico. Realmente esse eh um assunto complicado e controverso, e exige uma série de conceitos sobre fisiologia vegetal. Mas como vc msm disse, nd melhor que a experiência para comprovar a verdade, ainda mais se tratando de um ramo recente que eh a biotecnologia. Percebi que vc axou meio ofensivo o comentário que fiz sobre padrões, peço desculpas, não foi a intenção. Mas quis dizer padrões em referência ao cultivo, a certificação eh apenas para termos, certeza da procedência do produto que adquirimos e que ele realmente age da maneira descrita pelo fabricante ai vai o link da EcoCert,uma das empresas que emitem esses tipos de certificados EcoCert Bom td fert que se compra pronto eh sintetico, seja ele organico,proveniente da fermentaçao, hidrolise ou desidrataçao da materia organica, seja ele inorganico (mineral/quimico) produzido atraves de sais extraidos de rochas, natural msm eh taca o esterco na terra e deixar lah fermentando o resto eh manipulaçao feita pelo homem. Essa "quebra" da MO ocorreria naturalmente no solo (a planta utiliza os produtos dessa "quebra" de moleculas organicas) que sao aminoacidos proprios para sintetizar as proteinas das plantas, o que nao eh compativel com seu padrao proteico nao eh assimilado, assim como os carboidratos simples que se transformarao em glicose e posteriormente em amido.O fert organo-mineral tem os proprios aminoacidos e carboidratos jah na forma de assimilaçao,prontos para serem consumidos,as materisprimas jah passaram pelo processo de fermentaçao, nao precisam passar por nenhum tipo de transformaçao,ou quase nenhuma, para serem absorvidos e passam por mto menos transformaçoes no interior da planta o que leva a menor gasto de energia e aceleramento no crescimento; esses nutrientes organicos sao transportados por coloides humicos ou fulvicos presentes no substrato, por exemplo a turfa eh rica em ac. humico. Os sais quando dissolvidos em agua geram ions de carga positiva (ex:Ca++) e ions de carga negativa (ex:Cl-) quando esses ions encontram outros ions de carga oposta no solo reagem e formam novos compostas,fenomeno denominado fixaçao quimica, mtas vezes indesejaveis para o cultivo e responsaveis pela salinizaçao dos solos e intoxicaçao das plantas(fitotoxidade)...sim brow tds os ferts organo-minerais apresentam essa baixa fitotoxidade...claro que a concentraçao(%) do fert e a quantidade que se aplica estao intrissicamente ligadas a intoxicaçao mas as caracteristicas do organo mineral diminuem e mto a fitotoxidade em relaçao aos outros ferts....Quando esses ions estao associados a materia organica antes de terem contato com o solo (fixaçao biologica), se transformam em moleculas de baixa polaridade e liberaçao de sais(ions) livres controlada impedindo que eles reajam com outros ions de cargas opostas e ocorra a fixaçao quimica no solo por isso os sais sao totalmente absorvidos e a perda por lixiviaçao eh minima. A ocorrencia de carencias tmbm eh quase nula e se aparecer deve ser suprida via foliar(o foliar eh mais um suplemento e estimulante). como citado anteriormente,ai estah um exemplo: "Aplicam-se, portanto, quatro vezes mais fósforo que a planta vai absorver, pelo fato de ocorrer no solo reação de fixação. No intuito de minimizar este efeito de fixação, procura-se, hoje em dia, concentrar o fertilizante mineral fosfatado em uma faixa restrita, ao lado e logo abaixo da semente, procurando reduzir a área de contato do adubo com a terra, minimizando a fixação do fósforo. O emprego de fertilizantes granulado também contribui para evitar o contato exagerado e imediato dos fosfatos solúveis com os referidos óxidos. A literatura apresenta vários outros experimentos que comprovam a potencialização do uso de fósforo quando ministrado na forma de organomineral como o trabalho de Peixoto e outros, e Singh Yadav. A fixação biológica de fosfatos, diz Ribeiro, é benéfica, pois o fósforo fixado biologicamente (fósforo imobilizado, ou seja, que passou da forma mineral para orgânica) será liberado com a morte de microorganismos que os incorporaram; esta liberação é lenta e se constitui em um valioso princípio para a nutrição vegetal, pois se ela fosse rápida, poderia haver fixação química. Em 1974 Setzer já afirmava que se podia reduzir as quantidades de fertilizantes fosfatados solúveis a um terço, ou um quarto as doses habituais, simplesmente misturando-os, antes da aplicação, com um fertilizante orgânico de boa qualidade, como um esterco seco e passado na peneira." Em relaçaoa pros e contras acredito que ao longo de anos de trabalho e boa vontade de growers experientes do forum e posts espetaculares, jah nos dao argumentos, podem ateh ser basicos, para discutirmos sobre o assunto. Para nos growers usar fert quimico eh otimo tds sabem,mas e aquele cara que planta no jardim ou no sitio e tah enxendo o solo de minerais pesados,rolando fixaçao quimica no solo frequentemente, vai que um tem um lençol de agua ali ou que futuramente ele queira plantar algumas frutas ou verduras etc o quanto o solo pode estar comprometido sem contar a atividade microbiologica que se torna quase inexistente devido a inconpatibilidade de bacterias com certos compostos formados no solo que sao tao densos que demoram anos para desaparecerem jah que nao sao soluveis em agua, ou coloides organicos, ou apenas parcialmente soluveis....o fert organico ou organo-mineral nao rola isso pois a fixaçao eh biologica...ai vai da cabeça de cada um...por isso os ferts tanto organicos quanto organo-minerais nao oferecem risco nenhum nem presente nem futuro a saude e ao bem estar humano.Realmente fert quimico nao te mata mas pode prejudicar mto a nossa saude a longo prazo.Tanto que os grandes agricultores nao utilizam mais ferts quimicos. Em