Ir para conteúdo
Growroom

WeedMan127

Usuário Growroom
  • Total de itens

    453
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

538 Excellent

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Fiz isso hoje, após 5 dias penduradas de ponta- cabeça dentro do guarda- roupa . Eu estava sem erva já uns dias, não aguentei e fiz isso, só que embrulhei os buds em pedaços quadrados de papéis de folha de caderno . Deu muito certo ! O gosto não ficou ruim, a brisa veio fulminante acho que pelo fato da erva tá fresca . De 10 em 10 segundos, exatamente . Por 2, 3x no máximo . Mas veja bem : minha erva já tinha 5 dias de secagem . Dá sim amigo . É só envolver num papel para proteger o bud . Leva pro microondas de 10 em 10 seg. . Mas aconselho uma secagem de 5 dias antes !
  2. Revivendo mais um bom conteúdo de 2011 . Fiz uma cura de uma planta em 2016, uma Ruderalis hibrida, que durou 16 dias . Leio muito o povo dizer que pra uma boa cura é preciso de alguns meses pra deteriorar a clorofila etc e tals, mas não é preciso . O fato é que quando curamos a erva em um maior período de tempo, a gente perde o mais interessante que é o THC . (pra quem ama THC) Meu conselho pra quem quer uma erva forte e de bom gosto, é curar em no máximo 20, 25 dias . Não haverá o gosto ruim da clorofila que nem dizem . Além do mais, curas corretas e de curto período é muito mais vantajoso do que curas longas, devido ao fator THC . Muitos gostam mais do CBD, CBN, então deixam mais tempo curando pra obter êxito nestas características . Mas o fato é que quanto mais velha a erva, menor THC ela terá, mesmo tendo sabor e aroma melhor (o que não acho verdade) . Se for pra fumar um fumo pouco chapante, leve a cura por 3 meses, mas ... se seu objetivo é BRISA e SABOR, cure em menor escala de tempo . Do que adianta um fumo ser saboroso, ter bom cheiro, boa fumaça e não chapar o bastante ? De nada ! Concordam ? 3 meses de cura ? Loucura isso ! Em 20 dias, 25 dias temos uma erva de bom gosto, aroma, peso e potência . É isso que queremos ! Ou não ? De qualquer forma, é valido também a cura em períodos maiores, porém não é regra de que o fumo fica melhor . Isso é falácia . Sou grower desde 2014, estudo desde 2012, já perdi quase 400gr de erva por errar na cura (ser apressado) e em 3 anos consegui 2 colheitas sendo que apenas uma eu fumei (a do link abaixo) e outra eu perdi por cabaçar demais . Colhi, pendurei no varal por 3 dias e levei pro pote de vidro de 3 litros logo na sequência, isolando a parte externa do pote com saco de lixo preto (para que os buds não tivesse contato com a luz (mesmo estando dentro do guarda- roupas os potes)), mantendo fechado por 96hrs (por conselho dos mais antigos do fórum), para então abrir pela 1ª vez . Em 2 intervalos de 96hrs que eu deixei o pote fechado, a erva mofou toda, exalou cheiro de XIXI e tudo mais . Fiquei puto da vida com isso, que aconteceu ano passado 2016, mas os quase 400gr que eu perdi na cura me ensinou grandes e valiosas lições que eu estou agora em 2017 aplicando . Há 4 dias estou executando o processo de cura da minha primeira Maria de 2017 . Desta vez de forma correta e precisa . Estudei para karalho e desta vez não vou seguir conselhos errados . Colhi a 1ª parte da Maria no dia 20-JUNHO-2017, fiz a manicure das folhas e levei para o guarda- roupas os ramos manicurados, pendurados de ponta- cabeça e em regime de escuridão total . Desta vez é muita erva e eu não vou vacilar de novo, pois aprendi com o meu erro anterior . Seguir os conselhos dos growers mais antigos que dizem ser necessário manter os buds dentro do pote fechado e escondidos num local escuro, por mais de 48hrs dentro dos primeiros dias de cura, me levou a errar na cura . O certo é nos primeiros dias a gente abrir mais vezes os potes e com o passar da 1ª semana, aumentar o intervalo de tempo (ai sim haverá vantagem) . Mas manter os potes fechados e no escuro por mais de 48hrs nos primeiros dias de cura, pode te fazer perder a erva mofada, mesmo vc tendo secado ela corretamente dentro do