Ir para conteúdo
Growroom

canna_farmer

Usuário Growroom
  • Total de itens

    1612
  • Registro em

  • Última visita

Tudo que canna_farmer postou

  1. E aí rapaziada, tenho certeza que todos viram a luta do Sonnen X Silva no UFC 148, e que nos marcou porque o cara que é do país que manda no mundo tentou humilhar a todos nós. Somos os excluídos, que eles querem, mas não conseguem, varrer para debaixo do tapete. As drogas em geral, foram criminalizadas por discordância de intenções entre Estado e grupos sociais (que iam contra seus interesses): assim foi com os hippies pacifistas (contra a guerra da época, a do Vietnã... hummm ainda quero uma strain de lá!) e eram a favor do sexo sem pudor (indo contra os interesses da Igreja), assim é com os muçulmanos atualmente, são inimigos do Estado, como vocês podem ver, se não conseguem impedir um grupo indesejado de existir, torna-se algo que é parte integrante de sua cultura ilegal. Como fazem nas escolas francesas atualmente (a França teve muitas colônias árabes), com a proibição do uso de vestimentas e qualquer símbolo religioso. Sabem, plantar é como lutar: você tem todo um repertório de técnicas a serem usadas no momento adequado, cada planta é uma luta diária para mante-la bem, assim como alguém lutando para brigar ou defender um cinturão, há diferentes categorias, muitas vezes misturamos artes indoor no começo e outdoor ou guerrilha no fim, ou então outdoor no começo e guerrilha no fim, enfim, as situações se assemelham demais, e se a growlera postar bem completinho seu "set-up", seu estilo de plantar como requisito, (ou de lutar por uma maconha melhor e sem sangue hehe) bem completinho (composição do substrato, mistura de estilos e técnicas diferentes, set-up, criatividade...) com uma foto, vai ser uma BAITA troca de experiência, além de uma competicão virtual por voto para mostrar que os brasileiros são imbativeis também no cultivo! Aqui começa o UGC 1, que vai até o próximo domingo... great times are coming! Se nossos amigos da moderação puderem ajudar na idéia a qual eu dei o penta pé inicial, seria muito legal A propósito... estou de volta ao cultivo com 60% de germinação nas seeds de prensado! Ainda levo uma dessas competições hein!
  2. Olá Growlera! Fiz uma reflexão feito de uma perspectiva nova, considerando que, estranhamente, os estudos sobre drogas são, em sua maioria, sobre seus efeitos no organismo individual, esquecendo seus efeitos sobre o organismo que é a sociedade; foca-se no efeito fisiológico do consumo da substancia, mas não nos efeitos sociais da produção de drogas Algumas outras pesquisas dão um enfoque na relação consumo e venda de drogas/criminalidade, mas ignoram que em certos locais do mundo, a Cannabis é ostensivamente cultivada (inclusive com finalidade religiosa) há séculos, talvez há milênios, como provam registros da mais antiga farmacopéia chinesa. Os registros mais remotos datam de 2723 a.C., quando lá foi citada. O objetivo desse trabalho é, através de um pensamento critico, saber como se dá o cultivo em diferentes partes do Brasil, suas finalidades, a forma do produto (aqui no Brasil por exemplo é prensadão a maioria), a maneira como ele chega até seus consumidores, estabelecer como são as relações de cultivo no planeta (em certas regiões do Nordeste, se planta por não ser rentável o cultivo de cebola ou pimentão – e ninguém quer viver naquela miséria, acontecendo de famílias inteiras serem recrutadas para o plantio) Comecemos falando do nosso País. Segundo a SENAD, em torno de 80% da maconha produzida no Paraguai é destinada ao Mercado Brasileiro, e o Paraguai é o maior produtor de maconha da América do Sul, perdendo no mundo, apenas para Eua, Afeganistão e México (alguns consideram a Bolívia um grande produtor também). Isso quer dizer que no Brasil se fuma muita maconha. Mais do que muita gente vê por aí. A maconha cultivada no Paraguai chega ao consumidor muito prensada em tijolos finos de 1 Kg cada, se apresentando numa tonalidade verde-escuro ao marrom, algumas vezes com forte cheiro de amônia (resultado da decomposição do vegetal, quem já tentou fazer a experiência sabe, até por este motivo os prensados mexicanos que são vendidos nos Eua são diferentes, mas isto é pra mais adiante). No Paraguai a maconha pode ser plantada por camponeses pobres, que recebem as sementes geralmente de um brasileiro, e estes permanecem acampados nas plantações durante meses, em barracas improvisadas meio a mata. Outras vezes, seu plantio é feito junto a outras culturas, principalmente a de mandioca, para se dificultar o reconhecimento por parte dos helicópteros da SENAD. Ainda pode ser plantada em reservas florestais e indígenas, utilizando como mão-de-obra, pra variar, as pessoas mais humildes e que não tem necessidades e direitos básicos como alimentação garantidos pelo governo que depois pode prende-los por muito tempo. Chega a ser ridículo, porque o traficante, o cultivador e o transportador são enquadrados sob a nossa lei numa mesma perspectiva, tratados como traficantes, esquecendo que o que motivou a conduta do individuo que plantou a Cannabis para alimentar a família ou garantir seu auto-sustento, é diferente do que motiva o traficante a vender: uma perspectiva de lucro e poder. Há lucro para os cultivadores paraguaios carentes, mas eles fazem isso para comprar comida para a família, e não um fuzil banhado a ouro. Não concordam comigo que até mesmo o lucro buscado, pelo cultivador paraguaio e pelo traficante brasileiro, são completamente desproporcionais em suas cifras e visam atingir finalidades que, numa situação seria ao meu ver um fator essencial para que a nossa Lei pudesse dar um tratamento mais adequado para cada pessoa envolvida com a erva (na minha opinião o tratamento deveria ser é médico, mas eu não posso convencer o Demóstenes Torres a mudar sua opinião inflexível e dotada de um sentimento que busca uma política de retrocesso em relação as drogas, pois teme encarar o assunto de uma perspectiva real; no começo desse texto, deixei claro o quanto se consome Maconha no Brasil)? Grupos criminosos se aproveitam da falta de alcance dos tentáculos estatais para estabelecer verdadeiras máfias no Paraguai. Aonde o