relaçao aos estudos feitos sao sim em condiçoes mto diferentes das que usamos e digasse de passagem mais inospitas e menos propicias a um cultivo equilibrado como o nosso mas nos servem sim como base de comparaçao para optarmos por produtos que estao sendo usados em culturas de vegetais mais proximos a cannabis (nao sei bem ao certo quais sao) mas o que devemos estar atentos eh em relaçao a concetraçao dos sais e a quantidade usada,as mesmas precauçoes que se toma com um fertilizante mineral ou organico,o melhor msm eh observar as respostas da planta soh assim poderemos estabelecer uma forma de uso e os ferts mais recomendados,ainda naum tenho dados suficientes para passar uma opiniao precisa pois o assunto eh complicado e de dificil compreensao msm (posso dizer o que uso e jah vi outros growers usando tmbm como o BC BUD que faz uso desses ferts e tem otimos resultados. Realmente simpatizo com os organo-minerais e acho que os growers poderiam se beneficiar mto deles mas nao estou influenciando ninguem a usar ou deixar de usar qlqr fert apenas citando dados e apresentando certas opticas mais cientificas sobre o assunto,que eh mto interessante.Não tenho o background de certos growers nem intençao messianica apenas um novo olhar sobre a coisa.... Podemos fazer um topico sobre fisiologia vegetal ajudando a tds entenderem melhor os processos metabolicos nao soh da cannabis mas dos vegetais em geral,acho que seria construtivo... Sobre o efeito de rocha matriz ai vai: O solo eh uma mistura de sais, que sao provenientes do intemperismo quimico gerado pela agua dos lençois e ar que penetra no solo sobre uma rocha que se encontra na camada mais profunda do solo esta chamada de rocha matriz pelos geologos + materia organica oriunda da superficie.Ex a "terra roxa" que eh proveniente de uma rocha magmatica o basalto e possui uma coloraçao bem avermelhada e riquissima em nutrientes para a agricultura. A rocha matriz permite que a agua da superficie escoe ateh os lençois por ir se "granulando" a medida que sofre intemperismo,alem detmbm reter nutrientes (jah viram ficus bonsai plantado em pedra?). Essa agua carrega grande parte dos sais que estao em excesso no solo alem de materia organica jah decomposta (por isso a agua dos rios eh doce).A rocha matriz exerce mais uma serie de funçoes mas para nosso caso essa eh a mais importante em comparaçao com a argila expandida. Providenciarei um post mais detalhado sobre o assunto tmbm. Meu cultivo:Las meninas Eu,particularmente, no momento uso o aminon-25 (foliar e 1 vez no solo no meio da veg.),Biopirol (foliar),Biofert Raiz (solo e foliar),Biofert Plus (solo),e Terracottem como condicionador de solo...Não uso mais de um fert de uma soh vez pq ai queima por micro-nutrientes msm. Sobre as aplicaçoes to elaborando uma tabela logo mais eu posto ela pra vc dar uma olhada.... eh isso brow..qlqr coisa tamo ai... abrax a tds ===~ respeito e paz
  9. bom mano sobre suas duvidas... Para quem nao reutiliza terra nao faz a menor diferença esgotar ou amplificar a concentraçao de sais/nutrientes apos o cultivo o importante eh durante o cultivo manter as necessidades da planta e o substrato sempre em equilibrio. O estudo sobre esse assunto foi apenas patrocionado por uma empresa que possui sim interesses em lucrar eh claro mas no caso dos organo-minerais temos as melhores faculdades federais do pais(Curitiba,BH,Natal),em conjunto com a Embrapa, envolvidas em pesquisas na área pois como jah sabemos o modelo agricola atual tende a mudar para um menos nocivo o que se torna uma necessidade real a cada dia. A bioexton detem um MÉTODO de produçao mais eficientes dos ferts organo-minerais no Brasil... a fermentaçao das matérias primas, etc.,justamente por patrocinar essas pesquisas,mas existem uma serie de produtos,inclusive jah citados no GR,que estão revolucionando a agricultura no brasil graças a biotecnologia aplicada nesses ferts. http://www.ambientebrasil.com.br/composer....ogia/rosto.html <-----Deem uma lida pq eh mto bom Os organo-minerais muitas vezes sao confundidos com fitohormonios como auxinas e gliberinas mas na verdade eles promovem o estimulo do metabolismo da planta para que promova a sintese desses hormonios e proteinas de forma mais rapida e com menor gasto de energia alem de fornecer carbohidratos e aminoácidos LIVRES,prontos para serem assimilados ou que sofrerao poucas transformaçoes, isso nao ocorre com ferts quimicos onde a planta tem que fazer uma serie de quebras de sais inorgânicos jah no meio intracelular o que ocasiona em um gasto de energia altissimo. Os organo minerais são o meio termo entre organicos e quimicos: .Não são tão rápidos nem tão lentos .Possui tanto moleculas organicas(carbohidratos,aminoácidos) quanto sais inorgânicos,que tambem são necessarios a planta,principalmente fosfato que sera usado na formaçao de ATP. .A planta consegue absorver td o conteúdo de sais. .Baixa fitotoxidade. .Possuem certificado de qualidade e leis que permitem avenda e circulaçao desses produtos .NÃO SÃO TÓXICOS PARA O HOMEM. Para quem reutiliza o solo ou planta em out com msm solo tds as caracteristicas vem a calhar pois o solo nao saliniza,a atividade micro-biologica do solo eh amplificada(as bacterias fixadoras do N do ar,aquelas das leguminosas ) deixando o solo rico por mto mais tempo .Baixo índice de salinização do substrato .O overfert eh mto dificil de ocorrer .Matéria prima necessária para TODOS os processos do metabolismo celular (por isso a planta engorda,ela quase não gasta energia) Os solos naturais são mto diferentes dos substratos profissionais que usamos,os solos naturais possuem horizontes,camadas onde se tem maior presença de minerais nas camadas mais fundas e maior presença de matéria