guarda- roupas antes da cura nos potes . O fato é que também existem várias informações sobre cura que nos leva (nós, iniciantes) a errar por tentar seguir algo que alguém disse ser o correto . Por exemplo : o fato de eu abrir os potes de vidros de 96 em 96 horas foi absorvido de dicas de cura de pessoas que disseram que isso seria necessário para a NÃO DEGRADAÇÃO do THC pelo contato do AR e LUZ, porém isso me induziu ao erro (esta informação), visto que após a secagem do fumo (antes da cura), se colocarmos os buds em potes de vidros de 3 litros (com espaço pra O2) e deixarmos mais do que 24hrs fechado nos primeiros dias, o fumo pode vir a mofar (por umidade) e se perde toda a colheita por seguir conselhos mal explicados de pessoas que se dizem experientes ou pelo menos aparentam . Então aconselho à todos os iniciantes que JAMAIS (durante a cura) deixe o pote de vidro FECHADO e escondido com os BUDS por mais de 24hrs nos primeiros dias, aumentando pra 48hrs o tempo de abertura dos potes somente após uns 7 dias, pois se manter o pote fechado de 48hrs em 48hrs, dependendo da condição de clima e tempo da sua região e do seu armário, sua erva em 5 dias poderá mofar . Manter os potes fechados por muito tempo não é aconselhável no inicio da cura, há não ser que você tenha todos os equipamentos de medição de umidade do ar, do pote, enfim ... e controle isso bem de pertinho para não correr o risco de errar . Então minha dica é : jamais deixe os potes fechados por muitas horas nos primeiros dias de cura (apos a fase da secagem) . Isso pode comprometer o seu trabalho . Não se deve ter pressa ! Tb não se deve vacilar e deixar o fumo entocado no armário sem abrir os potes, pois desta forma você correrá o risco de abrir e ver um véu de mofo sobre os buds, apesar de muitos dizerem que abrem de 48 em 48hrs nos primeiros dias de cura . É triste demais errar por seguir conselhos errados e mal explicados desse povo que vive de teorias mal explicadas . Aconselho a todos uma cura de no máximo 25 dias para obter um fumo de potência e sabor IMPECÁVEIS . Mais que 25 dias já é coisa dessa gente que produz kilos e kilos e pode manter guardado . Enfim ! A cura é, pra mim, o processo mais delicado, mas não é difícil de se realizar . Só cuidado com as receitas prontas que vocês seguem, pois na maioria das vezes pode dar errado .
  3. Conteúdo pouco explorado, mas muito bom . Encontrei a venda alguns desses equipamentos . http://produto.mercadolivre.com.br/MLB-847941383-sistema-de-cromatografia-a-liquido-marca-waters-confira-_JM Será que é o aparelho certo ?
  4. Só complementando que hibridas entre Sativas e Indicas, que puxam mais para as Indicas (folhas mais largas), se adaptam melhor ao frio também . Tenho 3 plantas aqui no meu grow, todas hibridas de preenseeds, porém cada 1 deu uma Maria com uma característica diferente e com fases de vega e flora diferentes . Adaptações diferentes e em mesmo ambiente . Porém tratadas de forma diferente e todas explodiram em buds e tamanho de buds . Enfim ! Até as características fazem diferença . Uma Sativa SATIVA predominante mesmo, no frio se adapta menos, porém tem esses truquezinhos da alimentação pra mudar isso . Não custa caro quando se consegue bons resultados se bem aplicados em fases . Produtos que duram anos . Um LINK pra ler : http://maryjuana.com.br/2016/06/6-dicas-para-cultivar-cannabis-no-inverno/
  5. Tópico antigo, de 2012, mas vale a pena UPar . Minhas Marias vivem em Out e passam pelo inverno aqui no Rio de Janeiro, suave . Uma coisa que eu aprendi é a usar Silica (Rhino Skin) da AN . A silica reforça o sistema imune da planta e ela passa pelo frio sorrindo e crescendo . Existem também várias formas de você levar a sua planta, com alimentações e vitaminas que elas precisam, dando total diferença também no crescimento e desenvolvimento da Maria em fases tanto de dias quentes quanto de dias frios e de extremo frio . Várias formas de reforçar a saúde das plantas para que elas tenham essa resistência . A questão é estudar e aplicar, pois é desta forma que