Leviatã não está se fazendo presente, não está atendendo a demanda social, cresceu o monstro do narco-terrorismo. Cidades como Capitan Bado e Coronel Sapucaia são separadas apenas por uma rua de barro; chacinas brutais são comuns nesses locais. E o Estado, impotente, nada ou pouco faz. Também deve-se levar em consideração o nível de corrupção das policias paraguaias e brasileiras; as forças de repressão lucram muito com o tráfico, há toda uma rede de extorsão e suborno em nossa policia, que oferece salários ínfimos (foi mal, mas pra ganhar R$ 2.000 por mês e olhe lá, pra enfrentar bandido fortemente armado, e em condições estruturais precárias, eu não vou nem se me obrigarem). Essa maconha chega na sua maioria em caminhões (e na sua minoria via carro, ônibus, bicicleta e a pé) através do Paraná, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso (talvez aí entre a Bolívia como produtora pela proximidade geográfica), que são estados habituados historicamente a registrar grandes apreensões. Pois bem. O Camponês produz e vende o Kg da maconha ao traficante por volta de R$ 3 – R$ 15. O traficante vai pedir R$ 5 por 50g em Foz do Iguaçu, depois de já ter atravessado a fronteira (daria R$ 100 o quilo, agora ta bem mais caro, mas tive um conhecido que em meados de 2007 pegava por esse preço sua maconha lá) Em Santa Catarina e no centro-leste do Paraná, na mesma época, um quilo variava de R$ 350 – R$ 500, sempre tendo os 2x1 mais caros). Percebemos aí a diferença de lucro do cultivador, seja o que tenha recebido ou não a semente, para o traficante que dissemina a droga com outros propósitos. O traficante não quer só comer. Quer comer caviar e tomar champanhe. Não é como o home-grower, que não admite que haja sangue em sua maconha e não quer fumar algo misturado com esterco de vaca. O lucro do homegrower aparece no seu próprio bolso, na sociedade e na sua própria saúde. Há ainda 20% do mercado brasileiro que são abastecidos pela produção nacional – que se dá em terras indígenas, com o aliciamento desses povos que o governo abandonou a própria sorte, assim como as famílias do sertão nordestino que cultivam para não passar miséria – e não pra comer caviar. As roças de maconha se espalham ao longo do Rio São Francisco e de muitas comunidades indígenas, principalmente no Maranhão. O curioso é que o usuário nordestino e do norte – a quem a droga é destinada primeiramente – preferem a maconha prensada geralmente, por acharem mais forte, enquanto o usuário do sul, sudeste e centro-oeste (no centro-oeste tem dos dois em equilíbrio, pelas condições geográficas favoráveis e até porque o transporte invariavelmente passa por ali, pelo menos o da pouca maconha solta que é vendida nessas regiões.) preferem a maconha solta nordestina, geralmente de predominância Sativa (li noticias sobre sementes paraguaias em plantações lá, não duvido, mas acho improvável que seja a maioria). Os lucros dos cultivadores nordestinos se assemelha ao dos paraguaios, e o motivo do cultivo também, porém, no nordeste a maconha costuma ser mais barata do que no Rio ou em São Paulo. Voltando a uma analise jurídica, deixo por consideração final minha insatisfação quanto a atual legislação, que em seus critérios, tentando ser abrangente, enquadra num mesmo tipo penal várias condutas distintas e que não caracterizam uma forma perniciosa a sociedade de envolvimento com a Cannabis. O Direito, como sistema mecânico e dinâmico (isto é, deve-se adequar as demandas sociais vigentes), deve acordar para o fato de que a Cannabis faz parte da vida cotidiana brasileira, e que o principal efeito perverso da maconha decorre de sua ilegalidade, que deixa margem a atuação de grupos narco-terroristas, sendo um dano social muito maior do que teríamos com um processo de legalização consciente. É hora de rever a legislação.
  3. Valeu irmãozinho The Guy on the Couch! Hehehhe nada como dar a tudo uma boa finalidade! Capituxo, como vai a sua horta cara? Quando minhas provas acabarem vou querer conferir o grow tintin por tintin (porque usam o nome de um herói para essa palavra? ) Valeu os elogios man, ainda temos alguma coisa da safra verão hehehe, estamos com umas genéticas novas que estão indo muito bem! Noticias mais detalhadas em breve, mas por enquanto, eu só volto pra prensado se ele for como esse da foto, e não financiar a violência! <---IMPOSSIBLE, IMPOSSIBLE Valeu!
  4. Olá a todos! Primeiramente queria dizer que fiquei confuso sobre em qual board postar este tópico, peço desculpas aos Moderadores de antemão por qualquer engano. Fiquei afastado do GR por muito tempo, perdendo tempo com essa merda de Facebook, essa merda virtual que eu não dou dois anos pra sair de moda, e muito o que estudar para o curso que estou fazendo (isso eu preciso né). Agora, parodiando Tupac, em "Letter 2 tha President": Fuck the hypocrates, i make my doom! Destination: Growroom Finally its time to bloom Aproveitando pra incentivar o 'bloom' de homegrowers, o que me deixa muito feliz, vou mostrar pra vocês como se faz um PIPE com o resto do caule de sua planta, um conector de TV e uma redinha para pipes! Bem, aqui está a foto do meu (caso se interessem pela idéia, eu faço um outro e tiro fotos pra um tutorial, mas acho que tá fácil de entender!) Eu percebi que o caule tem uma parte oca por dentro, então alarguei-a com uma chave de fenda (ou philips, aquela de tem quatro divisões na ponta, e não é mais larga nela...). Aí eu cortei com um pedaço de serra que tenho aqui os ramos laterais, e com um parafuso, usei uma marreta de caminhão (já deu pra ver que minha oficina é precária né hahahah) eu bati levemente, até o parafuso entrar um pouco, para em seguida parafusa-lo no cano de cânhamo e depois tira-lo. Então usei a mesma chave de fenda para alargar o buraco, prendi o conector com a redinha e pronto! Fazer isso foi muito divertido, pois além de um pipe que eu fiz e é personalizado, ele é feito com matéria da minha planta! Abração a todos!
  5. Bone Thugs´N Harmony - Creepin on ah Come up A parte do Bizzy Bone tem um flow muito foda!
  6. Esse cara é um gênio... não desde hoje não.
  7. Esse cara é um gênio... não desde hoje não.
  8. Oi, eu sou o Canna, do you wanna? (oferecendo o beck)