orgânica (que não sao nada alem de carbohidratos,proteínas e lipídios,ou seja moleculas organicas )nas camadas mais superficiais .Nos substratos profissonais o solo eh homogenio com uma distribuiçao equilibrada de sais e matéria orgânica e o efeito da rocha matriz simulado pela argila expandida no fundo do vaso.Portanto os substratos profissioanais tem uma capacidade de transporte de ions mto maior que os solos naturais devido a essa homogeinidade o que propicia um uso de ferts com concentraçao mais baixa, em menor quantidade ou com menos frequencia.eu uso aminon-25 (rico em N),uso coisa de 5 a 10 gotas por litro (+-1ml) de 15 em 15 dias, fika verdao mas verdao msm. Em relaçao ao ciclo curto da cannabis que eh classificado como curto ai eh que eh fino msm pq vc vai aplicar de 1 a 3 vezes no maximo cada fert dependendo do metodo de cultivo,ou seja,rende bagarai!!E o esgotamento do solo ou substrato serah quase que nulo devido a atividade microbiologica sendo mantida e restabelecendo os níveis de nutriente no solo (a decomposiçao de materia organica com a ajuda de bacterias eh importantissima uma vez que certos produtos são nocivos a cannabis e elas,bacterias e micorrizas, os transformam). A cannabis eh uma planta fantastica tendo um dos metaolismos mais eficientes do reino vegetal com uma vasta gama de enzimas prontas para ajudar a sintese de proteinas e a reparaçao da planta sendo apta a "comer" quase qualquer nutriente seja inorgânico ou orgânico,quase td pode ser usado desque que dentro dos objetivos estabelecidos pelo cultivador. Em questao a aumento de produtividade eh mto relativo pois esse aumento depende não soh dos ferts mas de uma serie de fatores que os growers conhecem bem falar qual eh melhor ou ql eh pior eh estabelecer um padrao e padrao segue quem quer, agora claro que existem certos fatores no cultivo que são leis,são fatos, tipo causa e efeito...se vc fizer isso...vai rolar aquilo...acho que cada um decide de acordo com seus objetivos, disponibilidade de tempo e grana, qual fert deve usar...sais quimicos funcionam bem e tds conhecemos os pros e contras,organicos sao uma blz apesar da demora no tempo de resposta mas qualidade de se fumar um bud organico nem tem comparaçao....agora o organo-mineral o proprio nome jah diz eh uma junçao uma mistura dos 2, pode-se dizer que eh um fert hibrido, e em questao a maléficios eh um meio termo entre os dois acredito que tudo tem uma parte ruim mas se souber ser usado de maneira correta pode criar mta coisa eh tipo "a vibe positiva de cada coisa" o peters eh um exemplo disso.Se fosse o PROPRIO FITOHORMONIO sintetizado em labs ai sim existiria riscos grandes da planta vir a ter um tipo de tumor devido a ser uma substância antígena,ouseja, estranha para a planta ,logo ela tentará se desintoxicar e ai vai td o processo....O ideal msm seria não fertilizar, plantar em campos abertos em rotaçao de culturas com leguminosas e apenas materia organica principalmente a oriunda de algas que eh a mais rica de tds o que seria o modelo mais natural possivel porem ainda vivemos em um antigo plano de pensamentos onde um ser vegetal intimo da humanidade eh reprimido por ignorancia.. Eh isso brow espero ter respondido tds as suas duvidas abrax paz a tds
  10. salve galera em meio a tantas duvidas peço licensa pra postar tecnicamente sobre os ferts que tanto dao o que falar.... Alguns conceitos para melhorar o entendimento: Adubação: diferença entre a exigência da cultura e a reserva do solo, que é reposta através dos adubos. Adubação Verde: prática agrícola de se incorporar ao solo a massa verde ou vegetal, não decomposta, de plantas cultivadas, com a finalidade de se enriquecer osolo com matéria orgânica e elementos minerais. Adubo Verde: planta cultivada ou não com a finalidade primeira de enriquecer o solo com sua massa vegetal. Adubação Orgânica: aquela feita com adubos orgânicos, havendo incorporação de matéria orgânica ao solo. Adubo Orgânico: qualquer resíduo animal ou vegetal. Adubo Organo-mineral: sao adubos cuja materia prima de origem organica passa por um processo de fermentaçao,hidrólise ou desidrataçao feito por microrganismos e está associada a materia prima de origem mineral/inorganica (sais/ions). Adubação Química: a que é feita com adubos químicos, havendo incorporação de sais minerais ao solo. Adubo Químico: sal mineral, obtido a partir de processos industriais, compostos de macro e micronutrientes. Agricultura Orgânica: sistema de produção agropecuário que promove a interação entre biodiversidade, ciclos biológicos das espécies vegetais e animais e atividade biológica do solo. Baseia-se no uso mínimo de produtos externos à propriedade e no manejo de práticas que restauram, mantém e promovem a harmonia ecológica do sistema. Biofertilizante: fertilizante orgânico repleto de microorganismos (por isso é considerado um fertilizante "vivo") usado no solo ou diretamente sobre a planta. Feito a partir de matéria orgânica fermentada (estercos, ou partes de planatas), que pode ou não ser enriquecido com alguns minerais como calcário e cinzas. Biomassa: qualquer matéria de origem vegetal, utilizada como fonte de energia, para adubação verde ou para proteger o solo da erosão. Calcário: corretivo freqüentemente usado em solos ácidos, sendo constituído de rochas carbonatadas. Calcário: corretivo freqüentemente usado em solos ácidos, sendo constituído de rochas carbonatadas. Calda Bordalesa: protetor líquido de plantas, feito à base de sulfato de cobre e àgua de cal. Calda Sulfocálcica: protetor líquido de plantas, feito à base de sulfato de cálcio, e água de cal, contendo também enxofre. Cobertura Viva: cultura de cobertura do solo que é plantada juntamente com as culturas principais