a gente vai descobrir como adaptar o cultivo a uma época ou outra . Também tem o lance de que no frio as Marias produzem mais resina (não THC) . Então eu gosto de levar 50% no calor e 50% no frio, iniciando o cultivo em Fevereiro, pois é o mês onde em 10 semanas posteriores a Maria dá o sexo e depois por mais 10 semanas + ou - fica florindo forte, sob boa iluminação do sol (mas não tão intenso (quente)), porém em meio a dias mais frios pré- inverno, ajudando a planta a terminar seu ciclo no inicio do inverno, tudo com o intuito de não ter o sol tão sobre os buds (para não degradar o THC) e além disso com a intenção de obter a tal ''resina'', só que com a baixa temperatura que não degrada o THC já existente no bud . Digo isso porque quando a planta flori em meio a épocas mais quentes onde o sol bate sobre o bud com muito mais intensidade, o sol que bate no bud degrada o THC e a planta produz a resina para se proteger dos raios UV . No frio não ! No frio o THC permanece no bud e a resina é criada da mesma forma . Enfim . Gosto do frio também como parte do cultivo . Foram 3 anos de cultivo pra aprender isso .
  6. Passa lá no meu diário do Outdoor . Atualizei ele hoje com fotos .
  7. Acabei de postar fotos do meu grow atual no meu diário . Passa lá irmão . Agradeço as suas palavras . #TMJ
  8. 3 anos na caminhada, 2 anos colhendo, 2 plantas colhidas . Nunca medi EC, uso água de torneira, terra vegetal, húmus de minhoca e diversos fertilizantes bons e que me recompensam colheitas e plantas que eu até creio ser milagre de Deus, de tão lindas que dão as Marias . Tudo isso sem complicar ! Pra quê complicar ? Me digam . As pessoas querem começar a subida do final da escada, depois toma tombo e volta pro primeiro degrau e só ai começa a aprender de verdade que a vida das Marias dependem muito mais do que dicas complicadas de estudantes do Indoor . Pelo amor de Deus ! Quanta complicação ... Quanto à parte da fertilização, da hora o conteúdo . Explicou bem ! Faltou algumas coisas, mas tá bom .
  9. Amigo, boa pa nóis . No caso o @mospri quis dizer que uma planta em determinado grau de latitude, que não toma o sol diretamente sobre os buds como em outro determinado grau de latitude onde o SOL é mais intenso sobre os buds, que os buds com MENOR exposição ao SOL (pela latitude), produzem menor nível de THC (o que é um PARADOXO se analisarmos) . O bud sob menor intensidade da luz do SOL não sofre tanto quanto a planta que estará num grau de latitude onde o SOL judie muito mais dos BUDS (das Marias) . Neste caso (onde os buds não recebem tanto sol pela latitude), em Indoor se consegue um maior resultado de produção de RESINA* (não THC), usando luzes artificiais e SE COMPARADO ao "local" onde a latitude #não colabora tanto com a luz do SOL . Claro que por regra, em situações equivalentes e condições iguais, a luz do sol exacerbadamente exerce maior poder e efeito do que as luzes UV artificiais do Indoor . Mas também temos que pensar que o FRIO INTENSO também é causador de produção de resina, assim como o SOL, porém aonde o SOL existir com mais intensidade, o BUD será mais resinado, porém não terá maior nível de THC . Isso porque o SOL quando bate no bud, degrada o THC existente e então a planta reagem produzindo RESINA (não THC) . Na prática, o THC não tem nada a ver com a resina ou luz do sol, sendo que quanto mais luz sobre o BUD, mais resina e menor nível de THC (pois o thc degrada) . Tanto que no FRIO, o FRIO também agride o BUD, fazendo com que a planta tente se proteger criando então + RESINA em seu sexo (BUD) para proteger a espécie e reprodução (fecundada ou não) . Entãó podemos entender que no frio temos maior produção de RESINA sem perca de THC do que no CALOR, sob SOL intenso . Prefiro acreditar que no frio é que temos um bom processo de produção de resina, sem perder o THC . É essa linha de pensamento que eu levo no meu cultivo para escolher a época do meu plantio . Alguém quer dizer algo ? O quote foi para a resposta recente que foi quotada e trazida para cá lá do ano de 2009 .