    1. BraveHeart

      BraveHeart

      passa a bola,seu delegado...heheheh

  9. Oi, eu sou o Canna, do you wanna? (oferecendo o beck)

  10. Ééééé... o Anthrax infectou geral... também tô contaminado
  11. Caraca, que pico bom pra guerrilha, como não tinha pensado nisso antes?
  12. Exatamente. A galera que já teve aulas de antropologia sabe disso... a cannabis é sagrada para os hindus, por exemplo. Mas hoje em dia nem todos fumam.
  13. Ei galera, vamos nos respeitar um pouco mais... afinal, estamos numa comunidade de irmãos!
  14. É brothers... nosso amigo CanhamoMan tá mandando ver aí! Parabéns brother! Aquele abraço
  15. Muito legal mesmo essa carta, brother cabelo Não sei porque ainda não fizeram um documentário sobre a história da luta do Padrinho...
  16. Eu acredito que essa história aí do Padrinho Sebastião é bem diferente dessa 'lenda urbana' que alguém inventou... nenhum juiz ia engolir essa.
  17. The Royal Teens - Short shorts Clássico dos 50´s!
  18. Legal... fico muito feliz com o brother DonkeyDick, ele foi um colaborador importantissímo do nosso fórum e uma vitíma de um sistema de leis injustas. Acompanhei desde o principio sua luta contra a lei e seu sofrimento, as cartas e tudo mais... espero que ele esteja muito contente em usufruir de sua plena liberdade agora que já não corre mais riscos! Gracias DKD! clap Abraços
×
×
  • Criar Novo...