durante a estação de cultivo. Cobertura Morta: restos culturais, adubos verdes picados e outros materiais vegetais secos ou em processo decomposição que são depositados sobre o solo, para fins de proteção contra erosão e fornecimento de matéria orgânica. Composto: adubo orgânico que provém de todos os resíduos da propriedade agrícola, reunidos e preparados sob condições controladas para melhorar as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo. Compostagem: processo de preparação do composto Efeito Residual: tempo em que um agrotóxico permanece nas plantas, nos alimentos, no solo, no ar e na água, podendo trazer complicações de ordem toxicológicas. Esterco: excremento animal usado como fertilizante, o mesmo que estrume. Fosfato: mineral acessório em rochas magmáticas (formadas a partir da lava de vulcões), metamórficas e sedimentares, cuja função é fornecer quase todo fósforo presente no solo. Hormônio: 1) Princípio ativo das glândulas de secreção dos animais, que também pode ser sintetizado em laboratórios. 2)Substância química produzida pelas plantas ou pela indústria para regular processos fisiológicos das espécies vegetais. Húmus: produto final resultante da decomposição da matéria orgânica de origem animal ou vegetal, que se caracteriza por uma massa escura, amorfa, heterogênea, insolúvel, possuindo carga negativa e alta capacidade de absorver àgua. O mesmo que humo. Índice de produtividade: uma medida da quantidade de biomassa contida no produto colhido com relação a quantidade total de biomassa viva presente no restante do sistema. Macronutrientes: nutrientes que as plantas necessitam em grandes quantidades (100Kg/hectare/ano), como nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. Micronutriente: nutrientes que as plantas necessitam em pequenas quantidades (10Kg/hectare/ano): boro, zinco, ferro, molibidênio, cloro, manganês e cobre. Microorganismo: ser vivo microoscópico. Para atividade agropecuária recebem atenção especial os que habitam os solos e convivem com as plantas e animais de modo benéfico ou prejudicial. Nutrição: 1) Processo pelo qual os organismos retiram do meio a energia e a matéria necessárias ao seu crescimento, multiplicação, manutenção e exercício de suas faculdades. 2)Conjunto de processos assimilatórios, constituindo a ingestão, a digestão, a absorção. Nutriente:qualquer substância alimentar que entre no metabolismo celular e promova a vida do organismo. Solubilidade: capacidade que uma substância tem de se dissolver num meio líquido. Tolerância: 1) Capacidade do organismo suportar condições adversas sem se desviar das suas funções ou desenvolvimento.2)Quantidade máxima de resíduos de agrotóxicos permitida sobre um produto alimentar ou sobre os seres humanos. Toxicidade Aguda: poder letal de uma substância ou composto químico, seus derivados ou metabólitos. Toxicidade Crônica: toxicidade cumulativa de uma substância ou produto químico Tratos Culturais: operações feitas nas culturas, tais como: adubação, rotação de culturas, manejo da matéria orgânica, entre outros. Vitamina: composto orgânico dos reinos animal e vegetal que atua em pequeníssimas quantidades sendo essencial para o desenvolvimento do ser vivo. Classificam-se em: a) Hidrossolúveis, que se dissolvem em água, sendo constituídas pelas vitaminas B e C. Lipossolúveis, que são insolúveis em água e solúveis em solventes orgânicos, sendo constituídas pelas vitaminas A, D, E, e K. ...As plantas necessitam de diversos elementos químicos, na faixa de concentração, chamada zona de deficiência, um pequeno incremento no teor do nutriente, conseguido por fertilização por exemplo, acarreta grande crescimento da planta. Acima da concentração crítica, que é aquela suficiente para gerar 90% do crescimento máximo, os aumentos na concentração não afetam apreciavelmente o crescimento(overfert). A zona adequada representa um consumo de luxo podendo o elemento ser estocado no vacúolo, como alternativa ao metabolismo. Esta zona (adequada) pode ser ampla para os macronutrientes e tende a ser estreita para os micronutrientes que atingem antes a concentração crítica tóxica, que é aquela suficiente para acarretar redução de 10 % no crescimento. Quando ocorre deficiência de algum nutriente, isto pode ser visualizado pela formação de "sintomas de deficiência". O quadro sintomatológico depende principalmente de 2 fatores: A função ou as funções do elemento; A mobilidade do nutriente na planta, ou seja, se ele é ou não redistribuído (remobilizado) de partes velhas para partes novas (em formação) da planta.Os nutriente podem ser classificados da seguinte forma: Móveis – N, P, K, Mg, Cl, e Mo ( os sintomas destes aparecem nas folhas velhas, pois eles são retirados destas para serem usados nas partes novas); Pouco móveis – S, Cu, Fe, Mn, Ni e Zn; Muito pouco móveis – Ca e B. Antes do aparecimento dos sintomas de deficiência, o metabolismo e o crescimento já foram comprometidos de alguma forma, de modo que um monitoramento dos teores de nutrientes foliares ou do solo são alternativas preventivas. Nitrogênio » é a despeito de cerca de 78% da atmosfera ser de N2, esta forma só é diretamente disponível para alguns procariotos (bactérias e cianobactéria). A maioria dos solos é deficiente na forma absorvíveis de nitrogênio (N) pelas plantas (nitrato e amônio). A matéria orgânica do solo e a fixação biológica de nitrogênio (FBN) são as principais fontes naturais deste nutriente que costuma ser exigido em quantidades superiores aos demais nutrientes minerais (C, O, H, não são considerados minerais e encerram, geralmente, mais de 95% do peso seco das plantas). O nitrogênio participa de diversas moléculas como proteínas, DNA, RNA, clorofila. Fósforo » depois do N, o