  10. Se liga nessas matérias ai . http://www.diariodaerva.com/2014/03/o-misterio-da-cannabis-roxa.html O MISTÉRIO da CANNABIS ROXA Quando você descobrir que as folhas de sua planta de cannabis estão ficando roxas, enquanto deveriam ter uma cor verde brilhante, você pode pensar que comprou a "strain" errada, ou há algo errado com a planta devido ao mau tempo ou nutrientes. Folhas roxas / botões geralmente aparecem nas chamadas "cepas roxa" como Blue Berrie e Bubbelicious mas, mesmo assim, podem ocorrer que a planta fique verde. Existem diferentes razões para que as folhas fiquem roxas e mesmo assim, é difícil dizer exatamente o que está acontecendo, porque é uma combinação de vários fatores. Muitas pessoas pensam que é falta de fósforo ou potássio, se esse for o caso, as folhas também devem mudar para outras cores, por exemplo, com a escassez de potássio, o centro das folhas mostram uma cor amarelada e dentro de dias alguns as folhas vão aparecer queimadas . A principal razão para a sua planta verde ficar roxa é simplesmente porque junto com o final da temporada, as noites ficam mais frias, isso geralmente resulta em folhas roxas porque as raízes não são capazes de ganhar Fósforo ou outros nutrientes do solo, que deveriam mantê-las saudáveis em crescimento e cor. Logicamente quando você plantar dentro de casa (indoor), é geralmente a falta de certos nutrientes que fazem as folhas ficarem roxas, quando você plantar ao ar livre(outdoor) aumentam as chances de temperaturas frias ou mudança de temperatura rápida, sendo a razão para a escassez de certos nutrientes. É muito importante tomar medidas assim que detectar esta coloração roxa original, isso significa que em vez de dar a sua planta nutrientes extras, primeiro tente movê-la para outro local ou certifique-se que as raízes não estão expostas ao frio. Se isso não ajudar, você pode dar lentamente mais nutrientes. Se você não é capaz de mover a planta para ambientes mais quentes, você pode enrolar uma folha de alumínio ou outro material de isolamento em torno do pote, se sua planta cresce em solo completo você pode colocar o material de isolamento no solo da planta. -------------------------------------------------------------------------------------------------------------- Pega esse : http://www.pazinfinita.com/purple-weed Maconha Roxa ou Purple Weed, Conheça tudo sobre a Cannabis violeta A Cannábis que desenvolve um tom violeta/azulado durante o seu desenvolvimento chama os holofotes para si em qualquer growroom, mas para além de sua beleza existem alguns segredos sobre essas plantas que você precisa conhecer antes de escolher a sua próxima strain. A primeira coisa a se comentar é : algumas plantas assumem um tom diferenciado do verde no bud naturalmente. Ou seja, ela vai atingir essa aparência independentemente de fatores ambientais ou nutricionais. Mas existem outras plantas que têm a tendência genética a ficar com as folhas e flores coloridas nesse tom arroxeado, mas isso só acontecerá se a planta estiver sob baixas temperaturas ou pelo menos sob variações de 10°C ou mais do dia para a noite. As plantas de cannábis e todas as plantas vasculares contém antocianinas em todas as suas partes: folhas, flores, frutos, galhos e até nas raízes. Essas antocianinas são flavonóides responsáveis pela mudança na pigmentação da flor de cannábis. E a sua presença é mais facilmente notável do meio para o fim da floração já que nessa fase do cultivo os outros nutrientes como o Nitrogênio(que deixa as folhas verdes) já estão em níveis mais baixos. As plantas que mesmo sob frio não apresentam tons violeta, são assim porque nunca chegam a produzir quantidades suficientes dessas antocianinas. Para identificar se se trata de uma planta naturalmente roxa ou se é só uma planta passando frio, repare que se o bud estiver em tons violeta mas as folhas em volta dele permanecem verdes, se trata de uma planta em que foi a genética quem provocou essa cor no bud. E se por outro