P é o elemento mais freqüentemente limitante dos solos. É principalmente absorvido com H2PO4-, e menos rapidamente como HPO4=. O pH deve ser portanto menor que 6,8 para uma melhor disponibilidade deste elemento. Em pH elevado podem se formar ainda fosfatos de cálcio ou magnésio, que são pouco solúveis, podendo precipitar compondo assim a fase sólida e indisponível do solo. Em pH neutro ou ácido a formação de fosfatos pouco solúveis, se dá com ferro ou alumínio. É interessante que algumas plantas, como estratégia de defesa fazem extrusão de fosfatos na rizosfera para acarretar a precipitação do alumínio, que é um elemento tóxico para as plantas. Em pH baixo e presença de argila do tipo oxihidróxidos de ferro e alumínio a capacidade de troca de ânions desta argila aumenta (cargas dependentes de pH) e o P fica na fase chamada "lábil" (absorvido) e assim também menos disponível que na fase de solução do solo. Estas três frações são esquematizadas na figura 2. O P participa de biomoléculas tais como DNA, RNA, fosfolipídeos, açúcares fosforilados, ATP, ADP, tendo também função regulatória, como a de ativar ou desativar enzimas. Potássio » depois de N e P os solos são mais comumente deficientes em K ( devido a isso são comuns as formulações de fertilizantes com N-P-K). O K+ não participa de nenhuma biomolécula. È importante ativador de enzimas ligadas à fotossíntese, respiração, síntese de proteínas e síntese de amido. Como já foi dito acima, o K+ é um dos mais importantes agentes osmóticos. Enxofre » a maior parte dos S das plantas encontra-se nos aminoácidos metionina e cisteína. Estes aminoácidos desempenham um papel importante na estrutura terciária das proteínas através da formação de pontes de dissulfeto (S-S). Em algumas proteínas a interconversão entre pontes de dissulfeto e grupamentos sulfidrila (SH) pode determinar ativação ou inativação da atividade enzimática. Proteínas contendo ferro e enxofre (ex.: ferredoxina) são importantes para a transferência de elétrons na fotossíntes, na fixação biológica de N e redução de íons NO3-. Outros compostos essenciais que contêm S são as vitaminas timina e biotina, além da coenzima A que integra as vias metabólicas respiratórias e de biossíntese e de degradação de ácidos graxos. Cálcio » componentes de pectatos de cálcio da lamela média, sendo importante para a ocorrência das mitoses. Confere rigidez às paredes celulares fazendo pontes salinas entre grupos carboxílicos (dos ácidos poligalacturônicos) da pectina. Por ligação semelhante, agora entre cargas negativas de fosfolipídeos confere integridade física e manutenção da seletividade das membranas biológicas. No citossol, o Ca+2 ocorre em quantidades diminutas (10-7 - 10-8 M) tendo importante função de segundo mensageiro em vias de tradução de sinais, as vezes com associação à calmodulina que é uma proteína ativada por Ca (tem 4 sítios de ligação de cálcio) e que por sua vez, pode ativar enzimas. Ao contrário do que ocorre com amaioria dos nutrientes, o cálcio só se movimenta pelo apoplasto. A sua entrada na raiz é portanto restrita a pontos onde as estrias de Caspary não se consolidaram, como ocorre nas pontas de raiz ou quando da diferenciação de raízes secundárias que se formam rompendo a endoderme. Seu fluxo na planta depende muito do fluxo transpiratório, embora possa haver no xilema tocado por pressão da raiz e por circulação em associação com o fluxo do floema. Magnésio » faz parte da clorofila, cujo grupo porfirina é um quelante natural com afinidade pelo Mg, além de ativar a Rubisco e a PEPcase e estabilizar ribossomos. É crítico para reações que utilizam ATP, pois na realidade utilizam Mg-ATP. Ferro » freqüentemente é o mais exigido dos micronutrientes. Faz parte do grupo catalítico de enzimas oxiredutoras, tendo importante papel na transferência de elétrons na fotossíntese, respiração e fixação biológica do N, passando de íon ferroso (Fe+2) para íon férrico (Fe+3) e vice-versa. Assim como outros elementos essenciais (Cu, Mn e Zn) participa da estrutura da enzima Superóxido Dismutase, responsável pela aliminação do radical livre superóxido (O2). Não participa da clorofila, mas sim de sua síntese. Boro » confere integridade à parede celular e ativa enzimas como a AIA oxidase. Cobre » ativador de enzimas com função de desintoxicar a planta de radicais livres (Superóxido Dismutase). Uma proteína carreadora de elétrons da fotossíntese denominada Plastocianina. Zinco » ativador de enzimas como a Anidrase Carbônica e oxidases e integrante da enzima Superóxido Dismutase. Participa do controle da concentração endógena do AIA que é um fitohormônio do grupo das auxinas, responsável pelo controle do crescimento longitudinal das células vegetais. Manganês » cofator de enzimas. Participa da fotólise da água tranferindo elétrons, e da estrutura da enzima Superóxido Dismutase. Molibdênio » constituinte da Nitrato Redutase e da Nitrogenase (esta última não é enzima de plantas mas microorganismos fixadores de N associados às plantas). Cloro » juntamente com o Mn participa da fotólise da água. Utilizado para manter neutralidade de cargas e como agente osmótico. Cobalto » é essencial para a associação leguminosa-rizóbio, sendo exigido pelo microorganismo. Todos estes devem ser disponibilizados de uma forma assimilável à planta para que ela cresça. Obviamente, existem mecanismos naturais para a planta suprir suas necessidades, porém muitas vezes são processos lentos frente à demanda produtiva. Podem ser aplicados através das folhas mediante pulverização manual ou mecanizada, chamada de adubação foliar ou por irrigação através do solo. É bom lembrar que antes de se aplicar qualquer tipo de fertilizante ou corretivo de solo, deve-se antes fazer