lado, você reparar que a planta apresenta, além das flores, também as folhas arroxeadas, essa provavelmente será uma daquelas plantas que sob o frio reage “despertando” o seu gene de coloração roxa. As plantas naturalmente arroxeadas como a (Sweet Purple, Sandstorm, Somango ...) apesar de lindas, perfumadas e saborosas originalmente apresentavam um conteúdo de Thc mais baixo que as outras strains. Fato testado em laboratório, porém há quem diga que na atual fase do breeding mundial, após tantas cruzas e retrocruzas, as “plantas Purple” comercializadas já não perdem em nada noconteúdo de THC para qualquer outra. Ainda comparando as diferenças entre um exemplar de marijuana purple , ou pelo menos com altos níveis de antocianina pós stress de frio e uma cannábis comum. É possível que na cannábis arroxeada sejam encontrados ainda mais benefícios medicinais concentrados que nas plantas de outras cores. Isso porque as antocianinas que dão essa pigmentação roxa são conhecidas por serem antioxidantes potentes e também por possuirem propriedades analgésicas, antiinflamatórias e neuroprotetoras. Além disso, as pesquisas mais recentes desmonstraram que determinadas antocianinas tem afinidade seletiva com os receptores cannabinóides, conseguindo estabelecer ligações com os com os receptores CB1 e outros com os CB2. Algumas frutas com as mesmas antocianinas: uvas, groselhas, cerejas, amoras, framboesas, jabuticabas, Agora, se você tem um exemplar de BlueberryKush, Diesel, ... , e quer assistir de camarote esse espetáculo das cores, não recomendamos que saia apressando sem planejamento expondo seu cultivo ao inverno do outdoor ou ajustando a temperatura do seu indoor para baixo. Baixas temperaturas, em qualquer momento do cultivo vão atrasar o desenvolvimento das suas plantas e deixá-las vulneráveis a fungos e outras pragas. (18°c já está mal, mas problemas sérios só abaixo de 15°) A temperatura ideal é em torno dos 23°c (e ponto). Para quem quer planejar um jardim de inverno, a boa é calcular a época da germinação e o tempo do desenvolvimento da planta para que os últimos 15 dias de floração ocorram na época do ano de mais frio na sua região. Assim, tanto quem estiver cultivando outdoor quanto indoor provavelmente vai conseguir facilmente uma diferença de 10° ou mais entre as horas de luz acesa/Sol ou e as horas de escuro/noite. O resultado é fabuloso! Não só pelas cores, mas porque esse friozinho nas últimas semanas vai incrementar a produção de tricomas, ou seja a resina ou o açúcar em cima da planta, o que vai gerar flores especialmente potentes ---------------------------------------------------- #Paz
  11. Revivendo bons tópicos ... Eis que no frio a planta produz resina para proteger os buds, e no calor produz resina para proteger também os buds . Em ambas as situações, a Maria produz resina para proteger seu sexo, que é de onde ela vem e é de onde ela procria a espécie . Aprendemos aqui também que mais resina não é + THC, isso porque a luz do sol degrada o THC já existente e produzido, para criar a resina . Também entendemos que a resina é a forma de prender as patas dos insetos, salvo as aranhas e outro bicho ai que consegue andar sobre os buds . Resina também serve para grudar o pólen do macho no bud da fêmea sem que ele voe . Isso também é interessante de se saber . RESINA, RESINA ! THC, THC . Resina não é + THC e quem espera um bud resinado com mais potência de THC, esquece . Na verdade o THC nem sempre acompanha o crescimento do BUD, mesmo vc fertilizando bem a planta com Melaço, Carboidratos e tudo mais . Para que o THC acompanhe a engorda do bud, há diversos outros fatores ligados de desenvolvimento de outras funções da planta . É bom UPAR tópicos assim, porque tópicos assim são debatidos de forma errada em outros lugares do fórum, por pessoas que vivem de conjecturas furadas . Parabéns ai irmão Grower que colaborou com o seu tempo pra nos ensinar mais esta lição que nos agrega demais em saber .