uma análise química do solo para que, dessa forma, não haja desperdícios e compras desnecessárias, ou ainda uso incorreto dos fertilizantes podendo acarretar perdas na produtividade com o uso desbalanceado dos nutrientes ( o excesso de um nutriente e a falta de outro pode deixar a planta muito suscetível a doenças). Classificação Adubos minerais: São extraídas de minas e transformados em indústrias químicas(como o famoso peters!!). São diretamente assimiladas pelas plantas ou sofrem apenas pequenas transformações no solo para serem absorvidos. Podem conter apenas um elemento ou mais de um. Os principais elementos fertilizantes são: nitrogênio, fósforo e potássio. Existem também os micro nutrientes como bórax, sulfato de zinco dentre outros que podem ser agregados nos fertilizantes. Adubos nitrogenados Adubos fosfatados Adubos potássicos Adubos mistos – contém mais de um elemento nutritivo predominante (nitrogênio, fósforo e potássio) Adubos calcários (ou corretivos) Adubos orgânicos: São resíduos animais ou vegetais, sendo de ação mais lenta que os minerais, visto que necessitam transformações maiores (serem desmontados em compostos inorgânicos) antes de serem utilizados pelos vegetais. Promove o desenvolvimento da flora microbiana e por conseqüência melhoram as condições físicas do solo; assim, a presença de matéria orgânica acelera a atuação dos adubos químicos. Esterco de curral – para melhor aproveitamento dos fertilizantes contidos nesse adubo, faz-se necessário que o adubo seja curtido, geralmente por trinta dias sob condições especiais. Resíduos de matadouros – são ossos, sangue seco ou farinha de sangue (extraído os ossos e gordura em tanques a pressão), chifres e cascos. Esses dois últimos de difícil assimilação. Resíduos oleaginosos – são sub produtos da indústria de óleos. Vinhaça – são sub produto das usinas após a destilação do álcool. Apesar de ser solução ácida, produz efeito alcalinizante. Resíduo de filtro prensa – é sub produto da usina de açúcar. Adubo verde – São cultivos que se praticam para serem enterrados no solo. Geralmente leguminosas de enraizamento mais profundo. Num solo sem fertilidade pelo uso excessivo e muito afetado pela erosão, às vezes, só pega no segundo ano, assim é recomendado, nesses casos, sementes inoculadas com bactérias fixadoras de nitrogênio. Alguns cultivos praticados: feijão de porco, feijão guandu, mucuna, feijão baiano e soja. Adubos Organo-minerais:(particularmente acho que sao os que merecem mais atençao por ser a junçao das caracteristicas de ambos os ferts anteriores) I- Introdução ^ É comum na agricultura, a prática de misturar no sulco ou na cova de plantação os fertilizantes orgânicos com os minerais. Consultando-se o Boletim 200 ou o Boletim 100 do Instituto Agronômico de Campinas, podemos observar a preocupação dos técnicos em indicar a mistura dos fertilizantes orgânicos com os minerais para a garantia de melhores e maiores colheitas. Experimentos realizados na ESALQ-USP durante dez anos consecutivos, nos quais se estudou a aplicação do esterco mais fertilizante mineral na cova e depois, anualmente, de uma só vez, em coroa e na projeção da saia do cafeeiro, bem como a aplicação somente de fertilizantes minerais ou só orgânicos, demonstraram que a associação da adubação orgânica com a mineral foi sempre superior às mesmas, isoladamente. Um outro experimento em que a cultura do trigo foi adubada apenas com esterco, apenas com fertilizante mineral e com um organomineral formado pela mistura dos dois anteriores. O resultado do experimento foi que a associação do fertilizante mineral mais orgânico nunca foi superada em produtividade quer pela adubação orgânica, quer pela mineral aplicadas isoladamente. II- Mineralização dos fertilizantes orgânicos e taxa de aproveitamento dos fertilizantes orgânicos e minerais. ^ Os resíduos vegetais e/ou animais necessitam de um processo microbiano de decomposição para serem assimiláveis pelas plantas. Como resultado dessa digestão da matéria orgânica, haverá a formação de húmus e sais minerais contendo macro e micronutrientes, os quais deixam sua forma orgânica dita imobilizada para passar à forma mineralizada. Neste quesito, fica marcante a vantagem competitiva da tecnologia Bioexton, que através de processo patenteado, consegue uma biodegradação acelerada de diversos tipos de material orgânico, dentre ao quais, os com alta relação C/N, como serragens e bagaço de cana, em tempo recorde de no máximo 72 horas. Os materiais orgânicos humificados apresentam nitrogênio inorgânico na forma de nitrato, prontamente assimilável; o fósforo orgânico é mineralizado a partir de compostos como fitina, fosfolipídios, nucleoproteínas, ácido nucléico, proteínas, que, pela ação de microorganismos, liberam íons fosfato (H2PO4) prontamente assimiláveis pelas raízes das plantas. Terá elevada capacidade de troca de cátions e de retenção de água, alta superfície específica e com seus nutrientes quase completamente mineralizados. Quanto às taxas de aproveitamento de fertilizantes orgânicos, segundo a literatura, 50% do nitrogênio, 60% do fósforo e 100% do potássio são aproveitados no primeiro cultivo. Segundo Malavolta, o aproveitamento dos nutrientes NPK dos fertilizantes minerais no primeiro ano de cultura é o seguinte: o nitrogênio dos fertilizantes, uréia, sulfato de amônia, MAP e DAP são aproveitados entre 50 e 70% no primeiro ano de cultura; o fósforo, em condições desfavoráveis, apenas 5% e, em condições favoráveis, 20%, dando uma média de 12%; o potássio, entre 50 e 70%. Portanto, a literatura indica que podemos ter um aproveitamento cinco vezes mais eficiente do fósforo disponibilizado junto com a matéria orgânica e 66% melhor no caso do potássio. A BIOEXTON tem recomendado a seus clientes a formularem produtos com 50% do P2O5 e 60% do K2O em relação a formulações de NPK químico, ainda assim, nos diversos experimentos que temos realizado, tem sido comum obter resultados de produtividade similares e até superiores com o biofertilizante organomineral BIOEXTON em comparações com as formulações químicas convencionais. III- Matéria orgânica como condicionadora dos fertilizantes minerais. ^ A matéria orgânica humificada contida na composição do biofertilizante organomineral proporciona um efeito físico benéfico, proporcionando uma maior friabilidade, permitindo que o biofertilizante se esboroa, escorrendo facilmente da sacaria, sem embuchamento de equipamentos, ao contrário de algumas fórmulas minerais que, por serem higroscópicas, absorvem umidade do ar, depois de misturadas com outros fertilizantes, ou armazenadas por algum tempo, tornam-se empedrados principalmente os sacos que ficam na parte de baixo da pilha. A fixação do fósforo no solo é outro fato indesejável. Quando da fabricação do organomineral, a matéria orgânica humificada misturada com o fertilizante mineral envolve o fosfato solúvel, protegendo-o e evitando, quando aplicado no solo, que reaja livremente com cálcio, ferro, manganês e alumínio, com os quais daria fosfato insolúvel. Outro fenômeno indesejável é quando usada alta dose de fertilizantes mineral, com elevados índices salinos e a cultura atravessa período de veranico. Os sais do fertilizante mineral dissolvem-se na solução do solo em concentração mais elevada que a da seiva das raízes, desidratando-as por osmose e causando a plasmólise das células; com conseqüente murchamento das plantas. A adubação via organomineral proporciona menor risco de murchamento no evento de veranico, já que ele contém menos sais minerais e ainda os têm condicionado a matéria orgânica. A matéria orgânica juntada ao fertilizante mineral, para compor o organomineral, portanto, diminui a possibilidade de ocorrerem incompatibilidades físicas ou químicas entre os componentes do adubo inorgânico. A alta capacidade de troca de cátions do biofertilizante tem a propriedade de adsorver eletrostaticamente nutrientes catiônicos como o potássio, cálcio, magnésio, manganês, ferro, cobre, zinco, amônia, etc., cedendo-os posteriormente às raízes das plantas, sem serem lavados ou lixiviados pela água da chuva que atravessa o perfil. IV- O Nitrogênio no biofertilizante organo-mineral. ^ Os fertilizantes minerais que recebem tratamentos artificiais para dificultar sua solubilização no solo são classificados como "adubos de disponibilidade controlada". Os fertilizantes orgânicos já possuem naturalmente seu nitrogênio com disponibilidade controlada. Como o fertilizante organomineral é preparado com síntese de minerais e matéria orgânica, o nitrogênio deste funciona com disponibilidade controlada, enquanto o nitrogênio do fertilizante mineral é de pronta assimilação. Essa combinação ideal de diferentes disponibilidades de nutrientes é que, na maioria dos casos, permite ao organomineral ser usado nas culturas de ciclo curto em uma só aplicação, sem necessidade de uma posterior cobertura nitrogenada. Um pesquisador que estudou a influência dos colóides humicos sobre a absorção de nutrientes foi Blanchet: "os colóides humicos aceleram a adsorção dos íons minerais nos colóides radiculares, aumentando a velocidade de absorção. Isto explica o fenômeno de desplasmólise, provocado pela penetração de íons no interior das células, que é acelerado pela presença de humus". Este fenômeno é chamado de efeito potencializador do húmus nela contido. V- O Fósforo no biofertilizante organo-mineral. ^ Sabe-se que a cada 100 kg de fósforo solúvel de fertilizante mineral aplicado como adubo, no primeiro ano da cultura, apenas cerca de 25% são aproveitados pelas plantas; em situações desfavoráveis o aproveitamento chega a ser de apenas 5 a 10 dos 100 quilos de fertilizante fosfatado aplicado. Aplicam-se, portanto, quatro vezes mais fósforo que a planta vai absorver, pelo fato de ocorrer no solo reação de fixação. No intuito de minimizar este efeito de fixação, procura-se, hoje em dia, concentrar o fertilizante mineral fosfatado em uma faixa restrita, ao lado e logo abaixo da semente, procurando reduzir a área de contato do adubo com a terra, minimizando a fixação do fósforo. O emprego de fertilizantes granulado também contribui para evitar o contato exagerado e imediato dos fosfatos solúveis com os referidos óxidos. A literatura apresenta vários outros experimentos que comprovam a potencialização do uso de fósforo quando ministrado na forma de organomineral como o trabalho de Peixoto e outros, e Singh Yadav. A fixação biológica de fosfatos, diz Ribeiro, é benéfica, pois o fósforo fixado biologicamente (fósforo imobilizado, ou seja, que passou da forma mineral para orgânica) será liberado com a morte de microorganismos que os incorporaram; esta liberação é lenta e se constitui em um valioso princípio para a nutrição vegetal, pois se ela fosse rápida, poderia haver fixação química. Em 1974 Setzer já afirmava que se podia reduzir as quantidades de fertilizantes fosfatados solúveis a um terço, ou um quarto as doses habituais, simplesmente misturando-os, antes da aplicação, com um fertilizante orgânico de boa qualidade, como um esterco seco e passado na peneira. VI- O Potássio no fertilizante organo-mineral. ^ O aproveitamento do potássio solúvel, pelas raízes, está intimamente ligado com a capacidade de troca de cátions do solo; a CTC do solo, Por sua vez, depende de seus colóides minerais e orgânicos. A CTC dos solos brasileiros varia de 3 a 15 meq/100g de solo. Um hectare de terra a 20cm de profundidade pesa de 2.000 a 3.000 