  12. Essa gente ai que de 2011 para cá tirou onda com essa da manga, primeiro deveria aprender a ler, estudar, pegar uma visão para abrirem suas bocas podres ou movimentarem seus dedos inúteis para digitar opiniões e achismos, conjecturas, que sinceramente me enoja, pois para nada contribui e ao contrário do que se espera, acaba atrapalhando aquele que está em busca da informação e do conhecimento embasado em verdades, e não em conjecturas de pessoas medíocres . Pelo amor de Deus ! Tenho nojo desse tipo de GROWER que tem dentro da cabeça um grão de arroz . Menor que o de feijão ! Virem homem, seus muelque do kara....io . Vários tópicos da hora pelo fórum infectado de pessoas assim, limitadas e atrasa lado . Bando de primata ! LEIAM : Comer uma manga (Manguifera indica) bem madura cerca de 30 minutos antes de fumar um baseado aumenta drasticamente os efeitos dos cannabinoides, tanto em potência quanto em duração. Isso mesmo, não estou brincando, nem é lenda, mas fato científico. Tal fenômeno ocorre porque mangas maduras (entre outras plantas) são ricas num óleo essencial aromático (e psicoativo) chamado Mirceno, que tem a capacidade de atravessar facilmente o córtex cerebral e tem grande afinidade com cannabinoides, levando-os consigo através dos caminhos fisiológicos. Ele é o responsável pelo aroma acentuado destas frutas e de várias plantas aromáticas, ele tem grande longevidade no organismo e sua afinidade cannabinoica funciona para quaisquer moléculas com alguma similaridade. Mirceno, ou ß-mirceno, é um composto orgânico oleofínico natural classificado como um monoterpeno. Terpenos são dímeros do isopreno. Outro exemplo de terpenos psicoativos são aqueles encontrados Salvia divinorum, as "salvinorinas", que são diterpenos extremamente potentes que também possuem a mesma afinidade fisiológica do Mirceno. Ele é ainda produzido em larga escala de forma semi-sintética, geralmente a partir de plantas do gênero Myrcia, sendo uma espécie de fixador, além de componente chave para a síntese de várias fragrâncias. As Mangas que concentram a maior quantidade de Mirceno, quando maduras, são as variedades Cavalo, Rosa, Espada e Paulista (Andrade, E. H. A.; Maia, J. G. S.; Zoghbi, M. G. B.; J. Food Comp. Anal. 2000, 13, 27.) Também encontra-se Mirceno em quantidades consideráveis no Capim Sidreira (Cymbopogon citratus), na Erva Cidreira (Lippia alba) e no Loureiro ou Louro (Laurus nobilis), planta que "fazia a cabeça" dos antigos gregos em forma de ornamentos do tipo "coroas", ainda hoje referenciadas como símbolo olímpico. Ironia:É preciso cuidado com esta notícia, ou "Manga, a nova maconha..." poderá ser a manchete dos principais e "mais menos confiáveis" jornais do país...Além disso, se tal notícia chega ao FDA (aquele órgão norte-americano de proteção à saúde financeira dos megalaboratórios, e do qual a Anvisa "copia e cola" os textos depois de passar no Google Translator), é capaz de incluírem a deliciosa fruta em suas listas proibitivas de plantas demonizadas, tendo em vista seu potencial de aumentar os efeitos dos cannabinoides e diminuir a credibilidade das autoridades, além de esta ser uma grande forma de atacar a economia de países subdesenvolvidos como a Índia, local de origem da manga (e também da maconha), que atualmente exporta cerca de 12 milhões de toneladas anuais da fruta, equivalente a mais de 50% do comércio mundial, seguida da China, inimiga íntima do Tio San e responsável por 10% deste mercado bilionário.No Brasil a manga vem apresentando as maiores taxas de crescimento entre as frutas exportadas, mas ainda ocupamos apenas o 9° lugar, com modestas 823 mil toneladas anuais, que não daria pra fazera a cabeça nem sequer dos brasileiros.A perspectiva é de aumento dessa participação, caso não haja nenhuma onda de histeria em massa por causa desta "notícia bongbástica" que associa manga com maconha, afinal, é isso o que a mídia mainstream faz quando deseja "queimar o filme" de algum vegetal inocente e não tem argumentos pra isso, a exemplo do que ocorreu com e continua ocorrendo com a Salvia.O pior de tudo é que vai ser MUITO DIFÍCIL manter um pé de Manga dentro de casa sem dar na vista "dus omi", a menos que seja a manga-rosa, planta que não dá mangas, mas dá uma boa lombra (sombra, em italiano)... ;-)Bon Appétit! http://www.diariodaerva.com/2011/01/alquimia-da-manga-rosa.html
  13. Água com açúcar na Maria (RETIRADO do CANNABIS CAFÉ) Continuando ... Fontes... http://www.portalsaofrancisco.com.br...ssintese-3.php ... e uma licenciatura em biologia (e detestava botânica).Ora, não é nada simples perceber a degradação (e formação dos açucares) numa planta. Aliás, ainda há muita coisa que não se sabe.Basicamente é uma questão de fosforilação do ATP (Adenina Tri Fosfato).O que importa reter é que a criação de açucar pelas plantas é extremamente, e friso, extremamente dispendiosa em termos energéticos.E isto apenas para fazer açucares simples do tipo C6H12O6 - glicose.O melaço resolve parte da equação, porque ao ser assimilado de forma passiva (por diferenças de gradiente de concentração, da menor concentração para a maior) poupa à planta o esforço de fabricar o açucar, aliando-lhe os aminoácidos e minerais durante o processo.O açucar mascavado tem todos os ingredientes do melaço, com uma GRANDE diferença. Passo a explicar:O melaço de cana-de-açúcar é apenas um tipo de melaço, o líquido escuro que é o resultado do processo de refinamento da cana-de-açúcar para açúcar para consumo. O melaço de cana-de-açúcar é feito da terceira fervura do xarope de açúcar e é, por isso, o resultado concentrado excedente após a sacarose do açúcar ter sido cristalizada.Ora, as cadeias de açucares presentes nos melaços, são mais longas e contêm normalmente minerais associados (por exemplo C24H48O24Fe inclui um átomo de ferro), devido ás temperaturas a que são sujeitas.Para além disso as cadeias de carbono mais longas podem ser aproveitadas imediatamente pela planta, e caso não as utilize, em termos energéticos é muito mais "barato" corta-las do que fabrica-las.É por isso que o melaço pode causar oferfert. A concentração normal numa célula é de 5% de açucares. O melaço impulsiona o desenvolvimento de matéria vegetal que não vai servir para fazer a fotossintese (folhas, talos, etc.)No entanto se a concentração de açucares, que volto a dizer entram de forma passiva na planta, chegar a essas percentagem (20%) a planta entram em shut-down progressivo. Atenção que como afirmei anteriormente as moléculas de carbono (especialmente as mais longas) têm minerais dissolvidos, causando um duplo problema, já que as plantas normalmente não conseguem excretar minerais em excesso (depositam minerais e excessos nas folhas, que acabam por morrer). Os aminoácidos são o ouro sobre azul nesta história. Já elaborados (poupanto energia à planta) são imediatamente aproveitados para fazer a sintese de novo material vegetal, logo engrossando as nossas flores, plantas, etc.Mais informação (valores aproximados)14 GRS / 33.00 CALORIASNUTRIENTES QUANT. DDR (%) DENSIDADE DO NUTRIENTE ABSORÇÃO.MANGANÉSIO 0.36 mg 18.0 10.1 excelenteCOBRE 0.28 mg 14.0 7.8 excelenteFERRO 2.39 mg 13.3 7.4 muito bomCÁLCIO 117.53 mg 11.8 6.6 muito bomPOTÁSSIO 340.57 mg 9.7 5.5 muito bomMAGNÉSIO 29.38 mg 7.3 4.1 muito bomVITAMINA B6 0.10 mg 5.0 2.8 bomSELÉNIO 2.43 mcg 3.5 1.9 bomFonte: Trabalho de Un. de um ex - colega meu. Levado ao limite, em hidoponia ou qualquer outro sistema sem substracto, podemos calcular o peso das nossas mininas e a partir daí fazer uma conta simples para saber a quantidade de melaço que temos de dar. sabendo que a percentagem média de açucar dentro de cada célula é de 5% e que a planta corresponde a 100%, que percentagem de açucar podemos colocar na água, e com que concentração, para que a planta quase não tivesse de produzir açucares?Fica o repto ...(ensina um homem a pescar....)Espero ter ajudado . (USUÁRIO do CANNABIS CAFÉ)
×
×
  • Criar Novo...