toneladas. Um solo de baixa CTC, 5 meq/100g de solo, tem-se que: - 100g de solo possuem 5 meq - 2.500 toneladas (1 hectare) = 125 Keq (quilo equivalentes) - 125 Keq vezes 29 (equivalentes grama do K) = 4.875 de K+ Pelo cálculo acima, um solo com CTC média de 5 meq/100g é capaz de reter por adsorção 4.875 quilogramas de potássio por hectare. A recomendação técnica é não aplicar mais de 3% da CTC em K2O. Ou seja, 146kg de K2O/ha. Se considerarmos que as raízes de uma cultura como a soja não explora mais que 50% da área total, não é recomendável em uma terra de baixa CTC (5 meq/100g) mais que 73kg de K2O/ha. Se utilizarmos o organomineral com uma formula 2-7-5 como exemplo, na dosagem de 500kg/ha no plantio da soja, estaríamos utilizando um produto com CTC de mais de 250 meq/100g. Então: - 500kg de organomineral na formula 2-7-5 correspondem a 1.250.000 meq ou 1.250 eq - 1.250 eq vezes 39 eq do K+ = 48,75 kg de K+ = 58,75 kg de K2O. O cálculo mostra que no caso do exemplo dado para a soja, um solo de baixa CTC não poderia receber mais de 73kg de K2O por hectare no sulco, sem que houvesse perdas por lixiviação. O uso do biofertilizante organomineral em um hipotético plantio de soja, na dosagem de apenas 500kg/ha, dosagem usualmente usada com fertilizantes minerais solúveis, permitiria, graças ao CTC elevado, aumentar em até 80% (58,75kg em relação a 73kg) a capacidade do solo de adsorver potássio. Medcalf e outros pesquisando o efeito da aplicação de adubação orgânica, mineral e organomineral na cultura do café, encontraram aumento de mais de 30% de produtividade quando comparando a adubação potássica mineral com a organomineral, assim como aumento de mais de 27% no conteúdo de potássio nas folhas, entre um tratamento e outro. VII- O efeito Microbiológico. Há evidências que seu uso potencializa a vida microbiana através da multiplicação de microorganismos nativos e benéficos ao solo, através da inoculação provocada pelo uso do biofertilizante. O ICTA da Universidade de Uberaba está conduzindo experimentos nesta área, através da formação de uma equipe multidisciplinar, que é de suma importância na avaliação dos efeitos globais do uso do biofertilizante . http://www.growroom.net/board/index.php?sh...25215(organicos e organo-minerais diponiveis nomercado) Alguns adubos Nitrogenados Salitre do Chile – Principal elemento: nitrato de sódio Salitre potássico – Principais elementos nitrato sódico e nitrato potássico Sulfato de amônia – 20 % de nitrogênio na forma amoniacal, tende acidificar o solo. Nitrato de amônia – 35% de nitrogênio sendo metade na forma amoniacal e metade em forma nítrica. Tem apenas metade da acidez do sulfato de amônia, contudo é ácido. Nitrato de cálcio – Principais elementos: nitrogênio e cálcio. O nitrogênio encontra-se na forma nítrica. É adubo neutro. Nitrato de sódio sintético – Reproduzido artificialmente, tem características semelhante ao salitre do Chile, contudo sem os micro nutrientes. Uréia – 45% de nitrogênio. Como sofre transformações antes de chegar ao estado nítrico, tem acão lenta, contudo é resistente a lixiviação, e é usado preferencialmente no plantio. Como tem efeito acidificante, é necessário também o carbonato. Fosfatados Fosfatados minerais - Encontrado em jazidas, são conhecidas por apatitas, fosforitas, cuprolita; dependendo da natureza. Fosforita de Olinda - Fosfato natural de origem orgânica. Ossos moídos Guanos Superfosfato simples - São fosfatados monocálcico. Superfosfato duplo ou triplo Fosfatos precipitados - São fosfatados bicálcico, advindo de fosfatados tricálcico pelo tratamento com ácido clorídrico e adicionado leite de cal. Escória de Thômas - Sub produto da indústria de ferro. Serranofosfato Acidez ou alcalinidade Os adubos podem provocar acidez ou alcalinidade no solo. A mistura de alguns fertilizantes é conveniente, dependendo do tipo de solo, do seu pH e do que se cultivará. Ácidos - Nitrato de amônia , uréia, sulfato de amônia, fosfato de amônia, amônia anidra e sangue seco. Alcalinos – Nitrato de sódio do Chile, calcáreo dolomítico, nitrato de cal, cianamida, nitrato chileno potássico. Neutros – nitrocal, superfosfato, cloreto de potássio. Antes de fertilizar Deve-se determinar a qualidade do terreno. Um modo simples de determinar a fertilidade de um solo é pela análise de solo que determinará as disponibilidades dos nutrientes para as culturas. De posse dos resultados é possível determinar quais os nutrientes necessários para uma determinada cultura. Uma forma corriqueira de determinar a fertilidade é estabelecer a Relação Carbono/Nitrogênio no solo, que determinará as disponibilidades de nitrato disponíveis para as culturas, bem como indica o estado de decomposição de matéria orgânica na terra. As bactérias, ao decomporem a matéria orgânica no solo, se nutrem de nitratos. Quando a Relação C/N é maior que 12, as bactérias fazem muito uso do nitrato disponível no solo, empobrecendo-o. Nesse caso deve-se fertilizar agregando nitratos. Entretanto alguns cultivos suportam Relação C/N maiores. eh isso galera espero que ajude e enriqueça o nosso conhecimento......love ganjaa...abrax a tds
  11. http://www.growroom.net/board/index.php?showtopic=25215 salve brother nesse link tem uma serie de ferts organicos e organominerais disponiveis no mercado nacional de facil acesso e entrega e por um bom preço comparado aos gringos pagos em euro ou dolar...abraço
  12. noh psy tem mto mas com uns sonzinhos assim relaxantes uma sonoridade louca eh bamboo forest-ipanema (podi baxa o cd todo) pra baixa trance no emule soh pesquisa mycel tem qlqr coisa oow broder ananda shake realmente eh fino tmbm alem de Dali, Michelle Adamson e Shanti podi procura que eh fritaçao total
×
×
  • Criar Novo...